O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Planejamento estratégico para igrejas

92.349 visualizações

Publicada em

Palestra proferida para líderes de jovens da Igreja Evangélica Assembleia de Deus de São José dos Pinhais - IEADSJP.

Planejamento estratégico para igrejas

  1. 1. CAFÉ DA MANHÃ COM LÍDERES DE JOVENS - IEADSJP 20 de Julho de 2013 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA IGREJAS Prof. Ms. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br
  2. 2. INTRODUÇÃO • Muitos líderes tem motivação para liderar e boas ideias, todavia, na hora de colocar em prática, surgem os questionamentos: • O que fazer? • Por onde começar? • Onde chegaremos? • Segundo Barna (1992, p.11), “o pastor comum é preparado somente em matérias relacionadas com a religião. [...] A necessidade de aplicação das ferramentas de Marketing pelas igrejas se explica pela concorrência gerada pelo anseio cada vez maior do homem”. • Por isso, é importante ter pessoas que auxiliem no planejamento, alguém para colocar no papel os propósitos, os objetivos, as metas e as estratégias.
  3. 3. A IGREJA E O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO
  4. 4. A IGREJA E O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO • Calendário anual de programas e eventos não é planejamento estratégico. • Por onde começar o planejamento? • Pessoas com visão nem sempre são bons em planejamento e gestão. • A primeira pessoa que você deve comunicar a intenção de elaborar o planejamento para a igreja é Deus. • O exemplo de planejamento deve vir da direção da igreja.
  5. 5. • Muitas igrejas tem direcionado todo seu potencial para a realização de programas e atividades, porém sem planejamento. • Igrejas movidas por programações geralmente têm líderes com ativismo desenfreado e “louco”, sem foco nos propósitos principais da igreja. • Pessoas desorganizadas tem uma tendência a culpar outras pessoas pelos erros e fracassos. A IGREJA E O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO
  6. 6. • Igrejas sem planejamento tem uma tendência a ter: • Crise na liderança; • Escolas bíblicas fracas em conteúdo; • Relacionamento superficial entre seus membros; • Crentes com problemas espirituais e emocionais não tratados; • Entre outros. • Shawchuck et alii (1992, p.68) afirmam que igrejas amigáveis e acolhedoras são voltadas às pessoas e não a programas. A IGREJA E O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO
  7. 7. • Shawchuck et alii (1992, p.211) apresentam 03 princípios para o sucesso de planejamento estratégico nas igrejas: 1. Simplicidade – quanto mais simples mais fácil para os membros participarem (- resistência). 2. Naturalidade – o planejamento deve levar em conta a cultura, experiências anteriores e as habilidades das pessoas – especificidade da igreja. 3. Participação – as pessoas tendem a apoiar aquilo que ajudaram a criar. Portanto, quanto maior participação, melhor. • Entretanto, não basta planejar é preciso ação e acompanhamento dos resultados. A IGREJA E O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO
  8. 8. “Nos dias atuais, a igreja está numa grande disputa pelo tempo das pessoas.” George Barna
  9. 9. MISSÃO, VISÃO E VALORES
  10. 10. MISSÃO • Razão de existir da igreja. • Moriguchi (1993, p.17) afirma que as organizações surgem para atingir algum propósito, ou seja, para aquilo que foram criadas. • Deve refletir a essência do ministério a ser desenvolvido na igreja e pode ser descrita em uma ou duas frases. • Orienta a atuação de todos departamentos da igreja em busca de um objetivo comum.
  11. 11. MISSÃO • Base bíblica a ser considerada na definição da missão: • O grande mandamento (Mt 22:37); • A grande comissão (Mt 28:19-20); • Pregar e ensinar o evangelho, fazer discípulos (Mt 28:19-20, Mc 16:15); • Servir ao próximo (Mt 20:28, Jo 13:15, 17:18); • Glorificar a Deus (Mt 5:16, Rm 15:5-6, I Co 6:19-20, 10:31).
  12. 12. EXEMPLOS DE DEFINIÇÕES DE MISSÃO DE IGREJAS “Ir ao mundo para levar Cristo às pessoas e trazer as pessoas à igreja para ensiná-las a ser discípulos.” “Adorar ao Senhor, fazer discípulos, batizando-os e ensinando-os a guardar todas as coisas que Ele mandou, por meio da palavra, sinais e ações, levando-os a viver uma vida de comunhão uns com os outros e à prática dos valores do reino de Deus em suas vidas, a fim de impactar as pessoas e a sociedade com o poder do evangelho.” “Adorar a Deus, ir ao mundo e fazer discípulos de Jesus, e desenvolver uma igreja baseada na adoração, discipulado, ensino, comunhão e serviço.” “Ir ao mundo, fazer discípulos e ser uma igreja viva na adoração e na comunhão, atuando na sociedade por meio de pessoas restauradas e comprometidas com Deus.” Fonte: www.igrejaintegrada.com.br
