SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
População ocupada: efetivamente
empregados
   Desempregados: sem emprego


Divide-se em:
 Primários
 Secundários
 Terciários
Atividades
                      produtivas
                      envolvidas com
                      a agricultura, o
                      extrativismo e a
                      pecuária.
Estão relacionados
a exploração de
recursos naturais e
a   produção     de
matéria prima.
A colheita de frutos e a
colheita de grãos são
exemplos de atividades
primárias
O           setor
secundário inte
gra atividades
voltadas para a
indústria, produ
ção de bens de
consumo, constr
ução civil e
geração       de
energia
O                    setor
terciário representa as
atividades   ligadas    à
prestação de serviços e
ao comércio. Esse setor
de atividade é o que
mais cresceu nos últimos
anos, especialmente em
países desenvolvidos.
A Economia informal envolve as
atividades que estão à margem da
formalidade, sem firma registrada, sem
emitir notas fiscais, sem empregados
registrados,       sem        contribuir
com impostos ao governo, mas
existem vários tipos de economia
informal, que vão desde vendedores
ambulantes, a advogados.
Exemplos de
economia
informal
 43%  são empregados sem registro em
  carteira
 33% são trabalhadores por conta
  própria.
 13% são pessoas que trabalham sem
  remuneração.
 9% empregados domésticos sem
  registro em carteira.
 2% são pequenos empregadores.
As principais causas da informalidade são:

   o excesso de burocracia estatal;
   o elevado número de impostos cobrados pelos
    governos, em seus três níveis;
   a legislação trabalhista, que trata as micros e
    pequenas empresas de forma igual às médias e
    grandes;
   as restrições ao capital estrangeiro, que geram um
    maior índice de desempregados;
   os monopólios estatais e as reservas de mercado,
    que causam desequilíbrios na livre concorrência e
    na lei da oferta e da procura, restringindo o
    mercado formal.
Desemprego      corresponde    ao
termo usado para indicar a parcela
da força de trabalho disponível
que se encontra sem emprego.
A  tecnologia: é certamente uma das
 principais causas do desemprego não
 só no Brasil mas mundialmente.

 Baixa        qualificação        do
 trabalhador: muitas vezes há emprego
 para a vaga que o trabalhador está
 procurando, porém o mesmo não
 possui formação adequada para
 exercer aquela função;
 Crise
      econômica: quando um país
 passa por uma crise econômica, o
 consumo de bens e serviços tende
 a diminuir.

 Custo  elevado (impostos e outros
 encargos): este caso é típico do
 Brasil,    pois  os   custos   de
 contratação de empregados são
 muito elevados.
Filas      de
desempregados
a procura de
emprego.
    Perda de liberdade e exclusão social: Uma
    pessoa presa ao desemprego, mesmo quando
    financeiramente    apoiada     pela   segurança
    social, não pode ter muita liberdade de decisão.
    O desemprego pode ser a maior causa na
    predisposição das pessoas à exclusão social.

   Perda de qualificações e danos de longo prazo: A
    depreciação das competências pela falta de
    prática pode gerar uma perda de capacidades
    cognitivas, fruto da perda de confiança e do
    sentido de controlo do desempregado.
 Perda    de     valores     sociais e
 responsabilidade: A associação que se
 observa entre crimes e desemprego
 jovem inclui um sentido de exclusão e
 um sentimento de injustiça contra um
 mundo que não fornece oportunidades
 para levar uma vida honesta.
Números do IBGE e do Ministério do
Trabalho, revela que o gasto anual
do      governo     com        cada
desempregado caiu de R$ 1.410,40
em 1995 para R$ 913,40 em 2000. Os
investimentos    em  políticas   de
emprego são pequenos em relação
a outros países.
Ano/Mês   Jan    Fev    Mar    Abr    Mai    Jun    Jul    Ago    Set    Out    Nov    Dez

2003      11,2   11,6   12,1   12,4   12,8   13     12,8   13     12,9   12,9   12,3   10,9

2004      11,7   12     12,8   13,1   12,2   11,7   11,2   11,4   10,9   10,5   10,6   9,6

2005      10,2   10,6   10,8   10,8   10,2   9,4    9,4    9,4    9,6    9,6    9,6    8,3

