Dia dos mortos

2.212 visualizações

Publicada em

E uma presentacao do significado do dia dos mortos no mexico

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.212
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
79
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dia dos mortos

  1. 1. Dia dos mortos 31 outubro – 2 novembro
  2. 2. Origem  Dia dos Fiéis Defuntos e o Dia de Todos os Santos  Os astecas, maias, purépechas, náuatles, e totonatacas, há 3000 anos  Conservar os crânios como troféus, e mostrálos durante os rituais que celebravam a morte e o renascimento.
  3. 3. Data da celebração  No nono mês do calendário solar asteca, por volta do início de agosto, e era celebrado por um mês completo. As festividades eram presididas pela deusa Mictecacíhual conhecida como a "Dama da Morte" (do espanhol: Dama de la Muerte) - atualmente relacionada à La Catrina, personagem de José Guadalupe Posada - e esposa de Mictlantecuhtli , senhor do reino dos mortos. As festividades eram dedicadas às crianças e aos parentes falecidos.
  4. 4. A celebração no mundo préhispânico  Os caminhos destinados às almas dos mortos era     definido pelo tipo de morte que tiveram, e não pelo seu comportamento em vida. O Tlalocan, o paraíso de Tláloc, deus da chuva. A este lugar iam aqueles que morriam em situações relacionadas com água O Omeyocan. paraíso do sol, governado por Huitzilopochtli, o deus da guerra. O Mictlan, destinado a quem morria de morte natural. Este lugar era habitado por Mictlantecuhtli eMictecacíhuatl, senhor e senhora da morte. Oferendas: os que o morto havia utilizado em vida, e os que poderiam precisar em sua viagem ao
  5. 5.  O caminho para o Mictlan era tortuoso e difícil, as almas deviam caminhar por diferentes lugares durante quatro anos, chegavam ao Chignahuamictlán, onde descansavam ou desapareciam as almas dos mortos. Para percorrer este caminho, o difunto era enterrado com um cão, o qual o ajudaria a cruzar um rio e chegar perante Mictlantecuhtli, a quem deveria entregar, como oferenda, trouxas de gravetos e jarras de perfume, algodão, fios coloridos e cobertores.  Por sua vez, as crianças mortas tinham um lugar especial, chamado Chichihuacua uhco, onde se encontrava uma árvore da qual os ramos pingavam leite para as alimentar. As crianças que chegavam lá
  6. 6. Miccailhuitntli  Durante o mês chamado Tlaxochimac o  festa dos pequenos mortos  16 de julho  Esta festa começava quando se cortava no bosque a árvore chamada xócotl, a qual descascavam e punham flores para enfeite. Todos participavam da
  7. 7. Ueymicailhuitl festa dos grandes mortos 5 de agosto xócotl. realizavam procissões que culminavam com vigílias ao redor da árvore. Costumavase realizar sacrifícios humanos e grandes banquetes. Depois, punham uma estatueta de caruru na copa da árvore e dançavam, vestidos com penas e guizos. No fim da festa, os jovens subiam na árvore para tirarem a estatuetaNesta festa, as pessoas costumavam colocar altares com oferendas para
  8. 8. Transformação do ritual •Seculo VXI • Fizeram as festividades coincidirem com as festividades católicas do Dia de Todos os Santos e o Dia dos Fiéis Defuntos. Os espanhóis combinaram seus costumes com o festival centro-americano criando ao atual Dia dos Mortos.
  9. 9. Caveirinhas  Rimas  Estaba Ricardo comiendo un pastel, llega la calaca y se lo lleva en un corcel, le dijo: te llevo por glotón, aunque rodando te llevo al panteón, ahora su familia le pone su ofrenda, y Ricardo aún muerto va a comer su merienda. Gravuras
  10. 10. Simbolos  Caveiras de doce  Pão de morto  Flores  A oferenda e as visitas Altar  Retrato da pessoa lembrada  Pintura ou fijura das almas no purgatorio  Doce círio (roxo)

×