IntroduçãO à Filosofia

2.998 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.998
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
153
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
49
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

IntroduçãO à Filosofia

  1. 1. "... as idéias dos economistas e dos filósofos políticos, tanto quando estão certos como quando estão errados, são muito mais poderosas do que normalmente se imagina. Na verdade, o mundo é governado quase que exclusivamente por elas. Homens práticos, que se julgam imunes a quaisquer influências intelectuais, geralmente são escravos de algum economista (ou filósofo) já falecido." John Maynard Keynes [email_address]
  2. 2. <ul><li>“ Para os seres humanos, conhecer é um impulso natural e instintivo no sentido em que ele brota espontaneamente, confundindo-se, na sua origem, com o próprio impulso da vida. (...) o pensar surge, assim, concomitante com o agir, com ele se confundindo.” (cf. Severino, 2007); </li></ul><ul><li> O impulso instintivo ao conhecimento se traduz na necessidade humana de explicar o TUDO e as COISAS: a totalidade / universalidade (micro e mega) que o cerca e que o compõe. </li></ul><ul><li>A fundamentação do conhecimento é materialista e histórica; isto é, se sustenta nos recursos que se demonstram disponíveis para compor a explicação (necessária) do conhecimento. Conforme observa-se o desenvolvimento cultural do ser humano ao longo da história, observa-se, concomitantemente, o aperfeiçoamento da explicação humana sobre o TUDO e as COISAS. </li></ul><ul><li> Entretanto, o desenvolvimento material e histórico da fundamentação do conhecimento não determinou a exclusão, por substituição direta, de suas modalidades. </li></ul>[email_address] MODALIDADES GERAIS DO CONHECIMENTO
  3. 3. <ul><li>DESCRIÇÃO ESQUEMÁTICA DAS MODALIDADES GERAIS DO CONHECIMENTO EM FUNÇÃO: </li></ul><ul><li>a) DO DESENVOLVIMENTO MATERIALISTA; </li></ul><ul><li>1. CONHECIMENTO MÍTICO – Explicação do TUDO e das COISAS a partir da fundamentação metafísica ( além do físico ); atribuição de valor simbólico aos fenômenos observados; </li></ul><ul><li>2. CONHECIMENTO RELIGIOSO: sistematização do conhecimento mítico; </li></ul><ul><li>3. CONHECIMENTO ARTÍSTICO – sistematização e representação subjetiva, com funções sociais, dos fenômenos cotidianos, de suas interpretações, de seus valores simbólicos e das aspirações futurísticas; </li></ul><ul><li>4. CONHECIMENTO FILOSÓFICO: explicação racional do TUDO e das COISAS, fundamentada no desenvolvimento dos estudos naturais e metafísicos do povo grego (geografia, geometria, astronomia, política, matemática, retórica, história, et alii .); </li></ul><ul><li>5. CONHECIMENTO CIENTÍFICO: Explicação racional com demonstração metodológica (da explicação) do TUDO e das COISAS. </li></ul><ul><li>B) DO DESENVOLVIMENTO HISTÓRICO: </li></ul><ul><li>CONHECIMENTO MÍTICO/ARTÍSTICO - CONHECIMENTO RELIGIOSO - CONHECIMENTO FILOSÓFICO – CONHECIMENTO CIENTÍFICO. </li></ul>[email_address] CONHECIMENTO CIENTÍFICO De fato, a cultura humana é produto oras da fusão, oras da dialética entre as modalidades gerais do conhecimento, num processo dinâmico e ininterrupto.
  4. 4. <ul><li>DIVISÕES DA FILOSOFIA </li></ul><ul><li>Como conseqüência da evolução material e histórica da fundamentação explicativa do TUDO e das COISAS, demandou-se a necessidade da “especialização” da Filosofia. </li></ul><ul><li>A Filosofia, como modalidade genérica, já não consegue abarcar as diversas subdivisões disciplinares que se fazem necessárias para a explicação racional do conhecimento: por este motivo e por razões didáticas, a filosofia se subdivide em dois troncos básicos: </li></ul><ul><li>a) Quanto ao tempo histórico; </li></ul><ul><li>b) Quanto as modalidades disciplinares. </li></ul>[email_address] DIVISÃO DIDÁTICO-METODOLÓGICA DA FILOSOFIA * A Lógica não é, exatamente, uma disciplina Filosófica: é, de fato, uma ciência que trata de “dar regras do pensamento correto”. Por se aplicar ao “pensar”, seu estudo é didaticamente incorporado ao estudo filosófico . * Há, de fato, tantas subdivisões nesta categoria quantas são as subdivisões da própria ciência. Deste modo, encontraremos: Filosofia da Matemática, Filosofia da História, Filosofia da Educação, etc...
  5. 5. <ul><li>INTERRELAÇÕES ENTRE AS SUBDIVISÕES DA FILOSOFIA – OU, INTERDISCIPLINALIDADE FILOSÓFICA </li></ul><ul><li>O fato da Filosofia se subdividir em modalidades Históricas e Disciplinares não torna essas modalidades independentes entre si. </li></ul><ul><li>Com efeito, a subdivisão, como mencionado anteriormente, é efetuada em função da otimização didática dos estudos. </li></ul><ul><li>Deste modo, quando estudamos Ética, podemos estudar a Ética em si, isto é, os aspectos transcendentais* (“essencialistas”) da Ética; e estaremos fazendo epistemologia ou Filosofia da Ética. Entretanto, será muito difícil sistematizar tal estudo sem nos apropriarmos do conhecimento produzido sobre o tema nos diferentes tempos históricos. Assim, teremos que nos reportar à Ética estudada na antiguidade, no medievo, na modernidade e atualmente. </li></ul><ul><li>Da mesma forma que se procede com a Ética, ocorre também com as diversas modalidades históricas e disciplinares da Filosofia. </li></ul><ul><li>“ Mutatis mutantis” , o mesmo ocorre quando estudamos focados na divisão histórica da Filosofia. </li></ul><ul><li>Há sempre uma intercessão entre as Subdivisões Histórica e Disciplinar em qualquer estudo filosófico. </li></ul>[email_address] ÉTICA Estudo da Filosofia Moderna INTERDISCIPLINALIDADE APLICADA AO ESTUDO DA ÉTICA INTERDISCIPLINALIDADE APLICADA AO ESTUDO DA FILOSOFIA MODERNA *O conceito de transcendental aqui entendido no seu sentido kantiano, ou seja, como “condição de possibilidade” QUADRO DEMONSTRATIVO DA INTERDISCIPLINALIDADE FILOSÓFICA

×