SlideShare uma empresa Scribd logo

Resumo deriva dos continentes e tectónica de placas

1) O documento descreve a Teoria da Deriva dos Continentes proposta por Alfred Wegener em 1915, na qual sugeriu que os continentes se movimentaram ao longo da história da Terra a partir de um supercontinente chamado Pangeia. 2) A teoria de Wegener foi inicialmente rejeitada, mas renasceu o interesse por ela com o desenvolvimento da Teoria da Tectónica de Placas na década de 1950, a qual explica que a litosfera está dividida em placas tectónicas que se movimentam impulsionadas por correntes

1 de 4
Baixar para ler offline
Agrupamento de Escolas de Cascais
170732
Sede: Escola Secundária de Cascais
EB de Cascais  EB/JI Branquinho da Fonseca  EB n.º1 Aldeia de Juso  EB/JI Areia-Guincho  JI da Torre
TEORIA DA DERIVA DOS CONTINENTES
Até princípios do século XX, os geólogos pensavam que a posição dos continentes e os
oceanos, na superfície da Terra, tinha sido sempre a mesma. Alfred Wegener, em 1915,
apresentou uma hipótese inovadora e revolucionária para a época, em que propôs a
mobilidade dos continentes ao longo da história
da Terra.
Este cientista, formulou a Teoria da Deriva dos
Continentes, referindo que há cerca de 250
milhões de anos (fim da era Paleozóica) existia
apenas um supercontinente designado Pangeia,
rodeado por um único oceano, a Pantalassa (figura
1).
Ao longo da história da Terra este supercontinente
dividiu-se em várias partes e moveu-se, até atingir
as formas e posições dos continentes actuais. Para defender a sua teoria, Wegener
utilizou vários argumentos:
- Argumentos Morfológicos: Wegener observou no mapa as configurações dos continentes
hoje separados por oceanos e verificou que estes se encaixavam uns nos outros como se
de um puzzle se tratasse.
- Argumentos Paleoclimáticos (figura 2):
Wegener estudou também as marcas
deixadas pelos glaciares (gigantescas
massas de gelo) em zonas continentais cujo
clima actual não permite a existência de
gelo como por exemplo em África e parte
da Índia.
- Argumentos Geológicos (figura 3): Ao estudar as
rochas provenientes de África e da América do Sul,
Wegener encontrou rochas do mesmo tipo nestes
dois continentes.
- Argumentos Paleontológicos (figura 4): Wegener
baseou-se também no facto de aparecerem fósseis
de seres vivos da mesma espécie em continentes
hoje separados por oceanos.
Figura 1: Pangeia e Pantalassa.
Figura 2: Argumentos Paleoclimáticos.
Figura 3: Argumentos Geológicos.
Figura 4: Argumentos Paleontológicos.
Agrupamento de Escolas de Cascais
170732
Sede: Escola Secundária de Cascais
EB de Cascais  EB/JI Branquinho da Fonseca  EB n.º1 Aldeia de Juso  EB/JI Areia-Guincho  JI da Torre
No entanto, Wegener não conseguiu explicar o mecanismo que podia gerar a “força”
necessária para mover os continentes e a sua teoria foi ignorada pela comunidade
científica.
Porém, em 1950, reacendeu-se o interesse pela teoria proposta por Wegner (já depois da
sua morte) e através de novos estudos, como por exemplo, a exploração dos fundos dos
oceanos, surgiu uma nova teoria designada por Tectónica de Placas. Segundo esta teoria,
a litosfera terrestre encontra-se dividida em placas tectónicas que se movem (figura 5).
Enquanto que a proposta de Wegener sugere que os continentes é que se movem flutuando
como um barco em cima da crosta oceânica, esta nova teoria sugere que a litosfera que
está dividida em placas que
flutuam sobre um manto quente e
fluido.
Com a exploração do fundo dos
oceanos (figura 6), descobriu-se
o que faz mover os continentes.
Figura 5: A superfície da Terra encontra-se dividida em placas tectónicas.
Figura 6: Constituição dos fundos
oceânicos.
Agrupamento de Escolas de Cascais
170732
Sede: Escola Secundária de Cascais
EB de Cascais  EB/JI Branquinho da Fonseca  EB n.º1 Aldeia de Juso  EB/JI Areia-Guincho  JI da Torre
Como se dá o movimentos das placas litosféricas? (observar a figura 6)
• O magma do manto, situado sob a litosfera, ascende à superfície através do Rift.
• Ao atingir a superfície, esse magma arrefece e empurra as placas e cada lado da
dorsal, em sentidos opostos, em direcção às margens dos continentes.
• À medida que o novo fundo do oceano se produz, o mais antigo (mais próximo dos
continentes) mergulha por baixo da crosta continental formando as fossas
oceânicas, Como esta crosta oceânica está a “mergulhar” em direcção ao interior da
Terra vai ser destruída por causa das elevadas temperaturas do manto. A esta zona
onda a crosta oceânica mergulha e se destrói, chamamos zona de subducção.
• O material fundido volta a subir em direcção ao Rift, acontecendo um ciclo contínuo
ao qual designamos por correntes de convecção do manto. Estas correntes de
convecção são o “motor” capaz de deslocar a litosfera e que Alfred Wegener
desconhecia.
DEFORMAÇÕES DA CROSTA TERRESTRE
A Teoria da Tectónica de Placas explica a mobilidade da litosfera, no entanto, estes
movimentos sujeitam as rochas a forças que lhes causam deformações e conduzem ao
aparecimento de estruturas. Estas estruturas podem ser dobras ou falhas.
Antes de estudarmos estas estruturas, convém perceber que tipo de forças existem na
natureza que podem actuar sobre as rochas.
Tipo de forças:
- Forças de compressão: são forças que exercem efeito no mesmo sentido e que
tendem a reduzir o volume das rochas. Exemplo:
- Forças de distensão (ou tracção): são forças que exercem o seu efeito em
sentidos opostos e tendem a alongar as rochas. Exemplo:
- Forças de cisalhamento: são forças que exercem o seu efeito em sentidos
opostos e paralelos. Exemplo:
As rochas podem ser mais plásticas quando estão em profundidade devido às altas
temperaturas, ou ser mais frágeis quando estão perto da superfície terrestre. Assim
sendo, conforme o comportamento mais frágil ou mais plástico e dependendo das forças
que actuam nas rochas podemos ter as deformações apresentadas no esquema e no quadro
seguintes:
Agrupamento de Escolas de Cascais
170732
Sede: Escola Secundária de Cascais
EB de Cascais  EB/JI Branquinho da Fonseca  EB n.º1 Aldeia de Juso  EB/JI Areia-Guincho  JI da Torre
COMPORTAMENTO DAS ROCHAS
FRÁGIL DÚCTIL
A rocha fractura facilmente
em condições de baixa
pressão e baixa temperatura
A rocha altera-se, experimentando
deformações permanentes mas sem
fracturar, mesmo em condições elevadas
de pressão e temperatura
Relaciona-se com a
formação de Relaciona-se com a
formação de
FALHAS DOBRAS
fractura das rochas acompanhada
do movimento relativo de um dos
blocos fracturados.
encurvamento de superfícies
originalmente planas, em que não se
verifica deslocação dos blocos .
Falha inversa
Falha normal
Falha de desligamento

