SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Baixar para ler offline
O quê?
1. “As armas e os barões assinalados” (v.1, est.1) ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],Verso 6: “Mais do que prometia a força humana”
[object Object],[object Object],[object Object],JUSTIFICAÇÃO: a) Aumentaram a fé e o império pela África e Ásia.
[object Object],[object Object],[object Object],JUSTIFICAÇÃO: a) Fizeram obras grandiosas.
[object Object],Verso 4: “andaram devastando” Verso 6: “vão (…) libertando” Verso 6: “Se vão da lei da morte libertando”
Esqueça-se 1.  “ O sábio grego e o troiano” 2. “ Alexandre” e “Trajano”  NAVEGAÇÕES GUERRAS PORQUE  (“QUE”) “ eu canto o peito ilustre lusitano”
MAR GUERRA NAVEGAÇÕES VITÓRIAS  NAS  GUERRAS
Entidade mitológica que inspirava os poetas, escritores,  historiadores da Antiguidade Logo, tudo o que foi escrito na Antiguidade  devia ser esquecido… “ QUE  OUTRO VALOR MAIS ALTO SE ALEVANTA” (Porque os feitos dos portugueses são superiores  a todos os cantados na Antiguidade.)
- Verbos no  conjuntivo (com valor imperativo) - “peito ilustre” -  “outro valor”

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ft22 Lusiadas Estruturas Externa E Interna
Ft22 Lusiadas Estruturas Externa E InternaFt22 Lusiadas Estruturas Externa E Interna
Ft22 Lusiadas Estruturas Externa E InternaFernanda Soares
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 116-117
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 116-117Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 116-117
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 116-117luisprista
 
10ºano Luís de Camões - parte A
10ºano Luís de Camões - parte A10ºano Luís de Camões - parte A
10ºano Luís de Camões - parte ALurdes Augusto
 
2 dedicatória narração_reflexão _canto_i
2 dedicatória narração_reflexão _canto_i2 dedicatória narração_reflexão _canto_i
2 dedicatória narração_reflexão _canto_iFilipa Costa
 
Os lusíadas - Canto VII
Os lusíadas - Canto VIIOs lusíadas - Canto VII
Os lusíadas - Canto VIIAiltinho
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 136-137
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 136-137Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 136-137
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 136-137luisprista
 
2ª ficha de avaliação de lp novembro 2012 9º b
2ª ficha de avaliação de lp novembro 2012 9º b2ª ficha de avaliação de lp novembro 2012 9º b
2ª ficha de avaliação de lp novembro 2012 9º bIlda Oliveira
 
Os lusiadas - camões
Os lusiadas - camõesOs lusiadas - camões
Os lusiadas - camõesjulykathy
 
Cantos i e ii lusíadas
Cantos i e ii   lusíadasCantos i e ii   lusíadas
Cantos i e ii lusíadasCarla Souto
 

Mais procurados (20)

Lusiadas
LusiadasLusiadas
Lusiadas
 
Ft22 Lusiadas Estruturas Externa E Interna
Ft22 Lusiadas Estruturas Externa E InternaFt22 Lusiadas Estruturas Externa E Interna
Ft22 Lusiadas Estruturas Externa E Interna
 
Proposição
ProposiçãoProposição
Proposição
 
OS Lusíadas
OS LusíadasOS Lusíadas
OS Lusíadas
 
Os lusíadas
Os lusíadasOs lusíadas
Os lusíadas
 
Os lusíadas- Canto VII
Os lusíadas- Canto VIIOs lusíadas- Canto VII
Os lusíadas- Canto VII
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 116-117
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 116-117Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 116-117
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 116-117
 
10ºano Luís de Camões - parte A
10ºano Luís de Camões - parte A10ºano Luís de Camões - parte A
10ºano Luís de Camões - parte A
 
2 dedicatória narração_reflexão _canto_i
2 dedicatória narração_reflexão _canto_i2 dedicatória narração_reflexão _canto_i
2 dedicatória narração_reflexão _canto_i
 
