SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
Baixar para ler offline
FORMAÇÃO CONTINUADA DE COORDENADORES PEDAGÓGICOSIV ENCONTRO  – 03 e 04/05/11 EDUCAÇÃO INFANTIL – VESPERTINO Formadoras: Ana Rita & Luciana
AGENDA 03 e 04/05/11 ,[object Object],Refletir sobre a importância da psicomotricidade na educação infantil; Organizar uma situação de aprendizagem para o desenvolvimento da consciência corporal na educação infantil; Analisar uma sequência didática de movimento, dando sugestões para a sua ampliação.
Leitura em voz alta: ,[object Object],	 livros”, de Léo Cunha ,[object Object],	Nunes (coordenadora Ângela) e “Amor materno” (coordenadora Cecília) Reflexão sobre a contribuição da psicomotricidade para o planejamento e realização de boas atividades de movimento nas escolas de educação infantil
[object Object]
Ampliação Cultural:	exibição do vídeo: “O Livro e  	seus escritores”
LEITURA EM VOZ ALTA
UM PAÍS SE FAZ COM SAPATOS E LIVROS Outro dia, numa palestra, eu escutei uma frase genial do Pedro Bandeira, aquele escritor que você deve estar cansado de conhecer. É, aquele mesmo dos Karas, da Feiurinha e outros tantos livros. Pois bem: o Pedro estava num colégio carérrimo e chiquérrimo de São Paulo quando uma madame veio reclamar do preço dos livros. Nosso caro escritor - carérrimo, segundo a madame - olhou pros filhos dela e viu que os dois estavam de tênis importado. Então o Pedro – que apesar do nome, não costuma dar bandeira – virou pra ela e soltou a seguinte frase: “Ô, minha senhora, não é o livro que é caro. É a senhora que prefere investir no pé do que na cabeça dos seus filhos”.
O auditório aplaudiu de pé aquela história. Palmas, gritos, gargalhadas. Eu, disfarçadamente, olhei pra baixo pra ver se não estava calçando meu bom e velho Nike branco. Não tenho a menor intenção de fazer propaganda pra ninguém, pelo contrário: não perco uma chance de comentar aquelas acusações que a Nike vive recebendo, de explorar o trabalho infantil na Ásia. Mas não posso negar que me bateu um sentimento de culpa ao escutar aquela frase. Felizmente eu estava calçando um discretíssimo mocassim preto, então pude aplaudir com mais entusiasmo a tirada do Pedro.Tirada, aliás, que me fez lembrar um caso divertido da minha infância. Foi no início da década de 80, eu e minha irmã estávamos entrando na adolescência e estudávamos num grande colégio de BH.
Um dia, estávamos em casa quando a mãe de um colega da minha irmã bateu a campainha. Abrimos a janela e vimos a tal senhora debruçada sobre o portão, em lágrimas. Pronto, morreu alguém!, pensamos logo. Mas não. A coitada começou a explicar, aos soluços: “Eu não estou dando conta dos meus serviçais, eles não param de brigar!”. Juro, foi assim que ela falou: “meus serviçais”. Se eu me lembro bem, a casa dessa senhora era imensa e ocupava quase um quarteirão. Para manter o castelo em ordem, ela precisava de pelo menos uns oito “serviçais”. Era aí que o negócio complicava, pois controlar tanta gente se mostrava uma tarefa árdua, que exigia muito preparo e psicologia. Ficamos muito consternados com a pobrezinha, ela agradeceu o apoio moral, mas completou que esse não era o motivo da visita. O que era então? E foi aí que veio a bomba. O colégio tinha mandado os meninos lerem um livro assim assim (esqueci o título) e ela queria saber se minha irmã já tinha terminado, pra poder emprestar pro filho dela!
Minha mãe ficou congelada, não sabia se tinha ouvido direito. Então quer dizer que a madame podia contratar oito serviçais pra se engalfinharem e não podia comprar um livro, um mísero livro, coitadinho, que nunca brigou com ninguém? Minha mãe era livreira, professora, escrevia resenhas para a imprensa e tinha uma biblioteca imensa, inclusive com alguns livros repetidos. Deve ser por isso que, se não me falha a memória, nós não apenas emprestamos, como demos o livro para a mulher.