Recomendados

ciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochas
ciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochasciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochas
ciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochasCatarina Pereira
 
Ficha de avaliação (Deriva continental, tectónica de placas e fundos oceânicos)
Ficha de avaliação (Deriva continental, tectónica de placas e fundos oceânicos)Ficha de avaliação (Deriva continental, tectónica de placas e fundos oceânicos)
Ficha de avaliação (Deriva continental, tectónica de placas e fundos oceânicos)Francisca Santos
 
Teste rochas 7º ano
Teste rochas 7º anoTeste rochas 7º ano
Teste rochas 7º anoSofia Ribeiro
 
Paisagens geológicas
Paisagens geológicasPaisagens geológicas
Paisagens geológicasCatir
 
Tectónica de placas
Tectónica de placasTectónica de placas
Tectónica de placascatiacsantos
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ciências naturais 7 deriva dos continentes
Ciências naturais 7   deriva dos continentesCiências naturais 7   deriva dos continentes
Ciências naturais 7 deriva dos continentesNuno Correia
 
7o ano ficha porto editora
7o ano ficha porto editora7o ano ficha porto editora
7o ano ficha porto editoraNetCultus
 
Ciências naturais 7 deformação
Ciências naturais 7   deformaçãoCiências naturais 7   deformação
Ciências naturais 7 deformaçãoNuno Correia
 
FT4 - Morfologia dos Fundos Oceânicos
FT4 - Morfologia dos Fundos OceânicosFT4 - Morfologia dos Fundos Oceânicos
FT4 - Morfologia dos Fundos OceânicosGabriela Bruno
 
