Prática docente na educação infantil

2.551 visualizações

Publicada em

Relatório de Prática Docente l apresentado ao Curso de Licenciatura em Pedagogia-
UFPEL/UAB, como requisito à conclusão do
Estágio Supervisionado em Educação Infantil.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.551
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Prática docente na educação infantil

  1. 1. Universidade Federal de Pelotas Universidade Aberta do Brasil Centro de Educação Aberta e a Distância Licenciatura em Pedagogia- Ead Relatório de Estágio Renata Leite Guterres Encruzilhada do Sul, 30 de novembro de 2013.
  2. 2. Renata Leite Guterres Relatório de Prática Relatório de Prática Docente l apresentado ao Curso de Licenciatura em Pedagogia- UFPEL/UAB, como requisito à conclusão do Estágio Supervisionado em Educação Infantil. Supervisor de Estágio CLPD: Lilian Lorenzato. Supervisor de Estágio Escola: Zenaide Pereira Oliveira.
  3. 3. Equipe docente responsável: Tutoras a distância: Suzana Mattos da Rosa. Tutoras presenciais: Edeni Aparecida Leal Silveira. Fernanda da Silva Rosa. Tutora formadora: Márcia Berenice Pereira André.
  4. 4. Sumário Resumo: ..................................................................................................................... 5 1-Apresentação: ........................................................................................................ 6 2-Desenvolvimento: .................................................................................................. 7 2.1- Etapa de ensino. ............................................................................................. 7 2.2. Processo de ensino ........................................................................................ 8 2.3-Aprendizagem dos Alunos. ............................................................................. 9 2.4-Trabalho docente. .......................................................................................... 10 3. Conclusão. ........................................................................................................... 11 Referências Bibliográficas. .................................................................................... 12
  5. 5. Resumo: O presente relatório foi constituído a partir das vivências, proporcionadas pelo Curso de Pedagogia a distância (UFPEL), principalmente na realização do estágio supervisionado em Educação Infantil, que aconteceu na turma de pré, nível A, composta por dezoito alunos, na faixa etária de cinco anos de idade, na Escola Municipal de Educação Infantil Pingo de Gente, em Encruzilhada do Sul, este trabalho tem por objetivo relatar as experiências do estágio realizado. Palavras-chave: Estágio supervisionado, curso de pedagogia a distância, educação infantil.
  6. 6. 1-Apresentação: O presente relatório tem a intenção de documentar minhas experiências do estágio de Educação Infantil, onde vivenciei na prática, tudo que tenho aprendido na teoria. O relatório irá apresentar a descrição do local, onde foi realizado o estágio, período de duração e as atividades desenvolvidas, além de reflexões em torno da prática realizada. O estágio de docência na Educação Infantil teve como objetivos, aprimorar a prática em sala de aula, propiciar a aproximação concreta da realidade profissional, através de situações reais de trabalho, envolvendo supervisores, estudantes e campo de estágio. No estágio, é onde temos a oportunidade de vivenciar, tudo o que aprendemos no curso de pedagogia, como planejar conforme a realidade dos alunos, refletir sobre nossas práticas, e também aprender as formas de agir, em todo contexto escolar.
