Emergencias Cardiovasculares

12.524 visualizações

Publicada em

O que fazem dois técnicos de emergência médica perante uma dor torácica de origem cardíaca.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
12.524
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
21
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Emergencias Cardiovasculares

    1. 1. EMERGÊNCIAS CÁRDIOVASCULARES
    2. 2. Dor Torácica de origem cardíaca
    3. 3. Dor Torácica de origem cardíaca A dor torácica é um dos sintomas que merece maior respeito no domínio da medicina, pois traduz muitas vezes uma situação de elevada gravidade.
    4. 4. Dor Torácica de origem cardíaca A dor torácica é um dos sintomas que merece maior respeito no domínio da medicina, pois traduz muitas vezes uma situação de elevada gravidade. Quando existe um desequilibro entre as necessidades de oxigénio para o funcionamento do cardíaco e o fornecimento deste, surge uma situação de isquemia (sofrimento) que vai originar a dor.
    5. 5. Dor Torácica de origem cardíaca
    6. 6. Dor Torácica de origem cardíaca Esta situação pode ser devida à diminuição do diâmetro das artérias e à perda de elasticidade das paredes das mesmas.
    7. 7. Dor Torácica de origem cardíaca Esta situação pode ser devida à diminuição do diâmetro das artérias e à perda de elasticidade das paredes das mesmas. Assim, quando este mecanismo ocorre nas coronárias (artérias que irrigam o coração), dá origem a uma situação de isquemia cardíaca resultando a dor torácica.
    8. 8. Angina de peito Existe uma diminuição do aporte de oxigénio às células do miocárdio. A dor é de duração curta (5 a 15 minutos) desaparecendo com o repouso ou medicação Algumas dores são passíveis de cura Shakespeare, William
    9. 9. Sinais e sintomas Dor retroesternal ou précordial, descrita como:
    10. 10. Sinais e sintomas Dor retroesternal ou précordial, descrita como: Os sofrimentos humanos têm facetas múltiplas: nunca se encontra outra dor do mesmo tom. Fonte: "As Suplicantes" Autor: Ésquilo
    11. 11. Sinais e sintomas Dor retroesternal ou précordial, descrita como: Os sofrimentos humanos têm facetas múltiplas: nunca se encontra outra dor do mesmo tom. Fonte: "As Suplicantes" Autor: Ésquilo • uma sensação de aperto, peso, opressão ou facada . . .
    12. 12. Sinais e sintomas Dor retroesternal ou précordial, descrita como: Os sofrimentos humanos têm facetas múltiplas: nunca se encontra outra dor do mesmo tom. Fonte: "As Suplicantes" Autor: Ésquilo • uma sensação de aperto, peso, opressão ou facada . . . • Mantêm-se constante, não sendo alterada com a respiração ou posição adoptada.
