Refugiados
Imigrantes/Refugiados
• Imigrante é qualquer pessoa que muda
de um país para outro para fixar
residência, essa mudança só ...
A guerra da Síria e a expansão do Estado
Islâmico.
• A chegada em massa de refugiados à Europa, o maior fluxo migratório r...
• A Primavera Árabe ocasionou na guerra civil Síria, que vem se estendendo
desde 2011. Muitas pessoas saíram de lá em dire...
• A violência constante no Afeganistão e na Eritreia, assim como a pobreza no
Kosovo também têm levado pessoas dessas regi...
• O maior obstáculo para uma solução ágil ao caos humanitário na Europa é a
falta de unidade entre os países do continente...
• A proposta alemã, sobre o sistema de quotas, é distribuir os imigrantes de
acordo com uma fórmula que soma o tamanho do ...
• A abertura europeia aos refugiados apenas vai incentivar milhares de vítimas
de crises dos outros países da África e Ori...
• Desde o início da guerra civil até agosto deste ano, o Brasil já concedeu asilo
a 2.077 sírios, segundo dados do Comitê ...
• A presença de haitianos no Brasil era inexpressiva antes da instabilidade
política que afetou o país em 2003-2004. Desde...
• A Comissão Europeia tentou, sem sucesso, convencer seus estados-membros a
aceitarem uma cota obrigatória de 40 mil sírio...
Refugiados   historia
Refugiados   historia
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Refugiados historia

1.690 visualizações

Publicada em

Trabalho de História 3º Ano Cnec - Beatryz, Eduarda e Nicole

Publicada em: Carreiras
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.690
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
14
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
55
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Refugiados historia

