SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 44
Ordem
SCORPIONE
S
INTEGRANTES
 Renata Medeiros
 Mayane Cruz
 Arthur Gondinho
 Wallace
 Vinicius Brito
 Cleudir Ferreira
Etimologia e Origens
• O nome escorpião é derivado do
latim scorpio/scorpionis.
• Na mitologia grega, Scorpius é o escorpião
que matou Orion. Por isso, as duas
constelações estão em lados opostos do
céu, para evitar conflitos entre elas.
O Os primeiros registros de escorpiões indicam vida
aquática e datam do período Siluriano (há mais de 410
milhões de anos atrás), entretanto não há certeza se
estes animais tiveram origem marinha ou em água doce
O Foram eles os primeiros artrópodes a conquistar o
ambiente terrestre.
Etimologia e Origens
Fóssil da garra do
escorpião gigante pré-
histórico
O Nos sedimentos referentes ao período
Devoniano foram encontrados os fósseis dos
primeiros escorpiões que se dispersaram no
ambiente terrestre.
O Apesar de os escorpiões serem animais muito
antigos e apresentarem uma ampla
distribuição geográfica, estando ausentes
apenas no continente antártico, a diversidade
do grupo não é tão grande, conhecendo-se
atualmente cerca de 1.800 espécies.
Etimologia e Origens
Etimologia e Origens
• Escorpiões vivem em média 5 (cinco) anos, atingindo a
maturidade sexual por volta de 1 ano e meio
• Estes aracnídeos não são exclusivos das regiões de clima
tropical e subtropical podendo ser encontrados nos Alpes
suíços e planícies canadenses.
Classificação
Reino: Animalia
Filo: Arthropoda
Classe: Arachnida
Ordem: Scorpiones
Ordem Scorpiones
O 14 famílias
O 183 gêneros
O aproximadamente 1800 espécies, as
quais representam apenas 1,5% dos
aracnídeos conhecidos, distribuídas em
todos os continentes, com exceção da
Antártida
FAMÍLIAS
O Akravidae
O Bothriuridae
O Buthidae
O Caraboctonidae
O Chactidae
O Chaerilidae
O Euscorpiidae
O Hemiscorpiidae
O Iuridae
O Microcharmidae
O Pseudochactidae
O Scorpionidae
O Superstitioniidae
O Vaejovidae
A família mais numerosa
em espécies é a Buthidae,
com mais de 800 espécies
. No Brasil ocorrem 125
espécies, agrupadas em 21
gêneros e 4 famílias
(Buthidae, Bothriuridae,
Chactidae e Ischnuridae),
em todas as regiões e
biomas.
ESCORPIÕES
CARACTERÍSTICAS
MORFOLÓGICAS:
O São alongados
O Possuem pedipalpos grandes terminados
em pinça
O Abdome delgado com 12 segmentos
contendo um aguilhão de veneno terminal
O O corpo dos escorpiões é dividido em
prosomo (cefalotórax), mesossomo e
metassomo.
PROSOMO
O O prosomo é a região anterior, onde se
encontram os olhos, quelíceras,
pedipalpos terminados em quelas (pinças)
e pernas e os pentes.
quelíceras - correspondem aos apêndices
do primeiro segmento e são estruturas em
forma de gancho ou tenaz, servem para
capturar a presa e apresentam
frequentemente glândulas de veneno
associadas
MESOSSOMO
O O mesossomo é a região larga do corpo,
onde se encontram as cauda, ali se
encontram uma estrutura cilíndrica com
um espinho na ponta, chamada telson (o
ferrão), duas glândulas de veneno e o
ânus.
Ferrão no telson de um escorpião
mostrando uma gota de veneno saindo
Uma característica exclusiva dos escorpiões (nenhum outro
aracnídeo tem) é a presença dos “pentes”
 “PENTES” são pequenas estruturas que servem para eles perceberem como é o
substrato (chão) onde estão se deslocando. Isso é muito importante, porque os
escorpiões não enxergam, seus pequenos olhos são primitivos (Figura 2-A) e só
funcionam para perceber a luminosidade.
Reprodução dos Escorpiões
O A maioria dos escorpiões se reproduz
sexuadamente
O Possuem dimorfismo sexual
O Machos de escorpião-marrom (Tityus
bahienses), por exemplo, possuem palpos
mais volumosos que os das fêmeas.
Reprodução dos
Escorpiões
O O acasalamento é intrigante, envolvendo
uma dança nupcial, e só foi descrito
recentemente na década de 1950 a partir
de observações curiosas de
pesquisadores.
O No escorpião-marrom, Tityus bahienses,
ela dura de 15 a 20 minutos, mas pode
chegar a mais de 10h em outras
espécies.
O Os escorpiões não possuem um órgão
transmissor de esperma. Esse substrato
varia com as espécies e pode ser limpo
com os pentes do macho.
Reprodução dos
Escorpiões
Dança do acasalamento
O A etapa seguinte é a inseminação da fêmea. O
macho eleva seu pós-abdome e libera
simultaneamente um par de hemiespermatóforos,
pequenas estruturas rijas, alongadas, alojadas
dentro de bainhas e localizadas internamente, uma
de cada lado do corpo, em posição posterior ao
opérculo genital.
O Esses se fundem, formando uma peça única com
esperma em seu interior, o espermatóforo. A fêmea
é, então, puxada em direção ao espermatóforo
fixado de forma inclinada no chão, até que seu
opérculo genital o toca. Após isso, ela se liberta,
podendo aceitar outros machos para acasalamento.
Reprodução dos
Escorpiões
O O período de acasalamento do escorpião-
marrom (Tityus bahienses) é de outubro a
dezembro, com intensa atividade sexual.
O Todo esse processo descrito acima não
ocorre no escorpião-amarelo (Tityus
serrulatus). Nessa espécie não existem
machos e a reprodução ocorre
assexuadamente, por partenogênese, onde
óvulos não fecundados dão origem a novas
fêmeas. Esse fato pode ser uma justificativa
para a abundância desses animais em certas
regiões do Brasil.
Reprodução dos
Escorpiões
Nascimento, crescimento e
desenvolvimento
O Escorpiões são animais vivíparos, ou
seja, eles não botam ovos, diferente dos
outros aracnídeos.
