SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
Baixar para ler offline
Agrupamento de Escolas de Cascais
170732
Sede: Escola Secundária de Cascais
EB de Cascais  EB/JI Branquinho da Fonseca  EB n.º1 Aldeia de Juso  EB/JI Areia-Guincho  JI da Torre
FICHA FORMATIVA
CIÊNCIAS NATURAIS 7ºANO
Nome: ______________________________________________ N.º: _______ Turma:_____
Atividade Vulcânica III
Crónica de um desastre anunciado: a erupção do monte Pelée
A 8 de maio de 1902, uma nuvem ardente foi cuspida pelo
monte Pelée e em três minutos atingiu a cidade de Saint-
Pierre e matou os seus 28 000 habitantes. Foi o cataclismo
vulcânico mais mortífero do século XX. Uma catástrofe em
que o grande responsávelfoi, semdúvida, a ganância
humana. De facto, o monte tinha-os prevenido...
“Tu... não construir aqui! Perigoso! Montanha de
fogo... Braoum!” A voz, os gestos e o dedo em
riste do índio das Caraíbas não precisa-vam de
tradutor. O que o índio mostrava era a montanha
completamente nua que, em 1 de setembro de
1635, os marinheiros franceses que chegaram à
ilha da Martinica batizaram como “Montanha
Pelada”. De facto, a paisa-gem vulcânica não
enganava: um enorme tronco cónico erguia-se
majestoso. Se a mon-tanha estava nua,
explicava o tradutor, é por-que tinha havido um
enorme fogo cinco anos antes, que tudo tinha
queimado.
“Que importam os avisos de alguns “selva-
gens”? Vamos construir aqui mesmo o nosso
forte”, disse o capitão. Mas o que ele não sa-bia
era que, sob o monte Pelée, o magma já tinha
iniciado a sua lenta subida...
No início do ano de 1902, toda a gente já ti-nha
esquecido os índios das Caraíbas. O forte tinha-
se transformado na capital económica da
Martinica, com eletricidade, telefone, ca-minho
de ferro, etc. A atmosfera estava muito aquecida
e o ar pesado, mas as pessoas atri-buíam este
facto ao clima das Caraíbas. Em janeiro, os
turistas que subiam a montanha Pelada todos os
domingos notaram que as fumarolas, cujo
aparecimento já remontava a 1889, estavam
cada vez mais ativas. No meio da cratera, onde
no outono e inverno se acu-mulava água, havia
emissão de gases quentes que matavam a
vegetação em redor.
Em fevereiro, os habitantes da encosta oci-dental
do vulcão queixavam-se de cheiro a ovos
podres, que fazia tossir e escurecia as pratas.
Mas ninguém tratou de abandonar as suas
casas, exceto os pássaros, cobras e ou-tros
animais que fugiam para longe do vul-cão.
O dia a dia da população manteve-se normal até
23 de abril. Às 21 h, uma primeira sacudi-dela
fez tremer a terra. Outras se seguiram e a
cratera começou a emitir vapores brancos e
negros, misturados com cinzas, que começa-ram
a cair numa chuva fina e contínua sobre a
cidade. No dia 25, uma enorme coluna de fu-mo
negro saiu da cratera e a terra tremeu de novo.
No dia 27, tudo terminou, pelo que al-guns
curiosos subiram a montanha até à cra-tera,
verificando que o lago estava cor de chumbo,
fumegava e emitia um cheiro náu-sea-bundo.
Mas nada foi feito, nenhuma me-dida de
evacuação foi tomada...
A partir do dia 30 de abril, a chuva de cinzas
mantém-se constante, fazendo com que os
habitantes vivam na obscuridade. A 2 de maio,
cerca das 23 h, os habitantes são acor-dados por
uma forte explosão. A montanha cospe cinzas
que formam enormes nuvens carregadas de
eletricidade. As pessoas assus-tam-se e as
autoridades acordam.
A 3 de maio, o governador avisa Paris e transmite à
população: “Mantenham a calma, não pode haver
pânico!”. Nos dias que se se-guiram, as águas dos
rios começaram a ferver e a sair do seu leito. No dia
5, o lago da crate-ra transbordou, derramando para o
leito dos rios uma torrente de lava e matando 23 ope-
rários. No dia 6 de maio, o governador no-meia e
envia uma “comissão científica” para inspecionar a
cratera. No dia 7, o relatório publicado no jornal da
noite dizia: “Todos os fe-nómenos observados até
hoje são perfeitamente normais e idênticos aos
observados noutros vul-cões. O monte Pelée não
apresenta mais perigo para a população de Saint-
Pierre do que o Vesú-vio apresenta para Nápoles”.
Em resposta à notícia, a montanha muda de tom.
Blocos incandescentes são cuspidos em grandes
quantidades, as torrentes de lava correm cada vez
mais velozes. No dia 8 de maio, uma nuvem ardente
com mais de 400 ºC desce à velocidade de 500 km/h
e atinge Saint-Pierre. Foi o inferno.
Em novembro de 1902, sete meses mais tarde, uma agulha de
lava arrefecida emerge da cratera, empurrada pelos gases
acumulados na chaminé do vulcão.
Os diferentes locais atingidos pela catástrofe de 8 de maio de
1902: a preto, as zonas devastadas pela nuvem ardente; a
cinzento, as que sofreram chuva de cinzas, divididas em três
zonas de acordo com o efeito devastador crescente, com a
proximidade do vulcão.
1. Indica a localização geográfica da ilha Martinica.
2. Regista as datas referidas no texto e ordena-as cronologicamente. Quantos anos passaram
desde que o índio advertiu o capitão?
3. Comenta a atitude do capitão: “Que importam os avisos de alguns ‘selvagens’? Vamos construir
aqui mesmo o nosso forte”.
4. Quais os primeiros indícios registados em 1902?
5. Transcreve a(s) frase(s) que se refere(m):
5.1. ao comportamento dos animais.
5.2. à ocorrência de tremores de terra.
6. Como classificas a erupção da montanha Pelada?
7. Justifica o título do texto “desastre anunciado”.
8. Refere uma ou mais catástrofes recentes que, tal como esta, poderiam ser minimizadas se
fossem tomadas medidas de prevenção adequadas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Clc ng2 dr4_carla, marcelino, micaela [
Clc ng2 dr4_carla, marcelino, micaela [Clc ng2 dr4_carla, marcelino, micaela [
Clc ng2 dr4_carla, marcelino, micaela [estreitoformaefas
 