2006      9,2    10,1   10,4   10,4   10,2   10,4   10,7   10,6   10     9,8    9,5    8,4

2007      9,3    9,9    10,1   10,1   10,1   9,7    9,5    9,5    9      8,7    8,2    7,4


2008      8      8,7    8,6    8,5    7,9    7,8    8,1    7,6    7,6    7,5    7,6    6,8

2009      8,2    8,5    9      8,9    8,8    8,1    8      8,1    7,7    7,5    7,4    6,8

2010      7,2    7,4    7,6    7,3    7,5    7      6,9    6,7    6,2    6,1    5,7    5,3

2011      6,1    6,4    6,5    6,4    6,4    6,2    6      6      6      5,8    5,2    4,7

2012      5,5    5,7    6,2    6
É possível classificar os custos da formalidade
em dois grandes grupos:
 Os    custos de entrar no setor formal,
  relacionados ao custo de legalização e
  registro do empreendimento;
 Os custos de permanecer no
setor, que podem ser divididos em duas
categorias − custos monetários (impostos
e taxas) e custos burocráticos.
O desemprego tornou-se hoje um
grande desafio social e econômico nos
países    em desenvolvimento,    é um
problema          que         aumenta
vertiginosamente e traz consigo um
aglomerado de problemas a sociedade.
Por isso, uma das soluções é questionar
até que ponto, a tecnologia pode ser
boa para a sociedade e ao trabalhador
em especial.
  O Estado deixa de arrecadar um alto número
  de tributos.
 Estudo do IPEA feito com base em informações
  do IBGE indica que nesse setor circulam 10 a
  15% do PIB.
 O trabalhador que faz parte desse ramo, não
  possui a segurança que um empregado formal
  possui, como o FGTS por exemplo.
 Esse setor também faz com que ocorra a
  concorrência desleal. Entre estabelecimento de
  comércio             formal     e      informal.
É comum encontrar camelôs nas
ruas, eles que fazem parte da
economia informal.
Sites:
 www.brasilescola.com/geografia/setores-
  atividade.htm
 pt.wikipedia.org/wiki/Economia_informal
 pt.wikipedia.org/wiki/Desemprego
 www.suapesquisa.com/economia/causas_d
  esemprego.htm
 www.cef.pt/cr/16/pdf10/fp123_desemprego_
  ec10.pdf
 www.sinprorp.org.br/clipping/2007/020.htm
 www.scielo.br/pdf/ee/v38n3/v38n3a04.pdf
 www.egov.ufsc.br/portal/sites/default/files/...
  /22945-22947-1-PB.htm
 http://academico.direito-
  rio.fgv.br/wiki/Trabalho_em_Grupo:_O_Setor_
  Informal._Por:_Andr%C3%A9_Sarian%3B_Igor_
  Parente%3B_Pedro_Barbosa%3B_Leonardo_S
  covino.
Livro:
 Vensentini,José   William
     Geografia:o mundo em transição: ensino
médio/
José William Vensentini.—São Paulo:
Ática,2010.
CEMO: Colégio Estadual Mimoso do Oeste
Alunos: Éllen, Geovani, Alessandra, Karine
Nascimento, Agnaldo, Wendel, Sávio.
Professor: Nilton
Série/Turma: 3°”E”
Turno: Vespertino
Disciplina: Geografia
Tema: Desemprego e Economia informal

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Regiões metropolitanas, megacidades e megalopolis
Regiões metropolitanas, megacidades e megalopolisRegiões metropolitanas, megacidades e megalopolis
Regiões metropolitanas, megacidades e megalopolis
Wagner Alunos
 
Industrialização brasil
Industrialização brasilIndustrialização brasil
Industrialização brasil
edsonluz
 
O mundo pos guerra fria
O mundo pos guerra friaO mundo pos guerra fria
O mundo pos guerra fria
Isabel Aguiar
 
Conceitos demográficos
Conceitos demográficosConceitos demográficos
Conceitos demográficos
Professor
 

Mais procurados (20)

População Brasileira
População BrasileiraPopulação Brasileira
População Brasileira
 
