SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
Baixar para ler offline
“Porque esta é a vontade de Deus, a vossa
santificação: que vos abstenhais da prostituição”
(1 Ts 4.3).
T E X T O D O D I A
Os membros da igreja como participantes do povo
de Deus devem ser exemplo em sua conduta sexual,
tanto no ambiente externo como na vida conjugal
íntima.
S Í N T E S E
Levítico 18.6-12
6 - Nenhum homem se chegará a qualquer parenta da sua carne para
descobrir a sua nudez. Eu sou o SENHOR.
7 - Não descobrirás a nudez de teu pai e de tua mãe; ela é tua mãe; não
descobrirás a sua nudez.
8 - Não descobrirás a nudez da mulher de teu pai.
9 - A nudez de tua irmã, filha de teu pai ou filha de tua mãe, nascida em
casa ou fora da casa, a sua nudez não descobrirás.
10 - A nudez da filha do teu filho ou da filha da tua filha, a sua nudez não
descobrirás, porque é tua nudez.
11 - A nudez da filha da mulher de teu pai, gerada de teu pai (ela é tua
irmã), a sua nudez não descobrirás.
12 - A nudez da irmã de teu pai não descobrirás; ela é parenta de teu pai.
Leitura bíblica
Levítico 18.13-18
6 - Nenhum homem se chegará a qualquer parenta da sua carne para
descobrir a sua nudez. Eu sou o SENHOR.
7 - Não descobrirás a nudez de teu pai e de tua mãe; ela é tua mãe; não
descobrirás a sua nudez.
8 - Não descobrirás a nudez da mulher de teu pai.
9 - A nudez de tua irmã, filha de teu pai ou filha de tua mãe, nascida em
casa ou fora da casa, a sua nudez não descobrirás.
10 - A nudez da filha do teu filho ou da filha da tua filha, a sua nudez não
descobrirás, porque é tua nudez.
11 - A nudez da filha da mulher de teu pai, gerada de teu pai (ela é tua
irmã), a sua nudez não descobrirás.
12 - A nudez da irmã de teu pai não descobrirás; ela é parenta de teu pai.
Leitura bíblica
1 Tessalonicenses 4.3-5
3 - Porque esta é a vontade de Deus, a vossa santificação: que vos
abstenhais da prostituição,
4 - que cada um de vós saiba possuir o seu vaso em santificação e honra,
5 - não na paixão de concupiscência, como os gentios, que não conhecem
a Deus.
Leitura bíblica
• Texto do livro de Levitico (AT) conhecido como o
Código da Santidade, prescrito para regrar
principalmente o comportamento sexual do
povo hebreu que vivia organizados em clãs
familiares.
• Nele são abordadas algumas práticas
rudimentares, mas que infelizmente, mesmo que
em proporções menores, se repete na
sociedade atual.
• No segundo tópico será abordada a orientação
paulina quanto à necessidade de santidade
sexual também no âmbito do casamento.
INTRODUÇÃO
I – UM MODO DE VIDA
SANTIFICADO
Pr. Natalino das Neves
www.natalinodasneves.blogspot.com.br
(41) 98409 8094
• Lv 18.6-24 - dentre outros capítulos do livro, é
uma das preferidas pela ênfase sobre as
práticas sexuais consideradas impuras.
• Todavia, não se pode desconsiderar que Levítico
precisa ser entendido em seu contexto
veterotestamentário, ser aplicado à luz do NT e
contextualizado para nossos dias.
1. Uma visão panorâmica de Levítico
• O livro de Levítico é dividido em duas partes
principais:
1. Lv 1-15 - princípios e procedimentos
sacrificiais que dizem respeito à remoção do
pecado e à restauração da comunhão das
pessoas com Deus;
2. Lv 16-26 - a ética, a moral e a santidade.
Para nosso estudo, interessa a segunda parte,
que forma uma unidade conhecida como o
Código de Santidade, relacionado com
passagens paralelas como Êx 21.13,14; Lv
11.43,45 e Nm 15.37-41.
1. Uma visão panorâmica de Levítico
• Para esta lição, a ênfase está em Lv 18.6-30,
texto destinado a um povo específico e em
determinado momento histórico.
• O texto trata da aliança de Deus com o povo
hebreu, como seu representante para
implementar o projeto divino de vida.
• Eles deveriam ficar em separado, ou seja,
praticar a santidade que se torna a identidade
peculiar desse povo.
1. Uma visão panorâmica de Levítico
• Para o leitor atual, as proibições das relações
sexuais entre parentes consanguíneos e de
aliança pode parecer um absurdo, mas ninguém
legisla sobre o que não acontece.
• Os israelitas tinham o estilo de vida nômade, a
convivência envolvia o clã das tribos ( entre três
a cinco gerações e dezenas de pessoas
consanguíneas convivendo juntas).
• Esse estilo de vida precisava de um regramento
para se evitar excessos no comportamento,
inclusive na área sexual.
2. A proibição do relacionamento sexual
entre familiares (v. 6-18)
• Lv 18.6-18 lista uma série de proibições dadas
ao chefe/cabeça do grupo familiar (responsável
por fazer cumprir e aplicar as penalidades).
• Para resumir, Lv 18.6-18, aliado a outros como Lv
20.10-21 e Dt 23.1; 27.20,22-23 fornecem uma
lista de proibições de relações sexuais:
a) por consanguinidade: a mãe, a madrasta, as esposas
dos tios paternos, as tias paternas e maternas
(geração dos pais); as irmãs ou meias-irmãs (própria
geração); e as netas (segunda geração seguinte);
b) por aliança: a sogra ou as sogras, as cunhadas, as
enteadas e suas filhas.
2. A proibição do relacionamento sexual
entre familiares (v. 6-18)
• Na antiguidade existia uma relação muito forte
entre a prática sexual e os rituais religiosos,
em especial nos ritos de fertilidade que envolvia
práticas sexuais, visando a bênção sobre as
estações, as colheitas e os rebanhos.
• O v. 21 (sacrifícios de crianças a Moloque)
parece destoar do restante do texto, No entanto, o