Os lusíadas - Canto VII
Os lusíadas - Canto VIIOs lusíadas - Canto VII
Os lusíadas - Canto VII
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 136-137
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 136-137Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 136-137
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 136-137
 
2ª ficha de avaliação de lp novembro 2012 9º b
2ª ficha de avaliação de lp novembro 2012 9º b2ª ficha de avaliação de lp novembro 2012 9º b
2ª ficha de avaliação de lp novembro 2012 9º b
 
Os lusíadas
Os lusíadasOs lusíadas
Os lusíadas
 
Os lusiadas - camões
Os lusiadas - camõesOs lusiadas - camões
Os lusiadas - camões
 
Lusiadas Figurasdeestilo
Lusiadas FigurasdeestiloLusiadas Figurasdeestilo
Lusiadas Figurasdeestilo
 
Os Lusíadas canto I
Os Lusíadas   canto IOs Lusíadas   canto I
Os Lusíadas canto I
 
Os Lusíadas - a estrutura
Os Lusíadas - a estruturaOs Lusíadas - a estrutura
Os Lusíadas - a estrutura
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
Cantos i e ii lusíadas
Cantos i e ii   lusíadasCantos i e ii   lusíadas
Cantos i e ii lusíadas
 
Os Lusíadas - Canto VII
Os Lusíadas -  Canto VIIOs Lusíadas -  Canto VII
Os Lusíadas - Canto VII
 

Destaque

Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Lurdes Augusto
 
Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"Inês Moreira
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaDina Baptista
 
Invocação
InvocaçãoInvocação
InvocaçãoLurdes
 
Inês de castro
Inês de castroInês de castro
Inês de castroLurdes
 
Renascimento, Humanismo e Classicismo
Renascimento, Humanismo e ClassicismoRenascimento, Humanismo e Classicismo
Renascimento, Humanismo e ClassicismoTeresa Pombo
 
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"Inês Moreira
 

Destaque (10)

Texto expositivo
Texto expositivoTexto expositivo
Texto expositivo
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
 
Invocação e Dedicarória
Invocação e DedicaróriaInvocação e Dedicarória
Invocação e Dedicarória
 
Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"
 
Teste 9º os lusíadas
Teste 9º os lusíadasTeste 9º os lusíadas
Teste 9º os lusíadas
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
 
Invocação
InvocaçãoInvocação
Invocação
 
Inês de castro
Inês de castroInês de castro
Inês de castro
 
Renascimento, Humanismo e Classicismo
Renascimento, Humanismo e ClassicismoRenascimento, Humanismo e Classicismo
Renascimento, Humanismo e Classicismo
 
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
 

Semelhante a Proposição d' "Os Lusíadas"

análise de proposição da epopeia "Os Lusíadas" de Camões
análise de proposição da epopeia "Os Lusíadas" de Camõesanálise de proposição da epopeia "Os Lusíadas" de Camões
análise de proposição da epopeia "Os Lusíadas" de CamõesElsaMariaSilva
 
MISTÉRIOS E REVELAÇÕES COM BASE TEOLÓGICA SOBRE O TRIÂNGULO DAS BERMUDAS
MISTÉRIOS E REVELAÇÕES COM BASE TEOLÓGICA SOBRE O TRIÂNGULO DAS BERMUDASMISTÉRIOS E REVELAÇÕES COM BASE TEOLÓGICA SOBRE O TRIÂNGULO DAS BERMUDAS
MISTÉRIOS E REVELAÇÕES COM BASE TEOLÓGICA SOBRE O TRIÂNGULO DAS BERMUDASmelquisedeque Chagas
 
Memorias Póstumas deBrás Cubas
Memorias Póstumas deBrás CubasMemorias Póstumas deBrás Cubas
Memorias Póstumas deBrás Cubasanissimamente
 
Teste de preparação
Teste de preparaçãoTeste de preparação
Teste de preparaçãoIsabel Couto
 