Campo e cidade
Campo e cidadeCampo e cidade
Campo e cidade
 
Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)
 
Regiões metropolitanas, megacidades e megalopolis
Regiões metropolitanas, megacidades e megalopolisRegiões metropolitanas, megacidades e megalopolis
Regiões metropolitanas, megacidades e megalopolis
 
8 2º reinado
8  2º reinado8  2º reinado
8 2º reinado
 
Astecas, maias e incas
Astecas, maias e incasAstecas, maias e incas
Astecas, maias e incas
 
Formação do território brasileiro 1
Formação do território brasileiro 1Formação do território brasileiro 1
Formação do território brasileiro 1
 
Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
Industrialização
 
Populaçao mundial
Populaçao mundialPopulaçao mundial
Populaçao mundial
 
Industrialização brasil
Industrialização brasilIndustrialização brasil
Industrialização brasil
 
Trabalho Escravo Contemporâneo no Brasil
Trabalho Escravo Contemporâneo no BrasilTrabalho Escravo Contemporâneo no Brasil
Trabalho Escravo Contemporâneo no Brasil
 
Organizações internacionais mundiais
Organizações internacionais mundiaisOrganizações internacionais mundiais
Organizações internacionais mundiais
 
Etnia, diversidade cultural e conflitos
Etnia, diversidade cultural e conflitos Etnia, diversidade cultural e conflitos
Etnia, diversidade cultural e conflitos
 
O mundo pos guerra fria
O mundo pos guerra friaO mundo pos guerra fria
O mundo pos guerra fria
 
DESIGUALDADE SOCIAL NO BRASIL
DESIGUALDADE SOCIAL NO BRASIL DESIGUALDADE SOCIAL NO BRASIL
DESIGUALDADE SOCIAL NO BRASIL
 
Setores da Economia
Setores da EconomiaSetores da Economia
Setores da Economia
 
Conceitos demográficos
Conceitos demográficosConceitos demográficos
Conceitos demográficos
 
Populaçao brasileira
Populaçao brasileiraPopulaçao brasileira
Populaçao brasileira
 
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
 
America latina
America latina America latina
America latina
 

Destaque

Cartilha nocoes basicas_sobre_cooperativismo_sds
Cartilha nocoes basicas_sobre_cooperativismo_sdsCartilha nocoes basicas_sobre_cooperativismo_sds
Cartilha nocoes basicas_sobre_cooperativismo_sds
Claudio Inacio Schuck
 
Paródia economia cooperativa e solidária
Paródia economia cooperativa e solidáriaParódia economia cooperativa e solidária
Paródia economia cooperativa e solidária
Adrodalla
 
Abordagens teóricas sobre o trabalho informal - Luis Estenssoro
Abordagens teóricas sobre o trabalho informal - Luis EstenssoroAbordagens teóricas sobre o trabalho informal - Luis Estenssoro
Abordagens teóricas sobre o trabalho informal - Luis Estenssoro
Luis E R Estenssoro
 
Apostila de associativismo e cooperativismo
Apostila de associativismo e cooperativismoApostila de associativismo e cooperativismo
Apostila de associativismo e cooperativismo
Luiz Oliveira
 

Destaque (20)

Introdução Cooperativismo
Introdução CooperativismoIntrodução Cooperativismo
Introdução Cooperativismo
 
Trabalho informalidade, mercado e escravidão
Trabalho  informalidade, mercado e escravidãoTrabalho  informalidade, mercado e escravidão
Trabalho informalidade, mercado e escravidão
 
Cartilha nocoes basicas_sobre_cooperativismo_sds
Cartilha nocoes basicas_sobre_cooperativismo_sdsCartilha nocoes basicas_sobre_cooperativismo_sds
Cartilha nocoes basicas_sobre_cooperativismo_sds
 
Paródia economia cooperativa e solidária
Paródia economia cooperativa e solidáriaParódia economia cooperativa e solidária
Paródia economia cooperativa e solidária
 
Abordagens teóricas sobre o trabalho informal - Luis Estenssoro
Abordagens teóricas sobre o trabalho informal - Luis EstenssoroAbordagens teóricas sobre o trabalho informal - Luis Estenssoro
Abordagens teóricas sobre o trabalho informal - Luis Estenssoro
 