Feira de ciências slide ludita
Feira de ciências slide luditaFeira de ciências slide ludita
Feira de ciências slide luditaGmsantos23
 
Maria Ant [1]
Maria Ant  [1]Maria Ant  [1]
Maria Ant [1]Ana T.
 

Mais procurados (6)

Ilha comprida
Ilha compridaIlha comprida
Ilha comprida
 
Clc ng2 dr4_carla, marcelino, micaela [
Clc ng2 dr4_carla, marcelino, micaela [Clc ng2 dr4_carla, marcelino, micaela [
Clc ng2 dr4_carla, marcelino, micaela [
 
Feira de ciências slide ludita
Feira de ciências slide luditaFeira de ciências slide ludita
Feira de ciências slide ludita
 
Maria Ant [1]
Maria Ant  [1]Maria Ant  [1]
Maria Ant [1]
 
Arquipélago dos Açores
Arquipélago dos AçoresArquipélago dos Açores
Arquipélago dos Açores
 
Portugal insular
Portugal insularPortugal insular
Portugal insular
 

Semelhante a Ficha formativa vulcanismo iii

Catástrofes em Portugal
Catástrofes em PortugalCatástrofes em Portugal
Catástrofes em Portugalgeocoisas
 
Catástrofes Portugal
Catástrofes PortugalCatástrofes Portugal
Catástrofes Portugalgeocoisas
 
Vulcao monte de pelé
Vulcao monte de peléVulcao monte de pelé
Vulcao monte de pelémiguelpolonio
 