    13. 13. Sinais e sintomas Dor retroesternal ou précordial, descrita como: Os sofrimentos humanos têm facetas múltiplas: nunca se encontra outra dor do mesmo tom. Fonte: "As Suplicantes" Autor: Ésquilo • uma sensação de aperto, peso, opressão ou facada . . . • Mantêm-se constante, não sendo alterada com a respiração ou posição adoptada. • pode irradiar para o ombro, braço e mão esquerda, pescoço e mandíbula, dorso e região abdominal
    14. 14. Sinais e sintomas Dor retroesternal ou précordial, descrita como: Os sofrimentos humanos têm facetas múltiplas: nunca se encontra outra dor do mesmo tom. Fonte: "As Suplicantes" Autor: Ésquilo • uma sensação de aperto, peso, opressão ou facada . . . • Mantêm-se constante, não sendo alterada com a respiração ou posição adoptada. • pode irradiar para o ombro, braço e mão esquerda, pescoço e mandíbula, dorso e região abdominal • pode ser acompanhada de adormecimento na extremidade do membro superior afectado
    15. 15. Sinais e sintomas Dor retroesternal ou précordial, descrita como: Os sofrimentos humanos têm facetas múltiplas: nunca se encontra outra dor do mesmo tom. Fonte: "As Suplicantes" Autor: Ésquilo • uma sensação de aperto, peso, opressão ou facada . . . • Mantêm-se constante, não sendo alterada com a respiração ou posição adoptada. • pode irradiar para o ombro, braço e mão esquerda, pescoço e mandíbula, dorso e região abdominal • pode ser acompanhada de adormecimento na extremidade do membro superior afectado • Ansiedade
    16. 16. Sinais e sintomas Dor retroesternal ou précordial, descrita como: Os sofrimentos humanos têm facetas múltiplas: nunca se encontra outra dor do mesmo tom. Fonte: "As Suplicantes" Autor: Ésquilo • uma sensação de aperto, peso, opressão ou facada . . . • Mantêm-se constante, não sendo alterada com a respiração ou posição adoptada. • pode irradiar para o ombro, braço e mão esquerda, pescoço e mandíbula, dorso e região abdominal • pode ser acompanhada de adormecimento na extremidade do membro superior afectado • Ansiedade • Dificuldade respiratória nas situações mais graves
    17. 17. Enfarte Agudo do Miocárdio Existe uma interrupção de fornecimento de sangue e consequentemente de oxigénio, originando a morte das células. A dor é prolongada não passando com o repouso ou medicação. É uma situação de máxima gravidade
    18. 18. Sinais e sintomas
    19. 19. Sinais e sintomas • Dor retroesternal ou précordial intensa ou moderada, descrita como uma sensação peso, esmagamento, opressão ou facada
    20. 20. Sinais e sintomas • Dor retroesternal ou précordial intensa ou moderada, descrita como uma sensação peso, esmagamento, opressão ou facada • tem um período de duração longo, não cedendo na maior parte dos casos à medicação
    21. 21. Sinais e sintomas • Dor retroesternal ou précordial intensa ou moderada, descrita como uma sensação peso, esmagamento, opressão ou facada • tem um período de duração longo, não cedendo na maior parte dos casos à medicação • pode irradiar para o ombro, braço e mão esquerda, pescoço e mandíbula, dorso e região abdominal
    22. 22. Sinais e sintomas
    23. 23. Sinais e sintomas • Ansiedade
    24. 24. Sinais e sintomas • Ansiedade •Sensação de medo, apreensão
    25. 25. Sinais e sintomas • Ansiedade •Sensação de medo, apreensão •Arritmias
    26. 26. Sinais e sintomas • Ansiedade •Sensação de medo, apreensão •Arritmias •Hipotensão
    27. 27. Sinais e sintomas • Ansiedade •Sensação de medo, apreensão •Arritmias •Hipotensão • Dificuldade respiratória, podendo evoluir para uma situação de edema agudo do pulmão
    28. 28. Sinais e sintomas • Ansiedade •Sensação de medo, apreensão •Arritmias •Hipotensão • Dificuldade respiratória, podendo evoluir para uma situação de edema agudo do pulmão • Palidez