Saindo da Informalidade - Sebrae & ABCID
Saindo da Informalidade - Sebrae & ABCIDSaindo da Informalidade - Sebrae & ABCID
Saindo da Informalidade - Sebrae & ABCID
 
Jiuzhou
JiuzhouJiuzhou
Jiuzhou
 
Apresentação medidas fgts e combate a informalidade 2015 2
Apresentação medidas fgts e combate a informalidade  2015 2Apresentação medidas fgts e combate a informalidade  2015 2
Apresentação medidas fgts e combate a informalidade 2015 2
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Linguagem informal
Linguagem informalLinguagem informal
Linguagem informal
 
Helga Silveira - De Mercado Informal Angola, 2012/11/10
Helga Silveira - De Mercado Informal Angola, 2012/11/10Helga Silveira - De Mercado Informal Angola, 2012/11/10
Helga Silveira - De Mercado Informal Angola, 2012/11/10
 
Trabalho formal
Trabalho formalTrabalho formal
Trabalho formal
 
Brasil Sem Miséria - Caderno de Resultados 2011 - 2014
Brasil Sem Miséria - Caderno de Resultados 2011 - 2014Brasil Sem Miséria - Caderno de Resultados 2011 - 2014
Brasil Sem Miséria - Caderno de Resultados 2011 - 2014
 
Aula 1 O trabalho informal no Brasil - 2º Sociologia
Aula 1   O trabalho informal no Brasil - 2º SociologiaAula 1   O trabalho informal no Brasil - 2º Sociologia
Aula 1 O trabalho informal no Brasil - 2º Sociologia
 
Linguagem informal
Linguagem informalLinguagem informal
Linguagem informal
 
Colunistas 2015 Case Sicredi Dia Cooperativismo
Colunistas 2015 Case Sicredi Dia CooperativismoColunistas 2015 Case Sicredi Dia Cooperativismo
Colunistas 2015 Case Sicredi Dia Cooperativismo
 
Mercado de Trabalho Formal
Mercado de Trabalho FormalMercado de Trabalho Formal
Mercado de Trabalho Formal
 
Slide simples nacional
Slide simples nacionalSlide simples nacional
Slide simples nacional
 
Apostila de associativismo e cooperativismo
Apostila de associativismo e cooperativismoApostila de associativismo e cooperativismo
Apostila de associativismo e cooperativismo
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 

Semelhante a Desemprego e o setor informal

omundodotrabalho-150612013523-lva1-app6892.pptx
omundodotrabalho-150612013523-lva1-app6892.pptxomundodotrabalho-150612013523-lva1-app6892.pptx
omundodotrabalho-150612013523-lva1-app6892.pptx
Edilene Dias
 
A DEPENDÊNCIA DO BRASIL EM RELAÇÃO AO EXTERIOR E COMO SUPERÁ-LA..pdf
A DEPENDÊNCIA DO BRASIL EM RELAÇÃO AO EXTERIOR E COMO SUPERÁ-LA..pdfA DEPENDÊNCIA DO BRASIL EM RELAÇÃO AO EXTERIOR E COMO SUPERÁ-LA..pdf
A DEPENDÊNCIA DO BRASIL EM RELAÇÃO AO EXTERIOR E COMO SUPERÁ-LA..pdf
Faga1939
 
Limitações da Contabilidade Nacional
Limitações da Contabilidade NacionalLimitações da Contabilidade Nacional
Limitações da Contabilidade Nacional
duartealbuquerque
 

Semelhante a Desemprego e o setor informal (20)

2 as atividades-economicas_informais.
2 as atividades-economicas_informais.2 as atividades-economicas_informais.
2 as atividades-economicas_informais.
 
