SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Baixar para ler offline
Episódio do Velho do Restelo Estrutura externa  – canto IV (94-104) Estrutura interna       - Reinado de D. Manuel     - Após os preparativos       da viagem    - Despedida de Belém
O episódio é constituído por duas partes: 1- apresentação da personagem ( est. 94) 11- discurso do Velho do Restelo   (est. 95 a 104).
      1- Caracterização 			do Velho do Restelo- a idade ("velho"), - o aspecto respeitável ("aspeito venerando"),-a atitude de descontentamento ("meneando a      cabeça, descontente"), - a voz solene e audível ("A voz pesada”) - a sabedoria resultante da experiência de vida (“Cumsaber de experiências feito; experto peito”)
11- Discurso do Velhoa) Primeira parte (est. 95-97)            - condena o envolvimento do país na             aventura dos descobrimentosb) Segunda parte (est. 98-101)   - propõe uma alternativa à geração de 	      Adão: o Norte de África. 	c)Terceira parte (est.102-104)	    - recorda figuras míticas do passado                 que representam a ambição
a) Visão negativa dos descobrimentos    Causas da aventura marítima« -"vã cobiça", “glória de mandar”,"vaidade", 	« - "fraudulento gosto", “inquietação de                  alma”, “digna de infames vitupérios" « - "Fama", "honra",“chamam-te ilustre, 	      chamam-te subida", 	« - “chamam-te Fama e Glória soberana" “Nomes com quem se o povo néscio engana".
Consequências da aventura marítima: 	- mortes, perigos, tormentas, 	- crueldades, desamparo das famílias, 	- adultérios, desastres,	- empobrecimento material,	- destruição de fazendas e impérios.
 b) Razões para uma alternativa - religiosa ("Se tu polaLei de Cristo só pelejas?"), - material ("Se terras e riquezas mais desejas?"),- militar ("Se queres por vitórias ser louvado?").Novas consequências maléficas - fortalecimento do inimigo ("Deixas criar às portas o inimigo") - despovoamento e enfraquecimento do reino.
c)- Exemplificação através de figuras míticas- o inventor da navegação à vela - "o primeiro que, no mundo, / Nas ondas vela pôs em seco lenho!".- Prometeu, criador da espécie humana -"Fogo que o mundo em armas acendeu”.- Os casos de Faetonte e Ícaro, “Não cometera o moço miserando e o grande arquitectorco filho”MALDITOS / SE ACABE O NOME E GLÓRIA
Síntese do desejo desmedido 			de ultrapassar os limites:  “Nenhum cometimento alto e nefandoPor fogo, ferro, água, calma e frio, Deixa intentado a humana geração. Mísera sorte! Estranha condição!”  
Simbologia                  do Velho do Restelo
          O que representa este Velho?- a voz do bom senso 	- contrária à viagem para a Índia	- opção pela ligação à terra-mãe- voz do próprio Camões 	- o poeta humanista	- o plano da sabedoria- tese (antítese) a que a epopeia se contrapõe	- lealdade ao Rei e à pátria (amor da pátria)	- procura de um ideal (Ilha dos Amores)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasGigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasDina Baptista
 
Resumo do conto george
Resumo do conto georgeResumo do conto george
Resumo do conto georgeestado
 
Memorial do Convento-Dimensão simbólica
Memorial do Convento-Dimensão simbólicaMemorial do Convento-Dimensão simbólica
Memorial do Convento-Dimensão simbólicananasimao
 
O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptx
O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptxO imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptx
O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptxCecliaGomes25
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frasesnando_reis
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagemameliapadrao
 
Análise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última NauAnálise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última NauMaria Freitas
 
Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"Iga Almeida
 
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa Ana Cristina Matias
 
"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis
"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis
"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe ReisFilipeReis48
 
Os lusíadas tempestade - Português 9º ano
Os lusíadas tempestade - Português 9º anoOs lusíadas tempestade - Português 9º ano
Os lusíadas tempestade - Português 9º anoGabriel Lima
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesPaula Oliveira Cruz
 
Análise do poema ulisses
Análise do poema ulissesAnálise do poema ulisses
Análise do poema ulissesEL Chenko
 
Os Maias - análise
Os Maias - análise Os Maias - análise
Os Maias - análise nanasimao
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Lurdes Augusto
 
Memorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estiloMemorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estiloFilipaFonseca
 

Mais procurados (20)

Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasGigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
 
Resumo do conto george
Resumo do conto georgeResumo do conto george
Resumo do conto george
 
Memorial do Convento-Dimensão simbólica
Memorial do Convento-Dimensão simbólicaMemorial do Convento-Dimensão simbólica
Memorial do Convento-Dimensão simbólica
 
O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptx
O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptxO imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptx
O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptx
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagem
 
Análise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última NauAnálise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última Nau
 
Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"
 
Actos Ilocutórios
Actos IlocutóriosActos Ilocutórios
Actos Ilocutórios
 
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
 
"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis
"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis
"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis
 
Os lusíadas tempestade - Português 9º ano
Os lusíadas tempestade - Português 9º anoOs lusíadas tempestade - Português 9º ano
Os lusíadas tempestade - Português 9º ano
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Cap vi
Cap viCap vi
Cap vi
 
Os Maias - análise
Os Maias - análiseOs Maias - análise
Os Maias - análise
 
Análise do poema ulisses
Análise do poema ulissesAnálise do poema ulisses
Análise do poema ulisses
 
Os Maias - análise
Os Maias - análise Os Maias - análise
Os Maias - análise
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
 
Atos de fala
Atos de falaAtos de fala
Atos de fala
 
Memorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estiloMemorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estilo
 

Semelhante a Velho do Restelo

oslusadas-ovelhodorestelo-ivcanto-110526182923-phpapp02.pdf
oslusadas-ovelhodorestelo-ivcanto-110526182923-phpapp02.pdfoslusadas-ovelhodorestelo-ivcanto-110526182923-phpapp02.pdf
oslusadas-ovelhodorestelo-ivcanto-110526182923-phpapp02.pdfClaudiaMariaReis
 
O velho do restelo - Lusíadas
O velho do restelo - LusíadasO velho do restelo - Lusíadas
O velho do restelo - LusíadasJoão Baptista
 
Despedidas em Belém e Velho do Restelo
Despedidas em Belém e Velho do ResteloDespedidas em Belém e Velho do Restelo
Despedidas em Belém e Velho do Restelosin3stesia
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 61
Apresentação para décimo segundo ano, aula 61Apresentação para décimo segundo ano, aula 61
Apresentação para décimo segundo ano, aula 61luisprista
 
Lusíadas - Episódio do Adamastor
Lusíadas - Episódio do AdamastorLusíadas - Episódio do Adamastor
Lusíadas - Episódio do Adamastorcristianavieitas
 
Homônimos e parônimos
Homônimos e parônimosHomônimos e parônimos
Homônimos e parônimosMila E Wlamir
 
Lusiadas pontosessenciais
Lusiadas pontosessenciaisLusiadas pontosessenciais
Lusiadas pontosessenciaisMariaGuida
 
Caderno informativo sobre os lusiadas_fichaapoio.pdf
Caderno informativo sobre os lusiadas_fichaapoio.pdfCaderno informativo sobre os lusiadas_fichaapoio.pdf
Caderno informativo sobre os lusiadas_fichaapoio.pdfPaula Duarte
 
O herói n’os lusíadas - tópicos para reflexão
O herói n’os lusíadas - tópicos para reflexãoO herói n’os lusíadas - tópicos para reflexão
O herói n’os lusíadas - tópicos para reflexãoMargarida Tomaz
 
O Adamastor é uma figura muito importante na história do nosso país.docx
O Adamastor é uma figura muito importante na história do nosso país.docxO Adamastor é uma figura muito importante na história do nosso país.docx
O Adamastor é uma figura muito importante na história do nosso país.docxleniafilipe
 
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os LusíadasEpisódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os LusíadasAnaGomes40
 

Semelhante a Velho do Restelo (20)

O Velho do Restelo
O Velho do ResteloO Velho do Restelo
O Velho do Restelo
 
O velho do restelo
O velho do resteloO velho do restelo
O velho do restelo
 
Os Lusíadas O Velho do Restelo - IV Canto
Os Lusíadas   O Velho do Restelo -  IV CantoOs Lusíadas   O Velho do Restelo -  IV Canto
Os Lusíadas O Velho do Restelo - IV Canto
 
Gramaticaelusiadas
GramaticaelusiadasGramaticaelusiadas
Gramaticaelusiadas
 
oslusadas-ovelhodorestelo-ivcanto-110526182923-phpapp02.pdf
oslusadas-ovelhodorestelo-ivcanto-110526182923-phpapp02.pdfoslusadas-ovelhodorestelo-ivcanto-110526182923-phpapp02.pdf
oslusadas-ovelhodorestelo-ivcanto-110526182923-phpapp02.pdf
 
O velho do restelo - Lusíadas
O velho do restelo - LusíadasO velho do restelo - Lusíadas
O velho do restelo - Lusíadas
 
Despedidas em Belém e Velho do Restelo
Despedidas em Belém e Velho do ResteloDespedidas em Belém e Velho do Restelo
Despedidas em Belém e Velho do Restelo
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 61
Apresentação para décimo segundo ano, aula 61Apresentação para décimo segundo ano, aula 61
Apresentação para décimo segundo ano, aula 61
 
Estrutura d'Os Lusíadas
Estrutura d'Os LusíadasEstrutura d'Os Lusíadas
Estrutura d'Os Lusíadas
 
