CIDADÃO DE PAPEL X VERDADEIRO CIDADÃO - AULA

9.150 visualizações

Publicada em

Projeto elaborado para trabalhar junto aos cursistas do 3º ano do Ensino médio, abarcando os conceitos de cidadania, democracia, direitos humanos, participação cidadã e outros.
Já estão incluídas na apresentação do projeto (slides) as construções de cidadão de papel e verdadeiro cidadão criados pelos cursistas.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

CIDADÃO DE PAPEL X VERDADEIRO CIDADÃO - AULA

  1. 1. Aula1- CIDADÃO DE PAPEL "É um cidadão com direitos adquiridos, mas não usufruídos e isso acontece na grande maioria, por falta de informação. Ele conhece pouco ou quase nada sobre os direitos que possui, não manifestando suas opiniões, não fazendo reivindicações e muito menos lutando pela garantia destes direitos". Prof. Noe Assunção Especialista em Educação Tecnológica – CEFET - UFF
  2. 2. Problematizando... Vocês concordam que este é o papel do cidadão no dia a dia? Qual seria, então, o papel do "verdadeiro cidadão"? Vocês conhecem pessoas que agem parecido com o personagem da tirinha? O que elas fazem? E pessoas que agem diferente? Como elas costumam agir?
  3. 3. O que vocês imaginam que significa a expressão "cidadão de papel"?
  4. 4. "É um cidadão que usufrui uma cidadania aparente denominada cidadania de papel. A verdadeira democracia implica na conquista e efetividade dos direitos sociais, políticos e civis, caso contrário, a cidadania permanece inerte no papel. A cidadania de papel, portanto, surge com o desrespeito aos direitos fundamentais do homem, com a falta de escolas, com a migração, com a desnutrição, com o desemprego e com a pobreza". Direitos sociais: educação, saúde, alimentação, trabalho, previdência, proteção à infância e à maternidade... Direitos políticos: Constitui as regras referente ao processo político do país, voto, candidatar-se a cargo eletivo, cobrar transparência... Direitos civis: liberdade individual, direito de ir e vir, de expressão...
  5. 5. Consolidando o conhecimento... Vimos através do vídeo, que existem vários indivíduos que compõem a nossa sociedade que se enquadram perfeitamente no conceito de “Cidadão de papel” de Gilberto Dimenstein. Esses indivíduos estão constantemente sendo privados dos seus direitos , principalmente aqueles garantidos pela Declaração Universal dos Direitos Humanos. Escolha um desses indivíduos ou grupos sociais e relacione quais dos direitos prescritos na DUDH estão sendo infringidos, os caracterizando como “Cidadãos de papel”.
  6. 6. Aula2- CIDADÃO DE PAPEL Consolidando o conceito Construção de um quadro comparativo entre o conceito de cidadão de papel de Gilberto Dimenstein e o cidadão de verdade apreendido pelo grupo de estudo. Atividade em grupo. Síntese e exposição da proposta pedagógica. Gilberto Dimenstein - "O Cidadão de papel - a infância, a adolescência e os direitos humanos no Brasil"
  7. 7. Exibir o vídeo do pinóquio ou fazer um rápido relato oral da estória, relacionando-o com o cidadão de papel Problematizando à estória. Qual a relação entre o pinóquio e o cidadão de papel de Dimenstein? Vocês recordam de alguma situação em que se sentiram como um boneco de cordões/marionete?Como foi? Há pessoas que tratam/manipulam os outros como se fossem bonecos controlados por cordões? Por quê? Em que situações?
