SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
PLANO DE AÇÃO DE GESTÃOPLANO DE AÇÃO DE GESTÃO
ESCOLARESCOLAR
COLÉGIO MUNICIPAL ARCA DE NOÉCOLÉGIO MUNICIPAL ARCA DE NOÉ
DIRETORA:DIRETORA:
SILVANIA ASSUNÇÃO DE BOTELHOSILVANIA ASSUNÇÃO DE BOTELHO
NETONETO
PERÍODO 2013/2015PERÍODO 2013/2015
DIAGNÓSTICO DA REALIDADE ESCOLAR EDIAGNÓSTICO DA REALIDADE ESCOLAR E
LOCAL:LOCAL:
Comunidade “X” dominada pelo tráfico deComunidade “X” dominada pelo tráfico de
drogas e disputa territorial por duasdrogas e disputa territorial por duas
facções criminosas;facções criminosas;
Alto índice de violência real e simbólica;Alto índice de violência real e simbólica;
Pobreza e miséria;Pobreza e miséria;
Abandono por parte do Estado de PolíticasAbandono por parte do Estado de Políticas
Públicas voltadas para a infraestrutura ePúblicas voltadas para a infraestrutura e
segurança;segurança;
DIAGNÓSTICO DA REALIDADE ESCOLAR EDIAGNÓSTICO DA REALIDADE ESCOLAR E
LOCAL:LOCAL:
Desestruturação familiar, prostituição,
gravidez em menores, corrupção e outros;
Docentes desmotivados;
Alto índice de repetência e evasão;
Conflitos constantes entre educadores e
educandos (as);
DIAGNÓSTICO DA REALIDADE ESCOLAR EDIAGNÓSTICO DA REALIDADE ESCOLAR E
LOCAL:LOCAL:
Muros pichados e vidros quebrados;
Presença de armas e drogas no interior da
escola.
OBJETIVO GERAL:OBJETIVO GERAL:
Desenvolver junto ao corpo docente,
discente, administrativo, pedagógico,
comunidade e Órgãos do Poder Público um
trabalho efetivo de resgate do papel social
e político da escola frente aos vários
fatores intrínsecos e extrínsecos à
comunidade que comprometem a dignidade,
a responsabilidade social e a cidadania dos
atores envolvidos.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS:OBJETIVOS ESPECÍFICOS:
Sensibilizar os atores envolvidos para a
importância e emergência do projeto
“Gestão Escolar/ Gestão da Comunidade”;
Articular um elo de confiança entre
educandos e família, a fim de estabelecer
um diálogo constante entre os pares para
as futuras intervenções, além de mobilizar
pais, mães ou responsáveis para o interior
da escola;
OBJETIVOS ESPECÍFICOS:OBJETIVOS ESPECÍFICOS:
Conscientizar os atores envolvidos dos
fatores de riscos que emergem da
comunidade na qual estão inseridos;
Estabelecer como pilar fundamental do
projeto a tríade comunidade, equipe unida e
aprendizagem;
OBJETIVOS ESPECÍFICOS:OBJETIVOS ESPECÍFICOS:
Repensar a atitude dos atores envolvidos
diante de uma comunidade dominada pelo
tráfico e as várias facetas que sugere essa
problemática, sem enxergá-los como
indivíduos coniventes e conformados com a
situação, mas como agentes
transformadores da realidade;
Investir na formação docente
estabelecendo como parâmetros a
realidade macro e de cada turma
especificamente.
O QUE FAZER?O QUE FAZER?
Organizar três conselhos para discutir e
intervir frente aos conflitos  acima
descritos: Conselho da comunidade,
Conselho da escola, Conselho dos alunos;
Agir com soluções e não com problemas;
Organizar excursões a lugares diferentes
do contexto da comunidade, descortinando
outras possibilidades de vida além dos
muros da escola;
O QUE FAZER?O QUE FAZER?
Organizar visitas periódicas de ex alunos
 que seguiram o caminho inverso da
criminalidade, ingressando na universidade,
cursos técnicos e outras possibilidades
profissionais, desmitificando o fato de que
não existe nas comunidades periféricas
outras alternativas de vida, senão a do
crime e outras;
O QUE FAZER?O QUE FAZER?
As comemorações e eventos sociais
deverão ser práticas constantes a fim de
resguardar a autoestima e unidade do
grupo;
O cinema, o teatro, a dança, os jogos e
outras manifestações culturais deverão
entrar na escola e permanecer por lá, talvez
seja a única visão de mundo que esses
indivíduos possam vislumbrar de uma
paisagem diferente daquela que está a sua
volta;
O QUE FAZER?O QUE FAZER?
Festivais de dança, de talentos e curtas
produzidos pela comunidade escolar, com o
intuito de atrair a comunidade para dentro
da escola;
Desenvolver com os indivíduos com
problemas de convivência social um
trabalho direcionado, delegando os mesmos
responsabilidades e compromisso com o
projeto.  
POR QUE FAZER?POR QUE FAZER?
Valorização do indivíduo enquanto ser
social, consciente do seu papel na
sociedade;
No lugar das trancas e cadeados o
trabalho deverá se pautar na emergência de
uma plano de ação que crie barreiras
invisíveis e imperceptíveis  e duradoura
contra o processo degradante da
criminalidade;
POR QUE FAZER?POR QUE FAZER?
Calar não significa estar conivente com o
crime é resguardar a integridade física dos
atores. A escola tem como objetivo
formação do indivíduo na sua integridade e
para o mundo. A violência e o crime é dever
do Estado.
COM QUEM FAZER?COM QUEM FAZER?
Parceria com a assistência social local
para mapear os indivíduos em situação de
risco, a fim de encaminhá-los para a
recuperação ou dedicar uma atenção
exclusiva sobre os mesmos;
Parceria com Universidades, Centros
Técnicos, ONGs e outras organizações com
a finalidade de elaborar estratégias para a
formação continuada dos professores;
COM QUEM FAZER?COM QUEM FAZER?
Manter diálogo constante com a
Secretaria de Educação, Conselho Tutelar,
Ministério Público e polícia a fim de que os
direitos e deveres dos indivíduos estejam
resguardados. A Escola não caminha
sozinha no contexto social;
Buscar apoio com empresas da região,
associação comercial, associação de
moradores  para os projetos sociais e
culturais promovidos pela escola.
ONDE FAZER?ONDE FAZER?
A unidade escolar será o palco principal
para a discussão e elaboração de
estratégias para a implementação do
projeto;
Encontros na Associação de moradores, a
fim de estabelecer uma proximidade e
diálogo aberto com a comunidade;
Visitas museus, arquivos, parques,
monumentos e outros.
COMO AVALIAR?COMO AVALIAR?
Através de pesquisas , dados, gráficos,
relatórios.
QUANDO AVALIAR?QUANDO AVALIAR?
Mensalmente os conselhos da
comunidade, escolar e de alunos se
reunirão para estabelecer metas e
possíveis ajustes na dinâmica do projeto.
Entrevistador: Eu gostaria que você respondesse sobre alguns termos que são característicos da avaliação
tradicional. Classificatória?
JUSSARA HOFFMAN: Se classifica o que, quem, em lugares, em ordens e hierarquias. Por que classificar o
aprendizado de várias crianças por ordem?
Entrevistador: Seletivo?
JUSSARA HOFFMAN: Exclusão, excluir. O vestibular é obrigatoriamente seletivo – é uma prova classificatória,
que tem por premissa básica excluir, por que não há lugar para todos. A escola deve selecionar da mesma
forma? É também excludente ou é um ambiente de educação?
Entrevistador: Punitiva?
JUSSARA HOFFMAN: Há muitas questões punitivas na avaliação: exigências além do que o aluno pode
responder, tempos não respeitados, ordens mal compreendidas e que são motivos de punição. A avaliação
possui muitos ranços de punição.
Entrevistador: Julgadora?
JUSSARA HOFFMAN: O professor, na função de avaliador, foi durante muito tempo um julgador e, de uma certa
forma ainda permanece como tal. A avaliação é julgamento? É, mas não é só julgamento. É julgar o valor do que
se viu para o quê. A avaliação é julgamento, mas é, fundamentalmente, ação.
Entrevistador: Erro?
JUSSARA HOFFMAN: O que é o erro? Erro é o que não se aprendeu ou o que não ainda não se aprendeu? Se nós
considerarmos que o erro é o que ainda não se aprendeu, ele é muito mais valorizado, importante, fecundo e
positivo para o processo avaliativo.
Entrevistador: Recuperação?
JUSSARA HOFFMAN: Recuperação não é repetição. Ninguém se recupera repetindo o processo. A vida não se
passa a limpo. A gente anda para a frente. Então, a recuperação tem que corresponder a um projeto de futuro -
novas estratégias pedagógicas, explicações diferenciadas, ações interativas. Recuperar não é repetir, não é
olhar para trás, não é fazer de novo. É fazer melhor, é caminhar para a frente, é fazer diferente.
COMO DIVULGAR O RESULTADO DACOMO DIVULGAR O RESULTADO DA
AVALIAÇÃO?AVALIAÇÃO?
Todos os atores envolvidos deverão estar
cientes de todo o processo e andamento do
projeto, suas conquistas, entraves e
possíveis ajustes;
 