  7. 7. 2-Desenvolvimento: 2.1- Etapa de ensino. A escola de Educação Infantil é um espaço de cuidado e educação, que deve ser organizado e planejado para atender crianças de 0 a 6 anos. É papel das escolas de Educação Infantil desenvolver, todas as formas de linguagens, fazendo a mediação entre a criança e a cultura, possibilitando seu acesso a novas fontes de conhecimentos. As escolas devem desempenhar um papel fundamental para possibilitar o desenvolvimento/aprendizagens dos alunos. Precisam conhecer a realidade dos alunos, que chegam até as escolas, isto é, conhecer os saberes, valores e práticas nos quais eles estão se constituindo, assim como conhecer as especificidades e necessidades dessa faixa etária levando em conta, seus conhecimentos na organização de suas propostas pedagógicas. O professor de educação infantil deve conhecer também, o processo de desenvolvimento dos alunos, com os quais estará trabalhando. É preciso desafiar os alunos e intervir na sua zona de desenvolvimento proximal através de atividades diversas, também é necessário criar oportunidades de interações entre os alunos (crianças e adultos),dentro e fora da escola , assim serão geradas novas aprendizagens, que não ocorreriam espontaneamente, o papel das escolas de educação infantil, é ajudar o aluno a ser inserido na cultura, compartilhando com a família responsabilidade pela formação humana de seus filhos. Assim, a escola insere novas aprendizagens na vida dos alunos, como conhecimentos dos cuidados necessários a preservação da vida, o que contribui para o aprendizado do auto cuidado, que está ligado as necessidades básicas de alimentação, sono, higiene, saúde. Esse aprendizado se estende até o conhecimento das leis mais gerais que regem natureza e a cultura, passando pelo aprendizado do brincar, que é exercitado cotidianamente nos jogos de faz- de- conta, onde possibilitam aos alunos, a compreensão e a transformação dos demais aspectos. Realizei o estágio em educação infantil, na Escola Municipal de Educação Infantil Pingo de Gente, localizada na Rua Ramiro Barcelos, nº 913,centro de Encruzilhada do Sul. A turma, em que realizei o estágio, é um pré-nível A, com 18 alunos, sendo onze meninos e sete meninas. Os alunos possuem uma faixa etária de cinco anos. Os alunos, a maioria é de classe média baixa. São filhos de trabalhadores do comércio local, donas de casa, operários de fábricas e também trabalhadores do setor madeireiro (reflorestamento). A sala de aula, é bem arejada, possui brinquedos pedagógicos (jogos de encaixe, quebra-cabeça, bonecos, carrinhos), livros infantis, massa de modelar, jogos de panelinhas, tudo a disposição dos alunos. Na parede da sala de aula, está disposto o alfabeto, os numerais e também possui outros cartazes, como o cartaz do tempo, chamadinha, o cartaz das datas (data, dia, mês, ano, estação do ano), todos bem coloridos e enfeitados.
  8. 8. 2.2. Processo de ensino O planejamento é muito importante, para uma boa prática educativa. Quando planejamos, estamos refletindo sobre a turma, sua realidade e suas necessidades de aprendizagens. É importante, sempre pensarmos que o planejamento é flexível, porque imprevistos acontecem, como fatores climáticos, alterações de agenda da escola, etc. A primeira semana de estágio foi bem produtiva, embora o tempo estivesse chuvoso, pois no primeiro dia foram apenas dois alunos, nos demais dias ficou na média de oito, apenas um dia que compareceram 15 alunos. No segundo dia, retomei a contação da história: “Os dez amigos”, para que os alunos, que haviam faltado a primeira aula, tivessem a oportunidade de ouvir a história e também realizar a atividade de interpretação oral. A atividade de escrita, nomear as partes do corpo, teve que ser dividida em duas etapas (dois dias), devido ao tempo que foi pequeno, onde senti uma grande dificuldade da turma em relação a esse tipo de atividade. Em dois dias, tive que flexibilizar o planejamento, o momento da recreação, porque os alunos estão bem agitados em ansiosos para conhecer as atividades que seriam realizadas, então primeiramente solicitei que fizessem a atividade dirigida e depois passamos para a recreação. Na segunda semana, a escola, organizou uma festinha de halloween, onde as duas turmas de pré reuniram-se para confraternizar, foi combinado com os pais, que cada aluno levasse um prato doce ou salgado, e também quem tivesse fantasia, poderia ir caracterizado. Foi ótima a festinha, a maioria dos alunos foram fantasiados, os que não foram eu juntamente com a professora titular confeccionaram capinhas de bruxas (os), vermelhas e pretas com desenhos de morcegos nas costas. Em dois dias da semana, tive que flexibilizar o planejamento, incluindo historinhas referentes ao tema (halloween), mas também consegui desenvolver as atividades planejadas. Na terceira semana de estágio, foram trabalhadas todas as atividades planejadas. A última semana, assim como as outras, foi bem produtiva, na maioria dos dias compareceram praticamente todos os alunos. Nessa semana senti que os alunos estavam mais habituados comigo, com a minha forma de trabalhar, estavam mais calmos e atentos, por isso desenvolveram melhor as atividades. O tema trabalhado foi higiene e saúde, contei histórias referentes ao tema como'' A princesa e o sapo, em a higiene corporal’’, e também Joca, o jacaré com dor de dente, onde notei que os alunos adoraram ouvir e também visualizar as histórias, pois utilizei o recurso dos fantoches, percebi que os temas das histórias fizeram com que os alunos refletissem, alguns deles vieram me dizer que haviam ido ao dentista, e outros até as mães vieram me falar que já haviam marcado uma consulta com o dentista, para começarem a tratar os dentes dos seus filhos. Fiquei muito contente, com essas atitudes (pais, alunos), porque sempre queremos que nossos alunos aprendam e principalmente, que reflitam sobre os temas que trabalhamos em sala de aula, é muito importante contribuir principalmente para a saúde de nossos alunos, é interessante que desde pequenos tenham cuidado com a saúde seja(corporal, bucal, etc.).
