Saberes InvisíVeis 2

1.116 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.116
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
34
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Saberes InvisíVeis 2

  1. 1. Saberes Invisíveis conhecimentos do trabalho e formação profissional [email_address] http://aprendente.blogspot.com/
  2. 2. Conversa com o Senai do Espírito Santo Vitória, 05/09/2007
  3. 3. Informação <ul><li>Segue aqui uma reflexão que não integrou </li></ul><ul><li>comunicação sobre o mesmo tema que fiz </li></ul><ul><li>para educadores do Senai em Brasília, a </li></ul><ul><li>convite do Departamento Nacional. </li></ul>
  4. 4. Um pouco de música <ul><li>Santiago mudou. Há novidades </li></ul><ul><li>para ver. A cidade é outra, mas o </li></ul><ul><li>poeta quer mostrar uma </li></ul><ul><li>Santiago da periferia, grávida de </li></ul><ul><li>cultura trabalhadora. </li></ul>
  5. 8. Espírito Critico,numa análise de Neca Barato, pedreiro. <ul><li>Casas populares: material com vida útil de cinco anos, para pagar em vinte. </li></ul><ul><li>Gente que entende de obra não pode aceitar isso. </li></ul><ul><li>Em tais projetos de moradia popular, um direito foi convertido em favor. </li></ul>
  6. 9. Qual o fundamento de tal crítica? COMPROMISSO PROFISSIONAL COM A OBRA
  7. 10. Memórias da infância Nos domingos,Neca Barato levava a família para ver as obras que ele estava realizando
  8. 11. Neca Barato celebrava o saber do trabalho na obra Não costumamos celebrar a aprendizagem. Há quem se envergonhe de ir bem em história...
  9. 12. Mensagem para nós <ul><li>Oficiais querem sempre fazer uma obra bem feita </li></ul>
  10. 13. Consequências da centralidade da obra <ul><li>Beleza é fundamental. </li></ul><ul><li>Mestria é evidenciada pela qualidade da obra. </li></ul><ul><li>Valor da obra é intrínseco. </li></ul>
  11. 14. Valor intrínseco da obra <ul><li>* $$ não importa tanto. </li></ul><ul><li>* t é variável que depende da qualidade </li></ul><ul><li>* sentido de realização se concretiza na obra bem feita. </li></ul>
  12. 15. Outro exemplo: Roseli, instrutora de cabeleireiros. <ul><li>Técnica de penteado </li></ul><ul><li>Apresentação de uma obra pronta para começar a aprendizagem </li></ul><ul><li>Técnica como veículo da obra </li></ul><ul><li>Sentimento de realização. </li></ul>
  13. 16. Mais um exemplo <ul><li>Elisa Kerr, minha aluna, traz para seus </li></ul><ul><li>Alunos obras famosas de encadernação; a </li></ul><ul><li>última delas uma encadernação da bíblia </li></ul><ul><li>comemorativa da coroação de Elisabeth II. </li></ul><ul><li>Elisa quer que seus alunos vejam obras, </li></ul><ul><li>pois entende que esse ver é essencial em </li></ul><ul><li>termos de formação. </li></ul>
  14. 17. Compromisso com obra ≠ compromisso com saberes <ul><li>Saberes orientados para a verdade, nos sentidos epistemológicos e ontológicos. </li></ul><ul><li>Saberes orientados para decisões de como levar a boa vida </li></ul><ul><li>Saberes não são produtivos </li></ul><ul><li>Saberes não se orientam para obra </li></ul>
  15. 18. Onde podemos ver tudo isso? <ul><li>Nas relações que acontecem no aprender a trabalhar que continua a ser reproduzido num percurso conhecido como aprendizagem artesanal ou corporativa, hoje glamurizado como </li></ul><ul><li>comunidades de prática . </li></ul>
  16. 19. Quanto mais os saberes teóricos invadem a formação profissional Mais perdemos compromisso com OBRA
  17. 20. Tentativa de provocação <ul><li>É contra a formação profissional um ensino... </li></ul><ul><li>Centrado no aluno </li></ul><ul><li>Valorizador da teoria </li></ul><ul><li>Ignorante da obra </li></ul><ul><li>Valorizador de conteúdos parcelizados </li></ul>
  18. 22. Um conselho de Antonio Vieira A verdadeira fidalguia é a ação, O que fazeis, isso sois, nada mais.
