SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 42
Baixar para ler offline
Prof. Nunes
Cinética QuímicaCinética Química
Universidade Federal do Ceará
Centro de Ciências
Departamento de Química Orgânica e Inorgânica
Química Geral e Orgânica
DQOI - UFC
Cinética QuímicaCinética Química
Prof. Dr. José Nunes da Silva Jr.
nunes.ufc@gmail.com
1
Prof. Nunes
Cinética QuímicaCinética Química
ÉÉ oo estudoestudo dasdas velocidadesvelocidades dede reaçõesreações químicasquímicas.
AplicaçõesAplicações dada CinéticaCinética QuímicaQuímica??????
 monitorar a atmosfera (efeitos dos poluentes)
 desenvolvimento de catalisadores
 biologia e medicina
DQOI - UFC2
 biologia e medicina
 saúdesaúde representa um balanço entre um grande número de
reações (metabolismo).
 doençadoença frequentemente é um sinal que a velocidade de reações
importantes biologicamente mudaram muito.
Prof. Nunes
 A velocidadevelocidade dede umauma reaçãoreação descreve como reagentesreagentes sãosão consumidosconsumidos e os
produtosprodutos sãosão formadosformados.
 CinéticaCinética químicaquímica é o estudo das taxas de reações químicas, os fatores que
afetam a velocidades de reação, e os mecanismos (série de etapas), pelos
quais as reações ocorrem.
DefiniçõesDefinições
DQOI - UFC3
 As reações químicas ocorrem com velocidades muito diferentes.
 Por exemplo, reaçõesreações dede combustãocombustão, tais como a queima do metano,metano,
CHCH44 (presente no gás natural) e a combustão de isooctanoisooctano,, CC88HH1818,
(presente na gasolina), ocorrem muito rapidamente, às vezes
explosivamente.
Prof. Nunes
Velocidade de ReaçõesVelocidade de Reações
 As velocidadevelocidade dasdas reaçõesreações são geralmente expressasexpressas emem unidadesunidades de
molesmoles porpor litrolitro porpor unidadeunidade dede tempotempo.
 Se nós conhecemos a equação química de uma reação, sua velocidadevelocidade podepode
serser determinadadeterminada seguindo a variaçãovariação nana concentraçãoconcentração de qualquer produtoproduto
ou reagentereagente que podepode serser detectadadetectada quantitativamentequantitativamente.
DQOI - UFC4
V = -  (concentração do reagente)
 (tempo)
V =  (concentração do produto)
 (tempo)
o sinal negativo torna a velocidade positiva.
Prof. Nunes
Velocidade de ReaçõesVelocidade de Reações
Vamos estudar a reação: 2 HIVamos estudar a reação: 2 HI(g)(g) HH2(g)2(g) + I+ I2(g)2(g)
Verifica-se que durante um intervalo
de 100s, a concentração molar de HI
decresceu de 4,00M para 3,50M.
Se a velocidade da reação anterior é
5,0 x 10-3, qual é a velocidade da
reação em termos de [H2]?
DQOI - UFC5
V =
- ( 3,5 - 4,0 )
100s
V = 5,0 x 10-3 mol (HI)
L.s
2 moles HI
são consumidos
1 mol H2
é formado
V = 2,5 x 10-3 mol (H2)
L.s
Prof. Nunes
 Considere como um exemplo a reação em fase gasosa que ocorre quando
misturamos 1,000 mol de hidrogênio e 2,000 moles de cloreto de iodo a 230 °C
em um frasco lacrado de 1 litro.
Velocidade de ReaçõesVelocidade de Reações
VelocidadeVelocidade
DQOI - UFC6
VelocidadeVelocidade
da reaçãoda reação
Prof. Nunes
Velocidade de ReaçõesVelocidade de Reações
VelocidadeVelocidade
da reaçãoda reação
DQOI - UFC7
Prof. Nunes
Velocidade de ReaçõesVelocidade de Reações
VelocidadeVelocidade
da reaçãoda reação
DQOI - UFC8
Prof. Nunes
 A velocidadevelocidade instantâneainstantânea de reação no tempo t (2,0 segundos, por exemplo)
é o negativo da inclinaçãoinclinação dada tangentetangente da curva no tempo t.
VelocidadeVelocidade InstantâneaInstantânea de Reaçõesde Reações
DQOI - UFC
 Vemos que a velocidadevelocidade dada reaçãoreação diminuidiminui comcom oo tempotempo..
9
Prof. Nunes
VelocidadeVelocidade InstantâneaInstantânea de Reaçõesde Reações
OutroOutro ExemploExemplo:: Concentração da PenicilinaPenicilina armazenada a 25 oC.
DQOI - UFC10
Prof. Nunes
 QuatroQuatro 44 fatoresfatores têm efeitosefeitos marcantesmarcantes sobre as velocidades das reações
químicas.
1) a natureza dos reagentes,
2) concentrações dos reagentes,
3) temperatura, e
4) presença de um catalisador.
Fatores que InfluenciamFatores que Influenciam a Velocidade de Reaçõesa Velocidade de Reações
DQOI - UFC
 OO entendimentosentendimentos destesdestes efeitosefeitos podepode nosnos ajudarajudar aa controlarcontrolar asas velocidadesvelocidades dasdas
reaçõesreações..
11
Prof. Nunes
 Os estadosestados físicosfísicos das substâncias reagentes sãosão importantesimportantes na
determinação da sua reatividade.
 Uma poça de gasolinagasolina líquidalíquida pode queimar sem problemas, mas os vaporesvapores
dede gasolinagasolina pode queimar explosivamente.
 Dois líquidoslíquidos imiscíveisimiscíveis podempodem reagirreagir lentamentelentamente em sua interface, mas se
NaturezaNatureza dos Reagentesdos Reagentes
DQOI - UFC
 Dois líquidoslíquidos imiscíveisimiscíveis podempodem reagirreagir lentamentelentamente em sua interface, mas se
eles estão intimamenteintimamente misturadosmisturados para proporcionar um melhor contato, a
reaçãoreação aceleraacelera.
12
Prof. Nunes
 O fósforofósforo brancobranco e o fósforofósforo vermelhovermelho são diferentes formas sólidas
(alótropos) de fósforo elementar.
 O fósforofósforo brancobranco inflama quando exposto ao oxigênio no ar.
 Por outro lado, o fósforofósforo vermelhovermelho pode ser mantida em aberto
recipientes para longos períodos de tempo sem reação perceptível.
NaturezaNatureza dos Reagentesdos Reagentes
DQOI - UFC13
Prof. Nunes
 GizGiz emem pópó (CaCO3) reage rapidamente com ácido clorídrico diluído, pois tem
uma grande área de superfície total.
 Um bastãobastão dede gizgiz tem uma área muito menor, assim que reage muito mais