Através de boletins informativos que
estarão disponíveis em um portal criado
especificamente para esse fim.
O QUE SE ESPERA DE POSITIVO COM OSO QUE SE ESPERA DE POSITIVO COM OS
RESULTADOS OBTIDOS ATRAVÉS DESSERESULTADOS OBTIDOS ATRAVÉS DESSE
PROJETO DE INTERVENÇÃO PARA APROJETO DE INTERVENÇÃO PARA A
COMUNIDADE ESCOLAR E LOCAL?COMUNIDADE ESCOLAR E LOCAL?
Elevação da autoestima dos atores
envolvidos e da criticidade dos mesmos na
leitura do mundo;
 
Diminuição do índice de repetência e
evasão escolar;
Professores motivados e bem preparados
para desenvolver o seu ofício numa
comunidade com uma digital particular
garantindo um processo de ensino e
aprendizagem eficaz;
Diminuição da entrada de drogas e armas
no interior da escola e menor interferência
do crime organizado na mesma;
Melhoria na estrutura e estética da
escola.
Expressão de uma escola aberta ao
diálogo e negociações de cunho
participativo e democrático com a
participação de tod@s.
Oportunidades a tod@s os educandos
para ingressarem e avançarem os seus
estudos em outras instituições como:
universidades públicas, cursos técnicos,
conservatório de música, escolas de
dança e outras, quebrando o mito de que
a “Arca” é o limite.
Melhores resultados em avaliações
externas do governo como SAERJ,
SAERJINHO, ENEM, PROVA BRASIL.
EQUIPE ARCA DE NOÉ:EQUIPE ARCA DE NOÉ:
  
Marceline NetoMarceline Neto
Noé AssunçãoNoé Assunção
Rose NegreirosRose Negreiros
Silvania MattosSilvania Mattos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Plano de ação gestão 2016 2019
Plano de ação gestão 2016 2019Plano de ação gestão 2016 2019
Plano de ação gestão 2016 2019Lindomar Oliveira
 