6 métodos estudo interior da terra
6   métodos estudo interior da terra6   métodos estudo interior da terra
6 métodos estudo interior da terramargaridabt
 
Teste de Avaliação Sociedades Recoletoras produtoras
Teste de Avaliação Sociedades Recoletoras produtorasTeste de Avaliação Sociedades Recoletoras produtoras
Teste de Avaliação Sociedades Recoletoras produtorasPatrícia Morais
 
Ficha 5 - Minerais e Rochas Magmáticas
Ficha 5 - Minerais e Rochas MagmáticasFicha 5 - Minerais e Rochas Magmáticas
Ficha 5 - Minerais e Rochas MagmáticasCristinaVianaPedro
 
Actividade vculcânica 7º ano
Actividade vculcânica 7º anoActividade vculcânica 7º ano
Actividade vculcânica 7º anoSofia Ribeiro
 
Os rios e bacias hidrográficas
Os rios e bacias hidrográficasOs rios e bacias hidrográficas
Os rios e bacias hidrográficasclaudiamf11
 
Ficha avaliação retas e angulos porto editora com resolução
Ficha avaliação retas e angulos porto editora com resoluçãoFicha avaliação retas e angulos porto editora com resolução
Ficha avaliação retas e angulos porto editora com resoluçãoArminda Oliveira
 
2º teste rochas 7º ano
2º teste rochas 7º ano2º teste rochas 7º ano
2º teste rochas 7º anoSofia Ribeiro
 
Fq7 teste 2-Editora ASA
Fq7 teste 2-Editora ASAFq7 teste 2-Editora ASA
Fq7 teste 2-Editora ASACristina Lopes
 
45000291 ficha-de-trabalho-consequencias-da-tectonica-de-placas
45000291 ficha-de-trabalho-consequencias-da-tectonica-de-placas45000291 ficha-de-trabalho-consequencias-da-tectonica-de-placas
45000291 ficha-de-trabalho-consequencias-da-tectonica-de-placasJoão Soares
 
Física e Química 7º Ano - Resumo
Física e Química 7º Ano - ResumoFísica e Química 7º Ano - Resumo
Física e Química 7º Ano - Resumoricardodavidtt
 
Dinâmica externa da Terra_7
Dinâmica externa da Terra_7Dinâmica externa da Terra_7
Dinâmica externa da Terra_7Raquel Antunes
 
Ficha de trabalho 2 estações do ano 7º10
Ficha de trabalho 2   estações do ano  7º10Ficha de trabalho 2   estações do ano  7º10
Ficha de trabalho 2 estações do ano 7º10dinartegaspar
 
Ficha de avaliação estrutura etária, distribuição e migrações
Ficha de avaliação   estrutura etária, distribuição e migraçõesFicha de avaliação   estrutura etária, distribuição e migrações
Ficha de avaliação estrutura etária, distribuição e migraçõesLinda Pereira
 

Mais procurados (20)

Ciências naturais 7 deriva dos continentes
Ciências naturais 7   deriva dos continentesCiências naturais 7   deriva dos continentes
Ciências naturais 7 deriva dos continentes
 
7o ano ficha porto editora
7o ano ficha porto editora7o ano ficha porto editora
7o ano ficha porto editora
 
Ciências naturais 7 deformação
Ciências naturais 7   deformaçãoCiências naturais 7   deformação
Ciências naturais 7 deformação
 
FT4 - Morfologia dos Fundos Oceânicos
FT4 - Morfologia dos Fundos OceânicosFT4 - Morfologia dos Fundos Oceânicos
FT4 - Morfologia dos Fundos Oceânicos
 
6 métodos estudo interior da terra
6   métodos estudo interior da terra6   métodos estudo interior da terra
6 métodos estudo interior da terra
 
Teste de Avaliação Sociedades Recoletoras produtoras
Teste de Avaliação Sociedades Recoletoras produtorasTeste de Avaliação Sociedades Recoletoras produtoras
Teste de Avaliação Sociedades Recoletoras produtoras
 
Ficha 5 - Minerais e Rochas Magmáticas
Ficha 5 - Minerais e Rochas MagmáticasFicha 5 - Minerais e Rochas Magmáticas
Ficha 5 - Minerais e Rochas Magmáticas
 