lentamente.
NaturezaNatureza dos Reagentesdos Reagentes
DQOI - UFC14
Prof. Nunes
 Como as concentrações de reagentes mudam a temperatura constante, a
velocidade de reação varia.
 A expressão da leilei dede velocidadevelocidade para uma reação descrevedescreve comocomo suasua
velocidadevelocidade dependedepende dasdas concentraçõesconcentrações, isto é, a lei de velocidade é
deduzidadeduzida experimentalmenteexperimentalmente parapara cadacada reaçãoreação em estudo.
ConcentraçãoConcentração dos Reagentesdos Reagentes
DQOI - UFC
 A leilei dede velocidadevelocidade para uma reação na qual A e B são reagentes é expressa
da seguinte forma:
 A constanteconstante kk é chamada de constanteconstante dede velocidadevelocidade específicaespecífica (ou
apenas a constanteconstante dede velocidadevelocidade) para a reação a uma temperatura
particular.
15
VV
Prof. Nunes
 Os valoresvalores dosdos expoentes,expoentes, xx ee yy, e da constanteconstante dede velocidade,velocidade, kk não têm
qualquer relação necessária com os coeficientes estequiométricos na
equação química balanceada da reação global, e devemdevem serser determinadosdeterminados
experimentalmenteexperimentalmente.
 As grandezas com que as concentrações são elevadas, xx ee yy, são:
ConcentraçãoConcentração dos Reagentesdos Reagentes
VV
DQOI - UFC
 As grandezas com que as concentrações são elevadas, xx ee yy, são:
 geralmente números inteiros, ou
 zero, mas
 ocasionalmente são fracionários ou
 mesmo negativo.
 xx == 22 significa que o velocidade é diretamente proporcional ao quadrado da
concentração.
 XX == 00 significa que a velocidade não depende da concentração desse reagente.
16
Prof. Nunes
 O valorvalor dede xx é dito ser a ordemordem dada reaçãoreação comcom respeitorespeito aa AA e yy éé aa ordemordem dada
reaçãoreação comcom relaçãorelação aa BB.
 A ordemordem globalglobal dada reaçãoreação é x+yx+y. Exemplos de leis taxa observada para
algumas reações seguir.
ConcentraçãoConcentração dos Reagentesdos Reagentes
VV
DQOI - UFC17
VV
VV
VV
VV
Prof. Nunes
 Plotando as velocidadesvelocidades iniciaisiniciais como uma função da [[NN22OO55]] - ddáá umauma retareta
Reações deReações de 1ª Ordem1ª Ordem
2 N2 N22OO5 (g)5 (g)  4 NO4 NO22 (g)(g) + O+ O22 (g)(g)
VV = K . [N= K . [N22OO55]]
DQOI - UFC18
[[NN22OO55]]
Prof. Nunes
 Plotando as velocidadesvelocidades iniciaisiniciais como uma função da [NO[NO22]] - nãonão dádá umauma
retareta
Reações deReações de 2ª Ordem2ª Ordem
2 NO2 NO2 (g)2 (g)  2 NO2 NO (g)(g) + O+ O22 (g)(g)
 Plotando as velocidadesvelocidades iniciaisiniciais como uma função das [[NONO22]]22 - ddáá umauma retareta.
DQOI - UFC19
[NO[NO22]]22
Prof. Nunes
 Embora a maioria das reações sejam de 1a ou 2a ordem, existemexistem reaçõesreações comcom
outrasoutras ordensordens...
Reações deReações de Ordem ZeroOrdem Zero
...
2 NH2 NH33 (g)(g)  NN22 (g)(g) + 3 H+ 3 H22 (g)(g)
DQOI - UFC
 A velocidadevelocidade queque nãonão dependedepende dada concentraçãoconcentração é tida como de ordemordem zerozero..
20
V = K
Prof. Nunes
1) Uma vez que as ordensordens dede reaçãoreação sãosão conhecidosconhecidos, os dadosdados experimentaisexperimentais
devemdevem serser usadosusados ​​​​parapara determinardeterminar oo valorvalor dede kk para uma reação em
condições adequadas.
2) O valorvalor dede kk queque determinamosdeterminamos éé dede umauma reaçãoreação específicaespecífica, representado
por uma equação balanceada.
Constante KConstante K –– Pontos ImportantesPontos Importantes
DQOI - UFC
3) As unidadesunidades dede kk dependemdependem dada ordemordem globalglobal dada reaçãoreação.
4) O valor de kk nãonão variavaria comcom asas concentraçõesconcentrações dede reagentesreagentes ouou
ouou produtosprodutos.
21
Prof. Nunes
5) O valor de kk nãonão mudamuda comcom oo tempotempo.
6) O valorvalor dede kk refere-se a uma reação a uma temperatura específica e
variavaria somentesomente sese aa temperaturatemperatura variarvariar.
Constante KConstante K –– Pontos ImportantesPontos Importantes
DQOI - UFC
7) O valorvalor dede kk éé dependentedependente do fato de um catalisadorcatalisador estáestá presentepresente ouou nãonão.
22
Prof. Nunes
 Podemos usar o métodométodo dasdas velocidadesvelocidades iniciaisiniciais parapara deduzirdeduzir aa leilei dede
velocidadevelocidade experimentalmenteexperimentalmente..
 Normalmente conhecemos as concentrações de todos os reagentes no início
da reação. PodemosPodemos, então, medirmedir aa velocidadevelocidade inicialinicial dada reaçãoreação
correspondente a estas concentrações iniciais.
Constante KConstante K –– Determinação ExperimentalDeterminação Experimental
DQOI - UFC23
V = K [A]V = K [A]xx . [B]. [B]yy
V = K [A]V = K [A]xx . [B]. [B]11
Prof. Nunes
 Podemos usar o métodométodo dasdas velocidadesvelocidades iniciaisiniciais parapara deduzirdeduzir aa leilei dede
velocidadevelocidade experimentalmenteexperimentalmente..
 Normalmente conhecemos as concentrações de todos os reagentes no início
da reação. PodemosPodemos, então, medirmedir aa velocidadevelocidade inicialinicial dada reaçãoreação
correspondente a estas concentrações iniciais.
Constante KConstante K –– Determinação ExperimentalDeterminação Experimental
DQOI - UFC24
V = K [A]V = K [A]xx . [B]. [B]11
V = K [A]V = K [A]11 . [B]. [B]11
Prof. Nunes
Considerando os dados a seguir, determinedetermine aa expressãoexpressão dada leilei dede velocidadevelocidade e
o valor da constanteconstante dede velocidadevelocidade para a reação
Constante KConstante K –– Determinação ExperimentalDeterminação Experimental
DQOI - UFC25