Desenvolvimento Econômico: Por que ficamos para trás? - Samuel Pessoa
Desenvolvimento Econômico: Por que ficamos para trás? - Samuel PessoaDesenvolvimento Econômico: Por que ficamos para trás? - Samuel Pessoa
Desenvolvimento Econômico: Por que ficamos para trás? - Samuel Pessoa
 
omundodotrabalho-150612013523-lva1-app6892.pptx
omundodotrabalho-150612013523-lva1-app6892.pptxomundodotrabalho-150612013523-lva1-app6892.pptx
omundodotrabalho-150612013523-lva1-app6892.pptx
 
Sociedade e Economia
Sociedade e EconomiaSociedade e Economia
Sociedade e Economia
 
Desemprego estrutural e conjuntural
Desemprego estrutural e conjunturalDesemprego estrutural e conjuntural
Desemprego estrutural e conjuntural
 
Trabalho edson
Trabalho edsonTrabalho edson
Trabalho edson
 
Desenvolvimento econômico e empregabilidade
Desenvolvimento econômico e empregabilidadeDesenvolvimento econômico e empregabilidade
Desenvolvimento econômico e empregabilidade
 
Perfil das Empresas Brasileiras 2012
Perfil das Empresas Brasileiras 2012Perfil das Empresas Brasileiras 2012
Perfil das Empresas Brasileiras 2012
 
Desemprego
DesempregoDesemprego
Desemprego
 
Palestra : A Verdade sobre os Aposentados do Brasil
Palestra : A Verdade sobre os Aposentados do BrasilPalestra : A Verdade sobre os Aposentados do Brasil
Palestra : A Verdade sobre os Aposentados do Brasil
 
Projeto 16 Doc
Projeto 16 DocProjeto 16 Doc
Projeto 16 Doc
 
A DEPENDÊNCIA DO BRASIL EM RELAÇÃO AO EXTERIOR E COMO SUPERÁ-LA..pdf
A DEPENDÊNCIA DO BRASIL EM RELAÇÃO AO EXTERIOR E COMO SUPERÁ-LA..pdfA DEPENDÊNCIA DO BRASIL EM RELAÇÃO AO EXTERIOR E COMO SUPERÁ-LA..pdf
A DEPENDÊNCIA DO BRASIL EM RELAÇÃO AO EXTERIOR E COMO SUPERÁ-LA..pdf
 
Serviços de TI alavancam economia brasileira
Serviços de TI alavancam economia brasileiraServiços de TI alavancam economia brasileira
Serviços de TI alavancam economia brasileira
 
Carência de profissionais: um desafio para as grandes empresas brasileiras
Carência de profissionais: um desafio para as  grandes empresas brasileirasCarência de profissionais: um desafio para as  grandes empresas brasileiras
Carência de profissionais: um desafio para as grandes empresas brasileiras
 
Limitações da Contabilidade Nacional
Limitações da Contabilidade NacionalLimitações da Contabilidade Nacional
Limitações da Contabilidade Nacional
 
Seguro desemprego versus emprego
Seguro desemprego versus empregoSeguro desemprego versus emprego
Seguro desemprego versus emprego
 
Palestra: Os Aposentados do Brasil
Palestra: Os Aposentados do BrasilPalestra: Os Aposentados do Brasil
Palestra: Os Aposentados do Brasil
 
COMO O GOVERNO LULA PODERÁ REINDUSTRIALIZAR O BRASIL.pdf
COMO O GOVERNO LULA PODERÁ REINDUSTRIALIZAR O BRASIL.pdfCOMO O GOVERNO LULA PODERÁ REINDUSTRIALIZAR O BRASIL.pdf
COMO O GOVERNO LULA PODERÁ REINDUSTRIALIZAR O BRASIL.pdf
 
O trabalho informal uma saída contra o desemprego
O trabalho informal uma saída contra o desempregoO trabalho informal uma saída contra o desemprego
O trabalho informal uma saída contra o desemprego
 
Apostila adm pm es
Apostila  adm pm esApostila  adm pm es
Apostila adm pm es
 

Último

Aprender as diferentes formas de classificar as habilidades motoras é de extr...
Aprender as diferentes formas de classificar as habilidades motoras é de extr...Aprender as diferentes formas de classificar as habilidades motoras é de extr...
Aprender as diferentes formas de classificar as habilidades motoras é de extr...
azulassessoria9
 
atividade-de-portugues-paronimos-e-homonimos-4º-e-5º-ano-respostas.pdf
atividade-de-portugues-paronimos-e-homonimos-4º-e-5º-ano-respostas.pdfatividade-de-portugues-paronimos-e-homonimos-4º-e-5º-ano-respostas.pdf
atividade-de-portugues-paronimos-e-homonimos-4º-e-5º-ano-respostas.pdf
Autonoma
 