A frase do Pedro Bandeira completa perfeitamente o caso, e vice-versa. Ninguém está negando que o livro, ou alguns livros, poderiam ser mais baratos, mas de que adianta baixar o preço do produto se nós não dermos valor a ele, se ele não for importante em nossas vidas? Se a gente prefere entrar numa sapataria e investir no pé de nossos filhos. Se a gente entra num McDonald’s da vida e pede pelo número, pede pelo número deixando as letras para depois, ou para nunca. MANUAL DE DESCULPAS ESFARRAPADAS - CASOS DE HUMOR, de Léo Cunha, Editora FTD -
Estudo do texto: A importância da Psicomotricidade na Educação Infantil. Andréia Beatriz da Silva e Patrícia Ferreira Bianchini Borges Figura 1. Desenho representativo do esquema corporal do aluno Vicente no início do ano.  Figura 2. Desenho representativo do esquema corporal do aluno Vicente, no final do ano.
Figura 3. Tentativa de escrita do próprio nome, feita pela aluna Jéssica, no início do ano.  Figura 4. Escrita do próprio nome, feita pela aluna Jéssica, no final do ano.
Figura 5. Tentativa de escrita do próprio nome, feita pela aluna Jenniffer, no início do ano.  Figura 6. Escrita do próprio nome, feita pela aluna Jenniffer, no final do ano.
Figura 7. Tentativa de escrita do próprio nome, feita pela aluna Laysa, no início do ano.  Figura 8. Escrita do próprio nome, feita pela aluna Laysa, no final do ano.
CONTRIBUIÇÕES  DA  PSICOMOTRICIDADE
PSICOMOTRICIDADE ,[object Object],“É uma ciência que tem como objeto de estudo o homem e suas relações consigo mesmo e com os outros, a partir do corpo – corpo enquanto veículo e recurso comunicativo, que permite através de seus movimentos expressar sentimentos e pensamentos.” “Educação dos movimentos, visando uma melhor utilização das capacidades psicofísicas do indivíduo, favorecendo o seu desenvolvimento integral.”
[object Object]
harmonizar os gestos;
integrar corpo, mente e 	afetividade; ,[object Object]
motivar o autoconhecimento e a aceitação de si mesmo;
prevenir dificuldades psicomotoras que tem reflexos na aprendizagem escolar.,[object Object]
Surgiu na França, com o neuropsiquiatra Henry Dupré, no início do sec XX, com o propósito de entender as causas e os efeitos dos problemas motores ligados à maturação neurológica, como também determinadas debilidades mentais;
Inicialmente vinculada à area médica, considerava apenas o aspecto neurológico, deixando o aspecto afetivo e ambiental em segundo plano. Suas investigações eram feitas através de testes padronizados (psicomotricidade funcional). ,[object Object]
A partir da década de 80, na França, surge a psicomotricidade relacional, abandonando as atividades dirigidas, quando o jogo, no sentido de brincar, toma lugar de destaque. Seus principais representantes são Lapierre e Aucouturrier;
No Brasil, Airton Negrine (2002) adaptou essa alternativa para a nossa realidade.,[object Object],[object Object]
Corpo percebido (3 a 7 anos): nessa etapa ocorre a estruturação do esquema corporal, devido à maturação da função de interiorização, que a auxilia a desenvolver a percepção centrada em seu próprio corpo.,[object Object],[object Object]
Fina: envolve a capacidade de controlar os pequenos feixes musculares para exercícios que requerem habilidades de pressão e preensão, como perfuração, recorte, colagem, encaixe, modelagem, enfiagem, escrita, desenho, pintura, dentre outras. Pressupõe coordenação óculo-manual.,[object Object]
SUGESTÕES DE ATIVIDADES ,[object Object]
Brincadeiras na caixa de areia, encher e esvaziar, abrir e fechar potes, brincadeiras espontâneas de exploração do meio, montar um percurso, solicitando que imaginem cada objeto como um elemento da natureza, para que desenvolvam o componente simbólico;