contexto é o de sacrifício de origem ritual –
Discurso do papa na reunião do Vaticano.
• Homossexualidade – na antiguidade (Oriente
Próximo) a grande maioria dos registros estão
relacionados com rituais religiosos.
3. A proibição de relações sexuais
de origem ritual (v. 19-24)
• Os textos do AT condena a homossexualidade
de modo uniforme com pena morte (Lv 20.10).
• No NT a homossexualidade também é
condenada (Rm 1.27; 1 Co 6.9; 1 Tm 1.10).
Assim como a bestialidade (v. 23), cuja
condenação também era de pena de morte (Êx
22.19; Lv 20.15-16).
• A reprovação bíblica é para a prática, o que
não significa a rejeição das pessoas que as
praticam, que devem ser tratadas com amor.
3. A proibição de relações sexuais
de origem ritual (v. 19-24)
Jovem, qual tem sido seu referencial de conduta:
as práticas sexuais tidas por normal pela
sociedade ou as prescrições bíblicas para a
santificação?
A Bíblia aborda e condena os desvios sexuais,
inclusive no ambiente familiar.
APLICAÇÃO PRÁTICA
II – CHAMADOS
PARA SER SANTOS
Pr. Natalino das Neves
www.natalinodasneves.blogspot.com.br
(41) 98409 8094
• O adultério era condenado tanto no AT como
também no NT, mas existem diferenças
culturais que interferem em seu conceito.
• No AT, O adultério era considerado como sendo o
ato sexual (coito) entre uma mulher casada ou
noiva e um homem que não era seu marido. O
ato não era uma ofensa apenas contra o
marido, mas também envolvia prejuízo
financeiro.
1. Diga não ao adultério (Lv 18.20)
• Na cultura da época a mulher era considerada
uma espécie de propriedade do marido, pois
ela era comprada por um dote pago ao seu pai.
• Além de ser a garantia do enriquecimento da
propriedade do marido com a expansão da
família, considerada mão-de-obra para os
trabalhos nas propriedades da família.
• A pena para o esse delito era a morte (Lv 20.10;
Dt 22.22).
1. Diga não ao adultério (Lv 18.20)
• Importância de duas expressões gregas para
definir relações sexuais ilícitas quanto à
tradução para o português: porneia e moicheia.
• Porneia:
• trata o tema de maneira mais genérica. Depende
unicamente do contexto para se deduzir a tradução
correta.
• pode ser utilizada para se referir a prática sexual ilícita
entre pessoas solteiras, como para pessoa casada
com uma solteira (Mt 5.32; 19.9), ou qualquer tipo
de imoralidade sexual (1 co 5.11; 6.9; 7.2; G 5.19; Ef
5.3; Cl 3.15).
• Dentre as traduções possíveis, o termo porneia
também é traduzido por adultério.
2. Diga não à prostituição
• Moicheia:
• específico para ser traduzido como adultério;
• Esse termo é utilizado somente três vezes no Novo
Testamento (Mt 15.19; Mc 7.21,22; Jo 8.3) e três
vezes na Septuaginta (Jr 13.27; Ez 23.43; Os 2.2).
• Resumindo: o substantivo porneia é utilizado
de forma genérica para identificar várias
práticas de promiscuidade sexual, enquanto o
substantivo moicheia é utilizado de forma mais
específica para identificar o adultério, que
envolve no mínimo uma pessoa casada.
2. Diga não à prostituição
• Paulo afirma que a vontade de Deus para seu
povo é a santificação.
• A pessoa quando aceita Jesus é justificada
imediatamente diante de Deus, mas a
santificação é um processo contínuo.
• Se não fosse assim, não haveria motivo para
Paulo exortar os tessalonicenses para atentar
à vontade de Deus, que é a santificação.
3. As delimitações sexuais
no matrimônio (1 Ts 4.3-5)
• Paulo adverte sobre o comportamento no
ambiente interno do lar: “possuir o seu vaso
em santificação”. Existem duas interpretações
possíveis nesta afirmação. Vaso como:
a) o corpo do cônjuge, (1 Pe 3.7);
b) o próprio corpo (Rm 6.13; 1 Co 9.27).
• No primeiro caso, deixa bem claro que o fato de
estar casado não dá plena liberdade para se
fazer sexo com o cônjuge sem critérios (abusos
sexuais dentro do próprio casamento).
3. As delimitações sexuais
no matrimônio (1 Ts 4.3-5)
• O segundo caso, já foi abordado em outros
pontos da revista, é a entrega do corpo que foi
separado para Deus para cometer
imoralidades sexuais fora do casamento.
• O jovem precisa ir para o casamento ciente de
que dentro dele também existem delimitações e
o respeito e a dignidade devem prevalecer.
3. As delimitações sexuais
no matrimônio (1 Ts 4.3-5)
Jovem, o seu comportamento e as decisões de
hoje irão impactar em seu futuro. Você tem
buscado uma vida de santidade para um futuro
com Deus?
O cônjuge deve respeitar a dignidade um do
outro para uma vida saudável, santa e feliz.
APLICAÇÃO PRÁTICA
1. O Código da Santidade (Lv 18.6-30) está dentro
de um ambiente rural e em uma sociedade
antiga, mas guardada as proporções, ainda traz
orientações válidas para a comunidade cristã
atual;
2. Existem delimitações sobre o relacionamento
sexual mesmo dentro do casamento. A
orientação bíblica de santidade é tanto para vida
de solteiro como de casado.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
REFERÊNCIAS
Pr. Natalino das Neves
www.natalinodasneves.blogspot.com.br
natalino6612@gmail.com
Natalino.neves@ig.com.br
(41) 98409 8094 (WhatsApp/TIM)
Contatos:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Divórcio e novo casamento uma visão realista e biblica
Divórcio e novo casamento uma visão realista e biblicaDivórcio e novo casamento uma visão realista e biblica
Divórcio e novo casamento uma visão realista e biblicaASD Remanescentes
 
