L2 gpeform

277 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
277
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

L2 gpeform

  1. 1. Universidade Federal do Triângulo Mineiro Central de Idiomas Modernos – CIMII Seminário de Formação de Professores, Qualidade de Ensino e Inclusão Autores: Cecília Parreira Luiz Samuel Rodrigues dos Santos
  2. 2. O USO DO TEATRO NO ENSINO DE L2
  3. 3. LET’S MAKE SOME DRAMA!
  4. 4. INTRODUÇÃORelato de experiência sobre um projeto queutilizou o teatro para promover o ensino de inglês como L2. O projeto foi realizado na Central de Idiomas Modernos (CIM) daUniversidade Federal do Triângulo Mineiro(UFTM) com turmas dos níveis elementary, pre-intermediate, intermediate e upper intermediate.
  5. 5. OBJETIVOS Promover a leitura de textos adaptados que se encontram na biblioteca da CIM ou sugeridos pelos próprios alunos; Motivar os alunos para a aprendizagem da língua inglesa; Promover a autonomia e interação entre os aprendizes; Contextualizar a língua inglesa.
  6. 6. Fundamentação Teórica Almond, 2005; Souza; Utsumi, 2005. Vygotsky, 2000; Pereira; Aquino, 2008; Duarte, 2001;
  7. 7. JUSTIFICATIVAA teoria sociointeracionista de Vygotsky (2000 apud, Souza; Utsumi, 2005) estabelece arelevância da interação social entre os alunos, bem como a importância da ajuda de um companheiro mais competente para a construção do conhecimento.
  8. 8. JUSTIFICATIVA “A utilização do lúdico no ensino de uma segunda Língua se destaca ao propiciar momentos de relaxamento, descontração, liberdade e espontaneidade que tendem adiminuir o impacto negativo de fatores como a insegurança, o medo, o stress, a ansiedade” (Souza; Utsumi 2005).
  9. 9. JUSTIFICATIVA “O trabalho em grupo, a cooperação, os objetivos e os interesses em comum, ainteração estabelecida entre os alunos durante a realização desse tipo de atividade tendem acriar, uma relação afetiva e emocional entre os alunos que pode facilitar a tarefa de se expressar e de se comunicar em uma segunda Língua” (Souza; Utsumi, 2005).
  10. 10. BENEFITS (Almond, 2005)“Drama is whole-person approach to language teaching which requires us to look at communication holistically. Creating acharacter and acting in a play can be a visceral, intellectual and emotional experience whichmakes the learning a process more meaningful and memorable and more transferable to the real world.”.
  11. 11. BENEFITS (Almond, 2005) “Acting helps build confidence, because apart from the aspect of performance and therapturous applause that usually accompanies it, it is totally collaborative and mutually supportive. We rely on each other to succeed in producing something of value and quality.”
  12. 12. BENEFITS (Almond, 2005) “Well-written plays... consist of shortutterances, ... reflecting authentic language use and these are useful in the internalisation and memorisation of vacabulary and functional chunks of language. On several occasions,students have commented that they have used‘chunks’ from the play in their everyday lives.”
  13. 13. BENEFITS (Almond, 2005)1- Gesture and gesticulation;2- Facial expression;3- Eye contact and eye movement;4- Posture and movement;5- Proxemics;6- Prosody (pitch, tone, volume, tempo).
  14. 14. METODOLOGIA• Desenvolver peças teatrais a partir das adaptações lidas pelos alunos e filmá-las;• Realizar um evento no final do semestre para apresentar os vídeos.
  15. 15. Let ’s m a k e so m e dr a m a ! P g ra m a ç ã o ro - “S m ewhere o ver t he rainb ow ”, o p or Ailto n - Ap re senta ç ão d e víd eo s p ro duzido s p elos a lunos de ing lê s d a Ce ntra l d e Id io m a s Mo de rno s (Níveis Bá sic o, Pre -Interm e d iá rio e Inte rm e d iá rio ) - C ora l (Músic a “Do Re Mi” ) - C of fe e Brea k - Aprese nta ç ã o Ce c ília P rre ira e a S m uel S nto s a a 0 4/ 12 Local : Anf it eatro B do CEA Horário: 19h
  16. 16. FOTOS DO EVENTO