V = K [A]V = K [A]22 . [B]. [B]00 .. [C][C]11
KK = 3.0= 3.0 x 10x 10--44 MM--22 minmin--11
Prof. Nunes
 Quanto ozônio estará presente em uma região da atmosfera em dezembro?
 Quanto SO3 pode ser produzido em uma hora?
 Estas questões podem ser respondidas usando a LeiLei dede VelocidadeVelocidade IntegradaIntegrada
 umauma fórmulafórmula queque dádá aa concentraçãoconcentração dede reagentesreagentes (ou(ou produtos)produtos) emem
Concentração versusConcentração versus TempoTempo
DQOI - UFC
 umauma fórmulafórmula queque dádá aa concentraçãoconcentração dede reagentesreagentes (ou(ou produtos)produtos) emem
qualquerqualquer tempotempo apósapós oo inícioinício dada reaçãoreação..
 ssee aa concentraçãoconcentração inicialinicial dede reagentesreagentes éé conhecida,conhecida, podemospodemos predizerpredizer
aa concentraçãoconcentração dodo reagentereagente remanescenteremanescente apósapós umum dadodado tempotempo.
26
Prof. Nunes
Para reaçõesreações dede 11aa ordemordem, aa concentraçãoconcentração dodo reagentereagente remanescenteremanescente apósapós
umum dadodado intervalointervalo dede tempotempo podepode serser obtidaobtida pelapela seguinteseguinte equaçãoequação::
Velocidade Integrada de 1ª OrdemVelocidade Integrada de 1ª Ordem
[A][A]tt == [A][A]00 .. ee -- k . tk . t
DQOI - UFC27
[A]t = concentração molar de A no tempo t
[A]0 = concentração molar inicial de A
K = constante da reação
t = tempo de reação
Prof. Nunes
Velocidade Integrada de 1ª OrdemVelocidade Integrada de 1ª Ordem
[A][A]tt == [A][A]00 .. ee -- k . tk . t
Note que quantoNote que quanto maior Kmaior K  maismais
rápido o decaimentorápido o decaimento..
DQOI - UFC28
Prof. Nunes
Propriedades LogarítmicasPropriedades Logarítmicas
ln aa . bb = lnln aa + lnln bb
ln aa / bb = lnln aa - lnln bb
DQOI - UFC29
ln eexx = xx
ln XX--yy = -- yy . lnln XX
Prof. Nunes
Lei de Velocidade IntegradaLei de Velocidade Integrada
[A]t = [A]0 . e- k. t
lnln [A]t = lnln [A]0 + lnln (e(e-- k . tk . t))
lnln [A] = lnln [A] + ((-- k . t )k . t )
lnlnlnln
DQOI - UFC30
lnln [A]t = lnln [A]0 + ((-- k . t )k . t )
lnln [A]t = lnln [A]0 -- kk . t
equação de uma retaequação de uma reta
y = ax + b
coeficiente angular da retacoeficiente angular da reta
Prof. Nunes
Medindo uma Constante de VelocidadeMedindo uma Constante de Velocidade
Quando o ciclopropano é aquecido a 500 oC, ele converte-se em propeno. Os
seguintes dados foram obtidos experimentalmente. DetermineDetermine aa contantecontante dede
velocidadevelocidade dada reaçãoreação..
tempo [C2H6]
0 1,50 x 10-3
5 1,24 x 10-3
ln [C2H6]
- 6,50
- 6,69
DQOI - UFC31
5 1,24 x 10
10 1,00 x 10-3
15 0,83 x 10-3
- 6,69
- 6,91
- 7,09
CoefCoef. da reta = K. da reta = K = (= ( -- 7,02)7,02) –– (( -- 6,56)6,56)
= 13,3= 13,3 –– 1,71,7
KK = 0,040= 0,040 1/min1/min
Prof. Nunes
Tempo de MeiaTempo de Meia--VidaVida
É o tempotempo necessário para sua concentraçãoconcentração caircair aa metademetade dede seuseu valorvalor
inicialinicial.
DQOI - UFC32
t ½ Hgt ½ Hg++++ no sangue humano é de 6 dias6 dias antes de ser excretado.
Prof. Nunes
Tempo de MeiaTempo de Meia--VidaVida
DQOI - UFC33
Prof. Nunes
Tempo de MeiaTempo de Meia--VidaVida
A meia vidameia vida de uma reação de 1reação de 1aa ordemordem está relacionada a Krelacionada a K.
Quanto maior for K
DQOI - UFC34
Mais rápido o consumo do reagente
Mais curto o t ½
Prof. Nunes
Tempo de MeiaTempo de Meia--VidaVida
lnln [A]t = lnln [A]0 - k . t
lnln [A]t - lnln [A]0 = - k . t
lnln [A]t / [A]0 = - k . t
t1/2 = ln 2
DQOI - UFC35
Quando t = t ½
[A]t1/2 = [A]0 / 2
[A]t1/2 / [A]0 = 1/2
lnln ½ = - k . t1/2
lnln 2 = k . t1/2
t1/2 = ln 2
K
KK tt1/21/2
Prof. Nunes
ExercitandoExercitando
Um composto A decompõe-se para formar B e C em uma reação que é de
primeira ordem com relação a A e de primeira ordem global. A 25 °C, a
velocidade específica constante para a reação é 0,0450 s-1. Qual é o tempo de
meia-vida de A a 25 °C?
DQOI - UFC36
Prof. Nunes
ExercitandoExercitando
A reação 22 NN22OO55(g)(g)  22 NN22OO44(g)(g) ++ OO22(g(g)) obedece a lei de velocidade = kk [N[N22OO55]], em
que a constante de velocidade específica é 00,,0084000840 ss--11 a uma determinada
temperatura.
a) Se 2,50 moles de N2O5 foram colocados em um recipiente de 5,00 litros a
essa temperatura, quantos moles de N2O5 permaneceram após 1,00
minutos?
b) Quanto tempo seria necessário para que 90% do N2O5 reaja?
DQOI - UFC37
b) Quanto tempo seria necessário para que 90% do N2O5 reaja?
Prof. Nunes
ExercitandoExercitando
22 NN22OO55(g)(g)  22 NN22OO44(g)(g) ++ OO22(g(g)) V= kk [N[N22OO55]] K = 00,,0084000840 ss--11
DQOI - UFC38
Prof. Nunes
ExercitandoExercitando
22 NN22OO55(g)(g)  22 NN22OO44(g)(g) ++ OO22(g(g)) V= kk [N[N22OO55]] K = 00,,0084000840 ss--11
DQOI - UFC39
Prof. Nunes
ExercícioExercício
Um poluentepoluente escapou em um local para piquenique. Estudos mostraram que o
poluente decai por uma reação de primeira ordem com K = 3,8 x 10-3 /h.
DQOI - UFC40
a) Calcule o tempo necessário para a concentração cair à metade do valor inicial.
b) Calcule o tempo necessário para a concentração cair à 1/4 do valor inicial.
Olá colegas professores e caros estudantes, este aplicativo computacional pode ser
acessado gratuitamente no endereço:
http://www.quimica.ufc.br/cinética
Peço-lhes a gentileza de avaliarem
o aplicativo respondendo a um
questionário objetivo com apenas
poucas questões.
Vossa opinião será fundamentalVossa opinião será fundamental
para a melhoria do aplicativo e
para a criação de outros títulos.
Outros títulos são disponibilizados
gratuitamente em:
http://www.quimica.ufc.br/gdfceq
Prof. NunesProf. Nunes