Resumo_Reavivamento: nossa grande necessidade_132013
Resumo_Reavivamento: nossa grande necessidade_132013Resumo_Reavivamento: nossa grande necessidade_132013
Resumo_Reavivamento: nossa grande necessidade_132013Gerson G. Ramos
 
O Evangelho a Ser Vivido Pelo Cristão
O Evangelho a Ser Vivido Pelo CristãoO Evangelho a Ser Vivido Pelo Cristão
O Evangelho a Ser Vivido Pelo CristãoJUERP
 
O divórcio lição 07 - para escola bíblica dominical
O divórcio   lição 07 - para escola bíblica dominicalO divórcio   lição 07 - para escola bíblica dominical
O divórcio lição 07 - para escola bíblica dominicalyosseph2013
 
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)Pastor Natalino Das Neves
 
Lição 9 - Etica Cristã e Sexualidade
Lição 9 - Etica Cristã e SexualidadeLição 9 - Etica Cristã e Sexualidade
Lição 9 - Etica Cristã e SexualidadeErberson Pinheiro
 
Liç reavivamento: nossa grande necessidade 132013
Liç reavivamento: nossa grande necessidade 132013Liç reavivamento: nossa grande necessidade 132013
Liç reavivamento: nossa grande necessidade 132013Gerson G. Ramos
 
A FamíLia Cristã
A FamíLia CristãA FamíLia Cristã
A FamíLia Cristãrenaapborges
 
A Família Cristã e a Sexualidade
A Família Cristã e a Sexualidade A Família Cristã e a Sexualidade
A Família Cristã e a Sexualidade yosseph2013
 
Divorcio e novo casamento grupo cotia
Divorcio e novo casamento grupo cotiaDivorcio e novo casamento grupo cotia
Divorcio e novo casamento grupo cotiaEduardo Sousa Gomes
 
A família e a sexualidade
A família e a sexualidadeA família e a sexualidade
A família e a sexualidadeMoisés Sampaio
 
Casamento biblico 2013
Casamento biblico 2013Casamento biblico 2013
Casamento biblico 2013Neide Santos
 
