Formação continuada nelane de souza viana

503 visualizações

Publicada em

1 comentário
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Caputa de merda , se o trbalaho falasse de pilas meu
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
503
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
1
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Formação continuada nelane de souza viana

  1. 1. Organizadores: Clitien Alice Meira Rios Gildette Soares Fonseca Tyellen Sany Cruz dos Reis PRÁTICA PEDAGÓGICA RENOVADA
  2. 2. SUMÁRIO Copyright ©: Universidade Estadual de Montes Claros UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS - UNIMONTES REITOR Professor João dos Reis Canela VICE-REITORA Professora Maria Ivete Soares de Almeida PRÓ-REITORA DE ENSINO Professora Anete Maríllia Pereira PRÓ-REITOR DE PÓS-GRADUAÇÃO Professor Hercílo Martelli Júnior DIRETOR DO CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Professor Jânio Marques Dias CORDENADORA GERAL DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL Professora Maria Ângela Lopes Dumont de Macedo COORDENADORA DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIMONTES Professora Clitien Alice Meira Rios ORGANIZADORES Clitien Alice Meira Rios Gildette Soares Fonseca Tyellen Sany Cruz dos Reis CONSELHO EDITORIAL Prof. Silvio Guimarães – Medicina. Unimontes. Prof. Hercílio Mertelli – Odontologia. Unimontes. Prof. Humberto Guido – Filosofia. UFU. Profª Maria Geralda Almeida. UFG Prof. Luis Jobim – UERJ. Prof. Manuel Sarmento – Minho – Portugal. Prof. Fernando Verdú Pascual. Valencia – Espanha. Prof. Antônio Alvimar Souza Unimontes Prof. Fernando Lolas Stepke. – Univ. Chile. Prof. José Geraldo de Freitas Drumond – Unimontes. Profª Rita de Cássia Silva Dionísio. Letras – Unimontes. Profª Maisa Tavares de Souza Leite. Enfermagem – Unimontes. Profª Siomara A. Silva – Educação Física. UFOP. 5  O vídeo publicitário como prática didática para a inclusão de 15 um novo idioma 27 Ambiente virtual de aprendizagem: Instrumento para leitura de 39 textos em espanhol A internet na educação: A importância do trabalho com a história em quadrinhos no ensino fundamental 51 Leitura e interpretação de textos a partir da integração da ferramenta web no contexto escolar 63 A utilização da mídia impressa jornal na alfabetização e letramento PROJETO GRÁFICO Jéssica Luiza de Albuquerque 75 Operações fundamentais e estatística no âmbito das questões 85 ambientais: Intervenção na educação de jovens e adultos Mídias na Educação : Prática Pedagógica Renovada / organizadoras, Clitien Alice Meira Rios,Gildette Soares Fonseca ,Tyellen Sany Cruz dos Reis – Montes Claros : Unimontes, 2013. 178 p. : il. Rádio Web: Estação cidadania educativa na Escola Municipal Jason Caetano Inclui bibliografia. ISBN 978-85-7739-448-7 1. Tecnologia educacional. 2. Inovações educacionais. 3. Ensino – Meios auxiliares. I. Rios, Clitien Alice Meira. II. Fonseca, Gildette Soares. III. Reis, Tyellen Cruz dos. I. Título:Mídias na Educação: prática pedagógica renovada. CDD 371.33 EDITORA UNIMONTES Campus Universitário Professor Darcy Ribeiro, s/n Vila Mauricéia - Montes Claros (MG) - Caixa Postal: 126 - CEP: 39041-089 e-mail: editora@unimontes.br - Telefone: (38) 3229-8214 97 Interdisciplinaridade na leitura e escrita com a participação da família na vida escolar dos filhos 109 Novas possibilidades de organização das aulas de leitura e produção textual 121 Blog nas aulas de língua portuguesa: Uma estratégia para se estimular a leitura e a produção de gêneros textuais diversos 141 “Leitura, luz, câmera e ação”: O cinema como ferramenta para 153 a leitura do do mundo Educação na era do consumo: O despertar de uma nova conciência 165
  3. 3. APRESENTAÇÃO Os pássaros, antes de saberem voar, aprendem a se apoiar sobre os seus pés”. (Rubem Alves) O fim do século XX e o desabrochar do século XXI trazem profundas transformações que acometem a estrutura social contemporânea. A acentuação do processo de globalização possibilita o surgimento e disseminação de novas formas de pensar e agir, bem como altera a dinâmica de conexão global. Outrossim, a educação também perpassa por um processo de céleres mudanças. Notadamente com a evolução das Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs), emerge-se um ambiente propício ao desenvolvimento de diversificados instrumentos educacionais e de novas práticas pedagógicas. Nesse cenário, o Programa de Formação Continuada Mídias na Educação ocupa posição de destaque, na medida em que objetiva preparar o professor para a efetivação de um ensino de qualidade, crítico e reflexivo, através da utilização e inserção das mídias em sua atividade cotidiana. Com o explorar dos recursos midiáticos, a prática docente é aquilatada e o processo de ensino-aprendizagem ressignificado. As fronteiras espaço-temporais são ultrapassadas e o aprendizado oportunizado pela construção coletiva dos conhecimentos torna a sala de aula muito mais atraente. É esta conjuntura de transformação e preocupação com os saberes construídos que visualizamos nos cursistas do Programa ofertado em nossa Universidade. Cada um desses profissionais que aqui se qualificou demonstra competência técnica, humana e ética para continuar trilhando itinerários perenes no campo da educação. Os trabalhos apresentados neste livro atestam o desenvolvimento pessoal evidenciado ao longo do curso, assim como o eclodir de sujeitos, cidadãos, comprometidos com o trabalho e com a criação de um futuro melhor para todos. Assim, temos convicção de que apresentamos à sociedade, profissionais preparados para o complexo e essencial desafio que reside no ato de educar e, concomitantemente, de ser educado. Parabéns a todos que envidaram e envidam diuturnamente esforços para a realização deste curso e para a construção de um mundo melhor. Professora Maria Ivete Soares de Almeida Vice-Reitora/Unimontes MÍDIAS NA EDUCAÇÃO: PRÁTICA PEDAGÓGICA RENOVADA FONSECA, Gildette Soares1 REIS, Tyellen Sany Cruz dos2 RIOS, Clitien Alice Meira3 INTRODUÇÃO A educação escolar no Brasil tem se tornado assunto de várias discussões e ações com o intuito de melhorar a qualificação do professor, para que este desenvolva atividades que oportunize aprendizagem significativa para o cotidiano do estudante. Neste contexto, este artigo tem por objetivo refletir sobre a importância do Programa de Formação Continuada em Mídias na Educação para o processo de educação continuada de professores e, especialmente, para o ensino/aprendizagem de estudantes da educação básica. Para tanto, fizemos uma pesquisa bibliográfica 1 Professora do Departamento de Geociências da Universidade Estadual de Montes Claros – UNIMONTES. Doutoranda em Geografia – PUC/MG. Mestre em Geografia – PUC/SP. Especialista em Geografia e Meio Ambiente – UNIMONTES. Atuou como Coordenadora dos Ciclos Intermediário e Avançado – 3ª Edição – Complementação do Programa de Formação Continuada em Mídias na Educação. 2 Professora Formadora do Programa de Formação Continuada em Mídias na Educação – Unimontes. Especialista em Mídias na Educação. Atuou como Coordenadora de Tutoria do Programa Mídias na Educação de 2009 a 2012. 3 Professora do Departamento de Comunicação e Letras da Unimontes. Especialista em Linguística Aplicada ao Ensino do Português. Atuou como Coordenadora do Programa de Formação Continuada em Mídias na Educação de 2010 a 2012. 5
  4. 4. Prática Pedagógica Renovada Mídias na Educação e consideramos, ainda, a nossa experiência no referido Programa. O Programa Mídias na Educação funciona na modalidade a distância de ensino, contribuindo para o aperfeiçoamento tanto pedagógico quanto técnico do docente, no uso das tecnologias de informação e comunicação, tais como: TV/Vídeo, Informática, Rádio e Material Impresso, tendo como público-alvo prioritário os professores da Educação Básica da rede pública de ensino. O Programa foi desenvolvido pela Secretaria de Educação a Distância (SEED), em parceria com as Secretarias Municipais de Educação e Universidades Públicas. Em 2009 houve migração do Programa da SEED para a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), passando a se beneficiar da estrutura da Universidade Aberta do Brasil (UAB). Assim, em 2010, o programa passa a ser ofertado no âmbito do Plano Nacional de Formação de Professores das Redes Públicas de Ensino pela UAB/DED/CAPES, sendo reestruturado para se adequar aos níveis e parâmetros da UAB/DED/CAPES. Os autores reformularam os três cursos que constituíam ciclos de estudos: Básico (120h), Intermediário (60h) e Avançado (180h), em dois formatos independentes: o Curso de Extensão em Mídias na Educação (120h) e o Curso de Especialização em Mídias na Educação (360h). Ao ingressar em um curso de especialização entendemos que o profissional busca uma formação continuada, o que nos leva a concordar com Tomini (2011, p.23): “As dificuldades produzidas pela formação inicial dos professores têm sido supridas a partir da formação continuada, ocasião em que, já lecionando, são orientados a participarem de seminários, congressos, palestras, oficinas, atividades voltadas à educação etc”. Pensamos que a responsabilidade com a prática pedagógica, a boa experiência e os resultados adquiridos com os trabalhos realizados impulsionarão estes professores a continuarem inovando e ampliando as possibilidades de aprender e ensinar. Sabemos que o exercício da docência é repleto de desafios, mas, também, é o ofício onde se percebe o crescimento intelectual e emocional do estudante quando desenvolvemos um trabalho de qualidade. O docente da educação básica é o formador de todos os demais profissionais da sociedade, o que pode ser entendido com grande mérito, pois contribui com o processo de amadurecimento e engrandecimento do ser humano, Palavras-chave: Educação Básica. Mídias na Educação. Aprendizagem. Professores. Alunos. DESENVOLVIMENTO No transcorrer do Programa Mídias na Educação, pudemos observar que os professores-cursistas participantes, apesar das dificuldades enfrentadas, obtiveram ótimos resultados para a sua vida profissional e, consequentemente, para a aprendizagem dos alunos, pois o programa possibilita a ampliação do trabalho docente em sala de aula, transformando os saberes adquiridos em novas perspectivas de aprendizagem. Acompanhamos diversos trabalhos desenvolvidos pelos professores que podemos considerar inovadores dentro das escolas, construídos a partir do curso Mídias na Educação, como: elaboração de blog’s, escrita de livros, produção de vídeos, confecção de revistas, jornais, entre outros. Na contemporaneidade, a sociedade convive com grandes transformações em todos os âmbitos. As informações circulam com tamanha rapidez que temos a sensação que não vamos dar conta de processar, assimilar e compreender. Neste contexto, os profissionais da educação escolar no Brasil, responsáveis pela formação de cidadãos críticos, agentes ativos se veem temerosos, pois as gerações de estudantes já nascem dentro do “mundo da tecnologia”, enquanto alguns professores não têm domínio do mouse. 6 7 Destarte, é necessário que o docente tenha ótima formação acadêmica, ética, didática, criatividade, vontade de aprimorar seus conhecimentos e que o ambiente escolar disponibilize