    29. 29. Sinais e sintomas • Ansiedade •Sensação de medo, apreensão •Arritmias •Hipotensão • Dificuldade respiratória, podendo evoluir para uma situação de edema agudo do pulmão • Palidez • Sudorese
    30. 30. Sinais e sintomas • Ansiedade •Sensação de medo, apreensão •Arritmias •Hipotensão • Dificuldade respiratória, podendo evoluir para uma situação de edema agudo do pulmão • Palidez • Sudorese • Náuseas ou vómitos
    31. 31. Sinais e sintomas • Ansiedade •Sensação de medo, apreensão •Arritmias •Hipotensão • Dificuldade respiratória, podendo evoluir para uma situação de edema agudo do pulmão • Palidez • Sudorese • Náuseas ou vómitos • Mau estar torácico não definido
    32. 32. Sinais e sintomas Sinais de risco
    33. 33. Sinais e sintomas Sinais de risco • Dor surge em repouso
    34. 34. Sinais e sintomas Sinais de risco • Dor surge em repouso • Perda de conhecimento após a dor
    35. 35. Sinais e sintomas Sinais de risco • Dor surge em repouso • Perda de conhecimento após a dor • Alteração dos sinais vitais
    36. 36. Sinais e sintomas Sinais de risco • Dor surge em repouso • Perda de conhecimento após a dor • Alteração dos sinais vitais • Dificuldade respiratória
    37. 37. Sinais e sintomas Sinais de risco • Dor surge em repouso • Perda de conhecimento após a dor • Alteração dos sinais vitais • Dificuldade respiratória • Hipotensão
    38. 38. Sinais e sintomas Sinais de risco • Dor surge em repouso • Perda de conhecimento após a dor • Alteração dos sinais vitais • Dificuldade respiratória • Hipotensão • Cianose
    39. 39. Sinais e sintomas Sinais de risco • Dor surge em repouso • Perda de conhecimento após a dor • Alteração dos sinais vitais • Dificuldade respiratória • Hipotensão • Cianose • Arritmias cardíacas
    40. 40. Resumo
    41. 41. Resumo
    42. 42. Resumo Angina de peito EAM Retro-esternal e contínua na Dor intensidade igual Membros superiores, principalmente o esquerdo, Irradiação dorso, pescoço, mandíbula e igual abdómen Ligeiro desconforto até a Intensidade opressão intensa Habitualmente é muito intensa Duração Normalmente 2 a 3 minutos Pode chegar a durar horas Factores Esforço físico, emoções, frio intenso Pode não ter factor desencadeante desencadeantes Factores aliviantes Repouso, medicação e retirar o factor desencadeante Pode não passar com medicação
    43. 43. Resumo Angina de peito EAM Retro-esternal e contínua na Dor intensidade igual Membros superiores, principalmente o esquerdo, Irradiação dorso, pescoço, mandíbula e igual abdómen Ligeiro desconforto até a Intensidade opressão intensa Habitualmente é muito intensa Duração Normalmente 2 a 3 minutos Pode chegar a durar horas Factores Esforço físico, emoções, frio intenso Pode não ter factor desencadeante desencadeantes Factores aliviantes Repouso, medicação e retirar o factor desencadeante Pode não passar com medicação
    44. 44. Resumo Angina de peito EAM Retro-esternal e contínua na Dor intensidade igual Membros superiores, principalmente o esquerdo, Irradiação dorso, pescoço, mandíbula e igual abdómen Ligeiro desconforto até a Intensidade opressão intensa Habitualmente é muito intensa Duração Normalmente 2 a 3 minutos Pode chegar a durar horas Factores Esforço físico, emoções, frio intenso Pode não ter factor desencadeante desencadeantes Factores aliviantes Repouso, medicação e retirar o factor desencadeante Pode não passar com medicação
    45. 45. Resumo Angina de peito EAM Retro-esternal e contínua na Dor intensidade igual Membros superiores, principalmente o esquerdo, Irradiação dorso, pescoço, mandíbula e igual abdómen Ligeiro desconforto até a Intensidade opressão intensa Habitualmente é muito intensa Duração Normalmente 2 a 3 minutos Pode chegar a durar horas Factores Esforço físico, emoções, frio intenso Pode não ter factor desencadeante desencadeantes Factores aliviantes Repouso, medicação e retirar o factor desencadeante Pode não passar com medicação