O Uma fêmea prestes a dar à luz posiciona-
se com sua parte anterior, do cefalotórax
e pré abdome, levantada, formando o
cesto natal para amparar os recém
nascidos, que são levados pelo primeiro
ou segundo par de pernas ao dorso da
mãe.
O Os filhotinhos, brancos e moles, aderem
ao corpo da parturiente por ventosas
temporárias nas extremidades das pernas
e permanecem aí até a realização da
primeira muda, se alimentando de
reservas.
Nascimento, crescimento
e desenvolvimento
O Comumente ocorre mais de um parto por cópula e
o tempo de gestação varia com a espécie.
O Nos escorpiões-marrons (Tityus bahienses), a
gestação é de cerca de 130 dias e nasce uma
média de 36 filhotes, que permanecem no dorso
da fêmea por até 7 dias.
O Nos escorpiões-amarelos (Tityus serrulatus) o
período de gestação é menos (90 dias) sendo que,
em média, nascem até 9 filhotes, os quais
permenecem em contato direto com a mãe por 7
dias.
Nascimento, crescimento
e desenvolvimento
O Precisam realizar mudas para crescer,
processo chamado de ecdise e realizado até
que se atinja a maturidade sexual. O número
de ecdises varia entre as espécies e as
diferentes condições, mas está dentro de uma
média de 5 a 6.
O Em escorpiões-marrons (Tityus bahienses),
foram registradas 4 a 5 mudas e uma vida
máxima de 1417 dias. Para escorpiões-
amarelos (Tityus serrulatus), ocorrem 5
mudas em 1 ano, quando é atingida a
maturidade
Nascimento, crescimento
e desenvolvimento
Vida, alimentação e hábitos
O O tempo de vida real dos escorpiões nunca
foi definido
O É basicamente de 4 a 25 anos, variando
muito entre as espécies
O Preferem viver em temperaturas de 20 a
37°C, mas podem viver em ambientes com
temperaturas de 14 a 54°C
O Animais carnívoros e com hábitos noturnos;
O Comem cupins, grilos, baratas, moscas e
mosquitos
O Em escassez completa de alimentos,
praticam canibalismo
O Comem quantidades enormes de alimento,
mas podem sobreviver com 10% da
alimentação diária
O Podem passar até um ano sem comer e
consumindo pouquíssima água
O Para comer utilizam as quelíceras
O Só digerem alimentos de forma líquida,
desprezando qualquer parte sólida
Vida, alimentação e hábitos
Vida, alimentação e hábitos
O Os predadores naturais do escorpião
são as lacraias, louva-deus, macacos,
aranhas, sapos, lagartos, seriemas,
corujas, gaviões, quatis, galinhas,
camundongos, algumas formigas e os
próprios escorpiões.
Vida, alimentação e
hábitos
Tityus
O É o gênero de importância médica no Brasil, e as espécies T.
bahiensis, T. serrulatus e T. stigmurus são as que estão
relacionadas a casos graves ou envenenamentos no país.
Tityus bahiensis
O Apresenta uma coloração marrom-escuro, às vezes marrom-
avermelhado, pernas amareladas com manchas escuras e sem
serrilhas na cauda. Esta espécie é o causador dos acidentes
mais frequentes em São Paulo.
Tityus serrulatus
O Também conhecido como escorpião amarelo. Apresenta o
tronco escuro, patas, pedipalpos e cauda amarela sendo esta
serrilhada no lado dorsal. Considerado o mais venenoso da
América do Sul, é o escorpião causador de acidentes graves,
principalmente no Estado de Minas Gerais.
Tityus stigmurus
O
Conhecido como escorpião do Nordeste. Apresenta uma
coloração amarelo-claro com um triângulo negro na cabeça e
uma faixa longitudinal mediana e manchas laterais no tronco.
Veneno
O ferrão do escorpião (chamado de telson),
além de servir para agarrar a presa, se
defender, e no acasalamento, inocula na
presa um veneno.
O veneno de todos os escorpiões tem efeito
neurotoxico. A picada é extremamente
dolorosa, provoca dor intensa no local afetado
e se dispersa por todo o corpo, levando a
vítima a um estado de hiperestesia.
O A ação neurotrópica da peçonha age
sobre o bulbo região do encéfalo que
controla os movimentos respiratórios e
cardíacos, além dos movimentos
peristálticos, sua ação é específica sobre
a região do bulbo controladora da
respiração, o que faz com que a vítima
morra por parada respiratória.
VENENO
O É interessante saber que a toxicidade do
veneno de um escorpião pode ser comparada
com o tamanho de seus pedipalpos
VENENO
PREVENÇÃO DE ACIDENTES COM
ANIMAIS PEÇONHENTOS - ESCORPIÕES
Medidas Preventivas
Para evitar condições propícias ao
abrigo e proliferação de escorpiões,
deve-se adotar as seguintes medidas:
O Manter limpos quintais, jardins, sótãos, garagens e
depósitos, evitando acúmulo de folhas secas, lixo e
demais materiais como entulho, telhas, tijolos,
madeiras e lenha.
O Ao manusear materiais de construção, usar luvas de
raspa de couro e calçados, pois nestes materiais
podem estar abrigados escorpiões.
Medidas Preventivas
O Rebocar paredes e muros para que não
apresentem vãos e frestas.
O Vedar soleiras de portas com rolos de
areia.
O Usar telas em ralos do chão, pias ou
tanques.
O Acondicionar o lixo em recipientes
fechados para evitar baratas e outros
insetos, que servem de alimento à
escorpiões.
O Realizar roçagem de terrenos.
Medidas
Preventivas
O Manter berços e camas afastados das
paredes.
O Examinar calçados, roupas e toalhas
antes de usá-los.
Medidas Preventivas
OBRIGADO!
O REFERENCIAS
O http://www.fiocruz.br/biosseguranca/Bis/infanti
l/escorpionideos.htm
O http://www.mzufba.ufba.br/WEB/MZV_arquivo
s/artropodes_escorpioes.html
O http://riodejaneiroambiental.blogspot.com.br/2
009/11/escorpiao-marrom-tityus-
bahiensis.html
O http://www.saude.pr.gov.br/modules/conteudo/
conteudo.php?conteudo=1453
O