Actividade vculcânica 7º ano
Actividade vculcânica 7º anoActividade vculcânica 7º ano
Actividade vculcânica 7º ano
 
Os rios e bacias hidrográficas
Os rios e bacias hidrográficasOs rios e bacias hidrográficas
Os rios e bacias hidrográficas
 
Ficha resumo rochas
Ficha resumo rochasFicha resumo rochas
Ficha resumo rochas
 
Ficha avaliação retas e angulos porto editora com resolução
Ficha avaliação retas e angulos porto editora com resoluçãoFicha avaliação retas e angulos porto editora com resolução
Ficha avaliação retas e angulos porto editora com resolução
 
2º teste rochas 7º ano
2º teste rochas 7º ano2º teste rochas 7º ano
2º teste rochas 7º ano
 
Fq7 teste 2-Editora ASA
Fq7 teste 2-Editora ASAFq7 teste 2-Editora ASA
Fq7 teste 2-Editora ASA
 
45000291 ficha-de-trabalho-consequencias-da-tectonica-de-placas
45000291 ficha-de-trabalho-consequencias-da-tectonica-de-placas45000291 ficha-de-trabalho-consequencias-da-tectonica-de-placas
45000291 ficha-de-trabalho-consequencias-da-tectonica-de-placas
 
Física e Química 7º Ano - Resumo
Física e Química 7º Ano - ResumoFísica e Química 7º Ano - Resumo
Física e Química 7º Ano - Resumo
 
Dinâmica externa da Terra_7
Dinâmica externa da Terra_7Dinâmica externa da Terra_7
Dinâmica externa da Terra_7
 
A altitude
A altitudeA altitude
A altitude
 
Ficha de trabalho 2 estações do ano 7º10
Ficha de trabalho 2   estações do ano  7º10Ficha de trabalho 2   estações do ano  7º10
Ficha de trabalho 2 estações do ano 7º10
 
Paisagem cársica.
Paisagem cársica.Paisagem cársica.
Paisagem cársica.
 
Ficha de avaliação estrutura etária, distribuição e migrações
Ficha de avaliação   estrutura etária, distribuição e migraçõesFicha de avaliação   estrutura etária, distribuição e migrações
Ficha de avaliação estrutura etária, distribuição e migrações
 

Destaque

Resumo modelos da estrutura interna da terra
Resumo modelos da estrutura interna da terraResumo modelos da estrutura interna da terra
Resumo modelos da estrutura interna da terraNuno Coelho
 
Resumo escala do tempo geologico
Resumo escala do tempo geologicoResumo escala do tempo geologico
Resumo escala do tempo geologicoNuno Coelho
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentaresN C
 
Ficha formativa diamantes proveta
Ficha formativa diamantes provetaFicha formativa diamantes proveta
Ficha formativa diamantes provetaN C
 
Ficha formativa cabo mondego
Ficha formativa cabo mondegoFicha formativa cabo mondego
Ficha formativa cabo mondegoN C
 
Estrutura interna da terra
Estrutura interna da terraEstrutura interna da terra
Estrutura interna da terraTerceiro Calhau
 
Ciências naturais 7 rochas sedimentares (processos)
Ciências naturais 7   rochas sedimentares (processos)Ciências naturais 7   rochas sedimentares (processos)
Ciências naturais 7 rochas sedimentares (processos)Nuno Correia
 
84967384 51663161-ficha-sumativa-sismos-vulcoes-1 (2)
84967384 51663161-ficha-sumativa-sismos-vulcoes-1 (2)84967384 51663161-ficha-sumativa-sismos-vulcoes-1 (2)
84967384 51663161-ficha-sumativa-sismos-vulcoes-1 (2)filomena morais
 
FT2 - Vulcanismo ; Placas Litosféricas
FT2 - Vulcanismo ; Placas LitosféricasFT2 - Vulcanismo ; Placas Litosféricas
FT2 - Vulcanismo ; Placas LitosféricasGabriela Bruno
 
Ciências naturais 7 sismologia
Ciências naturais 7   sismologiaCiências naturais 7   sismologia
Ciências naturais 7 sismologiaNuno Correia
 
Teste Verificação
Teste VerificaçãoTeste Verificação
Teste VerificaçãoLucca
 
Sismologia
SismologiaSismologia
SismologiaCatir
 
Os continentes, ilhas e oceanos
Os continentes, ilhas e oceanosOs continentes, ilhas e oceanos
Os continentes, ilhas e oceanosElô Steffens
 
