O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.
Biologia
2Diversidade de estratégias na    reprodução sexuada                         Nuno Correia 2011/12
3          GónadasEstruturas onde se produzem gâmetas.                TestículosGónadas                 Ovários           ...
4    Nuno Correia 2011/12
5    Nuno Correia 2011/12
6Para que ocorra fecundação é necessário sincronismo na produção de gâmetas por parte dos dois progenitores,, o que pode r...
7    Nuno Correia 2011/12
8    Nuno Correia 2011/12
9    Nuno Correia 2011/12
10     Nuno Correia 2011/12
11 A impossibilidade de um hermafrodita seauto-reproduzir apresenta vantagens, pois a  necessidade de recorrer a um parcei...
12     Nuno Correia 2011/12
13Os parasitas apresentam probabilidade  mínima de se cruzar com um outro               indivíduo.                        ...
14              HermafroditasSuficientes             Insuficientes                                 Nuno Correia 2011/12
15Fecundação             Nuno Correia 2011/12
16  Para que ocorra fecundação é necessário sincronismo naprodução de gâmetas por parte dos dois progenitores,, o quepode ...
17     Fecundação externa  Limitada      ameio aquático                     Nuno Correia 2011/12
18Esta fecundação exige uma produção maciça de gâmetas, dado que a probabilidade de estes se encontrarem é baixa, bem como...
19No meio terrestre, é necessário uma fecundaçãointerna para não comprometer a mobilidade dos   gâmetas e a hidratação do ...
20Fecundação Interna                 Nuno Correia 2011/12
21Vantagem: poupança energética na produção de gâmetas.Exigências: Desenvolvimento de um órgão copulador (formade deposita...
22Parada nupcial                 Nuno Correia 2011/12
23  A parada nupcial de indivíduos da mesmaespécie, promovem a libertação de gâmetas.                                    N...
24     Nuno Correia 2011/12
25     Nuno Correia 2011/12
26Luta pela sobrevivência                    Nuno Correia 2011/12
27     Nuno Correia 2011/12
28Reprodução sexuada nas       plantas                   Nuno Correia 2011/12
29     Nuno Correia 2011/12
30Gametângios              Nuno Correia 2011/12
31Gametângios nos musgos                   Nuno Correia 2011/12
32Gametângios nasGimnospérmicas                  Nuno Correia 2011/12
33Gametângios nas Angiospérmicas                  Nuno Correia 2011/12
34     Nuno Correia 2011/12
35         PolinizaçãoDireta              Indireta                           Nuno Correia 2011/12
36Polinização               anemófila               entomófila              Nuno Correia 2011/12
entomófila   anemófila
38Anemófila            Nuno Correia 2011/12
39     Nuno Correia 2011/12
40     Nuno Correia 2011/12
41     Nuno Correia 2011/12
42     Nuno Correia 2011/12
43     Nuno Correia 2011/12
44     Nuno Correia 2011/12
45Desenvolvimento do Fruto                    Nuno Correia 2011/12
46     Nuno Correia 2011/12
Tomate         Nuno Correia 10/11
48   Disseminação dos frutos e           sementes  Essencial napropagação deplantas com flor                        Nuno C...
49     Nuno Correia 2011/12
Dispersão, interacção de      subsistemas
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Biologia 11 diversidade de estratégias na reprodução sexuada

2.993 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Biologia 11 diversidade de estratégias na reprodução sexuada