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aranhas e escorpiões- Morfologia e Efeitos do Veneno
Aranhas e escorpiões- Morfologia e Efeitos do VenenoAranhas e escorpiões- Morfologia e Efeitos do Veneno
Aranhas e escorpiões- Morfologia e Efeitos do VenenoElainny Gladys
 
Acidentes com animais peçonhentos
Acidentes com animais peçonhentosAcidentes com animais peçonhentos
Acidentes com animais peçonhentosDenilsi Gonçalves
 
Aula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia BásicaAula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia BásicaJaqueline Almeida
 
Crise Convulsiva Febril
Crise Convulsiva Febril Crise Convulsiva Febril
Crise Convulsiva Febril Brenda Lahlou
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Aline Bandeira
 
Assistência de enfermagem – acidentes por animais peçonhentos
Assistência de enfermagem – acidentes por animais peçonhentosAssistência de enfermagem – acidentes por animais peçonhentos
Assistência de enfermagem – acidentes por animais peçonhentosPatricia Pereira
 
Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias Nic K
 
Classe arachnida
Classe arachnidaClasse arachnida
Classe arachnidaBiomedicina
 
Aula anfíbios
Aula anfíbiosAula anfíbios
Aula anfíbiosDacoli
 
Febre Maculosa
Febre MaculosaFebre Maculosa
Febre Maculosaecsette
 
Aula 1: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Sandr...
Aula 1: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Sandr...Aula 1: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Sandr...
Aula 1: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Sandr...Proqualis
 
Acidentes com animais peçonhentos
Acidentes com animais peçonhentosAcidentes com animais peçonhentos
Acidentes com animais peçonhentosIsmael Costa
 
Picada animais peçonhentos
Picada animais peçonhentosPicada animais peçonhentos
Picada animais peçonhentosAlexandre Donha
 

Mais procurados (20)

Os Vertebrados
Os VertebradosOs Vertebrados
Os Vertebrados
 
Aranhas e escorpiões- Morfologia e Efeitos do Veneno
Aranhas e escorpiões- Morfologia e Efeitos do VenenoAranhas e escorpiões- Morfologia e Efeitos do Veneno
Aranhas e escorpiões- Morfologia e Efeitos do Veneno
 
