SlideShare uma empresa Scribd logo

Dentição canina e felina

Dentição canina e felina

1 de 12
Baixar para ler offline
Dentição Canina e Felina
Odontologia já é uma especialização em plena atividade na Medicina Veterinária. Vamos tentar descrever o
desenvolvimento e principais problemas que afetam os dentes dos cães e dos gatos.
Anatomia:
Cães e Gatos possuem fases de dentição decídua (de leite) e permanente. O tipo e o número de dentes em cada
fase obedece à fórmula:
- Cães:
Dentição decídua: (I 3/3; C 1/1; P 2/2; M 1/1) = 28 dentes
Dentição permanente: (I 3/3; C1/1; P 4/4; M 2/3) = 42 dentes
- Gatos: Dentição decídua: (I 3/3; C1/1; P3/2)= 26 dentes
Dentição permanente: (I 3/3; C1/1; P3/2, M1/1) = 28 dentes.
(*) I - Incisivos; C - Canino; P - Pré-molar; M - Molar 3/3- três em cima e três em baixo, porém apenas 01 lado
pois a fórmula já deduz que um lado é espelho do outro.
Tipos de Mordedura:
1- Mordedura em Tesoura: Tipo de mordedura mais comum. Neste caso os incisivos superiores sobrepõe-se aos
inferiores, de tal maneira que a face interna daqueles fica justaposta à face externa destes. É encontrada nas
maiorias das raças: cães pastores, cães de caça, cães nórdicos, etc... Caracteriza-se por ser mais suave e mais
segura.
2- Mordedura "em Torquês": nestes casos os incisisvos se tocam pelas suas bordas livres. Esta mordida
caracteriza-se por ser muito dilacerante mas é pouco segura. Aparece em alguns terriers (é necessário pelo tipo
de caça) e, também, em alguns braquicéfalos, devido ao encurtamento do focinho.
Quando os incisivos superiores e inferiores se distanciam muito, temos os chamados prognatismos. Os termos
prognatismo superior e inferior usados em cinofilia são inadequados mas, infelizmente, já estão consagrados mais
pelo uso.
3- O prognatismo superior (termo correto é retro ou braquignatismo, pois é a mandíbula que se retrai) é
sempre defeito.
4- O inferior, quando os incisivos inferiores ultrapassam os superiores tanto pode ser o tipo mordedura desejada,
como pode ser uma falta grave. Em vários braquicéfalos é a mordedura ideal ou pelo menos, permitida.
Desgaste natural:
É possível estimar a idade de um animal pela sua dentição. O cálculo é aproximado e sofre muita variação pela
raça e estilo de vida e alimentação :
1) Troca dos dentes:
Incisivo 1 - dentes de leite: 4 semanas - dentes definitivos: 5 meses;
Incisivo 2 - dentes de leite: 4 semanas - dentes definitivos: 5 meses
Incisivo 3 - dentes de leite: 5 semanas - dentes definitivos: 5 meses
Canino 1 - dentes de leite 4 semanas - dentes definitivos 5-6 meses
Pré-molar 1 - dentes de leite 4-8 semanas - dentes definitivos 5-6 meses
Pré-molar 2- dentes de leite 4-8 semanas - dentes definitivos 6 meses
Pré-molar 3 - dentes de leite 4-8 semanas - dentes definitivos 6 meses
Pré-molar 4 - dentes definitivos 4-5 meses
Molar 1 - dentes definitivos 5-6 meses
Molar 2 - dentes definitivos 6-7 meses
Molar 3 - dentes definitivos 6-7 meses
(*) Raças pequenas têm a troca dentária mais atrasada.
Quadro acima descreve desgaste natural dos dentes conforme a idade do cão.
Patologias mais comuns:
1) Tártaros: Também chamada de cálculo dentário, Doença Periodontal ou Periodontite é a placa
bacteriana com calcificação. No quadro a seguir você observa que o tártaro vai separando o
dente da gengiva perdendo sua estabilidade. As causas, além da predisposição individual à
patologia, incluem erro de manejo alimentar e desgaste irregular do esmalte dentário.
A remoção do tártaro só pode ser feita com aparelhos especiais e anestesia geral, pois o tártaro
subgengival também deve ser retirado.
A profilaxia é higiene bucal, porisso a escovação dentária não é um luxo e, sim, uma
necessidade.
2) Cáries: Não muito comum, mas alimentação com muito açúcar pode favorecer o
aparecimento dessa erosão no esmalte dentário provocado por bactérias. Na maioria das
vezes necessitando de tratamento endodôntico de canal.
Cárie dentária em carniceiro de canídeo. Note-se a solução de continuidade na face externa do dente, cujo esmalte se
encontra coberto por tártaro. Na zona da cárie a coloração é escura devido à oxidação do marfim exposto ao ar na sequência
do desaparecimento do esmalte.
3) Fraturas Dentárias: causadas por traumatismos ou mordidas em objetos duros.
Tratamento através de restauração.
4) Lesões Reabsortivas Odontoclásticas: Muito comum em gatos de mais de 07 anos de idade.
A causa ainda é idiopática (não conhecida detalhadamente) e o tratamento pode ser por restauração
no início da lesão, mas geralmente se faz a extração do dente acometido. A dor é sensivelmente
alta fazendo o animal fugir da comida apesar da fome. Lesões similares podem ocorrer no cão, mas
com frequência bem menor.
5) Permanência de Dentes Decíduos: Dentes-de-leite quando não caem naturalmente podem
causar acúmulo de sujeira entre os dentes caninos e até mudança (desvio) no crescimento normal
do dente permanente.
Escovação de Dentes:
à rigor a escovação só precisa começar depois da troca dos dentes, mas existe a necessidade de acostumar o
animal com o processo da escovação e, para isso, quanto mais cedo melhor. À seguir, um esquema para
ajudar na aceitação da higiene bucal por parte do seu pet:
Semana 1
Brinque com a escova por fora da boca. Esfregue-a na cabeça, focinho, orelhas como se fosse uma
brincadeira. Deixe o animalzinho morder a escova se ele quiser.
Semana 2
Comece a escovar o focinho e leve rapidamente para o interior da boca sem segurá-lo. Prefira horários em
que ele está mais calmo. Procure falar manso sem agitação e quando ele permitir a escova no interior da boca
mostre satisfação.
Semana 3
Comece a escovar os incisivos (dentes da frente) com movimentos suaves. Sempre demonstrando alegria
quando ele deixa a escovação seguir. Faça carinho antes e depois da escovação. Leve-o para passear, caso
tenha se comportado bem durante a escovação, como prêmio e incentivo.
Semana 4
Finalmente vamos para os dentes mais profundos. Sempre com paciência e carinho. Mais uma vez comece
sempre com carinho e demonstre a sua satisfação quando ele permite a manipulação da boca. Caso haja
necessidade, use uma pasta de dente específica para cães (dentrificios humanos são engolidos pelos animais
podendo causar problemas gástricos).
A Escovação dos dentes deve ser diária, se possível, mas o período mínimo para que seja eficaz seria a cada
03 dias (período em que a placa bacteriana se mineraliza). A limpeza de Tártaros não elimina a necessidade
de escovação, os tártaros retornam mesmo com uma limpeza bem feita.
Biscoitos e ossos sintéticos não eliminam a necessidade de escovação, aliás, sua ação é pequena na higiene
bucal. Ossos naturais ajudam a quebrar cálculos dentários mais avançados, mas podem fraturar os dentes.
Rações úmidas e semi-úmidas favorecem muito a formação dos tártaros, prefira as rações secas mesmo com
a periodontite já instalada.
A ação mecânica da escova é o principal na higiene bucal, produtos de limpeza dentária são apenas
coadjuvantes.
Bactérias instaladas nos tártaros podem invadir a circulação sanguinea e se instalar nos rins e coração,
provocando sérios problemas de saúde.
Vídeo de adestramento com "clicker" para escovação dos
dentes: http://www.youtube.com/watch?v=nhLI0JSzTY0&feature=BFa&list=UL78nWNqf8l2w&lf=mfu_in_order
Anúncio