    46. 46. Resumo Angina de peito EAM Retro-esternal e contínua na Dor intensidade igual Membros superiores, principalmente o esquerdo, Irradiação dorso, pescoço, mandíbula e igual abdómen Ligeiro desconforto até a Intensidade opressão intensa Habitualmente é muito intensa Duração Normalmente 2 a 3 minutos Pode chegar a durar horas Factores Esforço físico, emoções, frio intenso Pode não ter factor desencadeante desencadeantes Factores aliviantes Repouso, medicação e retirar o factor desencadeante Pode não passar com medicação
    47. 47. Resumo Angina de peito EAM Retro-esternal e contínua na Dor intensidade igual Membros superiores, principalmente o esquerdo, Irradiação dorso, pescoço, mandíbula e igual abdómen Ligeiro desconforto até a Intensidade opressão intensa Habitualmente é muito intensa Duração Normalmente 2 a 3 minutos Pode chegar a durar horas Factores Esforço físico, emoções, frio intenso Pode não ter factor desencadeante desencadeantes Factores aliviantes Repouso, medicação e retirar o factor desencadeante Pode não passar com medicação
    48. 48. Resumo Angina de peito EAM Retro-esternal e contínua na Dor intensidade igual Membros superiores, principalmente o esquerdo, Irradiação dorso, pescoço, mandíbula e igual abdómen Ligeiro desconforto até a Intensidade opressão intensa Habitualmente é muito intensa Duração Normalmente 2 a 3 minutos Pode chegar a durar horas Factores Esforço físico, emoções, frio intenso Pode não ter factor desencadeante desencadeantes Factores aliviantes Repouso, medicação e retirar o factor desencadeante Pode não passar com medicação
    49. 49. Resumo Angina de peito EAM Retro-esternal e contínua na Dor intensidade igual Membros superiores, principalmente o esquerdo, Irradiação dorso, pescoço, mandíbula e igual abdómen Ligeiro desconforto até a Intensidade opressão intensa Habitualmente é muito intensa Duração Normalmente 2 a 3 minutos Pode chegar a durar horas Factores Esforço físico, emoções, frio intenso Pode não ter factor desencadeante desencadeantes Factores aliviantes Repouso, medicação e retirar o factor desencadeante Pode não passar com medicação
    50. 50. Resumo Angina de peito EAM Retro-esternal e contínua na Dor intensidade igual Membros superiores, principalmente o esquerdo, Irradiação dorso, pescoço, mandíbula e igual abdómen Ligeiro desconforto até a Intensidade opressão intensa Habitualmente é muito intensa Duração Normalmente 2 a 3 minutos Pode chegar a durar horas Factores Esforço físico, emoções, frio intenso Pode não ter factor desencadeante desencadeantes Factores aliviantes Repouso, medicação e retirar o factor desencadeante Pode não passar com medicação
    51. 51. Resumo Angina de peito EAM Retro-esternal e contínua na Dor intensidade igual Membros superiores, principalmente o esquerdo, Irradiação dorso, pescoço, mandíbula e igual abdómen Ligeiro desconforto até a Intensidade opressão intensa Habitualmente é muito intensa Duração Normalmente 2 a 3 minutos Pode chegar a durar horas Factores Esforço físico, emoções, frio intenso Pode não ter factor desencadeante desencadeantes Factores aliviantes Repouso, medicação e retirar o factor desencadeante Pode não passar com medicação
    52. 52. Resumo Angina de peito EAM Retro-esternal e contínua na Dor intensidade igual Membros superiores, principalmente o esquerdo, Irradiação dorso, pescoço, mandíbula e igual abdómen Ligeiro desconforto até a Intensidade opressão intensa Habitualmente é muito intensa Duração Normalmente 2 a 3 minutos Pode chegar a durar horas Factores Esforço físico, emoções, frio intenso Pode não ter factor desencadeante desencadeantes Factores aliviantes Repouso, medicação e retirar o factor desencadeante Pode não passar com medicação