Análise da Proposição d'Os Lusíadas.ppt
Análise da Proposição d'Os Lusíadas.pptAnálise da Proposição d'Os Lusíadas.ppt
Análise da Proposição d'Os Lusíadas.pptVernicaCarvalho33
 
A imagem do labirinto na caetra das estátuas de guerreiros galaicose as suas ...
A imagem do labirinto na caetra das estátuas de guerreiros galaicose as suas ...A imagem do labirinto na caetra das estátuas de guerreiros galaicose as suas ...
A imagem do labirinto na caetra das estátuas de guerreiros galaicose as suas ...Luís Magarinhos
 

Semelhante a Proposição d' "Os Lusíadas" (9)

análise de proposição da epopeia "Os Lusíadas" de Camões
análise de proposição da epopeia "Os Lusíadas" de Camõesanálise de proposição da epopeia "Os Lusíadas" de Camões
análise de proposição da epopeia "Os Lusíadas" de Camões
 
MISTÉRIOS E REVELAÇÕES COM BASE TEOLÓGICA SOBRE O TRIÂNGULO DAS BERMUDAS
MISTÉRIOS E REVELAÇÕES COM BASE TEOLÓGICA SOBRE O TRIÂNGULO DAS BERMUDASMISTÉRIOS E REVELAÇÕES COM BASE TEOLÓGICA SOBRE O TRIÂNGULO DAS BERMUDAS
MISTÉRIOS E REVELAÇÕES COM BASE TEOLÓGICA SOBRE O TRIÂNGULO DAS BERMUDAS
 
Memorias Póstumas deBrás Cubas
Memorias Póstumas deBrás CubasMemorias Póstumas deBrás Cubas
Memorias Póstumas deBrás Cubas
 
A atlântida
A atlântidaA atlântida
A atlântida
 
Teste de preparação
Teste de preparaçãoTeste de preparação
Teste de preparação
 
Atlântida
AtlântidaAtlântida
Atlântida
 
Análise da Proposição d'Os Lusíadas.ppt
Análise da Proposição d'Os Lusíadas.pptAnálise da Proposição d'Os Lusíadas.ppt
Análise da Proposição d'Os Lusíadas.ppt
 
Alexandre o grande
Alexandre o grandeAlexandre o grande
Alexandre o grande
 
A imagem do labirinto na caetra das estátuas de guerreiros galaicose as suas ...
A imagem do labirinto na caetra das estátuas de guerreiros galaicose as suas ...A imagem do labirinto na caetra das estátuas de guerreiros galaicose as suas ...
A imagem do labirinto na caetra das estátuas de guerreiros galaicose as suas ...
 

Mais de nelsonalves70

Frei Luis de Sousa - Estrutura Clássica
Frei Luis de Sousa - Estrutura ClássicaFrei Luis de Sousa - Estrutura Clássica
Frei Luis de Sousa - Estrutura Clássicanelsonalves70
 
Frei Luís de Sousa - Classificação.
Frei Luís de Sousa - Classificação.Frei Luís de Sousa - Classificação.
Frei Luís de Sousa - Classificação.nelsonalves70
 
Frei Luís de Sousa - Tempo
Frei Luís de Sousa - TempoFrei Luís de Sousa - Tempo
Frei Luís de Sousa - Temponelsonalves70
 
O Mito do Quinto Império
O Mito do Quinto ImpérioO Mito do Quinto Império
O Mito do Quinto Impérionelsonalves70
 
Categorias Narrativa
Categorias NarrativaCategorias Narrativa
Categorias Narrativanelsonalves70
 
A Expressividade dos Vários Narradores, Memorial
A Expressividade dos Vários Narradores, MemorialA Expressividade dos Vários Narradores, Memorial
A Expressividade dos Vários Narradores, Memorialnelsonalves70
 
Modos de Representação da Narrativa
Modos de Representação da NarrativaModos de Representação da Narrativa
Modos de Representação da Narrativanelsonalves70
 
Mecanismos de Coesão
Mecanismos de CoesãoMecanismos de Coesão
Mecanismos de Coesãonelsonalves70
 