Plano de trabalho para Gestão Escolar
Plano de trabalho para Gestão EscolarPlano de trabalho para Gestão Escolar
Plano de trabalho para Gestão EscolarBelister Paulino
 
Plano de Ação participativo_vol1
Plano de Ação participativo_vol1Plano de Ação participativo_vol1
Plano de Ação participativo_vol1sitedcoeste
 
Formação sobre o papel do supervisor escolar
Formação sobre o papel do supervisor escolarFormação sobre o papel do supervisor escolar
Formação sobre o papel do supervisor escolarMaria Cecilia Silva
 
Slides da reunião com professores
Slides da reunião com professoresSlides da reunião com professores
Slides da reunião com professoresdriminas
 
Reunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli Borges
Reunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli BorgesReunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli Borges
Reunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli Borgespdescola
 
Plano de Trabalho gestão 2017-2019
Plano de Trabalho gestão 2017-2019Plano de Trabalho gestão 2017-2019
Plano de Trabalho gestão 2017-2019QUEDMA SILVA
 
Plano de Gestão Escolar 2014 e 2015
Plano de Gestão Escolar 2014 e 2015Plano de Gestão Escolar 2014 e 2015
Plano de Gestão Escolar 2014 e 2015Ana Paula Silva
 
Relatório de gestão escolar
Relatório de gestão escolarRelatório de gestão escolar
Relatório de gestão escolarMaryanne Monteiro
 
Projeto político pedagógico ppp
Projeto político pedagógico pppProjeto político pedagógico ppp
Projeto político pedagógico pppgisianevieiraanana
 
Relatorio final estágio_não escolar e gestão
Relatorio final estágio_não escolar e gestãoRelatorio final estágio_não escolar e gestão
Relatorio final estágio_não escolar e gestãomkbariotto
 
Plano de ação da Escola João Ferreira da Silva
Plano de ação da Escola João Ferreira da SilvaPlano de ação da Escola João Ferreira da Silva
Plano de ação da Escola João Ferreira da SilvaLucio Lira
 
Organização e gestão da escola
Organização e gestão da escolaOrganização e gestão da escola
Organização e gestão da escolaUlisses Vakirtzis
 
Apresentação comitê escolar (1).pptx
Apresentação comitê escolar (1).pptxApresentação comitê escolar (1).pptx
Apresentação comitê escolar (1).pptxColegioDrJulival
 

Mais procurados (20)

Plano de ação gestão 2016 2019
Plano de ação gestão 2016 2019Plano de ação gestão 2016 2019
Plano de ação gestão 2016 2019
 
Plano de trabalho para Gestão Escolar
Plano de trabalho para Gestão EscolarPlano de trabalho para Gestão Escolar
Plano de trabalho para Gestão Escolar
 
Plano de gestão CHAPA 1
Plano de gestão CHAPA 1Plano de gestão CHAPA 1
Plano de gestão CHAPA 1
 
Plano de Ação participativo_vol1
Plano de Ação participativo_vol1Plano de Ação participativo_vol1
Plano de Ação participativo_vol1
 
Projeto politico pedagogico PPP
Projeto politico pedagogico PPPProjeto politico pedagogico PPP
Projeto politico pedagogico PPP
 
Formação sobre o papel do supervisor escolar
Formação sobre o papel do supervisor escolarFormação sobre o papel do supervisor escolar
Formação sobre o papel do supervisor escolar
 
Aula 1- Gestão Escolar
Aula 1- Gestão EscolarAula 1- Gestão Escolar
Aula 1- Gestão Escolar
 
2. Conselho Escolar
2. Conselho Escolar2. Conselho Escolar
2. Conselho Escolar
 
Plano de gestão 2014
Plano de gestão 2014Plano de gestão 2014
Plano de gestão 2014
 
Slides da reunião com professores
Slides da reunião com professoresSlides da reunião com professores
Slides da reunião com professores
 
Reunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli Borges
Reunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli BorgesReunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli Borges
Reunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli Borges
 
Plano de Trabalho gestão 2017-2019
Plano de Trabalho gestão 2017-2019Plano de Trabalho gestão 2017-2019
Plano de Trabalho gestão 2017-2019
 
Plano de Gestão Escolar 2014 e 2015
Plano de Gestão Escolar 2014 e 2015Plano de Gestão Escolar 2014 e 2015
Plano de Gestão Escolar 2014 e 2015
 
Relatório de gestão escolar
Relatório de gestão escolarRelatório de gestão escolar
Relatório de gestão escolar
 
Projeto político pedagógico ppp
Projeto político pedagógico pppProjeto político pedagógico ppp
Projeto político pedagógico ppp
 
Relatorio final estágio_não escolar e gestão
Relatorio final estágio_não escolar e gestãoRelatorio final estágio_não escolar e gestão
Relatorio final estágio_não escolar e gestão
 
Plano de ação da Escola João Ferreira da Silva
Plano de ação da Escola João Ferreira da SilvaPlano de ação da Escola João Ferreira da Silva
Plano de ação da Escola João Ferreira da Silva
 
Relatório estágio
Relatório  estágioRelatório  estágio
Relatório estágio
 
Organização e gestão da escola
Organização e gestão da escolaOrganização e gestão da escola
Organização e gestão da escola
 
Apresentação comitê escolar (1).pptx
Apresentação comitê escolar (1).pptxApresentação comitê escolar (1).pptx
Apresentação comitê escolar (1).pptx
 

Semelhante a Gestão Escolar para Comunidade em Risco

Projeto leonor original
Projeto leonor originalProjeto leonor original
Projeto leonor originalLeonor
 