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Oficina 3 avaliar, registrar e refletir as práticas docentes e o desenvolvim...
Oficina 3  avaliar, registrar e refletir as práticas docentes e o desenvolvim...Oficina 3  avaliar, registrar e refletir as práticas docentes e o desenvolvim...
Oficina 3 avaliar, registrar e refletir as práticas docentes e o desenvolvim...Rosicler Casal Bueno Cardoso
 
Ludicidade
LudicidadeLudicidade
LudicidadeGislaine
 
Organização do tempo e do espaço escolar
Organização do tempo e do espaço escolarOrganização do tempo e do espaço escolar
Organização do tempo e do espaço escolarThiago Cellin Duarte
 
Concepçâo de infancia
Concepçâo de infanciaConcepçâo de infancia
Concepçâo de infanciaJaisna Luara
 
Avaliação na educação infantil
Avaliação na educação infantilAvaliação na educação infantil
Avaliação na educação infantilFátima Regina
 
Resolução 05 2009 DCNEI Profª. BEATRIZ DORNELAS
Resolução 05 2009 DCNEI Profª. BEATRIZ DORNELASResolução 05 2009 DCNEI Profª. BEATRIZ DORNELAS
Resolução 05 2009 DCNEI Profª. BEATRIZ DORNELASBeatriz Dornelas
 
Literatura Infantil Slides
Literatura Infantil   SlidesLiteratura Infantil   Slides
Literatura Infantil Slidesestercotrim
 
Metodologia da educação infantil
Metodologia da educação infantilMetodologia da educação infantil
Metodologia da educação infantilMarília Bogéa
 
Avaliação na educação infantil novo
Avaliação na educação infantil novoAvaliação na educação infantil novo
Avaliação na educação infantil novoPedagogo Santos
 
Um pouquinho sobre Educação Infantil
Um pouquinho sobre Educação InfantilUm pouquinho sobre Educação Infantil
Um pouquinho sobre Educação InfantilLene Reis
 
Brinquedos e brincadeiras na educação infantil
Brinquedos e brincadeiras na educação infantilBrinquedos e brincadeiras na educação infantil
Brinquedos e brincadeiras na educação infantilSimoneHelenDrumond
 
CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS
CONTAÇÃO DE HISTÓRIASCONTAÇÃO DE HISTÓRIAS
CONTAÇÃO DE HISTÓRIASPedagogo Santos
 

Mais procurados (20)

Ludicidade
LudicidadeLudicidade
Ludicidade
 
Oficina 3 avaliar, registrar e refletir as práticas docentes e o desenvolvim...
Oficina 3  avaliar, registrar e refletir as práticas docentes e o desenvolvim...Oficina 3  avaliar, registrar e refletir as práticas docentes e o desenvolvim...
Oficina 3 avaliar, registrar e refletir as práticas docentes e o desenvolvim...
 
Ludicidade
LudicidadeLudicidade
Ludicidade
 
Organização do tempo e do espaço escolar
Organização do tempo e do espaço escolarOrganização do tempo e do espaço escolar
Organização do tempo e do espaço escolar
 
Concepçâo de infancia
Concepçâo de infanciaConcepçâo de infancia
Concepçâo de infancia
 
Educação Infantil
Educação InfantilEducação Infantil
Educação Infantil
 
EDUCAÇÃO INFANTIL
EDUCAÇÃO INFANTILEDUCAÇÃO INFANTIL
EDUCAÇÃO INFANTIL
 
Avaliação na educação infantil
Avaliação na educação infantilAvaliação na educação infantil
Avaliação na educação infantil
 
Resolução 05 2009 DCNEI Profª. BEATRIZ DORNELAS
Resolução 05 2009 DCNEI Profª. BEATRIZ DORNELASResolução 05 2009 DCNEI Profª. BEATRIZ DORNELAS
Resolução 05 2009 DCNEI Profª. BEATRIZ DORNELAS
 
Literatura Infantil Slides
Literatura Infantil   SlidesLiteratura Infantil   Slides
Literatura Infantil Slides
 
Metodologia da educação infantil
Metodologia da educação infantilMetodologia da educação infantil
Metodologia da educação infantil
 
Literatura infantil Adriano
Literatura infantil AdrianoLiteratura infantil Adriano
Literatura infantil Adriano
 
Diretrizes curriculares para a educação infantil
Diretrizes curriculares para a educação infantilDiretrizes curriculares para a educação infantil
Diretrizes curriculares para a educação infantil
 
Avaliação na educação infantil novo
Avaliação na educação infantil novoAvaliação na educação infantil novo
Avaliação na educação infantil novo
 
Um pouquinho sobre Educação Infantil
Um pouquinho sobre Educação InfantilUm pouquinho sobre Educação Infantil
Um pouquinho sobre Educação Infantil
 