  9. 9. O cartaz ''Amigos da higiene'‘, foi um sucesso, pois todos os alunos trouxeram de casa, os materiais solicitados, que era embalagens de produtos de higiene pessoal (sabonete, creme dental, xampu). 2.3-Aprendizagem dos Alunos. No desenvolvimento das atividades, pude constatar que os alunos não acompanham as atividades igualmente, cada um tem o seu momento (ritmo), uns acompanham mais rápido, outros tem mais dificuldades, é preciso estar atento, para que todos possam acompanhar as aprendizagens. Pude observar que cada dia pode é imprevisível. Ocorrem problemas, desafios, dificuldades, mas também é repleto de alegrias e realizações, com crianças ansiosas pela vida e pelas descobertas do saber. E que devemos estar preparados para todo tipo de situação. Durante essas semanas, aprendi muitas coisas, mas principalmente no modo de agir, nos diferentes momentos, ter postura de professora perante os alunos e que devemos estar preparados para todo tipo de situação, como exemplo, nem todos os alunos conseguem aprender da mesma forma, às vezes precisamos criar, outras estratégias para que consigam atingir, os objetivos solicitados. Segundo Hoffman (2005), a postura do professor frente ás alternativas de solução construídas pelo aluno deveria estar necessariamente comprometida com tal concepção de erro construtivo. A atividade de escrita foi preciso dividir em duas etapas (dias), devido à dificuldade de concentração, onde as maiorias dos alunos não conseguiam acompanhar, e copiar do quadro, foi preciso dividir para que todos pudessem realizar. Na atividade do sentido da audição, percebi que alguns alunos tiveram dificuldade de identificar os sons, que estavam ouvindo, por falta de concentração, foi preciso proporcionar outras estratégias, pedi que ouvissem mais atentamente, onde alguns alunos conseguiram identificar, porém outros alunos ainda estavam com dificuldade, então dei pistas do que poderia ser então conseguiram identificar corretamente o som. Uma das primordiais tarefas da pedagogia crítica radical e libertadora é trabalhar a legitimidade do sonho ético-politico da superação da realidade injusta. É trabalhar a genuidade dessa força da ideologia fatalista dominante, que estimula a imobilidade dos oprimidos e sua acomodação á realidade injusta, necessária ao movimento dos dominadores. Freire (2000, p43). Enfim, o maior problema da turma em relação à aprendizagem, é a falta de concentração, porque é uma turma grande, com alunos bastante agitados. Sempre é preciso conversar bastante, relembrar os combinados, explicar as atividades de diferentes formas, para que todos entendam e mesmo assim, sempre tem algum aluno desatento, conversando, ou pegando um brinquedo, sendo preciso parar as atividades para conversar com aquele aluno, para então retomar as atividades. Na última semana de estágio, estavam mais concentrados, acredito que haviam se acostumado com minha forma de trabalhar, onde realizaram todas as atividades.
