Alguns micronutrientes essenciais na gestação

1.571 visualizações

Publicada em

Nutriçãoe Gestação

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.571
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
33
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Alguns micronutrientes essenciais na gestação

  1. 1. ALGUNS MICRONUTRIENTES IMPORTANTES NA GESTAÇÃO Trabalho de conclusão de curso, apresentado para obtenção do titulo de Bacharel em Nutrição Autora: Nubia de Oliveira Ferreira Orientadora: Jalyne Malheiro de Mendonça Curso: Nutrição FTC- Faculdade de Tecnologia e Ciências
  2. 2. 1 Introdução: O período gestacional reflete em um conjunto de modificações físicas, fisiológicas e psicológicas que controlam as funções orgânicas da mãe a fim de assegurar o crescimento do concepto (SANTOS et al, 2011). A ingestão de nutrientes conforme recomendação da DietaryReferenceIntakes (DRIs) é essencial para propiciar os suprimentos necessários ao desenvolvimento físico do recém- nascido e para evitar o desenvolvimento de doenças nas gestantes, como diabetes gestacional e síndrome hipertensiva. É primordial uma nutrição adequada em especial no primeiro trimestre gestacional (FREITAS et al., 2010).
  3. 3. Objetivo Geral Essa revisão tem como objetivo geral destacar os micronutrientes essenciais na gestação e se existem ou não benefícios e malefícios para gestante e o feto, oriundos de uma boa nutrição durante este período, considerando os nutrientes essenciais durante a mesma.
  4. 4. 2 referencial teórico 2.1 Nutrição e gestação A avaliação do estado nutricional materno se dá particularmente para o peso da criança ao nascimento, riscos de má formação como os defeitos no tubo neural (DTN’S), e síndrome alcoólica fetal. Encontra-se uma alta correlação do peso ao nascer com mortalidade e morbidade infantil. Demonstram risco aumentado para problemas na saúde a um longo prazo como HAS - Hipertensão Arterial Sistêmica, Obesidade, Doenças cardiovasculares e Intolerância à glicose, aqueles recém-nascidos que nascem PIG - pequenos para a idade gestacional (MAHAN, STUMP 2012).
  5. 5. 2.2 Propriedades específicas dos micronutrientes para com a gestante e implicações de sua deficiência A vitamina A é decisiva para os mais variados processos metabólico, além desta outras vitaminas cumprem um importante papel na gestação, como a exemplo a vitamina C, alguns estudos indicaram relação com a pré-eclâmpsia, tal como o prematuro rompimento das membranas, além de um risco aumentado para infecções (MAHAN, STUMP, 2012; BOSCO, 2010). Outra vitamina de relevância é a vitamina D, esta pode executar um papel no controle de citocinas e está envolvida na esclerose múltipla além de perda de gestação regularmente. Algumas evidências propõem que baixos níveis de vitamina D durante a gravidez levam a predisposição da pré-eclâmpsia (MAHAN, STUMP, 2012).
  6. 6. Também merece destaque durante o período gestacional a vitamina B6 que se faz importante devido o aumento das necessidades associadas com a síntese de aminoácidos não essenciais, o crescimento e a síntese de niacina depende da vitamina B6 a partir do triptofanos (MAHAN, STUMP, 2012). Outro micronutriente muito abordado é o Ácido Fólico. O folato dietético tem biodisponibilidade para a absorção intestinal de 60%, enquanto que o Ácido fólico de suplementos ou alimentos enriquecidos é de 98% (MCGUIRE et al, 2010).
  7. 7. Além das vitaminas, os minerais também devem estar presentes durante o período de gestação como a exemplo do ferro, onde a capacidade que a sua suplementação tende a aumentar os níveis hematimétricos na grávida, e de aumentar os valores da ferritina, significa um acréscimo na concentração real da reserva de ferro do organismo materno (MACEDO, 2010). A anemia por deficiência de ferro constitui 50% dos casos, e atingido cerca de dois milhões de pessoas ao redor do mundo. (WHO, 2010)
  8. 8. É importante ressaltar também a significância do cálcio e suas funções durante o período de gestação, até por que a ingestão reduzida do mineral Cálcio se relaciona com cãibras e perda de massa óssea da mãe, assim como alterações de caráter ósseo no feto que permanece por toda vida. É principalmente no 3º trimestre gestacional que as reservas de cálcio do feto são compostas. (BOSCO, 2010). Em torno de 30g de cálcio é reservado durante a gravidez, a maior parte vai para o esqueleto do feto (25g). O excedente é depositado no esqueleto da mãe, provavelmente estocado para as demandas de cálcio da lactação. (MAHAN, STUMP, 2012).
