Fisio pediatria enfermidades-infano_juvenis

1.862 visualizações

Publicada em

0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.862
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
183
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
71
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fisio pediatria enfermidades-infano_juvenis

  1. 1. Fisioterapia nasFisioterapia nas Enfermidades e DistúrbiosEnfermidades e Distúrbios Infanto-juvenisInfanto-juvenis
  2. 2. Campo de atuação da FisioterapiaCampo de atuação da Fisioterapia Pediátrica:Pediátrica:  Portadores de:Portadores de: – Distúrbios neurológicos;Distúrbios neurológicos; – Malformações congênitas;Malformações congênitas; – Afecções dos ossos, das articulações, dosAfecções dos ossos, das articulações, dos músculos e da pele;músculos e da pele; – Doenças do aparelho respiratório.Doenças do aparelho respiratório.  Ambiente de trabalho:Ambiente de trabalho: – Hospitalar, Ambulatorial e Domiciliar.Hospitalar, Ambulatorial e Domiciliar.
  3. 3. Importância da FisioterapiaImportância da Fisioterapia PediátricaPediátrica  Auxilia no DNPM;Auxilia no DNPM;  Evita ou minimiza deformidades eEvita ou minimiza deformidades e incapacidades;incapacidades;  Proporciona uma melhor qualidade de vidaProporciona uma melhor qualidade de vida à criança.à criança.
  4. 4. Objetivos Gerais:Objetivos Gerais:  Avaliar e identificar as principais limitaçõesAvaliar e identificar as principais limitações funcionais na criança;funcionais na criança;  Traçar um programa de tratamentoTraçar um programa de tratamento adequado;adequado;  Fazer um prognóstico do paciente;Fazer um prognóstico do paciente;  Orientar aos pais/cuidadores sobre asOrientar aos pais/cuidadores sobre as atenções domiciliares.atenções domiciliares.
  5. 5. Princípios básicos:Princípios básicos:  Introdução ao DNPM;Introdução ao DNPM; – Teoria NeuromaturacionalTeoria Neuromaturacional – Teoria dos Sistemas DinâmicosTeoria dos Sistemas Dinâmicos  Filogênese e Ontogênese do sistemaFilogênese e Ontogênese do sistema nervoso;nervoso;  DNPM normal;DNPM normal;  Alterações do DNPM;Alterações do DNPM;
  6. 6. Desenvolvimento neuropsicomotorDesenvolvimento neuropsicomotor  Teoria neuromaturacional:Teoria neuromaturacional:  Todas as aquisições motoras são resultado da maturação do SNC;Todas as aquisições motoras são resultado da maturação do SNC;  O ambiente tem papel secundário no desenvolvimento;O ambiente tem papel secundário no desenvolvimento;  Desenvolvimento:Desenvolvimento: direção céfalodireção céfalo caudalcaudal proximalproximal distaldistal movimento primitivo e reflexomovimento primitivo e reflexo voluntário e controladovoluntário e controlado a seqüência de movimentosa seqüência de movimentos constanteconstante  MilestonesMilestones
  7. 7. Desenvolvimento neuropsicomotorDesenvolvimento neuropsicomotor  Teoria dos sistemas dinâmicos:Teoria dos sistemas dinâmicos:  Estágio de maturação do SNC + outros subsistemas = desenvolvimento deEstágio de maturação do SNC + outros subsistemas = desenvolvimento de habilidadeshabilidades  Visão holísticaVisão holística Tarefa funcional ambiente bebê Desenvolvimento das habilidades
  8. 8. Filogênese do Sistema NervosoFilogênese do Sistema Nervoso Seres vivos primitivos (ex:ameba) Irritabilidade, condutibilidade e contratilidade Seres um pouco mais complicados (ex: esponjas) Células especializadas Celenterados (1ºs neurônios – respostas locais) (ex: tentáculo da anêmona do mar) Células nervosas unipolares (receptor + efetuador) SNC (ex: anelídeos e platelmintos) Neurônios aferentes e eferentes Arcos reflexos simples
  9. 9. Filogênese do Sistema NervosoFilogênese do Sistema Nervoso  Neurônios aferentes (sensitivos)Neurônios aferentes (sensitivos)  Neurônios eferentes (motores)Neurônios eferentes (motores)  Neurônios de AssociaçãoNeurônios de Associação  Tendência a centralização do corpo do neurônio sensitivoTendência a centralização do corpo do neurônio sensitivo  Arco reflexo simplesArco reflexo simples  Arco reflexo intrasegmentarArco reflexo intrasegmentar  Arco reflexo intersegmentarArco reflexo intersegmentar
  10. 10. Arco reflexoArco reflexo
  11. 11.  Arco ReflexoArco Reflexo
  12. 12. Ontogênese do Sistema NervosoOntogênese do Sistema Nervoso  Ontogênese – série de transformaçõesOntogênese – série de transformações sofridas pelo ser vivo desde a fecundaçãosofridas pelo ser vivo desde a fecundação do ovo até o ser perfeito, seguindo ado ovo até o ser perfeito, seguindo a seqüência filogenética.seqüência filogenética.