Recomendados

Etiopatogenia da Osteoartrite Equina
Etiopatogenia da Osteoartrite EquinaEtiopatogenia da Osteoartrite Equina
Etiopatogenia da Osteoartrite EquinaPedro Augusto
 
[Medicina veterinaria] curso de odontologia veterinária
[Medicina veterinaria] curso de odontologia veterinária[Medicina veterinaria] curso de odontologia veterinária
[Medicina veterinaria] curso de odontologia veterináriaJesusCo1908
 
Cronometria dentaria de Equinos
Cronometria dentaria de EquinosCronometria dentaria de Equinos
Cronometria dentaria de EquinosKiller Max
 
Principais
afecções da cavidade oral de pequenos animais
Principais
afecções da cavidade oral  de pequenos animais Principais
afecções da cavidade oral  de pequenos animais
Principais
afecções da cavidade oral de pequenos animais Daniel Ferro
 
Casqueamento de Equinos
Casqueamento de EquinosCasqueamento de Equinos
Casqueamento de EquinosKiller Max
 
Sistema digestório Cães
Sistema digestório CãesSistema digestório Cães
Sistema digestório CãesHelena Amaral
 
Aula 1 Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Aula 1   Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e MensuraçõesAula 1   Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Aula 1 Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e MensuraçõesElaine
 
Tireoide ( Anatomia Veterinária)
 Tireoide ( Anatomia Veterinária) Tireoide ( Anatomia Veterinária)
Tireoide ( Anatomia Veterinária)Jacqueline Gomes
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 Anatomia - Osteologia veterinária
Aula 1 Anatomia - Osteologia veterináriaAula 1 Anatomia - Osteologia veterinária
Aula 1 Anatomia - Osteologia veterináriaJulia Berardo
 
Afecções da ATM dos gatos
Afecções da ATM dos gatosAfecções da ATM dos gatos
Afecções da ATM dos gatosDaniel Ferro
 