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo IIRelatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo IIErica Souza
 
Unidade 03 - Grupos Funcionais e Nomenclatura
Unidade 03 - Grupos Funcionais e NomenclaturaUnidade 03 - Grupos Funcionais e Nomenclatura
Unidade 03 - Grupos Funcionais e NomenclaturaJosé Nunes da Silva Jr.
 
Soluções e Solubilidade
Soluções e SolubilidadeSoluções e Solubilidade
Soluções e SolubilidadeLuana Salgueiro
 
FUNÇÕES INORGÂNICAS COMPLETO
FUNÇÕES INORGÂNICAS COMPLETOFUNÇÕES INORGÂNICAS COMPLETO
FUNÇÕES INORGÂNICAS COMPLETOSilvio Gentil
 
Equilíbrio químico
Equilíbrio químicoEquilíbrio químico
Equilíbrio químicoCarlos Kramer
 
Aula 16 19 substituição nucleofílica
Aula 16 19 substituição nucleofílicaAula 16 19 substituição nucleofílica
Aula 16 19 substituição nucleofílicaGustavo Silveira
 
Reações de Ácidos Carboxílicos e Derivados
Reações de Ácidos Carboxílicos e DerivadosReações de Ácidos Carboxílicos e Derivados
Reações de Ácidos Carboxílicos e DerivadosJosé Nunes da Silva Jr.
 
Haletos de alquila: reações de substituição nucleofílica
Haletos de alquila: reações de substituição nucleofílicaHaletos de alquila: reações de substituição nucleofílica
Haletos de alquila: reações de substituição nucleofílicaEduardo Macedo
 
Reações de Subst. Nucleofïlicas em Compostos Aromáticos
Reações de Subst. Nucleofïlicas em Compostos AromáticosReações de Subst. Nucleofïlicas em Compostos Aromáticos
Reações de Subst. Nucleofïlicas em Compostos AromáticosJosé Nunes da Silva Jr.
 
Compostos de coordenação
Compostos de coordenaçãoCompostos de coordenação
Compostos de coordenaçãoLarissa Cadorin
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG...
 RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG... RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG...
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG...Ezequias Guimaraes
 

Mais procurados (20)

Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo IIRelatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
 
Equilíbrio iônico
Equilíbrio iônicoEquilíbrio iônico
Equilíbrio iônico
 
Termodinamica
TermodinamicaTermodinamica
Termodinamica
 
Unidade 03 - Grupos Funcionais e Nomenclatura
Unidade 03 - Grupos Funcionais e NomenclaturaUnidade 03 - Grupos Funcionais e Nomenclatura
Unidade 03 - Grupos Funcionais e Nomenclatura
 
Reações de Aldeídos e Cetonas
Reações de Aldeídos e CetonasReações de Aldeídos e Cetonas
Reações de Aldeídos e Cetonas
 
Soluções e Solubilidade
Soluções e SolubilidadeSoluções e Solubilidade
Soluções e Solubilidade
 
FUNÇÕES INORGÂNICAS COMPLETO
FUNÇÕES INORGÂNICAS COMPLETOFUNÇÕES INORGÂNICAS COMPLETO
FUNÇÕES INORGÂNICAS COMPLETO
 
Equilíbrio químico
Equilíbrio químicoEquilíbrio químico
Equilíbrio químico
 
Aula 16 19 substituição nucleofílica
Aula 16 19 substituição nucleofílicaAula 16 19 substituição nucleofílica
Aula 16 19 substituição nucleofílica
 
Reações de Ácidos Carboxílicos e Derivados
Reações de Ácidos Carboxílicos e DerivadosReações de Ácidos Carboxílicos e Derivados
Reações de Ácidos Carboxílicos e Derivados
 
Haletos de alquila: reações de substituição nucleofílica
Haletos de alquila: reações de substituição nucleofílicaHaletos de alquila: reações de substituição nucleofílica
Haletos de alquila: reações de substituição nucleofílica
 
Cinética
CinéticaCinética
Cinética
 
Aula sobre ligações químicas
Aula sobre ligações químicasAula sobre ligações químicas
Aula sobre ligações químicas
 
Reações de Subst. Nucleofïlicas em Compostos Aromáticos
Reações de Subst. Nucleofïlicas em Compostos AromáticosReações de Subst. Nucleofïlicas em Compostos Aromáticos
Reações de Subst. Nucleofïlicas em Compostos Aromáticos
 
Compostos de coordenação
Compostos de coordenaçãoCompostos de coordenação
Compostos de coordenação
 
Ácidos e Bases
Ácidos e BasesÁcidos e Bases
Ácidos e Bases
 
Aula termoquímica
Aula termoquímicaAula termoquímica
Aula termoquímica
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG...
 RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG... RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG...
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG...
 
Reação de adição
Reação de adiçãoReação de adição
Reação de adição
 
Termoquimica
TermoquimicaTermoquimica
Termoquimica
 

Semelhante a Cinética Química: Fatores que Influenciam a Velocidade de Reações

Cinética Química - Fisico-química
Cinética Química - Fisico-químicaCinética Química - Fisico-química
Cinética Química - Fisico-químicaDanilo Alves
 
3a. aula química geral.pptx
3a. aula química geral.pptx3a. aula química geral.pptx
3a. aula química geral.pptxArionZandonaFilho
 
Resumo te rico cin-tica qu-mica.QUIMICA
Resumo te rico cin-tica qu-mica.QUIMICAResumo te rico cin-tica qu-mica.QUIMICA
Resumo te rico cin-tica qu-mica.QUIMICAcolegioexpansao
 
apresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro ano
apresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro anoapresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro ano
apresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro anoIgorAngel1
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética químicaEduardo Lima
 
11ºano - Quimica Exercícios
11ºano - Quimica Exercícios11ºano - Quimica Exercícios
11ºano - Quimica Exercíciosadelinoqueiroz
 
Cinética química professora estela
Cinética química professora estelaCinética química professora estela
Cinética química professora estelaEstela Oliveira
 
Cinética química professora estela
Cinética química professora estelaCinética química professora estela
Cinética química professora estelaEstela Oliveira
 
Extensão de reações.pdf
Extensão de reações.pdfExtensão de reações.pdf
Extensão de reações.pdfSlviaNunes10
 
Equilibrio Químico Agrária.pdf Conceitos
Equilibrio Químico Agrária.pdf ConceitosEquilibrio Químico Agrária.pdf Conceitos
Equilibrio Químico Agrária.pdf ConceitosLuciliaPereira15
 
cinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdf
cinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdfcinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdf
cinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdfMariaCeclia811680
 