  5. 5. Prática Pedagógica Renovada Mídias na Educação recursos didáticos para desenvolver seu trabalho com qualidade, ou seja, são muitos os fatores que devem estar atrelados. O livro didático, o quadro negro, o giz, cópias de exercícios e ou textos não são suficientes para atrair a atenção dos estudantes. Freire (2001, p. 20) afirma: Pensar na História como possibilidade é reconhecer a educação também como possibilidade. É reconhecer que se ela, a educação, não pode tudo, pode alguma coisa. Sua força, como costumo dizer, reside na sua fraqueza. Uma de nossas tarefas como educadores e educadoras, é descobrir o que historicamente pode ser feito no sentido de contribuir para a transformação do mundo, de que resulte um mundo mais “redondo”, menos arestoso, mais humano, e em que se prepare a materialização da grande utopia: Unidade na Diversidade. Promover uma educação escolar que respeite a diversidade cultural e ao mesmo tempo reduza as desigualdades sociais tornou-se desafio de governantes e da comunidade escolar. No Brasil, parte da sociedade entende a real necessidade de reverter o quadro caótico da educação escolar estabelecido, mas cabe ao educador o maior encargo. Cury (2008, p. 42) salienta: Se um professor não conseguir provocar a inteligência dos alunos durante sua exposição, ele não o educou. O que é mais importante na educação: a dúvida ou a resposta? Muitos pensam que é a resposta. Mas a resposta é uma das maiores armadilhas intelectuais. Quem determina o tamanho da resposta é o tamanho da dúvida. A dúvida nos provoca muito mais do que a resposta. O professor precisa, antes de tudo, estar capacitado para instigar o educando, nas palavras de Passini (1998, p.73): O professor é o parceiro mais importante no processo de aprendizagem, pois ele pode incitar o grupo de alunos ao aprendizado, desafiá-los a serem pesquisadores permanentes, como pode também ser o responsável pela amputação intelectual, desistência e desânimo de uma turma inteira. O processo de aprendizagem é constante, fato que faz do professor eterno aprendiz, ao planejar as aulas, faz leituras, pesquisa novas formas de ensinar, utiliza a criatividade para atender os estudantes. Libâneo (2002, p. 6) afirma que: O papel do professor, portanto é o de planejar, selecionar e organizar os conteúdos, programar tarefas, criar condições de estudo dentro da classe, incentivar os alunos, ou seja, o professor dirige as atividades de aprendizagem dos alunos a fim de que estes se tornem sujeitos ativos da própria aprendizagem. Não há ensino verdadeiro se os alunos não desenvolvem suas capacidades e habilidades mentais, se não assimilam pessoal e ativamente os conhecimentos ou se não dão conta de aplicá-los, seja nos exercícios e verificações feitos em classe, seja na prática da vida. As habilidades e competências desenvolvidas pelo estudante perpassam pelo trabalho do professor. Para White (2002, p.4) os professores que tornam, “[...] seu objetivo educar os alunos de maneira que estes vejam e sintam estar neles próprios o poder de formar homens e mulheres de sólidos princípios, habilitados para qualquer posição na vida, são os mestres mais úteis e de êxito permanente”. Marques (1992, p.163) afirma: Não se trata de formar um profissional fechado no seu casulo de um saber exclusivo e autossuficiente, mas de formar, no profissional, o homem da competência comunicativa, que construa seu saber no diálogo fecundo e provocador e no serviço à sociedade ampla e plural, no mundo da vida compartilhando entre os iguais. Nesta perspectiva, o docente da educação básica é formador diretamente de todos os demais profissionais da sociedade, o que pode ser entendido com o privilégio, pois contribui com o processo de amadurecimento e engrandecimento do ser humano. Especialmente aqueles professores que fazem questão de buscarem novos conhecimentos. Cury (2008, p. 93) comenta: “Os professores devem 8 9
  6. 6. Prática Pedagógica Renovada Mídias na Educação superar o vício de transmitir o conhecimento pronto como se fossem verdades absolutas.” Acreditamos que o docente pode sobrepujar todas as barreiras e promover a construção do saber com o estudante. [...] no processo de aprendizagem, só aprende verdadeiramente aquele que se apropria do aprendido, transformando-o em apreendido, com o que pode, por isso mesmo, reinventá-lo; aquele que é capaz de aplicar o aprendido-apreendido a situações existenciais concretas. Pelo contrário, aquele que é “enchido” por outros de conteúdos cuja inteligência não percebe, de conteúdos que contradizem a própria forma de estar em seu mundo, sem que seja desafiado, não aprende (FREIRE 1983, p.7). São muitas as alternativas para o aprimoramento do docente na contemporaneidade, mas os cursos voltados para o aprendizado das novas ferramentas tecnológicas são, sem dúvida, necessários e muito atraentes. Saber fazer uso adequadamente de jogos interativos; da televisão; do aparelho de DVD; do projetor de multimídia; do micro system; da mídia impressa (jornais, revistas, textos); da internet, que oferece site de pesquisa, blog, imagens de satélites [...], entre outros é uma ferramenta interessante para promover uma aprendizagem prazerosa. Nesta perspectiva, Moran (2000, p. 23) argumenta Que fatores podem nos levar a aprender melhor e de forma mais prazerosa? Aprendemos melhor quando vivenciamos, experimentamos, sentimos. Aprendemos quando relacionamos, estabelecemos vínculos, laços entre o que estava solto, caótico, disperso, integrando-o em um novo contexto, dando-lhe significado, encontrando um novo sentido. Com o Programa de Formação Continuada em Mídias na Educação obtivemos resultados extremamente significativos na Universidade Estadual de Montes Claros. Foi atendido um público aproximado de 1.502 cursistas, conforme nos apresenta o Quadro I. 10 QUADRO I - CURSISTAS MATRICULADOS POR ANO ANO 2007 2008 2009 2011 Nº. MATRICULADOS 193 343 484 482 Fonte: Sistema de Gestão Questionário de Avaliação - SGQA, 2012. No Quadro II, apresentamos dados dos Ciclos ofertados entre os anos de 2007 a 2012 e, ainda, o quantitativo de alunos concluintes em cada Ciclo do Curso Mídias na Educação. QUADRO II – CURSISTAS CONCLUÍNTES POR CICLO. ANO 2007 2008 2008 2009 2009 2009 2010 2010 2011 2012 CICLO 1ª oferta - Básico 2ª oferta - Básico 1ª oferta - Intermediário 3ª oferta - Básico 2ª oferta - Intermediário 1ª oferta - Avançado 3ª oferta – Intermediário 2ª oferta – Avançado 4ª oferta – Básico Avançado CONCLUINTES 93 240 84 288 189 80 220 108 333 169 Fonte: Sistema de Gestão Questionário de Avaliação - SGQA, 2012 Ainda de acordo com os dados do Quadro II, observamos que 954 cursitas concluíram o Ciclo Básico, 493 o Ciclo Intermediário e 341 o Ciclo Avançado, sendo este último o que certifica ao aluno o título de Especialização em Mídias na Educação. Se levarmos em consideração as dificuldades vividas pelos cursistas, como acesso a internet e baixo conhecimento em informática, obtivemos um quantitativo excelente de cursistas formados pelo programa. A Internet e demais tecnologias nos ajudam a realizar o que já fazemos ou que desejamos. Se somos pessoas abertas, nos ajuda a ampliar a nossa comunicação; se somos fechados, contribui para controlar mais. Se temos propostas inovadoras, facilita a mudança. Com ou sem tecnologias avançadas podemos vivenciar processos participativos de compartilhamento de ensinar e aprender (poder distribuído) através da comuni- 11
  7. 7. Prática Pedagógica Renovada Mídias na Educação cação mais aberta, confiante, de motivação constante, de integração de todas as possibilidades da aula-pesquisa/aula-comunicação, num processo dinâmico e amplo de informação inovadora, reelaborada pessoalmente e em grupo, de integração do objeto de estudo em todas as dimensões pessoais: cognitivas, emotivas, sociais, éticas e utilizando todas as habilidades disponíveis do professor e do aluno (MORAN, 2000, p.27). O Programa de Formação Continuada em Mídias na Educação com o propósito de capacitar profissionais da educação, oportunizou a diversos professores a possibilidade de aprender e aperfeiçoar seus conhecimentos, introduzir novas formas de ensinar e de se relacionar, melhorando, consequentemente, o processo de aprendizagem dos seus alunos. Professores mais abertos, confiantes, bem resolvidos podem compreender melhor e implantar novas formas de relacionamento, de cooperação no processo de ensinar e aprender. Estão atentos para o novo, conseguem ouvir os outros e expressar-se de forma clara, não ficam ressentidos porque suas ideias não foram eventualmente aceitas. Cooperam em projetos que foram decididos democraticamente, mesmo que não coincidam com todos os seus pontos de vista (MORAN, 2000, p. 4). Consideramos que a formação do professor é simultânea à sua prática, não há dissociação. Portanto, ela deve ser um processo dinâmico, visando o conhecimento e o aperfeiçoamento deste conhecimento, o que propiciará a melhoria da prática educativa. 12 CONSIDERAÇÕES FINAIS A prática pedagógica do professor deve se apoiar sempre na renovação do conhecimento. Um professor comprometido com a educação reflete constantemente sobre o seu papel na dinâmica da sala de aula. Mais que isso, busca capacitação e alternativas inteligentes para que a aprendizagem ocorra de fato. E as tecnologias podem ser um instrumento importante nesse processo. Devido ao sucesso da realização do Mídias na Educação, na Unimontes, em atendimento a milhares de professores da educação básica, acreditamos na importância do oferecimento de cursos de formação continuada a professores da rede pública, visando, sobretudo, a capacitação para o uso pedagógico dos recursos tecnológicos em sala de aula. Sendo que, o resultado direto de uma boa formação de professores é, com certeza, o aprendizado dos alunos. Assim, consideramos que o Curso Mídias na Educação, com a sua proposta dinâmica do aprender/fazendo, oportuniza aos professores cursistas a ampliação e a aplicabilidade do saber, tendo em contrapartida um melhor aproveitamento do conteúdo escolar. 13
  8. 8. Prática Pedagógica Renovada REFERÊNCIAS CURY, Augusto. Pais brilhantes, professores fascinantes. Rio de Janeiro: Sextante, 2008. FREIRE, Paulo. Extensão ou Comunicação? 8ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983. FREIRE, Paulo. Política e Educação. 5ª ed. São Paulo: Cortez, 2001. LIBÂNEO, José Carlos. Didática Velhos e Novos Temas. Edição do autor. Maio de 2002. O VÍDEO PUBLICITÁRIO COMO PRÁTICA DIDÁTICA PARA A INCLUSÃO DE UM NOVO IDIOMA BORGES, Cláudia Lúcia dos Santos1 QUEIROZ, Antônia Márcia Duarte2 MARQUES, M. O. A formação do profissional da educação. Ijuí (RS): UNIJUÍ, 1992. MORAN, José Manuel, MASETTO, Marcos T., BEHRENS, Marilda A. Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas, SP: Papirus, 2000. 133p. __________ A educação que desejamos novos desafios e como chegar lá. Campinas: Papirus, 2007. PASSINI, Elza Yasuko (Org.) - Prática de ensino e estágio supervisionado – Autonomia, São Paulo: Cooperativa técnicoeducacional, 1998. WHITE, Ellen Goldman. Conselhos sobre Educação. Tatuí (SP): Editora Casa Publicadora brasileira. 2002. TOMINI, I. M. et al. O ensino de Geografia e suas composições Curriculares. Porto Alegre, UFRGS, 2011. INTRODUÇÃO Esse trabalho busca apontar os resultados de uma pesquisa de intervenção aplicada em uma turma do 7º ano da Escola Municipal “Dalva Ferreira Diniz” e destacar o uso da televisão e do vídeo em sala de aula como recursos didáticos para a inclusão de um outro idioma e os desafios na incorporação desses recursos à prática do professor para motivação dos educandos. Para estudo e pesquisa utilizou-se da teoria inovadora e midiática de Moran (1995, 1998), os Parâmetros Curriculares Nacionais de Língua Inglesa BRASIL (1998, 1999) e do material disponibilizado pelo Curso Mídias na Educação BRASIL (2010) que revelou a necessidade de uma redefinição do papel do 1 Cursista do Programa de Formação Continuada Mídias na Educação através da Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES); Graduada em letras e Especialista em Metodologia e Ensino da Língua Inglesa; Professora dos anos finais do Ensino Fundamental da Rede Municipal e Estadual de Sete Lagoas MG. 2 Graduada em Geografia e Mestre em Desenvolvimento Social pela Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES); possui experiência docente como professora na educação básica; na Graduação no Departamento de Geociências – UNIMONTES; Professora Formadora da Universidade Aberta do Brasil- UAB e Professora Orientadora do Ciclo Avançado (Pós-Graduação Lato-Sensu) do Programa de Formação Continuada - Mídias na Educação. 14 15