Educação Infantil
Educação InfantilEducação Infantil
Educação Infantil
 
BNCC EDUCAÇÃO INFANTIL
BNCC EDUCAÇÃO INFANTILBNCC EDUCAÇÃO INFANTIL
BNCC EDUCAÇÃO INFANTIL
 
Brinquedos e brincadeiras na educação infantil
Brinquedos e brincadeiras na educação infantilBrinquedos e brincadeiras na educação infantil
Brinquedos e brincadeiras na educação infantil
 
Org do tempo e espaço
Org do tempo e espaçoOrg do tempo e espaço
Org do tempo e espaço
 
CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS
CONTAÇÃO DE HISTÓRIASCONTAÇÃO DE HISTÓRIAS
CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS
 

Semelhante a Formação de coordenadores

Henri wallon movimento psto_lgg
Henri wallon movimento psto_lggHenri wallon movimento psto_lgg
Henri wallon movimento psto_lggJamile Nascimento
 
Trabalho de organizacao e metodologia da educacao infantil
Trabalho de organizacao e metodologia da educacao infantilTrabalho de organizacao e metodologia da educacao infantil
Trabalho de organizacao e metodologia da educacao infantilAnny Caroline Hoffmeister
 
Henri wallon - AFETIVIDADE
Henri wallon - AFETIVIDADEHenri wallon - AFETIVIDADE
Henri wallon - AFETIVIDADEAclecio Dantas
 
Impressões "Interação"
Impressões "Interação"Impressões "Interação"
Impressões "Interação"Carina
 
Aprendizagemdaleituraeescrita 140727083154-phpapp01
Aprendizagemdaleituraeescrita 140727083154-phpapp01Aprendizagemdaleituraeescrita 140727083154-phpapp01
Aprendizagemdaleituraeescrita 140727083154-phpapp01ERILENE OLIVEIRA
 
Teologia da educação cristã
Teologia da educação cristã  Teologia da educação cristã
Teologia da educação cristã Jose Ventura
 
Além do sentido e do significado
Além do sentido e do significadoAlém do sentido e do significado
Além do sentido e do significadoguestf01653
 
CARTA DE UM ADOLESCENTE: A QUESTÃO DO SUJEITO
CARTA DE UM ADOLESCENTE: A QUESTÃO DO SUJEITOCARTA DE UM ADOLESCENTE: A QUESTÃO DO SUJEITO
CARTA DE UM ADOLESCENTE: A QUESTÃO DO SUJEITOsilbartilotti
 
Aprendizagemdaleituraeescrita 140727083154-phpapp01
Aprendizagemdaleituraeescrita 140727083154-phpapp01Aprendizagemdaleituraeescrita 140727083154-phpapp01
Aprendizagemdaleituraeescrita 140727083154-phpapp01ERILENE OLIVEIRA
 
Dialnet o brincar-umapercepcao-3694660
Dialnet o brincar-umapercepcao-3694660Dialnet o brincar-umapercepcao-3694660
Dialnet o brincar-umapercepcao-3694660Leandro (Inpes-Uscs)
 
Sequência 16 as fases da vida - relação entre família e sociedade
Sequência 16   as fases da vida - relação entre família e sociedadeSequência 16   as fases da vida - relação entre família e sociedade
Sequência 16 as fases da vida - relação entre família e sociedadePibid-Letras Córdula
 
Psicomotricidade e Aprendizagem
Psicomotricidade e AprendizagemPsicomotricidade e Aprendizagem
Psicomotricidade e Aprendizagemfulviafosco
 
Mathew Lipman, Ann Margaret Sharp e outros - Filosofia para Crianças.pdf
Mathew Lipman, Ann Margaret Sharp e outros - Filosofia para Crianças.pdfMathew Lipman, Ann Margaret Sharp e outros - Filosofia para Crianças.pdf
Mathew Lipman, Ann Margaret Sharp e outros - Filosofia para Crianças.pdfElizabete Vidal
 
2014 uel bio_pdp_daniele_fernanda_costa
2014 uel bio_pdp_daniele_fernanda_costa2014 uel bio_pdp_daniele_fernanda_costa
2014 uel bio_pdp_daniele_fernanda_costaCátia Dias
 

Semelhante a Formação de coordenadores (20)

Formação Continuada Coordenadores Pedagógicos 3
Formação Continuada Coordenadores Pedagógicos 3Formação Continuada Coordenadores Pedagógicos 3
Formação Continuada Coordenadores Pedagógicos 3
 