Apostila de Anatomia Veterinária I
Apostila de Anatomia Veterinária I Apostila de Anatomia Veterinária I
Apostila de Anatomia Veterinária I danthe05
 
Aula 2 Anatomia - Planos e Eixos
Aula 2 Anatomia -  Planos e EixosAula 2 Anatomia -  Planos e Eixos
Aula 2 Anatomia - Planos e EixosJulia Berardo
 
Exame clínico neurológico de cães pedro augusto cordeiro borges
Exame clínico neurológico de cães   pedro augusto cordeiro borgesExame clínico neurológico de cães   pedro augusto cordeiro borges
Exame clínico neurológico de cães pedro augusto cordeiro borgesPedro Augusto
 
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e GatosProtocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e GatosLeonora Mello
 
Bloqueios regionais e anestesia local para odontologia veterinária
Bloqueios regionais e anestesia local para odontologia veterináriaBloqueios regionais e anestesia local para odontologia veterinária
Bloqueios regionais e anestesia local para odontologia veterináriaDaniel Ferro
 
Necropsia e material diagnóstico - suínos
Necropsia e material diagnóstico - suínosNecropsia e material diagnóstico - suínos
Necropsia e material diagnóstico - suínosMarília Gomes
 
Principais doenças da visão e audição dos equinos
Principais doenças da visão e audição dos equinosPrincipais doenças da visão e audição dos equinos
Principais doenças da visão e audição dos equinosRayana França
 
Dermatofitose x dermatofilose
Dermatofitose x dermatofilose Dermatofitose x dermatofilose
Dermatofitose x dermatofilose iaavila
 
Topografia veterinária - cabeça
Topografia veterinária - cabeçaTopografia veterinária - cabeça
Topografia veterinária - cabeçaMarília Gomes
 
Exame clínico equinos
Exame clínico equinosExame clínico equinos
Exame clínico equinosMarcos Stopa
 
Topografia veterinária - abdômen
Topografia veterinária - abdômenTopografia veterinária - abdômen
Topografia veterinária - abdômenMarília Gomes
 
Caso Clínico Veterinário: Epilepsia Canina
Caso Clínico Veterinário: Epilepsia CaninaCaso Clínico Veterinário: Epilepsia Canina
Caso Clínico Veterinário: Epilepsia CaninaNatália Borges
 
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicosTopografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicosMarília Gomes
 
Ultrassonografia diagnóstica do sistema locomotor de equinos
Ultrassonografia diagnóstica do sistema locomotor de equinosUltrassonografia diagnóstica do sistema locomotor de equinos
Ultrassonografia diagnóstica do sistema locomotor de equinosPedro Augusto
 

Mais procurados (20)

Aula 1 Anatomia - Osteologia veterinária
Aula 1 Anatomia - Osteologia veterináriaAula 1 Anatomia - Osteologia veterinária
Aula 1 Anatomia - Osteologia veterinária
 
Afecções da ATM dos gatos
Afecções da ATM dos gatosAfecções da ATM dos gatos
Afecções da ATM dos gatos
 
Apostila de Anatomia Veterinária I
Apostila de Anatomia Veterinária I Apostila de Anatomia Veterinária I
Apostila de Anatomia Veterinária I
 
Aula 2 Anatomia - Planos e Eixos
Aula 2 Anatomia -  Planos e EixosAula 2 Anatomia -  Planos e Eixos
Aula 2 Anatomia - Planos e Eixos
 
Exame clínico neurológico de cães pedro augusto cordeiro borges
Exame clínico neurológico de cães   pedro augusto cordeiro borgesExame clínico neurológico de cães   pedro augusto cordeiro borges
Exame clínico neurológico de cães pedro augusto cordeiro borges
 
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e GatosProtocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
 
PapoVet - Neurofobias Clínicas
PapoVet - Neurofobias ClínicasPapoVet - Neurofobias Clínicas
PapoVet - Neurofobias Clínicas
 
Caso clínico
Caso clínicoCaso clínico
Caso clínico
 
Bloqueios regionais e anestesia local para odontologia veterinária
Bloqueios regionais e anestesia local para odontologia veterináriaBloqueios regionais e anestesia local para odontologia veterinária
Bloqueios regionais e anestesia local para odontologia veterinária
 
Necropsia e material diagnóstico - suínos
Necropsia e material diagnóstico - suínosNecropsia e material diagnóstico - suínos
Necropsia e material diagnóstico - suínos
 
Principais doenças da visão e audição dos equinos
Principais doenças da visão e audição dos equinosPrincipais doenças da visão e audição dos equinos
Principais doenças da visão e audição dos equinos
 
Dermatopatias Crônicas em Cães
Dermatopatias Crônicas em CãesDermatopatias Crônicas em Cães
Dermatopatias Crônicas em Cães
 
Dermatofitose x dermatofilose
Dermatofitose x dermatofilose Dermatofitose x dermatofilose
Dermatofitose x dermatofilose
 