Aula 14 15 analisando uma reação
Aula 14   15 analisando uma reaçãoAula 14   15 analisando uma reação
Aula 14 15 analisando uma reaçãoGustavo Silveira
 
Cinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptx
Cinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptxCinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptx
Cinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptxMistaelPantojaLeao
 

Semelhante a Cinética Química: Fatores que Influenciam a Velocidade de Reações (20)

Cinética Química - Fisico-química
Cinética Química - Fisico-químicaCinética Química - Fisico-química
Cinética Química - Fisico-química
 
cinética quimica
cinética quimicacinética quimica
cinética quimica
 
cinetica quimica ok.ppt
cinetica quimica ok.pptcinetica quimica ok.ppt
cinetica quimica ok.ppt
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
 
3a. aula química geral.pptx
3a. aula química geral.pptx3a. aula química geral.pptx
3a. aula química geral.pptx
 
Resumo te rico cin-tica qu-mica.QUIMICA
Resumo te rico cin-tica qu-mica.QUIMICAResumo te rico cin-tica qu-mica.QUIMICA
Resumo te rico cin-tica qu-mica.QUIMICA
 
apresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro ano
apresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro anoapresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro ano
apresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro ano
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
 
11ºano - Quimica Exercícios
11ºano - Quimica Exercícios11ºano - Quimica Exercícios
11ºano - Quimica Exercícios
 
Cinética química professora estela
Cinética química professora estelaCinética química professora estela
Cinética química professora estela
 
Cinética química professora estela
Cinética química professora estelaCinética química professora estela
Cinética química professora estela
 
Extensão de reações.pdf
Extensão de reações.pdfExtensão de reações.pdf
Extensão de reações.pdf
 
Equilibrio Químico Agrária.pdf Conceitos
Equilibrio Químico Agrária.pdf ConceitosEquilibrio Químico Agrária.pdf Conceitos
Equilibrio Químico Agrária.pdf Conceitos
 
cinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdf
cinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdfcinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdf
cinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdf
 
Aula 14 15 analisando uma reação
Aula 14   15 analisando uma reaçãoAula 14   15 analisando uma reação
Aula 14 15 analisando uma reação
 
Ana nery cinética química
Ana nery   cinética químicaAna nery   cinética química
Ana nery cinética química
 
Cinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptx
Cinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptxCinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptx
Cinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptx
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
 
Introdução às Reações Orgânicas
Introdução às Reações OrgânicasIntrodução às Reações Orgânicas
Introdução às Reações Orgânicas
 
Cinetica
CineticaCinetica
Cinetica
 

Mais de José Nunes da Silva Jr.

Unidade 05 - Introdução às Reações Orgânicas
Unidade 05 - Introdução às Reações OrgânicasUnidade 05 - Introdução às Reações Orgânicas
Unidade 05 - Introdução às Reações OrgânicasJosé Nunes da Silva Jr.
 
Grupos Funcionais - Estrutura e Nomenclatura
Grupos Funcionais - Estrutura e NomenclaturaGrupos Funcionais - Estrutura e Nomenclatura
Grupos Funcionais - Estrutura e NomenclaturaJosé Nunes da Silva Jr.
 

Mais de José Nunes da Silva Jr. (20)

Substituição Eletrofílica Aromática
Substituição Eletrofílica AromáticaSubstituição Eletrofílica Aromática
Substituição Eletrofílica Aromática
 
Substituição Eletrofílica Aromática
Substituição Eletrofílica AromáticaSubstituição Eletrofílica Aromática
Substituição Eletrofílica Aromática
 
Aula 01 - Forças Intermoleculares
Aula 01 - Forças IntermolecularesAula 01 - Forças Intermoleculares
Aula 01 - Forças Intermoleculares
 
Unidade 05 - Introdução às Reações Orgânicas
Unidade 05 - Introdução às Reações OrgânicasUnidade 05 - Introdução às Reações Orgânicas
Unidade 05 - Introdução às Reações Orgânicas
 
Unidade 04 - Ácidos e Bases
Unidade 04 - Ácidos e BasesUnidade 04 - Ácidos e Bases
Unidade 04 - Ácidos e Bases
 
Unidade 02 - Estereoquímica
Unidade 02 - EstereoquímicaUnidade 02 - Estereoquímica
Unidade 02 - Estereoquímica
 
Unidade 02 - Análise Conformacional
Unidade 02 - Análise ConformacionalUnidade 02 - Análise Conformacional
Unidade 02 - Análise Conformacional
 
Unidade 01 - Teoria Estrutural
Unidade 01 - Teoria EstruturalUnidade 01 - Teoria Estrutural
Unidade 01 - Teoria Estrutural
 
Grupos Funcionais - Estrutura e Nomenclatura
Grupos Funcionais - Estrutura e NomenclaturaGrupos Funcionais - Estrutura e Nomenclatura
Grupos Funcionais - Estrutura e Nomenclatura
 
Estereoquímica
EstereoquímicaEstereoquímica
Estereoquímica
 
Grupos Funcionais e Nomenclatura
Grupos Funcionais e NomenclaturaGrupos Funcionais e Nomenclatura
Grupos Funcionais e Nomenclatura
 
Unidade 01 Teoria Estrutural
Unidade 01   Teoria EstruturalUnidade 01   Teoria Estrutural
Unidade 01 Teoria Estrutural
 
Analise conformacional
Analise conformacionalAnalise conformacional
Analise conformacional
 
Say My Name
Say My NameSay My Name
Say My Name
 
Teoria das práticas CE0880
Teoria das práticas  CE0880Teoria das práticas  CE0880
Teoria das práticas CE0880
 
Teoria das práticas CE0873
Teoria das práticas  CE0873Teoria das práticas  CE0873
Teoria das práticas CE0873
 
Roteiros de Química - Farmácia
Roteiros de Química - FarmáciaRoteiros de Química - Farmácia
Roteiros de Química - Farmácia
 
Roteiros de Química Orgânica I
Roteiros de Química Orgânica IRoteiros de Química Orgânica I
Roteiros de Química Orgânica I
 
Reações de Eliminação
Reações de EliminaçãoReações de Eliminação
Reações de Eliminação
 
Estereoquimica - Pós-graduação
Estereoquimica - Pós-graduaçãoEstereoquimica - Pós-graduação
Estereoquimica - Pós-graduação
 

Último

LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfmirandadudu08
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaaulasgege
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 

Último (20)

LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdf
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 