Lusíadas - Episódio do Adamastor
Lusíadas - Episódio do AdamastorLusíadas - Episódio do Adamastor
Lusíadas - Episódio do Adamastor
 
Adamastor
AdamastorAdamastor
Adamastor
 
Homônimos e parônimos
Homônimos e parônimosHomônimos e parônimos
Homônimos e parônimos
 
Lusiadas 10º ano
Lusiadas 10º anoLusiadas 10º ano
Lusiadas 10º ano
 
Lusiadas pontosessenciais
Lusiadas pontosessenciaisLusiadas pontosessenciais
Lusiadas pontosessenciais
 
Os Lusíadas
Os Lusíadas Os Lusíadas
Os Lusíadas
 
Caderno informativo sobre os lusiadas_fichaapoio.pdf
Caderno informativo sobre os lusiadas_fichaapoio.pdfCaderno informativo sobre os lusiadas_fichaapoio.pdf
Caderno informativo sobre os lusiadas_fichaapoio.pdf
 
O herói n’os lusíadas - tópicos para reflexão
O herói n’os lusíadas - tópicos para reflexãoO herói n’os lusíadas - tópicos para reflexão
O herói n’os lusíadas - tópicos para reflexão
 
O Adamastor é uma figura muito importante na história do nosso país.docx
O Adamastor é uma figura muito importante na história do nosso país.docxO Adamastor é uma figura muito importante na história do nosso país.docx
O Adamastor é uma figura muito importante na história do nosso país.docx
 
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os LusíadasEpisódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
 
Os-lusiadas - resumo
 Os-lusiadas - resumo Os-lusiadas - resumo
Os-lusiadas - resumo
 

Mais de nelsonalves70

Frei Luis de Sousa - Estrutura Clássica
Frei Luis de Sousa - Estrutura ClássicaFrei Luis de Sousa - Estrutura Clássica
Frei Luis de Sousa - Estrutura Clássicanelsonalves70
 
Frei Luís de Sousa - Classificação.
Frei Luís de Sousa - Classificação.Frei Luís de Sousa - Classificação.
Frei Luís de Sousa - Classificação.nelsonalves70
 
Frei Luís de Sousa - Tempo
Frei Luís de Sousa - TempoFrei Luís de Sousa - Tempo
Frei Luís de Sousa - Temponelsonalves70
 
O Mito do Quinto Império
O Mito do Quinto ImpérioO Mito do Quinto Império
O Mito do Quinto Impérionelsonalves70
 
Categorias Narrativa
Categorias NarrativaCategorias Narrativa
Categorias Narrativanelsonalves70
 
A Expressividade dos Vários Narradores, Memorial
A Expressividade dos Vários Narradores, MemorialA Expressividade dos Vários Narradores, Memorial
A Expressividade dos Vários Narradores, Memorialnelsonalves70
 
Modos de Representação da Narrativa
Modos de Representação da NarrativaModos de Representação da Narrativa
Modos de Representação da Narrativanelsonalves70
 
Mecanismos de Coesão
Mecanismos de CoesãoMecanismos de Coesão
Mecanismos de Coesãonelsonalves70
 
Relação entre as palavras
Relação entre as palavrasRelação entre as palavras
Relação entre as palavrasnelsonalves70
 
Mecanismos de Coesão (Esquema)
Mecanismos de Coesão (Esquema)Mecanismos de Coesão (Esquema)
Mecanismos de Coesão (Esquema)nelsonalves70
 
Mecanismos de Coesão
Mecanismos de CoesãoMecanismos de Coesão
Mecanismos de Coesãonelsonalves70
 
Proposição d' "Os Lusíadas"
Proposição d' "Os Lusíadas"Proposição d' "Os Lusíadas"
Proposição d' "Os Lusíadas"nelsonalves70
 
Protótipos Textuais
Protótipos TextuaisProtótipos Textuais
Protótipos Textuaisnelsonalves70
 

Mais de nelsonalves70 (19)

Os Maias - Análise
Os Maias - AnáliseOs Maias - Análise
Os Maias - Análise
 
Frei Luis de Sousa - Estrutura Clássica
Frei Luis de Sousa - Estrutura ClássicaFrei Luis de Sousa - Estrutura Clássica
Frei Luis de Sousa - Estrutura Clássica
 
Frei Luís de Sousa - Classificação.
Frei Luís de Sousa - Classificação.Frei Luís de Sousa - Classificação.
Frei Luís de Sousa - Classificação.
 
