SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 1
O JARDIM DE VALHALA
Conta a lenda que na morada do Criador existe um imenso jardim, chamado de Jardim
de Valhala. Neste jardim, onde o tempo não vigora, e um minuto e a eternidade
convivem no mesmo momento, ficam os espíritos bons, escolhidos pelo Altíssimo,
aguardando a hora de serem enviados à Terra para cumprirem sua missão.
No Jardim de Valhala dois espíritos, um chamado Danjar e outro chamado Kandata,
ficaram por tempos e tempos, surgindo um amor profundo entre ambos. Um amor
puro, fraternal, que os unia com uma força superior à própria força do amor.
Danjar e Kandata estavam sempre juntos. Um era a alegria do outro, e, por um
fenômeno que o mero conhecimento humano não explica, um brilho descomunal
reluzia sobre os dois quando estavam lado a lado.
A alegria que os dois espalhavam contagiava os demais espíritos e os dois
transformaram-se na essência do jardim.
Um dia, Danjar foi enviado à Terra. Kandata, à princípio, ficou muito feliz em saber que
o seu inseparável companheiro tinha, finalmente, sido enviado para cumprir sua
missão, porém, aquela alegria de primeiro momento foi se tranformando em uma
tristeza profunda.
O Jardim de Valhala, de um instante para o outro passou a não ter mais sentido. Nada
mais tinha sentido. Até o brilho de Kandata foi morrendo e ela passou a ser a imagem
viva da dor. Os outros espíritos de tudo fizeram para que a alegria de Kandata voltasse
e nada conseguiram.
A dor de Kandata era tão profunda que os outros espíritos, compadecidos de seu
sofrimento, resolveram enviá-la à Terra, mesmo sem ser a hora certa, para que ela
pudesse procurar e encontrar Danjar, e, se possível levá-lo de volta ao jardim.
Tomando Deus conhecimento da rebeldia de Kandata, deu-lhe um castigo. Ainda que
ela estivesse na Terra, nunca encontraria Danjar, vez que ele estaria sempre em lugar
diferente do dela e ela jamais poderia trazê-lo de volta ao Jardim de Valhala.
Kandata então, em um gesto desesperado, dividiu seu amor em infinitos pedaços e
implantou cada pedaço em um novo espírito que viesse à Terra, pois assim, não só ela,
mas centenas de espíritos procurariam por ele e algum poderia encontrar Danjar. Cada
um deles levava parte do amor dela, um dia uma parte dela estaria junto daquele que
ela tanto amava.
Kandata dividiu-se e dividiu-se tanto, que dela nada mais restou senão a lembrança.
Assim, quando duas pessoas se encontram e sem qualquer explicação, um laço
profundo de amor surge entre ambos, é um pedaço do amor de Kandata que encontrou
na outra pessoa, um pedaço do brilho de Danjar.

Mais conteúdo relacionado

Destaque (18)

Presentación1
Presentación1Presentación1
Presentación1
 
Gbi para hoy 2
Gbi para hoy 2Gbi para hoy 2
Gbi para hoy 2
 
Texto de Aristóteles Selectividad
Texto de Aristóteles SelectividadTexto de Aristóteles Selectividad
Texto de Aristóteles Selectividad
 
EMBEDED PIPING 3D
EMBEDED PIPING 3DEMBEDED PIPING 3D
EMBEDED PIPING 3D
 
NUESTRA VISION
NUESTRA VISIONNUESTRA VISION
NUESTRA VISION
 
Carta
CartaCarta
Carta
 
Estudio de caso
Estudio de casoEstudio de caso
Estudio de caso
 
1 10-12 promo results
1 10-12  promo results1 10-12  promo results
1 10-12 promo results
 
Ine 18 jan2012
Ine 18 jan2012Ine 18 jan2012
Ine 18 jan2012
 
Os dinos viveram em toda a terra
Os dinos viveram em toda a terraOs dinos viveram em toda a terra
Os dinos viveram em toda a terra
 
120423Stadtplan mit Standort der Pressekonferenz.pdf
120423Stadtplan mit Standort der Pressekonferenz.pdf120423Stadtplan mit Standort der Pressekonferenz.pdf
120423Stadtplan mit Standort der Pressekonferenz.pdf
 
Gost 19085 80
Gost 19085 80Gost 19085 80
Gost 19085 80
 
Gost 12492.9 90
Gost 12492.9 90Gost 12492.9 90
Gost 12492.9 90
 
Banderas
BanderasBanderas
Banderas
 
Gost 1003 73
Gost 1003 73Gost 1003 73
Gost 1003 73
 
ㅣㅣ
ㅣㅣㅣㅣ
ㅣㅣ
 
Gost 17741 72
Gost 17741 72Gost 17741 72
Gost 17741 72
 
Gost 12.3.005 75 2
Gost 12.3.005 75 2Gost 12.3.005 75 2
Gost 12.3.005 75 2
 

Mais de Citnes Nimbus

Tirinhas com piadas de louras
Tirinhas com piadas de lourasTirinhas com piadas de louras
Tirinhas com piadas de lourasCitnes Nimbus
 
O presente de insultos
O presente de insultosO presente de insultos
O presente de insultosCitnes Nimbus
 
O guardião do mosteiro
O guardião do mosteiroO guardião do mosteiro
O guardião do mosteiroCitnes Nimbus
 
O guardião do castelo
O guardião do casteloO guardião do castelo
O guardião do casteloCitnes Nimbus
 
Medo do desconhecido
Medo do desconhecidoMedo do desconhecido
Medo do desconhecidoCitnes Nimbus
 
Lenda hindu sobre a criação da mulher
Lenda hindu sobre a criação da mulherLenda hindu sobre a criação da mulher
Lenda hindu sobre a criação da mulherCitnes Nimbus
 
