G9 a crusta terrestre apresenta mobilidade

5.004 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.004
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.533
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
315
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

G9 a crusta terrestre apresenta mobilidade

  1. 1. 10º ANO - GEOLOGIA Terra, um planeta em mudança
  2. 2.  Se observarmos as nuvens durante vários dias vemos um padrão em constante mudança. É a dinâmica da nossa Atmosfera. Nuno Correia - 10/11
  3. 3. Que tempo fazia em Portugal? É Verão ou Inverno no Hemisfério Norte? Consegues identificar as grandes células de circulação atmosférica? Onde estão as zonas desérticas? Nuno Correia - 10/11
  4. 4. Se retirarmos as perturbações atmosféricas, ficamos apenas com água e rocha coberta de vegetação, um padrão que parece imutável. Nuno Correia - 10/11
  5. 5. Será verdade? A Terra sólida não muda? Nuno Correia - 10/11
  6. 6. Contraccionistas Nuno Correia - 10/11
  7. 7. Nuno Correia - 10/11
  8. 8. Como explicar a formação do Mar Vermelho? Nuno Correia - 10/11
  9. 9. Muitas ideias…. Nuno Correia - 10/11
  10. 10. Deriva dos Continentes  Em 1915, Alfred Wegener, um cientista alemão, revolucionou a Geologia ao afirmar que os continentes, agora afastados, já haviam estado juntos formando uma única massa continental. Nuno Correia - 10/11
  11. 11. Argumentos Nuno Correia - 10/11
  12. 12. Morfológicos Nuno Correia - 10/11
  13. 13. Paleontológicos Nuno Correia - 10/11
  14. 14. Paleoclimáticos Nuno Correia - 10/11
  15. 15. Nuno Correia - 10/11
  16. 16. Litológicos  Rochas com a mesma idade, e do mesmo tipo, apresentam um registo fóssil semelhante,embora se encontrem actualmente na América do Sul e na África do Sul, separadas pelo oceano Atlântico.  As rochas mais recentes destes dois continentes são constituídas por minerais diferentes e contêm fósseis de espécies distintas. Nuno Correia - 10/11
  17. 17. Nuno Correia - 10/11
  18. 18. Uma Teoria rejeitada...  os argumentos não eram suficientemente convincentes, nem suportados por dados físicos e cálculos matemáticos da época;  não apresentava um mecanismo para a deriva dos continentes e esta era considerada impossível, pois implicava a existência de forças muito intensas que eram desconhecidas na época.  Wegener foi fortemente criticado e afectado ao nível da sua carreira profissional e da sua reputação científica, tendo-se mudado da Áustria para a Alemanha para continuar a sua carreira como professor universitário. Nuno Correia - 10/11
  19. 19. Mas será verdade? A Terra sólida não muda? Nuno Correia - 10/11
  20. 20. O relevo do nosso planeta Te m o s e n t ã o d e e s v a z i a r o s o c e a n o s Nuno Correia - 10/11
  21. 21. A Terra é um planeta rochoso do Sistema Solar Nuno Correia - 10/11
  22. 22. Diferente da Lua…. Crateras… crateras… crateras Nuno Correia - 10/11
  23. 23. E de Marte… também Nuno Correia - 10/11
  24. 24. Nuno Correia - 10/11
  25. 25. Expansão dos fundos oceânicos  Permitiu estabelecer um modelo dos fundos oceânicos. Harry Hess Nuno Correia - 10/11
  26. 26. Na Terra o relevo do fundo dos oceanos é dominado por longas cadeias de montanhas e profundas fossas submarinas. Nuno Correia - 10/11
  27. 27. Existe nos oceanos uma cadeia de montanhas com 20 000 km de extensão (metade da circunferência da Terra). Nuno Correia - 10/11
  28. 28. Nuno Correia - 10/11
  29. 29. Estas cadeias de montanhas estão espalhadas por todos os oceanos, são as . Nuno Correia - 10/11
  30. 30. Nuno Correia - 10/11
  31. 31. fossas abissais. Nuno Correia - 10/11