Acidentes com animais peçonhentos
Acidentes com animais peçonhentosAcidentes com animais peçonhentos
Acidentes com animais peçonhentos
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
 
Aula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia BásicaAula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia Básica
 
IV.1 Peixes
IV.1 PeixesIV.1 Peixes
IV.1 Peixes
 
Animais peçonhentos
Animais peçonhentosAnimais peçonhentos
Animais peçonhentos
 
Crise Convulsiva Febril
Crise Convulsiva Febril Crise Convulsiva Febril
Crise Convulsiva Febril
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
 
Assistência de enfermagem – acidentes por animais peçonhentos
Assistência de enfermagem – acidentes por animais peçonhentosAssistência de enfermagem – acidentes por animais peçonhentos
Assistência de enfermagem – acidentes por animais peçonhentos
 
Aves
AvesAves
Aves
 
Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias
 
Classe arachnida
Classe arachnidaClasse arachnida
Classe arachnida
 
Aula anfíbios
Aula anfíbiosAula anfíbios
Aula anfíbios
 
Mamiferos
MamiferosMamiferos
Mamiferos
 
Febre Maculosa
Febre MaculosaFebre Maculosa
Febre Maculosa
 
Aula 1: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Sandr...
Aula 1: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Sandr...Aula 1: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Sandr...
Aula 1: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Sandr...
 
Introdução à microbiologia
Introdução à microbiologiaIntrodução à microbiologia
Introdução à microbiologia
 
Acidentes com animais peçonhentos
Acidentes com animais peçonhentosAcidentes com animais peçonhentos
Acidentes com animais peçonhentos
 
Picada animais peçonhentos
Picada animais peçonhentosPicada animais peçonhentos
Picada animais peçonhentos
 

Destaque

Trabalho de ciencias (escorpião dourado)2
Trabalho de ciencias (escorpião dourado)2Trabalho de ciencias (escorpião dourado)2
Trabalho de ciencias (escorpião dourado)2Gabi Zukinha
 
Trabalho de ciencias (escorpião dourado)
Trabalho de ciencias (escorpião dourado)Trabalho de ciencias (escorpião dourado)
Trabalho de ciencias (escorpião dourado)Gabi Zukinha
 
Picadas de aracnideos
Picadas de aracnideosPicadas de aracnideos
Picadas de aracnideosEmerson Silva
 
Parasitologia- Morfologia e Efeito Do veneno das Aranhas e Escorpião
Parasitologia- Morfologia e Efeito Do veneno das Aranhas e EscorpiãoParasitologia- Morfologia e Efeito Do veneno das Aranhas e Escorpião
Parasitologia- Morfologia e Efeito Do veneno das Aranhas e EscorpiãoElainny Gladys
 
Primeiros socorros acidentes com animais cobras e aranhas
Primeiros socorros acidentes com animais cobras e aranhasPrimeiros socorros acidentes com animais cobras e aranhas
Primeiros socorros acidentes com animais cobras e aranhasAnita Queiroz
 
Classe arachnida
Classe arachnidaClasse arachnida
Classe arachnidaMarianeSGS
 
aula 7. Tec. de oleos e derivados
aula 7. Tec. de oleos e derivadosaula 7. Tec. de oleos e derivados
aula 7. Tec. de oleos e derivadosprimaquim
 
TPM Sexualidade humana 7 a 03
TPM Sexualidade humana 7 a 03TPM Sexualidade humana 7 a 03
TPM Sexualidade humana 7 a 03sansampa
 
Integrando Saúde e Meio Ambiente
Integrando Saúde e Meio AmbienteIntegrando Saúde e Meio Ambiente
Integrando Saúde e Meio AmbienteEdu Cezimbra
 
Evitar Asfixia com Alimentos
Evitar Asfixia com AlimentosEvitar Asfixia com Alimentos
Evitar Asfixia com Alimentoslourencoalmeida
 
Fisiologia humana hormônios na reprodução
Fisiologia humana   hormônios na reproduçãoFisiologia humana   hormônios na reprodução
Fisiologia humana hormônios na reproduçãoMarcos Lopes
 
Educação para Saúde e Meio Ambiente
Educação para Saúde e Meio AmbienteEducação para Saúde e Meio Ambiente
Educação para Saúde e Meio AmbienteThiago Ávila Medeiros
 

Destaque (20)

Escorpião ok
Escorpião okEscorpião ok
Escorpião ok
 
Escorpiões
EscorpiõesEscorpiões
Escorpiões
 
Trabalho de ciencias (escorpião dourado)2
Trabalho de ciencias (escorpião dourado)2Trabalho de ciencias (escorpião dourado)2
Trabalho de ciencias (escorpião dourado)2
 
Trabalho de ciencias (escorpião dourado)
Trabalho de ciencias (escorpião dourado)Trabalho de ciencias (escorpião dourado)
Trabalho de ciencias (escorpião dourado)
 
Escorpiao..
Escorpiao..Escorpiao..
Escorpiao..
 