A Luta Contra o Pecado
A Luta Contra o PecadoA Luta Contra o Pecado
A Luta Contra o PecadoJUERP
 
2013_2 tri - lição 2 - o casamento bíblico
2013_2 tri - lição 2 - o casamento bíblico2013_2 tri - lição 2 - o casamento bíblico
2013_2 tri - lição 2 - o casamento bíblicoNatalino das Neves Neves
 

Mais procurados (20)

Divórcio e novo casamento uma visão realista e biblica
Divórcio e novo casamento uma visão realista e biblicaDivórcio e novo casamento uma visão realista e biblica
Divórcio e novo casamento uma visão realista e biblica
 
Namoro e casamento
Namoro e casamentoNamoro e casamento
Namoro e casamento
 
Resumo_Reavivamento: nossa grande necessidade_132013
Resumo_Reavivamento: nossa grande necessidade_132013Resumo_Reavivamento: nossa grande necessidade_132013
Resumo_Reavivamento: nossa grande necessidade_132013
 
O Evangelho a Ser Vivido Pelo Cristão
O Evangelho a Ser Vivido Pelo CristãoO Evangelho a Ser Vivido Pelo Cristão
O Evangelho a Ser Vivido Pelo Cristão
 
O divórcio lição 07 - para escola bíblica dominical
O divórcio   lição 07 - para escola bíblica dominicalO divórcio   lição 07 - para escola bíblica dominical
O divórcio lição 07 - para escola bíblica dominical
 
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
 
A familia e a sexualidade
A familia e a sexualidadeA familia e a sexualidade
A familia e a sexualidade
 
O casamento bíblico
O casamento bíblicoO casamento bíblico
O casamento bíblico
 
Lição 9 - Etica Cristã e Sexualidade
Lição 9 - Etica Cristã e SexualidadeLição 9 - Etica Cristã e Sexualidade
Lição 9 - Etica Cristã e Sexualidade
 
Liç reavivamento: nossa grande necessidade 132013
Liç reavivamento: nossa grande necessidade 132013Liç reavivamento: nossa grande necessidade 132013
Liç reavivamento: nossa grande necessidade 132013
 
A FamíLia Cristã
A FamíLia CristãA FamíLia Cristã
A FamíLia Cristã
 
A Família Cristã e a Sexualidade
A Família Cristã e a Sexualidade A Família Cristã e a Sexualidade
A Família Cristã e a Sexualidade
 
Divorcio e novo casamento grupo cotia
Divorcio e novo casamento grupo cotiaDivorcio e novo casamento grupo cotia
Divorcio e novo casamento grupo cotia
 
Romanos 5
Romanos   5Romanos   5
Romanos 5
 
Nao adulterarás b
Nao adulterarás bNao adulterarás b
Nao adulterarás b
 
A família e a sexualidade
A família e a sexualidadeA família e a sexualidade
A família e a sexualidade
 
Casamento biblico 2013
Casamento biblico 2013Casamento biblico 2013
Casamento biblico 2013
 
A Luta Contra o Pecado
A Luta Contra o PecadoA Luta Contra o Pecado
A Luta Contra o Pecado
 
2013_2 tri - lição 2 - o casamento bíblico
2013_2 tri - lição 2 - o casamento bíblico2013_2 tri - lição 2 - o casamento bíblico
2013_2 tri - lição 2 - o casamento bíblico
 
Lição 14 hebreus (Final)
Lição 14   hebreus (Final)Lição 14   hebreus (Final)
Lição 14 hebreus (Final)
 

Semelhante a Código da Santidade e orientações para vida sexual cristã

3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 06
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 063° trimestre 2015 Adolescentes Lição 06
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 06Joel de Oliveira
 
3º trimestre 2015 adolescentes lição 06
3º trimestre 2015 adolescentes lição 063º trimestre 2015 adolescentes lição 06
3º trimestre 2015 adolescentes lição 06Joel Silva
 
07 pureza sexual
07   pureza sexual07   pureza sexual
07 pureza sexualeraldo lima
 
Lição 9 - Seja santo, fuja do pecado
Lição 9 - Seja santo, fuja do pecadoLição 9 - Seja santo, fuja do pecado
Lição 9 - Seja santo, fuja do pecadoÉder Tomé
 
Lição 09 - Não adulterarás
Lição 09 - Não adulterarásLição 09 - Não adulterarás
Lição 09 - Não adulterarásPr. Andre Luiz
 
LBA LIÇÃO 8 - ÉTICA CRISTA E SEXUALIDADE
LBA LIÇÃO 8 - ÉTICA CRISTA E SEXUALIDADELBA LIÇÃO 8 - ÉTICA CRISTA E SEXUALIDADE
LBA LIÇÃO 8 - ÉTICA CRISTA E SEXUALIDADENatalino das Neves Neves
 