Institucional apresentando o makanudos
Institucional   apresentando o makanudosInstitucional   apresentando o makanudos
Institucional apresentando o makanudosONG MAKANUDOS
 
Projeto leonor original
Projeto leonor originalProjeto leonor original
Projeto leonor originalLeonor
 
ESCOLA x VIOLÊNCIA x DISCIPLINA. QUESTÕES NORTEADORAS E RELEVANTES
ESCOLA x VIOLÊNCIA x DISCIPLINA. QUESTÕES  NORTEADORAS E RELEVANTESESCOLA x VIOLÊNCIA x DISCIPLINA. QUESTÕES  NORTEADORAS E RELEVANTES
ESCOLA x VIOLÊNCIA x DISCIPLINA. QUESTÕES NORTEADORAS E RELEVANTESSeduc MT
 
O jovem como sujeito do ensino médio, caderno 2
O jovem como sujeito do ensino médio, caderno 2O jovem como sujeito do ensino médio, caderno 2
O jovem como sujeito do ensino médio, caderno 2Kadu Lannes
 
Congresso apres. wildete inovações e ppp
Congresso apres. wildete inovações e pppCongresso apres. wildete inovações e ppp
Congresso apres. wildete inovações e pppWildete Silva
 
Estratégias metodológicas de trabalho com jovens
Estratégias metodológicas de trabalho com jovensEstratégias metodológicas de trabalho com jovens
Estratégias metodológicas de trabalho com jovensJacqueline Cavalcanti
 
A escola na perspectiva da educ inclusiva
A escola na perspectiva da educ inclusivaA escola na perspectiva da educ inclusiva
A escola na perspectiva da educ inclusivarosania39
 
Preconceito e Discriminação no contexto escolar
Preconceito e Discriminação no contexto escolarPreconceito e Discriminação no contexto escolar
Preconceito e Discriminação no contexto escolarcaioamorim2000
 
Formação para os professores educação interdimensional
Formação para os professores educação interdimensionalFormação para os professores educação interdimensional
Formação para os professores educação interdimensionalSandraRombi
 
Apresentação gestão e planejamento em serviço social 2
Apresentação  gestão e  planejamento em serviço social 2Apresentação  gestão e  planejamento em serviço social 2
Apresentação gestão e planejamento em serviço social 2souzalane
 
Programa educação para o futuro revisão 25-08
Programa educação para o futuro   revisão 25-08Programa educação para o futuro   revisão 25-08
Programa educação para o futuro revisão 25-08Carolina Mendes
 

Semelhante a Gestão Escolar para Comunidade em Risco (20)

Projeto leonor original
Projeto leonor originalProjeto leonor original
Projeto leonor original
 
Trabalhoeducativo
TrabalhoeducativoTrabalhoeducativo
Trabalhoeducativo
 
Institucional apresentando o makanudos
Institucional   apresentando o makanudosInstitucional   apresentando o makanudos
Institucional apresentando o makanudos
 
Projeto EducaçãO E Valores
Projeto EducaçãO E ValoresProjeto EducaçãO E Valores
Projeto EducaçãO E Valores
 
Projeto leonor original
Projeto leonor originalProjeto leonor original
Projeto leonor original
 
ESCOLA x VIOLÊNCIA x DISCIPLINA. QUESTÕES NORTEADORAS E RELEVANTES
ESCOLA x VIOLÊNCIA x DISCIPLINA. QUESTÕES  NORTEADORAS E RELEVANTESESCOLA x VIOLÊNCIA x DISCIPLINA. QUESTÕES  NORTEADORAS E RELEVANTES
ESCOLA x VIOLÊNCIA x DISCIPLINA. QUESTÕES NORTEADORAS E RELEVANTES
 
O jovem como sujeito do ensino médio, caderno 2
O jovem como sujeito do ensino médio, caderno 2O jovem como sujeito do ensino médio, caderno 2
O jovem como sujeito do ensino médio, caderno 2
 
Jovem_EM_Davi
Jovem_EM_DaviJovem_EM_Davi
Jovem_EM_Davi
 
Aulas de protagonismo juvenil ef
Aulas de protagonismo juvenil efAulas de protagonismo juvenil ef
Aulas de protagonismo juvenil ef
 
Congresso apres. wildete inovações e ppp
Congresso apres. wildete inovações e pppCongresso apres. wildete inovações e ppp
Congresso apres. wildete inovações e ppp
 
Estratégias metodológicas de trabalho com jovens
Estratégias metodológicas de trabalho com jovensEstratégias metodológicas de trabalho com jovens
Estratégias metodológicas de trabalho com jovens
 
A escola na perspectiva da educ inclusiva
A escola na perspectiva da educ inclusivaA escola na perspectiva da educ inclusiva
A escola na perspectiva da educ inclusiva
 
Preconceito e Discriminação no contexto escolar
Preconceito e Discriminação no contexto escolarPreconceito e Discriminação no contexto escolar
Preconceito e Discriminação no contexto escolar
 
Projetoarturramos
ProjetoarturramosProjetoarturramos
Projetoarturramos
 
Formação para os professores educação interdimensional
Formação para os professores educação interdimensionalFormação para os professores educação interdimensional
Formação para os professores educação interdimensional
 
Cipó (1)
Cipó (1)Cipó (1)
Cipó (1)
 
Nepre 2012
Nepre 2012Nepre 2012
Nepre 2012
 
Apresentação gestão e planejamento em serviço social 2
Apresentação  gestão e  planejamento em serviço social 2Apresentação  gestão e  planejamento em serviço social 2
Apresentação gestão e planejamento em serviço social 2
 