Topografia veterinária - cabeça
Topografia veterinária - cabeçaTopografia veterinária - cabeça
Topografia veterinária - cabeça
 
Exame clínico equinos
Exame clínico equinosExame clínico equinos
Exame clínico equinos
 
Topografia veterinária - abdômen
Topografia veterinária - abdômenTopografia veterinária - abdômen
Topografia veterinária - abdômen
 
Caso Clínico Veterinário: Epilepsia Canina
Caso Clínico Veterinário: Epilepsia CaninaCaso Clínico Veterinário: Epilepsia Canina
Caso Clínico Veterinário: Epilepsia Canina
 
Exame fisico geral
Exame fisico geralExame fisico geral
Exame fisico geral
 
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicosTopografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
 
Ultrassonografia diagnóstica do sistema locomotor de equinos
Ultrassonografia diagnóstica do sistema locomotor de equinosUltrassonografia diagnóstica do sistema locomotor de equinos
Ultrassonografia diagnóstica do sistema locomotor de equinos
 

Destaque

Destaque (7)

Dermatite atópica canina + Relatório de Estágio Pré-Profissional
Dermatite atópica canina + Relatório de Estágio Pré-ProfissionalDermatite atópica canina + Relatório de Estágio Pré-Profissional
Dermatite atópica canina + Relatório de Estágio Pré-Profissional
 
Biologia e controle de serpentes peçonhentas
Biologia e controle de serpentes peçonhentasBiologia e controle de serpentes peçonhentas
Biologia e controle de serpentes peçonhentas
 
Primeiros socorros em cães e gatos
Primeiros socorros em cães e gatosPrimeiros socorros em cães e gatos
Primeiros socorros em cães e gatos
 
ANATOMIA CANINA
ANATOMIA CANINAANATOMIA CANINA
ANATOMIA CANINA
 
Anatomia Dental
Anatomia DentalAnatomia Dental
Anatomia Dental
 
Atlas osteológico de gato
Atlas osteológico de gatoAtlas osteológico de gato
Atlas osteológico de gato
 
Apostila completa anatomia veterinaria
Apostila completa anatomia veterinariaApostila completa anatomia veterinaria
Apostila completa anatomia veterinaria
 

Semelhante a Dentição canina e felina

Apostila da Especialidade de higiene oral
Apostila da Especialidade de  higiene oralApostila da Especialidade de  higiene oral
Apostila da Especialidade de higiene oralPaulo Silveira
 
Apostila da Especialidade de Higiene Oral
Apostila da Especialidade de  Higiene OralApostila da Especialidade de  Higiene Oral
Apostila da Especialidade de Higiene OralPaulo Silveira
 
Cuide dos seus dentes
Cuide dos seus dentesCuide dos seus dentes
Cuide dos seus dentesCLESIOANDRADE
 
Higiene Dentária - Conteúdo Teórico
Higiene Dentária - Conteúdo TeóricoHigiene Dentária - Conteúdo Teórico
Higiene Dentária - Conteúdo Teóricopsylva
 
Prevençao das periodontopatias
Prevençao das periodontopatiasPrevençao das periodontopatias
Prevençao das periodontopatiasodontosocial
 
Prevenção das periodontopatias
Prevenção das periodontopatiasPrevenção das periodontopatias
Prevenção das periodontopatiasgeriatric
 
Campanha: Cuidado com os Dentes
Campanha: Cuidado com os DentesCampanha: Cuidado com os Dentes
Campanha: Cuidado com os DentesISI Engenharia
 
O Que é Uma Boa Higiene Bucal
O Que é Uma Boa Higiene BucalO Que é Uma Boa Higiene Bucal
O Que é Uma Boa Higiene Bucaljosé Augusto Dias
 
Encontro pais saúde oral
Encontro pais saúde oralEncontro pais saúde oral
Encontro pais saúde oralBruno Gomes
 
Promoção para a saúde oral oral
Promoção para a saúde oral oralPromoção para a saúde oral oral
Promoção para a saúde oral oralAna Carlão
 
Ténica de Higienização para Adultos
Ténica de Higienização para AdultosTénica de Higienização para Adultos
Ténica de Higienização para Adultosbarbaralourenco
 
Cartazes sobre a higiene bucal (imprima e monte um painel) por simone drumond
Cartazes sobre a higiene bucal (imprima e monte um painel) por simone drumondCartazes sobre a higiene bucal (imprima e monte um painel) por simone drumond
Cartazes sobre a higiene bucal (imprima e monte um painel) por simone drumondSimoneHelenDrumond
 
SaudeBucalParaCriancas
SaudeBucalParaCriancasSaudeBucalParaCriancas
SaudeBucalParaCriancasAlex Miller
 
Prepara cursos profissionalizantes workshop auxiliar odontologico
Prepara cursos profissionalizantes   workshop auxiliar odontologicoPrepara cursos profissionalizantes   workshop auxiliar odontologico
Prepara cursos profissionalizantes workshop auxiliar odontologicoGaylha Wegila
 