Vulcanismo Primário
Vulcanismo PrimárioVulcanismo Primário
Vulcanismo PrimárioCatir
 
Os minerais e as suas características
Os minerais e as suas característicasOs minerais e as suas características
Os minerais e as suas característicasCatir
 

Destaque (20)

Resumo modelos da estrutura interna da terra
Resumo modelos da estrutura interna da terraResumo modelos da estrutura interna da terra
Resumo modelos da estrutura interna da terra
 
Resumo escala do tempo geologico
Resumo escala do tempo geologicoResumo escala do tempo geologico
Resumo escala do tempo geologico
 
7º 2.1.
7º 2.1.7º 2.1.
7º 2.1.
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
 
Ficha formativa diamantes proveta
Ficha formativa diamantes provetaFicha formativa diamantes proveta
Ficha formativa diamantes proveta
 
Ficha formativa cabo mondego
Ficha formativa cabo mondegoFicha formativa cabo mondego
Ficha formativa cabo mondego
 
Estrutura interna da terra
Estrutura interna da terraEstrutura interna da terra
Estrutura interna da terra
 
Ciências naturais 7 rochas sedimentares (processos)
Ciências naturais 7   rochas sedimentares (processos)Ciências naturais 7   rochas sedimentares (processos)
Ciências naturais 7 rochas sedimentares (processos)
 
84967384 51663161-ficha-sumativa-sismos-vulcoes-1 (2)
84967384 51663161-ficha-sumativa-sismos-vulcoes-1 (2)84967384 51663161-ficha-sumativa-sismos-vulcoes-1 (2)
84967384 51663161-ficha-sumativa-sismos-vulcoes-1 (2)
 
FT2 - Vulcanismo ; Placas Litosféricas
FT2 - Vulcanismo ; Placas LitosféricasFT2 - Vulcanismo ; Placas Litosféricas
FT2 - Vulcanismo ; Placas Litosféricas
 
VII - SISMOLOGIA
VII - SISMOLOGIAVII - SISMOLOGIA
VII - SISMOLOGIA
 
Ciências naturais 7 sismologia
Ciências naturais 7   sismologiaCiências naturais 7   sismologia
Ciências naturais 7 sismologia
 
Teste Verificação
Teste VerificaçãoTeste Verificação
Teste Verificação
 
A imigração na Europa
A imigração na EuropaA imigração na Europa
A imigração na Europa
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
 
Os continentes, ilhas e oceanos
Os continentes, ilhas e oceanosOs continentes, ilhas e oceanos
Os continentes, ilhas e oceanos
 
Os continentes
Os continentesOs continentes
Os continentes
 
Sismos 1
Sismos 1Sismos 1
Sismos 1
 
Vulcanismo Primário
Vulcanismo PrimárioVulcanismo Primário
Vulcanismo Primário
 
Os minerais e as suas características
Os minerais e as suas característicasOs minerais e as suas características
Os minerais e as suas características
 

Semelhante a Resumo deriva dos continentes e tectónica de placas

Mobilidade Geológica
Mobilidade GeológicaMobilidade Geológica
Mobilidade GeológicaTânia Reis
 
Ap 4 a terra, um planeta em mudança
Ap 4   a terra, um planeta em mudançaAp 4   a terra, um planeta em mudança
Ap 4 a terra, um planeta em mudançaessg
 
Deriva Continental vs Tectónica de Placas....
Deriva Continental vs Tectónica de Placas....Deriva Continental vs Tectónica de Placas....
Deriva Continental vs Tectónica de Placas....Gabriela Bruno
 
Estrutura Interna da Terra
Estrutura Interna da TerraEstrutura Interna da Terra
Estrutura Interna da Terracleiton denez
 
Periodo pré-Wegeneriano
Periodo pré-WegenerianoPeriodo pré-Wegeneriano
Periodo pré-Wegenerianogeologia 12
 
Formação dos continentes
Formação dos continentesFormação dos continentes
Formação dos continentesNaira Delazari
 
28 origem e-distribuicao-dos-continentes
28 origem e-distribuicao-dos-continentes28 origem e-distribuicao-dos-continentes
28 origem e-distribuicao-dos-continentesAlessandra Carvalho
 
Deriva continental
Deriva continentalDeriva continental
Deriva continentalMario Lopes
 