Henri wallon movimento psto_lgg
Henri wallon movimento psto_lggHenri wallon movimento psto_lgg
Henri wallon movimento psto_lgg
 
Trabalho de organizacao e metodologia da educacao infantil
Trabalho de organizacao e metodologia da educacao infantilTrabalho de organizacao e metodologia da educacao infantil
Trabalho de organizacao e metodologia da educacao infantil
 
Henri wallon - AFETIVIDADE
Henri wallon - AFETIVIDADEHenri wallon - AFETIVIDADE
Henri wallon - AFETIVIDADE
 
Impressões "Interação"
Impressões "Interação"Impressões "Interação"
Impressões "Interação"
 
Aprendizagemdaleituraeescrita 140727083154-phpapp01
Aprendizagemdaleituraeescrita 140727083154-phpapp01Aprendizagemdaleituraeescrita 140727083154-phpapp01
Aprendizagemdaleituraeescrita 140727083154-phpapp01
 
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil
 
Teologia da educação cristã
Teologia da educação cristã  Teologia da educação cristã
Teologia da educação cristã
 
Além do sentido e do significado
Além do sentido e do significadoAlém do sentido e do significado
Além do sentido e do significado
 
Jean Piaget.pptx
Jean Piaget.pptxJean Piaget.pptx
Jean Piaget.pptx
 
Jean Piaget.pptx
Jean Piaget.pptxJean Piaget.pptx
Jean Piaget.pptx
 
CARTA DE UM ADOLESCENTE: A QUESTÃO DO SUJEITO
CARTA DE UM ADOLESCENTE: A QUESTÃO DO SUJEITOCARTA DE UM ADOLESCENTE: A QUESTÃO DO SUJEITO
CARTA DE UM ADOLESCENTE: A QUESTÃO DO SUJEITO
 
Aprendizagemdaleituraeescrita 140727083154-phpapp01
Aprendizagemdaleituraeescrita 140727083154-phpapp01Aprendizagemdaleituraeescrita 140727083154-phpapp01
Aprendizagemdaleituraeescrita 140727083154-phpapp01
 
Dialnet o brincar-umapercepcao-3694660
Dialnet o brincar-umapercepcao-3694660Dialnet o brincar-umapercepcao-3694660
Dialnet o brincar-umapercepcao-3694660
 
Sequência 16 as fases da vida - relação entre família e sociedade
Sequência 16   as fases da vida - relação entre família e sociedadeSequência 16   as fases da vida - relação entre família e sociedade
Sequência 16 as fases da vida - relação entre família e sociedade
 
Psicomotricidade e Aprendizagem
Psicomotricidade e AprendizagemPsicomotricidade e Aprendizagem
Psicomotricidade e Aprendizagem
 
Mathew Lipman, Ann Margaret Sharp e outros - Filosofia para Crianças.pdf
Mathew Lipman, Ann Margaret Sharp e outros - Filosofia para Crianças.pdfMathew Lipman, Ann Margaret Sharp e outros - Filosofia para Crianças.pdf
Mathew Lipman, Ann Margaret Sharp e outros - Filosofia para Crianças.pdf
 
Aprendizagem da leitura e escrita
Aprendizagem da leitura e escritaAprendizagem da leitura e escrita
Aprendizagem da leitura e escrita
 
Filósofos
FilósofosFilósofos
Filósofos
 
2014 uel bio_pdp_daniele_fernanda_costa
2014 uel bio_pdp_daniele_fernanda_costa2014 uel bio_pdp_daniele_fernanda_costa
2014 uel bio_pdp_daniele_fernanda_costa
 

Mais de Blog Amiga da Pedagogia By Nathália

O aluno e o professor como pessoas: conhecendo o professor (Parte 2)
O aluno e o professor como pessoas: conhecendo o professor (Parte 2)O aluno e o professor como pessoas: conhecendo o professor (Parte 2)
O aluno e o professor como pessoas: conhecendo o professor (Parte 2)Blog Amiga da Pedagogia By Nathália
 

Mais de Blog Amiga da Pedagogia By Nathália (20)

Formação Continuada Coordenadores Pedagógicos 2
Formação Continuada Coordenadores Pedagógicos 2Formação Continuada Coordenadores Pedagógicos 2
Formação Continuada Coordenadores Pedagógicos 2
 