    53. 53. Resumo Angina de peito EAM Retro-esternal e contínua na Dor intensidade igual Membros superiores, principalmente o esquerdo, Irradiação dorso, pescoço, mandíbula e igual abdómen Ligeiro desconforto até a Intensidade opressão intensa Habitualmente é muito intensa Duração Normalmente 2 a 3 minutos Pode chegar a durar horas Factores Esforço físico, emoções, frio intenso Pode não ter factor desencadeante desencadeantes Factores aliviantes Repouso, medicação e retirar o factor desencadeante Pode não passar com medicação
    54. 54. Resumo Angina de peito EAM Retro-esternal e contínua na Dor intensidade igual Membros superiores, principalmente o esquerdo, Irradiação dorso, pescoço, mandíbula e igual abdómen Ligeiro desconforto até a Intensidade opressão intensa Habitualmente é muito intensa Duração Normalmente 2 a 3 minutos Pode chegar a durar horas Factores Esforço físico, emoções, frio intenso Pode não ter factor desencadeante desencadeantes Factores aliviantes Repouso, medicação e retirar o factor desencadeante Pode não passar com medicação
    55. 55. Resumo Angina de peito EAM Retro-esternal e contínua na Dor intensidade igual Membros superiores, principalmente o esquerdo, Irradiação dorso, pescoço, mandíbula e igual abdómen Ligeiro desconforto até a Intensidade opressão intensa Habitualmente é muito intensa Duração Normalmente 2 a 3 minutos Pode chegar a durar horas Factores Esforço físico, emoções, frio intenso Pode não ter factor desencadeante desencadeantes Factores aliviantes Repouso, medicação e retirar o factor desencadeante Pode não passar com medicação
    56. 56. Resumo Angina de peito EAM Retro-esternal e contínua na Dor intensidade igual Membros superiores, principalmente o esquerdo, Irradiação dorso, pescoço, mandíbula e igual abdómen Ligeiro desconforto até a Intensidade opressão intensa Habitualmente é muito intensa Duração Normalmente 2 a 3 minutos Pode chegar a durar horas Factores Esforço físico, emoções, frio intenso Pode não ter factor desencadeante desencadeantes Factores aliviantes Repouso, medicação e retirar o factor desencadeante Pode não passar com medicação
    57. 57. Resumo Angina de peito EAM Retro-esternal e contínua na Dor intensidade igual Membros superiores, principalmente o esquerdo, Irradiação dorso, pescoço, mandíbula e igual abdómen Ligeiro desconforto até a Intensidade opressão intensa Habitualmente é muito intensa Duração Normalmente 2 a 3 minutos Pode chegar a durar horas Factores Esforço físico, emoções, frio intenso Pode não ter factor desencadeante desencadeantes Factores aliviantes Repouso, medicação e retirar o factor desencadeante Pode não passar com medicação
    58. 58. Resumo Angina de peito EAM Retro-esternal e contínua na Dor intensidade igual Membros superiores, principalmente o esquerdo, Irradiação dorso, pescoço, mandíbula e igual abdómen Ligeiro desconforto até a Intensidade opressão intensa Habitualmente é muito intensa Duração Normalmente 2 a 3 minutos Pode chegar a durar horas Factores Esforço físico, emoções, frio intenso Pode não ter factor desencadeante desencadeantes Factores aliviantes Repouso, medicação e retirar o factor desencadeante Pode não passar com medicação
    59. 59. Resumo Angina de peito EAM Retro-esternal e contínua na Dor intensidade igual Membros superiores, principalmente o esquerdo, Irradiação dorso, pescoço, mandíbula e igual abdómen Ligeiro desconforto até a Intensidade opressão intensa Habitualmente é muito intensa Duração Normalmente 2 a 3 minutos Pode chegar a durar horas Factores Esforço físico, emoções, frio intenso Pode não ter factor desencadeante desencadeantes Factores aliviantes Repouso, medicação e retirar o factor desencadeante Pode não passar com medicação