  9. 9. Outro mineral de suma relevância é o zinco, pois este participa como componente integral de proteínas ou cofator enzimático em mais de 300 reações químicas que compreendem a síntese e degradação de Carboidratos, Lipídios, Proteína e ácidos nucleicos (COZZOLINO, 2009). O estado de zinco na gestante pode estar inversamente relacionado com o grau de suplementação de ferro pré- natal, já que a ingestão de ferro em excesso reduz a absorção de zinco (MAHAN, STUMP, 2012 apud IOM 1990).
  10. 10. Recomendações nutricionais de micronutrientes durante a gestação. • A recomendação diária de vitamina A é de 770 µg (MAHAN, STUMP, 2012). • A recomendação total de 80 a 85 mg/dia de vitamina C para gestantes entre 19 e 50 anos (MAHAN, STUMP, 2012; BOSCO, 2010; IOM, 2000 e 2004). • Para mulheres gestantes ou não a AI para a vitamina D é de 5 µg ou 200UL/dia (IOM 1997). As DRIs sugerem uma UL de 50 µg (2.000 UL/dia) • Para a vitamina B6 a RDA durante a gravidez é de 1,9mg/dia. A UL para a Vitamina B6 é de 80 a 100 mg/dia (MAHAN, STUMP, 2012). • Para o ácido Fólico a recomendação é de 600μg/dia (IOM 2004).
  11. 11. • A RDA para ferro durante a gestação é de 27mg/dia (IOM, 2001). A UL é de 45mg/dia (MAHAN, STUMP, 2012). • É recomendada a ingesta de 1300mg por dia de Cálcio para adolescentes, já para mulheres com idade entre 19 e 30 anos a recomendação é 1000mg por dia, essa recomendação é para mulheres com gestação de único feto (BOSCO, 2010). • Segundo a IOM (2004) a recomendação de Zinco para gestante de 19 a 50 anos é de 11mg/dia. Durante a gestação, a recomendação para o zinco é de 11 a 13 mg (IOM, 2001).
  12. 12. 3 Metodologia Levantamento bibliográfico de maneira descritiva e exploratória, os dados foram coletados a partir de livros, artigos científicos, textos originais, revistas, monografias e publicações científicas, a nível de google acadêmico, scielo e Lilacs, publicados no período 2009 a 2013, no intuito de examinar, tudo que já foi escrito sobre o assunto, com base nas informações obtidas. Este tipo de pesquisa propicia uma escrita ampla, completa e rica em conteúdo.
  13. 13. 4 Resultados e discussão Observa-se que a maioria das referências expressa concordância quando refere que os hábitos de alimentação saudável, e uma gestação onde vitaminas e minerais se fazem presentes, demonstram ser um fator que irá contribuir para um bom decorrer da gravidez, e auxiliam para que não ocorra desenvolvimento de agravos neste período.
  14. 14. 5 Considerações finais A atenção a uma boa nutrição desde o período de pré- concepção e durante concepção fará grande diferença no decurso normal da gravidez, e deve ser pontuada pelos profissionais de saúde durante a participação nas consultas de pré-natal e no incentivo a uma adequada alimentação. Portanto conclui-se que o papel da nutrição na prevenção de deficiências nutricional é de suma importância, já que é possível atingir a cota diária de alguns micronutrientes apenas com alimentos, apesar de outros serem difíceis de atingir essa cota e necessitarem de suplementação. Sendo assim o profissional deve estar apto para auxiliar na prevenção e na intervenção de carências nutricionais.
  15. 15. BOSCO, Simone Morelo Dal; Terapia Nutricional em Pediatria. São Paulo: Atheneu, 2010. COTTA, R.M.M et al. Aspectos relacionados aos hábitos e práticas alimentares de gestantes e mães de crianças menores de dois anos de idade: o programa saúde da família em pauta. O Mundo da Saúde. v. 33, n. 3, p.294- 302, ano 2009. Disponível em: http://www.saocamilo- sp.br/pdf/mundo_saude/69/294a302.pdf Acesso em: 02 abril 2014. Às 18h17min. COZZOLINO, S; FRANCISCATO, M. Biodisponibilidade de nutrientes. 3ª edição. São Paulo: Manole, 2009. FREITAS, E. S. et al. Recomendações nutricionais na gestação. Revista Destaques Acadêmicos, Porto Alegre, v. 2, n. 3, p. 81-95, ano 2010. IOM - Institute of Medicine, Food and Nutrition , Washington, DC, 1990, 1997, 2000, 2001, 2004. National Academies Press. Referências
  16. 16. MACEDO A. et al, Suplementação de rotina com ferro na gravidez, Acta Médica Portuguesa.v.23, n.5, p.785-792. Ano 2010. MAHAN, L.K; ESCOTT-STUMP, S; RAYMOND, J.L. Krause: alimentos, nutrição e dietoterapia. 13ª edição. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012. MCGUIRE, et al. Prevalence and predictors of periconceptional folic acid up take – prospective cohort study in na Irish Urban. HumanReproductionv.25, n.2, p.535-543,ano 2010. SANTOS, E.V. O et al. Estado Nutricional Pré-Gestacional e Gestacional: uma Análise de Gestantes Internas em um Hospital Público. Revista brasileira Saúde.v.15, n.4, p.439-446, 2011. Disponível em: http://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/rbcs/article/view/10028. Acesso em: 20 abril. 2014 às 17:46. WHO - World Health Organization.Iron Deficiency Anaemia Assessment, Prevention, and Control, 2010. Disponível em <http://www.who.int/nutrition/> Acessado em: 02 de maio 2014 ás 13:45.

×