Programa educação para o futuro revisão 25-08
Programa educação para o futuro   revisão 25-08Programa educação para o futuro   revisão 25-08
Programa educação para o futuro revisão 25-08
 
Projeto pol pedag
Projeto pol pedagProjeto pol pedag
Projeto pol pedag
 

Mais de Prof. Noe Assunção

ATIVIDADE SENSO COMUM- Prof.Ms.Noe Assunção
ATIVIDADE SENSO COMUM- Prof.Ms.Noe AssunçãoATIVIDADE SENSO COMUM- Prof.Ms.Noe Assunção
ATIVIDADE SENSO COMUM- Prof.Ms.Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
CHEGADA DA FAMÍLIA REAL NO-BRASIL- Prof.Ms.Noe Assunção
CHEGADA DA FAMÍLIA REAL NO-BRASIL- Prof.Ms.Noe AssunçãoCHEGADA DA FAMÍLIA REAL NO-BRASIL- Prof.Ms.Noe Assunção
CHEGADA DA FAMÍLIA REAL NO-BRASIL- Prof.Ms.Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
ESTUDO DIRIGIDO CONTRA REFORMA PROTESTANTE - Prof. Ms. Noe Assunção
ESTUDO DIRIGIDO CONTRA REFORMA PROTESTANTE - Prof. Ms. Noe AssunçãoESTUDO DIRIGIDO CONTRA REFORMA PROTESTANTE - Prof. Ms. Noe Assunção
ESTUDO DIRIGIDO CONTRA REFORMA PROTESTANTE - Prof. Ms. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
ESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
ESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe AssunçãoESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
ESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
AULA1- REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
AULA1- REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe AssunçãoAULA1- REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
AULA1- REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
ATIVIDADE SEGUNDA GUERRA - Prof. Ms. Noe Assunção
ATIVIDADE SEGUNDA GUERRA - Prof. Ms. Noe AssunçãoATIVIDADE SEGUNDA GUERRA - Prof. Ms. Noe Assunção
ATIVIDADE SEGUNDA GUERRA - Prof. Ms. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
AULA 2 SOCIALISMO CIENTIFICO.docx - Prof. Ms. Noe Assunção
AULA 2 SOCIALISMO CIENTIFICO.docx - Prof. Ms. Noe AssunçãoAULA 2 SOCIALISMO CIENTIFICO.docx - Prof. Ms. Noe Assunção
AULA 2 SOCIALISMO CIENTIFICO.docx - Prof. Ms. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
ATIVIDADE REVOLUÇÃO INDUSTRIA - Prof. Ms. Noe AssunçãoL.docx
ATIVIDADE REVOLUÇÃO INDUSTRIA - Prof. Ms. Noe AssunçãoL.docxATIVIDADE REVOLUÇÃO INDUSTRIA - Prof. Ms. Noe AssunçãoL.docx
ATIVIDADE REVOLUÇÃO INDUSTRIA - Prof. Ms. Noe AssunçãoL.docxProf. Noe Assunção
 
FILOSOFIA TEXTOS REVISTA EPOCA.docx
FILOSOFIA TEXTOS REVISTA EPOCA.docxFILOSOFIA TEXTOS REVISTA EPOCA.docx
FILOSOFIA TEXTOS REVISTA EPOCA.docxProf. Noe Assunção
 
AVALIAÇÃO FINAL O QUE É FILOSOFIA - Prof.Ms. Noe Assunção.docx
AVALIAÇÃO FINAL O QUE É FILOSOFIA - Prof.Ms. Noe Assunção.docxAVALIAÇÃO FINAL O QUE É FILOSOFIA - Prof.Ms. Noe Assunção.docx
AVALIAÇÃO FINAL O QUE É FILOSOFIA - Prof.Ms. Noe Assunção.docxProf. Noe Assunção
 
Queimando sutiã dia da mulher. Prof.Ms.Noe Assunção
Queimando sutiã dia da mulher. Prof.Ms.Noe AssunçãoQueimando sutiã dia da mulher. Prof.Ms.Noe Assunção
Queimando sutiã dia da mulher. Prof.Ms.Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Projeto de Vida. Atividade 2 identidade.
Projeto de Vida. Atividade 2  identidade.Projeto de Vida. Atividade 2  identidade.
Projeto de Vida. Atividade 2 identidade.Prof. Noe Assunção
 
Material impresso filosofia 3º ano - ensino regular - Prof. Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia  3º ano - ensino regular - Prof. Ms. Noe AssunçãoMaterial impresso filosofia  3º ano - ensino regular - Prof. Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia 3º ano - ensino regular - Prof. Ms. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Material impresso filosofia 1 ano - ensino regular - Pro. Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia   1 ano - ensino regular - Pro. Ms. Noe AssunçãoMaterial impresso filosofia   1 ano - ensino regular - Pro. Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia 1 ano - ensino regular - Pro. Ms. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Material impresso filosofia 2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia   2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe AssunçãoMaterial impresso filosofia   2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia 2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Atividade sobre o documentário "clandestinas"- Prof. Noe Assunção
Atividade sobre o documentário "clandestinas"- Prof. Noe AssunçãoAtividade sobre o documentário "clandestinas"- Prof. Noe Assunção
Atividade sobre o documentário "clandestinas"- Prof. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Documentario clandestinas debate filosofico - Prof. Ms. Noe Assunção
Documentario clandestinas  debate filosofico - Prof. Ms. Noe AssunçãoDocumentario clandestinas  debate filosofico - Prof. Ms. Noe Assunção
Documentario clandestinas debate filosofico - Prof. Ms. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 

Mais de Prof. Noe Assunção (20)