  9. 9. Prática Pedagógica Renovada Mídias na Educação professor, para que este estabeleça uma interação com os meios de comunicação e uma atuação enquanto mediador do processo de ensino-aprendizagem, potencializando, com isso, a formação de um aluno mais crítico em relação ao veículo televisivo. Desta forma este trabalho cria possibilidades para novos olhares e novos diálogos para a construção da aprendizagem, apontando a televisão como um desafio para a escola, uma possibilidade de interação entre educador e educandos e um instrumento mediador do ensino-aprendizado. A educação contemporânea precisa estar voltada para a formação de cidadãos capazes de participar na construção de uma sociedade melhor, conscientes de seus direitos e deveres e preparados para acompanhar as transformações do mercado de trabalho e do mundo. Nesse sentido, o objetivo geral desse trabalho foi fazer com que o aluno conhecesse as vantagens e oportunidades que o domínio de um outro idioma traz. mídias contribuir para o ensino aprendizagem? Como despertar o interesse dos alunos para a aprendizagem da língua inglesa? Como motivá-los para a sua transformação na sociedade? O Uso da TV e vídeo como ferramenta educacional norteados por uma teoria Sociointeracionista, que é defendida pelos Parâmetros Curriculares Nacionais (1998) proporcionará interatividade entre professor e aluno. Os processos cognitivos têm uma natureza social, sendo gerados por meio da interação entre um aluno e um parceiro mais competente. Em sala de aula, esta interação tem, em geral, caráter assimétrico, o que coloca dificuldades específicas para a construção do conhecimento. Daí a importância de o professor aprender a compartilhar seu poder e dar voz ao aluno de modo que este possa se constituir como sujeito do discurso e, portanto, da aprendizagem. O ENSINO DA LÍNGUA INGLESA SOB UM NOVO OLHAR A Escola Municipal “Dalva Ferreira Diniz”, na cidade de Sete Lagoas - MG, esta inserida em uma comunidade carente do ponto de vista social, econômico, educativo e cultural e a turma escolhida, do 7º ano, a qual trabalho como professora de língua inglesa desde 2010 tem um perfil de imatura quanto as reais necessidades de se estudar uma segunda língua, fez-se necessário, então uma intervenção pedagógica para nortear a concepção dos alunos em relação ao poder transformador da educação na sua vida social, entre elas o domínio da língua inglesa, como agente socializador na formação do indivíduo. Os alunos são todos muito diferentes, diferem-se em idade, sexo, naturalidade, nacionalidade e nível de conhecimento. Suas atitudes em sala de aula são afetadas por sua motivação, suas necessidades, sua formação cultural e educacional e seu contexto social. Ele não está só, logo, ele precisa se comunicar. E ao contrário do que muitos pensam, a comunicação não acontece somente quando falamos, estabelecemos um diálogo ou redigimos um texto, ela se faz presente em todos (ou quase todos) os momentos. Comunicamo-nos com nossos colegas de escola, com o livro que lemos, com a revista, com os documentos que manuseamos, através de nossos gestos e ações. É comum ouvir sempre as perguntas: Por que nós temos que estudar inglês? Eu não vou morar em outro país! Possivelmente, essa grande maioria (de alunos adolescentes) não sente nenhuma necessidade ou desejo de se comunicar em língua estrangeira e não percebe a necessidade futura de se falar um segundo idioma. Por que não usar o que os alunos mais gostam para mostrar que a língua inglesa é de suma importância? Poderia o uso de O objetivo de aprender uma língua é se comunicar nessa língua. Isso significa que a língua que se ensina deve ser significativa, natural e útil aos alunos. A educação em Língua Estrangeira na escola, particularmente o inglês, dá acesso à ciência e à tecnologia modernas, à comunicação intercultural, ao mundo dos negócios e a outros modos de se conceber a vida humana. 16 17
  10. 10. Prática Pedagógica Renovada Mídias na Educação Com o advento da globalização econômica, vem aumentando cada vez mais o fascínio que os meios de comunicação exercem sobre as pessoas e, especialmente, sobre o adolescente. A aquisição do conhecimento através da televisão acontece principalmente pela via mais leve e mais fácil o da distração e do entretenimento. O vídeo parte do concreto, do visível, do imediato, próximo, que toca todos os sentidos. Mexe com o corpo, com a pele, toca-nos e “tocamos” os outros, estão ao nosso alcance através dos re-cortes visuais, do close, do som estéreo envolven-te. Pelo vídeo sentimos experienciamos sensorial-mente o outro, o mundo, nós mesmos (MORAN, 1995. p. 27). O avanço tecnológico acelerado urge que se mude a relação da escola com a tecnologia. Isso se deve a massificação de mídias e recursos tecnológicos como a televisão, o celular (cada vez mais sofisticado) e a Internet cada vez mais presentes na vida das novas gerações que já nasceram em um mundo digital. Dentre os muitos gêneros textuais e discursivos que se podem estudar utilizando a TV, a propaganda e a publicidade em vídeo são as que mais contribuem para a formação e construção do conhecimento, pois permitem apropriar-se de uma determinada linguagem com determinadas intenções ideológicas e comunicativas contribuindo para o desenvolvimento não só da linguagem em geral, inclusive da língua estrangeira, mas também para a formação de uma leitura crítica dos textos verbais e nãoverbais que são produzidos socialmente. Entretanto, é preciso saber aproveitar a liberdade e a criatividade do espaço televisivo (publicidade e propaganda), e, ao mesmo tempo, aprender a definir os limites, a consciência crítica, reabilitar os valores e fortalecer a identidade das pessoas e dos grupos – desafios de hoje a serem enfrentados por todos os profissionais do ensino. 18 Nesta concepção televisão e vídeo atuam como recurso para potencializar o processo de aprendizagem do aluno. Uma vez que esses meios têm grande participação na vida de estudantes e de professores. Segundo Moran (1995, s/p) [...] Os jovens lêem o que podem visualizar, ou seja, precisam ver para compreender; [...] A TV e o vídeo respondem às sensibilidades dos jovens como para a grande maioria da população; [...] A linguagem visual desenvolve múltiplas atitudes perceptivas. É um exercício muito motivador para o aluno a criação de seu próprio vídeo. Este é um trabalho que terá como resultado um produto informativo, divertido e significativo. Ao se trabalhar com temas, cria-se a possibilidade de interdisciplinaridade, de construção conjunta de um conhecimento contextualizado. Conceitos são criados, recriados ou aprofundados. A TV e o vídeo trazem informações que possibilitam ao professor ser um mediador e não mais aquele que informa, além de colocar-nos em contato com diversas linguagens (audiovisual, multimídia, coloquiais). Assim desenvolveram-se práticas pedagógicas com os alunos para a inclusão da língua inglesa. A pesquisa de intervenção foi realizada com uma turma do 7º ano da Escola Municipal “Dalva Ferreira Diniz”. Estes alunos apresentavam desde o início do ano uma grande apatia para os estudos. Muitos desses alunos eram repetentes, alguns até mais de dois anos na mesma série. Determinados alunos apresentavam grande dificuldade em interagir com certas atividades, outros apresentavam resistência total no sentido de adquirir conhecimentos, se isolando dos demais colegas, negando a participar das atividades propostas, bem como não apresentando interesse qualquer em realizar algo que se refere à aprendizagem. Nossa grande dificuldade era despertar o interesse desses alunos pelo estudo, principalmente pela língua inglesa que para eles não tem muita importância. Para diagnosticar o porquê desse desinteresse dos alunos foi aplicado um questionário obtendo o resultado apresentado 19
  11. 11. Prática Pedagógica Renovada Mídias na Educação nos gráficos abaixo. Não 41% processo de ensino e aprendizagem. Os principais usos são: Para motivar, sensibilizar os alunos – É, do meu ponto de vista, o uso mais importante na escola. Um bom vídeo é interessantíssimo para introduzir um novo assunto, para despertar a curiosidade, a motivação para novos temas. Isso facilitará o desejo de pesquisa nos alunos para aprofundar o assunto do vídeo e da matéria (MORAN, 2009, s/p). Sim 47% Mais ou menos 12% O projeto teve início no mês de setembro e encerrou-se no mês de dezembro, perfazendo uma média de quinze módulos/aulas de cinqüenta minutos. GRÁFICO 01: Você gosta de estudar inglês? GRÁFICO 02: Em que aspectos o ensino da língua inglesa precisa melhorar? Fonte: resultados do questionário. Fonte: resultados do questionário No gráfico 01 percebeu-se que 47% dos alunos gostam de estudar inglês contra 41% que não gosta, os 12% que não souberam responder corresponde a parcela dos alunos que se encontram desmotivados e que demonstram grande apatia para o estudo independente de qualquer matéria. Já no gráfico 02 os alunos reconhecem que o ensino da língua inglesa como é ministrado nos dias atuais precisa melhor. Quando perguntado em que aspectos devem-se melhorar o ensino a grande maioria concorda que o uso da tecnologia durante as aulas e na resolução de problemas ajudaria muito mais na aquisição de um outro idioma. No sentido de ajudar os alunos desmotivados e também para a desconstrução de um modelo de escola autoritária e centrada no professor, propomos a criação de um vídeo publicitário para ser exibido em toda a escola, criando assim a oportunidade para que todos os alunos se envolvam no processo de ensino e aprendizagem, atendendo a solicitação da maioria que era o uso de tecnologias e filmes, mudando assim o ambiente de aprendizagem. Os vídeos podem ser utilizados em todas as etapas do 20 Em uma roda de conversas os alunos responderam que era através de trailers que ficavam sabendo o que estavam em cartaz. O vencedor foi “Planeta dos Macacos”3. Já na segunda aula aproveitamos a resenha do filme para trabalhar algumas palavras na língua inglesa, iniciando assim o processo de aquisição de conhecimento em uma língua estrangeira. O próximo passo antes de assistir o filme no cinema foi assistir em sala de aula os trailers dos filmes que estavam em cartaz. Para a terceira aula da pesquisa preparamos uma exibição de cada trailer em duas versões: primeiro em língua inglesa, onde questionamos os alunos sobre o que entenderam. Alguns de primeira responderam que não entenderam nada, mas após assistir várias vezes, puderam sim, falar sobre o que imaginavam que iria acontecer. Logo perguntamos quais foram as pistas que levaram os alunos a entender o trailer. Alguns responderam que foram as cenas e os letreiros em inglês que passaram. Assim mostramos para eles que é possível entender imagens e até textos sem precisar saber falar e compreender a língua fluentemente. Depois exibimos o trailer em português para que pudessem confirmar o que sabiam. 3 PLANETA DOS MACACOS – A ORIGEM (Rise of The Planet of The Apes, EUA, 2011) Duração: 105 min. Gênero: Ficção Científica. A arrogância do Homem deflagra uma cadeia de acontecimentos que leva os símios a ter um outro tipo de inteligência e a desafiar nosso posto de espécie dominante no planeta. César, o primeiro símio inteligente, é traído pelos humanos e se revolta passando a liderar a incrível corrida de sua espécie rumo à liberdade e ao inevitável confronto com o Homem.  http://www.cinepop.com.br/filmes/planeta-dos-macacos-2011.php 21