  32. 32. Teoria Unificadora da Geologia Tectónica de Placas  Existência de dorsais médio-oceânicas;  Diminuta idade das rochas da crusta oceânica;  A espessura dos sedimentos nos oceanos aumenta à medida que aumenta a distância ao rifte;  Hipótese da expansão dos fundos oceânicos;  Actividade sísmica e vulcânica; Nuno Correia - 10/11
  33. 33. Idade das Rochas As rochas mais antigas localizam-se nos continentes. Nuno Correia - 10/11
  34. 34. Nuno Correia - 10/11
  35. 35. Conclusões  A crosta oceânica mais jovem encontra-se nas dorsais.  À medida que nos afastamos das dorsais a idade aumenta.  Não encontramos crosta oceânica com idades superiores a 280 Ma. Nuno Correia - 10/11
  36. 36. Espessura dos sedimentos A camada de sedimentos que se acumula no fundo do oceano Pacífico era muito mais fina do que o esperado , tornando-se mais espessa à media que aumenta a distância ao rifte. P. 63 Nuno Correia - 10/11
  37. 37. Profundidade e idade Quanto mais velha for a crosta oceânica maior é a profundidade. Nuno Correia - 10/11
  38. 38. A crosta oceânica jovem é mais quente e leve (pouco densa) A crosta oceânica mais velha é mais fria e densa Nuno Correia - 10/11
  39. 39. Hipótese da expansão dos fundos oceânicos  A crusta oceânica é formada nas zonas de rifte;  Reciclada nas zonas de fossas (subducção); Nuno Correia - 10/11
  40. 40. Vulcanismo e Tectónica de Placas Nuno Correia - 10/11
  41. 41. Actividade sísmica Nuno Correia - 10/11
  42. 42. Teoria da Tectónica de Placas Nuno Correia - 10/11
  43. 43. Estrutura Interna da Terra Nuno Correia - 10/11
  44. 44. Litosfera Nuno Correia - 10/11
  45. 45. Limites de Placas Nuno Correia - 10/11
  46. 46. Divergentes Nuno Correia - 10/11
  47. 47. Convergentes Nuno Correia - 10/11
  48. 48. Conservativos Nuno Correia - 10/11
  49. 49. As placas movem-se! Mobilismo! Nuno Correia - 10/11
  50. 50. Nuno Correia - 10/11
  51. 51. Nuno Correia - 10/11
  52. 52. Correntes de Convecção Nuno Correia - 10/11
  53. 53. O motor da Terra! Nuno Correia - 10/11
  54. 54. Geodinâmica Externa C D o e Magmatismo n s Meteorização s t t r Metamorfismo r u Erosão u i ç ç Deformação ã ã o o Geodinâmica Interna Nuno Correia - 10/11
  55. 55. Consequências  Formação de cadeias montanhosas  Deformação de materiais  Distribuição de seres vivos Nuno Correia - 10/11
  56. 56. Formação de cadeias montanhosas Nuno Correia - 10/11
  57. 57. Deformações dos materiais Nuno Correia - 10/11
  58. 58. Nuno Correia - 10/11
  59. 59. Distribuição de seres vivos Nuno Correia - 10/11
  60. 60. Marsupiais Nuno Correia - 10/11
  61. 61. Equídeos Nuno Correia - 10/11
  62. 62. Pangea Separação 225 Ma Laurásia Gondwana Separação 150 Ma América do Há 20Ma colidiu Eurásia Norte Índia África e América Antárctica e Há 3 Ma moveu-se para do Sul Austrália norte Separação há 124 Ma Separação 55 Ma América do África Sul Antárctica Austrália 245 Ma 65 Ma 23 Ma 0 Mesozóico Cenozóico Nuno Correia - 10/11
  63. 63. 245 Ma 65 Ma 23 Ma 0 Mesozóico Cenozóico Mobilismo Nuno Correia - 10/11
  64. 64. Mobilismo Nuno Correia - 10/11
  65. 65. Nada na Biologia faz sentido excepto à luz da Evolução. Dobzhansky Nada na Geologia faz sentido excepto à luz da Tectónica de Placas. Nuno Correia - 10/11
  66. 66. Actividade Prática Nuno Correia - 10/11
  67. 67. Actividade 1 Nuno Correia - 10/11
  68. 68. Actividade 2 (…)Se um sinal sonoro emitido pelo sonar encontrar um alvo - um objecto ou o fundo do mar -ele é reflectido'; o tempo que medeia entre a emissão do sinal e a recepção do respectivo eco permite determinar a distância a que está o alvo, desde que se conheça a velocidade do som nesse local. A velocidade de propagação do som nos oceanos, cujo valor médio é de cerca de 1500 m/s, depende da temperatura, da pressão e da salinidade da água. Nuno Correia - 10/11
  69. 69. Nuno Correia - 10/11

×