Saúde bucal do adulto
Saúde bucal do adultoSaúde bucal do adulto
Saúde bucal do adultoDessa Reis
 
Questionarios para as crianças sobre a escovação
Questionarios para as crianças sobre a escovaçãoQuestionarios para as crianças sobre a escovação
Questionarios para as crianças sobre a escovaçãofranciscalene
 
Palestra odontologica
Palestra odontologicaPalestra odontologica
Palestra odontologicaMestreCleber
 

Semelhante a Dentição canina e felina (20)

Apostila da Especialidade de higiene oral
Apostila da Especialidade de  higiene oralApostila da Especialidade de  higiene oral
Apostila da Especialidade de higiene oral
 
Apostila da Especialidade de Higiene Oral
Apostila da Especialidade de  Higiene OralApostila da Especialidade de  Higiene Oral
Apostila da Especialidade de Higiene Oral
 
Cuide dos seus dentes
Cuide dos seus dentesCuide dos seus dentes
Cuide dos seus dentes
 
Higiene Dentária - Conteúdo Teórico
Higiene Dentária - Conteúdo TeóricoHigiene Dentária - Conteúdo Teórico
Higiene Dentária - Conteúdo Teórico
 
Prevençao das periodontopatias
Prevençao das periodontopatiasPrevençao das periodontopatias
Prevençao das periodontopatias
 
Prevenção das periodontopatias
Prevenção das periodontopatiasPrevenção das periodontopatias
Prevenção das periodontopatias
 
Campanha: Cuidado com os Dentes
Campanha: Cuidado com os DentesCampanha: Cuidado com os Dentes
Campanha: Cuidado com os Dentes
 
O Que é Uma Boa Higiene Bucal
O Que é Uma Boa Higiene BucalO Que é Uma Boa Higiene Bucal
O Que é Uma Boa Higiene Bucal
 
Encontro pais saúde oral
Encontro pais saúde oralEncontro pais saúde oral
Encontro pais saúde oral
 
Informacao pais saude_oral
Informacao pais saude_oralInformacao pais saude_oral
Informacao pais saude_oral
 
controme mecânico.pdf
controme mecânico.pdfcontrome mecânico.pdf
controme mecânico.pdf
 
Promoção para a saúde oral oral
Promoção para a saúde oral oralPromoção para a saúde oral oral
Promoção para a saúde oral oral
 
Ténica de Higienização para Adultos
Ténica de Higienização para AdultosTénica de Higienização para Adultos
Ténica de Higienização para Adultos
 
Cartazes sobre a higiene bucal (imprima e monte um painel) por simone drumond
Cartazes sobre a higiene bucal (imprima e monte um painel) por simone drumondCartazes sobre a higiene bucal (imprima e monte um painel) por simone drumond
Cartazes sobre a higiene bucal (imprima e monte um painel) por simone drumond
 
SaudeBucalParaCriancas
SaudeBucalParaCriancasSaudeBucalParaCriancas
SaudeBucalParaCriancas
 
Pe001 dental visit_bz
Pe001 dental visit_bzPe001 dental visit_bz
Pe001 dental visit_bz
 
Prepara cursos profissionalizantes workshop auxiliar odontologico
Prepara cursos profissionalizantes   workshop auxiliar odontologicoPrepara cursos profissionalizantes   workshop auxiliar odontologico
Prepara cursos profissionalizantes workshop auxiliar odontologico
 
Saúde bucal do adulto
Saúde bucal do adultoSaúde bucal do adulto
Saúde bucal do adulto
 
Questionarios para as crianças sobre a escovação
Questionarios para as crianças sobre a escovaçãoQuestionarios para as crianças sobre a escovação
Questionarios para as crianças sobre a escovação
 
Palestra odontologica
Palestra odontologicaPalestra odontologica
Palestra odontologica
 