  13. 13. VISÃO E VALORES • Os valores devem refletir as crenças da organização, aquilo que ela valoriza. • Definem como os membros da organização deve se proceder. • O grupo de valores é o alicerce para a visão da organização. • Ver exemplo de valores bíblicos (BARNA, 1997, p. 104). • A visão deve vir de Deus. Ela impulsiona o ministério e torna a igreja mais eficiente por causa de sua focalização (BARNA, 1997, p. 146-148).
  14. 14. “Visão é um modo de encarar a vida a longo prazo. Não é algo que você alcança no próximo trimestre, no próximo ano ou, provavelmente, dentro da próxima década.” BARNA, George (1997, p. 171).
  15. 15. VISÃO E VALORES • Segundo Barna (1997, p.149), uma igreja com visão está preparada para enfrentar as transformações em seu contexto. • Visão sem ação não passa de uma intenção. • Enquanto, a ação sem alinhamento com uma visão é puramente ativismo. • Entretanto, Visão com ação pode transformar a realidade e alavancar o futuro. • Todas as ações da igreja devem estar alinhadas à sua missão, sua visão e seus valores.
  16. 16. ANÁLISE DE CENÁRIOS E ESTABELECIMENTO DE DIRETRIZES
  17. 17. FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO • São os elementos essenciais que conduzem a organização a cumprir sua missão. • Deve ser priorizado e ter um gerenciamento contínuo.
  18. 18. MATRIZ SWOT (forças, fraquezas, ameaças e oportunidades) FORÇAS (INTERNO): • São características da IGREJA, tangíveis ou não, que podem ser potencializadas para otimizar seu desempenho. • O que a igreja faz Bem? • O que as outras denominações e organizações vêem na igreja como fortaleza? • Quais são os diferenciais da igreja?
  19. 19. MATRIZ SWOT (forças, fraquezas, ameaças e oportunidades) FRAQUEZAS (INTERNO): • São características da IGREJA, tangíveis ou não, que devem ser minimizadas para evitar influência negativa sobre seu desempenho. • O que a organização pode melhorar? • O que as outras organizações vêem como fraquezas? • Onde os recursos da organização são inferiores as demais? • Quais os riscos e rupturas internos?
  20. 20. MATRIZ SWOT (forças, fraquezas, ameaças e oportunidades) OPORTUNIDADES (EXTERNO): • São situações externas, atuais ou futuras que, se adequadamente aproveitadas pela empresa, podem influenciá-la positivamente (Macro/Micro Ambiente). • Quais são as oportunidades na área de atuação da igreja? • Com quais tendências poderia a igreja se beneficiar? • Como transformar as forças da igreja em oportunidades?
  21. 21. MATRIZ SWOT (forças, fraquezas, ameaças e oportunidades) AMEAÇAS (EXTERNO): • São situações externas, atuais ou futuras que, se não eliminadas, minimizadas ou evitadas pela igreja, podem afeta-la negativamente (Macro/Micro Ambiente). • Quais tendências podem ser danosas à igreja? • O que a concorrência estão fazendo que nos ameaçam? • Quais as fraquezas que expõem a igreja? • Quais os riscos de ruptura externa?
  22. 22. ANÁLISE DE CENÁRIOS • Qual o impacto de cada ponto forte para neutralizar/minimizar ameaças ou potencializar uma oportunidades? • Qual o impacto de cada ponto fraco para agravar/potencializar ameaça ou dificultar o aproveitamento de oportunidade?
  23. 23. GERANCIAMENTO PELAS DIRETRIZES
  24. 24. GERENCIAMENTO PELAS DIRETRIZES - MODELO DIRETRIZES DA DIRETORIA DA IGREJA METAS / ITENS DE CONTROLE MEDIDAS Iniciar com verbo no infinitivo (...ar, ...ir, ...er) Metas (objetivo/valor/prazo) Itens de controle (relevante, mensurável, fácil entendimento, gerenciável) Geram planos de ação
  25. 25. PLANO DE AÇÃO - MODELO O que fazer? Como fazer? Quando fazer? Quem vai fazer? Onde vai ser feito? Quanto custa? Porquê fazer?
  26. 26. ONDE PARA ONDE DISTÂNCIAS TEMPOS COMBUSTÍVEL QUEM NÃO MEDE ESTÁ À DERIVA !
  27. 27. Metas para MELHORAR Metas para MANTER S TIPOS DE META
  28. 28. ÍNDICEDECOLESTEROL ABRIL MAIO JUNHO JULHO AGO SET OUT 280 300 320
  29. 29. M É D I A A T U A L M E T A " B E N C H M A R K " " PROBLEMA " " PROBLEMA " I T E M D E O N T R O L E A B C
  30. 30. PLAN - DEFINA PRECISAMENTE O QUE VOCÊ QUER DO - TOME A INICIATIVA ( PLANO - AÇÃO = NADA ) CHECK - VERIFIQUE OS RESULTADOS QUE ESTÁ OBTENDO ACT - FAÇA CORREÇÕES SE NECESSÁRIO ( ACERTE ) P DC A PDCA – MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS
  31. 31. • Termo de abertura; • Projetos/programas; • Acompanhamento. GERENCIAMENTO DE PROJETOS
  32. 32. EXEMPLO DE OBJETIVOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO MINISTÉRIO DE JOVENS (Fonte: www.igrejaintegrada.com.br – adaptado)
