Slides avaliação saems final

1.391 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.391
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Slides avaliação saems final

  1. 1. É refletir sobre uma determinada realidade a partir de dados einformações, e emitir um julgamento que possibilite uma ação.É refletir sobre uma determinada realidade a partir de dados einformações, e emitir um julgamento que possibilite uma ação.Objetivo geralAnalisar e interpretar os resultados do SAEMS/2012 para(re)planejamento das ações pedagógicas implementadas em salade aula, a serem definidas pelas unidades escolares envolvidas noprocesso de avaliação.Objetivo geralAnalisar e interpretar os resultados do SAEMS/2012 para(re)planejamento das ações pedagógicas implementadas em salade aula, a serem definidas pelas unidades escolares envolvidas noprocesso de avaliação.
  2. 2. Provas abertasProvas objetivasObservação/RegistroPortfólioProvas abertasProvas objetivasObservação/RegistroPortfólioTEORIA CLÁSSICATEORIA CLÁSSICA TEORIA DA RESPOSTAAO ITEMTEORIA DA RESPOSTAAO ITEMAvaliação Interna/EscolaAvaliação Interna/EscolaProcesso da aprendizagemProcesso da aprendizagemAVALIAÇÃOEDUCACIONALAVALIAÇÃOEDUCACIONALAvaliação Externa/SistemasAvaliação Externa/SistemasTestes de proficiênciaQuestionários contextuaisTestes de proficiênciaQuestionários contextuaisDesempenho dos alunosDesempenho dos alunos
  3. 3. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃOPesquisas e apresentaçãoElaboração de projetos técnicosRelatórios de discussãoRelatórios de laboratóriosRelatório de trabalho de campoe de visitasProvas: individual/grupoParticipação em comunidadesvirtuaisBlogs, sites, wikisVideoconferências ewebconferênciasEstudo de casoSinopses de consultasbibliográficasSemináriosJúri SimuladoSimulações através desituações fictíciasPortfóliosAutoavaliaçãoMapas conceituais Observação Debates TestesOutros
  4. 4. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO• Clareza de ideias (oral eescrita)• Viabilidade• Coerência com arealidade• Sequência lógica• Senso crítico• Organização de ideias• Participação• Cooperação• Interesse• Iniciativa• Organização• Cumprimento de prazos• Outros
  5. 5. “Diante da análise de questões do ENEM, doPISA, da Prova Brasil, da área de Língua Portuguesa,muitos professores eram tomados de umaperplexidade produzida pelas evidências claras dedescompasso entre o que aprenderam, o queensinam e o que estava sendo requerido de seusalunos. Isso se traduzia em intervenções como: “Euensino esse conteúdo, mas não cobro dessa forma”.Fonte: O Impacto do PISA na Produção Acadêmica BrasileiraCOMO EU AVALIO?
  6. 6. Com base nesse fragmento de texto de GilbertoTeixeira, Prof. Doutor ( FEA/USP) e do consenso dogrupo, posicionem-se, primeiramente, como árbitro e,posteriormente, como professor de Física e elaboremas duas exposições.Você sabe fazer perguntas em provas?
  7. 7. Exemplo de questão:Comente a frase de Sócrates: conhece-te a timesmo.Resposta do estudante:Acho uma frase muito profunda, tãoprofunda que nem consigo captar seu realsignificado. Mas acho que Sócrates estavacerto quando disse a frase, pois sendo umsábio não teria dito besteira. Assim, mesmoque eu nada entenda do que ele disse, tenhocerteza que a frase tem um grande significadoem todos os aspectos em que for analisada.
  8. 8. Outra forma de perguntar:No estudo que fizemos em Filosofia da Educação,afirmamos que , para haver o desenvolvimento doindivíduo para a cidadania, é preciso que ele conheça seucontexto social. Além disso, que ele tenha um profundoconhecimento de si mesmo. Nos debates que fizemos emaula, citamos a frase atribuída a Sócrates: “conhece-te ati mesmo”. Partindo desta frase e das discussões feitasem aula sobre o assunto, explique o significado da fraseno contexto da Filosofia da Educação.
  9. 9. Exemplo de questão• Dê sua opinião. O que você faria para acabar com aseca no Nordeste?Resposta do estudante:Nada, absolutamente nada, pois tenho raiva denordestino e quero que todo mundo morra.