  1. 1. Biologia
  2. 2. 2Diversidade de estratégias na reprodução sexuada Nuno Correia 2011/12
  3. 3. 3 GónadasEstruturas onde se produzem gâmetas. TestículosGónadas Ovários Nuno Correia 2011/12
  4. 4. 4 Nuno Correia 2011/12
  5. 5. 5 Nuno Correia 2011/12
  6. 6. 6Para que ocorra fecundação é necessário sincronismo na produção de gâmetas por parte dos dois progenitores,, o que pode resultar quer de estímulos ambientais quer de estímulos sociais. Nuno Correia 2011/12
  7. 7. 7 Nuno Correia 2011/12
  8. 8. 8 Nuno Correia 2011/12
  9. 9. 9 Nuno Correia 2011/12
  10. 10. 10 Nuno Correia 2011/12
  11. 11. 11 A impossibilidade de um hermafrodita seauto-reproduzir apresenta vantagens, pois a necessidade de recorrer a um parceiro garante diversidade na descendência. Nuno Correia 2011/12
  12. 12. 12 Nuno Correia 2011/12
  13. 13. 13Os parasitas apresentam probabilidade mínima de se cruzar com um outro indivíduo. Nuno Correia 2011/12
  14. 14. 14 HermafroditasSuficientes Insuficientes Nuno Correia 2011/12
  15. 15. 15Fecundação Nuno Correia 2011/12
  16. 16. 16 Para que ocorra fecundação é necessário sincronismo naprodução de gâmetas por parte dos dois progenitores,, o quepode resultar quer de estímulos ambientais quer de estímulos sociais. Nuno Correia 2011/12
  17. 17. 17 Fecundação externa Limitada ameio aquático Nuno Correia 2011/12
  18. 18. 18Esta fecundação exige uma produção maciça de gâmetas, dado que a probabilidade de estes se encontrarem é baixa, bem como uma produção simultânea dos mesmos. Nuno Correia 2011/12
  19. 19. 19No meio terrestre, é necessário uma fecundaçãointerna para não comprometer a mobilidade dos gâmetas e a hidratação do ovo (ou zigoto).. Nuno Correia 2011/12
  20. 20. 20Fecundação Interna Nuno Correia 2011/12
  21. 21. 21Vantagem: poupança energética na produção de gâmetas.Exigências: Desenvolvimento de um órgão copulador (formade depositar um tipo de gâmetas no interior do organismo dosexo oposto). Nuno Correia 2011/12
  22. 22. 22Parada nupcial Nuno Correia 2011/12
  23. 23. 23 A parada nupcial de indivíduos da mesmaespécie, promovem a libertação de gâmetas. Nuno Correia 2011/12
  24. 24. 24 Nuno Correia 2011/12
  25. 25. 25 Nuno Correia 2011/12
  26. 26. 26Luta pela sobrevivência Nuno Correia 2011/12
  27. 27. 27 Nuno Correia 2011/12
  28. 28. 28Reprodução sexuada nas plantas Nuno Correia 2011/12
  29. 29. 29 Nuno Correia 2011/12
  30. 30. 30Gametângios Nuno Correia 2011/12
  31. 31. 31Gametângios nos musgos Nuno Correia 2011/12
  32. 32. 32Gametângios nasGimnospérmicas Nuno Correia 2011/12
  33. 33. 33Gametângios nas Angiospérmicas Nuno Correia 2011/12
  34. 34. 34 Nuno Correia 2011/12
  35. 35. 35 PolinizaçãoDireta Indireta Nuno Correia 2011/12
  36. 36. 36Polinização anemófila entomófila Nuno Correia 2011/12
  37. 37. entomófila anemófila
  38. 38. 38Anemófila Nuno Correia 2011/12
  39. 39. 39 Nuno Correia 2011/12
  40. 40. 40 Nuno Correia 2011/12
  41. 41. 41 Nuno Correia 2011/12
  42. 42. 42 Nuno Correia 2011/12
  43. 43. 43 Nuno Correia 2011/12
  44. 44. 44 Nuno Correia 2011/12
  45. 45. 45Desenvolvimento do Fruto Nuno Correia 2011/12
  46. 46. 46 Nuno Correia 2011/12
  47. 47. Tomate Nuno Correia 10/11
  48. 48. 48 Disseminação dos frutos e sementes Essencial napropagação deplantas com flor Nuno Correia 2011/12
  49. 49. 49 Nuno Correia 2011/12
  50. 50. Dispersão, interacção de subsistemas

×