Geo 15 rochas magmáticas - diferenciação magmática

7.970 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.970
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.493
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
443
Comentários
0
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Geo 15 rochas magmáticas - diferenciação magmática

  1. 1.  Magmatismo – Diferenciação magmática
  2. 2. Sarcófago em BasaltoNuno Correia 11/12 2
  3. 3. Um só magma pode originar diferentes tipos de rochas, visto serconstituído por uma mistura complexa que, ao solidificar, formadiferentes associações de minerais. Como a cristalização dessesminerais ocorre a temperaturas diferentes, formam-se durante o processodiferentes associações de cristais e um magma residual. A composição dolíquido residual vai-se modificando conforme a temperatura vai baixando,podendo originar-se rochas diferentes a partir do magma original. Pode,então, afirmar-se que existe uma diferenciação magmática porcristalização fracionada, isto é, realizada em tempos diferentes. Nuno Correia 11/12 3
  4. 4. Nuno Correia 11/12 4
  5. 5. Xenólito de micaxisto no granito – Sanxenxo (Galiza, Esp). Foto : Rui Soares 5Nuno Correia 11/12
  6. 6. Nuno Correia 11/12 6
  7. 7. Segundo Bowen, existem duas séries de reações que se designam, respetivamente, por série dos minerais ferromagnesianos ou série descontínua e série das plagioclases ou série contínua. Estas séries refletem fenómenos que ocorrem simultaneamente à medida gue a temperatura do magma vai baixando. 7Nuno Correia 11/12
  8. 8. Se os minerais, uma vez formados, forem separados do banhomagmático, o que pode acontecer por precipitação gravítica (eles sãomais densos) no fundo da câmara magmática, o que resta do fundidoinicial fica mais pobre em elementos dos minerais cristalizados atemperaturas mais elevadas, mas mais rico em silício, sódio e/ou potássio,ou seja, em elementos constituintes dos minerais que cristalizam atemperaturas sucessivamente mais baixas e, também, os menos densos. Nuno Correia 11/12 8
  9. 9. Este processo sequencial, conhecido por cristalização fracionadaconduz a que, a partir do mesmo banho, se possam formar produtosrochosos diferentes, isto é, possa ocorrer diferenciação, neste caso,por precipitação ou decantação dos minerais no seio de um líquidomenos denso. Nuno Correia 11/12 9
  10. 10. 1) Sabendo que tendem a cristalizar em conjunto minerais que se situam ao mesmo nível de temperatura, indique quais as associações de minerais mais previsíveis.2) Num basalto é pouco provável a ocorrência de quartzo. Justifique esta afirmação.3) Qual a composição mineralógica mais provável de um diorito?4) Nas rochas magmáticas com quartzo, este parece ocupar o espaço deixado pelos restantes minerais que as constituem. Explique este facto. Nuno Correia 11/12 10
  11. 11. Nuno Correia 11/12 11
  12. 12. As últimas frações do magma, constituídas por água com voláteis eoutras substâncias em solução, como a sílica, a plagioclase sódica e ofeldspato potássico, que constituem as soluções hidrotermais, podempreencher fendas das rochas, onde os materiais remanescentescristalizam, formando estruturas chamadas filões. Os filões podem serconstituídos por um só mineral ou por vários minerais associados. 12 Nuno Correia 11/12
  13. 13. 13
  14. 14. Nuno Correia 11/12 14
  15. 15. Nuno Correia 11/12 15
  16. 16. Segundo Bowen, é possível que um maqma basáltico possa produzir magmas diversificados,nomeadamente magmas riolíticos.No entanto, nem grandes volumes de magma riolítico nem grandes corpos graníticos se podemformar por cristalização fracionada.Somente 10% de um magma com a composição do magma basáltico pode diferenciar-se emmagma riolítico.Ora, como sabemos, os maciços graníticos atingem enormes volumes na crusta continental.Além disso, os granitos ocorrem sempre na crusta continental e, portanto, se a sua génesese relacionasse apenas com magmas basálticos, seria de esperar encontrá-los na crustaoceânica, onde os basaltos são mais comuns.Parece ser, pois, de aceitar para a génese da maioria dos granitos a ideia de que grandeparte resulta de magmas riolíticos provenientes da fusão parcial das rochas da crustacontinental. Nuno Correia 11/12 16
  17. 17. Nuno Correia 11/12 17
  18. 18. Atualmente, pensa-se que o processo de diferenciação é bem mais complexodo que anteriormente se admitia: Os magmas não arrefecem uniformemente. Podem existir transitoriamente diferenças de temperatura dentro da câmara magmática, podendo causar variações locais da composição do magma. Alguns magmas são imiscíveis, isto é, não se misturam com outros. Quando tais magmas coexistem na mesma câmara magmática, cada um forma os seus cristais. Magmas imiscíveis podem dar origem a cristais diferentes daqueles que dariam isoladamente. Os magmas, ao consolidarem, podem assimilar materiais das rochas encaixantes que modificam a sua composição. Nuno Correia 11/12 18
  19. 19. 19Nuno Correia 11/12
  20. 20.  Os magmas não arrefecem uniformemente. Podem existir transitoriamente diferenças de temperatura dentro da câmara magmática, podendo causar variações locais da composição do magma. Nuno Correia 11/12 20
  21. 21. Os magmas, ao consolidarem, podem assimilar materiais das rochas encaixantes que modificam a sua composição Nuno Correia 11/12 21
  22. 22. Alguns magmas são imiscíveis, isto é, não se misturam com outros. Quando tais magmas coexistem na mesma câmara magmática, cada um forma os seus cristais. Nuno Correia 11/12 22
  23. 23. Os magmas, ao consolidarem, podem assimilar materiais das rochas encaixantes que modificam a sua composição Nuno Correia 11/12 23
  24. 24. Nuno Correia 11/12 24
  25. 25. Nuno Correia 11/12 25
  26. 26. Nuno Correia 11/12 26
  27. 27. Nuno Correia 11/12 27
  28. 28. A mistura de dois magmas gera movimentos de turbilhão Nuno Correia 11/12 28
  29. 29. Nuno Correia 11/12 29

×