  12. 12. Prática Pedagógica Renovada Mídias na Educação Com o objetivo de produzir um vídeo publicitário, provocou-se os alunos perguntando se agora já estavam preparados para dirigir, atuar e editar um filme promocional. Todos estavam empolgados. Como tema, escolhemos a divulgação dos cursos de inglês, assim eles poderiam entender e dissertar sobre a importância da língua inglesa nos dias atuais. Para a quinta aula do projeto escolhemos duas atividades do livro didático dos alunos. A primeira sobre a origem da língua inglesa, sua importância e sua história. E a segunda abordando os meios de comunicação de massa, suas características e usos. Quase todas as atividades foram desenvolvidas na língua estrangeira e resolvidas sem reclamações ou preguiça. E o melhor foi que eles compreenderam o objetivo dessas atividades. Já na sexta aula, escolhemos alguns vídeos publicitários de escolas de idiomas para levar para a classe. Nosso objetivo era estudar como um vídeo publicitário era organizado, reconhecer os elementos constitutivos e algumas estratégias de um anúncio publicitário. (Bilingual Cat, Ad on foreign languages, Comercial Cultura Inglesa, Comercial Wizard, Seatbelt). Em casa baixamos os vídeos e gravamos para assistir na TV da escola. Para usá-la os professores agendam com a bibliotecária o dia e quando fomos agendar as datas para os alunos assistirem não havia vaga para os próximos dias, logo adiamos por alguns dias os nossos planos de assistir aos anúncios e introduzimos a gramática que seria necessária para que os alunos pudessem criar seus anúncios , com tema como Present Continuous Tense para descrever as cenas de cada filmagem, tema de nossa sétima aula. Após conhecerem a estrutura de um vídeo publicitário, conhecer as vantagens e desvantagens do produto ou ideia anunciada os alunos em grupo de trabalho seguiram a seguintes etapas: Na nona aula criaram e planejaram o vídeo discutindo o que poderiam abordar, como fariam, o tipo de linguagem (verbal, não-verbal ou mista), o público alvo, o slogan e os efeitos visuais; Na décima aula fizeram o roteiro, escrevendo a história que seria 22 contada no vídeo. Descreveram em língua inglesa as cenas que deveriam ser gravadas, destacando o que, quando, onde e como; Na décima primeira e décima segunda aula foi realizadas algumas tomadas. Utilizando máquinas fotográficas e filmadoras os alunos se dividiram em atores, produtores e diretor e organizaram os dias de filmagens de cada cena. As filmagens não aconteceram todas no mesmo dia devido a cenários diferentes e também porque nossas aulas são módulos de cinqüenta minutos, tempo insuficiente para todas as gravações. Para que os alunos tivessem algumas noções sobre filmagem, exibiu-se um vídeo sobre técnicas de filmagem em sua aula; Da décima terceira à décima quinta aula os alunos editaram os vídeos: Durante as aulas após as gravações trabalhando sob a orientação da professora e de outros alunos que dominavam as técnicas de edição de vídeo utilizando o notebook da biblioteca, pois os computadores do laboratório de informática não possuem editores de vídeo, os alunos opinaram na criação do vídeo, escolhendo as imagens, cores, plano de fundo e letras. Foram produzidos quatro vídeos persuadindo o telespectador a estudar a Língua Inglesa. O primeiro vídeo o personagem é um garoto bom de bola e que foi contratado para jogar em um time porque além de jogar bem ele estuda e fala inglês. O segundo vídeo os alunos demonstram grandes manobras com a bicicleta e instiga o telespectador a praticar algo diferente como o estudo de um outro idioma. Já no terceiro vídeo a turma do Sítio do Picapau Amarelo dá uma aula de inglês para todos. E no quarto vídeo, um adolescente perde um encontro com uma garota porque não entendeu o bilhete que ela lhe deixou escrito em língua inglesa. O professor pode encontrar na utilização de tecnologias de informação e comunicação o suporte técnico instrumental que faltava para incentivar os alunos a se comunicar em outro idioma incrementando o processo de interação, despertando-lhes o sentimento de responsabilidade e parceria no processo de ensinoaprendizagem. 23
  13. 13. Prática Pedagógica Renovada Mídias na Educação Prova disso foram os resultados das avaliações que os alunos apresentaram no decorrer do ano após iniciarmos a pesquisa intervenção com estes alunos. O rendimento da turma na qual foi aplicada a pesquisa de intervenção durante o ano de 2011 mostrou que no primeiro bimestre quase a metade dos alunos ficou com notas perdidas na disciplina de inglês, enquanto no quarto bimestre após encerramos a pesquisa de intervenção praticamente toda a turma conseguiu a média do bimestre, tendo assim um alto índice de aprovação. CONSIDERAÇÕES FINAIS O objetivo era despertar o interesse do aluno para o estudo de um outro idioma, pois a grande maioria não sentia necessidade ou desejo de se comunicar em língua estrangeira, não compreendiam a importância do estudo da língua inglesa e por que o domínio deste idioma está se tornando cada vez mais necessário para o sucesso na vida adulta. Durante as atividades os alunos perceberam que a Língua Inglesa faz parte de um mundo plurilíngüe, seu papel hegemônico em determinado momento histórico e identificaram seu uso no universo dos sistemas de comunicação. Os alunos se sentiram motivados a participar das aulas de criação do vídeo publicitário, pois nossa proposta foi fazer com que os alunos além de estarem assistindo também produzissem seu próprio vídeo. A gravação de um vídeo publicitário despertou o interesse dos alunos para os estudos de modo geral. Dentre as dificuldades e problemas no desenvolvimento desta pesquisa, destaca-se a greve dos professores que atrasou o início da nossa intervenção, tivemos problemas técnicos no laboratório de informática que nos impossibilitou o acesso a internet, a falta dos programas de edição de vídeo nos computadores do laboratório de informática, porém não nos desanimamos, buscamos outras formas de usar o computador como por exemplo levando o notebook da biblioteca, de professores e de alunos para desenvolver o trabalho em sala de 24 aula, problemas na agenda da biblioteca para disponibilizar a TV e o vídeo, para assistirmos os vídeos utilizamos algumas vezes o data show e a carência de apoio humano que acreditassem na proposta, por isso buscou-se o apoio maior dos alunos o que fez com que aumentassem ainda mais o laço de amizade e a confiança deles em relação ao trabalho desenvolvido. REFERÊNCIAS BRASIL, Ministério da Educação, Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros curriculares nacionais, códigos e suas tecnologias. Língua estrangeira moderna. Brasília: MEC, 1999. BRASIL. SEED/ MEC. Programa de Formação Continuada Mídias na Educação. Módulo Básico TV e Vídeo. BRASIL, SEED/MEC. Mídias na Educação – TV E VIDEO http://webeduc.mec.gov.br/midiaseducacao/material/tv/tv_ intermediario/p_08.htm BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua estrangeira. Brasília: MEC/SEF, 1998. MORAN, José Manuel. Desafios da televisão e do vídeo à escola. 1995. Disponível em: http://www.eca.usp.br/prof/moran/desafio. htm. Acesso em: 09/2011. MORAN, José Manuel. Internet no Ensino Universitário: Pesquisa e Comunicação na sala de aula. 1998. MORAN, José Manuel. Vídeos são instrumentos de comunicação e de produção. Entrevista publicada no Portal do Professor do MEC em 06.03.2009 25
  14. 14. A RELEVÂNCIA DAS IMAGENS MIDIÁTICAS NO PROCESSO DE LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE DADOS HISTÓRICOS SIQUEIRA, Tânia Joaquina Pereira de1 ALVES, Cássia Regina Machado Alves2 INTRODUÇÃO A sociedade hoje é cada vez mais tecnológica, e, por esse motivo, é preciso que o sistema educacional se conscientize da necessidade de incluir nos currículos escolares as competências e habilidades para lidar com as novas tecnologias, além de proporcionar os meios para que isso aconteça. Este artigo tem como tema “A relevância das imagens midiáticas no processo de leitura e interpretação de dados históricos” e o objetivo geral da pesquisa/intervenção foi desenvolver, por meio da apreciação e análise de imagens, o hábito e as habilidades de leitura dos alunos, durante as aulas de História. Os objetivos específicos foram: Analisar imagens como recurso importante para o desenvolvimento de leitura; Despertar no aluno o gosto pela leitura através da apreciação de imagens; realizar momentos de leitura e interação através das 1 Graduada em Normal Superior pela Universidade Presidente Antonio Carlos – UNIPAC e em História pelo Instituto Superior de Educação Ibituruna – ISEIB. Professora dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. Cursista do Curso Mídias em Educação (Unimontes-MEC). 2 Pedagoga, Especialista em Tecnologias na Educação pela Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes. Professora-orientadora do Curso Mídias em Educação (Unimontes-MEC). 27
  15. 15. Prática Pedagógica Renovada Mídias na Educação mídias disponíveis na escola; criar um espaço para publicação das produções discentes na internet; divulgar as informações coletadas. O caminho teórico metodológico utilizado para realizar o estudo foi descritivo/exploratório com base na revisão da literatura sobre o objeto de estudo. A escolha desse tipo de pesquisa deve-se ao fato de que a pesquisa bibliográfica é feita a partir de material já elaborado, constituído, principalmente, de livros e artigos científicos mas, foram também utilizados, documentos do meio eletrônico. Alguns dos autores estudados foram: Bittencourt (2005) (1998); Fonseca (2003); Furtado (1998); Macedo (2005); Moran (1998); Napolitano (2005; 1999); Seffener (2000); Freire (1985); Silva (2005) dentre outros, além das Leis de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (1996) e dos Parâmetros Curriculares Nacionais (1998). Concomitantemente, desenvolveu-se uma prática pedagógica de intervenção e análise utilizando a leitura de imagens e gravuras procurando responder ao seguinte problema: “o que fazer para que os alunos desenvolvam o gosto pela leitura e ao mesmo tempo consigam interpretar os diferentes textos históricos que circulam na sociedade utilizando o computador e o material impresso?”. Esta intervenção pedagógica foi desenvolvida na Escola Municipal Antonio de Souza Rosa, localizada no povoado de Morrinhos, município de Bocaiúva-MG, com 15 alunos do 6º ano do Ensino Fundamental. Apesar do interesse pelos estudos, estes alunos apresentavam dificuldade para ler e interpretar textos. A escolha deste tema deveu-se ao fato de, no desenvolvimento do meu trabalho docente na escola com esses alunos, pude perceber que poderia despertar o interesse pelo estudo de História através da análise de imagens e do uso do computador e de material impresso, ajudando-os a desenvolverem as competências de leitura, escrita, argumentação, interpretação de dados, imagens e textos. 28 Sabe-se que além do quadro-negro e dos livros existem outras formas de desenvolver o processo de ensino/aprendizagem do conteúdo de História, quer seja dentro ou fora do espaço escolar. Inserir os meios de comunicação pode significar um passo decisivo na formação dos discentes e representar uma maior compreensão do mundo individual de cada aluno e da sociedade em que está inserido, o que o tornará um cidadão mais crítico, consciente e participativo, capaz de escrever a sua própria história. AS MÍDIAS NO PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM DO CONTEÚDO DE HISTÓRIA No mundo atual dependemos cada vez mais da tecnologia e não podemos deixar de incorporá-la no meio educacional. A informática é um importante auxiliar para nós professores, na tarefa de transmitir o conhecimento. Com o uso da mesma em situações de aprendizagem, os alunos ampliam a maneira de ver o mundo numa perspectiva reflexiva, questionadora, pesquisadora e analítica de tudo o que estiver à sua volta, sem, contudo, deixar de lado o diálogo e a interação. Como afirma Freire(1985, p.13) “a leitura e a realidade se prendem dinamicamente”. Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais: História (1998), “o professor tem de ensinar os alunos a fazer uma leitura histórica do mundo”. Nessa perspectiva, ele pode explorar com os alunos conceitos de metodologias de análise histórica, tais como, interpretar documentos e relacioná-los no tempo e no espaço em que foi feito e/ou escrito. Cabe a ele prover os meios pedagógicos para que os alunos desenvolvam competências e habilidades que os levem a contextualizar documentos através da capacidade de interação e interpretação, de forma a retirar informações destes, sejam eles: imagens, revistas, livros didáticos, músicas, dentre outros. [...] para a área de História procuram valorizar o intercâmbio de idéias, sugerindo a análise e interpretação 29