ATIVIDADE SENSO COMUM- Prof.Ms.Noe Assunção
ATIVIDADE SENSO COMUM- Prof.Ms.Noe AssunçãoATIVIDADE SENSO COMUM- Prof.Ms.Noe Assunção
ATIVIDADE SENSO COMUM- Prof.Ms.Noe Assunção
 
CHEGADA DA FAMÍLIA REAL NO-BRASIL- Prof.Ms.Noe Assunção
CHEGADA DA FAMÍLIA REAL NO-BRASIL- Prof.Ms.Noe AssunçãoCHEGADA DA FAMÍLIA REAL NO-BRASIL- Prof.Ms.Noe Assunção
CHEGADA DA FAMÍLIA REAL NO-BRASIL- Prof.Ms.Noe Assunção
 
ESTUDO DIRIGIDO CONTRA REFORMA PROTESTANTE - Prof. Ms. Noe Assunção
ESTUDO DIRIGIDO CONTRA REFORMA PROTESTANTE - Prof. Ms. Noe AssunçãoESTUDO DIRIGIDO CONTRA REFORMA PROTESTANTE - Prof. Ms. Noe Assunção
ESTUDO DIRIGIDO CONTRA REFORMA PROTESTANTE - Prof. Ms. Noe Assunção
 
ESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
ESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe AssunçãoESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
ESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
 
AULA1- REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
AULA1- REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe AssunçãoAULA1- REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
AULA1- REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
 
ATIVIDADE SEGUNDA GUERRA - Prof. Ms. Noe Assunção
ATIVIDADE SEGUNDA GUERRA - Prof. Ms. Noe AssunçãoATIVIDADE SEGUNDA GUERRA - Prof. Ms. Noe Assunção
ATIVIDADE SEGUNDA GUERRA - Prof. Ms. Noe Assunção
 
AULA 2 SOCIALISMO CIENTIFICO.docx - Prof. Ms. Noe Assunção
AULA 2 SOCIALISMO CIENTIFICO.docx - Prof. Ms. Noe AssunçãoAULA 2 SOCIALISMO CIENTIFICO.docx - Prof. Ms. Noe Assunção
AULA 2 SOCIALISMO CIENTIFICO.docx - Prof. Ms. Noe Assunção
 
ATIVIDADE REVOLUÇÃO INDUSTRIA - Prof. Ms. Noe AssunçãoL.docx
ATIVIDADE REVOLUÇÃO INDUSTRIA - Prof. Ms. Noe AssunçãoL.docxATIVIDADE REVOLUÇÃO INDUSTRIA - Prof. Ms. Noe AssunçãoL.docx
ATIVIDADE REVOLUÇÃO INDUSTRIA - Prof. Ms. Noe AssunçãoL.docx
 
AULA O LIBERALISMO.docx
AULA O LIBERALISMO.docxAULA O LIBERALISMO.docx
AULA O LIBERALISMO.docx
 
FILOSOFIA TEXTOS REVISTA EPOCA.docx
FILOSOFIA TEXTOS REVISTA EPOCA.docxFILOSOFIA TEXTOS REVISTA EPOCA.docx
FILOSOFIA TEXTOS REVISTA EPOCA.docx
 
AVALIAÇÃO FINAL O QUE É FILOSOFIA - Prof.Ms. Noe Assunção.docx
AVALIAÇÃO FINAL O QUE É FILOSOFIA - Prof.Ms. Noe Assunção.docxAVALIAÇÃO FINAL O QUE É FILOSOFIA - Prof.Ms. Noe Assunção.docx
AVALIAÇÃO FINAL O QUE É FILOSOFIA - Prof.Ms. Noe Assunção.docx
 
AVALIAÇÃO FINAL CIDADANIA.docx
AVALIAÇÃO FINAL CIDADANIA.docxAVALIAÇÃO FINAL CIDADANIA.docx
AVALIAÇÃO FINAL CIDADANIA.docx
 
Queimando sutiã dia da mulher. Prof.Ms.Noe Assunção
Queimando sutiã dia da mulher. Prof.Ms.Noe AssunçãoQueimando sutiã dia da mulher. Prof.Ms.Noe Assunção
Queimando sutiã dia da mulher. Prof.Ms.Noe Assunção
 
Projeto de Vida. Atividade 2 identidade.
Projeto de Vida. Atividade 2  identidade.Projeto de Vida. Atividade 2  identidade.
Projeto de Vida. Atividade 2 identidade.
 
Material impresso filosofia 3º ano - ensino regular - Prof. Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia  3º ano - ensino regular - Prof. Ms. Noe AssunçãoMaterial impresso filosofia  3º ano - ensino regular - Prof. Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia 3º ano - ensino regular - Prof. Ms. Noe Assunção
 
Material impresso filosofia 1 ano - ensino regular - Pro. Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia   1 ano - ensino regular - Pro. Ms. Noe AssunçãoMaterial impresso filosofia   1 ano - ensino regular - Pro. Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia 1 ano - ensino regular - Pro. Ms. Noe Assunção
 
Material impresso filosofia 2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia   2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe AssunçãoMaterial impresso filosofia   2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia 2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe Assunção
 
Atividade clandestinas1
Atividade clandestinas1Atividade clandestinas1
Atividade clandestinas1
 
Atividade sobre o documentário "clandestinas"- Prof. Noe Assunção
Atividade sobre o documentário "clandestinas"- Prof. Noe AssunçãoAtividade sobre o documentário "clandestinas"- Prof. Noe Assunção
Atividade sobre o documentário "clandestinas"- Prof. Noe Assunção
 