  10. 10. 2.4-Trabalho docente. Os alunos da educação infantil, são bastante curiosos, muitas vezes parecem impertinentes, porque estão sempre querendo saber o porquê de tudo. Eles possuem conhecimentos acumulados através de suas experiências, da realidade em que vivem. Ao receber na escola os alunos, o professor precisa utilizar seus conhecimentos prévios, ponderando-os, sistematizando-os e expandindo-os. O professor precisa organizar o espaço físico (sala de aula), como o alfabeto, os numerais, os cartazes bem coloridos e enfeitados para que chamem atenção dos alunos, organizar os materiais (brinquedos), de uma forma que fique ao acesso de todos. É imprescindível também que exista momentos de trocas orais, pois é onde conhecemos os alunos, e podemos saber como lidam com as situações de conflitos, desafios e frustrações. As conversas informais são comuns na rotina e contribuem para estabelecer afetividade no grupo, oferecendo importantes elementos e informações para que o professor possa conhecer melhor a sua turma e planejar novas situações a partir das necessidades e interesses das crianças. Godoy (2011, p 53). É importante valorizar o que os alunos, têm para nos contar, nesses momentos, além de conhecermos melhor podemos criar vínculos de amizade, cumplicidade e também confiança. Observar, avaliar e refletir são práticas importantes, para a elaboração de um bom planejamento, porque quando repensamos nossa prática , estamos aprimorando nosso papel de educador. Enfim, não podemos esquecer que somos mediadores na construção do conhecimento de nossos alunos, e que devemos sempre proporcionar aprendizagens que sejam significativas, pois os alunos levarão para toda sua vida.
  11. 11. 3. Conclusão. Realizar o estágio de educação infantil foi muito gratificante. A experiência foi ótima, porque ficou a certeza da importância do contato direto com a realidade (rotina) da escola. A convivência e a interação com os funcionários e alunos foram muito enriquecedoras, pois pude vivenciar a realidade do cotidiano escolar com uma equipe eficiente e acolhedora. As situações que ocorreram em sala de aula, me proporcionaram um novo olhar, de como resolver problemas e agir no ambiente escolar, pois alguns alunos dependem de um olhar especial e que devemos sempre criar alternativas e proporcionar estratégias de aprendizagens, para que possam atingir os objetivos, que é acima de tudo se desenvolverem integralmente. Acredito que para o professor ter uma boa prática é necessário sempre manter-se atualizado, pesquisando, estudando, porque os alunos precisam de soluções para a problemática do ensino atual. Como vimos, no 1º semestre do curso, onde aprendemos a utilizar o moodle e as ferramentas tecnológicas. Vivemos em um mundo, onde a tecnologia muda a todo o momento, e nós professores não podemos ficar atrasados, achando que sabemos tudo. Devemos sempre nos atualizar e levar para os alunos coisas novas, tornando assim as aulas mais interessantes e prazerosas. A realização do estágio, foi muito significativa para o meu processo de formação docente, foram momentos ricos e importantes, onde pude evidenciar o contexto de sala de aula, fazendo uma relação dialética entre a teoria e a prática. O período de contato direto com o ambiente educativo, e as relações estabelecidas, possibilitou refletir como se dá a atuação do pedagogo nos diferentes contextos. Durante o estágio, procurei desenvolver atividades dinâmicas e prazerosas, estimulando o envolvimento dos alunos no processo de ensino e aprendizagem, para que sentissem capazes de aprenderem coisas novas, através de atividades diferenciadas e lúdicas. Foram proporcionadas, diversas estratégias educativas, algumas vezes até desafiadoras, mas que os levaram a compreender melhor as atividades propostas, respeitando o ritmo de cada aluno. Foi uma experiência, na qual me fez crescer como educadora, pois acredito que contribui de alguma maneira, na formação dos alunos, para que sejam cidadãos críticos e reflexivos, pois a partir das experiências vivenciadas, nas trocas de saberes, e a aproximação com os diferentes sujeitos envolvidos no processo escolar, é possível desenvolver um trabalho de parceria, onde a educação possa ser mais significativa e contextualizada.
  12. 12. Referências Bibliográficas. Freire, Paulo. Pedagogia da Indignação: cartas pedagógicas e outros escritos, São Paulo: Editora UNESP, (2000). Godoy,Bete. Para além do cuidar na educação infantil. Disponível em: <http://paraalmdocuidar-educaoinfantil.blogspot.com/2010/10/roda-de- conversa.html >Acesso em 18/11/13. HOFFMANN, Jussara M.L. Avaliação: mito e desafio -uma perspectiva construtivista. Educação e Realidade, Porto Alegre, 1991.

×