Formação Continuada Coordenadores Pedagógicos 1
Formação Continuada Coordenadores Pedagógicos 1Formação Continuada Coordenadores Pedagógicos 1
Formação Continuada Coordenadores Pedagógicos 1
 
Plano de ação para coordenação pedagógica
Plano de ação para coordenação pedagógicaPlano de ação para coordenação pedagógica
Plano de ação para coordenação pedagógica
 
O aluno e o professor como pessoas: conhecendo o professor (Parte 2)
O aluno e o professor como pessoas: conhecendo o professor (Parte 2)O aluno e o professor como pessoas: conhecendo o professor (Parte 2)
O aluno e o professor como pessoas: conhecendo o professor (Parte 2)
 
O aluno e o professor como pessoas: conhecendo o aluno (Parte 1)
O aluno e o professor como pessoas: conhecendo o aluno (Parte 1)O aluno e o professor como pessoas: conhecendo o aluno (Parte 1)
O aluno e o professor como pessoas: conhecendo o aluno (Parte 1)
 
Auto-estima do professor
Auto-estima do professorAuto-estima do professor
Auto-estima do professor
 
Refletindo sobre supervisão e currículo
Refletindo sobre supervisão e currículoRefletindo sobre supervisão e currículo
Refletindo sobre supervisão e currículo
 
Educação: limites e afetividade, por Edileide Castro
Educação: limites e afetividade, por Edileide CastroEducação: limites e afetividade, por Edileide Castro
Educação: limites e afetividade, por Edileide Castro
 
Educador contagiante, por Fernando Diniz
Educador contagiante, por Fernando DinizEducador contagiante, por Fernando Diniz
Educador contagiante, por Fernando Diniz
 
Antonio Nóvoa_Palestra_professores_competentes_escola_qualidade
Antonio Nóvoa_Palestra_professores_competentes_escola_qualidadeAntonio Nóvoa_Palestra_professores_competentes_escola_qualidade
Antonio Nóvoa_Palestra_professores_competentes_escola_qualidade
 
Esquema o que no currículo está representado
Esquema o que no currículo está representadoEsquema o que no currículo está representado
Esquema o que no currículo está representado
 
Marketing Educacional_PESQUISA DE MARKETING COMO FERRAMENTA
Marketing Educacional_PESQUISA DE MARKETING COMO FERRAMENTAMarketing Educacional_PESQUISA DE MARKETING COMO FERRAMENTA
Marketing Educacional_PESQUISA DE MARKETING COMO FERRAMENTA
 
A gestão participativa
A gestão participativaA gestão participativa
A gestão participativa
 
Aula sobre bullying observatoriodainfancia
Aula sobre bullying observatoriodainfanciaAula sobre bullying observatoriodainfancia
Aula sobre bullying observatoriodainfancia
 
Perfil do professor do futuro
Perfil do professor do futuroPerfil do professor do futuro
Perfil do professor do futuro
 
Currículo escolar
Currículo escolarCurrículo escolar
Currículo escolar
 
A prática educacional do pedagogo
A prática educacional do pedagogoA prática educacional do pedagogo
A prática educacional do pedagogo
 
Tecnologia educacional: O rádio
Tecnologia educacional: O rádioTecnologia educacional: O rádio
Tecnologia educacional: O rádio
 
Gestão escolar
Gestão escolarGestão escolar
Gestão escolar
 
A memória
A  memóriaA  memória
A memória
 

Último

Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 

Último (20)

Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 

Formação de coordenadores

  • 1. FORMAÇÃO CONTINUADA DE COORDENADORES PEDAGÓGICOSIV ENCONTRO – 03 e 04/05/11 EDUCAÇÃO INFANTIL – VESPERTINO Formadoras: Ana Rita & Luciana
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5. Ampliação Cultural: exibição do vídeo: “O Livro e seus escritores”
  • 7. UM PAÍS SE FAZ COM SAPATOS E LIVROS Outro dia, numa palestra, eu escutei uma frase genial do Pedro Bandeira, aquele escritor que você deve estar cansado de conhecer. É, aquele mesmo dos Karas, da Feiurinha e outros tantos livros. Pois bem: o Pedro estava num colégio carérrimo e chiquérrimo de São Paulo quando uma madame veio reclamar do preço dos livros. Nosso caro escritor - carérrimo, segundo a madame - olhou pros filhos dela e viu que os dois estavam de tênis importado. Então o Pedro – que apesar do nome, não costuma dar bandeira – virou pra ela e soltou a seguinte frase: “Ô, minha senhora, não é o livro que é caro. É a senhora que prefere investir no pé do que na cabeça dos seus filhos”.
  • 8. O auditório aplaudiu de pé aquela história. Palmas, gritos, gargalhadas. Eu, disfarçadamente, olhei pra baixo pra ver se não estava calçando meu bom e velho Nike branco. Não tenho a menor intenção de fazer propaganda pra ninguém, pelo contrário: não perco uma chance de comentar aquelas acusações que a Nike vive recebendo, de explorar o trabalho infantil na Ásia. Mas não posso negar que me bateu um sentimento de culpa ao escutar aquela frase. Felizmente eu estava calçando um discretíssimo mocassim preto, então pude aplaudir com mais entusiasmo a tirada do Pedro.Tirada, aliás, que me fez lembrar um caso divertido da minha infância. Foi no início da década de 80, eu e minha irmã estávamos entrando na adolescência e estudávamos num grande colégio de BH.
  • 9. Um dia, estávamos em casa quando a mãe de um colega da minha irmã bateu a campainha. Abrimos a janela e vimos a tal senhora debruçada sobre o portão, em lágrimas. Pronto, morreu alguém!, pensamos logo. Mas não. A coitada começou a explicar, aos soluços: “Eu não estou dando conta dos meus serviçais, eles não param de brigar!”. Juro, foi assim que ela falou: “meus serviçais”. Se eu me lembro bem, a casa dessa senhora era imensa e ocupava quase um quarteirão. Para manter o castelo em ordem, ela precisava de pelo menos uns oito “serviçais”. Era aí que o negócio complicava, pois controlar tanta gente se mostrava uma tarefa árdua, que exigia muito preparo e psicologia. Ficamos muito consternados com a pobrezinha, ela agradeceu o apoio moral, mas completou que esse não era o motivo da visita. O que era então? E foi aí que veio a bomba. O colégio tinha mandado os meninos lerem um livro assim assim (esqueci o título) e ela queria saber se minha irmã já tinha terminado, pra poder emprestar pro filho dela!
  • 10. Minha mãe ficou congelada, não sabia se tinha ouvido direito. Então quer dizer que a madame podia contratar oito serviçais pra se engalfinharem e não podia comprar um livro, um mísero livro, coitadinho, que nunca brigou com ninguém? Minha mãe era livreira, professora, escrevia resenhas para a imprensa e tinha uma biblioteca imensa, inclusive com alguns livros repetidos. Deve ser por isso que, se não me falha a memória, nós não apenas emprestamos, como demos o livro para a mulher.
  • 11. A frase do Pedro Bandeira completa perfeitamente o caso, e vice-versa. Ninguém está negando que o livro, ou alguns livros, poderiam ser mais baratos, mas de que adianta baixar o preço do produto se nós não dermos valor a ele, se ele não for importante em nossas vidas? Se a gente prefere entrar numa sapataria e investir no pé de nossos filhos. Se a gente entra num McDonald’s da vida e pede pelo número, pede pelo número deixando as letras para depois, ou para nunca. MANUAL DE DESCULPAS ESFARRAPADAS - CASOS DE HUMOR, de Léo Cunha, Editora FTD -
  • 12. Estudo do texto: A importância da Psicomotricidade na Educação Infantil. Andréia Beatriz da Silva e Patrícia Ferreira Bianchini Borges Figura 1. Desenho representativo do esquema corporal do aluno Vicente no início do ano. Figura 2. Desenho representativo do esquema corporal do aluno Vicente, no final do ano.
  • 13. Figura 3. Tentativa de escrita do próprio nome, feita pela aluna Jéssica, no início do ano. Figura 4. Escrita do próprio nome, feita pela aluna Jéssica, no final do ano.