LIÇÃO Nº 8 – ÉTICA CRISTÃ E SEXUALIDADE
LIÇÃO Nº 8 – ÉTICA CRISTÃ E SEXUALIDADELIÇÃO Nº 8 – ÉTICA CRISTÃ E SEXUALIDADE
LIÇÃO Nº 8 – ÉTICA CRISTÃ E SEXUALIDADEHamilton Souza
 
Licao-03-A-Sutileza-da-Imoralidade-Sexual (1).pptx
Licao-03-A-Sutileza-da-Imoralidade-Sexual (1).pptxLicao-03-A-Sutileza-da-Imoralidade-Sexual (1).pptx
Licao-03-A-Sutileza-da-Imoralidade-Sexual (1).pptxLaercio Fernandes
 
Sexualidade e reformissão mark driscoll
Sexualidade e reformissão   mark driscollSexualidade e reformissão   mark driscoll
Sexualidade e reformissão mark driscollwww.osEXgays.com
 
Um Chamado à Separação - A. W. Pink
Um Chamado à Separação - A. W. PinkUm Chamado à Separação - A. W. Pink
Um Chamado à Separação - A. W. PinkSilvio Dutra
 
Lição 8 - Relacionamento sexual segundo a perspectiva cristã
Lição 8 - Relacionamento sexual segundo a perspectiva cristãLição 8 - Relacionamento sexual segundo a perspectiva cristã
Lição 8 - Relacionamento sexual segundo a perspectiva cristãÉder Tomé
 
Sexualidadeereformisso markdriscoll-121116120935-phpapp01
Sexualidadeereformisso markdriscoll-121116120935-phpapp01Sexualidadeereformisso markdriscoll-121116120935-phpapp01
Sexualidadeereformisso markdriscoll-121116120935-phpapp01Michel Jonas Gonçalves
 
A família e a sexualidade – lição 09 – para escola dominical
A família e a sexualidade – lição 09 – para escola dominicalA família e a sexualidade – lição 09 – para escola dominical
A família e a sexualidade – lição 09 – para escola dominicalyosseph2013
 

Semelhante a Código da Santidade e orientações para vida sexual cristã (20)

3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 06
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 063° trimestre 2015 Adolescentes Lição 06
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 06
 
3º trimestre 2015 adolescentes lição 06
3º trimestre 2015 adolescentes lição 063º trimestre 2015 adolescentes lição 06
3º trimestre 2015 adolescentes lição 06
 
07 pureza sexual
07   pureza sexual07   pureza sexual
07 pureza sexual
 
07 pureza sexual
07   pureza sexual07   pureza sexual
07 pureza sexual
 
Lição 9 - Seja santo, fuja do pecado
Lição 9 - Seja santo, fuja do pecadoLição 9 - Seja santo, fuja do pecado
Lição 9 - Seja santo, fuja do pecado
 
Lição 09 - Não adulterarás
Lição 09 - Não adulterarásLição 09 - Não adulterarás
Lição 09 - Não adulterarás
 
LIÇÃO 9 - Não adulterarás
LIÇÃO 9 - Não adulterarásLIÇÃO 9 - Não adulterarás
LIÇÃO 9 - Não adulterarás
 
LBA LIÇÃO 8 - ÉTICA CRISTA E SEXUALIDADE
LBA LIÇÃO 8 - ÉTICA CRISTA E SEXUALIDADELBA LIÇÃO 8 - ÉTICA CRISTA E SEXUALIDADE
LBA LIÇÃO 8 - ÉTICA CRISTA E SEXUALIDADE
 
LIÇÃO Nº 8 – ÉTICA CRISTÃ E SEXUALIDADE
LIÇÃO Nº 8 – ÉTICA CRISTÃ E SEXUALIDADELIÇÃO Nº 8 – ÉTICA CRISTÃ E SEXUALIDADE
LIÇÃO Nº 8 – ÉTICA CRISTÃ E SEXUALIDADE
 
Incesto
IncestoIncesto
Incesto
 
03 lider-e-seu-lar
03 lider-e-seu-lar03 lider-e-seu-lar
03 lider-e-seu-lar
 
Lição 9 – Não Adulterarás
Lição 9 – Não AdulterarásLição 9 – Não Adulterarás
Lição 9 – Não Adulterarás
 
Licao-03-A-Sutileza-da-Imoralidade-Sexual (1).pptx
Licao-03-A-Sutileza-da-Imoralidade-Sexual (1).pptxLicao-03-A-Sutileza-da-Imoralidade-Sexual (1).pptx
Licao-03-A-Sutileza-da-Imoralidade-Sexual (1).pptx
 