  10. 10. Neste mês estudamos quanto nossosirmãos do sertão nordestino sofrem com a secaque os assola. Imagine que você fosse umaautoridade com poderes para resolver, emparte, a questão. Apresente ao menos quatromedidas racionais e humanitárias que vocêtomaria para resolver o problema.Outra forma de perguntar
  11. 11. Outra forma de perguntarDado o triângulo retângulo, cujas medidas estãona figura, determine o valor da hipotenusarepresentado pela incógnita “x”.
  12. 12. Elaboração de ItensPatricia Correa Moreno Oliveira
  13. 13. O SAEMS é uma Avaliação Externa de Desempenho dealunos, tem caráter censitário, ocorre anualmente e avalia asáreas de conhecimento de Língua Portuguesa com Produçãode Texto e Matemática. Os anos avaliados são definidos pelaSecretaria.
  14. 14. Contribuição da avaliaçãoem larga escala1.2.3.4.
  15. 15. Língua Portuguesa(leitura e escrita)e Matemática:3º ano do EFLíngua Portuguesa(leitura e escrita)E Matemática:3º ano do EF1º ano e 1ª fase/EJA,ambos do EMLíngua Portuguesa (leitura eescrita)e Matemática:2º, 3º, 4º, 5º e 8º anos do EF1º , 3º anos e 1ª fase/EJA,todos do EMLíngua Portuguesa (leiturae escrita) e Matemática:1º, 2º, 3º, 4º anos do EM
  16. 16. Outra importante vantagemResultados Transversais,ou Longitudinais,por diferentes níveis.
  17. 17. A Teoria de Resposta ao Item TRI é um∕ modelo matemático eestatístico que descreve a associação entre a capacidade deum indivíduo e a probabilidade de uma resposta a um item.Três parâmetros:a: discriminação (indivíduos com proficiências distintas);b: dificuldade;c: acerto casual.A Teoria de Resposta ao Item TRI é um∕ modelo matemático eestatístico que descreve a associação entre a capacidade deum indivíduo e a probabilidade de uma resposta a um item.Três parâmetros:a: discriminação (indivíduos com proficiências distintas);b: dificuldade;c: acerto casual.
  18. 18. Afere a proficiência dos alunos;permite comparabilidade entre os anos avaliados;compara os resultados ao longo dos anos (SAEMS realizadoanualmente) para um mesmo ano;aumenta as possibilidades de análise do item e do teste;desenvolve escalas pedagógicas;realiza diferentes provas entre anos e entre alunos de um mesmo ano– BIB;diferentes cadernos de provas, organizados de acordo com oplanejamento em blocos balanceados procedimentos que permitem umaabrangência significativa do currículo ensinado.
  19. 19. A ESCALA DE PROFICIÊNCIA traduz medidas emdiagnósticos qualitativos do desempenho escolar. Elaorienta, por exemplo, o trabalho do professor comrelação as competências que seus estudantesdesenvolveram.A ESCALA DE PROFICIÊNCIA traduz medidas emdiagnósticos qualitativos do desempenho escolar. Elaorienta, por exemplo, o trabalho do professor comrelação as competências que seus estudantesdesenvolveram.
  20. 20. Como os valores de proficiência sãogerados?Exemplo hipotético:Construindo uma escala para medir alturaNossa altura afeta nossas ações e o que somoscapazes de fazer.Possíveis questões:Você consegue guardar as malas no bagageiro interno de umônibus?Quando dorme à noite, seus pés ficam do lado de fora dacama?Você consegue alcançar produtos que ficam na prateleira decima dos supermercados?