Picadas de aracnideos
Picadas de aracnideosPicadas de aracnideos
Picadas de aracnideos
 
Biologia e controle de aranhas
Biologia e controle de aranhasBiologia e controle de aranhas
Biologia e controle de aranhas
 
Parasitologia- Morfologia e Efeito Do veneno das Aranhas e Escorpião
Parasitologia- Morfologia e Efeito Do veneno das Aranhas e EscorpiãoParasitologia- Morfologia e Efeito Do veneno das Aranhas e Escorpião
Parasitologia- Morfologia e Efeito Do veneno das Aranhas e Escorpião
 
Primeiros socorros acidentes com animais cobras e aranhas
Primeiros socorros acidentes com animais cobras e aranhasPrimeiros socorros acidentes com animais cobras e aranhas
Primeiros socorros acidentes com animais cobras e aranhas
 
Classe arachnida
Classe arachnidaClasse arachnida
Classe arachnida
 
aula 7. Tec. de oleos e derivados
aula 7. Tec. de oleos e derivadosaula 7. Tec. de oleos e derivados
aula 7. Tec. de oleos e derivados
 
TPM Sexualidade humana 7 a 03
TPM Sexualidade humana 7 a 03TPM Sexualidade humana 7 a 03
TPM Sexualidade humana 7 a 03
 
Integrando Saúde e Meio Ambiente
Integrando Saúde e Meio AmbienteIntegrando Saúde e Meio Ambiente
Integrando Saúde e Meio Ambiente
 
Evitar Asfixia com Alimentos
Evitar Asfixia com AlimentosEvitar Asfixia com Alimentos
Evitar Asfixia com Alimentos
 
Espessamento endometrial à ultrassonografia e achados histeroscópicos
Espessamento endometrial à ultrassonografia e achados histeroscópicosEspessamento endometrial à ultrassonografia e achados histeroscópicos
Espessamento endometrial à ultrassonografia e achados histeroscópicos
 
Apr.hiperplasia+endometrial
Apr.hiperplasia+endometrialApr.hiperplasia+endometrial
Apr.hiperplasia+endometrial
 
Fisiologia humana hormônios na reprodução
Fisiologia humana   hormônios na reproduçãoFisiologia humana   hormônios na reprodução
Fisiologia humana hormônios na reprodução
 
Educação para Saúde e Meio Ambiente
Educação para Saúde e Meio AmbienteEducação para Saúde e Meio Ambiente
Educação para Saúde e Meio Ambiente
 
Meio Ambiente e Saúde
Meio Ambiente e SaúdeMeio Ambiente e Saúde
Meio Ambiente e Saúde
 
Sangramento Uterino Disfuncional - Fisiopatologia e tratamento
Sangramento Uterino Disfuncional - Fisiopatologia e tratamentoSangramento Uterino Disfuncional - Fisiopatologia e tratamento
Sangramento Uterino Disfuncional - Fisiopatologia e tratamento
 

Semelhante a Escorpiões

Semelhante a Escorpiões (20)

Répteis - Biologia
Répteis - Biologia Répteis - Biologia
Répteis - Biologia
 
Resumo: Filo Artrópodes
Resumo: Filo ArtrópodesResumo: Filo Artrópodes
Resumo: Filo Artrópodes
 
Mamiferos
MamiferosMamiferos
Mamiferos
 
Animais invertebrdos e vertebrados
Animais invertebrdos e vertebradosAnimais invertebrdos e vertebrados
Animais invertebrdos e vertebrados
 
Capítulo 07 invertebrados II
Capítulo 07   invertebrados IICapítulo 07   invertebrados II
Capítulo 07 invertebrados II
 
Mamíferos
MamíferosMamíferos
Mamíferos
 
Animais Invertebrados
Animais InvertebradosAnimais Invertebrados
Animais Invertebrados
 
Filo artrópodes 04 crustáceos - características e anatomia
Filo artrópodes 04   crustáceos - características e anatomiaFilo artrópodes 04   crustáceos - características e anatomia
Filo artrópodes 04 crustáceos - características e anatomia
 
001678868.pdf
001678868.pdf001678868.pdf
001678868.pdf
 
Aracnídeos
AracnídeosAracnídeos
Aracnídeos
 
Artrópodes e equinodermos
Artrópodes e equinodermosArtrópodes e equinodermos
Artrópodes e equinodermos
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
Os invertebrados
Os invertebrados Os invertebrados
Os invertebrados
 
Invertebrados
InvertebradosInvertebrados
Invertebrados
 
7a série organismos invertebrados
7a série   organismos invertebrados7a série   organismos invertebrados
7a série organismos invertebrados
 