  13. 13. Ontogênese recapitulando aOntogênese recapitulando a filogênesefilogênese  Seres unicelulares.Seres unicelulares.  Seres pluricelulares.Seres pluricelulares.  Organização de tecidos, órgãos e sistemas ouOrganização de tecidos, órgãos e sistemas ou aparelhos.aparelhos.  Temos o nosso desenvolvimento na águaTemos o nosso desenvolvimento na água  Ganhamos e perdemos vários marcos da evolução dasGanhamos e perdemos vários marcos da evolução das espécies.espécies.  NascemosNascemos  Trazemos como herança aptidões encontradas nasTrazemos como herança aptidões encontradas nas outras famílias do reino animaloutras famílias do reino animal
  14. 14. DESENVOLVIMENTODESENVOLVIMENTODESENVOLVIMENTODESENVOLVIMENTO ConcepçãoConcepção GestaçãoGestação Recém NascidoRecém Nascido 1º Ano de vida1º Ano de vida Pré escolar Escolar Adolescente Maturidade
  15. 15. DNPM NormalDNPM Normal  Funções motoras, funções sensitivas, funçõesFunções motoras, funções sensitivas, funções sensoriaissensoriais  Ato motor = percepção + motivação + meioAto motor = percepção + motivação + meio ambienteambiente  MilestonesMilestones (Marcos do desenvolvimento)(Marcos do desenvolvimento) Parâmetro para avaliação,Parâmetro para avaliação, Nível de funcionalidade.Nível de funcionalidade.
  16. 16. DNPM NormalDNPM Normal  Ação da gravidade (limitante e estimuladora);Ação da gravidade (limitante e estimuladora);  Tônus muscular (expressão de um conjunto neuromuscular);Tônus muscular (expressão de um conjunto neuromuscular);  Comprimento muscular (alongamento axial e apendicular);Comprimento muscular (alongamento axial e apendicular);  Distribuição homogênea do peso;Distribuição homogênea do peso;  Mão, boca, os olhos, nariz e ouvidos.Mão, boca, os olhos, nariz e ouvidos.
  17. 17. Reflexos Primitivos ou ArcáicosReflexos Primitivos ou Arcáicos  SucçãoSucção  Busca ou voracidade ou 4 pontos cardeaisBusca ou voracidade ou 4 pontos cardeais  Preensão palmo plantarPreensão palmo plantar  MoroMoro  RTCA (Esgrimista)RTCA (Esgrimista)  Marcha automáticaMarcha automática
  18. 18. Marcos do desenvolvimentoMarcos do desenvolvimento (Milestones)(Milestones)  Sustentando a cabeçaSustentando a cabeça  RolandoRolando  SentandoSentando  EngatinhandoEngatinhando  Ficando de péFicando de pé  AndandoAndando  As mãos : as pegadas de bloco até a pinça,As mãos : as pegadas de bloco até a pinça, comparar com chipanzé.comparar com chipanzé.
  19. 19. PRIMEIRO MÊSPRIMEIRO MÊS PRIMEIRO MÊSPRIMEIRO MÊS ☞ ATITUDE ASSIMÉTRICAATITUDE ASSIMÉTRICA ☞ HIPOTONIA CERVICAL.HIPOTONIA CERVICAL. ☞ HIPERTONIA FLEXORA GERAL.HIPERTONIA FLEXORA GERAL. ☞ MÃOS FECHADAS, POLEGAR ADUZIDOMÃOS FECHADAS, POLEGAR ADUZIDO ☞ REFLEXOS ARCAICOS.REFLEXOS ARCAICOS. ☞ CHORO INARTICULADO. ☞ FIXA O OLHAR
  20. 20. SEGUNDO MÊSSEGUNDO MÊS ☞ POSTURA SIMÉTRICA. ☞ TONUS CERVICAL MOMENTÂNEO. ☞ HIPERTONIA GERAL LEVE. ☞ PERDE ESGRIMISTA. ☞ SORRI ESPONTÂNEAMENTE. ☞ ACOMPANHA OBJETOS NO SEU CAMPO VISUAL. ☞ INÍCIO DA LALAÇÃO.