  33. 33. EXEMPLO DE OBJETIVOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO MINISTÉRIO DE JOVENS • O QUE BUSCAR: • Uma estratégia que leve os líderes jovens ao comprometimento e à maior dependência de Deus - um ministério sadio com ideias criativas e inovadoras, com programas e ação alinhados com a missão, visão e os valores da igreja. • Desenvolver um ministério que conduza todos os jovens à plena maturidade espiritual.
  34. 34. • O QUE EVITAR: • Manter os jovens ocupados com muitas atividades com pouco conteúdo bíblico ou sem objetivo planejado; • Simples entretenimento e diversão, mesmo que isso aumente a frequência nas programações; • A simples aparência de ministério saudável. EXEMPLO DE OBJETIVOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO MINISTÉRIO DE JOVENS
  35. 35. • AVALIAR OS RESULTADOS E O SUCESSO DO MINISTÉRIO: • Mensurar o grau de satisfação dos jovens: • Pelo envolvimento dos jovens no ministério de jovens; • Pela participação dos jovens nas programações. • Mensurar conteúdo do discipulado ministrado pela liderança de jovens: • Pelo aumento de jovens evangelizadores e discipuladores; • Pela produção de frutos (conversões); • Pelo crescimento do próprio ministério de jovens. • Mensurar a maturidade espiritual dos jovens: • Pela participação dos jovens em outros ministérios da igreja; • Pela participação dos jovens em grupos específicos; • Pelo aumento do comprometimento dos jovens com a missão, visão e valores da igreja.. EXEMPLO DE OBJETIVOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO MINISTÉRIO DE JOVENS
  36. 36. EXEMPLO DE CRITÉRIOS PARA REALIZAÇÃO DE EVENTOS
  37. 37. EXEMPLO DE CRITÉRIOS PARA REALIZAÇÃO DE EVENTOS • Precedidos por reuniões para planejamento e organização com tempo necessário para as ações. • Acompanhamentos das saídas das reuniões e planos de ações. • Envolvimento de todas pessoas diretamente envolvidas. • Definição de responsabilidades e autoridades para tomadas de decisão. • Plano de divulgação.
  38. 38. EXEMPLO DE CRITÉRIOS PARA REALIZAÇÃO DE EVENTOS • Dicas de como elaborar o plano de trabalho: • Explique os papéis que os membros da equipe vão desempenhar. • Esclareça as responsabilidades dos membros da equipe. • Explique como o trabalho da equipe se relaciona às metas estabelecidas. • Programe os prazos nos quais o trabalho deve ser concluído. • Defina os resultados esperados da equipe e seja claro. • Descreva os recursos que vão estar disponíveis para a equipe. • Esclareça quais tipos de decisões a equipe terá autoridade para tomar. • Defina indicadores de sucesso que a equipe vai utilizar para avaliar seu progresso. • Identifique as principais etapas nas quais a equipe terá de focar durante o trajeto a caminho da meta. • Descreva os principais riscos associados à iniciativa da equipe e formas de lidar com esses riscos.
  39. 39. EXEMPLO DE CRITÉRIOS PARA REALIZAÇÃO DE EVENTOS • O evento: • Contribuirá para o atingimento da missão e visão da igreja? • Está coerente e alinhado com os valores da igreja? • Contribuirá para o atingimento de algum objetivo do planejamento estratégico? • Atenderá as necessidades das pessoas? • Vai glorificar a Deus? Observação: o que a “concorrência” mais quer é jovens correndo de um lado para outro, realizando eventos que não contribuem para a missão da igreja.
  40. 40. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  41. 41. CONSIDERAÇÕES FINAIS • Nesta lição aprendemos que: 1. Muita igrejas confundem o cronograma de eventos com o planejamento estratégico. 2. O planejamento estratégico também é fundamental para as igrejas. 3. A elaboração de um PE, com seu devido acompanhamento, contribui para o cumprimento da missão da igreja. 4. O planejamento das atividades da liderança de jovens auxiliará nos resultados da igreja.
  42. 42. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BARNA, George. “Step-by-Step Guide to Church marketing”: Ground for the Breaking harvest. Regal Books, 1992. BARNA, George. Transformando a visão em ação. Campinas – SP: Editora Cristã Unida, 1997. CAMPANHÃ, Josué. Planejamento Estratégico: como assegurar qualidade no crescimento de sua igreja. Editora Vida, 2000. FALCONI, Vicente. Gerenciamento pelas Diretrizes. Campos – SP: INDG, 2005. Planejamento estratégico e Revitalização de Igrejas. Disponível em: <www.igrejaintegrada.com.br>. Acesso em: 19 jul. 2013. MORIGUCHI, Stella Naomi. Marketing para igrejas. Dissertação de mestrado. Programa de Pós-Graduação da EASP/FGV, Área de concentração: Marketing, 1993. SHAWCHUCK, Norman; KOTLER, Philip; WRENN, Bruce & RATH, Gustave. Marketing for congregations: choosing to serve people more effectively. Nashville, Abington Press, 1992.

×