Sexualidade e reformissão mark driscoll
Sexualidade e reformissão   mark driscollSexualidade e reformissão   mark driscoll
Sexualidade e reformissão mark driscoll
 
Um Chamado à Separação - A. W. Pink
Um Chamado à Separação - A. W. PinkUm Chamado à Separação - A. W. Pink
Um Chamado à Separação - A. W. Pink
 
Vamos falar sobre sexo
Vamos falar sobre sexo   Vamos falar sobre sexo
Vamos falar sobre sexo
 
Lição 8 - Relacionamento sexual segundo a perspectiva cristã
Lição 8 - Relacionamento sexual segundo a perspectiva cristãLição 8 - Relacionamento sexual segundo a perspectiva cristã
Lição 8 - Relacionamento sexual segundo a perspectiva cristã
 
TEOLOGIA PASTORAL 2 (AULA 01 - MÉDIO CETADEB)
TEOLOGIA PASTORAL 2  (AULA 01 - MÉDIO CETADEB)TEOLOGIA PASTORAL 2  (AULA 01 - MÉDIO CETADEB)
TEOLOGIA PASTORAL 2 (AULA 01 - MÉDIO CETADEB)
 
Sexualidadeereformisso markdriscoll-121116120935-phpapp01
Sexualidadeereformisso markdriscoll-121116120935-phpapp01Sexualidadeereformisso markdriscoll-121116120935-phpapp01
Sexualidadeereformisso markdriscoll-121116120935-phpapp01
 
A família e a sexualidade – lição 09 – para escola dominical
A família e a sexualidade – lição 09 – para escola dominicalA família e a sexualidade – lição 09 – para escola dominical
A família e a sexualidade – lição 09 – para escola dominical
 

Mais de Natalino das Neves Neves

LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTOLIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTONatalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOSLIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOSNatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTONatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTONatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTONatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTONatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSNatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSNatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULONatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULONatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINANatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINANatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na IgrejaPROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na IgrejaNatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na IgrejaPRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na IgrejaNatalino das Neves Neves
 
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoPreleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoNatalino das Neves Neves
 
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoProjeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoNatalino das Neves Neves
 

Mais de Natalino das Neves Neves (20)

LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
 
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
 
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
 
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTOLIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
 
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOSLIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na IgrejaPROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
 
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na IgrejaPRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
 
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoPreleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
 
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoProjeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
 
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
 

Último

Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarIedaGoethe
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Mary Alvarenga
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinhaMary Alvarenga
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBAline Santana
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 

Último (20)

Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinha
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 