  21. 21. Alcançar prateleira superior1,60m 1,70m 1,80m 1,90mAlcançar malas no bagageiroDormir com péspara fora da cama... podemos estimar sua medida com base no que ela é capaz, ou não, de fazer.Pág. 29Pág. 29Com esta proficiência inferem informações em textos não verbais e delinguagem mista, desde que a temática desenvolvida e o vocabulárioempregado sejam familiares. Esses estudantes conseguem, ainda,inferir o efeito de sentido produzido por alguns sinais de pontuação eo efeito de humor em textos como, por exemplo, piadas e tirinhas.Com esta proficiência inferem informações em textos não verbais e delinguagem mista, desde que a temática desenvolvida e o vocabulárioempregado sejam familiares. Esses estudantes conseguem, ainda,inferir o efeito de sentido produzido por alguns sinais de pontuação eo efeito de humor em textos como, por exemplo, piadas e tirinhas.Estudantes com esta proficiência apresentam um nivelbásico de construcão desta competência, podendo realizarinferências em textos não verbais como, por exemplo,tirinhas ou historias sem texto verbal, e, ainda, inferir osentido de palavras ou expressões a partir do contexto emque elas se apresentam.Estudantes com esta proficiência apresentam um nivelbásico de construcão desta competência, podendo realizarinferências em textos não verbais como, por exemplo,tirinhas ou historias sem texto verbal, e, ainda, inferir osentido de palavras ou expressões a partir do contexto emque elas se apresentam.Como todas essas questões estão associadas à altura da pessoa...Como os valores de proficiência são gerados?...já desenvolveram a habilidade de realizar inferências.Inferem informações em textos valendo-se das pistastextuais, de sua experiência de mundo e de leitor e, ainda,de inferir o efeito de ironia em textos diversos, alem dereconhecer o efeito do uso de recursos estilísticos....já desenvolveram a habilidade de realizar inferências.Inferem informações em textos valendo-se das pistastextuais, de sua experiência de mundo e de leitor e, ainda,de inferir o efeito de ironia em textos diversos, alem dereconhecer o efeito do uso de recursos estilísticos.realizam tarefas mais sofisticadas como inferir o sentido deuma expressão metafórica ou efeito de sentido de umaonomatopeia; inferir o efeito de sentido produzido pelo usode uma palavra em sentido conotativo e pelo uso denotações gráficas...realizam tarefas mais sofisticadas como inferir o sentido deuma expressão metafórica ou efeito de sentido de umaonomatopeia; inferir o efeito de sentido produzido pelo usode uma palavra em sentido conotativo e pelo uso denotações gráficas...
  22. 22. Reconhececonvenções gráficasApropriaçãodo sistema daescritaIdentifica letrasManifesta consciênciafonológicaLê palavrasD12, D19D23 e D24EstratégiasdeleituraLocaliza informaçãoIdentifica temaRealiza inferênciaIdentifica gênero, função edestinatário de um textoD8 D8D8D9 D9D9D10, D11,D13, D26,D27, D28,D29 e D30D10, D11,D13, D26,D27, D28,D29 e D30D10, D11,D13, D26,D27, D28,D29 e D30D14, D15e D17D14, D15e D17D14, D15e D17Processamentodo textoEstabelece relaçõeslógico-discursivasIdentifica elementosde um texto narrativoDistingue posicionamentosIdentifica marcaslinguísticasD20, D21D22 e D25D20, D21D22 e D25D20, D21D22 e D25D16 D16 D16D18 D18 D18D12, D19D23 e D24D12, D19D23 e D24D31 D31 D31Estabelece relações entretextosPADRÕES DE DESEMPENHO PARA O 1º ENSINO MÉDIOPADRÕES DE DESEMPENHO PARA O 2º ENSINO MÉDIOPADRÕES DE DESEMPENHO PARA O 3º ENSINO MÉDIOMuito CríticoMuito CríticoMuito CríticoCríticoCríticoCríticoIntermediárioIntermediárioIntermediárioAdequadoAdequadoAdequadoDOMÍNIOS E COMPETÊNCIASDOMÍNIOS E COMPETÊNCIASRELAÇÃO ESCALAMATRIZRELAÇÃO ESCALAMATRIZGRAU DE COMPLEXIDADE DACOMPETÊNCIAGRAU DE COMPLEXIDADE DACOMPETÊNCIAPADRÕES DE DESEMPENHOPADRÕES DE DESEMPENHORevista Pedagógica de LP - Págs. 20 e 21Revista Pedagógica de LP - Págs. 20 e 21
  23. 23. ESCOLA: 283,2ESCOLA: 283,2Os estudantes ainda não desenvolveram ashabilidades relacionadas a esta competência.Os estudantes identificam o tema de umtexto desde que esse venha indicado notítulo, como no caso de textos informativoscurtos, noticias de jornal ou revista e textosinstrucionais.Os estudantes fazem a identificação do temade um texto, valendo-se de pistas textuais.Os estudantes identificam o tema de um texto mesmoquando esse tema não está marcado apenas por pistastextuais, mas é inferido a partir da conjugação dessaspistas com a experiência de mundo do leitor.Justamente por mobilizar intensamente a experiênciade mundo, estudantes com este nível de proficiênciaconseguem identificar o tema em textos que exijaminferências, desde que os mesmos sejam de gênero etipo familiares.Os estudantes identificam o tema em textos de tipo egênero menos familiares que exijam a realização deinferências nesse processo. Esses estudantes jádesenvolveram a competência de identificar tema emtextos.Descrição das habilidades porgradação de cores págs 24 a 35Descrição das habilidades porgradação de cores págs 24 a 35
