Validade e fidedignidade

36.578 visualizações

Publicada em

0 comentários
10 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
36.578
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
59
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
297
Comentários
0
Gostaram
10
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Validade e fidedignidade

  1. 1. VALIDADE DOSVALIDADE DOSINSTRUMENTOS DEINSTRUMENTOS DEAVALIAÇÃO EAVALIAÇÃO EQUESTIONÁRIOSQUESTIONÁRIOS
  2. 2. 1 – INTRODUÇÃO:Neste trabalho pretende-se apresentar,explicar e exemplificar o questionáriocomo uma técnica de aferição, assimcomo critérios fundamentais de um bominstrumento de pesquisa: fidedignidadee validez.
  3. 3. 2 – FIDEDIGNIDADE:Segundo Selltiz (1987) uma medidaconfiável produzirá os mesmosresultados em sucessivas aplicaçõessobre um mesmo sujeito ou objeto.
  4. 4. • Técnica do teste reteste:O instrumento de medidas é aplicado duasvezes a um mesmo grupo de pessoas, depoisde um período de tempo entre as aplicações.• Técnica de formas equivalentes:Neste procedimento não se aplica o mesmoinstrumento de medidas às mesmas pessoase objetos, mas duas ou mais versõesequivalentes do instrumento de medidas.
  5. 5. • Técnica das metades partidas (split-half) oupar ou ímpar:Questões12345678919Primeira metade1, 3, 5, 7, 9Segunda metade2, 4, 6, 8, 10Resultado 1Resultado 2Calcular ocoeficientede correlaçãoentre aspontuaçõesdas duasmetades.
  6. 6. 2 – VALIDADE:Para Gressler (1989) a questão fundamentalpara se admitir a validade de um instrumentode medidas é dada pela resposta à seguintepergunta: Será que se está medindo o que secrê que deve ser medido? Se a resposta é sim,sua medida é válida, se não, não é.
  7. 7. • Validade aparente ou validade de face:A validade aparente refere-se ao fato doinstrumento de medidas parecer válido, ounão, aos sujeitos que farão ou que aplicarãoo teste.
  8. 8. • Validade de Conteúdo:Segundo Sampieri (1996), a validade deconteúdo se refere ao grau em que uminstrumento evidencie um domínio específicode conteúdo do que pretende medir.
  9. 9. • Validade de Critério:Esta técnica é definida como a habilidade doinstrumento de distinguir grupos para osquais se sabe previamente que se comportamde forma diferentes na variável ouconstruto sob estudo.
  10. 10. • Validade de Constructo:O processo de validação de um constructodeve, necessariamente, estar vinculado auma teoria. Não é possível levar a cabo umavalidação de constructo, a menos que existaum marco teórico que suporte o constructoem relação a outras definições.
  11. 11. • Validade Total:A validade total, segundo Sampieri(1996) éobtida pela soma das validades de conteúdo,de critério e de construto. Quanto maisevidências de validade de conteúdo, validadede critério e validade de constructo de uminstrumento de medidas, maiores são asevidências que, de fato, está se medindo oque se pretende medir.
  12. 12. 4 – QUESTIONÁRIO:O questionário é um conjunto ordenado econsistente de perguntas a respeito dasvariáveis e/ou de situações que sedeseja medir ou descrever.
  13. 13. Vantagens de um questionário:•Possibilita atingir um grande número depessoas, mesmo que estejam dispersas numaárea geográfica muito extensa, já que oquestionário pode ser enviado por correio ouinternet;•Implica menores gastos com pessoas, posto quenão exige treinamento de pesquisadores;•Garante anonimato nas respostas;
  14. 14. Vantagens de um questionário (cont.):•Permite que as pessoas o respondam nomomento em que julgarem conveniente;•Não expõe os pesquisados à influência dasopiniões e do aspecto pessoal do entrevistado.
  15. 15. Desvantagens de um questionário:•Exclui pessoas que não sabem ler ou escrever,o que, em certas circunstâncias, traduz gravesdeformações nos resultados da investigação;• Impede auxílio ao informante quando este nãoentende corretamente as instruções ouperguntas;
  16. 16. Desvantagens de um questionário (cont.):•Não oferece garantia de que a maioria daspessoas devolvam-no devidamente preenchido, oque pode implicar na significativa diminuição darepresentatividade da amostra;•Envolve, geralmente, um número pequeno deperguntas, porque é sabido que questionáriosmuito extensos apresentam alta probabilidade denão serem respondidos;
  17. 17. Desvantagens de um questionário (cont.):•Proporcionam resultados bastante críticos emrelação a subjetividade, pois os itens podem tersignificados diferentes para cada sujeitopesquisado.
  18. 18. Tipos de Questionário
  19. 19. QUESTIONÁRIO ABERTO:Permite ao sujeito/informante responder livremente usandolinguagem própria.Vantagens:• Possibilita uma investigação mais profunda e precisa:• Permite identificar o pensamento ou o posicionamento doinformante acerca do que foi questionado.Desvantagens• Difícil tabulação dos dados (tratamento estatístico einterpretação das respostas);• Análise complexa, cansativa e demorada.
  20. 20. Questionário Aberto: Modelo Pergunta 08. Durante a execução da ordemaos controladores de vôo foram abordadosaspectos relativos à segurança na posição eno deslocamento das aeronaves. Cite abaixotodos os aspectos que lembrar sobre oassunto:________________________________________________________________________________________________________________________________________________
