Palestra Pública - A verdadeira cura

1.428 visualizações

Publicada em

Jesus Não queria apenas curar corpos mas orientar os enfermos para o entendimento e cumprimento das leis de Deus, porque
a verdadeira cura é a do Espírito

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.428
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
81
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Palestra Pública - A verdadeira cura

  1. 1. CurCausr easfe etfueatudaadsa ps opro rJ eJesususs
  2. 2. Curas efetuadas por Jesus Curas realizadas por toques e imposição de mãos. ou apenas pelo olhar e pela palavra
  3. 3. Jesus cura um leproso Marcos 1:40-43 40-E aproximou-se dele um leproso que, rogando-lhe, e pondo-se de joelhos diante dele, lhe dizia: Se queres, bem podes limpar-me. 41-E Jesus, movido de grande compaixão, estendeu a mão, e tocou-o, e disse-lhe: Quero, sê limpo. 42-E, tendo ele dito isto, logo a lepra desapareceu, e ficou limpo.
  4. 4. O cego de Betsaida Marcos 8 22 a 26
  5. 5. O cego de Betsaida Marcos 8 22 a 26 22- E chegou a Betsaida; e trouxeram-lhe um cego, e rogaram-lhe que o tocasse. 23-E, tomando o cego pela mão, levou-o para fora da aldeia; e, cuspindo-lhe nos olhos, e impondo-lhe as mãos, perguntou-lhe se via alguma coisa. 24 E, levantando ele os olhos, disse: Vejo os homens; pois os vejo como árvores que andam. 25-Depois disto, tornou a pôr-lhe as mãos sobre os olhos, e fez olhar para cima: e ele ficou restaurado, e viu cada homem claramente. 26 E mandou-o para sua casa, dizendo: Nem entres na aldeia, nem o digas a ninguém na aldeia
  6. 6. Porque Jesus não curavam a todos? 1- Porque Jesus não curavam a todos?
  7. 7. A doença É terapêuticas da alma, dentro do mecanismo da evolução humana. É a filtragem, no corpo, dos efeitos prejudiciais dos desequilíbrios espirituais. Funciona, também, como processo que induz à reflexão e disciplina das atitudes. Enquanto não produziu seus efeitos benéficos, não deve ser suprimida.
  8. 8. Ação dos Espíritos sobre os fluidos e seu reflexo sobre o corpo físico Funcionamento Pelo pensamento e a vontade, os Espíritos agem sobre os fluidos, que ficam impregnados das qualidades (boas ou más) dos pensamentos sentimentos que os fazem vibrar (quer encarnado ou não o espírito que sobre eles atua). Obs: Algumas vezes, essas transformações resultam de uma intenção; doutras, são produto de um pensamento inconsciente. Basta que o espírito pense uma coisa, para que esta se produza.
  9. 9. Cura por ação fluídica Encarnados ou não, os espíritos têm no seu próprio perispírito um reservatório de fluidos (bons ou maus) e podem endereçá-los a outros seres.  Os fluidos bons podem servir como agente terapêutico, para reparação perispiritual ou de reflexos no corpo. O poder curativo dependerá: • da pureza da substância fluídica inoculada; • da energia da vontade (para emissão mais abundante e maior força de penetração dos fluidos).
  10. 10. A cura com Jesus "É muito comum a faculdade de curar pela influência fluídica e pode desenvolver-se por meio do exercício; mas, a de curar instantaneamente, pela imposição das mãos, essa é mais rara e o seu grau máximo se deve considerar excepcional“(item 34, cap. XIV, "A Gênese", de A-K-). Jesus a muitos curou por ação fluídica (Mt. 8:16/ 17) e recomendava aos discípulos que assim agissem: "Curai os enfermos" (Mt. 10:8).
  11. 11. Condições para a cura A recepção e assimilação dos fluidos dependerá das condições no paciente e no ambiente que favoreçam ou não a permuta e assimilação fluídica. "Com relação à corrente fluídica" o curador age como uma bomba insuflante e o enfermo "como uma' bomba aspirante", esclarece Kardec ("A Gênese", XV,) "Algumas vezes, é necessária a simultaneidade das ações; doutras, basta uma só". A fé, portanto, não é uma virtude mística mas uma força atrativa. Quando o enfermo não tem essa fé, "opõe à corrente fluídica uma força repulsiva, ou pelo menos uma força de inércia, que paralisa a ação". Podemos entender, agora, porque Jesus, ao curar alguém, dizia: "Se tiveres fé" ou "A tua fé te salvou".
  12. 12. FÈ Ferramenta indispensável para a cura
  13. 13. PASSE Se apenas o benfeitor atuar, o resultado pode ser mínimo ou até nulo, pois a principal peça nesse trabalho é o próprio doente.
  14. 14. Fé Maior tesouro da alma Na esfera espiritual cada um vale pela fé que possui
  15. 15. O Ensino Moral Os homens podem discordar quanto às questões religiosas, às práticas e aos dogmas, mas nunca contra os ensinamentos morais do Cristo.
  16. 16. A verdadeira cura Jesus Não queria apenas curar corpos mas orientar os enfermos para o entendimento e cumprimento das leis de Deus, porque a verdadeira cura é a do Espírito
  17. 17. O paralítico de Cafarnaum A cura dos males físicos pode significar a queda nos abismos do despautério, da degradação moral e da consagração dos valores puramente terrenos em detrimento das metas evolutivas.
  18. 18. Se não formos curados “Se, porém, malgrado os nossos esforços não o conseguirmos" (ficar curados), devemos "suportar com resignação os nossos passageiros males". (O Evangelho Segundo o Espiritismo", cap. XXVIII, V pois "lesões e chagas, frustrações e defeitos em nossa forma externa são remédios da alma que nós mesmos pedimos à farmácia de Deus ". (Emmanuel, em "Seara dos Médiuns", cap. "Oração e Cura").
  19. 19. O Leproso e nós Confiança em Jesus Vivenciar os ensinamentos de Jesus As mãos de Jesus operam “ milagres” nos corações que a elas se entregam com segurança.
  20. 20. O Cego de Betsaida Jesus, tomando o cego pela mão, levou-o para fora da aldeia e, aplicando-lhe saliva aos olhos e impondo-lhe as mãos, perguntou-lhe: Vês alguma coisa?
  21. 21. Qual a nossa relação com o Cego de Betsaida? • Ele precisava enxergar além dos olhos físicos • Para fora da aldeia • abramos os nossos olhos para as questões sublimes do Espírito, • deixarmos para trás os interesses pequenos e mesquinhos, as querelas e as discórdias, o ciúme e a maledicência e todos os vícios aparentemente pequenos, que minam nossas energias e nos mantem acorrentados e cegos permanentemente.
  22. 22. Cego espiritual Aquele, cujo Espírito se acha dominado pela matéria , ou a ela escravizado , está moral e intelectualmente cego do ponto de vista espiritual
  23. 23. Buscai antes o amor e fazei todo o bem possível para vos conservardes em paz. O amor é a candeia acesa e o bem é o combustível que a mantém.

×