NÍCOLAS MELO SANTOS
LUANA MIRELLE DA SILVA
LUCIANA ALEXANDRE DE OLIVEIRA MOTA
KARLA KARINA DE ALBUQUERQUE
LUCIANA PITANGA ...
POLIMIXINA B
Polimixinas
Antibiótico peptídico
Derivadas do Paenibacillus polymyxa
Tóxicas a bactérias Gram-negativo
Usadas entre 1960-...
Polimixina B
Apresentação
-cartucho: 1 frasco-ampola
-caixa: 10 frascos-ampola
Cada frasco-ampola contém Sulfato de Polimi...
Polimixina B
Infecções do trato urinário
Infecções da corrente sanguínea
Infecções oculares
H.influenzae- meninges
Escheri...
Polimixina B
Via Itravenosa
Adultos e crianças:15.000 a 25.000 UI/Kg peso/dia;
Pacientes com função renal comprometida: 15...
Polimixina B
Via Intratecal
-Adultos e crianças acima de 2 anos: 50.000 UI uma vez ao dia- 3 a 4 dias;
-50.000 UI uma vez ...
Polimixina B
Mecanismo de ação
• Altera a permeabilidade da
membrana celular bacteriana
• Provoca desequilíbrio
osmótico p...
Polimixina B
Reações adversas/ Efeitos colaterais
Neurotóxicas: irritabilidade, fraqueza, sonolência, ataxia,
parestesia p...
Referências:
Katzung, Bertram G.
Farmacologia básica & clínica,
9ª edição, editora Guanabara-Koogan
HARDMAN, J.G.; LIMBIRD...
Referências (sites):
http://www.anvisa.gov.br/servicosaude/controle/rede_rm/cursos/rm_control
e/opas_web/modulo1/oxazolidi...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Slide de microbiologia polimixina b

689 visualizações

Publicada em

Trabalho sobre a POLIMIXINA B, Slide apenas sobre ela

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
689
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Slide de microbiologia polimixina b

  1. 1. NÍCOLAS MELO SANTOS LUANA MIRELLE DA SILVA LUCIANA ALEXANDRE DE OLIVEIRA MOTA KARLA KARINA DE ALBUQUERQUE LUCIANA PITANGA COSTA MARYLLYA FONSECA COSTA MATOS MIRIAN DE OLIVEIRA MELO VANESSA RAFAELA DOS SANTOS MOTA DE OLIVEIRA PROFESSORA LUCIANA DA SILVA VIANA ANTIBIÓTICOS
  2. 2. POLIMIXINA B
  3. 3. Polimixinas Antibiótico peptídico Derivadas do Paenibacillus polymyxa Tóxicas a bactérias Gram-negativo Usadas entre 1960-1980 Infecções causadas por p. Aeruginosa Nefrotoxicidade e Neurotoxicidade
  4. 4. Polimixina B Apresentação -cartucho: 1 frasco-ampola -caixa: 10 frascos-ampola Cada frasco-ampola contém Sulfato de Polimixina b 500.000 UI
  5. 5. Polimixina B Infecções do trato urinário Infecções da corrente sanguínea Infecções oculares H.influenzae- meninges Escherichia coli- trato urinário Sulfato de Polimixina b Meia vida de 4 a 6 horas
  6. 6. Polimixina B Via Itravenosa Adultos e crianças:15.000 a 25.000 UI/Kg peso/dia; Pacientes com função renal comprometida: 15.000 UI/Kg Infusões podem ser dadas a cada 12 horas. Dissolver 500.000 UI de Sulfato de Polimixina b em 300 a 500 ml de dextrose 5% em água Via Intramuscular Adultos e crianças:25.000-30.000 UI/Kg/dia; A dosagem pode ser dividida e administrada em intervalos de 4 a 6 horas. Dissolver 500.000UI de sulfato dePolimixina b em 2 ml de água destilada estéril (Água estéril para Injeção) ou solução de cloridrato de procaína
  7. 7. Polimixina B Via Intratecal -Adultos e crianças acima de 2 anos: 50.000 UI uma vez ao dia- 3 a 4 dias; -50.000 UI uma vez ao dia por 2 semanas após as culturas do fluído cérebro- espinhal se apresentarem negativas e a concentração de glicose voltar ao normal. Crianças abaixo de 2 anos : 20.000 UI uma vez ao dia por 3-4 dias. Continuar com uma dose de 25.000 UI uma vez ao dia por pelo menos 2 semanas após as culturas do fluído cérebroespinhal se apresentarem negativas e a concentração de glicose voltar ao normal
  8. 8. Polimixina B Mecanismo de ação • Altera a permeabilidade da membrana celular bacteriana • Provoca desequilíbrio osmótico para a bactéria • Diminuição da atividade bactericida
  9. 9. Polimixina B Reações adversas/ Efeitos colaterais Neurotóxicas: irritabilidade, fraqueza, sonolência, ataxia, parestesia perioral, formigamento nas extremidades e visão turva. Nefrotóxicas: albuminúria, cilindrúria, azotemia. Intratecal: dor, febre, cefaleia.
  10. 10. Referências: Katzung, Bertram G. Farmacologia básica & clínica, 9ª edição, editora Guanabara-Koogan HARDMAN, J.G.; LIMBIRD, L.E. Goodman & Gilman As Bases Farmacológicas da Terapêutica. McGraw Hill, 11ª ed. 2006.
  11. 11. Referências (sites): http://www.anvisa.gov.br/servicosaude/controle/rede_rm/cursos/rm_control e/opas_web/modulo1/oxazolidinonas2.htm http://medmap.uff.br/mapas/antibioticos_principais_acoes_contra_bacterias/ contents.htm

×