Dentição canina e felina

  • 1. Dentição Canina e Felina Odontologia já é uma especialização em plena atividade na Medicina Veterinária. Vamos tentar descrever o desenvolvimento e principais problemas que afetam os dentes dos cães e dos gatos. Anatomia:
  • 2. Cães e Gatos possuem fases de dentição decídua (de leite) e permanente. O tipo e o número de dentes em cada fase obedece à fórmula: - Cães: Dentição decídua: (I 3/3; C 1/1; P 2/2; M 1/1) = 28 dentes Dentição permanente: (I 3/3; C1/1; P 4/4; M 2/3) = 42 dentes - Gatos: Dentição decídua: (I 3/3; C1/1; P3/2)= 26 dentes Dentição permanente: (I 3/3; C1/1; P3/2, M1/1) = 28 dentes. (*) I - Incisivos; C - Canino; P - Pré-molar; M - Molar 3/3- três em cima e três em baixo, porém apenas 01 lado pois a fórmula já deduz que um lado é espelho do outro. Tipos de Mordedura: 1- Mordedura em Tesoura: Tipo de mordedura mais comum. Neste caso os incisivos superiores sobrepõe-se aos inferiores, de tal maneira que a face interna daqueles fica justaposta à face externa destes. É encontrada nas maiorias das raças: cães pastores, cães de caça, cães nórdicos, etc... Caracteriza-se por ser mais suave e mais segura.
  • 3. 2- Mordedura "em Torquês": nestes casos os incisisvos se tocam pelas suas bordas livres. Esta mordida caracteriza-se por ser muito dilacerante mas é pouco segura. Aparece em alguns terriers (é necessário pelo tipo de caça) e, também, em alguns braquicéfalos, devido ao encurtamento do focinho. Quando os incisivos superiores e inferiores se distanciam muito, temos os chamados prognatismos. Os termos prognatismo superior e inferior usados em cinofilia são inadequados mas, infelizmente, já estão consagrados mais pelo uso. 3- O prognatismo superior (termo correto é retro ou braquignatismo, pois é a mandíbula que se retrai) é sempre defeito. 4- O inferior, quando os incisivos inferiores ultrapassam os superiores tanto pode ser o tipo mordedura desejada, como pode ser uma falta grave. Em vários braquicéfalos é a mordedura ideal ou pelo menos, permitida. Desgaste natural: É possível estimar a idade de um animal pela sua dentição. O cálculo é aproximado e sofre muita variação pela raça e estilo de vida e alimentação : 1) Troca dos dentes: Incisivo 1 - dentes de leite: 4 semanas - dentes definitivos: 5 meses; Incisivo 2 - dentes de leite: 4 semanas - dentes definitivos: 5 meses Incisivo 3 - dentes de leite: 5 semanas - dentes definitivos: 5 meses Canino 1 - dentes de leite 4 semanas - dentes definitivos 5-6 meses Pré-molar 1 - dentes de leite 4-8 semanas - dentes definitivos 5-6 meses Pré-molar 2- dentes de leite 4-8 semanas - dentes definitivos 6 meses Pré-molar 3 - dentes de leite 4-8 semanas - dentes definitivos 6 meses Pré-molar 4 - dentes definitivos 4-5 meses Molar 1 - dentes definitivos 5-6 meses Molar 2 - dentes definitivos 6-7 meses Molar 3 - dentes definitivos 6-7 meses (*) Raças pequenas têm a troca dentária mais atrasada. Quadro acima descreve desgaste natural dos dentes conforme a idade do cão. Patologias mais comuns: 1) Tártaros: Também chamada de cálculo dentário, Doença Periodontal ou Periodontite é a placa bacteriana com calcificação. No quadro a seguir você observa que o tártaro vai separando o
  • 4. dente da gengiva perdendo sua estabilidade. As causas, além da predisposição individual à patologia, incluem erro de manejo alimentar e desgaste irregular do esmalte dentário. A remoção do tártaro só pode ser feita com aparelhos especiais e anestesia geral, pois o tártaro subgengival também deve ser retirado. A profilaxia é higiene bucal, porisso a escovação dentária não é um luxo e, sim, uma necessidade. 2) Cáries: Não muito comum, mas alimentação com muito açúcar pode favorecer o aparecimento dessa erosão no esmalte dentário provocado por bactérias. Na maioria das vezes necessitando de tratamento endodôntico de canal.
  • 5. Cárie dentária em carniceiro de canídeo. Note-se a solução de continuidade na face externa do dente, cujo esmalte se encontra coberto por tártaro. Na zona da cárie a coloração é escura devido à oxidação do marfim exposto ao ar na sequência do desaparecimento do esmalte. 3) Fraturas Dentárias: causadas por traumatismos ou mordidas em objetos duros. Tratamento através de restauração. 4) Lesões Reabsortivas Odontoclásticas: Muito comum em gatos de mais de 07 anos de idade. A causa ainda é idiopática (não conhecida detalhadamente) e o tratamento pode ser por restauração no início da lesão, mas geralmente se faz a extração do dente acometido. A dor é sensivelmente alta fazendo o animal fugir da comida apesar da fome. Lesões similares podem ocorrer no cão, mas com frequência bem menor. 5) Permanência de Dentes Decíduos: Dentes-de-leite quando não caem naturalmente podem causar acúmulo de sujeira entre os dentes caninos e até mudança (desvio) no crescimento normal do dente permanente.