Relação entre as palavras
Relação entre as palavrasRelação entre as palavras
Relação entre as palavrasnelsonalves70
 
Mecanismos de Coesão (Esquema)
Mecanismos de Coesão (Esquema)Mecanismos de Coesão (Esquema)
Mecanismos de Coesão (Esquema)nelsonalves70
 
Mecanismos de Coesão
Mecanismos de CoesãoMecanismos de Coesão
Mecanismos de Coesãonelsonalves70
 
Protótipos Textuais
Protótipos TextuaisProtótipos Textuais
Protótipos Textuaisnelsonalves70
 

Mais de nelsonalves70 (19)

Os Maias - Análise
Os Maias - AnáliseOs Maias - Análise
Os Maias - Análise
 
Frei Luis de Sousa - Estrutura Clássica
Frei Luis de Sousa - Estrutura ClássicaFrei Luis de Sousa - Estrutura Clássica
Frei Luis de Sousa - Estrutura Clássica
 
Frei Luís de Sousa - Classificação.
Frei Luís de Sousa - Classificação.Frei Luís de Sousa - Classificação.
Frei Luís de Sousa - Classificação.
 
Frei Luís de Sousa - Tempo
Frei Luís de Sousa - TempoFrei Luís de Sousa - Tempo
Frei Luís de Sousa - Tempo
 
Velho do Restelo
Velho do ResteloVelho do Restelo
Velho do Restelo
 
O Mito do Quinto Império
O Mito do Quinto ImpérioO Mito do Quinto Império
O Mito do Quinto Império
 
Categorias Narrativa
Categorias NarrativaCategorias Narrativa
Categorias Narrativa
 
A Expressividade dos Vários Narradores, Memorial
A Expressividade dos Vários Narradores, MemorialA Expressividade dos Vários Narradores, Memorial
A Expressividade dos Vários Narradores, Memorial
 
Modos de Representação da Narrativa
Modos de Representação da NarrativaModos de Representação da Narrativa
Modos de Representação da Narrativa
 
Mecanismos de Coesão
Mecanismos de CoesãoMecanismos de Coesão
Mecanismos de Coesão
 
Actos Ilocutórios
Actos IlocutóriosActos Ilocutórios
Actos Ilocutórios
 
Relação entre as palavras
Relação entre as palavrasRelação entre as palavras
Relação entre as palavras
 
Deixis
DeixisDeixis
Deixis
 
Mecanismos de Coesão (Esquema)
Mecanismos de Coesão (Esquema)Mecanismos de Coesão (Esquema)
Mecanismos de Coesão (Esquema)
 
Pronominalização
PronominalizaçãoPronominalização
Pronominalização
 
Mecanismos de Coesão
Mecanismos de CoesãoMecanismos de Coesão
Mecanismos de Coesão
 
Felizmente Há Luar
Felizmente Há LuarFelizmente Há Luar
Felizmente Há Luar
 
Protótipos Textuais
Protótipos TextuaisProtótipos Textuais
Protótipos Textuais
 
Subordinação
SubordinaçãoSubordinação
Subordinação
 

Último

19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 

Último (20)

19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 

Proposição d' "Os Lusíadas"

  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7. Esqueça-se 1. “ O sábio grego e o troiano” 2. “ Alexandre” e “Trajano” NAVEGAÇÕES GUERRAS PORQUE (“QUE”) “ eu canto o peito ilustre lusitano”
  • 8. MAR GUERRA NAVEGAÇÕES VITÓRIAS NAS GUERRAS
  • 9. Entidade mitológica que inspirava os poetas, escritores, historiadores da Antiguidade Logo, tudo o que foi escrito na Antiguidade devia ser esquecido… “ QUE OUTRO VALOR MAIS ALTO SE ALEVANTA” (Porque os feitos dos portugueses são superiores a todos os cantados na Antiguidade.)
  • 10. - Verbos no conjuntivo (com valor imperativo) - “peito ilustre” - “outro valor”