Cinética Química: Fatores que Influenciam a Velocidade de Reações

  • 1. Prof. Nunes Cinética QuímicaCinética Química Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Departamento de Química Orgânica e Inorgânica Química Geral e Orgânica DQOI - UFC Cinética QuímicaCinética Química Prof. Dr. José Nunes da Silva Jr. nunes.ufc@gmail.com 1
  • 2. Prof. Nunes Cinética QuímicaCinética Química ÉÉ oo estudoestudo dasdas velocidadesvelocidades dede reaçõesreações químicasquímicas. AplicaçõesAplicações dada CinéticaCinética QuímicaQuímica??????  monitorar a atmosfera (efeitos dos poluentes)  desenvolvimento de catalisadores  biologia e medicina DQOI - UFC2  biologia e medicina  saúdesaúde representa um balanço entre um grande número de reações (metabolismo).  doençadoença frequentemente é um sinal que a velocidade de reações importantes biologicamente mudaram muito.
  • 3. Prof. Nunes  A velocidadevelocidade dede umauma reaçãoreação descreve como reagentesreagentes sãosão consumidosconsumidos e os produtosprodutos sãosão formadosformados.  CinéticaCinética químicaquímica é o estudo das taxas de reações químicas, os fatores que afetam a velocidades de reação, e os mecanismos (série de etapas), pelos quais as reações ocorrem. DefiniçõesDefinições DQOI - UFC3  As reações químicas ocorrem com velocidades muito diferentes.  Por exemplo, reaçõesreações dede combustãocombustão, tais como a queima do metano,metano, CHCH44 (presente no gás natural) e a combustão de isooctanoisooctano,, CC88HH1818, (presente na gasolina), ocorrem muito rapidamente, às vezes explosivamente.
  • 4. Prof. Nunes Velocidade de ReaçõesVelocidade de Reações  As velocidadevelocidade dasdas reaçõesreações são geralmente expressasexpressas emem unidadesunidades de molesmoles porpor litrolitro porpor unidadeunidade dede tempotempo.  Se nós conhecemos a equação química de uma reação, sua velocidadevelocidade podepode serser determinadadeterminada seguindo a variaçãovariação nana concentraçãoconcentração de qualquer produtoproduto ou reagentereagente que podepode serser detectadadetectada quantitativamentequantitativamente. DQOI - UFC4 V = -  (concentração do reagente)  (tempo) V =  (concentração do produto)  (tempo) o sinal negativo torna a velocidade positiva.
  • 5. Prof. Nunes Velocidade de ReaçõesVelocidade de Reações Vamos estudar a reação: 2 HIVamos estudar a reação: 2 HI(g)(g) HH2(g)2(g) + I+ I2(g)2(g) Verifica-se que durante um intervalo de 100s, a concentração molar de HI decresceu de 4,00M para 3,50M. Se a velocidade da reação anterior é 5,0 x 10-3, qual é a velocidade da reação em termos de [H2]? DQOI - UFC5 V = - ( 3,5 - 4,0 ) 100s V = 5,0 x 10-3 mol (HI) L.s 2 moles HI são consumidos 1 mol H2 é formado V = 2,5 x 10-3 mol (H2) L.s
  • 6. Prof. Nunes  Considere como um exemplo a reação em fase gasosa que ocorre quando misturamos 1,000 mol de hidrogênio e 2,000 moles de cloreto de iodo a 230 °C em um frasco lacrado de 1 litro. Velocidade de ReaçõesVelocidade de Reações VelocidadeVelocidade DQOI - UFC6 VelocidadeVelocidade da reaçãoda reação
  • 7. Prof. Nunes Velocidade de ReaçõesVelocidade de Reações VelocidadeVelocidade da reaçãoda reação DQOI - UFC7
  • 8. Prof. Nunes Velocidade de ReaçõesVelocidade de Reações VelocidadeVelocidade da reaçãoda reação DQOI - UFC8
  • 9. Prof. Nunes  A velocidadevelocidade instantâneainstantânea de reação no tempo t (2,0 segundos, por exemplo) é o negativo da inclinaçãoinclinação dada tangentetangente da curva no tempo t. VelocidadeVelocidade InstantâneaInstantânea de Reaçõesde Reações DQOI - UFC  Vemos que a velocidadevelocidade dada reaçãoreação diminuidiminui comcom oo tempotempo.. 9
  • 10. Prof. Nunes VelocidadeVelocidade InstantâneaInstantânea de Reaçõesde Reações OutroOutro ExemploExemplo:: Concentração da PenicilinaPenicilina armazenada a 25 oC. DQOI - UFC10
  • 11. Prof. Nunes  QuatroQuatro 44 fatoresfatores têm efeitosefeitos marcantesmarcantes sobre as velocidades das reações químicas. 1) a natureza dos reagentes, 2) concentrações dos reagentes, 3) temperatura, e 4) presença de um catalisador. Fatores que InfluenciamFatores que Influenciam a Velocidade de Reaçõesa Velocidade de Reações DQOI - UFC  OO entendimentosentendimentos destesdestes efeitosefeitos podepode nosnos ajudarajudar aa controlarcontrolar asas velocidadesvelocidades dasdas reaçõesreações.. 11
  • 12. Prof. Nunes  Os estadosestados físicosfísicos das substâncias reagentes sãosão importantesimportantes na determinação da sua reatividade.  Uma poça de gasolinagasolina líquidalíquida pode queimar sem problemas, mas os vaporesvapores dede gasolinagasolina pode queimar explosivamente.  Dois líquidoslíquidos imiscíveisimiscíveis podempodem reagirreagir lentamentelentamente em sua interface, mas se NaturezaNatureza dos Reagentesdos Reagentes DQOI - UFC  Dois líquidoslíquidos imiscíveisimiscíveis podempodem reagirreagir lentamentelentamente em sua interface, mas se eles estão intimamenteintimamente misturadosmisturados para proporcionar um melhor contato, a reaçãoreação aceleraacelera. 12
  • 13. Prof. Nunes  O fósforofósforo brancobranco e o fósforofósforo vermelhovermelho são diferentes formas sólidas (alótropos) de fósforo elementar.  O fósforofósforo brancobranco inflama quando exposto ao oxigênio no ar.  Por outro lado, o fósforofósforo vermelhovermelho pode ser mantida em aberto recipientes para longos períodos de tempo sem reação perceptível. NaturezaNatureza dos Reagentesdos Reagentes DQOI - UFC13
  • 14. Prof. Nunes  GizGiz emem pópó (CaCO3) reage rapidamente com ácido clorídrico diluído, pois tem uma grande área de superfície total.  Um bastãobastão dede gizgiz tem uma área muito menor, assim que reage muito mais lentamente. NaturezaNatureza dos Reagentesdos Reagentes DQOI - UFC14