Fátima, a fiandeira
Fátima, a fiandeiraFátima, a fiandeira
Fátima, a fiandeiraCitnes Nimbus
 
Almas grandes (hindu)
Almas grandes (hindu)Almas grandes (hindu)
Almas grandes (hindu)Citnes Nimbus
 
A oração que deus entendia (conto russo)
A oração que deus entendia (conto russo)A oração que deus entendia (conto russo)
A oração que deus entendia (conto russo)Citnes Nimbus
 
A verdadeira alquimia
A verdadeira alquimiaA verdadeira alquimia
A verdadeira alquimiaCitnes Nimbus
 
A fábula do tigre (indiana)
A fábula do tigre (indiana)A fábula do tigre (indiana)
A fábula do tigre (indiana)Citnes Nimbus
 
O samurai e o mestre zen
O samurai e o mestre zenO samurai e o mestre zen
O samurai e o mestre zenCitnes Nimbus
 

Mais de Citnes Nimbus (19)

Um conto zen
Um conto zenUm conto zen
Um conto zen
 
Coleção de piadas
Coleção de piadasColeção de piadas
Coleção de piadas
 
Tirinhas com piadas de louras
Tirinhas com piadas de lourasTirinhas com piadas de louras
Tirinhas com piadas de louras
 
O rabino
O rabinoO rabino
O rabino
 
O presente de insultos
O presente de insultosO presente de insultos
O presente de insultos
 
O julgamento
O julgamentoO julgamento
O julgamento
 
O guardião do mosteiro
O guardião do mosteiroO guardião do mosteiro
O guardião do mosteiro
 
O guardião do castelo
O guardião do casteloO guardião do castelo
O guardião do castelo
 
O enigma
O enigmaO enigma
O enigma
 
O anel
O anelO anel
O anel
 
Medo do desconhecido
Medo do desconhecidoMedo do desconhecido
Medo do desconhecido
 
Lenda hindu sobre a criação da mulher
Lenda hindu sobre a criação da mulherLenda hindu sobre a criação da mulher
Lenda hindu sobre a criação da mulher
 
Fátima, a fiandeira
Fátima, a fiandeiraFátima, a fiandeira
Fátima, a fiandeira
 
Almas grandes (hindu)
Almas grandes (hindu)Almas grandes (hindu)
Almas grandes (hindu)
 
A oração que deus entendia (conto russo)
A oração que deus entendia (conto russo)A oração que deus entendia (conto russo)
A oração que deus entendia (conto russo)
 
A verdadeira alquimia
A verdadeira alquimiaA verdadeira alquimia
A verdadeira alquimia
 
A colher e o oceano
A colher e o oceanoA colher e o oceano
A colher e o oceano
 
A fábula do tigre (indiana)
A fábula do tigre (indiana)A fábula do tigre (indiana)
A fábula do tigre (indiana)
 
O samurai e o mestre zen
O samurai e o mestre zenO samurai e o mestre zen
O samurai e o mestre zen
 

O jardim de valhala

  • 1. O JARDIM DE VALHALA Conta a lenda que na morada do Criador existe um imenso jardim, chamado de Jardim de Valhala. Neste jardim, onde o tempo não vigora, e um minuto e a eternidade convivem no mesmo momento, ficam os espíritos bons, escolhidos pelo Altíssimo, aguardando a hora de serem enviados à Terra para cumprirem sua missão. No Jardim de Valhala dois espíritos, um chamado Danjar e outro chamado Kandata, ficaram por tempos e tempos, surgindo um amor profundo entre ambos. Um amor puro, fraternal, que os unia com uma força superior à própria força do amor. Danjar e Kandata estavam sempre juntos. Um era a alegria do outro, e, por um fenômeno que o mero conhecimento humano não explica, um brilho descomunal reluzia sobre os dois quando estavam lado a lado. A alegria que os dois espalhavam contagiava os demais espíritos e os dois transformaram-se na essência do jardim. Um dia, Danjar foi enviado à Terra. Kandata, à princípio, ficou muito feliz em saber que o seu inseparável companheiro tinha, finalmente, sido enviado para cumprir sua missão, porém, aquela alegria de primeiro momento foi se tranformando em uma tristeza profunda. O Jardim de Valhala, de um instante para o outro passou a não ter mais sentido. Nada mais tinha sentido. Até o brilho de Kandata foi morrendo e ela passou a ser a imagem viva da dor. Os outros espíritos de tudo fizeram para que a alegria de Kandata voltasse e nada conseguiram. A dor de Kandata era tão profunda que os outros espíritos, compadecidos de seu sofrimento, resolveram enviá-la à Terra, mesmo sem ser a hora certa, para que ela pudesse procurar e encontrar Danjar, e, se possível levá-lo de volta ao jardim. Tomando Deus conhecimento da rebeldia de Kandata, deu-lhe um castigo. Ainda que ela estivesse na Terra, nunca encontraria Danjar, vez que ele estaria sempre em lugar diferente do dela e ela jamais poderia trazê-lo de volta ao Jardim de Valhala. Kandata então, em um gesto desesperado, dividiu seu amor em infinitos pedaços e implantou cada pedaço em um novo espírito que viesse à Terra, pois assim, não só ela, mas centenas de espíritos procurariam por ele e algum poderia encontrar Danjar. Cada um deles levava parte do amor dela, um dia uma parte dela estaria junto daquele que ela tanto amava. Kandata dividiu-se e dividiu-se tanto, que dela nada mais restou senão a lembrança. Assim, quando duas pessoas se encontram e sem qualquer explicação, um laço profundo de amor surge entre ambos, é um pedaço do amor de Kandata que encontrou na outra pessoa, um pedaço do brilho de Danjar.