  21. 21. QUARTO MÊSQUARTO MÊS ☞ APOIO NO ANTEBRAÇO ☞ TONUS CERVICAL COMPLETO. ☞ ROLA. ☞ PREENSÃO PALMAR VOLUNTARIA. ☞ PERDE MARCHA REFLEXA E MORO INCONSTANTE ☞ ESTABILIZA A LALAÇÃO.
  22. 22. SEXTO MÊSSEXTO MÊS ☞ AJUDA AO SENTAR-SE. ☞ SENTA-SE COM APOIO. ☞ PERDE O MORO, A PREENSÃO PALMAR, ☞ TRANSFERE OBJETOS DE MÃO. ☞ LEVA OBJETOS À BOCA ☞ PROCURA SONS COM A CABEÇA
  23. 23. NONO MÊSNONO MÊS ☞ SENTA-SE SEM APOIO. ☞ PODE ENGATINHAR. ☞ HIPOTONIA FISIOLÓGICA. ☞ PERDE SUCÇÃO E PREENSÃO PLANTAR. ☞ PRIMEIRAS PALAVRAS. ☞ PERDA DA LALAÇÃO. ☞ PEGADA EM PINÇA. ☞ RESPONDE DIFERENTEMENTE AS PESSOAS.
  24. 24. DÉCIMO SEGUNDO MÊSDÉCIMO SEGUNDO MÊS ☞ DE PÉ E MARCHA COM APOIO. ☞ PREDOMINA A HIPOTONIA FISIOLÓGICA. ☞ FIM DOS REFLEXOS ARCÁICOS. ☞ PRIMEIRAS PALAVRAS COM SENTIDO(MAMÃE) ☞ DÁ TCHAU, BATE PALMAS, NÃO.
  25. 25. APARTIR DO DECIMO SEGUNDOAPARTIR DO DECIMO SEGUNDO MÊS ATÉ O DECIMO OITAVO.MÊS ATÉ O DECIMO OITAVO. ☞ REFLEXOS DE ADULTOS. ☞ ANDA SEM APOIO. ☞ PEGADA EM PINÇA. ☞ COMBINA 2 OU MAIS PALAVRAS. ☞ TIRA PEÇAS DE ROUPAS.
  26. 26. 2 anos de idade2 anos de idade  Corre;Corre;  Monta torre com 6 cubos;Monta torre com 6 cubos;  Imita linha circular com lápis;Imita linha circular com lápis;  Usa frases;Usa frases;  Compreende ordens simples;Compreende ordens simples;  Começa controle de esfincteres (diurese eComeça controle de esfincteres (diurese e evacuação).evacuação).
  27. 27. 4 anos4 anos  Salta sobre um pé;Salta sobre um pé;  Desenha bem;Desenha bem;  Usa conjugações verbais;Usa conjugações verbais;  Consegue lavar e enxugar o rosto;Consegue lavar e enxugar o rosto;  Dá recados e brinca em grupos.Dá recados e brinca em grupos.
  28. 28. 5 anos5 anos  Permanece com o calcanhar em contato com a ponta doPermanece com o calcanhar em contato com a ponta do outro pé, olhos abertos, 10”;outro pé, olhos abertos, 10”;  Pula de um pé só uma distância de 5 m, com o péPula de um pé só uma distância de 5 m, com o pé dominante;dominante;  Anda para frente com o calcanhar em contato com aAnda para frente com o calcanhar em contato com a ponta do outro pé;ponta do outro pé;  Copia um círculo/quadrado;Copia um círculo/quadrado;  Toca a extremidade dos dedos com o polegar;Toca a extremidade dos dedos com o polegar;  Conhece e nomeia todas as cores;Conhece e nomeia todas as cores;  Consolidação do controle esfincteriano;Consolidação do controle esfincteriano;
  29. 29. 6 anos6 anos  Permanece com o calcanhar em contato com a ponta doPermanece com o calcanhar em contato com a ponta do outro pé, olhos fechados, 10”;outro pé, olhos fechados, 10”;  Pula de um pé só uma distância de 5 m, com o pé nãoPula de um pé só uma distância de 5 m, com o pé não dominante;dominante;  Anda para trás com o calcanhar em contato com a pontaAnda para trás com o calcanhar em contato com a ponta do outro pé;do outro pé;  Bate com o pé esquerdo e o indicador alternando com oBate com o pé esquerdo e o indicador alternando com o direito;direito;  Tem noção de direita e esquerda;Tem noção de direita e esquerda;
  30. 30. ““ O conhecimento do estadoO conhecimento do estado patológico não se pode obter antespatológico não se pode obter antes do conhecimento do estado normal”do conhecimento do estado normal” Claude BernardClaude Bernard
  31. 31. Quais os Principais Sinais de umQuais os Principais Sinais de um Desenvolvimento NeuropsicomotorDesenvolvimento Neuropsicomotor Atípico?????Atípico?????  manutenção dos reflexos arcaicos além domanutenção dos reflexos arcaicos além do tempo;tempo;  Alteração de tônus;Alteração de tônus;  perímetro cefálico;perímetro cefálico;  não aquisição dos marcos denão aquisição dos marcos de desenvolvimentos.desenvolvimentos.