  • 15. Prof. Nunes  Como as concentrações de reagentes mudam a temperatura constante, a velocidade de reação varia.  A expressão da leilei dede velocidadevelocidade para uma reação descrevedescreve comocomo suasua velocidadevelocidade dependedepende dasdas concentraçõesconcentrações, isto é, a lei de velocidade é deduzidadeduzida experimentalmenteexperimentalmente parapara cadacada reaçãoreação em estudo. ConcentraçãoConcentração dos Reagentesdos Reagentes DQOI - UFC  A leilei dede velocidadevelocidade para uma reação na qual A e B são reagentes é expressa da seguinte forma:  A constanteconstante kk é chamada de constanteconstante dede velocidadevelocidade específicaespecífica (ou apenas a constanteconstante dede velocidadevelocidade) para a reação a uma temperatura particular. 15 VV
  • 16. Prof. Nunes  Os valoresvalores dosdos expoentes,expoentes, xx ee yy, e da constanteconstante dede velocidade,velocidade, kk não têm qualquer relação necessária com os coeficientes estequiométricos na equação química balanceada da reação global, e devemdevem serser determinadosdeterminados experimentalmenteexperimentalmente.  As grandezas com que as concentrações são elevadas, xx ee yy, são: ConcentraçãoConcentração dos Reagentesdos Reagentes VV DQOI - UFC  As grandezas com que as concentrações são elevadas, xx ee yy, são:  geralmente números inteiros, ou  zero, mas  ocasionalmente são fracionários ou  mesmo negativo.  xx == 22 significa que o velocidade é diretamente proporcional ao quadrado da concentração.  XX == 00 significa que a velocidade não depende da concentração desse reagente. 16
  • 17. Prof. Nunes  O valorvalor dede xx é dito ser a ordemordem dada reaçãoreação comcom respeitorespeito aa AA e yy éé aa ordemordem dada reaçãoreação comcom relaçãorelação aa BB.  A ordemordem globalglobal dada reaçãoreação é x+yx+y. Exemplos de leis taxa observada para algumas reações seguir. ConcentraçãoConcentração dos Reagentesdos Reagentes VV DQOI - UFC17 VV VV VV VV
  • 18. Prof. Nunes  Plotando as velocidadesvelocidades iniciaisiniciais como uma função da [[NN22OO55]] - ddáá umauma retareta Reações deReações de 1ª Ordem1ª Ordem 2 N2 N22OO5 (g)5 (g)  4 NO4 NO22 (g)(g) + O+ O22 (g)(g) VV = K . [N= K . [N22OO55]] DQOI - UFC18 [[NN22OO55]]
  • 19. Prof. Nunes  Plotando as velocidadesvelocidades iniciaisiniciais como uma função da [NO[NO22]] - nãonão dádá umauma retareta Reações deReações de 2ª Ordem2ª Ordem 2 NO2 NO2 (g)2 (g)  2 NO2 NO (g)(g) + O+ O22 (g)(g)  Plotando as velocidadesvelocidades iniciaisiniciais como uma função das [[NONO22]]22 - ddáá umauma retareta. DQOI - UFC19 [NO[NO22]]22
  • 20. Prof. Nunes  Embora a maioria das reações sejam de 1a ou 2a ordem, existemexistem reaçõesreações comcom outrasoutras ordensordens... Reações deReações de Ordem ZeroOrdem Zero ... 2 NH2 NH33 (g)(g)  NN22 (g)(g) + 3 H+ 3 H22 (g)(g) DQOI - UFC  A velocidadevelocidade queque nãonão dependedepende dada concentraçãoconcentração é tida como de ordemordem zerozero.. 20 V = K
  • 21. Prof. Nunes 1) Uma vez que as ordensordens dede reaçãoreação sãosão conhecidosconhecidos, os dadosdados experimentaisexperimentais devemdevem serser usadosusados ​​​​parapara determinardeterminar oo valorvalor dede kk para uma reação em condições adequadas. 2) O valorvalor dede kk queque determinamosdeterminamos éé dede umauma reaçãoreação específicaespecífica, representado por uma equação balanceada. Constante KConstante K –– Pontos ImportantesPontos Importantes DQOI - UFC 3) As unidadesunidades dede kk dependemdependem dada ordemordem globalglobal dada reaçãoreação. 4) O valor de kk nãonão variavaria comcom asas concentraçõesconcentrações dede reagentesreagentes ouou ouou produtosprodutos. 21
  • 22. Prof. Nunes 5) O valor de kk nãonão mudamuda comcom oo tempotempo. 6) O valorvalor dede kk refere-se a uma reação a uma temperatura específica e variavaria somentesomente sese aa temperaturatemperatura variarvariar. Constante KConstante K –– Pontos ImportantesPontos Importantes DQOI - UFC 7) O valorvalor dede kk éé dependentedependente do fato de um catalisadorcatalisador estáestá presentepresente ouou nãonão. 22
  • 23. Prof. Nunes  Podemos usar o métodométodo dasdas velocidadesvelocidades iniciaisiniciais parapara deduzirdeduzir aa leilei dede velocidadevelocidade experimentalmenteexperimentalmente..  Normalmente conhecemos as concentrações de todos os reagentes no início da reação. PodemosPodemos, então, medirmedir aa velocidadevelocidade inicialinicial dada reaçãoreação correspondente a estas concentrações iniciais. Constante KConstante K –– Determinação ExperimentalDeterminação Experimental DQOI - UFC23 V = K [A]V = K [A]xx . [B]. [B]yy V = K [A]V = K [A]xx . [B]. [B]11
  • 24. Prof. Nunes  Podemos usar o métodométodo dasdas velocidadesvelocidades iniciaisiniciais parapara deduzirdeduzir aa leilei dede velocidadevelocidade experimentalmenteexperimentalmente..  Normalmente conhecemos as concentrações de todos os reagentes no início da reação. PodemosPodemos, então, medirmedir aa velocidadevelocidade inicialinicial dada reaçãoreação correspondente a estas concentrações iniciais. Constante KConstante K –– Determinação ExperimentalDeterminação Experimental DQOI - UFC24 V = K [A]V = K [A]xx . [B]. [B]11 V = K [A]V = K [A]11 . [B]. [B]11
  • 25. Prof. Nunes Considerando os dados a seguir, determinedetermine aa expressãoexpressão dada leilei dede velocidadevelocidade e o valor da constanteconstante dede velocidadevelocidade para a reação Constante KConstante K –– Determinação ExperimentalDeterminação Experimental DQOI - UFC25 V = K [A]V = K [A]22 . [B]. [B]00 .. [C][C]11 KK = 3.0= 3.0 x 10x 10--44 MM--22 minmin--11