  8. 8. Dando continuidade, Organizem-se em grupos e façam a seguinte proposta: Na história, Gepeto construiu um boneco de madeira, mas agora cada grupo deverá criar um boneco que represente o "Cidadão de papel". Troquem idéias, usem e abusem da criatividade para construir o boneco de papel! Em seguida, cada grupo compartilha e comenta acerca de sua produção, esclarecendo sobre os aspectos que caracterizam o "cidadão de papel". Fotografe os bonecos criados por cada grupo. Após este momento, desafie os grupos a fazer transformações nos bonecos de papel, imaginando que eles estão se tornando "bonecos de verdade", ou seja, "verdadeiros cidadãos". Abra espaço para que cada grupo mostre o boneco com as transformações feitas, justificando-as. Novamente, fotografe os bonecos recriados e providencie, se possível, a impressão/revelação das fotos tiradas nos dois momentos. Usaremos os desenhos na próxima aula, quando montaremos um quadro comparativo.
  9. 9. Aula3- CIDADÃO DE PAPEL Consolidando o conceito Construção de um quadro comparativo entre o conceito de cidadão de papel de Gilberto Dimenstein e o cidadão de verdade apreendido pelo grupo de estudo. Atividade em grupo. Síntese e exposição da proposta pedagógica. Gilberto Dimenstein - "O Cidadão de papel - a infância, a adolescência e os direitos humanos no Brasil"
  10. 10. Cada grupo deverá preencher o quadro-síntese abaixo, de acordo com o que foi vivenciado e discutido durante a aula: CIDADÃO DE PAPEL VERDADEIRO CIDADÃO COLAR FOTO COLAR FOTO SER "CIDADÃO DE PAPEL" SIGNIFICA... SER "VERDADEIRO CIDADÃO" SIGNIFICA... REGISTREM UMA SITUAÇÃO EM QUE AS PESSOAS AGIRAM COMO "CIDADÃOS DE PAPEL" REGISTREM UMA SITUAÇÃO EM QUE AS PESSOAS AGIRAM COMO "VERDADEIROS CIDADÃOS"
  11. 11. CIDADÃO DE PAPEL VERDADEIRO CIDADÃO Ser Cidadão de papel, significa ser uma pessoa sem estudo, sem conhecimento. Ser um verdadeiro cidadão é ser uma pessoa com conhecimento, sábio. Charles e Ueder – Colégio Estadual Iracema Nader.
  12. 12. CIDADÃO DE PAPEL VERDADEIRO CIDADÃO Taynara, Luis Henrique ... Colégio Estadual Roselândia
  13. 13. CIDADÃO DE PAPEL VERDADEIRO CIDADÃO Ser cidadão de papel significa não saber dos seus direitos e deixar ser manipulado pelo governo. Quando se vendem por dinheiro “O voto comprado”. Ser um verdadeiro cidadão significa reconhecer e lutar pelos seus direitos e não deixar ser manipulado em nenhum tipo de situação. Quando fazem protesto. Articulam movimentos para baixar as passagens de ônibus. Sabrina, Mariana... – Colégio Estadual Roselândia
  14. 14. CIDADÃO DE PAPEL VERDADEIRO CIDADÃO Ser um cidadão de papel é aquele que não aparece, que não reage, não tem força própria. Quando a pessoa é injustiçada e é inocente e não sabe o caminho tomar. Ser um verdadeiro cidadão é aquele que corre atrás de seus direitos, conhece as leis. As manifestações para reivindicar seus direitos.
  15. 15. CIDADÃO DE PAPEL VERDADEIRO CIDADÃO Ser cidadão de papel é ser invisível na sociedade, não ter opinião própria e até mesmo não lutar pelos seus direitos de cidadão como o voto, direitos trabalhistas e outros. Quando o governo abaixa ou aumenta a passagem e nós cidadãos nos acomodamos e deixamos do jeito deles. Ser um verdadeiro cidadão é ter direito aos seus votos, poder lutar pelos seus direitos, ser reconhecido na sociedade, ter a sua liberdade. As manifestações para o direito de abaixar o custo da passagem. Vinicius, Paulo Vitor, João Inácio, Alexander, Maria – Colégio Estadual Iracema Nader
  16. 16. CIDADÃO DE PAPEL VERDADEIRO CIDADÃO Maria de Fátima, Melissa, Caroline, Luis Gustavo, Vanessa – Colégio Estadual Iracema Nader.
  17. 17. CIDADÃO DE PAPEL VERDADEIRO CIDADÃO Ser um cidadão de papel é aquele que não conhece e não corre atrás dos seus direitos. Um cidadão de papel é aquele que vende o voto. Ser um verdadeiro cidadão é aquele que reivindica seus direitos e que tem um papel fundamental na sociedade em várias coisas, como por exemplo no voto consciente. Participar de manifestação a favor da população é uma forma de agir como verdadeiro cidadão. João Lucas, Rodrigo, Marilza, Eduarda, Thamires, Jean, William – C.E.Iracema Nader.