  32. 32. DNPM AtípicoDNPM Atípico  Primeiro Trimestre:Primeiro Trimestre: – Pouco interesse aos estímulos visuais e auditivos;Pouco interesse aos estímulos visuais e auditivos; – Exagero de hipertonia flexora (mãos cerradas+polegarExagero de hipertonia flexora (mãos cerradas+polegar aduzido);aduzido); – Hiperexcitabilidade;Hiperexcitabilidade;  Segundo Trimestre:Segundo Trimestre: – Hipotonia de tronco e pescoço (dificuldade para manter aHipotonia de tronco e pescoço (dificuldade para manter a cabeça);cabeça); – Diminuição da atividade espontânea;Diminuição da atividade espontânea; – Hipertonia extensora de MMII;Hipertonia extensora de MMII;
  33. 33. DNPM AtípicoDNPM Atípico  Terceiro Trimestre:Terceiro Trimestre: – Alterações segmentares (tono e movimento);Alterações segmentares (tono e movimento); – Manuseio pobre;Manuseio pobre; – Dificuldade de equilíbrio de tronco;Dificuldade de equilíbrio de tronco;  Quarto Trimestre:Quarto Trimestre: – Melhor definição das alterações dos trimestres anteriores;Melhor definição das alterações dos trimestres anteriores; – Dificuldade para engatinhar;Dificuldade para engatinhar; – Ausência de comunicação pela fala;Ausência de comunicação pela fala; – Esteriotipias;Esteriotipias;
  34. 34. DNPM AtípicoDNPM Atípico  Dois anos:Dois anos: – Atraso na aquisição da marcha e da fala;Atraso na aquisição da marcha e da fala;  Três anos:Três anos: – Transtornos da comunicação e da conduta, hiperatividade;Transtornos da comunicação e da conduta, hiperatividade;  Cinco anos:Cinco anos: – Dificuldades na coordenação no equilíbrio e na atenção;Dificuldades na coordenação no equilíbrio e na atenção;  Sete anos:Sete anos: – Dificuldades na percepção do esquema corporal,Dificuldades na percepção do esquema corporal, coordenação, atenção e aprendizagem;coordenação, atenção e aprendizagem;
  35. 35. Referências BibliográficasReferências Bibliográficas BURNS,Y; DONALD,J.BURNS,Y; DONALD,J. Fisioterapia e crescimento naFisioterapia e crescimento na infânciainfância.1ª ed.Santos: São Paulo,1999.1ª ed.Santos: São Paulo,1999 FLEHMING, INGE.FLEHMING, INGE. O Desenvolvimento Da CriançaO Desenvolvimento Da Criança Normal E Com Atraso.Normal E Com Atraso.Ed. Atheneu, São Paulo,2000Ed. Atheneu, São Paulo,2000 MOURA, E. W.; SILVA, P. A.C.MOURA, E. W.; SILVA, P. A.C. Aspectos Clínicos eAspectos Clínicos e Práticos da Reabilitação.Práticos da Reabilitação. Ed. Artes Médicas, SãoEd. Artes Médicas, São Paulo, 2005 (AACD)Paulo, 2005 (AACD) TECKLIN,J.S.TECKLIN,J.S.Fisioterapia pediátricaFisioterapia pediátrica.3ª ed.Artmed.Porto.3ª ed.Artmed.Porto Alegre,2002Alegre,2002

×