SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
Baixar para ler offline
“Respondeu Jesus: Nenhum poder terias contra mim,
se de cima te não fosse dado” (Jo 19.11a).
T E X T O D O D I A
O poder que opera no mundo aparentemente está
estabilizado, mas terá que se dobrar diante de quem
tem todo o poder sobre tudo e todos, o Deus Todo
Poderoso.
S Í N T E S E
João 19.1-6
1 - Pilatos, pois, tomou, então, a Jesus e o açoitou.
2 - E os soldados, tecendo uma coroa de espinhos, lha puseram sobre a
cabeça e lhe vestiram uma veste de púrpura.
3 - E diziam: Salve, rei dos judeus! E davam-lhe bofetadas.
4 - Então, Pilatos saiu outra vez fora e disse-lhes: Eis aqui vo-lo trago fora,
para que saibais que não acho nele crime algum.
5 - Saiu, pois, Jesus, levando a coroa de espinhos e a veste de púrpura. E
disse-lhes Pilatos: Eis aqui o homem.
6 - Vendo-o, pois, os principais dos sacerdotes e os servos, gritaram,
dizendo: Crucifica-o! Crucifica-o! Disse-lhes Pilatos: Tomai-o vós e
crucificai-o, porque eu nenhum crime acho nele.
Leitura bíblica
João 19.7-11
7 - Responderam-lhe os judeus: Nós temos uma lei, e, segundo a nossa
lei, deve morrer, porque se fez Filho de Deus.
8 - E Pilatos, quando ouviu essa palavra, mais atemorizado ficou.
9 - E entrou outra vez na audiência e disse a Jesus: De onde és tu? Mas
Jesus não lhe deu resposta.
10 - Disse-lhe, pois, Pilatos: Não me falas a mim? Não sabes tu que tenho
poder para te crucificar e tenho poder para te soltar?
11 - Respondeu Jesus: Nenhum poder terias contra mim, se de cima te
não fosse dado; mas aquele que me entregou a ti maior pecado tem.
Leitura bíblica
• Poder, um bem a ser preservado para a justiça,
um mal necessário e inevitável ou um mal por
natureza a ser eliminado?
• Não há como viver sem se relacionar com o
poder. Mal ou bem, depende da motivação de
quem o detém.
• Nesta lição iremos analisar o texto joanino do
julgamento de Jesus.
• Veremos como Jesus lidou com o poder
dominante de sua época e o que podemos
aprender com o episódio.
INTRODUÇÃO
I – O PODER QUE IMPERA
NO MUNDO
Pr. Natalino das Neves
www.natalinodasneves.blogspot.com.br
(41) 98409 8094
• O modo de dominação imposto pelo império
romano afetou profundamente o modo de vida
dos judeus (legiões e impostos).
• A comercialização romana era bem mais
invasiva do que dos impérios que oprimiram os
judeus antes.
• Os romanos apropriavam não somente dos
excedentes agrícolas dos camponeses, como
também de suas terras pelas dívidas contraídas
devido aos tributos excessivos.
1. O poder do Império Romano
no primeiro século
• Eles tiravam a própria dignidade do
campesinos, uma grave ameaça a própria
existência.
• Toda a situação de injustiça sistêmica e
opressão institucionalizada era “legitimada”
pela firme crença de ser esse império
universal, desejado e protegido pelos deuses.
• Uma dominação sustentada por um exército
considerado invencível e sob o pretexto de uma
paz garantida, a Pax Romana.
1. O poder do Império Romano
no primeiro século
• A terceira e última tentação de Jesus narrada
por Mateus (Mt 4.8-11) tem muito a nos ensinar
a respeito do poder e sua utilização.
• O risco de dar lugar ao impulso de desfrutar das
glórias do mundo, em detrimento da adoração
ao Deus verdadeiro.
• O lugar da tentação é um monte muito alto com
visão de todos os reinos do mundo. A grande
altura e reinos dão a sensação do poder.
• Todos querem o poder, a diferença é que alguns
têm equilíbrio, enquanto outros não se
importam com os meios para conquistá-lo.
2. O poder dos reinos do mundo e
a glória deles na tentação de Jesus (Mt 4.8-11)
• O texto dá a entender que o Adversário do
Reino dos céus domina os reinos do mundo.
“fulano(a) fez um pacto com o Diabo”.
• O poder ocorre quando a liberdade é
centralizada na mão de uma pessoa ou de um
grupo de pessoas.
• Esse é o modelo dos impérios mundiais, que é
a combinação do poder militar, econômico,
político e ideológico.
• O oposto ao projeto solidário de Jesus.
2. O poder dos reinos do mundo e
a glória deles na tentação de Jesus (Mt 4.8-11)
• Pessoas boas e bem intencionadas podem ser
influenciadas ou manipuladas por quem detém o
poder.
• Talvez uma das mais perigosas tentações é
quando se pensa estar fazendo o bem e na
realidade está sendo usado para fazer o mal.
• Muitas pessoas já perderam o alvo de sua
missão dessa forma. Por isso, a importância de
estar sincronizado com a vontade de Deus.
• Infelizmente, muitas pessoas, em nome de Deus,
usa o poder para oprimir.
3. A força manipuladora do poder
• Jesus chegou à glorificação porque passou pela
cruz. Jesus não priorizou o imediato, mas a
eternidade.
• A vida é feita de escolhas, elas devem ser
pautadas pelos princípios da Palavra de Deus:
cruz de Cristo e glória de Deus.
• O poder que opera no mundo continua sendo
opressor e manipulador e o modelo vencedor
de Jesus continua atual para sua igreja.
3. A força manipuladora do poder
Jovem, para obter poder você já humilhou ou
prejudicou alguém?
Enquanto o referencial do Império Romano era a