Documentario clandestinas debate filosofico - Prof. Ms. Noe Assunção
Documentario clandestinas  debate filosofico - Prof. Ms. Noe AssunçãoDocumentario clandestinas  debate filosofico - Prof. Ms. Noe Assunção
Documentario clandestinas debate filosofico - Prof. Ms. Noe Assunção
 

Gestão Escolar para Comunidade em Risco

  • 1. PLANO DE AÇÃO DE GESTÃOPLANO DE AÇÃO DE GESTÃO ESCOLARESCOLAR COLÉGIO MUNICIPAL ARCA DE NOÉCOLÉGIO MUNICIPAL ARCA DE NOÉ DIRETORA:DIRETORA: SILVANIA ASSUNÇÃO DE BOTELHOSILVANIA ASSUNÇÃO DE BOTELHO NETONETO PERÍODO 2013/2015PERÍODO 2013/2015
  • 2. DIAGNÓSTICO DA REALIDADE ESCOLAR EDIAGNÓSTICO DA REALIDADE ESCOLAR E LOCAL:LOCAL: Comunidade “X” dominada pelo tráfico deComunidade “X” dominada pelo tráfico de drogas e disputa territorial por duasdrogas e disputa territorial por duas facções criminosas;facções criminosas; Alto índice de violência real e simbólica;Alto índice de violência real e simbólica; Pobreza e miséria;Pobreza e miséria; Abandono por parte do Estado de PolíticasAbandono por parte do Estado de Políticas Públicas voltadas para a infraestrutura ePúblicas voltadas para a infraestrutura e segurança;segurança;
  • 3. DIAGNÓSTICO DA REALIDADE ESCOLAR EDIAGNÓSTICO DA REALIDADE ESCOLAR E LOCAL:LOCAL: Desestruturação familiar, prostituição, gravidez em menores, corrupção e outros; Docentes desmotivados; Alto índice de repetência e evasão; Conflitos constantes entre educadores e educandos (as);
  • 4. DIAGNÓSTICO DA REALIDADE ESCOLAR EDIAGNÓSTICO DA REALIDADE ESCOLAR E LOCAL:LOCAL: Muros pichados e vidros quebrados; Presença de armas e drogas no interior da escola.
  • 5. OBJETIVO GERAL:OBJETIVO GERAL: Desenvolver junto ao corpo docente, discente, administrativo, pedagógico, comunidade e Órgãos do Poder Público um trabalho efetivo de resgate do papel social e político da escola frente aos vários fatores intrínsecos e extrínsecos à comunidade que comprometem a dignidade, a responsabilidade social e a cidadania dos atores envolvidos.
  • 6. OBJETIVOS ESPECÍFICOS:OBJETIVOS ESPECÍFICOS: Sensibilizar os atores envolvidos para a importância e emergência do projeto “Gestão Escolar/ Gestão da Comunidade”; Articular um elo de confiança entre educandos e família, a fim de estabelecer um diálogo constante entre os pares para as futuras intervenções, além de mobilizar pais, mães ou responsáveis para o interior da escola;
  • 7. OBJETIVOS ESPECÍFICOS:OBJETIVOS ESPECÍFICOS: Conscientizar os atores envolvidos dos fatores de riscos que emergem da comunidade na qual estão inseridos; Estabelecer como pilar fundamental do projeto a tríade comunidade, equipe unida e aprendizagem;
  • 8. OBJETIVOS ESPECÍFICOS:OBJETIVOS ESPECÍFICOS: Repensar a atitude dos atores envolvidos diante de uma comunidade dominada pelo tráfico e as várias facetas que sugere essa problemática, sem enxergá-los como indivíduos coniventes e conformados com a situação, mas como agentes transformadores da realidade; Investir na formação docente estabelecendo como parâmetros a realidade macro e de cada turma especificamente.
  • 9. O QUE FAZER?O QUE FAZER? Organizar três conselhos para discutir e intervir frente aos conflitos  acima descritos: Conselho da comunidade, Conselho da escola, Conselho dos alunos; Agir com soluções e não com problemas; Organizar excursões a lugares diferentes do contexto da comunidade, descortinando outras possibilidades de vida além dos muros da escola;
  • 10. O QUE FAZER?O QUE FAZER? Organizar visitas periódicas de ex alunos  que seguiram o caminho inverso da criminalidade, ingressando na universidade, cursos técnicos e outras possibilidades profissionais, desmitificando o fato de que não existe nas comunidades periféricas outras alternativas de vida, senão a do crime e outras;
  • 11. O QUE FAZER?O QUE FAZER? As comemorações e eventos sociais deverão ser práticas constantes a fim de resguardar a autoestima e unidade do grupo; O cinema, o teatro, a dança, os jogos e outras manifestações culturais deverão entrar na escola e permanecer por lá, talvez seja a única visão de mundo que esses indivíduos possam vislumbrar de uma paisagem diferente daquela que está a sua volta;
  • 12. O QUE FAZER?O QUE FAZER? Festivais de dança, de talentos e curtas produzidos pela comunidade escolar, com o intuito de atrair a comunidade para dentro da escola; Desenvolver com os indivíduos com problemas de convivência social um trabalho direcionado, delegando os mesmos responsabilidades e compromisso com o projeto.  
  • 13. POR QUE FAZER?POR QUE FAZER? Valorização do indivíduo enquanto ser social, consciente do seu papel na sociedade; No lugar das trancas e cadeados o trabalho deverá se pautar na emergência de uma plano de ação que crie barreiras invisíveis e imperceptíveis  e duradoura contra o processo degradante da criminalidade;
  • 14. POR QUE FAZER?POR QUE FAZER? Calar não significa estar conivente com o crime é resguardar a integridade física dos atores. A escola tem como objetivo formação do indivíduo na sua integridade e para o mundo. A violência e o crime é dever do Estado.