  17. 17. AUTO-AVALIAÇÃO “Interessante, mas tenho que melhorar muito!”“Achei que posso desenvolver a fala de uma segunda língua de forma natural e fluente.” “Eu achei que tive dificuldades na pronúncia.”
  18. 18. MOTIVAÇÃO “Bom. Motivou-me a continuar o curso.”“Espetacular. Os resultados obtidos com o curso me deixaram muito satisfeito e motivado.”“Legal, pois eu percebi o quanto já aprendi desde o início do Pré-Intermediário.”
  19. 19. CONHECIMENTO “Foi uma grande experiência, pois apesar dos erros, foi possível arrecadar mais conhecimento, estudar as pronúncias das palavras e é com os erros que se aprende.”“(...) Muito válido porque isso nos possibilita ver em que e por que estamos, de certa forma, errando ou acertando na oralidade.”
  20. 20. EXPERIÊNCIA REAL“Quanto ao vídeo, a experiência foi boa, porque aprendi além de novas palavras,novas pronúncias. Isso, de fato, contribuiumais para o meu aprendizado e apesar de nervosa, com medo de errar, pude ter a sensação de estar no meio de pessoas com quem eu tinha de me comunicar em Inglês.”
  21. 21. SOCIOINTERACIONISMO “Legal, porém tenho vergonha edificuldade. No vídeo, me senti solta, sem vergonha para falar. Nas aulas, sinto vergonha. A presença do professor me deixa inibida.”
  22. 22. APERFEIÇOAMENTO “(...) Serviu para observar a minha dificuldade e a necessidade de maior empenho na linguagem ‘falada’. (...) Estaparte do estudo de Inglês deveria ser mais aprofundada, ou até criar um curso intensivo mais direcionado para a fala. (...)Tenho que ampliar meus ‘canais de comunicação’.”
  23. 23. EMOÇÕES “(...) Como tudo que é novo nos causa um pouco de medo, ansiedade, a experiência não foi diferente.”“Esse projeto contribuiu para a relação entre os colegas de classe, perder a timidez (...)” “(...) proporcionou maior descontração na hora da produção.”
  24. 24. AUTONOMIA “(...) à medida que caminhamos na construção, as dúvidas vão desaparecendo. Tive a oportunidade de pesquisar, criar minha própria fala e encená-la. (...) Houve crescimento pessoal.”“(...) Eu pude buscar algumas palavras no Inglês que eu não tinha visto e desenvolver minha escrita.”
  25. 25. MÉTODO ALTERNATIVO “(...) foi uma maneira de estimular, de motivar o discente no estudo de uma segunda língua. Para minhaaprendizagem, contribuiu positivamente, já que métodos alternativos, diferentes dos passados em sala de aula são muito enriquecedores.”“(...) opção diferente de atividade prática, auxilia na expansão de vocabulário e no treinamento dos conteúdos já estudados.”
  26. 26. LIMITAÇÃO “(...) foi uma boa iniciativa do colégio,porém, tudo aconteceu muito rápido e deúltima hora, o que impossibilitou, de certa forma, a elaborar melhores ideias. Anoque vem, já sabendo do evento, a turma poderá se preparar melhor (...).”
  27. 27. REFERÊNCIASALMOND, M. Teaching English with Drama. London:Modern English Publishing Ltd, 2005.Duarte, V. L. C. Living Drama in the Classroom: umaProposta de Abertura à Aprendizagem SignificativaDisponível em:<http://livingdrama.wdfiles.com/local--files/admin:manage/Aprendizagem%20Significativa.pdf>.Data de acesso: 15-09-2010JORGE, E. G. A Produção Oral em Língua Inglesa:Atividades Teatrais como possibilidade Disponível em::<http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=31839 >. Data de acesso: 18-10-2010
  28. 28. REFERÊNCIASMAHONEY, A. A. Análise Lógico-Formal da Teoria daAprendizagem de Carl Rogers. São Paulo, PUC-SP, 1976(Tese de DoutoramentoSOUZA, R. T. A.; UTSUMI, M. C. A Visão dosProfessores sobre a Utilização do Lúdico nas Aulas deLíngua Estrangeira no Ensino Superior. Anais do VIIEncontro de Pesquisa em Educação da Região Sudeste.Belo Horizonte: PUC Minas/UFMG, 2005, p. 1-8.VYGOTSKY, L. S. A Formação Social da Mente.Traduzido por José Cipolla Neto, Luís Silveira, MennaBarreto e Solange Castro Afeche. 6.ed. São Paulo:Martins Fontes, 2000.

×