  18. 18. CIDADÃO DE PAPEL VERDADEIRO CIDADÃO Ser um cidadão de papel é viver sem saber dos seus direitos e ser manipulado sem perceber. Uma pessoa aceitar qualquer coisa em troca de seu voto. Ser um verdadeiro cidadão é saber seus direitos e cumprir com seus deveres. Dar seu voto ao candidato de sua confiança sem ganhar nada em troca.
  19. 19. CIDADÃO DE PAPEL VERDADEIRO CIDADÃO
  20. 20. CIDADÃO DE PAPEL VERDADEIRO CIDADÃO Ser cidadão de papel significa ter de uma certa forma o poder nas mãos e ao mesmo tempo não saber adquiri-lo com sabedoria, pois existem leis que nos defende mas não sabemos colocar em prática por causa do mal conhecimento dos direitos de um cidadão. Ser um verdadeiro cidadão é ter conhecimento das leis e direitos de um cidadão para saber utilizá-las de forma correta, mas não só em pensamentos e palavras, mas sim em atitudes.
  21. 21. CIDADÃO DE PAPEL VERDADEIRO CIDADÃO Ser um cidadão de papel é ser escravo da mídia. Ser influenciado por informações falsas e além de se deixar influenciar não buscar a verdade dos fatos. Achar que a nossa vida é uma “novela”. Ser um verdadeiro cidadão é se libertar da influência da mídia e expandir a mente para algo mais produtivo. Movimentos contra a corrupção, contra a péssima saúde e educação.
  22. 22. CIDADÃO DE PAPEL VERDADEIRO CIDADÃO Ser um cidadão de papel é ser uma pessoa praticamente invisível, que não tem a capacidade de expressar suas opiniões. Pessoas que trocam votos por mercadorias ou até mesmo dinheiro. Ser um verdadeiro cidadão é ter atitude, que a todo custo expressa suas opiniões e corre atrás de seus direitos. Pessoas que cumprem com suas obrigações.
  23. 23. CIDADÃO DE PAPEL VERDADEIRO CIDADÃO Ser um cidadão de papel é aquele que não tem direitos. Não tem moradia, não tem o que comer, vestir e não tem educação. Ser um verdadeiro cidadão é aquele que tem direitos. Que tem onde morar, comida, escola, uniforme, educação. Rogério e Sabrina – Colégio Estadual Iracema Nader.
  24. 24. CIDADÃO DE PAPEL VERDADEIRO CIDADÃO Cidadão de papel é aquele que não sabe dos seus direitos, que não luta por eles. Que sabe e não coloca em prática. O verdadeiro cidadão tem ideias fixas, sabe dos seus direitos, luta por eles. Aquele que questiona, que está conectado. Marília e Jenifer – Colégio Estadual Roselândia
  25. 25. CIDADÃO DE PAPEL VERDADEIRO CIDADÃO Luciane, Paula, Sara, Tainá, Ana paula – C. E. Roselândia
  26. 26. CIDADÃO DE PAPEL VERDADEIRO CIDADÃO Rosana, Luana, Vinicius e Marcelo – Colégio Estadual Roselândia
  27. 27. CIDADÃO DE PAPEL VERDADEIRO CIDADÃO Camila, Tatiana, Alisson, ... – C.E. Roselândia
  28. 28. CIDADÃO DE PAPEL VERDADEIRO CIDADÃO Bárbara, Gisele, Rafaela, Rodrigo – C. E. Roselândia
  29. 29. CIDADÃO DE PAPEL VERDADEIRO CIDADÃO Amanda, Ana Carolina e Larissa – C. E. Roselândia
  30. 30. O que o aluno poderá aprender com esta aula: -Levantar hipóteses sobre o significado da expressão “cidadão de papel” e comparar com a definição dada pelo autor. -Reconhecer a importância de exercer o seu papel de cidadão participativo, que conhece e luta por seus direitos na sociedade em que vive. - - Analisar situações práticas de cidadania ocorridas na escola e propor novas alternativas de ação, envolvendo a comunidade escolar. Referência bibliográfica: DIMENSTEIN, Glberto. O Cidadão de papel - a infância, a adolescência e os direitos humanos no Brasil. São Paulo:Ática, 22. ed., 2009.

×