A História de Adão e Eva - Chan Thonas (traduzido).pdf
A História de Adão e Eva - Chan Thonas (traduzido).pdfA História de Adão e Eva - Chan Thonas (traduzido).pdf
A História de Adão e Eva - Chan Thonas (traduzido).pdfELIAS OMEGA
 
Tipo de erupções
Tipo de erupçõesTipo de erupções
Tipo de erupçõeshome
 
Erupã§ãµes vulcã¢nicas
Erupã§ãµes vulcã¢nicasErupã§ãµes vulcã¢nicas
Erupã§ãµes vulcã¢nicasXavier Santos
 
Terramoto E IncêNdio Em S
Terramoto E IncêNdio Em STerramoto E IncêNdio Em S
Terramoto E IncêNdio Em SAna T.
 
Jb news informativo nr. 0305
Jb news   informativo nr. 0305Jb news   informativo nr. 0305
Jb news informativo nr. 0305JB News
 
Terramoto de 1755 em Lisboa
Terramoto de 1755 em LisboaTerramoto de 1755 em Lisboa
Terramoto de 1755 em LisboaJorge Almeida
 
Vt7 teste 3 (1)
Vt7 teste 3 (1)Vt7 teste 3 (1)
Vt7 teste 3 (1)MINEDU
 
Vulcão dos Capelinhos
Vulcão dos CapelinhosVulcão dos Capelinhos
Vulcão dos CapelinhosDiana Mendes
 
Materiais Expelidos Pelos VulcõEs Piroclastos
Materiais Expelidos Pelos VulcõEs   PiroclastosMateriais Expelidos Pelos VulcõEs   Piroclastos
Materiais Expelidos Pelos VulcõEs PiroclastosNuno Correia
 

Semelhante a Ficha formativa vulcanismo iii (20)

Catástrofes em Portugal
Catástrofes em PortugalCatástrofes em Portugal
Catástrofes em Portugal
 
Catástrofes Portugal
Catástrofes PortugalCatástrofes Portugal
Catástrofes Portugal
 
Vulcao monte de pelé
Vulcao monte de peléVulcao monte de pelé
Vulcao monte de pelé
 
A História de Adão e Eva - Chan Thonas (traduzido).pdf
A História de Adão e Eva - Chan Thonas (traduzido).pdfA História de Adão e Eva - Chan Thonas (traduzido).pdf
A História de Adão e Eva - Chan Thonas (traduzido).pdf
 
Atividade vulcânica
Atividade vulcânicaAtividade vulcânica
Atividade vulcânica
 
Tipo de erupções
Tipo de erupçõesTipo de erupções
Tipo de erupções
 
Erupã§ãµes vulcã¢nicas
Erupã§ãµes vulcã¢nicasErupã§ãµes vulcã¢nicas
Erupã§ãµes vulcã¢nicas
 
Terramoto E IncêNdio Em S
Terramoto E IncêNdio Em STerramoto E IncêNdio Em S
Terramoto E IncêNdio Em S
 
Busca Da Caverna
Busca Da CavernaBusca Da Caverna
Busca Da Caverna
 
Jb news informativo nr. 0305
Jb news   informativo nr. 0305Jb news   informativo nr. 0305
Jb news informativo nr. 0305
 
Ficha 3 tipo de erupções
Ficha 3  tipo de erupçõesFicha 3  tipo de erupções
Ficha 3 tipo de erupções
 
Terramoto de 1755 em Lisboa
Terramoto de 1755 em LisboaTerramoto de 1755 em Lisboa
Terramoto de 1755 em Lisboa
 
Grande terremoto
Grande terremotoGrande terremoto
Grande terremoto
 
Vt7 teste 3 (1)
Vt7 teste 3 (1)Vt7 teste 3 (1)
Vt7 teste 3 (1)
 
Vulcão dos Capelinhos
Vulcão dos CapelinhosVulcão dos Capelinhos
Vulcão dos Capelinhos
 
Tsunamis
TsunamisTsunamis
Tsunamis
 
Os Senhores do Clima
Os Senhores do ClimaOs Senhores do Clima
Os Senhores do Clima
 