  • 14. Figura 5. Tentativa de escrita do próprio nome, feita pela aluna Jenniffer, no início do ano. Figura 6. Escrita do próprio nome, feita pela aluna Jenniffer, no final do ano.
  • 15. Figura 7. Tentativa de escrita do próprio nome, feita pela aluna Laysa, no início do ano. Figura 8. Escrita do próprio nome, feita pela aluna Laysa, no final do ano.
  • 16. CONTRIBUIÇÕES DA PSICOMOTRICIDADE
  • 17.
  • 18.
  • 20.
  • 21. motivar o autoconhecimento e a aceitação de si mesmo;
  • 22.
  • 23. Surgiu na França, com o neuropsiquiatra Henry Dupré, no início do sec XX, com o propósito de entender as causas e os efeitos dos problemas motores ligados à maturação neurológica, como também determinadas debilidades mentais;
  • 24.
  • 25. A partir da década de 80, na França, surge a psicomotricidade relacional, abandonando as atividades dirigidas, quando o jogo, no sentido de brincar, toma lugar de destaque. Seus principais representantes são Lapierre e Aucouturrier;
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30. Brincadeiras na caixa de areia, encher e esvaziar, abrir e fechar potes, brincadeiras espontâneas de exploração do meio, montar um percurso, solicitando que imaginem cada objeto como um elemento da natureza, para que desenvolvam o componente simbólico;
  • 31. 4 anos ou mais:
  • 32. Brincadeiras que estimulem o faz-de-conta, a fantasia
  • 33. Outras:- Andar por um espaço amplo, saltar para todos os lados, rolar no solo, imitar animais, transpor obstáculos reais ou imaginários, realizar tarefas do cotidiano como pentear os cabelos, escovar os dentes, amarrar os sapatos, etc
  • 34. QUESTÕES PARA ANÁLISE DA SEQUÊNCIA DIDÁTICA A atividade está adequada para a faixa etária? A organização do espaço/tempo está em consonância com os objetivos? Os objetivos propostos são coerentes com o desenvolvimento da consciência corporal? Os encaminhamentos garantem o alcance dos objetivos? Foram pensadas variações para adaptação curricular? A seqüência atende a evolução de construção de conhecimentos? (levantamento de conhecimentos, conflito cognitivo, encadeamento de idéias)
  • 35. DISCUSSÃO SOBRE O TEXTO 1. A educação infantil deve priorizar atividades que permitam o desenvolvimento pleno da criança, não somente atividades intelectuais; 2. A aprendizagem da leitura e da escrita está relacionada às questões psicomotoras: posições das letras, localização da palavra no texto, margem, direção da escrita, ritmo, sons das letras, análise e síntese, etc. 3. Os exercícios psicomotores ajudam na prevenção das dificuldades do desenvolvimento inadequado do corpo
  • 36. 4. A estimulação do esquema corporal torna o corpo da criança como ponto de referência básico para a aprendizagem de todos os conceitos topológicos indispensáveis à alfabetização: noções de em cima, em baixo, na frente, atrás, esquerda, direita 5. A percepção auditiva é importante para a criança aprender a ler, pois necessita ter domínio do ritmo, sucessão de sons no tempo, memória auditiva, diferenciação de sons e o reconhecimento da frequência e da duração dos sons da palavras
  • 37. CONCEITOS PSICOMOTORES Esquema corporal Imagem corporal Lateralidade Estrutura espaço-temporal Coordenação global, fina e óculo manual
  • 38. Material produzido por Ana Rita de Oliveira Pires & Luciana Castelo Branco para o IV encontro de Formação Continuada de Coordenadores Pedagógicos da Ed. Infantil Vespertino – maio/ 2011 REFERÊNCIAS: BRASIL. Ministério da Educação e do desporto. Secretaria de educação Fundamental. Referencial curricular nacional para a educação infantil.- Brasília: MEC/SEF, 1998. Volume 3. GRASSI, Tânia Mara. Linguagem, comunicação e psicomotricidade: implicações no processo de aprendizagem.Curitiba: IBPEX, 2004. LOBO, Adelina Soares. VEGA, Eunice Helena Tamiosso. Educação motora infantil: orientações a partir das teorias construtivista, psicomotricista e desenvolvimentista motora. Caxias do Sul: EDUCS, 2010. LIMA, Sandra Vaz de. Psicomotricidade infantil: qualidade de vida envolvendo pensamento e ação. Disponível em  http://www.artigonal.com/ciencia-artigos/psicomotricidade-infantil-qualidade-de-vida-envolvendo-pensamento-e-acao-3333341.html SILVA, Andréia Beatriz da. BORGES, Patrícia Ferreira Bianchini. A importância da Psicomotricidade na Educação Infantil. Revista de Pedagogia Perspectivas em Educação. Edição n 03. Ano I. Agosto, 2008.