  24. 24. ESCOLA: 285,9ESCOLA: 285,9Os estudantes ainda não desenvolveram ashabilidades relacionadas a esta competência.Descrição das habilidades porgradação de cores págs 24 a40 da Revista PedagógicaDescrição das habilidades porgradação de cores págs 24 a40 da Revista PedagógicaOs estudantes resolvem problemas envolvendo adecomposição de uma figura plana em triângulos,retângulos e trapézios retângulos e calculam a área dessespolígonos. Os estudantes desenvolveram as habilidadesrelativas a esta competência.Os estudantes resolvem problemas envolvendo o cálculoaproximada da área de figuras planas desenhadas emmalhas quadriculadas cuja borda é formada por segmentosde retas e arcos de circunferências. Também calculam aárea do trapézio retângulo e o volume do paralelepípedo.Em relação ao perímetro, neste intervalo, realizam ocálculo do perímetro de polígonos sem o apoio de malhasquadriculadas e do volume de paralelepípedo retângulo debase quadrada. Reconhecem que a área de um retânguloquadruplica quando as medidas de seus lados sãodobradas.Os estudantes calculam a área com base eminformações sobre os ângulos da figura e o volume desólidos a partir da medida de suas arestas.Os estudantes realizam tarefas mais complexas, comparando ecalculando áreas de figuras poligonais em malhasquadriculadas. Em relação ao perímetro, demonstram ahabilidade de identificar os lados e, conhecendo suas medidas,calculam a extensão do contorno de uma figura poligonal dadaem uma malha quadriculada, bem como calcular o perímetrode figura sem o apoio de malhas quadriculadas. Ainda,reconhecem que a medida do perímetro de um polígono, emuma malha quadriculada, dobra ou se reduz à metade quandoos lados dobram ou são reduzidos à metade.Os estudantes conseguem resolver problemasde cálculo de área relacionando o número demetros quadrados com a quantidade dequadradinhos contida em um retângulodesenhado em malha quadriculada.
  25. 25. Revista da Gestão Escolar págs. 18 e 19Revista da Gestão Escolar págs. 18 e 19Muito CríticoNeste Padrão de Desempenho, o estudantedemonstra carência de aprendizagem do queé previsto para a sua etapa de escolaridade.Ele fica abaixo do esperado, na maioria dasvezes, tanto no que diz respeito àcompreensão do que é abordado, quanto naexecução de tarefas. Por isso, é necessáriauma intervenção focada para que possaprogredir em seu processo de aprendizagem.Muito CríticoNeste Padrão de Desempenho, o estudantedemonstra carência de aprendizagem do queé previsto para a sua etapa de escolaridade.Ele fica abaixo do esperado, na maioria dasvezes, tanto no que diz respeito àcompreensão do que é abordado, quanto naexecução de tarefas. Por isso, é necessáriauma intervenção focada para que possaprogredir em seu processo de aprendizagem.CríticoO estudante que se encontra nestePadrão de Desempenho demonstra teraprendido o mínimo do que é propostopara o seu ano escolar. Neste nível elejá iniciou um processo desistematização e domínio dashabilidades consideradas básicas eessenciais ao período de escolarização
  26. 26. AdequadoO estudante que atingiu este Padrão deDesempenho revela ter desenvolvidohabilidades mais sofisticadas e demonstrater um aprendizado superior ao que éprevisto para o seu ano escolar. Odesempenho desses estudantes nas tarefase avaliações propostas supera o esperado e,ao serem estimulados, podem ir além dasexpectativas traçada.IntermediárioNeste Padrão de Desempenho, o estudantedemonstra ter adquirido um conhecimentoapropriado e substancial ao que é previstopara a sua etapa de escolaridade. Nestenível, ele domina um maior leque dehabilidades, tanto no que diz respeito àquantidade, quanto à complexidade, as quaisexigem um refinamento dos processoscognitivos nelas envolvidos.IntermediárioNeste Padrão de Desempenho, o estudantedemonstra ter adquirido um conhecimentoapropriado e substancial ao que é previstopara a sua etapa de escolaridade. Nestenível, ele domina um maior leque dehabilidades, tanto no que diz respeito àquantidade, quanto à complexidade, as quaisexigem um refinamento dos processoscognitivos nelas envolvidos.