Frei Luís de Sousa - Tempo
Frei Luís de Sousa - TempoFrei Luís de Sousa - Tempo
Frei Luís de Sousa - Tempo
 
O Mito do Quinto Império
O Mito do Quinto ImpérioO Mito do Quinto Império
O Mito do Quinto Império
 
Categorias Narrativa
Categorias NarrativaCategorias Narrativa
Categorias Narrativa
 
A Expressividade dos Vários Narradores, Memorial
A Expressividade dos Vários Narradores, MemorialA Expressividade dos Vários Narradores, Memorial
A Expressividade dos Vários Narradores, Memorial
 
Modos de Representação da Narrativa
Modos de Representação da NarrativaModos de Representação da Narrativa
Modos de Representação da Narrativa
 
Mecanismos de Coesão
Mecanismos de CoesãoMecanismos de Coesão
Mecanismos de Coesão
 
Actos Ilocutórios
Actos IlocutóriosActos Ilocutórios
Actos Ilocutórios
 
Relação entre as palavras
Relação entre as palavrasRelação entre as palavras
Relação entre as palavras
 
Deixis
DeixisDeixis
Deixis
 
Mecanismos de Coesão (Esquema)
Mecanismos de Coesão (Esquema)Mecanismos de Coesão (Esquema)
Mecanismos de Coesão (Esquema)
 
Pronominalização
PronominalizaçãoPronominalização
Pronominalização
 
Mecanismos de Coesão
Mecanismos de CoesãoMecanismos de Coesão
Mecanismos de Coesão
 
Proposição d' "Os Lusíadas"
Proposição d' "Os Lusíadas"Proposição d' "Os Lusíadas"
Proposição d' "Os Lusíadas"
 
Felizmente Há Luar
Felizmente Há LuarFelizmente Há Luar
Felizmente Há Luar
 
Protótipos Textuais
Protótipos TextuaisProtótipos Textuais
Protótipos Textuais
 
Subordinação
SubordinaçãoSubordinação
Subordinação
 

Último

Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 

Último (20)

“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 

Velho do Restelo

  • 1. Episódio do Velho do Restelo Estrutura externa – canto IV (94-104) Estrutura interna - Reinado de D. Manuel - Após os preparativos da viagem - Despedida de Belém
  • 2. O episódio é constituído por duas partes: 1- apresentação da personagem ( est. 94) 11- discurso do Velho do Restelo (est. 95 a 104).
  • 3. 1- Caracterização do Velho do Restelo- a idade ("velho"), - o aspecto respeitável ("aspeito venerando"),-a atitude de descontentamento ("meneando a cabeça, descontente"), - a voz solene e audível ("A voz pesada”) - a sabedoria resultante da experiência de vida (“Cumsaber de experiências feito; experto peito”)
  • 4. 11- Discurso do Velhoa) Primeira parte (est. 95-97) - condena o envolvimento do país na aventura dos descobrimentosb) Segunda parte (est. 98-101) - propõe uma alternativa à geração de Adão: o Norte de África. c)Terceira parte (est.102-104) - recorda figuras míticas do passado que representam a ambição
  • 5. a) Visão negativa dos descobrimentos Causas da aventura marítima« -"vã cobiça", “glória de mandar”,"vaidade", « - "fraudulento gosto", “inquietação de alma”, “digna de infames vitupérios" « - "Fama", "honra",“chamam-te ilustre, chamam-te subida", « - “chamam-te Fama e Glória soberana" “Nomes com quem se o povo néscio engana".
  • 6. Consequências da aventura marítima: - mortes, perigos, tormentas, - crueldades, desamparo das famílias, - adultérios, desastres, - empobrecimento material, - destruição de fazendas e impérios.
  • 7. b) Razões para uma alternativa - religiosa ("Se tu polaLei de Cristo só pelejas?"), - material ("Se terras e riquezas mais desejas?"),- militar ("Se queres por vitórias ser louvado?").Novas consequências maléficas - fortalecimento do inimigo ("Deixas criar às portas o inimigo") - despovoamento e enfraquecimento do reino.
  • 8. c)- Exemplificação através de figuras míticas- o inventor da navegação à vela - "o primeiro que, no mundo, / Nas ondas vela pôs em seco lenho!".- Prometeu, criador da espécie humana -"Fogo que o mundo em armas acendeu”.- Os casos de Faetonte e Ícaro, “Não cometera o moço miserando e o grande arquitectorco filho”MALDITOS / SE ACABE O NOME E GLÓRIA
  • 9. Síntese do desejo desmedido de ultrapassar os limites:  “Nenhum cometimento alto e nefandoPor fogo, ferro, água, calma e frio, Deixa intentado a humana geração. Mísera sorte! Estranha condição!”  
  • 10. Simbologia do Velho do Restelo
  • 11. O que representa este Velho?- a voz do bom senso - contrária à viagem para a Índia - opção pela ligação à terra-mãe- voz do próprio Camões - o poeta humanista - o plano da sabedoria- tese (antítese) a que a epopeia se contrapõe - lealdade ao Rei e à pátria (amor da pátria) - procura de um ideal (Ilha dos Amores)