Rochedo/MS
Rochedo/MSRochedo/MS
Rochedo/MS
 
Materiais Expelidos Pelos VulcõEs Piroclastos
Materiais Expelidos Pelos VulcõEs   PiroclastosMateriais Expelidos Pelos VulcõEs   Piroclastos
Materiais Expelidos Pelos VulcõEs Piroclastos
 
Cheias do Rio Douro em 1962
Cheias do Rio Douro em 1962Cheias do Rio Douro em 1962
Cheias do Rio Douro em 1962
 

Mais de Nuno Coelho (20)

9º 4.1
9º 4.19º 4.1
9º 4.1
 
9º 3.3
9º 3.39º 3.3
9º 3.3
 
9º 3.1.
9º 3.1. 9º 3.1.
9º 3.1.
 
7º 1.2.
7º 1.2.7º 1.2.
7º 1.2.
 
9º 2.
9º 2.9º 2.
9º 2.
 
7º 1.1.
7º 1.1.7º 1.1.
7º 1.1.
 
7º 4.2.
7º 4.2. 7º 4.2.
7º 4.2.
 
8º 7.2
8º 7.2 8º 7.2
8º 7.2
 
8º 7.1.
8º 7.1. 8º 7.1.
8º 7.1.
 
7º 4.1.
7º 4.1. 7º 4.1.
7º 4.1.
 
7º 3.
7º 3. 7º 3.
7º 3.
 
8º ano 6.2
8º ano 6.28º ano 6.2
8º ano 6.2
 
8º ano 6.1
8º ano 6.18º ano 6.1
8º ano 6.1
 
8º ano 5.4
8º ano 5.4 8º ano 5.4
8º ano 5.4
 
8º ano 5.3
8º ano 5.38º ano 5.3
8º ano 5.3
 
7º 2.3.
7º 2.3. 7º 2.3.
7º 2.3.
 
7º 2.2.
7º 2.2.7º 2.2.
7º 2.2.
 
8º ano 5.2
8º ano 5.2 8º ano 5.2
8º ano 5.2
 
8º 3.
8º 3.8º 3.
8º 3.
 
7º 1.3.
7º 1.3.7º 1.3.
7º 1.3.
 

Último

Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 

Último (20)

Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 

Ficha formativa vulcanismo iii

  • 1. Agrupamento de Escolas de Cascais 170732 Sede: Escola Secundária de Cascais EB de Cascais  EB/JI Branquinho da Fonseca  EB n.º1 Aldeia de Juso  EB/JI Areia-Guincho  JI da Torre FICHA FORMATIVA CIÊNCIAS NATURAIS 7ºANO Nome: ______________________________________________ N.º: _______ Turma:_____ Atividade Vulcânica III Crónica de um desastre anunciado: a erupção do monte Pelée A 8 de maio de 1902, uma nuvem ardente foi cuspida pelo monte Pelée e em três minutos atingiu a cidade de Saint- Pierre e matou os seus 28 000 habitantes. Foi o cataclismo vulcânico mais mortífero do século XX. Uma catástrofe em que o grande responsávelfoi, semdúvida, a ganância humana. De facto, o monte tinha-os prevenido... “Tu... não construir aqui! Perigoso! Montanha de fogo... Braoum!” A voz, os gestos e o dedo em riste do índio das Caraíbas não precisa-vam de tradutor. O que o índio mostrava era a montanha completamente nua que, em 1 de setembro de 1635, os marinheiros franceses que chegaram à ilha da Martinica batizaram como “Montanha Pelada”. De facto, a paisa-gem vulcânica não enganava: um enorme tronco cónico erguia-se majestoso. Se a mon-tanha estava nua, explicava o tradutor, é por-que tinha havido um enorme fogo cinco anos antes, que tudo tinha queimado. “Que importam os avisos de alguns “selva- gens”? Vamos construir aqui mesmo o nosso forte”, disse o capitão. Mas o que ele não sa-bia era que, sob o monte Pelée, o magma já tinha iniciado a sua lenta subida... No início do ano de 1902, toda a gente já ti-nha esquecido os índios das Caraíbas. O forte tinha- se transformado na capital económica da Martinica, com eletricidade, telefone, ca-minho de ferro, etc. A atmosfera estava muito aquecida e o ar pesado, mas as pessoas atri-buíam este facto ao clima das Caraíbas. Em janeiro, os turistas que subiam a montanha Pelada todos os domingos notaram que as fumarolas, cujo aparecimento já remontava a 1889, estavam cada vez mais ativas. No meio da cratera, onde no outono e inverno se acu-mulava água, havia emissão de gases quentes que matavam a vegetação em redor. Em fevereiro, os habitantes da encosta oci-dental do vulcão queixavam-se de cheiro a ovos podres, que fazia tossir e escurecia as pratas. Mas ninguém tratou de abandonar as suas casas, exceto os pássaros, cobras e ou-tros animais que fugiam para longe do vul-cão. O dia a dia da população manteve-se normal até 23 de abril. Às 21 h, uma primeira sacudi-dela fez tremer a terra. Outras se seguiram e a cratera começou a emitir vapores brancos e negros, misturados com cinzas, que começa-ram a cair numa chuva fina e contínua sobre a cidade. No dia 25, uma enorme coluna de fu-mo negro saiu da cratera e a terra tremeu de novo. No dia 27, tudo terminou, pelo que al-guns curiosos subiram a montanha até à cra-tera, verificando que o lago estava cor de chumbo, fumegava e emitia um cheiro náu-sea-bundo. Mas nada foi feito, nenhuma me-dida de evacuação foi tomada... A partir do dia 30 de abril, a chuva de cinzas mantém-se constante, fazendo com que os habitantes vivam na obscuridade. A 2 de maio, cerca das 23 h, os habitantes são acor-dados por uma forte explosão. A montanha cospe cinzas que formam enormes nuvens carregadas de eletricidade. As pessoas assus-tam-se e as autoridades acordam. A 3 de maio, o governador avisa Paris e transmite à população: “Mantenham a calma, não pode haver pânico!”. Nos dias que se se-guiram, as águas dos rios começaram a ferver e a sair do seu leito. No dia 5, o lago da crate-ra transbordou, derramando para o leito dos rios uma torrente de lava e matando 23 ope- rários. No dia 6 de maio, o governador no-meia e envia uma “comissão científica” para inspecionar a cratera. No dia 7, o relatório publicado no jornal da
  • 2. noite dizia: “Todos os fe-nómenos observados até hoje são perfeitamente normais e idênticos aos observados noutros vul-cões. O monte Pelée não apresenta mais perigo para a população de Saint- Pierre do que o Vesú-vio apresenta para Nápoles”. Em resposta à notícia, a montanha muda de tom. Blocos incandescentes são cuspidos em grandes quantidades, as torrentes de lava correm cada vez mais velozes. No dia 8 de maio, uma nuvem ardente com mais de 400 ºC desce à velocidade de 500 km/h e atinge Saint-Pierre. Foi o inferno. Em novembro de 1902, sete meses mais tarde, uma agulha de lava arrefecida emerge da cratera, empurrada pelos gases acumulados na chaminé do vulcão. Os diferentes locais atingidos pela catástrofe de 8 de maio de 1902: a preto, as zonas devastadas pela nuvem ardente; a cinzento, as que sofreram chuva de cinzas, divididas em três zonas de acordo com o efeito devastador crescente, com a proximidade do vulcão. 1. Indica a localização geográfica da ilha Martinica. 2. Regista as datas referidas no texto e ordena-as cronologicamente. Quantos anos passaram desde que o índio advertiu o capitão? 3. Comenta a atitude do capitão: “Que importam os avisos de alguns ‘selvagens’? Vamos construir aqui mesmo o nosso forte”. 4. Quais os primeiros indícios registados em 1902? 5. Transcreve a(s) frase(s) que se refere(m): 5.1. ao comportamento dos animais. 5.2. à ocorrência de tremores de terra. 6. Como classificas a erupção da montanha Pelada? 7. Justifica o título do texto “desastre anunciado”. 8. Refere uma ou mais catástrofes recentes que, tal como esta, poderiam ser minimizadas se fossem tomadas medidas de prevenção adequadas.