  • 15. COM QUEM FAZER?COM QUEM FAZER? Parceria com a assistência social local para mapear os indivíduos em situação de risco, a fim de encaminhá-los para a recuperação ou dedicar uma atenção exclusiva sobre os mesmos; Parceria com Universidades, Centros Técnicos, ONGs e outras organizações com a finalidade de elaborar estratégias para a formação continuada dos professores;
  • 16. COM QUEM FAZER?COM QUEM FAZER? Manter diálogo constante com a Secretaria de Educação, Conselho Tutelar, Ministério Público e polícia a fim de que os direitos e deveres dos indivíduos estejam resguardados. A Escola não caminha sozinha no contexto social; Buscar apoio com empresas da região, associação comercial, associação de moradores  para os projetos sociais e culturais promovidos pela escola.
  • 17. ONDE FAZER?ONDE FAZER? A unidade escolar será o palco principal para a discussão e elaboração de estratégias para a implementação do projeto; Encontros na Associação de moradores, a fim de estabelecer uma proximidade e diálogo aberto com a comunidade; Visitas museus, arquivos, parques, monumentos e outros.
  • 18. COMO AVALIAR?COMO AVALIAR? Através de pesquisas , dados, gráficos, relatórios. QUANDO AVALIAR?QUANDO AVALIAR? Mensalmente os conselhos da comunidade, escolar e de alunos se reunirão para estabelecer metas e possíveis ajustes na dinâmica do projeto.
  • 19. Entrevistador: Eu gostaria que você respondesse sobre alguns termos que são característicos da avaliação tradicional. Classificatória? JUSSARA HOFFMAN: Se classifica o que, quem, em lugares, em ordens e hierarquias. Por que classificar o aprendizado de várias crianças por ordem? Entrevistador: Seletivo? JUSSARA HOFFMAN: Exclusão, excluir. O vestibular é obrigatoriamente seletivo – é uma prova classificatória, que tem por premissa básica excluir, por que não há lugar para todos. A escola deve selecionar da mesma forma? É também excludente ou é um ambiente de educação? Entrevistador: Punitiva? JUSSARA HOFFMAN: Há muitas questões punitivas na avaliação: exigências além do que o aluno pode responder, tempos não respeitados, ordens mal compreendidas e que são motivos de punição. A avaliação possui muitos ranços de punição. Entrevistador: Julgadora? JUSSARA HOFFMAN: O professor, na função de avaliador, foi durante muito tempo um julgador e, de uma certa forma ainda permanece como tal. A avaliação é julgamento? É, mas não é só julgamento. É julgar o valor do que se viu para o quê. A avaliação é julgamento, mas é, fundamentalmente, ação. Entrevistador: Erro? JUSSARA HOFFMAN: O que é o erro? Erro é o que não se aprendeu ou o que não ainda não se aprendeu? Se nós considerarmos que o erro é o que ainda não se aprendeu, ele é muito mais valorizado, importante, fecundo e positivo para o processo avaliativo. Entrevistador: Recuperação? JUSSARA HOFFMAN: Recuperação não é repetição. Ninguém se recupera repetindo o processo. A vida não se passa a limpo. A gente anda para a frente. Então, a recuperação tem que corresponder a um projeto de futuro - novas estratégias pedagógicas, explicações diferenciadas, ações interativas. Recuperar não é repetir, não é olhar para trás, não é fazer de novo. É fazer melhor, é caminhar para a frente, é fazer diferente.
  • 20. COMO DIVULGAR O RESULTADO DACOMO DIVULGAR O RESULTADO DA AVALIAÇÃO?AVALIAÇÃO? Todos os atores envolvidos deverão estar cientes de todo o processo e andamento do projeto, suas conquistas, entraves e possíveis ajustes;   Através de boletins informativos que estarão disponíveis em um portal criado especificamente para esse fim.
  • 21. O QUE SE ESPERA DE POSITIVO COM OSO QUE SE ESPERA DE POSITIVO COM OS RESULTADOS OBTIDOS ATRAVÉS DESSERESULTADOS OBTIDOS ATRAVÉS DESSE PROJETO DE INTERVENÇÃO PARA APROJETO DE INTERVENÇÃO PARA A COMUNIDADE ESCOLAR E LOCAL?COMUNIDADE ESCOLAR E LOCAL?
  • 22. Elevação da autoestima dos atores envolvidos e da criticidade dos mesmos na leitura do mundo;   Diminuição do índice de repetência e evasão escolar; Professores motivados e bem preparados para desenvolver o seu ofício numa comunidade com uma digital particular garantindo um processo de ensino e aprendizagem eficaz;
  • 23. Diminuição da entrada de drogas e armas no interior da escola e menor interferência do crime organizado na mesma; Melhoria na estrutura e estética da escola. Expressão de uma escola aberta ao diálogo e negociações de cunho participativo e democrático com a participação de tod@s.
  • 24. Oportunidades a tod@s os educandos para ingressarem e avançarem os seus estudos em outras instituições como: universidades públicas, cursos técnicos, conservatório de música, escolas de dança e outras, quebrando o mito de que a “Arca” é o limite. Melhores resultados em avaliações externas do governo como SAERJ, SAERJINHO, ENEM, PROVA BRASIL.
  • 25. EQUIPE ARCA DE NOÉ:EQUIPE ARCA DE NOÉ:    Marceline NetoMarceline Neto Noé AssunçãoNoé Assunção Rose NegreirosRose Negreiros Silvania MattosSilvania Mattos