Bg 11 experiências de frederick griffith

3.430 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.430
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
101
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Bg 11 experiências de frederick griffith

  1. 1. BIOLOGIA E GEOLOGIA 11 Experiências de Griffith
  2. 2. Em 1928, os trabalhos realizados pelo bacteriologista FrederickGrif fith abriram caminho para um conjunto de trabalhosexperimentais que viriam a permitir identificar o materialgenético Estirpe – significa que tem a mesma origem genética. Timeline - http://www.dipity.com/AminRashidi/Race-to-DNA-Discovery/ Nuno Correia 2012/13
  3. 3.  Analise a experiência realizada por Griffith, em 1928, e responda às questões. Interessado em conhecer o modo de atuação dos pneumococos, bactérias que provocam a pneumonia, e sabendo da existência de duas estirpes distintas da espécie Steptococcus pneumoniae, a forma R (com aspeto rugoso e não virulenta) e a forma S (de aspeto liso altamente virulenta), Grif fith idealizou a experiência seguinte: Nuno Correia 2012/13
  4. 4. Com base nos dados da figura, justifique as designações:a) virulenta, atribuída à forma S;b) não virulenta, atribuída à forma R; Nuno Correia 2012/13
  5. 5. Griffith concluiu, a partir da análise dos resultados desta experiência, queexistia nas bactérias S um «princípio transformante» capaz de alterar asbactérias R. Comente as suas conclusões. Nuno Correia 2012/13
  6. 6. É possível identificar, com base na interpretação desta experiência, a molécularesponsável pela determinação das características da célula? Justifique aresposta. Nuno Correia 2012/13
  7. 7. NOTAComo em muitos outros casos, as descobertas de Grif fithpodem, de algum modo, considerar-se acidentais.De facto, este investigador trabalhava noutro sentido; pretendiaencontrar uma vacina para a pneumonia. Nuno Correia 2012/13
  8. 8. O QUE É CIÊNCIA?Área do saber, com método próprio, fundamentada em dados que podem ser objetivamente demostrados ou verificados. Nuno Correia 2012/13
  9. 9. O conhecimento científico é um processo que nunca está acabado.Biophysics Department research at Kings using electron microscope [1960s] (Kings College London Archives Ref: KDBP/PH191) Nuno Correia 2012/13
  10. 10. MÉTODO CIENTÍFICO Não comprova a hipótese. (Re)formulação ExperimentaçãoObservação TEORIA da hipótese Deve testar a hipótese Deve ser Conjunto de Deve ser uma recriando o mais minuciosa, Lei leis que explicação do fielmente possível todas rigorosa, Hipótese explicam o fenómeno, tendo as condições naturais. controlada, comprovada mesmo por base os dados Deve ter controlo,sistemática e fenómeno. observados e variáveis e deverá poder repetida. recolhidos. ser repetida. São explicados pela teoria (reforçam a teoria). Novos Dados Não São explicados pela teoria. Nuno Correia 2012/13
  11. 11. GRUPO CONTROLO E GRUPO EXPERIMENTALO grupo de controlo difere do grupo experimental unicamente pela ausência daintervenção ou do impacto da variável experimental (independente), ou da suamanipulação, sendo equivalente, do ponto de vista da amostragem, ao grupoexperimental. (1997, Almeida e Freire - Metodologia da investigação em Psicologia e Educação. Coimbra: APPORT) Qual (quais) do(s) lote(s) pode(m) ser considerado(s) como controlo? Nuno Correia 2012/13
  12. 12. Qual (quais) do(s) lote(s) pode(m) ser considerado(s) como controlo? Nuno Correia 2012/13
  13. 13. AMOSTRAConjunto de indivíduos onde decorre aexperimentação, sendo constituído apartir da segmentação do universo aestudar.A amostra deve ser significativa erepresentativa da população a estudar. Nuno Correia 2012/13

×