Separação dos continentes
Separação dos continentes Separação dos continentes
Separação dos continentes ruivaz1994
 
aula tectônica de placas geogeral 2020 (1).pdf
aula  tectônica de placas geogeral 2020 (1).pdfaula  tectônica de placas geogeral 2020 (1).pdf
aula tectônica de placas geogeral 2020 (1).pdfalessandraoliveira324
 
Deriva continental e Tectônica de Placas.pptx
Deriva continental e Tectônica de Placas.pptxDeriva continental e Tectônica de Placas.pptx
Deriva continental e Tectônica de Placas.pptxKelvin Sousa
 
Teoria da deriva 2020
Teoria da deriva 2020Teoria da deriva 2020
Teoria da deriva 2020CecliaGuise
 
Deriva continental e tectónica de placas
Deriva continental e tectónica de placasDeriva continental e tectónica de placas
Deriva continental e tectónica de placasCláudia Moura
 

Semelhante a Resumo deriva dos continentes e tectónica de placas (20)

Mobilidade Geológica
Mobilidade GeológicaMobilidade Geológica
Mobilidade Geológica
 
Ap 4 a terra, um planeta em mudança
Ap 4   a terra, um planeta em mudançaAp 4   a terra, um planeta em mudança
Ap 4 a terra, um planeta em mudança
 
Deriva Continental vs Tectónica de Placas....
Deriva Continental vs Tectónica de Placas....Deriva Continental vs Tectónica de Placas....
Deriva Continental vs Tectónica de Placas....
 
Resumo 3º módulo
Resumo 3º móduloResumo 3º módulo
Resumo 3º módulo
 
Estrutura Interna da Terra
Estrutura Interna da TerraEstrutura Interna da Terra
Estrutura Interna da Terra
 
Mobilismo Geológico
Mobilismo Geológico Mobilismo Geológico
Mobilismo Geológico
 
Periodo pré-Wegeneriano
Periodo pré-WegenerianoPeriodo pré-Wegeneriano
Periodo pré-Wegeneriano
 
Formação dos continentes
Formação dos continentesFormação dos continentes
Formação dos continentes
 
28 origem e-distribuicao-dos-continentes
28 origem e-distribuicao-dos-continentes28 origem e-distribuicao-dos-continentes
28 origem e-distribuicao-dos-continentes
 
Deriva continental
Deriva continentalDeriva continental
Deriva continental
 
Separação dos continentes
Separação dos continentes Separação dos continentes
Separação dos continentes
 
Estruturadaterra
EstruturadaterraEstruturadaterra
Estruturadaterra
 
aula tectônica de placas geogeral 2020 (1).pdf
aula  tectônica de placas geogeral 2020 (1).pdfaula  tectônica de placas geogeral 2020 (1).pdf
aula tectônica de placas geogeral 2020 (1).pdf
 
Deriva continental e Tectônica de Placas.pptx
Deriva continental e Tectônica de Placas.pptxDeriva continental e Tectônica de Placas.pptx
Deriva continental e Tectônica de Placas.pptx
 
Teoria da deriva 2020
Teoria da deriva 2020Teoria da deriva 2020
Teoria da deriva 2020
 
Deriva continental e tectónica de placas
Deriva continental e tectónica de placasDeriva continental e tectónica de placas
Deriva continental e tectónica de placas
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
Geologia 2
Geologia 2Geologia 2
Geologia 2
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
Geologia
Geologia Geologia
Geologia
 

Mais de Nuno Coelho (20)

9º 4.1
9º 4.19º 4.1
9º 4.1
 
9º 3.3
9º 3.39º 3.3
9º 3.3
 
9º 3.1.
9º 3.1. 9º 3.1.
9º 3.1.
 
7º 1.2.
7º 1.2.7º 1.2.
7º 1.2.
 
9º 2.
9º 2.9º 2.
9º 2.
 
7º 1.1.
7º 1.1.7º 1.1.
7º 1.1.
 
7º 4.2.
7º 4.2. 7º 4.2.
7º 4.2.
 
8º 7.2
8º 7.2 8º 7.2
8º 7.2
 
8º 7.1.
8º 7.1. 8º 7.1.
8º 7.1.
 
7º 4.1.
7º 4.1. 7º 4.1.
7º 4.1.
 
7º 3.
7º 3. 7º 3.
7º 3.
 