  16. 16. Prática Pedagógica Renovada Mídias na Educação de diferentes fontes e linguagens – imagens, texto, objeto, musica, etc. – a comparação entre informações e o debate acerca de explicações diferentes para um mesmo acontecimento (BRASIL, 1998, p.60). Infere-se, pois, que o ensino de História deve utilizar diferentes tipos de fontes, sempre com o objetivo de desenvolver o espírito crítico dos educandos. Para que isso aconteça é de fundamental importância que alunos e professores tenham claros seus objetivos sobre o processo de ensino/aprendizagem do conteúdo a ser estudado. As mídias escolhidas para esse trabalho foram utilizadas para despertar o interesse pelo conteúdo proposto nas aulas de História, pois estas atuam cada vez mais como complemento das atividades educativas, contribuindo para uma aula mais dinâmica e tornando a prática pedagógica diferenciada e mais significativa. No trabalho diário, observa-se que os alunos demonstram um maior interesse quando as aulas envolvem o computador e a internet. Com o uso das imagens pelo computador os educandos passaram a fazer uma leitura e uma interpretação mais crítica, o que muito contribuiu para a construção do conhecimento histórico. As imagens visualizadas através da internet e que foram utilizadas como recursos didáticos são constituídas de filmes, fotografias e imagens informáticas dos CD-ROMs e softwares. PROJETO DE INTERVENÇÃO NO CONTEÚDO DE HISTÓRIA A pesquisa de intervenção A Relevância das imagens midiáticas no processo de leitura e interpretação de dados Históricos foi realizada na Escola Municipal Antônio de Souza Rosa, situada no povoado de Morrinhos, zona rural do município de Bocaiuva, região norte do estado de Minas Gerais. Os sujeitos-alvo do trabalho desenvolvido foram os alunos do 6º ano do Ensino Fundamental, do turno matutino. A turma é formada por quinze alunos, sendo quatro meninas e onze meninos com idades compreendidas entre dez e catorze anos. A 30 intervenção foi motivada pelo desejo de melhorar o entendimento dos fatos históricos, pois os alunos tinham muita dificuldade para ler e interpretar os diferentes documentos históricos. O uso das imagens como temática para a intervenção, além de contribuir para a melhoria da qualidade da leitura e escrita tornou as aulas de História mais atraentes e diversificadas, porque os alunos tiveram a oportunidade de construir a sua própria história e conhecer a história da comunidade em que estão inseridos. O projeto foi desenvolvido durante os meses de setembro e outubro de 2011 e pôde-se perceber que o objetivo do trabalho foi atingido, pois os alunos desenvolveram o hábito e as habilidades de leitura, escrita e interpretação a partir da apreciação e leitura de imagens com a utilização das mídias disponíveis na escola. Todo o trabalho didático foi desenvolvido com o conhecimento da comunidade escolar e, como esse ia envolver algumas atividades novas, o primeiro passo foi realizar uma reunião com a direção da escola para levar ao seu conhecimento as estratégias contidas no projeto. Em setembro de 2011 o projeto foi apresentado aos alunos e organizou-se na sala de aula uma mesa redonda, com o objetivo de deixá-los à vontade para expressarem as suas opiniões. No inicio foi difícil, por causa da timidez, mas aos poucos, os alunos foram se soltando e falaram bastante da comunidade onde vivem e como podiam ajudar a entender a história a partir das fotos e documentos que tinham em casa. Posto isso, convocamos os pais e responsáveis para uma reunião na escola, para lhes ser apresentado o projeto. Todos compareceram no dia marcado e desta reunião participaram também, a direção, o corpo docente e os alunos. Durante a reunião os pais foram participativos e se comprometeram a ajudar os filhos nas atividades e a autorizar as atividades extraescolares. Começava, então, o trabalho de desenvolvimento do projeto. Na sala de aula foi utilizado o livro didático História, Sociedade Cidadania, de Alfredo Boulos Júnior, livro adotado na 31
  17. 17. Prática Pedagógica Renovada Mídias na Educação turma e que vinha ao encontro do que era preciso, pois é repleto de textos, figuras e fotografias que podem ser trabalhadas, para atingir o objetivo proposto: ler e interpretar a diversidade de textos históricos. Logo na unidade um, o livro trata da “História e fontes históricas”. Através de fotos modernas e antigas, o aluno é convidado a observar as diferenças existentes na maneira de se vestir, estudar, enfeitar e agir e, a partir daí, foram construindo o conhecimento sobre o que a História estuda: as mudanças e as permanências. Em seguida foi introduzida a ideia de “fontes históricas” e como elas se materializam através de documentos escritos, da arte, dos desenhos, das fotos, das musicas. Estas foram as conclusões tiradas pelos alunos ao verem o livro didático e ao discutirem o assunto com a professora. Então, foi-lhes pedido que procurassem em casa ou na comunidade fontes históricas para trazerem para a sala de aula. Para Schemidt (2001, p.57), O professor de História pode ensinar o aluno a adquirir as ferramentas de trabalho necessárias; o saber-fazer, o saber-fazer-bem, lançar os germes do histórico. Ele e responsável por ensinar o aluno a captar e a valorizar a diversidade dos pontos de vista. Ao professor cabe ensinar o aluno a levantar problemas e a reintegrá-los num conjunto mais vastos de outros problemas, procurando transformar, em cada aula de História, temas em problemáticas. Com o desenvolvimento deste projeto foi esse o papel do professor: orientar os alunos para o saber-fazer, preparandoos para a diversidade de pontos de vista. Com o material que os alunos trouxeram, fotos, recortes de jornal, documentos de identificação, certidões de nascimento e óbito, cada um escreveu a sua própria história, apresentou-a para os colegas e toda a produção foi exposta no mural da escola. Pré-História, dos primeiros habitantes da terra e de seus hábitos e costumes. A partir de gravuras e imagens, eles recriaram a vida no período Paleolítico e falaram também nas experiências que tiveram para conseguir fogo, quando estavam em pescarias com a família e amigos e conseguiram entender que esse método de rolar uma madeira em cima de outra ou de esfregar uma pedra na outra deu ao homem na antiguidade o domínio do fogo e, mudou para melhor a sua vida. Os alunos que já haviam passado por essa experiência fizeram a demonstração para os colegas, num passeio feito pela comunidade. Como os alunos já tinham noções sobre o período Neolítico foi-lhes pedido para pesquisarem sobre o período em livros e revistas e para trazerem gravuras de utensílios ou desenhos para a sala. O próximo passo foi levar os alunos para a sala de informática. A sala de informática é uma sala de aula que foi adaptada, com 10 computadores. Nas horas das atividades, às vezes alguns alunos têm que tem usar o mesmo computador para pesquisar. Muitas vezes, os trabalhos têm que ser interrompidos por falta de conexão, então o professor salva o que já está pronto ou no computador ou no pen drive para depois se concluir a tarefa. Primeiro foi ensinado como ligar e desligar o computador e apresentadas as peças mais importantes e sua utilidade, como CPU, monitor, teclado e mouse. Depois os alunos ficaram à vontade para descobrir em que o computador poderia ajudá-los, sempre orientados pelo professor. Foi-lhes ensinado como poderiam fazer o próprio desenho e colorir. Em seguida, foi-lhes pedido, então, que em casa pensassem o que queriam pesquisar para o trabalho que teriam que apresentar sobre a Pré-História. Ao construírem sua própria história, os alunos perceberam que tinham um passado que estavam vivenciando a partir de documentos históricos variados e a partir daí passamos a falar da Nesta atividade, os alunos pesquisaram sobre a PréHistória em vários sites. No site http://julirossi.blogspot. com/2008/02/pr-histria.html os alunos pesquisaram desenhos artísticos e sobre a história da arte. Em http://clickeaprenda. 32 33
  18. 18. Prática Pedagógica Renovada Mídias na Educação uol.com.br/cgi-local/lib-site/conteudo/mostra_conteudo eles puderam visualizar imagens da pré-história. Em http://www. colorirgratis.com/desenhos-de-pre-historia-para-colorir.html, os alunos puderam colorir vários desenhos sobre o assunto e se entusiasmaram muito. objetos que contam a história do município ela ia explicando e respondendo às perguntas dos alunos. Foi uma tarde maravilhosa de mergulho na nossa história e de reconhecimento do muito que os primeiros habitantes fizeram para se chegar ao estado atual de desenvolvimento. No desenrolar do projeto recorreu-se também ao manuseio de mapas, imagens de diferentes tipos (pinturas, desenhos, gravuras, fotografias, etc.) e trabalhamos com eles esse variado tipo de fontes históricas através de diferentes suportes como: revistas, livros, jornais, internet. Tinha-se trabalhado até aqui com documentos históricos que se referiam à Pré-História mundial, os alunos também já tinham construído a história da sua comunidade e precisavam, portanto, ter contato com os documentos históricos relativos ao meio em que estão inseridos. Foi-lhes, então, proposta uma visita ao museu da cidade. Como despedida da visita, foi pedido a todos que se preparassem para os debates da próxima aula. O difícil foi conter os ânimos. Todos queriam falar ao mesmo tempo, mas conseguiuse organizar a sala de modo que cada um ouvisse a opinião do colega e expusesse a sua. Faltava organizar a exposição dos trabalhos e a criação do blog para conhecimento do trabalho desenvolvido nas aulas de história. A exposição dos trabalhos foi aberta à toda a comunidade escolar e os alunos apresentaram desenhos, fotografias, jornais e textos feitos por eles sobre o conteúdo e as atividades desenvolvidas. No dia da visita, que foi realizada extra-horário escolar, foram debatidos alguns pontos importantes, tais como: Só se pode conhecer o passado por meio de vestígios deixados pelos seres humanos na sua passagem pela Terra; É através da investigação que se chega à versão dos fatos. Parte-se de questões colocadas no presente, buscam-se as respostas no passado e retorna-se ao presente para reescrever a História; Os conceitos também têm uma história situada no tempo e no espaço; O conhecimento histórico é algo construído, portanto é algo que não se acaba nunca. Todo o trabalho desenvolvido foi embasado em imagens. Era preciso tornar as aulas mais dinâmicas e atraentes. Como postula Bittencourt (1998, p. 14): Portanto, mostrou-se aos alunos que a História é uma construção e que o conhecimento que se tem da realidade é sempre parcial e incompleto, por isso a História está sempre sendo reescrita à luz de novos fatos históricos que vão surgindo com a descoberta de novas fontes. No dia e hora marcada lá estavam os alunos prontos para a nossa visita que seria um retorno às origens. Fomos recebidos pela guia que iria nos orientar na visita. À medida que se percorria as salas e os stands com os manuscritos, fotos e Apesar de termos usado a oralidade e todo o material que cerca uma sala de aula usou-se também as imagens dos livros, dos museus e da internet e isso conseguiu atrair a atenção dos alunos. Estes puderam aprender que, para se entender uma imagem, é necessário contextualizá-la historicamente porque ela por si só não fala, ao tomá-la como fonte, deve-se perceber que “ela não reproduz o real, mas que ela congela um instante do real, ‘organizando-o’ de acordo com determinada estética e visão do mundo” (JUNIOR, 2009, p. 13). 34 35 A escola sofreu e continua sofrendo cada vez mais a concorrência da mídia, com gerações de alunos formados por uma gama de informações obtidas por intermédio de sistemas de comunicação audiovisuais, por um repertório de dados obtidos por imagens e sons, com formas de transmissão diferentes das que têm sido realizadas pelo professor, que se comunica pela oralidade, lousa, giz, cadernos e livros na sala de aula.