  • 26. Prof. Nunes  Quanto ozônio estará presente em uma região da atmosfera em dezembro?  Quanto SO3 pode ser produzido em uma hora?  Estas questões podem ser respondidas usando a LeiLei dede VelocidadeVelocidade IntegradaIntegrada  umauma fórmulafórmula queque dádá aa concentraçãoconcentração dede reagentesreagentes (ou(ou produtos)produtos) emem Concentração versusConcentração versus TempoTempo DQOI - UFC  umauma fórmulafórmula queque dádá aa concentraçãoconcentração dede reagentesreagentes (ou(ou produtos)produtos) emem qualquerqualquer tempotempo apósapós oo inícioinício dada reaçãoreação..  ssee aa concentraçãoconcentração inicialinicial dede reagentesreagentes éé conhecida,conhecida, podemospodemos predizerpredizer aa concentraçãoconcentração dodo reagentereagente remanescenteremanescente apósapós umum dadodado tempotempo. 26
  • 27. Prof. Nunes Para reaçõesreações dede 11aa ordemordem, aa concentraçãoconcentração dodo reagentereagente remanescenteremanescente apósapós umum dadodado intervalointervalo dede tempotempo podepode serser obtidaobtida pelapela seguinteseguinte equaçãoequação:: Velocidade Integrada de 1ª OrdemVelocidade Integrada de 1ª Ordem [A][A]tt == [A][A]00 .. ee -- k . tk . t DQOI - UFC27 [A]t = concentração molar de A no tempo t [A]0 = concentração molar inicial de A K = constante da reação t = tempo de reação
  • 28. Prof. Nunes Velocidade Integrada de 1ª OrdemVelocidade Integrada de 1ª Ordem [A][A]tt == [A][A]00 .. ee -- k . tk . t Note que quantoNote que quanto maior Kmaior K  maismais rápido o decaimentorápido o decaimento.. DQOI - UFC28
  • 29. Prof. Nunes Propriedades LogarítmicasPropriedades Logarítmicas ln aa . bb = lnln aa + lnln bb ln aa / bb = lnln aa - lnln bb DQOI - UFC29 ln eexx = xx ln XX--yy = -- yy . lnln XX
  • 30. Prof. Nunes Lei de Velocidade IntegradaLei de Velocidade Integrada [A]t = [A]0 . e- k. t lnln [A]t = lnln [A]0 + lnln (e(e-- k . tk . t)) lnln [A] = lnln [A] + ((-- k . t )k . t ) lnlnlnln DQOI - UFC30 lnln [A]t = lnln [A]0 + ((-- k . t )k . t ) lnln [A]t = lnln [A]0 -- kk . t equação de uma retaequação de uma reta y = ax + b coeficiente angular da retacoeficiente angular da reta
  • 31. Prof. Nunes Medindo uma Constante de VelocidadeMedindo uma Constante de Velocidade Quando o ciclopropano é aquecido a 500 oC, ele converte-se em propeno. Os seguintes dados foram obtidos experimentalmente. DetermineDetermine aa contantecontante dede velocidadevelocidade dada reaçãoreação.. tempo [C2H6] 0 1,50 x 10-3 5 1,24 x 10-3 ln [C2H6] - 6,50 - 6,69 DQOI - UFC31 5 1,24 x 10 10 1,00 x 10-3 15 0,83 x 10-3 - 6,69 - 6,91 - 7,09 CoefCoef. da reta = K. da reta = K = (= ( -- 7,02)7,02) –– (( -- 6,56)6,56) = 13,3= 13,3 –– 1,71,7 KK = 0,040= 0,040 1/min1/min
  • 32. Prof. Nunes Tempo de MeiaTempo de Meia--VidaVida É o tempotempo necessário para sua concentraçãoconcentração caircair aa metademetade dede seuseu valorvalor inicialinicial. DQOI - UFC32 t ½ Hgt ½ Hg++++ no sangue humano é de 6 dias6 dias antes de ser excretado.
  • 33. Prof. Nunes Tempo de MeiaTempo de Meia--VidaVida DQOI - UFC33
  • 34. Prof. Nunes Tempo de MeiaTempo de Meia--VidaVida A meia vidameia vida de uma reação de 1reação de 1aa ordemordem está relacionada a Krelacionada a K. Quanto maior for K DQOI - UFC34 Mais rápido o consumo do reagente Mais curto o t ½
  • 35. Prof. Nunes Tempo de MeiaTempo de Meia--VidaVida lnln [A]t = lnln [A]0 - k . t lnln [A]t - lnln [A]0 = - k . t lnln [A]t / [A]0 = - k . t t1/2 = ln 2 DQOI - UFC35 Quando t = t ½ [A]t1/2 = [A]0 / 2 [A]t1/2 / [A]0 = 1/2 lnln ½ = - k . t1/2 lnln 2 = k . t1/2 t1/2 = ln 2 K KK tt1/21/2
  • 36. Prof. Nunes ExercitandoExercitando Um composto A decompõe-se para formar B e C em uma reação que é de primeira ordem com relação a A e de primeira ordem global. A 25 °C, a velocidade específica constante para a reação é 0,0450 s-1. Qual é o tempo de meia-vida de A a 25 °C? DQOI - UFC36
  • 37. Prof. Nunes ExercitandoExercitando A reação 22 NN22OO55(g)(g)  22 NN22OO44(g)(g) ++ OO22(g(g)) obedece a lei de velocidade = kk [N[N22OO55]], em que a constante de velocidade específica é 00,,0084000840 ss--11 a uma determinada temperatura. a) Se 2,50 moles de N2O5 foram colocados em um recipiente de 5,00 litros a essa temperatura, quantos moles de N2O5 permaneceram após 1,00 minutos? b) Quanto tempo seria necessário para que 90% do N2O5 reaja? DQOI - UFC37 b) Quanto tempo seria necessário para que 90% do N2O5 reaja?
  • 38. Prof. Nunes ExercitandoExercitando 22 NN22OO55(g)(g)  22 NN22OO44(g)(g) ++ OO22(g(g)) V= kk [N[N22OO55]] K = 00,,0084000840 ss--11 DQOI - UFC38
  • 39. Prof. Nunes ExercitandoExercitando 22 NN22OO55(g)(g)  22 NN22OO44(g)(g) ++ OO22(g(g)) V= kk [N[N22OO55]] K = 00,,0084000840 ss--11 DQOI - UFC39
  • 40. Prof. Nunes ExercícioExercício Um poluentepoluente escapou em um local para piquenique. Estudos mostraram que o poluente decai por uma reação de primeira ordem com K = 3,8 x 10-3 /h. DQOI - UFC40 a) Calcule o tempo necessário para a concentração cair à metade do valor inicial. b) Calcule o tempo necessário para a concentração cair à 1/4 do valor inicial.
  • 41.
  • 42. Olá colegas professores e caros estudantes, este aplicativo computacional pode ser acessado gratuitamente no endereço: http://www.quimica.ufc.br/cinética Peço-lhes a gentileza de avaliarem o aplicativo respondendo a um questionário objetivo com apenas poucas questões. Vossa opinião será fundamentalVossa opinião será fundamental para a melhoria do aplicativo e para a criação de outros títulos. Outros títulos são disponibilizados gratuitamente em: http://www.quimica.ufc.br/gdfceq Prof. NunesProf. Nunes