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
azulassessoria9
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
azulassessoria9
 
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
azulassessoria9
 
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
LeandroLima265595
 

Último (20)

Aprender as diferentes formas de classificar as habilidades motoras é de extr...
Aprender as diferentes formas de classificar as habilidades motoras é de extr...Aprender as diferentes formas de classificar as habilidades motoras é de extr...
Aprender as diferentes formas de classificar as habilidades motoras é de extr...
 
atividade-de-portugues-paronimos-e-homonimos-4º-e-5º-ano-respostas.pdf
atividade-de-portugues-paronimos-e-homonimos-4º-e-5º-ano-respostas.pdfatividade-de-portugues-paronimos-e-homonimos-4º-e-5º-ano-respostas.pdf
atividade-de-portugues-paronimos-e-homonimos-4º-e-5º-ano-respostas.pdf
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Aula de ampliação e redução - matemática
Aula de ampliação e redução - matemáticaAula de ampliação e redução - matemática
Aula de ampliação e redução - matemática
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 

Desemprego e o setor informal

  • 1.
  • 2. População ocupada: efetivamente empregados Desempregados: sem emprego Divide-se em:  Primários  Secundários  Terciários
  • 3. Atividades produtivas envolvidas com a agricultura, o extrativismo e a pecuária. Estão relacionados a exploração de recursos naturais e a produção de matéria prima.
  • 4. A colheita de frutos e a colheita de grãos são exemplos de atividades primárias
  • 5. O setor secundário inte gra atividades voltadas para a indústria, produ ção de bens de consumo, constr ução civil e geração de energia
  • 6. O setor terciário representa as atividades ligadas à prestação de serviços e ao comércio. Esse setor de atividade é o que mais cresceu nos últimos anos, especialmente em países desenvolvidos.
  • 7.
  • 8. A Economia informal envolve as atividades que estão à margem da formalidade, sem firma registrada, sem emitir notas fiscais, sem empregados registrados, sem contribuir com impostos ao governo, mas existem vários tipos de economia informal, que vão desde vendedores ambulantes, a advogados.
  • 10.
  • 11.  43% são empregados sem registro em carteira  33% são trabalhadores por conta própria.  13% são pessoas que trabalham sem remuneração.  9% empregados domésticos sem registro em carteira.  2% são pequenos empregadores.
  • 12.
  • 13. As principais causas da informalidade são:  o excesso de burocracia estatal;  o elevado número de impostos cobrados pelos governos, em seus três níveis;  a legislação trabalhista, que trata as micros e pequenas empresas de forma igual às médias e grandes;  as restrições ao capital estrangeiro, que geram um maior índice de desempregados;  os monopólios estatais e as reservas de mercado, que causam desequilíbrios na livre concorrência e na lei da oferta e da procura, restringindo o mercado formal.
  • 14. Desemprego corresponde ao termo usado para indicar a parcela da força de trabalho disponível que se encontra sem emprego.
  • 15. A tecnologia: é certamente uma das principais causas do desemprego não só no Brasil mas mundialmente.  Baixa qualificação do trabalhador: muitas vezes há emprego para a vaga que o trabalhador está procurando, porém o mesmo não possui formação adequada para exercer aquela função;
  • 16.  Crise econômica: quando um país passa por uma crise econômica, o consumo de bens e serviços tende a diminuir.  Custo elevado (impostos e outros encargos): este caso é típico do Brasil, pois os custos de contratação de empregados são muito elevados.