  19. 19. Prática Pedagógica Renovada Mídias na Educação O último passo de desenvolvimento do projeto era a montagem do Blog. Como já possuía um blog, este foi aproveitado para postar o trabalho. Foram escolhidos quatro alunos que ficaram responsáveis por postar os artigos sobre o projeto e fotografias. Nele já se encontram alguns documentos escritos sobre a visita ao museu e fotos que serão atualizados à medida que o trabalho se desenvolva na escola com outras turmas. Durante todo o desenvolvimento do projeto foram utilizados textos de gêneros variados, diferentes tipos de imagens, procurando explorar ao máximo seu potencial pedagógico. Procurou-se, também desenvolver competências e habilidades necessárias à construção da cidadania e da capacidade crítica dos alunos. Todas essas estratégias contribuíram para que os objetivos propostos fossem alcançados e os resultados da intervenção fossem satisfatórios, promovendo uma aprendizagem eficiente e tornando as aulas mais atrativas. didáticos, oficina utilizando imagem e divulgação do material reproduzido durante o desenvolvimento do projeto mostraram que é importante que professor e aluno devem aprender a interagir e manusear materiais diferenciados, com múltiplas linguagens existentes nos meios de comunicação durante o processo de ensino/aprendizagem, pois ler criticamente o discurso da mídia propicia a inserção do sujeito na sociedade e na História de seu tempo. Os resultados foram tão positivos, e ficou tão evidente que o trabalho desenvolvido com o uso da tecnologia torna as aulas mais atraentes, que foi sugerido à direção que implementasse a prática de utilização de imagens, enfatizando o uso das mídias, com os professores de outros conteúdos, e que, nessa perspectiva, cada um (re)elabore a sua própria dinâmica. Conclui-se, pois, que a partir da introdução de novas estratégias para o ensino dos conteúdos como a utilização dos recursos midiáticos no trabalho com imagens pode ajudar no desenvolvimento da leitura e escrita, bem como estimular as habilidades de observar, descrever, sintetizar e relacionar, além de contribuir para conscientizar da importância do trabalho em grupo. CONSIDERAÇÕES FINAIS Antigamente éramos “educados” pelos pais, pela escola, pelo cinema e pelos amigos; hoje, somos educados pela televisão, os jornais, as revistas e a Internet. É, portanto, cada vez mais importante o papel da mídia como instrumento de informação e formação. A educação atualmente não se restringe à escola, ela tem de estar articulada com toda a sociedade e os meios de comunicação devem ser vistos como auxiliares da educação e consequentemente da construção da cidadania. As atividades desenvolvidas nessa intervenção, como: visita a museu, pesquisa em sites, debates, o uso de livros 36 Pode-se afirmar que, através dos trabalhos realizados na execução dessa intervenção, o uso das imagens, da internet e do material impresso em sala de aula contribuiu de forma significativa no processo de aprendizagem. Muitos alunos que não conseguiam interpretar e nem fazer uma leitura critica, com o uso de imagens passaram a ter mais interesse pelas aulas e a entender a importância da História na formação da sociedade contemporânea. REFERÊNCIAS BITTENCOURT, C.M.F. Ensino de História fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2005. BOULOS JUNIOR, A. História Sociedade Cidadania. São Paulo: FTP, 2009. BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto 37
  20. 20. Prática Pedagógica Renovada ciclos do ensino fundamental: introdução. Brasília: MEC/SEF, 1998. BRASIL. LDB - Leis de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. LEI No. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Brasília D.O. U. 23 de dezembro de 1996. FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler em três artigos que se completam. São Paulo, Autores Associados. 10ª ed, 1985. FONSECA, S. G. Didática e prática de ensino de Historia: experiências, reflexões e aprendizados. São Paulo: Papirus, 2003. (Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico). AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM: INSTRUMENTO PARA LEITURA DE TEXTOS EM ESPANHOL NAPOLITANO, M. Pensando a estranha história sem fim. In. KARNAL, L. (Org.) História na Sala de Aula: conceitos, práticas e propostas. São Paulo: Contexto, 2005. ______. Como usar a televisão na sala de aula. São Paulo: Contexto, 1999. ROCHA, U. Reconstruindo a história a partir do imaginário do aluno. In: NIKITIUK, S. M. L. (org). Repensando o ensino de história. 3ª ed. São Paulo: Cortez, 2001. SCHMIDT, M. A. A formação do professor de História e o cotidiano da sala de aula. In: BITTENCOURT C. (org.) O saber histórico na sala de aula. São Paulo: Contexto, 2001. SEFFENER, F. Indagações sobre a história ensinada. In: GUAZZELLI, C. A. B. et al. Questões da teoria e metodologia da história. Guazzelli et al. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2000, p. 257-288. RODRIGUES, Valéria Daiane Soares1 SANTOS, Dulce Pereira dos2 INTRODUÇÃO O Curso Espanhol Instrumental, ferramenta de intervenção para desenvolvimento do projeto “Utilização das mídias no desenvolvimento da habilidade de leitura de textos em espanhol”, foi realizado em parceria com a Diretoria de Desenvolvimento de Recursos Humanos- DDRH, bem como do Centro de Educação a Distância- CEAD, da Universidade Estadual de Montes Claros – UNIMONTES. A Diretoria foi responsável pela divulgação, pela seleção dos alunos e pela emissão dos certificados e o CEAD cedeu espaço para montagem da sala virtual, oferecendo o suporte humano necessário para manutenção do ambiente virtual de aprendizagem. O Projeto teve início após a realização de um diagnóstico, que evidenciou a necessidade de servidores e professores da Unimontes em estudar espanhol. O público-alvo apresentou diferentes motivos para aprender o idioma, principalmente, por reconhecerem a importância do Mercado Comum do Cone Sul e pela necessidade 1 Cursista do Programa de Formação Continuada em Mídias na Educação. Graduada em Letras Espanhol pela Universidade Estadual de Montes Claros- UNIMONTES. 2 Professora Orientadora do Programa de Formação Continuada Mídias na Educação - Unimontes 38 39
  21. 21. Prática Pedagógica Renovada Mídias na Educação de participar de processos seletivos para mestrado e doutorado. Sobre a importância do ensino de língua espanhola e sobre o papel do MERCOSUL, os Parâmetros Curriculares Nacionais de Língua Estrangeira (PCN – LE) estabelecem: de intervenção, como o próprio nome indica, serve como instrumento, permitindo ao professor lançar mão de estratégias pedagógicas capazes de intervir em problemas detectados na instituição. Quanto à ação de intervir, é importante mencionar: Sua crescente importância, devido ao Mercosul, tem determinado sua inclusão nos currículos escolares, principalmente nos estados limítrofes com países onde o espanhol é falado. A aprendizagem do espanhol no Brasil e do português nos países de língua espanhola na América é também um meio de fortalecimento da América Latina, pois seus habitantes passam a (re) conhecerem não só uma força cultural expressiva e múltipla, mas também política (um bloco de nações que podem influenciar a política internacional) (BRASIL, 1998, p. 50). [...] podemos afirmar, no plano da experiência, uma inseparabilidade entre análise das implicações e intervenção. Intervir, então, é fazer esse orgulho no plano implicacional em que as posições de quem conhece e do que é conhecido, do que analisa e do que é analisado se dissolvem na dinâmica de propagação de forças instituintes caracterizando os processos de institucionalização (PASSOS, 2009, p. 25). A partir do diagnóstico foi possível perceber que a maioria dos inscritos sentia necessidade de aprender a ler textos em espanhol. Nesse sentido, tomando como referência as afirmações dos PCNs sobre o ensino de língua estrangeira e a demanda apresentada pelos alunos optou-se por oferecer um Curso de Espanhol Instrumental, a fim de trabalhar estratégias que priorizaram o desenvolvimento da habilidade de leitura em língua estrangeira, trabalhando aspectos linguísticos e semânticos do idioma e abordando aspectos culturais dos países hispanoahablantes. 3 O Curso teve duração de, aproximadamente, três meses. Como espaço de aprendizagem foi utilizada a plataforma moodle (virtualmontes), contando com carga horária de 120 horas, divididas em 20 horas presenciais e 100 horas a distância. REFERENCIAL TEÓRICO Como assinalado na introdução, este texto relata uma pesquisa de intervenção pedagógica realizada no âmbito da Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES. A pesquisa 3 Nativos de países que tem o espanhol como língua oficial. 40 Nesse contexto, e tendo em vista as palavras do autor no que se refere ao ato de intervir, é importante frisar que o diagnóstico inicial foi de primordial importância para detectar a demanda de professores e servidores da Instituição por Cursos de Espanhol e as reais necessidades desse público-alvo com relação à aprendizagem. De posse dos resultados, desse diagnóstico, foi possível traçar as estratégias de intervenção do projeto. Levando-se em conta a contribuição de Moço (2011) sobre o trabalho envolvendo projetos e buscando aplicar uma metodologia (uma intervenção) condizente com a necessidade dos alunos, o primeiro encontro presencial teve como objetivo esclarecer os objetos do Curso, a metodologia utilizada, os instrumentos de avaliação, a dinâmica das atividades, os conteúdos que seriam trabalhados, a carga horária, informar sobre as principais potencialidades da plataforma virtual, entre outros aspectos importantes. Para embasar o desenvolvimento das atividades foram utilizadas contribuições de diversos autores que tratam da importância da internet como instrumento de ensino aprendizagem, bem como de autores que tratam de questões subjacentes à leitura e produção textual. Com relação à principal mídia utilizada no Projeto, convém assinalar que a internet configura-se como: 41
  22. 22. Prática Pedagógica Renovada Mídias na Educação [...] espaço virtual de comunicação e de divulgação. Hoje é necessário que cada escola mostre sua cara para a sociedade, que diga o que está fazendo, os projetos que desenvolve, a filosofia pedagógica que segue, as atribuições e responsabilidades de cada um dentro da escola. É a divulgação para a sociedade toda. É uma informação aberta, com possibilidade de acesso para todos em torno de informações gerais4. Tomando como referência a citação acima e pensando na experiência do Curso, pode-se dizer que a internet, de forma geral, configura-se como um espaço de interação, representando um excelente instrumento pedagógico. Além disso, representa a oportunidade de construir conhecimento, independente de tempo, de espaço, de forma coletiva, interativa. Essa mídia possui informações diversificadas e disponíveis a qualquer usuário. Nesse caso específico, além de oferecer suporte para disponibilização da plataforma virtual, a internet constituiu-se como banco de dados para pesquisa de textos dos mais diversos gêneros. Tendo em vista o objetivo de trabalhar com estratégias de leitura de textos em língua espanhola, fez-se importante utilizar como ponto de partida a leitura orientada por gêneros textuais, como: história em quadrinhos, contos, jornais e revista on-line, mediados pela utilização da internet. A esse respeito convém apontar as palavras de Marcuschi (2003) que faz referência ao trabalho de leitura orientado pela utilização de gêneros textuais: O trabalho com gêneros textuais é uma extraordinária oportunidade de se lidar com a língua em seus mais diversos usos autênticos no dia-a-dia. [...] E há muitos gêneros produzidos de maneira sistemática e com grande incidência na vida diária, merecedores de nossa atenção. Inclusive e talvez de maneira fundamental, os que aparecem nas diversas mídias hoje existentes, sem excluir a mídia virtual, tão bem conhecida dos internautas e navegadores da internet (MARCUSCHI, 2003, 35). 4 Programa de Formação Continuada Mídias na Educação- Módulo Gestão integradas de Mídias na Educação. Módulo Introdutório - Etapa 1. 42 As palavras do autor ratificam a importância de trabalhar leitura e produção de texto por meio da utilização de gêneros que traduzem as situações reais do cotidiano. É importante considerar ainda a contribuição de Izabel Solé que conceitua a leitura como “[...] processo de interação entre leitor e o texto; nesse processo tenta-se satisfazer [obter uma informação pertinente para] os objetivos que guiam sua leitura” (1998 p. 41). Levando-se em conta que a pesquisa intervenção se desenvolveu no campo do ensino aprendizagem de uma língua estrangeira, especificamente o idioma espanhol, convém dizer que o processo de aquisição e decodificação de uma segunda língua também passa por esse processo de inter-relação entre leitor e texto. Acredita-se que o sujeito, estudioso de uma segunda língua, tem seus objetivos bem definidos. O objetivo, em geral, direciona o processo de leitura e a decodificação das informações. Sobre os objetivos de aprendizagem, Izabel Solé afirma que: [...] a questão dos objetivos que o leitor se propõe a alcançar com a leitura são cruciais, porque determina tanto as estratégias responsáveis pela compreensão, quanto o controle que, de forma inconsciente, vai exercendo sobre ela, à medida que lê. Isso é um pouco difícil de explicar, mas acontece. Enquanto lemos e compreendemos, tudo está certo, e não percebemos que, além de estarmos lendo, estamos controlando o que vamos compreendendo (SOLÉ, 1998, p. 41). A autora afirma, ainda, que há diferenças significativas entre os sujeitos leitores, visto que a compreensão de um texto depende de questões próprias do leitor, como conhecimento prévio, motivação e outros. Com base na fala da autora supracitada e pensando no processo de ensino aprendizagem de uma língua estrangeira, é importante dizer que seu estudo difere da aprendizagem de língua materna, visto que: 43