  1. 1. Refugiados
  2. 2. Imigrantes/Refugiados • Imigrante é qualquer pessoa que muda de um país para outro para fixar residência, essa mudança só não pode ser caracterizada como a fuga de uma guerra ou perseguição. • Motivos que levam a migração: Condições de vida difíceis como a pobreza, ou simplesmente estar em busca de uma vida melhor, de novas oportunidades. Também para se juntar a seus parentes, etc.
  3. 3. A guerra da Síria e a expansão do Estado Islâmico. • A chegada em massa de refugiados à Europa, o maior fluxo migratório registrado desde a Segunda Guerra Mundial, confrontou as autoridades europeias à realidade de uma tragédia de dimensões astronômicas. • Fatores que levaram a crise dos refugiados na Europa: • 1) Instabilidade política provocada pelas guerras civis, sobretudo pela guerra civil na Síria e pela atuação da facção terrorista Estado Islâmico em boa parte do território sírio; • 2) Recusa de outros países muçulmanos, sobretudo os vizinhos da Síria (Líbano, Jordânia e Turquia) e os países do Golfo Pérsico, como a Arábia Saudita, em receber os refugiados em seu território.
  4. 4. • A Primavera Árabe ocasionou na guerra civil Síria, que vem se estendendo desde 2011. Muitas pessoas saíram de lá em direção aos países muçulmanos vizinhos, como a Turquia, que abrigou um enorme contingente de refugiados. Porém, há pouco tempo, esses países vêm restringindo a entrada desses refugiados, que agora partem em direção à outros lugares para se estabelecerem, como para a Europa, entrando pelo o leste e sul do continente.
  5. 5. • A violência constante no Afeganistão e na Eritreia, assim como a pobreza no Kosovo também têm levado pessoas dessas regiões a procurar asilo em outros países.
  6. 6. • O maior obstáculo para uma solução ágil ao caos humanitário na Europa é a falta de unidade entre os países do continente na resposta tanto ao trânsito de refugiados quanto aos pleitos de asilo. Alguns aceitam e propõe soluções, ao menos temporárias, para essa situação, porém, vários outros não aceitam de maneira nenhuma os refugiados em seus territórios. • Refugiados têm optado por arriscar a travessia do continente em rotas pelo leste europeu, na esperança de chegar a locais nos quais serão mais bem recebidos e terão mais chance em conseguir asilo. • A situação levou a primeira-ministra alemã, Angela Merkel, a anunciar na semana passada, junto à França, que exigirá de países integrantes da União Europeia o estabelecimento de cotas para receber refugiados.
  7. 7. • A proposta alemã, sobre o sistema de quotas, é distribuir os imigrantes de acordo com uma fórmula que soma o tamanho do país (1/3 do peso) e sua capacidade econômica (2/3 do peso representado na forma de receita de impostos). • Parece simples, mas não é. Essa solução não incluiu a opinião dos refugiados, que estão descontentes com os destinos que lhe são dados. Alguns tem recusado ficar nos países de entrada e também não aceitam serem deslocados para cidades ou regiões não desejadas. Alguns dos imigrantes se recusaram a ir para Dresden e preferem ficar em Munique. • Os Estados Unidos receberão entre 5 mil e 8 mil refugiados sírios em 2016 e atualmente examina 15 mil casos remetidos pela ONU, segundo a diplomacia norte-americana.
  8. 8. • A abertura europeia aos refugiados apenas vai incentivar milhares de vítimas de crises dos outros países da África e Oriente Médio a buscarem abrigo na região. A lista de países em situação caótica é vasta e cresce a cada dia. Além da Síria, temos Iraque, Nigéria, Afeganistão, Eritreia, Sudão, Líbia, Somália, Mali, Tunísia e outros. Todas essas crises não tem perspectiva de melhora no curto e médio prazo. • Ainda é cedo para por em prática soluções para a crise dos refugiados na Europa, mas já é preciso pensar em maneiras de parar essas guerras civis que assolam o continente Africano, uma possível solução para a crise humanitária dos refugiados passa obrigatoriamente pela paz e estabilidade democrática nos países de origem.
  9. 9. • Desde o início da guerra civil até agosto deste ano, o Brasil já concedeu asilo a 2.077 sírios, segundo dados do Comitê Nacional para os Refugiados (Conare), órgão ligado ao Ministério da Justiça. Com isso, os sírios já representam 25% do total de refugiados no Brasil. • Atualmente, existem no Brasil 8400 refugiados. A maioria deles que vem da Síria, da Colômbia, de Angola e da República Democrática do Congo. • Os haitianos não são considerados refugiados no Brasil. Segundo a lei brasileira, o refúgio só pode ser concedido a quem provar estar sofrendo perseguição em seu país, por motivos étnicos, religiosos ou políticas. Porém, em razão da crise humanitária provocada pela catástrofe de 2011, o governo brasileiro abriu uma exceção, concedendo-lhes um visto diferenciado.
  10. 10. • A presença de haitianos no Brasil era inexpressiva antes da instabilidade política que afetou o país em 2003-2004. Desde então, com a presença dos militares da força de paz da ONU (em sua maioria brasileiros), os haitianos passaram a ver no Brasil um ponto de referência. Após o terremoto de 2011, que desencadeou uma grande onda de emigração no Haiti, o Brasil passou a ser um dos destinos preferenciais dos migrantes. Atualmente cerca de 50 a 100 haitianos entram por dia no Brasil ilegalmente, pelo estado do Acre. Mais de sete mil haitianos entraram no Brasil, pelo Acre, só em 2015. A comunidade católica em São Paulo que acolhe os imigrantes haitianos está lotada. Mesmo com muito improviso e boa vontade, não há lugar para todos que vão chegando
  11. 11. • A Comissão Europeia tentou, sem sucesso, convencer seus estados-membros a aceitarem uma cota obrigatória de 40 mil sírios e eritreus nos próximos dois anos. • Em julho, eles concordaram em aceitar 32,5 mil de forma voluntária. • A Grã-Bretanha rejeitou qualquer cota, exercendo um direito que o país havia negociado. A Irlanda poderia ter optado pelo mesmo caminho, mas não o fez. • Os governos do Leste Europeu se opõem às cotas dizendo que os imigrantes não gostariam de ficar em seus países. • o projeto para a criação de cotas ainda não foi descartado – e tem o apoio da França, da Alemanha e da Itália. • A Comissão Europeia deve anunciar um mecanismo permanente para distribuir os refugiados pelos 28 países do bloco. • No entanto, mesmo se aceitas, essas cotas só se aplicariam para refugiados vindos da Síria e da Eritreia – o que significa que o sistema não resolveria toda a crise.

×