Código da Santidade e orientações para vida sexual cristã

  • 1.
  • 2.
  • 3. “Porque esta é a vontade de Deus, a vossa santificação: que vos abstenhais da prostituição” (1 Ts 4.3). T E X T O D O D I A
  • 4. Os membros da igreja como participantes do povo de Deus devem ser exemplo em sua conduta sexual, tanto no ambiente externo como na vida conjugal íntima. S Í N T E S E
  • 5. Levítico 18.6-12 6 - Nenhum homem se chegará a qualquer parenta da sua carne para descobrir a sua nudez. Eu sou o SENHOR. 7 - Não descobrirás a nudez de teu pai e de tua mãe; ela é tua mãe; não descobrirás a sua nudez. 8 - Não descobrirás a nudez da mulher de teu pai. 9 - A nudez de tua irmã, filha de teu pai ou filha de tua mãe, nascida em casa ou fora da casa, a sua nudez não descobrirás. 10 - A nudez da filha do teu filho ou da filha da tua filha, a sua nudez não descobrirás, porque é tua nudez. 11 - A nudez da filha da mulher de teu pai, gerada de teu pai (ela é tua irmã), a sua nudez não descobrirás. 12 - A nudez da irmã de teu pai não descobrirás; ela é parenta de teu pai. Leitura bíblica
  • 6. Levítico 18.13-18 6 - Nenhum homem se chegará a qualquer parenta da sua carne para descobrir a sua nudez. Eu sou o SENHOR. 7 - Não descobrirás a nudez de teu pai e de tua mãe; ela é tua mãe; não descobrirás a sua nudez. 8 - Não descobrirás a nudez da mulher de teu pai. 9 - A nudez de tua irmã, filha de teu pai ou filha de tua mãe, nascida em casa ou fora da casa, a sua nudez não descobrirás. 10 - A nudez da filha do teu filho ou da filha da tua filha, a sua nudez não descobrirás, porque é tua nudez. 11 - A nudez da filha da mulher de teu pai, gerada de teu pai (ela é tua irmã), a sua nudez não descobrirás. 12 - A nudez da irmã de teu pai não descobrirás; ela é parenta de teu pai. Leitura bíblica
  • 7. 1 Tessalonicenses 4.3-5 3 - Porque esta é a vontade de Deus, a vossa santificação: que vos abstenhais da prostituição, 4 - que cada um de vós saiba possuir o seu vaso em santificação e honra, 5 - não na paixão de concupiscência, como os gentios, que não conhecem a Deus. Leitura bíblica
  • 8. • Texto do livro de Levitico (AT) conhecido como o Código da Santidade, prescrito para regrar principalmente o comportamento sexual do povo hebreu que vivia organizados em clãs familiares. • Nele são abordadas algumas práticas rudimentares, mas que infelizmente, mesmo que em proporções menores, se repete na sociedade atual. • No segundo tópico será abordada a orientação paulina quanto à necessidade de santidade sexual também no âmbito do casamento. INTRODUÇÃO
  • 9. I – UM MODO DE VIDA SANTIFICADO Pr. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br (41) 98409 8094
  • 10. • Lv 18.6-24 - dentre outros capítulos do livro, é uma das preferidas pela ênfase sobre as práticas sexuais consideradas impuras. • Todavia, não se pode desconsiderar que Levítico precisa ser entendido em seu contexto veterotestamentário, ser aplicado à luz do NT e contextualizado para nossos dias. 1. Uma visão panorâmica de Levítico
  • 11. • O livro de Levítico é dividido em duas partes principais: 1. Lv 1-15 - princípios e procedimentos sacrificiais que dizem respeito à remoção do pecado e à restauração da comunhão das pessoas com Deus; 2. Lv 16-26 - a ética, a moral e a santidade. Para nosso estudo, interessa a segunda parte, que forma uma unidade conhecida como o Código de Santidade, relacionado com passagens paralelas como Êx 21.13,14; Lv 11.43,45 e Nm 15.37-41. 1. Uma visão panorâmica de Levítico
  • 12. • Para esta lição, a ênfase está em Lv 18.6-30, texto destinado a um povo específico e em determinado momento histórico. • O texto trata da aliança de Deus com o povo hebreu, como seu representante para implementar o projeto divino de vida. • Eles deveriam ficar em separado, ou seja, praticar a santidade que se torna a identidade peculiar desse povo. 1. Uma visão panorâmica de Levítico
  • 13. • Para o leitor atual, as proibições das relações sexuais entre parentes consanguíneos e de aliança pode parecer um absurdo, mas ninguém legisla sobre o que não acontece. • Os israelitas tinham o estilo de vida nômade, a convivência envolvia o clã das tribos ( entre três a cinco gerações e dezenas de pessoas consanguíneas convivendo juntas). • Esse estilo de vida precisava de um regramento para se evitar excessos no comportamento, inclusive na área sexual. 2. A proibição do relacionamento sexual entre familiares (v. 6-18)
  • 14. • Lv 18.6-18 lista uma série de proibições dadas ao chefe/cabeça do grupo familiar (responsável por fazer cumprir e aplicar as penalidades). • Para resumir, Lv 18.6-18, aliado a outros como Lv 20.10-21 e Dt 23.1; 27.20,22-23 fornecem uma lista de proibições de relações sexuais: a) por consanguinidade: a mãe, a madrasta, as esposas dos tios paternos, as tias paternas e maternas (geração dos pais); as irmãs ou meias-irmãs (própria geração); e as netas (segunda geração seguinte); b) por aliança: a sogra ou as sogras, as cunhadas, as enteadas e suas filhas. 2. A proibição do relacionamento sexual entre familiares (v. 6-18)