  19. 23. Sigo Ortega y Gasset e apresento minhas circunstâncias <ul><li>Tese de doutorado </li></ul><ul><li>Trinta anos de trabalho no Senac </li></ul><ul><li>Filho de pedreiro </li></ul><ul><li>Vontade de contrariar </li></ul><ul><li>Insatisfação com a pedagogia oficial triunfante </li></ul><ul><li>Admiração pela inteligência dos trabalhadores </li></ul><ul><li>Interesse pelo aprender fazendo </li></ul><ul><li>Contrário à dualidade teoria/prática </li></ul><ul><li>Etc. </li></ul>
  20. 25. Problemas <ul><li>Tema marginal em faculdades de educação </li></ul><ul><li>Linguagem não sintonizada com pedagogês </li></ul><ul><li>Assunto distante do cotidiano escolar </li></ul><ul><li>Tese não alinhada </li></ul><ul><li>Muitos causos em vez de fundamentação teórica </li></ul>
  21. 26. O que vem por aí? <ul><li>Tentativa de desvelar um saber invisível </li></ul><ul><li>Luta inglória para contestar a precedência da teoria </li></ul><ul><li>Esforço quixotesco para mostrar que a fórmula teoria e prática estigmatiza o trabalho(ador) </li></ul><ul><li>Alguma provocação que talvez não encontre incomodados </li></ul>
  22. 28. Tentativa de conquistar a freguesia <ul><li>Música ilustrativa </li></ul><ul><li>Músicas de fundo </li></ul><ul><li>Intervalos comerciais </li></ul><ul><li>Recreio </li></ul><ul><li>Certo ar de sarau lítero-musical </li></ul>
  23. 29. João do Vale <ul><li>Ajudante de pedreiro </li></ul><ul><li>Músico </li></ul><ul><li>Autor de Carcará </li></ul><ul><li>Pisa na Fulô </li></ul><ul><li>Estrela Miúda </li></ul><ul><li>Fez Opinião </li></ul><ul><li>Escreveu “Minha História” </li></ul>
  24. 30. Minha Historia: João do Vale <ul><li>Seu moço, quer saber, eu vou cantar num baião Minha história pra o senhor, seu moço, preste atenção Eu vendia pirulito, arroz doce, mungunzá Enquanto eu ia vender doce, meus colegas iam estudar A minha mãe, tão pobrezinha, não podia me educar A minha mãe, tão pobrezinha, não podia me educar </li></ul>
  25. 31. Minha história <ul><li>E quando era de noitinha, a meninada ia brincar Vixe, como eu tinha inveja, de ver o Zezinho contar: - O professor raiou comigo, porque eu não quis estudar - O professor raiou comigo, porque eu não quis estudar Hoje todo são “doutô”, eu continuo joão ninguém Mas quem nasce pra pataca, nunca pode ser vintém </li></ul>
  26. 32. Minha história <ul><li>Ver meus amigos “doutô”, basta pra me sentir bem Ver meus amigos “doutô”, basta pra me sentir bem Mas todos eles quando ouvem, um baiãozinho que eu fiz, Ficam tudo satisfeito, batem palmas e pedem bis E dizem: - João foi meu colega, como eu me sinto feliz E dizem: - João foi meu colega, como eu me sinto feliz </li></ul>
  27. 33. Minha história <ul><li>Mas o negócio não é bem eu, é Mané, Pedro e Romão, Que também foram meus colegas , e continuam no sertão Não puderam estudar, e nem sabem fazer baião </li></ul>
  28. 34. Idéias do João <ul><li>Incluídos: intelectuais e artistas </li></ul><ul><li>Excluídos: trabalhadores </li></ul><ul><li>Educação precisa de ócio </li></ul><ul><li>Trabalho não é educante </li></ul>
  29. 35. Idéias dos educadores da academia <ul><li>Teoria é soberana </li></ul><ul><li>Busca de fundamentos antes de fazer </li></ul><ul><li>Fazer não tem inteligência </li></ul><ul><li>Habilidade é “mera habilidade” </li></ul><ul><li>Pares necessários: teoria & prática, conhecimento & habilidade </li></ul><ul><li>Os primeiros são primeiros, os outros, consequência </li></ul>
  30. 36. Alguns começos <ul><li>O baile da Hydra </li></ul><ul><li>Leitor da máquina </li></ul><ul><li>Lição do seu João </li></ul><ul><li>Saramago em Levantado do Chão </li></ul><ul><li>Massa no teto </li></ul><ul><li>Ofício: garçonete </li></ul>
  31. 37. Habilidade nasceu primeiro <ul><li>Somos, antes de tudo, inventores de ferramentas </li></ul><ul><li>Habilidade é o saber historicamente fundamental </li></ul><ul><li>A mão educou o cérebro </li></ul>