    60. 60. Resumo Angina de peito EAM Retro-esternal e contínua na Dor intensidade igual Membros superiores, principalmente o esquerdo, Irradiação dorso, pescoço, mandíbula e igual abdómen Ligeiro desconforto até a Intensidade opressão intensa Habitualmente é muito intensa Duração Normalmente 2 a 3 minutos Pode chegar a durar horas Factores Esforço físico, emoções, frio intenso Pode não ter factor desencadeante desencadeantes Factores aliviantes Repouso, medicação e retirar o factor desencadeante Pode não passar com medicação
    61. 61. Resumo Angina de peito EAM Retro-esternal e contínua na Dor intensidade igual Membros superiores, principalmente o esquerdo, Irradiação dorso, pescoço, mandíbula e igual abdómen Ligeiro desconforto até a Intensidade opressão intensa Habitualmente é muito intensa Duração Normalmente 2 a 3 minutos Pode chegar a durar horas Factores Esforço físico, emoções, frio intenso Pode não ter factor desencadeante desencadeantes Factores aliviantes Repouso, medicação e retirar o factor desencadeante Pode não passar com medicação
    62. 62. Resumo Angina de peito EAM Retro-esternal e contínua na Dor intensidade igual Membros superiores, principalmente o esquerdo, Irradiação dorso, pescoço, mandíbula e igual abdómen Ligeiro desconforto até a Intensidade opressão intensa Habitualmente é muito intensa Duração Normalmente 2 a 3 minutos Pode chegar a durar horas Factores Esforço físico, emoções, frio intenso Pode não ter factor desencadeante desencadeantes Factores aliviantes Repouso, medicação e retirar o factor desencadeante Pode não passar com medicação
    63. 63. EAM vs Angina
    64. 64. Localização da dor. . .
    65. 65. A dor que não fala, geme no coração até que o parte Autor: Shakespeare , William  
    66. 66. ACTUAÇÃO
    67. 67. ACTUAÇÃO • Manter atitude calma e segura
    68. 68. ACTUAÇÃO • Manter atitude calma e segura • Manter um ambiente calmo e evitar que a vítima faça
    69. 69. ACTUAÇÃO • Manter atitude calma e segura • Manter um ambiente calmo e evitar que a vítima faça • Qualquer esforço Posicionar a vítima o mais confortável possível
    70. 70. ACTUAÇÃO • Manter atitude calma e segura • Manter um ambiente calmo e evitar que a vítima faça • Qualquer esforço Posicionar a vítima o mais confortável possível • Oxigenoterapia a 10 L/m
    71. 71. ACTUAÇÃO • Manter atitude calma e segura • Manter um ambiente calmo e evitar que a vítima faça • Qualquer esforço Posicionar a vítima o mais confortável possível • Oxigenoterapia a 10 L/m • Avaliar e caracterizar a dor
    72. 72. ACTUAÇÃO • Manter atitude calma e segura • Manter um ambiente calmo e evitar que a vítima faça • Qualquer esforço Posicionar a vítima o mais confortável possível • Oxigenoterapia a 10 L/m • Avaliar e caracterizar a dor • Manter a temperatura corporal
    73. 73. ACTUAÇÃO • Manter atitude calma e segura • Manter um ambiente calmo e evitar que a vítima faça • Qualquer esforço Posicionar a vítima o mais confortável possível • Oxigenoterapia a 10 L/m • Avaliar e caracterizar a dor • Manter a temperatura corporal • Não dar nada a beber
    74. 74. ACTUAÇÃO • Manter atitude calma e segura • Manter um ambiente calmo e evitar que a vítima faça • Qualquer esforço Posicionar a vítima o mais confortável possível • Oxigenoterapia a 10 L/m • Avaliar e caracterizar a dor • Manter a temperatura corporal • Não dar nada a beber • Verificar e registar os sinais vitais (ter atenção às
    75. 75. ACTUAÇÃO • Manter atitude calma e segura • Manter um ambiente calmo e evitar que a vítima faça • Qualquer esforço Posicionar a vítima o mais confortável possível • Oxigenoterapia a 10 L/m • Avaliar e caracterizar a dor • Manter a temperatura corporal • Não dar nada a beber • Verificar e registar os sinais vitais (ter atenção às • Características da respiração, pulso, tensão arterial e da pele )
    76. 76. “A dúvida é o principio da sabedoria” Aristóteles ?

    ×