  • 6. Escovação de Dentes: à rigor a escovação só precisa começar depois da troca dos dentes, mas existe a necessidade de acostumar o animal com o processo da escovação e, para isso, quanto mais cedo melhor. À seguir, um esquema para ajudar na aceitação da higiene bucal por parte do seu pet: Semana 1 Brinque com a escova por fora da boca. Esfregue-a na cabeça, focinho, orelhas como se fosse uma brincadeira. Deixe o animalzinho morder a escova se ele quiser. Semana 2 Comece a escovar o focinho e leve rapidamente para o interior da boca sem segurá-lo. Prefira horários em que ele está mais calmo. Procure falar manso sem agitação e quando ele permitir a escova no interior da boca mostre satisfação. Semana 3 Comece a escovar os incisivos (dentes da frente) com movimentos suaves. Sempre demonstrando alegria quando ele deixa a escovação seguir. Faça carinho antes e depois da escovação. Leve-o para passear, caso tenha se comportado bem durante a escovação, como prêmio e incentivo. Semana 4 Finalmente vamos para os dentes mais profundos. Sempre com paciência e carinho. Mais uma vez comece sempre com carinho e demonstre a sua satisfação quando ele permite a manipulação da boca. Caso haja necessidade, use uma pasta de dente específica para cães (dentrificios humanos são engolidos pelos animais podendo causar problemas gástricos). A Escovação dos dentes deve ser diária, se possível, mas o período mínimo para que seja eficaz seria a cada 03 dias (período em que a placa bacteriana se mineraliza). A limpeza de Tártaros não elimina a necessidade de escovação, os tártaros retornam mesmo com uma limpeza bem feita. Biscoitos e ossos sintéticos não eliminam a necessidade de escovação, aliás, sua ação é pequena na higiene bucal. Ossos naturais ajudam a quebrar cálculos dentários mais avançados, mas podem fraturar os dentes. Rações úmidas e semi-úmidas favorecem muito a formação dos tártaros, prefira as rações secas mesmo com a periodontite já instalada. A ação mecânica da escova é o principal na higiene bucal, produtos de limpeza dentária são apenas coadjuvantes. Bactérias instaladas nos tártaros podem invadir a circulação sanguinea e se instalar nos rins e coração, provocando sérios problemas de saúde. Vídeo de adestramento com "clicker" para escovação dos dentes: http://www.youtube.com/watch?v=nhLI0JSzTY0&feature=BFa&list=UL78nWNqf8l2w&lf=mfu_in_order
  • 7. Cães e gatos têm dentes de leite? Até que idade? Sim. Cães e gatos também têm dentes de leite que compõem a dentição decídua. Estes dentes, assim como os dos seres humanos, sofrem o que chamamos de esfoliação (quando o dente cai), que promove a troca dos dentes pela dentição permanente. Isto acontece entre os 3 e 7 meses de idade nos cães e entre 3 e 6 meses nos gatos. No entanto, se os permanentes começarem a erupcionar sem que os de leite tenham caído, é necessário realizar a extração dos decíduos, para evitar problemas posteriores. Meu bichinho tem muito mau hálito. Isto é normal? Não. O mau hálito não é normal em bocas com boa higienização (escovação). No entanto, como muitos dos nossos pacientes não têm higienização regular, é comum o surgimento do mau hálito. Na grande maioria das vezes, o mau cheiro não é provocado por problemas de estômago, mas peloacúmulo de placa bacteriana nos dentes, gengiva e língua. A placa libera subprodutos de fermentação de tecidos e restos alimentares que são os responsáveis pelo mau hálito. Portanto, se seu animal tem "bafo" é sinal de que já existe placa bacteriana na boca dele e um tratamento profilático é indicado. Os dentes do meu pet estão muito sujos. O que devo fazer? Sujeira nos dentes pode ser acúmulo de "tártaro", também chamado de cálculo dental. O cálculo nada mais é que placa bacteriana mineralizada que deixa os dentes com aspecto sujo, escurecidos (placas amarronzadas, amareladas, esverdeadas ou até mesmo enegrecidas). Neste ponto, é altamente indicado um tratamento periodontal. É verdade que devo escovar os dentes dos meus animais? Com que freqüência? É verdade. A escovação remove restos de comida que ficam na boca e, principalmente, a placa bacteriana que está aderida aos dentes. Esta placa bacteriana, se não for removida através da escovação, pode causar danos ao periodonto do seu pet, provocando mau hálito, gengivite e periodontite, e serve como base para a formação do tártaro. A escovação deve ser feita diariamente ou pelo menos quatro vezes por semana. Aliado a isto, pelo menos uma visita anual ao médico veterinário especialista é recomendada.
  • 8. Meu bichinho esta começando a perder os dentes, isto é normal? Não é normal. A perda dos dentes acontece porque a doença periodontal avançou muito. E isso acontece, na maioria das vezes, devido a falta de higienização da boca. Quando não há escovação diária, a placa bacteriana acumula-se e, com o tempo, causa lesões no periodonto (estruturas que sustentam e protegem os dentes). Estas lesões, em graus mais avançados, levam a destruição dos tecidos de sustentação dos dentes e à perda dos mesmos. Exposição de furca - note que o sonda periodontal atravessa o espaço entre as raizes do dente (em amarelo). No exame radiográfico, note a perda óssea. Ração comercial costuma dar mais tártaro que alimento caseiro? Não é verdade. O que provoca o surgimento do cálculo dental é a placa bacteriana que se forma quando não