  • 15. • Na antiguidade existia uma relação muito forte entre a prática sexual e os rituais religiosos, em especial nos ritos de fertilidade que envolvia práticas sexuais, visando a bênção sobre as estações, as colheitas e os rebanhos. • O v. 21 (sacrifícios de crianças a Moloque) parece destoar do restante do texto, No entanto, o contexto é o de sacrifício de origem ritual – Discurso do papa na reunião do Vaticano. • Homossexualidade – na antiguidade (Oriente Próximo) a grande maioria dos registros estão relacionados com rituais religiosos. 3. A proibição de relações sexuais de origem ritual (v. 19-24)
  • 16. • Os textos do AT condena a homossexualidade de modo uniforme com pena morte (Lv 20.10). • No NT a homossexualidade também é condenada (Rm 1.27; 1 Co 6.9; 1 Tm 1.10). Assim como a bestialidade (v. 23), cuja condenação também era de pena de morte (Êx 22.19; Lv 20.15-16). • A reprovação bíblica é para a prática, o que não significa a rejeição das pessoas que as praticam, que devem ser tratadas com amor. 3. A proibição de relações sexuais de origem ritual (v. 19-24)
  • 17. Jovem, qual tem sido seu referencial de conduta: as práticas sexuais tidas por normal pela sociedade ou as prescrições bíblicas para a santificação? A Bíblia aborda e condena os desvios sexuais, inclusive no ambiente familiar. APLICAÇÃO PRÁTICA
  • 18. II – CHAMADOS PARA SER SANTOS Pr. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br (41) 98409 8094
  • 19. • O adultério era condenado tanto no AT como também no NT, mas existem diferenças culturais que interferem em seu conceito. • No AT, O adultério era considerado como sendo o ato sexual (coito) entre uma mulher casada ou noiva e um homem que não era seu marido. O ato não era uma ofensa apenas contra o marido, mas também envolvia prejuízo financeiro. 1. Diga não ao adultério (Lv 18.20)
  • 20. • Na cultura da época a mulher era considerada uma espécie de propriedade do marido, pois ela era comprada por um dote pago ao seu pai. • Além de ser a garantia do enriquecimento da propriedade do marido com a expansão da família, considerada mão-de-obra para os trabalhos nas propriedades da família. • A pena para o esse delito era a morte (Lv 20.10; Dt 22.22). 1. Diga não ao adultério (Lv 18.20)
  • 21. • Importância de duas expressões gregas para definir relações sexuais ilícitas quanto à tradução para o português: porneia e moicheia. • Porneia: • trata o tema de maneira mais genérica. Depende unicamente do contexto para se deduzir a tradução correta. • pode ser utilizada para se referir a prática sexual ilícita entre pessoas solteiras, como para pessoa casada com uma solteira (Mt 5.32; 19.9), ou qualquer tipo de imoralidade sexual (1 co 5.11; 6.9; 7.2; G 5.19; Ef 5.3; Cl 3.15). • Dentre as traduções possíveis, o termo porneia também é traduzido por adultério. 2. Diga não à prostituição
  • 22. • Moicheia: • específico para ser traduzido como adultério; • Esse termo é utilizado somente três vezes no Novo Testamento (Mt 15.19; Mc 7.21,22; Jo 8.3) e três vezes na Septuaginta (Jr 13.27; Ez 23.43; Os 2.2). • Resumindo: o substantivo porneia é utilizado de forma genérica para identificar várias práticas de promiscuidade sexual, enquanto o substantivo moicheia é utilizado de forma mais específica para identificar o adultério, que envolve no mínimo uma pessoa casada. 2. Diga não à prostituição
  • 23. • Paulo afirma que a vontade de Deus para seu povo é a santificação. • A pessoa quando aceita Jesus é justificada imediatamente diante de Deus, mas a santificação é um processo contínuo. • Se não fosse assim, não haveria motivo para Paulo exortar os tessalonicenses para atentar à vontade de Deus, que é a santificação. 3. As delimitações sexuais no matrimônio (1 Ts 4.3-5)
  • 24. • Paulo adverte sobre o comportamento no ambiente interno do lar: “possuir o seu vaso em santificação”. Existem duas interpretações possíveis nesta afirmação. Vaso como: a) o corpo do cônjuge, (1 Pe 3.7); b) o próprio corpo (Rm 6.13; 1 Co 9.27). • No primeiro caso, deixa bem claro que o fato de estar casado não dá plena liberdade para se fazer sexo com o cônjuge sem critérios (abusos sexuais dentro do próprio casamento). 3. As delimitações sexuais no matrimônio (1 Ts 4.3-5)
  • 25. • O segundo caso, já foi abordado em outros pontos da revista, é a entrega do corpo que foi separado para Deus para cometer imoralidades sexuais fora do casamento. • O jovem precisa ir para o casamento ciente de que dentro dele também existem delimitações e o respeito e a dignidade devem prevalecer. 3. As delimitações sexuais no matrimônio (1 Ts 4.3-5)
  • 26. Jovem, o seu comportamento e as decisões de hoje irão impactar em seu futuro. Você tem buscado uma vida de santidade para um futuro com Deus? O cônjuge deve respeitar a dignidade um do outro para uma vida saudável, santa e feliz. APLICAÇÃO PRÁTICA
  • 27. 1. O Código da Santidade (Lv 18.6-30) está dentro de um ambiente rural e em uma sociedade antiga, mas guardada as proporções, ainda traz orientações válidas para a comunidade cristã atual; 2. Existem delimitações sobre o relacionamento sexual mesmo dentro do casamento. A orientação bíblica de santidade é tanto para vida de solteiro como de casado. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  • 29. Pr. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br natalino6612@gmail.com Natalino.neves@ig.com.br (41) 98409 8094 (WhatsApp/TIM) Contatos: