O belo riozinho

2.576 visualizações

Publicada em

O BELO RIOZINHO DE ELISABETE CHADDAD TRIGO

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.576
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
123
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O belo riozinho

  1. 1. , Elisabete o . m. v1 T. d a d . m . .h C. ilustrações:
  2. 2. Elisabete Chaddad Trigo u¡ ilustrações: Santoli › ~. -«~». .›, ... .. f? cedlbra
  3. 3. casa que Ficava pouco_ disianie da cidade. m nc 8 V m O m nc U8 m @mu
  4. 4. _P q_ 7., W J z de águas a claras e sida casa de siwaunnho, . passava uni 1 pequeno r” no
  5. 5. Nesse rio naclavam muilos peixes que viviam alegres e corfrenies, e cresciam «, _ muilas flores, "j, cleiodas 85 cores. erl/ Nas suaã rrrargens -l
  6. 6. A l ›J4 «v › l ll, bw vinliamiodos os dias beber agua no rio. Uma grande arvore, muilo vaidosa, nao parava de olharo . g seu reflexo, i nas aguas. v¡ As vacas e os cavalos, que v l viviam no lugar,
  7. 7. E Brincava com = os peixes, r A. a_ ; ¡ : Yi t_ M, . _--, -,. ›.«~«. ›n_a= -.; ~.› ; ¡_, _;__. _›. ;¡_~; A¡, /_, __, _í _r . §; ;:, _.; .:: -~ E Maurinlio _ era muilo amigo de Todos. i Ele nadava " sempre nas E aguas calmas
  8. 8. corria Junio com os animais «a» , zw _V_ N, _ i. .. x __ «x '. ___c~
  9. 9. e e descansava, na sombra
  10. 10. r 7-' i M _ hCeriodclialha mae ? e . É. l_- JQgOU "lOClQ l aurin o e iu- e ue izesse um A ' - A . . i buraco ep enlerrasscd o lixo de E ' O llXÕ HO HO. QUÊ (1858. › Ele ficou com preguiça. * Brincar era mais V _' (f'; *ãcí v L gosloso. p a , coniinuou g3) “r e* iazendo a mesma i N' ' coisajiodos o dia.
  11. 11. O rio que anies era limpo, boriilo e de aguas claras, comecou a ficar escuro e feio, cheio de sujeira. Não se via , mais os peixes _ Nadando. gigas: ¡, _.›___, ~;_ . - I "ks flores comecarcm_ a murcnar, de insieza.
  12. 12. Os animais não podiam mais beber agua. . i U i . Aarvore nao i ~ g podia mais fazer d f ' rioo seu
  13. 13. p Afe' que um dia, Ollde VOCÊ í um dos peixinhos v3¡ nadar? É colocou a cabeca = fora da agua e falou; - Onde Qu VOU -]lC/ l8Uilfil°iO, nao í r , l mola . _ __ a a amais isso. ~ r _ '« Jãcê esfa sugando aguaf-lg iodo o rio, que e V' ammag vao à uma beleza da É*
  14. 14. ,i llaurinlioivegoura § enxada e enferrou ' oi
  15. 15. a* ' v 4 . a nã. . Com ofempo, ? a o riozinlno volfouÍ a ficar limpohclaro, ' e belo. Maurinlio volfou a 'nadarf os peixes fiverarin onde morar; «- os animais onde beber a arvore onde “F, se ollaarw "

×