História oficial, memória popular - Mbye Cham (Nathany Brito)

197 visualizações

Publicada em

Slides suporte utilizados na apresentação do artigo " História oficial, memória popular : reconfiguração do passado africano nos filmes de Ousmane Sembène" para a disciplina da UnB Cinema Negro ( ou Etnologia Visual da Imagem do Negro no Cinema ), ministrada pela professora Edileuza Penha de Souza

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
197
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

História oficial, memória popular - Mbye Cham (Nathany Brito)

  1. 1. HISTÓRIA OFICIAL, MEMÓRIA POPULAR: Reconfiguração do passado africano nos filmes de Ousmane Sembène Mbye Cham
  2. 2. POR UMA RELEITURA DA HISTÓRIA DO CONTINENTE AFRICANO História oficial: “inclina-se a tomar o futuro pelo significado do passado. [...Privilégio da] palavra escrita [...] que serve como estatuto de lei. ≠ Memória Popular : [...] o passado é visto não apenas como um ponto de referência, mas também enquanto um campo de disputa. [...] não há mais “centros” ou “margens”, já que muitas designações indicam que algo foi posto de lado. DISCIPLINA CINEMA NEGRO / UNB - 2º/2015 - NATHANY BRITO RODRIGUES
  3. 3. O FARDO O HOMEM BRANCO (1899) RUDYARD KIPLING Tomai o fardo do Homem Branco - Envia teus melhores filhos Vão, condenem seus filhos ao exílio Para servirem aos seus cativos; Para esperar, com arreios Com agitadores e selváticos Seus cativos, servos obstinados, Metade demônio, metade criança. Tomai o fardo do Homem Branco - Continua pacientemente Encubra-se o terror ameaçador E veja o espetáculo do orgulho; Pela fala suave e simples Explicando centenas de vezes Procura outro lucro E outro ganho do trabalho. Tomai o fardo do Homem Branco - As guerras selvagens pela paz - Encha a boca dos Famintos, E proclama, das doenças, o cessar; E quando seu objetivo estiver perto (O fim que todos procuram) Olha a indolência e loucura pagã Levando sua esperança ao chão. Tomai o fardo do Homem Branco - Sem a mão-de-ferro dos reis, Mas, sim, servir e limpar - A história dos comuns. As portas que não deves entrar As estradas que não deves passar Vá, construa-as com a sua vida E marque-as com a sua morte. Tomai o fardo do homem branco - E colha sua antiga recompensa - A culpa de que farias melhor O ódio daqueles que você guarda O grito dos reféns que você ouve (Ah, devagar!) em direção à luz: "Porque nos trouxeste da servidão Nossa amada noite no Egito?" Tomai o fardo do homem branco - Vós, não tenteis impedir - Não clamem alto pela Liberdade Para esconderem sua fadiga Porque tudo que desejem ou sussurrem, Porque serão levados ou farão, Os povos silenciosos e calados Seu Deus e tu, medirão. Tomai o fardo do Homem Branco! Acabaram-se seus dias de criança O louro suave e ofertado O louvor fácil e glorioso Venha agora, procura sua virilidade Através de todos os anos ingratos, Frios, afiados com a sabedoria amada O julgamento de sua nobreza. DISCIPLINA CINEMA NEGRO / UNB - 2º/2015 - NATHANY BRITO RODRIGUES
  4. 4. DOUTRINA DO DESTINO MANIFESTO DISCIPLINA CINEMA NEGRO / UNB - 2º/2015 - NATHANY BRITO RODRIGUES
  5. 5. MED HONDO – WEST INDIES (1978) Naturalidade: Mauritano Atividades: Intelectual (∞), diretor (8), roteirista, produtor, ator (18), dublador (9) Sinopse: Musical baseado em peça de nome homônimo, narra de forma crítica a história das Índias Orientais. Tendo como cenário um navio negreiro, satiriza colonizadores franceses invasores da Índia, os nativos do Caribe levados a Paris e o processo de liquidação das ilhas. DISCIPLINA CINEMA NEGRO / UNB - 2º/2015 - NATHANY BRITO RODRIGUES
  6. 6. MED HONDO – SARROUMIA(1986) Naturalidade: Mauritano Atividades: Intelectual (∞), diretor (8), roteirista, produtor, ator (18), dublador (9) Sinopse: O filme se passa no Níger e na região circundante do SahelComeça com a coroação da rainha do Aznas, a jovem Sarraounia ,que rna-se guerreira consumada ao defender sua tribo de uma tribo inimiga. Enquanto isso, colonialistas franceses Paul Voulet e Julien Chanoine partiu para conquistar novas terras para o império colonial francês. À medida que avançam através da terra eles estupram as mulheres e deixar aldeias queimando em seu rastro. DISCIPLINA CINEMA NEGRO / UNB - 2º/2015 - NATHANY BRITO RODRIGUES