dominação e exploração, Jesus tinha por base o
caminho da cruz.
APLICAÇÃO PRÁTICA
II – DEUS ESTÁ ACIMA
DE TODOS E QUALQUER
PODER
Pr. Natalino das Neves
www.natalinodasneves.blogspot.com.br
(41) 98409 8094
• Pilatos era um procurador nomeado pelo
imperador Tibério (14 a 37 d. C.), um tipo de
governador da Judéia.
• Conhecido pelos judeus como sanguinário e
autoritário.
• Certa vez, ele tentou introduzir uma imagem do
imperador no templo e se apropriou dos
tesouros ali depositados para construir um
aqueduto na capital.
• A relação entre eles pode ser percebida em Lc
13.1.
1. O poder de Pôncio Pilatos,
a quem Jesus foi entregue para ser julgado
• O sinédrio antes do domínio romano tinha o
poder de infligir sentença de morte, mas na
época de Jesus essa sentença tinha que ser
sancionada pelos romanos.
• Assim, a crucificação de Jesus foi resultado de
um mix de julgamento religioso e civil.
• Em Jo 19.11, Jesus aponta Caifás como
responsável pela sua condenação, mas “poder”
para tomar a decisão sobre a vida e morte de
Jesus estava nas mãos de Pilatos.
1. O poder de Pôncio Pilatos,
a quem Jesus foi entregue para ser julgado
• João utiliza o termo os judeus de forma
diferenciada dos demais evangelistas.
• Opositores de Jesus: autoridades político-
religiosas, que exerciam o poder político por
intermédio do Sinédrio e religioso por meio do
Templo e culto oficial (Jo 1.19; 2.18; 5.10; 5.15;
7.13; 8.22; 8.59; 9.40-41).
• João evidencia que mesmo entre os fariseus
existiam pessoas que havia crido em Jesus, mas
não o seguiam para não serem expulsos da
sinagoga (Jo 2.23; 8.31; 12.10-11; 12.42).
2. O poder político-religioso opositor a Jesus
• Entre as principais causas da oposição desse
grupo à Jesus estavam: sua messianidade, sua
origem, suas pretensões de reino, sua posição
em relação ao sábado e a divindade (Jo 8.52;
10.30,31).
• A influência e popularidade de Jesus com o
povo levou-os a planejar a morte de Jesus.
2. O poder político-religioso opositor a Jesus
• João desenvolve o evangelho de Jesus
destacando o contraste entre a realeza de
Jesus e o modus operandi do poder imperial.
• Os representantes do poder imperial vão sendo
gradativamente desmascarados.
• No julgamento de Jesus (Jo 19.1-15), Pilatos até
aparenta estar impressionado com a postura de
Jesus, mas demonstra sua leviandade.
• Primeiro ele manda açoitar e humilhar Jesus
(vv. 1-3), sendo que tinha a intenção de soltá-lo
(v. 4) e até o reconhece como rei (vv. 14,15).
3. O contraste entre a realeza de Jesus
e o poder imperial
• Além disso, fica entrando e saindo do pretório
para conversar com os judeus e Jesus.
• Os judeus, em busca da morte de Jesus, traem a
própria tradição e aliança com Deus: afirmam
que o único rei deles é César (v. 15).
• Eles não entram no pretório para se manterem
“puros” e participar da páscoa, mas não se
preocupam em induzir à morte um justo.
• Jesus e a multidão assistem a desmoralização
desse poder arrogante e degradante.
3. O contraste entre a realeza de Jesus
e o poder imperial
• No 1º século o Império Romano empunhava
sobre os liderados a chamada teologia
“augustana”, centrada na divindade do
Imperador.
• Os títulos atribuídos a César Augusto: Divino,
Filho de Deus, Deus, Deus de Deus, Senhor,
Redentor, Libertador, Salvador do Mundo.
• Pilatos, quando ele se depara com a
informação dos judeus de que Jesus teria se
afirmado filho de Deus, o evangelista assevera
que ele “mais atemorizado ficou” (v. 8).
4. Pilatos fica inseguro diante da afirmação
da divindade de Jesus
• A ansiedade o faz voltar novamente para dentro
do pretório para dialogar com Jesus. Ele quer
saber a origem de Jesus (v. 9), mas dessa vez
Jesus se “impõe” por meio do silêncio.
• Pilatos, o “poderoso”, se apequena diante de
Jesus, aparentemente indefeso.
• Pilatos tenta fazer uso de seu “poder e a
autoridade”, mas Jesus afirma que acima do
“todo poderoso Império Romano” há um poder
maior, que é o Deus que tem o poder sobre tudo
e todos.
4. Pilatos fica inseguro diante da afirmação
da divindade de Jesus
Jovem, que exemplo pode ser extraído do jogo
de poder presente na cena do julgamento de
Jesus por Pilatos e os líderes judaicos?
Pilatos e os líderes judeus pensavam estar no
controle de tudo no julgamento de Jesus. Jesus
demonstra que ele é o verdadeiro juiz que
conduziu tudo segundo a vontade de Deus.
APLICAÇÃO PRÁTICA
1. O poder exercido pelo Império Romano de
opressão e desumanização do ser humano
continua sendo o modelo genérico que opera
no mundo;
2. Todo poder emana de Deus, ele está acima
de tudo e todos. Confiar nesse poder foi
motivo da vitória de Jesus sobre os
representantes do poder de sua época e
continua sendo o caminho da vitória para o
cristão.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
REFERÊNCIAS
Pr. Natalino das Neves
www.natalinodasneves.blogspot.com.br
natalino6612@gmail.com
Natalino.neves@ig.com.br
(41) 98409 8094 (WhatsApp/TIM)
Contatos:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Juízes - parte I
Juízes - parte IJuízes - parte I
Juízes - parte IClube_Santo
 
Respingos Históricos 02_Primicias do Reino_15out21
Respingos Históricos 02_Primicias do Reino_15out21Respingos Históricos 02_Primicias do Reino_15out21
Respingos Históricos 02_Primicias do Reino_15out21C.E. Allan Kardec - STI/PR
 
AS DOZE TRIBOS DE ISRAEL
AS DOZE TRIBOS DE ISRAELAS DOZE TRIBOS DE ISRAEL
AS DOZE TRIBOS DE ISRAELAntonio Marcos
 
Um tipo do futuro Anticristo
Um tipo do futuro AnticristoUm tipo do futuro Anticristo
Um tipo do futuro AnticristoAilton da Silva
 
AMÓS-JUSTIÇA SOCIAL COMO PARTE DA ADORAÇÃO
AMÓS-JUSTIÇA SOCIAL COMO PARTE DA ADORAÇÃOAMÓS-JUSTIÇA SOCIAL COMO PARTE DA ADORAÇÃO
AMÓS-JUSTIÇA SOCIAL COMO PARTE DA ADORAÇÃOJefferson Rodrigues
 
O livro de juízes
O livro de juízesO livro de juízes
O livro de juízesmbrandao7
 
Aula 13 - Juízes
Aula 13 - JuízesAula 13 - Juízes
Aula 13 - Juízesibrdoamor
 
O Livro dos Juizes
O Livro dos JuizesO Livro dos Juizes
O Livro dos JuizesÉlida Rolim
 
Profetas menores parte 1 natalino das neves
Profetas menores parte 1 natalino das nevesProfetas menores parte 1 natalino das neves
Profetas menores parte 1 natalino das nevesNatalino das Neves Neves
 