  27. 27. A partir da nota final obtida pelo estudante, pode-se definir o seu perfil de escritor de acordocom a descrição do nível no qual sua nota esta alocada.Revista Pedagógica de Língua Portuguesa págs.99 a 102.Revista Pedagógica de Língua Portuguesa págs.99 a 102.O estudante demonstra totalDESCONHECIMENTO da normapadrão. Desenvolve texto que nãocontempla a proposta de produçãotextual apresentando informaçõesdesconexas que, na maioria dasvezes, não se configuram como umasequencia textual.O estudante demonstra totalDESCONHECIMENTO da normapadrão. Desenvolve texto que nãocontempla a proposta de produçãotextual apresentando informaçõesdesconexas que, na maioria dasvezes, não se configuram como umasequencia textual.Demonstra domínio INSUFICIENTE da norma padrão,apresentando graves e frequentes desvios gramaticais,gírias e marcas de oralidade. Desenvolve de maneiratangencial o tema e apresenta inadequação ao tipotextual expositivo-argumentativo, podendo elaborar umtexto de base narrativa, com apenas um resquícioargumentativo. E ainda, há sérios problemas naarticulação das ideias e na utilização de recursos coesivos.Demonstra domínio INSUFICIENTE da norma padrão,apresentando graves e frequentes desvios gramaticais,gírias e marcas de oralidade. Desenvolve de maneiratangencial o tema e apresenta inadequação ao tipotextual expositivo-argumentativo, podendo elaborar umtexto de base narrativa, com apenas um resquícioargumentativo. E ainda, há sérios problemas naarticulação das ideias e na utilização de recursos coesivos.Demonstra domínio MEDIANO da norma padrão, apresentandogrande quantidade de desvios gramaticais graves ou gravíssimos emarcas de oralidade. Desenvolve de forma mediana o tema, comtendência ao tangenciamento e demonstra domínio precário do tipotextual expositivo-argumentativo, devido a argumentação falha outexto apenas expositivo. Limita-se a reproduzir os argumentosconstantes na proposta de produção textual, em defesa de seu pontode vista. Articula as partes do texto com muitas inadequações nautilização dos recursos coesivos, demonstrando, assim, pouco domíniodos recursos coesivos.Demonstra domínio MEDIANO da norma padrão, apresentandogrande quantidade de desvios gramaticais graves ou gravíssimos emarcas de oralidade. Desenvolve de forma mediana o tema, comtendência ao tangenciamento e demonstra domínio precário do tipotextual expositivo-argumentativo, devido a argumentação falha outexto apenas expositivo. Limita-se a reproduzir os argumentosconstantes na proposta de produção textual, em defesa de seu pontode vista. Articula as partes do texto com muitas inadequações nautilização dos recursos coesivos, demonstrando, assim, pouco domíniodos recursos coesivos.Demonstra domínio RAZOÁVEL da norma padrão, apresentandoalguns desvios gramaticais graves ou muitos desvios leves. O tema étratado adequadamente, mas com uma abordagem superficial emque discute outras questões relacionadas por meio de umaargumentação previsível, mas que mostra que ele apresenta domínioadequado do tipo textual avaliado, mesmo não apresentando,explicitamente, uma tese. Apresenta informações e argumentospertinentes ao tema proposto, porém os organiza e relaciona de formapouco consistente em defesa de seu ponto de vista. Articula as partesdo texto com algumas inadequações na utilização dos recursoscoesivos, demonstrando domínio regular desses recursos.Demonstra domínio RAZOÁVEL da norma padrão, apresentandoalguns desvios gramaticais graves ou muitos desvios leves. O tema étratado adequadamente, mas com uma abordagem superficial emque discute outras questões relacionadas por meio de umaargumentação previsível, mas que mostra que ele apresenta domínioadequado do tipo textual avaliado, mesmo não apresentando,explicitamente, uma tese. Apresenta informações e argumentospertinentes ao tema proposto, porém os organiza e relaciona de formapouco consistente em defesa de seu ponto de vista. Articula as partesdo texto com algumas inadequações na utilização dos recursoscoesivos, demonstrando domínio regular desses recursos.Demonstra BOM domínio da norma padrão, apresentando