8º ano 6.2
8º ano 6.28º ano 6.2
8º ano 6.2
 
8º ano 6.1
8º ano 6.18º ano 6.1
8º ano 6.1
 
8º ano 5.4
8º ano 5.4 8º ano 5.4
8º ano 5.4
 
8º ano 5.3
8º ano 5.38º ano 5.3
8º ano 5.3
 
7º 2.3.
7º 2.3. 7º 2.3.
7º 2.3.
 
7º 2.2.
7º 2.2.7º 2.2.
7º 2.2.
 
8º ano 5.2
8º ano 5.2 8º ano 5.2
8º ano 5.2
 
8º 3.
8º 3.8º 3.
8º 3.
 
7º 1.3.
7º 1.3.7º 1.3.
7º 1.3.
 

Último

1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;azulassessoriaacadem3
 
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxJean Carlos Nunes Paixão
 
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...DL assessoria 29
 
Atividade Proposta: A empresa Lótus Indústria e Comércio de Móveis Ltda., ini...
Atividade Proposta: A empresa Lótus Indústria e Comércio de Móveis Ltda., ini...Atividade Proposta: A empresa Lótus Indústria e Comércio de Móveis Ltda., ini...
Atividade Proposta: A empresa Lótus Indústria e Comércio de Móveis Ltda., ini...azulassessoriaacadem3
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...azulassessoriaacadem3
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...apoioacademicoead
 
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Mary Alvarenga
 
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMSOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMHisrelBlog
 
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...azulassessoriaacadem3
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...azulassessoriaacadem3
 
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...azulassessoriaacadem3
 
08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da MulherMary Alvarenga
 
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...excellenceeducaciona
 
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptxSlides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...azulassessoriaacadem3
 
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...azulassessoriaacadem3
 
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptxAndreia Silva
 
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...azulassessoriaacadem3
 

Último (20)

1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
 
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
 
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...
 
Atividade Proposta: A empresa Lótus Indústria e Comércio de Móveis Ltda., ini...
Atividade Proposta: A empresa Lótus Indústria e Comércio de Móveis Ltda., ini...Atividade Proposta: A empresa Lótus Indústria e Comércio de Móveis Ltda., ini...
Atividade Proposta: A empresa Lótus Indústria e Comércio de Móveis Ltda., ini...
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
 
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoriaAtividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
 
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
 
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO _
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO         _SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO         _
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO _
 
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMSOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
 
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
 
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
 
08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher
 
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
 
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptxSlides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
 