Ciências biológicas trabalho de invertebrados ii
Ciências biológicas trabalho de invertebrados iiCiências biológicas trabalho de invertebrados ii
Ciências biológicas trabalho de invertebrados ii
 
Apresentação1 reino animal
Apresentação1   reino animalApresentação1   reino animal
Apresentação1 reino animal
 
Platelmintos+Nematodeos+Moluscos+Anelideos
Platelmintos+Nematodeos+Moluscos+AnelideosPlatelmintos+Nematodeos+Moluscos+Anelideos
Platelmintos+Nematodeos+Moluscos+Anelideos
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 

Mais de Renata Medeiros

Amar o próximo como a si mesmo
Amar o próximo como a si mesmoAmar o próximo como a si mesmo
Amar o próximo como a si mesmoRenata Medeiros
 
FARMACOTÉCNICA-Preparações líquidas de uso oral
FARMACOTÉCNICA-Preparações líquidas de uso oralFARMACOTÉCNICA-Preparações líquidas de uso oral
FARMACOTÉCNICA-Preparações líquidas de uso oralRenata Medeiros
 
Terminologia usada para plantas medicinais
Terminologia usada para plantas medicinaisTerminologia usada para plantas medicinais
Terminologia usada para plantas medicinaisRenata Medeiros
 
Boas práticas em farmácia
Boas práticas em farmáciaBoas práticas em farmácia
Boas práticas em farmáciaRenata Medeiros
 

Mais de Renata Medeiros (6)

Bromatologia- lipidios
Bromatologia- lipidiosBromatologia- lipidios
Bromatologia- lipidios
 
Amar o próximo como a si mesmo
Amar o próximo como a si mesmoAmar o próximo como a si mesmo
Amar o próximo como a si mesmo
 
FARMACOTÉCNICA-Preparações líquidas de uso oral
FARMACOTÉCNICA-Preparações líquidas de uso oralFARMACOTÉCNICA-Preparações líquidas de uso oral
FARMACOTÉCNICA-Preparações líquidas de uso oral
 
Terminologia usada para plantas medicinais
Terminologia usada para plantas medicinaisTerminologia usada para plantas medicinais
Terminologia usada para plantas medicinais
 
Boas práticas em farmácia
Boas práticas em farmáciaBoas práticas em farmácia
Boas práticas em farmácia
 
Família vibrionaceae
Família vibrionaceaeFamília vibrionaceae
Família vibrionaceae
 

Último

FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamentalgeone480617
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasCasa Ciências
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 

Último (20)

FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 

Escorpiões

  • 1. Ordem SCORPIONE S INTEGRANTES  Renata Medeiros  Mayane Cruz  Arthur Gondinho  Wallace  Vinicius Brito  Cleudir Ferreira
  • 2. Etimologia e Origens • O nome escorpião é derivado do latim scorpio/scorpionis. • Na mitologia grega, Scorpius é o escorpião que matou Orion. Por isso, as duas constelações estão em lados opostos do céu, para evitar conflitos entre elas.
  • 3. O Os primeiros registros de escorpiões indicam vida aquática e datam do período Siluriano (há mais de 410 milhões de anos atrás), entretanto não há certeza se estes animais tiveram origem marinha ou em água doce O Foram eles os primeiros artrópodes a conquistar o ambiente terrestre. Etimologia e Origens Fóssil da garra do escorpião gigante pré- histórico
  • 4. O Nos sedimentos referentes ao período Devoniano foram encontrados os fósseis dos primeiros escorpiões que se dispersaram no ambiente terrestre. O Apesar de os escorpiões serem animais muito antigos e apresentarem uma ampla distribuição geográfica, estando ausentes apenas no continente antártico, a diversidade do grupo não é tão grande, conhecendo-se atualmente cerca de 1.800 espécies. Etimologia e Origens
  • 5. Etimologia e Origens • Escorpiões vivem em média 5 (cinco) anos, atingindo a maturidade sexual por volta de 1 ano e meio • Estes aracnídeos não são exclusivos das regiões de clima tropical e subtropical podendo ser encontrados nos Alpes suíços e planícies canadenses.
  • 7. Ordem Scorpiones O 14 famílias O 183 gêneros O aproximadamente 1800 espécies, as quais representam apenas 1,5% dos aracnídeos conhecidos, distribuídas em todos os continentes, com exceção da Antártida
  • 8. FAMÍLIAS O Akravidae O Bothriuridae O Buthidae O Caraboctonidae O Chactidae O Chaerilidae O Euscorpiidae O Hemiscorpiidae O Iuridae O Microcharmidae O Pseudochactidae O Scorpionidae O Superstitioniidae O Vaejovidae A família mais numerosa em espécies é a Buthidae, com mais de 800 espécies . No Brasil ocorrem 125 espécies, agrupadas em 21 gêneros e 4 famílias (Buthidae, Bothriuridae, Chactidae e Ischnuridae), em todas as regiões e biomas.
  • 9. ESCORPIÕES CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS: O São alongados O Possuem pedipalpos grandes terminados em pinça O Abdome delgado com 12 segmentos contendo um aguilhão de veneno terminal O O corpo dos escorpiões é dividido em prosomo (cefalotórax), mesossomo e metassomo.
  • 10.
  • 11. PROSOMO O O prosomo é a região anterior, onde se encontram os olhos, quelíceras, pedipalpos terminados em quelas (pinças) e pernas e os pentes. quelíceras - correspondem aos apêndices do primeiro segmento e são estruturas em forma de gancho ou tenaz, servem para capturar a presa e apresentam frequentemente glândulas de veneno associadas
  • 12. MESOSSOMO O O mesossomo é a região larga do corpo, onde se encontram as cauda, ali se encontram uma estrutura cilíndrica com um espinho na ponta, chamada telson (o ferrão), duas glândulas de veneno e o ânus.
  • 13.
  • 14. Ferrão no telson de um escorpião mostrando uma gota de veneno saindo
  • 15. Uma característica exclusiva dos escorpiões (nenhum outro aracnídeo tem) é a presença dos “pentes”  “PENTES” são pequenas estruturas que servem para eles perceberem como é o substrato (chão) onde estão se deslocando. Isso é muito importante, porque os escorpiões não enxergam, seus pequenos olhos são primitivos (Figura 2-A) e só funcionam para perceber a luminosidade.
  • 16. Reprodução dos Escorpiões O A maioria dos escorpiões se reproduz sexuadamente O Possuem dimorfismo sexual O Machos de escorpião-marrom (Tityus bahienses), por exemplo, possuem palpos mais volumosos que os das fêmeas.
  • 17. Reprodução dos Escorpiões O O acasalamento é intrigante, envolvendo uma dança nupcial, e só foi descrito recentemente na década de 1950 a partir de observações curiosas de pesquisadores. O No escorpião-marrom, Tityus bahienses, ela dura de 15 a 20 minutos, mas pode chegar a mais de 10h em outras espécies.
  • 18. O Os escorpiões não possuem um órgão transmissor de esperma. Esse substrato varia com as espécies e pode ser limpo com os pentes do macho. Reprodução dos Escorpiões Dança do acasalamento
  • 19. O A etapa seguinte é a inseminação da fêmea. O macho eleva seu pós-abdome e libera simultaneamente um par de hemiespermatóforos, pequenas estruturas rijas, alongadas, alojadas dentro de bainhas e localizadas internamente, uma de cada lado do corpo, em posição posterior ao opérculo genital. O Esses se fundem, formando uma peça única com esperma em seu interior, o espermatóforo. A fêmea é, então, puxada em direção ao espermatóforo fixado de forma inclinada no chão, até que seu opérculo genital o toca. Após isso, ela se liberta, podendo aceitar outros machos para acasalamento. Reprodução dos Escorpiões
  • 20. O O período de acasalamento do escorpião- marrom (Tityus bahienses) é de outubro a dezembro, com intensa atividade sexual. O Todo esse processo descrito acima não ocorre no escorpião-amarelo (Tityus serrulatus). Nessa espécie não existem machos e a reprodução ocorre assexuadamente, por partenogênese, onde óvulos não fecundados dão origem a novas fêmeas. Esse fato pode ser uma justificativa para a abundância desses animais em certas regiões do Brasil. Reprodução dos Escorpiões
  • 21. Nascimento, crescimento e desenvolvimento O Escorpiões são animais vivíparos, ou seja, eles não botam ovos, diferente dos outros aracnídeos. O Uma fêmea prestes a dar à luz posiciona- se com sua parte anterior, do cefalotórax e pré abdome, levantada, formando o cesto natal para amparar os recém nascidos, que são levados pelo primeiro ou segundo par de pernas ao dorso da mãe.
  • 22. O Os filhotinhos, brancos e moles, aderem ao corpo da parturiente por ventosas temporárias nas extremidades das pernas e permanecem aí até a realização da primeira muda, se alimentando de reservas. Nascimento, crescimento e desenvolvimento
  • 23. O Comumente ocorre mais de um parto por cópula e o tempo de gestação varia com a espécie. O Nos escorpiões-marrons (Tityus bahienses), a gestação é de cerca de 130 dias e nasce uma média de 36 filhotes, que permanecem no dorso da fêmea por até 7 dias. O Nos escorpiões-amarelos (Tityus serrulatus) o período de gestação é menos (90 dias) sendo que, em média, nascem até 9 filhotes, os quais permenecem em contato direto com a mãe por 7 dias. Nascimento, crescimento e desenvolvimento
  • 24. O Precisam realizar mudas para crescer, processo chamado de ecdise e realizado até que se atinja a maturidade sexual. O número de ecdises varia entre as espécies e as diferentes condições, mas está dentro de uma média de 5 a 6. O Em escorpiões-marrons (Tityus bahienses), foram registradas 4 a 5 mudas e uma vida máxima de 1417 dias. Para escorpiões- amarelos (Tityus serrulatus), ocorrem 5 mudas em 1 ano, quando é atingida a maturidade Nascimento, crescimento e desenvolvimento
  • 25. Vida, alimentação e hábitos O O tempo de vida real dos escorpiões nunca foi definido O É basicamente de 4 a 25 anos, variando muito entre as espécies O Preferem viver em temperaturas de 20 a 37°C, mas podem viver em ambientes com temperaturas de 14 a 54°C O Animais carnívoros e com hábitos noturnos; O Comem cupins, grilos, baratas, moscas e mosquitos
  • 26. O Em escassez completa de alimentos, praticam canibalismo O Comem quantidades enormes de alimento, mas podem sobreviver com 10% da alimentação diária O Podem passar até um ano sem comer e consumindo pouquíssima água O Para comer utilizam as quelíceras O Só digerem alimentos de forma líquida, desprezando qualquer parte sólida Vida, alimentação e hábitos
  • 27. Vida, alimentação e hábitos O Os predadores naturais do escorpião são as lacraias, louva-deus, macacos, aranhas, sapos, lagartos, seriemas, corujas, gaviões, quatis, galinhas, camundongos, algumas formigas e os próprios escorpiões.
  • 29. Tityus O É o gênero de importância médica no Brasil, e as espécies T. bahiensis, T. serrulatus e T. stigmurus são as que estão relacionadas a casos graves ou envenenamentos no país.
  • 30. Tityus bahiensis O Apresenta uma coloração marrom-escuro, às vezes marrom- avermelhado, pernas amareladas com manchas escuras e sem serrilhas na cauda. Esta espécie é o causador dos acidentes mais frequentes em São Paulo.
  • 31. Tityus serrulatus O Também conhecido como escorpião amarelo. Apresenta o tronco escuro, patas, pedipalpos e cauda amarela sendo esta serrilhada no lado dorsal. Considerado o mais venenoso da América do Sul, é o escorpião causador de acidentes graves, principalmente no Estado de Minas Gerais.
  • 32. Tityus stigmurus O Conhecido como escorpião do Nordeste. Apresenta uma coloração amarelo-claro com um triângulo negro na cabeça e uma faixa longitudinal mediana e manchas laterais no tronco.
  • 33. Veneno O ferrão do escorpião (chamado de telson), além de servir para agarrar a presa, se defender, e no acasalamento, inocula na presa um veneno.
  • 34. O veneno de todos os escorpiões tem efeito neurotoxico. A picada é extremamente dolorosa, provoca dor intensa no local afetado e se dispersa por todo o corpo, levando a vítima a um estado de hiperestesia.
  • 35. O A ação neurotrópica da peçonha age sobre o bulbo região do encéfalo que controla os movimentos respiratórios e cardíacos, além dos movimentos peristálticos, sua ação é específica sobre a região do bulbo controladora da respiração, o que faz com que a vítima morra por parada respiratória. VENENO
  • 36. O É interessante saber que a toxicidade do veneno de um escorpião pode ser comparada com o tamanho de seus pedipalpos
  • 38. PREVENÇÃO DE ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHENTOS - ESCORPIÕES
  • 39. Medidas Preventivas Para evitar condições propícias ao abrigo e proliferação de escorpiões, deve-se adotar as seguintes medidas: O Manter limpos quintais, jardins, sótãos, garagens e depósitos, evitando acúmulo de folhas secas, lixo e demais materiais como entulho, telhas, tijolos, madeiras e lenha. O Ao manusear materiais de construção, usar luvas de raspa de couro e calçados, pois nestes materiais podem estar abrigados escorpiões.
  • 40. Medidas Preventivas O Rebocar paredes e muros para que não apresentem vãos e frestas. O Vedar soleiras de portas com rolos de areia.
  • 41. O Usar telas em ralos do chão, pias ou tanques. O Acondicionar o lixo em recipientes fechados para evitar baratas e outros insetos, que servem de alimento à escorpiões. O Realizar roçagem de terrenos. Medidas Preventivas
  • 42. O Manter berços e camas afastados das paredes. O Examinar calçados, roupas e toalhas antes de usá-los. Medidas Preventivas
  • 44. O REFERENCIAS O http://www.fiocruz.br/biosseguranca/Bis/infanti l/escorpionideos.htm O http://www.mzufba.ufba.br/WEB/MZV_arquivo s/artropodes_escorpioes.html O http://riodejaneiroambiental.blogspot.com.br/2 009/11/escorpiao-marrom-tityus- bahiensis.html O http://www.saude.pr.gov.br/modules/conteudo/ conteudo.php?conteudo=1453 O