  21. 21. QUESTIONÁRIO FECHADO:Não permite que o sujeito/informantes expresse suasideias ou opiniões porque as perguntas são pré-definidas.Vantagem:•Facilita a tabulação dos resultadosDesvantagem:•Restringe a liberdade as respostas
  22. 22. PERGUNTAS QUANTO ÀS RESPOSTAS EXEMPLODICOTÔMICASAdmitem somente 2 respostas ( )sim( )nãoTRICOTÔMICASAdmitem somente 3 respostas ( )sim( )não sei( )nãoMÚLTIPLAESCOLHAApresentam uma série depossíveis respostas( )excelente( )muito bom( )Bom( )Regular( )InsuficienteAs perguntas fechadas pode ser classificadasde acordo com o número de respostasdisponíveis em:
  23. 23. Questionário Fechado: Modelo1) Você sentiu sono, durante a execução datarefa?( )sim ( )não2) Durante a execução da tarefa, você podeafirmar:( ) permaneci o temo todo atento( ) tive pequenos lapsos de atenção( ) tive grandes lapsos de atenção( ) foi impossível permanecer atento
  24. 24. QUESTIONÁRIO MISTOÉ a combinação de perguntas fechadas e abertas que podemser utilizadas quando se deseja obter uma justificativa,contribuição ou parecer do sujeito/informante, além daresposta fechada padrão.Vantagem:•Facilita a tabulação dos resultados;• Permite uma manifestação ou complemento por parte doinformante.Desvantagem:•Dá um pouco mais de trabalho analisar as informaçõescolhidas.
  25. 25. Questionário Misto: ModeloDurante a execução da tarefa você pode afirmar que a privaçãodo sono prejudicou seu desempenho em que nível:( ) a privação do sono não surtiu nenhum efeito sobre a minhaatenção, eu estava totalmente alerta;( ) a privação do sono não surtiu pequeno efeito sobre a minhaatenção, eu tive mínima dificuldade em permanecer alerta;( ) a privação do sono não surtiu efeito relativo sobre a minhaatenção, eu lapso de atenção e dificuldade em permaneceralerta;( ) a privação do sono não surtiu grande efeito sobre a minhaatenção, eu grandes lapsos de atenção e foi difícil permaneceralerta;
  26. 26. Questionário Misto: Modelo(cont...)( ) a privação do sono não surtiu enorme efeito sobre a minhaatenção, eu praticamente não consegui manter a atenção etive momentos de sono( ) a privação do sono não surtiu efeito definitivo sobre a minhaatenção, eu praticamente não consegui permanecer alertaOBS: O espaço abaixo é destinado às observações que vocêJulgue interessante:________________________________________________________________________________________________________
  27. 27. Formulação de Questões:•As questões devem ser formuladas de maneiraclara, concisa e precisa;•Considerar o sistema de referência e deinformação do interrogado;•A pergunta deve possibilitar uma únicainterpretação;•A questão não deve sugerir respostas;•As perguntas devem tratar de uma única ideia;
  28. 28. Formulação de Questões (cont.):•As perguntas devem tratar de uma única ideia;•Incluir no questionário apenas perguntasrelacionadas com o problema pesquisado;•Não incluir no questionário perguntas cujasrespostas podem ser obtidas por meios maisprecisos;•Considerar as implicações das perguntas sobre osprocedimentos de tabulação de análise;
  29. 29. Formulação de Questões (cont.):•Incluir perguntas que podem ser respondidas semmaiores dificuldades;•Evitar perguntas que penetrem na intimidade daspessoas.
  30. 30. Número de Questões:Segundo Antônio Carlos Gil (2008), para sedefinir o número adequado de perguntas énecessário considerar o interesse dorespondente pelo tema pesquisado.Ordem das Questões:Evitar que a ordem das perguntas sugira umcontágio de respostas.
  31. 31. Apresentação de um questionário:•Apresentação gráfica;•Instruções para preenchimento;•Introdução ao questionário.
  32. 32. Pré-teste do questionário:Depois de redigido o questionário, antes de seraplicado definitivamente este deverá passar poruma prova preliminar. A finalidade desta prova,geralmente designada como pré-teste é darfidedignidade e validade ao questionárioevidenciando possíveis falhas na formulaçãodeste instrumento de pesquisa.O pré-teste assegura que o questionário estejabem elaborado quanto à clareza e precisão dostermos, forma, desmembramento e ordem dasquestões, introdução do questionário einstruções para seu preenchimento.
  33. 33. 5 – CONCLUSÃO:Concluímos que a fidedignidade do teste écondição necessária, mas não suficiente auma boa pesquisa. Não há validade semfidedignidade, embora o contrário possaser verdadeiro. Aprendemos ainda sobrea elaboração e aplicação de umimportante instrumento de medidas, oquestionário. E quais os cuidadosnecessários para torná-lo confiável eválido.
  34. 34. 6 – REFERÊNCIAS:ANASTASI, Anne. Testes psicológicos: teoria e aplicação. Edusp: São Paulo,1965. GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. Editora Atlas: SãoPaulo, 2008. GRESSLER, Lori Alice. Pesquisa Educacional. Editora Loyola: São Paulo, 1989. MORON, Maria Anne Macadar. Dissertação: Concepção, Desenvolvimento eValidação de instrumento de coleta de dados para estudar a percepção doprocesso decisório e as diferenças culturais. Porto Alegre, 1998.  SAMPIERI, Roberto Hernandez. Metodologia de Pesquisa. Editora McGraw HillInteramericana: São Paulo, 1996. SELLTIZ, Claire et al. Métodos de pesquisa nas relações sociais. EditoraPedagógica e Universitária: São Paulo, 1987.
  35. 35. EQUIPE ARCA DE NOÉ:EQUIPE ARCA DE NOÉ:  LindalvaLindalvaMarceline NetoMarceline NetoNoé AssunçãoNoé AssunçãoRose NegreirosRose NegreirosSilvania MattosSilvania Mattos

×