há escovação e independe do tipo de alimento oferecido. Quando o animal mastiga o alimento, existe uma "raspagem" natural, que ajuda a remover parte da placa bacteriana. Quanto mais duro é o alimento, há maior atrito, e conseqüentemente, maior "raspagem" nos dentes. É por isso que animais que roem ossos tendem a acumular menos cálculo. Nada substitui, porém, a escovação dental diária. Meu animalzinho quebrou um dente. Como devo proceder? O ideal é uma consulta ao médico veterinário especializado que avaliará a necessidade de tratamento. Em geral, quando há exposição do canal (ponto vermelho ou preto no meio do dente), é necessário o tratamento de canal que aliviará eventual dor que o animal possa estar sentindo e evitará contaminação do dente e do organismo como um todo. Mesmo que não haja exposição direta do canal, porém, é preciso avaliar se houve ou não lesão na parte interna do dente (polpa). De qualquer forma, o veterinário especializado indicará qual a melhor conduta para cada caso. Apareceu uma ferida logo abaixo do olho do meu cão. O que pode ser? É freqüente o surgimento de lesões logo abaixo do olho, principalmente em cães, decorrentes de afecções nos dentes (fraturas dentais ou periodontites), conhecidas como "fístula do carniceiro". Neste caso, é indicado o tratamento do canal ou até mesmo a extração do dente acometido. Consulte seu veterinário que poderá fazer um diagnóstico diferencial com problemas de pele ou doenças oftálmicas. Percebi há algum tempo uma ferida na gengiva de meu bichinho que não melhora nunca. Será que devo me preocupar? Lesões em cavidade oral de difícil cicatrização ou que aumentam de volume sem causa aparente podem ser indicativas de processos tumorais e são mais freqüentes em animais idosos. Ao perceber qualquer anormalidade deste tipo, procure logo que possível o médico veterinário especializado que poderá avaliar o que está ocorrendo e recomendar o melhor tratamento. Meu gatinho começou a salivar, está comendo menos e emagrecendo. O que está acontecendo com ele? Existem algumas afecções que são específicas dos felinos. Entre elas podemos destacar a lesão reabsortiva e o complexo gengivo-estomatite. Em ambos os casos os sintomas mais comuns são dor (recusa alimentos, passa a pata na boca, salivação aumentada), e vermelhidão na cavidade oral. O médico veterinário especializado está apto para averiguar e tratar estas afecções, bastante comuns nos gatinhos.
  • 9. Posso oferecer ossos e biscoitos aos meus animais para limpar os dentes? Sim, desde que seja feito com alguns critérios: ossos naturais são os melhores para remoção de parte daplaca bacteriana, diminuindo a formação de cálculo. No entanto, são os principais responsáveis por fraturas dentais, principalmente nos dentes posteriores. Ossinhos artificiais ajudam na limpeza, porém, alguns animais não os toleram e apresentam distúrbios gastro- intestinais. Por último, os biscoitos podem ser oferecidos, mas não oferecem grandes benefícios em relação à higiene oral. Lembre-se: nada substitui a escovação se o intuito é manter os dentes saudáveis. COMO VER A IDADE ATRAVÉS DOS DENTES NOS CÃES COMO VER A IDADE ATRAVÉS DOS DENTES NOS CÃES Por Bichos & Caprichos (formatação Dicas Peludas)
  • 10. Dentição dos cães O cão adulto possui 42 dentes (20 na mandíbula superior e 22 na mandíbula inferior) e o gato tem 32. Ao nascer os cachorros não têm dentes. Os dentes de leite surgem a partir do 20º dia até à 5ª semana. Em seguida todos os dentes de leite são substituídos pelos definitivos entre o 4º mês e o 7º mês. As datas de erupção e muda podem variar em função da raça. Obs-Outras fontes de pesquisa informam que o gato adulto tem 30 dentes A formula dentária dos dentes definitivos do cão é: 6 incisivos, 2 caninos, 8 pré-molares e 4 molares em cima e 6 incisivos, 2 caninos, 8 pré-molares e 6 molares em baixo. Tanto os cães como os gatos apresentam uma dentição de leite e uma dentição definitiva. Sabendo qual é a dentição normal destes animais podemos saber algumas informações acerca deles, inclusivamente fazer uma estimativa da sua idade. Até aos 7 meses de idade facilmente conseguimos saber a idade do cão através da erupção dos dentes de leite e da sua muda pois cada tipo de dente de leite tem um tempo de erupção e queda.
  • 11. A partir de 1 ano de idade não é tão fácil ver a idade exata do animal pela sua dentição mas mesmo assim podemos chegar a um valor aproximado tendo com base o desgaste dos dentes incisivos. Os incisivos definitivos dos cães jovens têm um recorte denominado de flor-de-lis que desaparece devido ao desgaste que sofre à medida que o animal envelhece.
  • 12. O estado geral dos dentes definitivos vai variar muito com o tipo de alimentação do animal, o tipo de brinquedos que rói, os cuidados de higiene oral que lhe são prestados e ainda com alterações dentárias que possa ter (má oclusão, permanência de dentes de leite, etc). Quando todos estes cuidados são negligenciados podemos ser levados a pensar que os cães têm mais idade do que realmente têm pois pode haver um desgaste e queda acrescida de dentes.