  7. 7. FLORA GOMES – MORTU NEGA (1988) Naturalidade: Guiné-Bissauan Atividades: Intelectual (∞), diretor (7), roteirista (5) e ator (1) Sinopse: 1973: A primeira parte do filme, em cenário de guerra, mostra a vida de pessoas comuns que lutam, sem uniforme, ao lado de soldados, numa interação cotidiana de batalha. São pessoas acostumadas a não saber se estarão vivas no dia seguinte, que vivem errando por aquele pequeno país, ao sabor dos desígnios da guerra. Onde será a próxima batalha? 1977: Nesse sentido, desenha-se uma básica, porém tocante, história de amor, que ganha força na segunda parte do filme. A guerra contra o colonialismo acaba, mas começa outra, pela sobrevivência. Domingas, a heroína desse conto, que vivia afastada do marido durante a guerra com a excepção de breves encontros na frente, volta enfim para a sua vila, para a sua casa. DISCIPLINA CINEMA NEGRO / UNB - 2º/2015 - NATHANY BRITO RODRIGUES
  8. 8. RAYMOND RAJAONARIVELO TABATABA(1988) Naturalidade: Malgache Atividades: Diretor (3), roteirista (2), diretor de fotografia (1) Sinopse: 1947. No coração de uma vila tradicional malgaxe, em Madagascar. É neste lugar afastado que se fomenta a revolta contra o regime colonial - o germe de uma revolução que, alguns anos mais tarde, levaria à independência de Madagascar. Um "estrangeiro" portador dos princípios do Movimento Democrático da Renovação Malagache (MDRM) trava um debate clandestino com os homens da vila. Que via tomar para a independência? A luta armada? O voto democrático? Transbordando de entusiasmo, o camponês Léhidy se decide pela primeira opção, passando a liderar um grupo de conterrâneos. A história da insurreição e da sua repressão é vista através dos olhos do garoto Solo. DISCIPLINA CINEMA NEGRO / UNB - 2º/2015 - NATHANY BRITO RODRIGUES
  9. 9. JOHN AKOMFRAH – TESTAMENT (1988) Nacionalidade: Ganês Atividades: Sociólogo, Intelectual (∞), roteirista (7), diretor (27) Sinopse: A exilada Abena retorna para sua casa em Gana para enfrentar seu passado, Descobre que não há mais "casa" para onde ir. Os sonhos utópicos vão embora após ser violentamente abalada, entregue à perda e ruína. Como chegar a termos com um passado que foi reprimido, um lugar em pedaços, uma memória cujos traços foram apagadas? DISCIPLINA CINEMA NEGRO / UNB - 2º/2015 - NATHANY BRITO RODRIGUES
  10. 10. OUSMANE SEMBÈNE O GRIÔ ☼ Senegal, 1º de janeiro de 1923 † Senegal, 9 de junho de 2007 DISCIPLINA CINEMA NEGRO / UNB - 2º/2015 - NATHANY BRITO RODRIGUES
  11. 11. ELEMENTOS DESTAQUE NAS CRIAÇÕES DE SEMBÈNE (E DE SEUS “SEGUIDORES”) a) Recuperação e desdobramento da memória popular para recompor os eventos do passado; b) A radical reconstrução de histórias relacionadas tanto ao euro-cristianismo quanto ao árabe islamismo, tendo em vista as suas implicações na história da África; c) A fusão do euro-cristianismo e do árabe-islamismo enquanto dois lado da mesma moeda, no que diz respeito à colonização; d) O nacional e a natureza pan-africana como traços marcantes nestas histórias; e) A recuperação e a reconstrução da história das mulheres a partir, é claro, do ponto de vista do homem. DISCIPLINA CINEMA NEGRO / UNB - 2º/2015 - NATHANY BRITO RODRIGUES
  12. 12. OUSMANE SEMBÈNE EMITAI (1971) O terceiro longa-metragem de Sembene impulsionou sua reputação internacional, alcançando uma audiência bem maior do que a comunidade diola de Senegal, a quem ele havia direcionado diretamente o filme. Emitaï se passa durante o fim da Segunda Grande Guerra, enquanto veteranos da África Ocidental retornam para seus lares nas colônias francesas. O general De Gaulle, herói da resistência francesa, é agora o líder da recém-liberada França, e ainda assim forçou a continuação de recrutamentos forçados e massacres de vilas diolas, alguns deles liderados por antigos membros do regime de Vichy. Com Emitaï, Sembene realizou sua afirmação "o cinema deveria ser uma escola da história". Quando o filme foi lançado em 1971, foi imediatamente banido em Senegal e ao redor da África. DISCIPLINA CINEMA NEGRO / UNB - 2º/2015 - NATHANY BRITO RODRIGUES
  13. 13. OUSMANE SEMBÈNE CAMP DE THIAROYE (1988) No Senegal, em 1944, um batalhão de atiradores chega ao campo de trânsito de Thiaroye para ser desmobilizado. Eles voltam da Europa onde combateram contra os alemães para libertar a metrópole. O orgulho de velhos combatentes é rapidamente substituído pela desilusão perante as promessas não cumpridas, em relação, sobretudo, às suas economias, às humilhações e ao racismo da hierarquia militar. Baseado em fatos reais. DISCIPLINA CINEMA NEGRO / UNB - 2º/2015 - NATHANY BRITO RODRIGUES
  14. 14. OUSMANE SEMBÈNE CEDDO (1997) Crônica dramática sobre as disputas políticas e religiosas em uma aldeia africana, em um contexto em que convivem mercadores de escravos europeus, uma elite recém convertida ao Islamismo e parte da população local resistente à conversão (os Ceddo). A situação é agravada com o sequestro da filha do chefe, a princesa Dior. "Ceddo is not a tribe, it is a state of mind." -- Ousmane Sembène DISCIPLINA CINEMA NEGRO / UNB - 2º/2015 - NATHANY BRITO RODRIGUES

×