  23. 23. Prática Pedagógica Renovada Mídias na Educação El camino que recorre un hablante no nativo hasta que consigue (sic) dominar la lengua objeto y comunicarse eficazmente con ella es bastante diferente del camino recorrido por el niño, ayudado por sus padres o por expertos que lo rodean. Varía en el contexto en el que se llevan a cabo los actos de habla, la actitud de los mayores hacia el niño, es el estilo de la lengua maternal. No es lo mismo aprender una lengua dentro de un aula, mediante la simulación de objetos, situaciones y personajes, que aprenderla como un miembro de un mundo real, con toda la información referencial necesaria para que se dé un acto de habla cooperativo y eficaz5 (BARALO, 1999, p. 29). Pressupõe-se, com base na afirmação acima, que fatores como motivação, idade, contexto no qual o sujeito está inserido interfere positiva ou negativamente na aprendizagem de uma segunda língua. Considerando a utilização da internet para fins educacionais e em Cursos a distância (oferecidos via plataforma virtual), além da compreensão textual, é exigida a questão da escrita, visto que a comunicação se estabelece, principalmente, por meio de textos verbais. Sobre o processo de escrita, é necessário apontar: [...] a prática da escrita vista na dimensão interacional leva o aluno a escrever estabelecendo relações entre ele (autor) e o leitor do texto. Assim, o produtor textual precisa pensar no outro desde o planejamento de sua escrita. Trata-se de autor-texto-leitor em interação. Para isso a escrita deve ser feita com planejamento, revisão e reescrita, etapas indispensáveis nesse trabalho (BARBOSA, 2011, p. 2). Apesar do processo de escrita não ter se constituído como objetivo principal do Curso, esse aspecto não pôde ser ignorado, visto que a comunicação se estabeleceu por meio da escrita. A tentativa dos alunos em escrever no idioma espanhol foi válida por denotar interesse e empenho, tendo sido relevante para a avaliação do Curso. Cumpre ressaltar que a plataforma virtual pode servir como um importante banco de dados para pesquisas linguísticas. RESULTADOS DA INTERVENÇÃO Estruturalmente, o Curso Español Instrumental foi dividido em quatro módulos, a saber: Nociones básicas de gramática y vocabulário de la lengua española, Estrategias de lectura y compresión de textos en español, Las expresiones idiomáticas del español y los “falsos amigos” e Contribuciones del conocimiento cultural hispánico para comprensión de textos en lengua española, respectivamente. O primeiro módulo ofereceu informações gerais sobre o Curso. Apesar de tratar-se do estudo de conteúdos gramaticais, foi importante enfatizar que a aprendizagem de uma língua não se reduz à gramática e nem à tradução. Já nesse primeiro módulo foram realizadas atividades utilizando, como instrumento pedagógico, tiras cômicas, mapas conceituais e notícias jornalísticas. Entre essas atividades e buscando estudar gramática de forma mais descontraída e interessante, os alunos foram direcionados a acessar um site da internet que apresentava conteúdos gramaticais (substantivos, adjetivos, pronomes, etc). Na continuação, teriam que escolher um dos conteúdos disponíveis no site e elaborar um mapa conceitual. se eficazmente com ela é muito diferente do caminho percorrido pela criança, ajudada pelos pais e por especialistas que o r odeiam. Varia em função do contexto em que ocorre o ato da fala, em função da atitude do adulto em relação à criança. É diferente aprender uma língua dentro de uma sala de aula, mediante a simulação de objetos, situações e personagens, que aprender-la como membro de um mundo real, com toda informação necessária para realização de um ato de fala cooperativo e eficaz. O segundo módulo tratou do estudo das estratégias de leitura que facilitam a compreensão de texto. Com relação às técnicas e recursos para compreensão leitora, Daniel Cassany (2011), professor do Departamento de Tradução y Filologia da Universidade Pompeu Fabra, em Barcelona, afirma que quando o aprendiz antecipa aspectos da leitura considera os seguintes pontos: análise do título, imagens, última frase 44 45 5 O caminho que percorre um falante não nativo até dominar a língua objeto e comunicar-
  24. 24. Prática Pedagógica Renovada Mídias na Educação do texto, palavras conhecidas, outros dados (autor, gênero textual, destinatário, intenção do texto, ideia principal, etc) e outros estímulos (predições sobre o texto, a partir de outros elementos, como música, ruídos, objetos, etc). Utilizando como referência a contribuição do autor, essas questões nortearam o desenvolvimento das atividades no segundo módulo. Nesse módulo, é interessante destacar, também, a disponibilização de um jogo de perguntas e respostas sobre uma notícia veiculada em jornal. O objetivo da atividade foi promover uma leitura orientada que conduziu os alunos a entender a mensagem final do texto. O jogo teve, entre outros objetivos, a função de ativar o conhecimento prévio dos alunos, bem como partir de uma análise orientada pela concepção de gênero textual, nesse caso, notícia de jornal. Além dessa atividade, foram realizados três fóruns de discussão que objetivaram trabalhar as diversas estratégias de leitura estudadas durante o 2º encontro presencial do Curso, bem como um chat que permitiu, numa comunicação instantânea, sanar dúvidas com relação ao conteúdo. O terceiro módulo tratou das expressões idiomáticas do espanhol, bem como dos falsos cognatos ou “falsos amigos”. Priorizou-se a pesquisa na internet, por ser um extenso banco de dados capaz de oferecer subsídios para uma aprendizagem mais consistente. Nesse ponto, cumpre ressaltar que expressões idiomáticas são “secuencias de palabras cuyo significado no es compositivo, es decir, el significado de la expresión no se deriva del de sus componentes” (BUSTOS, 2011, s/p) 6, ou seja, são enunciados que não apresentam uma tradução literal, normalmente não podem ser encontrados em dicionários e devem ser entendidos por meio de uma análise contextual. Com relação aos falsos cognatos, o Diccionário de Falsos Amigos ou Falsos Cognatos define essas palavras como: “normalmente derivadas del latín que aparecen en diferentes idiomas con morfología semejante, y que tienen por lo tanto el mismo origen, pero que al largo de los tiempos acabaron adquiriendo significados parcial o totalmente diferentes”7. Esse módulo foi importante por desmitificar algumas crenças relacionadas a aprendizagem do espanhol. Alguns alunos acreditavam que a língua se reduzia a palavras com grafia igual ao português e sentido diferente. Nesse módulo, os alunos foram desafiados a apresentar o maior número de expressões existentes. Cada uma teria que descobrir uma expressão e o significado, com o cuidado de não postar a mesma dos colegas. Nesse ponto, e tendo em vista a internet como instrumento pedagógico, foi interessante direcionar o uso da pesquisa no vasto banco de dados disponíveis nesse suporte. No quarto e último módulo foi abordada a contribuição do conhecimento cultural hispânico para entendimento dos textos em espanhol. Neste contexto, optou-se por propor pesquisas na internet sobre aspectos culturais de reconhecida relevância. Sobre o conceito de cultura, é importante explicar que “[...] é todo comportamento humano-cultural, transmissão social [...] Cultura é um termo que dá realce aos costumes de um povo” (ULMANN, 1980, p.86). Buscando apreender a relevância do termo cultura, a primeira atividade consistiu em realizar uma pesquisa sobre danças típicas dos países de fala hispânica. Por meio dessa pesquisa, os alunos tiveram a oportunidade de descobrir a existência de inúmeros ritmos musicais, como: La cumbia, La cueca, El Merengue, El joropo, El Pasodoble, El flamenco e outros. A segunda atividade propunha uma pesquisa sobre as belezas naturais e pontos turísticos dos países de fala hispânica. 6 Sequências de palavras cujo significado não é compositivo, ou seja, o significado das 7 Palavras normalmente derivadas do latim que aparecem em diferentes idiomas com morfologia semelhante, e que tem, no entanto, a mesma origem, mas que ao longo do tempo acabam adquirindo significados parcial ou totalmente diferente. 46 47 expressões não deriva de seus componentes.
  25. 25. Prática Pedagógica Renovada Mídias na Educação A partir de uma discussão inicial sobre “El lago Titicaca”, considerado o lago navegável mais alto do mundo, foi possível discorrer sobre a natureza latino-americana. Procurando ratificar a importância dos aspectos culturais na aprendizagem de língua, foi proposta uma pesquisa sobre aspectos culturais do Chile. Para tanto, optou-se por partir de um estudo sobre Pablo Neruda, um dos nomes mais importantes da literatura mundial. Foram realizadas, ainda, duas outras atividades propondo uma discussão sobre a Educação em Cuba, bem como uma atividade sobre Miguel de Cervantes, objetivando tratar da cultura espanhola, concernente a autores e escritores de renome mundial. O processo avaliativo aconteceu durante todo o Curso, sendo considerada a disponibilidade e interesse dos alunos em participar das atividades propostas e, principalmente, pelos resultados das tarefas realizadas. Para nortear o processo de avaliação dessa pesquisa, predominou a concepção de que é um instrumento que faz parte do sistema de ensino, podendo, dessa forma, contribuir para a aprendizagem dos alunos. Luckesi (1996, p.33) define avaliação como “...um conjunto de valor sobre manifestações relevantes da realidade, tendo em vista uma tomada de decisões”. Logo os alunos são construtores do próprio conhecimento, sendo o professor um orientador da aprendizagem. Nesse contexto, a avaliação aconteceu mediante a observação da aprendizagem do aluno, que serviu como diagnóstico para essa “tomada de decisões”. CONSIDERAÇÕES FINAIS Acredita-se que o Curso Espanhol Instrumental cumpriu seus objetivos e, principalmente, os objetivos do Projeto “Desenvolvimento da habilidade de leitura de textos em espanhol”, na medida em que os alunos conseguiram acompanhar a evolução do Curso e, consequentemente, apresentar uma progressão com relação ao nível das atividades. Para muitos, aprender a ler em outro idioma já não era uma tarefa fácil, estudar via internet 48 então era outro desafio ainda maior. Entretanto, perceberam que realmente é possível aprender de forma dinâmica e interativa, por meio da internet. Esse Curso, além de introduzir os alunos no universo da cultura hispânica, permitiu que eles entendessem a dinâmica de um curso a distância, quebrando paradigmas e preconceitos com relação a essa modalidade de ensino. REFERÊNCIAS BARALO, Marta. La adquisición del español como lengua extranjera. Madrid: Arco/Libros, 1999. BARBOSA, Rosângela Góis. Leitura e escrita: Atividades interacionais e interligadas. Programa de Pós- Graduação em Letras e Lingüística da Universidade Federal da Bahia- UFBA. Disponível em http://alb.com.br, acessado em 21 de maio de 2011. BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclo do Ensino Fundamental: Língua Estrangeira. Brasília: MEC/SEF, 1998. BUSTOS, Alberto. Qué son las expresiones idiomáticas? Blog de Lengua española. Disponível em http://blog.lengua-e.com/2007/ que-son-las-expresiones-idiomaticas, acessado em 15 de outubro de 2011. CASSANY, Daniel. Técnicas y Recursos para la comprensión lectora. Disponible em http://www.plec.es/documentos.php?id_ seccion=5id_documento=140nivel=Secundaria, acessado em 20 de dezembro de 2011. DICIONÁRIO DE FALSOS AMIGOS, disponível em http:// victoriaygabyruffo.activeboard.com/t20558597/dicionrio-de-falsos49
  26. 26. Prática Pedagógica Renovada amigos-ou-falsos-cognatos/, acessado em 30 de novembro de 2011. LUCKESI, C. C. Avaliação da Aprendizagem Escolar. 4. Ed. São Paulo: Cortez, 1996. MARCUSCHI, L. A. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. IN: Gêneros textuais ensino. Organizadoras: Ângela Paiva Dionísio, Anna Rachel Machado, Maria Auxiliadora Bezerra. 2. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2003. MOÇO, Anderson. Tudo o que você sempre quis saber sobre projetos. Revista Nova Escola, abril de 2011. PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; ESCÓSSIA, Liliana da (Orgs). Pistas do Método da Cartografia-Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegra: Sulina, 2009. PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO. - Módulo Gestão integradas de Mídias na Educação. Módulo Introdutório - Etapa 1. SOLÉ, Izabel. Estratégias de Leitura. 6 ed. Porto Alegre: ArtMed, 1998. ULLMANN, Runholdo Aloysio. Antropologia Cultural. Escola Superior de Teologia. Porto Alegre. São Lourenço de Brindes, 1980. A INTERNET NA EDUCAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO COM A HISTÓRIA EM QUADRINHOS NO ENSINO FUNDAMENTAL FREITAS, Eliana Soares de1 CASTRO, Gabriella Aparecida Santos2 INTRODUÇÃO Realizar pesquisa sobre o uso da internet na educação não é um tema novo. Fazendo um levantamento bibliográfico sobre o tema, percebemos que há várias concepções que podemos adotar em nossa prática usando a internet como um recurso metodológico. Mas tratamos de apresentar aqui a nossa experiência tendo a pesquisa de intervenção nos auxiliado a inserir a internet em nossas aulas de forma significativa no processo ensino-aprendizagem. Tivemos como objetivo geral compreender a utilização da internet no processo de ensino aprendizagem nas aulas de língua portuguesa e como objetivo específico produzir histórias em quadrinhos utilizando o site Máquinas de Quadrinhos observando as regras da língua oral e escrita para esse tipo de texto. 1 Mestre em Educação, Professora do Departamento de Métodos e Técnicas Educacionais da Unimontes, Tutora e Orientadora do Programa de Formação Continuada Mídias na Educação – edfsoares.midias@gmail.com 2 Cursista do Programa de Formação Continuada Mídias na Educação, através da Universidade Estadual de Montes Claros – UNIMONTES. Graduada em Pedagogia – UNIMONTES. Supervisora Pedagógica da Rede Municipal de Ensino do município de Montes Claros-MG - gabriellapolinario@yahoo.com.br 50 51
  27. 27. Prática Pedagógica Renovada Mídias na Educação Percebemos como relevante este estudo por trazer algumas contribuições do uso do computador na escola e as suas formas de utilização como mediador do conhecimento. Buscamos introduzir na escola a prática pedagógica mediada pelos computadores dos laboratórios de informática que, no século XXI, já são realidade na maioria das escolas públicas. Esses laboratórios foram disponibilizados pelo governo federal recentemente através do Programa Educacional de Tecnologia Educacional (PROINFO), que visa, além da informatização das escolas, a capacitação continuada dos professores para a utilização dos computadores. Porém, nem todos os professores se encontram preparados para trabalhar com computador e a internet no processo de ensino aprendizagem, alguns, inclusive, são contra o uso desta tecnologia na escola, muitas vezes, por não saberem utilizá-las e por não conhecerem as possibilidades de uso desta tecnologia na educação. Na Escola Municipal Professora Simone Soares essa situação não é diferente. O laboratório de informática está à disposição de alunos e professores que o utilizam apenas como um simples complemento da aula, ora para digitar um texto, ora para uma pesquisa na internet. Portanto, como professora dessa instituição, percebemos que era necessário inserir o computador e a internet no processo de ensino aprendizagem como um instrumento de interação, capaz de mediar a construção do conhecimento, e não somente como um instrumento de transmissão de informações. Adotamos uma abordagem qualitativa, utilizando os seguintes autores na nossa fundamentação: Moran (1997), Franco (2000), Piconi e Tanaka (2003), entre outros. A UTILIZAÇÃO DA INTERNET NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM A inserção das tecnologias na educação já é realidade da sociedade atual. Atualmente, as escolas já convivem com esta realidade, as novas tecnologias estão inseridas em seu espaço, 52 assim como já estão totalmente inseridas em todos os aspectos da sociedade. A internet, rede mundial de computadores ligados entre si e que usam um protocolo de ligação comum (TCP/IP), partilhando dados da mais diversa ordem é um exemplo de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) que hoje pode ser utilizada como dispositivo capaz de facilitar e mediar o processo de ensinoaprendizagem. (MOURA, 1998). A partir da utilização das TICs na educação é possível pensar e praticar uma educação em que a colaboração entre os envolvidos (professor x aluno) realmente exista, de forma que transforme o ensino numa troca de experiência, seguida de novas descobertas, que vão sendo compartilhadas e discutidas, gerando a construção do conhecimento. Ensinar na e com a Internet atinge resultados significativos quando se está integrado em um contexto estrutural de mudança do processo de ensino-aprendizagem, no qual professores e alunos vivenciam formas de comunicação abertas, de participação interpessoal e grupal efetivas (MORAN, 1997, s/p -destaque no original). professor precisa estar capacitado para dominar O os recursos tecnológicos, elaborar atividades de aplicação desses recursos escolhendo os mais adequados aos objetivos pedagógicos, analisar os fundamentos dessa prática e as respectivas conseqüências produzidas em seus alunos. (ALMEIDA; ALMEIDA, 1999) Ao inserir o trabalho com a internet no processo de ensino aprendizagem, as escolas precisam assumir uma nova postura perante a relação professor x aluno e promover mudanças nas práticas docentes, priorizando a interatividade e a troca de experiências e conhecimentos entre os sujeitos envolvidos no processo. A inserção das TICs na educação também não corresponde ao fim de todos os problemas educacionais, mas 53
  28. 28. Prática Pedagógica Renovada Mídias na Educação são fortes aliadas na luta em prol da qualidade do ensino nas instituições educacionais. O GÊNERO HISTÓRIA EM QUADRINHOS O trabalho com o gênero histórias em quadrinhos é aliado da prática docente, pois desperta o interesse pela leitura na maioria dos alunos, devido a sua característica principal, que é a junção da linguagem verbal e não verbal através de um só texto. A história em quadrinhos (HQ) é uma modalidade de literatura simultaneamente icônica e verbal. Seu público abrange tanto crianças, adolescentes e adultos de diferentes níveis sócio-econômicos e educacionais e é o campo iconográfico mais rico e mais vasto que a história conhece, sendo uma arte de narrativa em imagem acessível mesmo a pessoas que não sabem ler (PICONI; TANAKA, 2003, s/p). É certo que as HQs, por si só, já despertam o interesse dos alunos pela leitura, porém não basta apenas inseri-las nas salas de aulas. O professor precisa ter certo conhecimento sobre este gênero textual, suas características e com base nisso, planejar suas aulas, com criatividade, para que sejam explorados com os alunos todos os aspectos deste gênero, enfatizando seus principais elementos, e desta forma propiciar o desenvolvimento da leitura (através das apreciações) e da escrita (através da produção). AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS E A INTERNET Com o avanço das TICs, as histórias em quadrinhos passaram a ser publicadas também no meio digital. O computador se transformou numa das ferramentas mais utilizadas atualmente 54 para produção dos quadrinhos e a internet é um dos meios pelo qual são divulgados e compartilhados. Os sites que têm como principal objetivo a veiculação de histórias em quadrinhos on-line buscam oferecer além de imagens diversas, algumas animações, sons e recursos de multimídia e interatividade, como fóruns, chats, hipertextos entre outros. (FRANCO, 2000). Com a criação de HQtrônicas3 a audição e o tato são sentidos que também serão estimulados (já que toda a navegação e interação é feita com o uso do mouse e teclado), mudando significativamente o paradigma criativo anterior e abrindo espaço para trabalhos de maior sinestesia, levando os webquadrinhistas4 a se envolverem com variáveis antes inexistentes em seu processo criativo como o som, exigindo em muitos dos casos que eles trabalhem em parceria com outros artistas como músicos e animadores. (FRANCO, 2004). Não há que se preocupar com a substituição total das histórias em quadrinhos impressas pelas HQtrônicas, pois, como afirma Franco (2004), as HQs veiculadas na rede Internet, ao contrário de significarem uma ameaça às tradicionais impressas, contribuem para o surgimento de novos títulos, fazendo o caminho inverso daquele que poderíamos prever, ou seja, muitos quadrinhos de sucesso criados para a Internet acabam migrando posteriormente para o suporte papel. CRIAÇÃO DA HISTÓRIA EM QUADRINHOS ONLINE: O PASSO A PASSO Dentro da perspectiva da pesquisa de intervenção, desenvolvemos um trabalho com o site “Máquina de Quadrinhos” com os alunos do 5º ano azul da Escola Municipal Professora Simone Soares, com o objetivo de trabalhar a produção de histórias em quadrinhos através da internet, bem como, reforçar 3 Termo criado por Edgar Franco para denominar a hipermídia. linguagem híbrida de quadrinhos e 4 Nome utilizado por Edgar Franco aos quadrinhistas que criam trabalhos hipermidiáticos. 55
  29. 29. Prática Pedagógica Renovada Mídias na Educação as regras gramaticais, ortográficas, de pontuação e acentuação necessárias para a produção textual. foram atendidas de forma individual, sendo necessário todo o período de quatro horas diárias para concluirmos esta atividade. A turma do 5º ano azul, em 2011, contava com vinte e seis alunos e todos participaram desse trabalho, pois a dificuldade em produzir textos se apresentava em graus variados. Foram necessárias doze aulas no laboratório de informática e quatro aulas em sala de aula para a conclusão de todo o trabalho. O trabalho foi desenvolvido no segundo semestre de 2011. Escolhemos trabalhar com as historinhas em quadrinhos por ser um gênero textual que atrai a todas as faixas etárias. partir do momento que cada dupla teve seu cadastro A aprovado, levamos os alunos novamente ao laboratório e fizemos o primeiro acesso ao site Máquina de Quadrinhos. Nesta oportunidade, os alunos puderam experimentar as ferramentas disponíveis, visualizar os objetos, os personagens, os cenários, os balões e se encantaram com o site. Mas se esbarraram na dificuldade de digitar corretamente o endereço do site, porque não tinham o hábito de digitar endereços eletrônicos, digitavam as palavras com espaçamentos, ora com erros de digitação, ora esquecendo algum caractere, mas com o nosso apoio e do monitor de informática venceram esta dificuldade. Utilizamos o portal www.maquinadequadrinhos.com.br, pois neste site é possível criar histórias em quadrinhos utilizando os personagens, os cenários, os balões e demais objetos da Turma da Mônica e publicá-las, ler produções já publicadas e interagir com os demais participantes cadastrados do site. Iniciamos o trabalho apresentando informações sobre o site para a turma. Para isso, acompanhamos os alunos ao laboratório da escola e lá apresentamos o site “Maquina de Quadrinhos”. Nesta ocasião, utilizamos o projetor de multimídia e os alunos apenas viram o site e suas ferramentas, pois para ter o acesso, era preciso ter o cadastro. Feito a apresentação, a próxima etapa foi à criação do cadastro no site. Dividimos os alunos em duplas e para cada dupla criamos um e-mail para confirmação do cadastro. Muitos alunos já tinham seus e-mails criados e estes foram aproveitados para o cadastro no site. Mas os alunos que ainda não o tinham, tiveram muita dificuldade na abertura das contas e necessitando de auxilio nesse processo. Em seguida, fizemos o cadastro no site Máquina de Quadrinhos, informando o nome da dupla, o e-mail e uma senha de acesso. A maior dificuldade dos alunos foi conseguir preencher todos os dados necessários para o cadastro em tampo hábil, antes que a página do cadastro de e-mail expirasse. Por isto, as duplas 56 FIGURA 1 – Alunos fazendo o primeiro acesso ao site Fonte: Arquivo pessoal da pesquisadora, 2011. O próximo passo foi a criação da história em quadrinhos em sala de aula. Nesta etapa, auxiliamos os alunos na criação do enredo da história e criação dos diálogos. Não foi necessário trabalhar sistematicamente com as características de cada personagem da Turma da Mônica, pois eram conhecidos pelos alunos desta turma, o que facilitou o desenvolvimento do trabalho. Definimos nesse momento, qual seria a história, quem 57

×