  32. 39. Caminante no hay camino Se hace camino al andar Antonio Machado, poeta de Espanha
  33. 40. Aprendendo no salão de beleza <ul><li>Aprender com, não aprender o que </li></ul><ul><li>Arte exige participação </li></ul><ul><li>O teste dos bigodis </li></ul><ul><li>História e enrolamento de cabelos </li></ul>
  34. 41. A “TEORIA” <ul><li>DERME </li></ul><ul><li>A derme é a _______ intermediária da pele, dando-lhe (sic) ________ mecânica. É formada por ____ gel: a substância </li></ul><ul><li>amorfa _____ estão mergulhadas as fibras __________ (95%) </li></ul><ul><li>e as fibras elásticas (5%). </li></ul><ul><li>É na derme que __________ ainda: </li></ul><ul><li>   Nervos: responsáveis pelas sensibilidades à pressão, </li></ul><ul><li>tátil, térmica e __________. </li></ul><ul><li>   Vasos sanguíneos: distribuídos em um plexo mais </li></ul><ul><li>profundo no _______ dermo- hipodérmico e em ____ plexo mais superficial na _______ papilar. Têm função de </li></ul><ul><li>_________ da pele e regulação ___ temperatura corporal. </li></ul>
  35. 42. Função da teoria <ul><li>Mostrar ao trabalhador a sua inferioridade, apresentando conteúdos conhecidos de forma arcana (cf. André Gorz) </li></ul>
  36. 43. Um outro modo de ver os saberes <ul><li>Jogo interativo entre conhecimento, informação e desempenho. </li></ul><ul><li>Saber pessoal, saber social e ação. </li></ul><ul><li>Cada um depende do outro. </li></ul><ul><li>Cada um estrutura e desestrutura o outro. </li></ul>
  37. 44. CONHECIMENTO MODELOS MENTAIS MEMÓRIA DE LONGO PRAZO MEMÓRIA DE CURTO PRAZO DESEMPENHO INFORMAÇÃO
  38. 45. Onde procurar o saber do trabalho?
  39. 46. Produzir com outros <ul><li>Impossível planejar a aprendizagem </li></ul><ul><li>Possível planejar ambientes de produção cooperativa </li></ul><ul><li>Aprendizes aprendem participando e mudam os mestres </li></ul><ul><li>Pedagogia pode estruturar tanto a produção que a cooperação desaparece, dando lugar à dependência </li></ul>
  40. 47. Olhar para as ferramentas <ul><li>Um remo não é apenas um remo, mas síntese de uma arte </li></ul><ul><li>Há saberes embutidos num enxó </li></ul><ul><li>Os intelectuais naturalizam as ferramentas </li></ul><ul><li>Pra ficar na moda: ferramentas são mediadoras, de história, saberes, práticas... </li></ul><ul><li>Não esquecer ferramentas intelectuais e metafóricas </li></ul>
  41. 48. Que palavra e conceito se perdeu? O conceito de ARTE . Trabalho é uma arte que se compromete com a OBRA .
  42. 49. Pedagogias articuladas pela lógica da teoria provavelmente <ul><li>Não vêem arte no trabalho </li></ul><ul><li>Privilegiam indivíduo, ignoram ambiente </li></ul><ul><li>Vêem conhecimento como articulação teórica (knowing that) </li></ul><ul><li>Ignoram conhecimento como fazer (knowing how) </li></ul><ul><li>Parcelizam saber (análise ocupacional, competências etc.) </li></ul>
  43. 50. Um Grande Desafio Elaborar uma pedagogia que recupere valores positivos da aprendizagem artesanal e dê oportunidades ao aprendiz para aprender fazendo com outros.
  44. 51. Referências <ul><li>ROSE, M. The Mind at Work: Valuing the intelligence of the American worker . New York: Penguin Books, 2004.[Tradução para o português está sendo preparada pela Editora Senac] </li></ul><ul><li>BARATO, J. Educação Profissional: Saberes do ócio ou saberes do trabalho? São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2004.  </li></ul>
  45. 52. Referências <ul><li>ROJAS, E. El saber obrero y la innovación en la empresa; las competencias y las capacitaciones laborales . Montevideo: Cinterfor, 1999 </li></ul>
  46. 53. Contato <ul><li>[email_address] </li></ul><ul><li>[email_address] </li></ul><ul><li>[email_address] </li></ul>
  47. 54. Aprendente Onde? http://aprendente.blogspot.com/

×