poucosdesvios gramaticais leves e de convenções da escrita. Desenvolve bemo tema, mas não explora os seus aspectos principais e apresentaargumentação consistente e bom domínio do tipo textual expositivo-argumentativo, mas não apresenta argumentos bem desenvolvidos.Explicita a tese, seleciona argumentos que possam comprová-la eelabora conclusão que mantenha coerência com a opinião defendidana produção textual. Em geral, os argumentos utilizados sãoprevisíveis, mas não ha copia de argumentos defendidos pelos textosmotivadores. Articula as partes do texto com poucas inadequações nautilização de recursos coesivos. Demonstra domínio dos recursoscoesivos.Demonstra BOM domínio da norma padrão, apresentando poucosdesvios gramaticais leves e de convenções da escrita. Desenvolve bemo tema, mas não explora os seus aspectos principais e apresentaargumentação consistente e bom domínio do tipo textual expositivo-argumentativo, mas não apresenta argumentos bem desenvolvidos.Explicita a tese, seleciona argumentos que possam comprová-la eelabora conclusão que mantenha coerência com a opinião defendidana produção textual. Em geral, os argumentos utilizados sãoprevisíveis, mas não ha copia de argumentos defendidos pelos textosmotivadores. Articula as partes do texto com poucas inadequações nautilização de recursos coesivos. Demonstra domínio dos recursoscoesivos.Demonstra EXCELENTE domínio da norma padrão, não apresentandoou apresentando pouquíssimos desvios gramaticais leves e deconvenções da escrita que não interferem na compreensão textual .Desenvolve muito bem o tema, explorando os seus principaisaspectos. A produção textual contem argumentação consistente,revelando excelente domínio do tipo textual avaliado, Explicita a tese,seleciona argumentos que possam comprová-la e elabora conclusãoou proposta que mantenha coerência com a opinião defendida.Articula as partes do texto, sem inadequações na utilização dosrecursos coesivos ou com eventuais desvios de menor gravidade.Demonstra pleno domínio dos recursos coesivos.Demonstra EXCELENTE domínio da norma padrão, não apresentandoou apresentando pouquíssimos desvios gramaticais leves e deconvenções da escrita que não interferem na compreensão textual .Desenvolve muito bem o tema, explorando os seus principaisaspectos. A produção textual contem argumentação consistente,revelando excelente domínio do tipo textual avaliado, Explicita a tese,seleciona argumentos que possam comprová-la e elabora conclusãoou proposta que mantenha coerência com a opinião defendida.Articula as partes do texto, sem inadequações na utilização dosrecursos coesivos ou com eventuais desvios de menor gravidade.Demonstra pleno domínio dos recursos coesivos.
  28. 28. Quantidade de aluno em determinadonível de desempenho• 1º ano Ensino Médio - Matemática• Muito Crítico = 12 alunos• Crítico = 19 alunos• Intermediário = 10 alunos
  29. 29. Quantidade de aluno em determinadonível de desempenho• 2º ano Ensino Médio - Matemática• Muito Crítico = 14 alunos• Crítico = 5 alunos• Intermediário = 1 aluno• Adequado = 1 aluno
  30. 30. Quantidade de aluno em determinadonível de desempenho• 3º ano Ensino Médio• Muito Crítico = 7 alunos• Crítico = 12 alunos
  31. 31. Quantidade de aluno em determinadonível de desempenho• 1º ano Ensino Médio – Lingua Portuguesa• Muito Crítico = 6 alunos• Crítico = 27 alunos• Intermediário = 11 alunos• 1º ano Ensino Médio – Produção de Texto• Básico = 3• Intermediário = 20• Adequado = 10
  32. 32. Quantidade de aluno em determinadonível de desempenho• 2º ano Ensino Médio• Muito Crítico = 1 aluno• Crítico = 13 alunos• Intermediário = 08 alunos• 2º ano Ensino Médio – Produção de Texto• Básico = 1• Intermediário = 11• Adequado = 8• Avançado = 1
  33. 33. Quantidade de aluno em determinadonível de desempenho• 3º ano Ensino Médio• Muito Crítico = 6 alunos• Crítico = 27 alunos• Intermediário = 11 alunos• 3º ano Ensino Médio – Produção de Texto• Básico = 3• Intermediário = 12• Adequado =
  34. 34. Tomada de decisões
  35. 35. Plano de intervenção• Reunir por áreas afins;• Fazer o plano de ação;• Data para início.

×