  • 17. Filas de desempregados a procura de emprego.
  • 18. Perda de liberdade e exclusão social: Uma pessoa presa ao desemprego, mesmo quando financeiramente apoiada pela segurança social, não pode ter muita liberdade de decisão. O desemprego pode ser a maior causa na predisposição das pessoas à exclusão social.  Perda de qualificações e danos de longo prazo: A depreciação das competências pela falta de prática pode gerar uma perda de capacidades cognitivas, fruto da perda de confiança e do sentido de controlo do desempregado.
  • 19.  Perda de valores sociais e responsabilidade: A associação que se observa entre crimes e desemprego jovem inclui um sentido de exclusão e um sentimento de injustiça contra um mundo que não fornece oportunidades para levar uma vida honesta.
  • 20.
  • 21.
  • 22. Números do IBGE e do Ministério do Trabalho, revela que o gasto anual do governo com cada desempregado caiu de R$ 1.410,40 em 1995 para R$ 913,40 em 2000. Os investimentos em políticas de emprego são pequenos em relação a outros países.
  • 23. Ano/Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 2003 11,2 11,6 12,1 12,4 12,8 13 12,8 13 12,9 12,9 12,3 10,9 2004 11,7 12 12,8 13,1 12,2 11,7 11,2 11,4 10,9 10,5 10,6 9,6 2005 10,2 10,6 10,8 10,8 10,2 9,4 9,4 9,4 9,6 9,6 9,6 8,3 2006 9,2 10,1 10,4 10,4 10,2 10,4 10,7 10,6 10 9,8 9,5 8,4 2007 9,3 9,9 10,1 10,1 10,1 9,7 9,5 9,5 9 8,7 8,2 7,4 2008 8 8,7 8,6 8,5 7,9 7,8 8,1 7,6 7,6 7,5 7,6 6,8 2009 8,2 8,5 9 8,9 8,8 8,1 8 8,1 7,7 7,5 7,4 6,8 2010 7,2 7,4 7,6 7,3 7,5 7 6,9 6,7 6,2 6,1 5,7 5,3 2011 6,1 6,4 6,5 6,4 6,4 6,2 6 6 6 5,8 5,2 4,7 2012 5,5 5,7 6,2 6
  • 24. É possível classificar os custos da formalidade em dois grandes grupos:  Os custos de entrar no setor formal, relacionados ao custo de legalização e registro do empreendimento;  Os custos de permanecer no setor, que podem ser divididos em duas categorias − custos monetários (impostos e taxas) e custos burocráticos.
  • 25. O desemprego tornou-se hoje um grande desafio social e econômico nos países em desenvolvimento, é um problema que aumenta vertiginosamente e traz consigo um aglomerado de problemas a sociedade. Por isso, uma das soluções é questionar até que ponto, a tecnologia pode ser boa para a sociedade e ao trabalhador em especial.
  • 26.
  • 27.  O Estado deixa de arrecadar um alto número de tributos.  Estudo do IPEA feito com base em informações do IBGE indica que nesse setor circulam 10 a 15% do PIB.  O trabalhador que faz parte desse ramo, não possui a segurança que um empregado formal possui, como o FGTS por exemplo.  Esse setor também faz com que ocorra a concorrência desleal. Entre estabelecimento de comércio formal e informal.
  • 28. É comum encontrar camelôs nas ruas, eles que fazem parte da economia informal.
  • 29. Sites:  www.brasilescola.com/geografia/setores- atividade.htm  pt.wikipedia.org/wiki/Economia_informal  pt.wikipedia.org/wiki/Desemprego  www.suapesquisa.com/economia/causas_d esemprego.htm  www.cef.pt/cr/16/pdf10/fp123_desemprego_ ec10.pdf  www.sinprorp.org.br/clipping/2007/020.htm  www.scielo.br/pdf/ee/v38n3/v38n3a04.pdf
  • 30.  www.egov.ufsc.br/portal/sites/default/files/... /22945-22947-1-PB.htm  http://academico.direito- rio.fgv.br/wiki/Trabalho_em_Grupo:_O_Setor_ Informal._Por:_Andr%C3%A9_Sarian%3B_Igor_ Parente%3B_Pedro_Barbosa%3B_Leonardo_S covino. Livro:  Vensentini,José William Geografia:o mundo em transição: ensino médio/ José William Vensentini.—São Paulo: Ática,2010.
  • 31. CEMO: Colégio Estadual Mimoso do Oeste Alunos: Éllen, Geovani, Alessandra, Karine Nascimento, Agnaldo, Wendel, Sávio. Professor: Nilton Série/Turma: 3°”E” Turno: Vespertino Disciplina: Geografia Tema: Desemprego e Economia informal