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
 
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
 
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
 

Resumo deriva dos continentes e tectónica de placas

  • 1. Agrupamento de Escolas de Cascais 170732 Sede: Escola Secundária de Cascais EB de Cascais  EB/JI Branquinho da Fonseca  EB n.º1 Aldeia de Juso  EB/JI Areia-Guincho  JI da Torre TEORIA DA DERIVA DOS CONTINENTES Até princípios do século XX, os geólogos pensavam que a posição dos continentes e os oceanos, na superfície da Terra, tinha sido sempre a mesma. Alfred Wegener, em 1915, apresentou uma hipótese inovadora e revolucionária para a época, em que propôs a mobilidade dos continentes ao longo da história da Terra. Este cientista, formulou a Teoria da Deriva dos Continentes, referindo que há cerca de 250 milhões de anos (fim da era Paleozóica) existia apenas um supercontinente designado Pangeia, rodeado por um único oceano, a Pantalassa (figura 1). Ao longo da história da Terra este supercontinente dividiu-se em várias partes e moveu-se, até atingir as formas e posições dos continentes actuais. Para defender a sua teoria, Wegener utilizou vários argumentos: - Argumentos Morfológicos: Wegener observou no mapa as configurações dos continentes hoje separados por oceanos e verificou que estes se encaixavam uns nos outros como se de um puzzle se tratasse. - Argumentos Paleoclimáticos (figura 2): Wegener estudou também as marcas deixadas pelos glaciares (gigantescas massas de gelo) em zonas continentais cujo clima actual não permite a existência de gelo como por exemplo em África e parte da Índia. - Argumentos Geológicos (figura 3): Ao estudar as rochas provenientes de África e da América do Sul, Wegener encontrou rochas do mesmo tipo nestes dois continentes. - Argumentos Paleontológicos (figura 4): Wegener baseou-se também no facto de aparecerem fósseis de seres vivos da mesma espécie em continentes hoje separados por oceanos. Figura 1: Pangeia e Pantalassa. Figura 2: Argumentos Paleoclimáticos. Figura 3: Argumentos Geológicos. Figura 4: Argumentos Paleontológicos.
  • 2. Agrupamento de Escolas de Cascais 170732 Sede: Escola Secundária de Cascais EB de Cascais  EB/JI Branquinho da Fonseca  EB n.º1 Aldeia de Juso  EB/JI Areia-Guincho  JI da Torre No entanto, Wegener não conseguiu explicar o mecanismo que podia gerar a “força” necessária para mover os continentes e a sua teoria foi ignorada pela comunidade científica. Porém, em 1950, reacendeu-se o interesse pela teoria proposta por Wegner (já depois da sua morte) e através de novos estudos, como por exemplo, a exploração dos fundos dos oceanos, surgiu uma nova teoria designada por Tectónica de Placas. Segundo esta teoria, a litosfera terrestre encontra-se dividida em placas tectónicas que se movem (figura 5). Enquanto que a proposta de Wegener sugere que os continentes é que se movem flutuando como um barco em cima da crosta oceânica, esta nova teoria sugere que a litosfera que está dividida em placas que flutuam sobre um manto quente e fluido. Com a exploração do fundo dos oceanos (figura 6), descobriu-se o que faz mover os continentes. Figura 5: A superfície da Terra encontra-se dividida em placas tectónicas. Figura 6: Constituição dos fundos oceânicos.
  • 3. Agrupamento de Escolas de Cascais 170732 Sede: Escola Secundária de Cascais EB de Cascais  EB/JI Branquinho da Fonseca  EB n.º1 Aldeia de Juso  EB/JI Areia-Guincho  JI da Torre Como se dá o movimentos das placas litosféricas? (observar a figura 6) • O magma do manto, situado sob a litosfera, ascende à superfície através do Rift. • Ao atingir a superfície, esse magma arrefece e empurra as placas e cada lado da dorsal, em sentidos opostos, em direcção às margens dos continentes. • À medida que o novo fundo do oceano se produz, o mais antigo (mais próximo dos continentes) mergulha por baixo da crosta continental formando as fossas oceânicas, Como esta crosta oceânica está a “mergulhar” em direcção ao interior da Terra vai ser destruída por causa das elevadas temperaturas do manto. A esta zona onda a crosta oceânica mergulha e se destrói, chamamos zona de subducção. • O material fundido volta a subir em direcção ao Rift, acontecendo um ciclo contínuo ao qual designamos por correntes de convecção do manto. Estas correntes de convecção são o “motor” capaz de deslocar a litosfera e que Alfred Wegener desconhecia. DEFORMAÇÕES DA CROSTA TERRESTRE A Teoria da Tectónica de Placas explica a mobilidade da litosfera, no entanto, estes movimentos sujeitam as rochas a forças que lhes causam deformações e conduzem ao aparecimento de estruturas. Estas estruturas podem ser dobras ou falhas. Antes de estudarmos estas estruturas, convém perceber que tipo de forças existem na natureza que podem actuar sobre as rochas. Tipo de forças: - Forças de compressão: são forças que exercem efeito no mesmo sentido e que tendem a reduzir o volume das rochas. Exemplo: - Forças de distensão (ou tracção): são forças que exercem o seu efeito em sentidos opostos e tendem a alongar as rochas. Exemplo: - Forças de cisalhamento: são forças que exercem o seu efeito em sentidos opostos e paralelos. Exemplo: As rochas podem ser mais plásticas quando estão em profundidade devido às altas temperaturas, ou ser mais frágeis quando estão perto da superfície terrestre. Assim sendo, conforme o comportamento mais frágil ou mais plástico e dependendo das forças que actuam nas rochas podemos ter as deformações apresentadas no esquema e no quadro seguintes:
  • 4. Agrupamento de Escolas de Cascais 170732 Sede: Escola Secundária de Cascais EB de Cascais  EB/JI Branquinho da Fonseca  EB n.º1 Aldeia de Juso  EB/JI Areia-Guincho  JI da Torre COMPORTAMENTO DAS ROCHAS FRÁGIL DÚCTIL A rocha fractura facilmente em condições de baixa pressão e baixa temperatura A rocha altera-se, experimentando deformações permanentes mas sem fracturar, mesmo em condições elevadas de pressão e temperatura Relaciona-se com a formação de Relaciona-se com a formação de FALHAS DOBRAS fractura das rochas acompanhada do movimento relativo de um dos blocos fracturados. encurvamento de superfícies originalmente planas, em que não se verifica deslocação dos blocos . Falha inversa Falha normal Falha de desligamento