Livro de Daniel - Cap. 08
Livro de Daniel - Cap. 08Livro de Daniel - Cap. 08
Livro de Daniel - Cap. 08Daniel M Junior
 
Lição 08- Primeiras Profecias Messiânicas
Lição 08- Primeiras Profecias MessiânicasLição 08- Primeiras Profecias Messiânicas
Lição 08- Primeiras Profecias MessiânicasMaxsuel Aquino
 
Aula o mundo na época de Jesus
Aula o mundo na época de JesusAula o mundo na época de Jesus
Aula o mundo na época de Jesustyromello
 
A estratégia de satanás
A estratégia de  satanásA estratégia de  satanás
A estratégia de satanásDaladier Lima
 
Comentário: 14° Domingo Tempo Comum - Ano A
Comentário: 14° Domingo Tempo Comum - Ano AComentário: 14° Domingo Tempo Comum - Ano A
Comentário: 14° Domingo Tempo Comum - Ano AJosé Lima
 

Mais procurados (18)

Juízes - parte I
Juízes - parte IJuízes - parte I
Juízes - parte I
 
Respingos Históricos 02_Primicias do Reino_15out21
Respingos Históricos 02_Primicias do Reino_15out21Respingos Históricos 02_Primicias do Reino_15out21
Respingos Históricos 02_Primicias do Reino_15out21
 
Estudo do livro de juízes
Estudo do livro de juízesEstudo do livro de juízes
Estudo do livro de juízes
 
AS DOZE TRIBOS DE ISRAEL
AS DOZE TRIBOS DE ISRAELAS DOZE TRIBOS DE ISRAEL
AS DOZE TRIBOS DE ISRAEL
 
Um tipo do futuro Anticristo
Um tipo do futuro AnticristoUm tipo do futuro Anticristo
Um tipo do futuro Anticristo
 
AMÓS-JUSTIÇA SOCIAL COMO PARTE DA ADORAÇÃO
AMÓS-JUSTIÇA SOCIAL COMO PARTE DA ADORAÇÃOAMÓS-JUSTIÇA SOCIAL COMO PARTE DA ADORAÇÃO
AMÓS-JUSTIÇA SOCIAL COMO PARTE DA ADORAÇÃO
 
O livro de juízes
O livro de juízesO livro de juízes
O livro de juízes
 
Aula 13 - Juízes
Aula 13 - JuízesAula 13 - Juízes
Aula 13 - Juízes
 
11. o livro dos juízes
11. o livro dos juízes11. o livro dos juízes
11. o livro dos juízes
 
O Livro dos Juizes
O Livro dos JuizesO Livro dos Juizes
O Livro dos Juizes
 
Profetas menores parte 1 natalino das neves
Profetas menores parte 1 natalino das nevesProfetas menores parte 1 natalino das neves
Profetas menores parte 1 natalino das neves
 
Livro de Daniel - Cap. 08
Livro de Daniel - Cap. 08Livro de Daniel - Cap. 08
Livro de Daniel - Cap. 08
 
Lição 08- Primeiras Profecias Messiânicas
Lição 08- Primeiras Profecias MessiânicasLição 08- Primeiras Profecias Messiânicas
Lição 08- Primeiras Profecias Messiânicas
 
Catequese bíblica (x) 1 e 2 macabeus
Catequese bíblica (x) 1 e 2 macabeusCatequese bíblica (x) 1 e 2 macabeus
Catequese bíblica (x) 1 e 2 macabeus
 
Aula o mundo na época de Jesus
Aula o mundo na época de JesusAula o mundo na época de Jesus
Aula o mundo na época de Jesus
 
A estratégia de satanás
A estratégia de  satanásA estratégia de  satanás
A estratégia de satanás
 
Cristianismo flavio josefo
Cristianismo   flavio josefoCristianismo   flavio josefo
Cristianismo flavio josefo
 
Comentário: 14° Domingo Tempo Comum - Ano A
Comentário: 14° Domingo Tempo Comum - Ano AComentário: 14° Domingo Tempo Comum - Ano A
Comentário: 14° Domingo Tempo Comum - Ano A
 

Semelhante a O Poder e os Reinos Deste Mundo_2019 LBJ 2 TRI Lição 10

Lição 10 - O poder e os reinos deste mundo
Lição 10 - O poder e os reinos deste mundoLição 10 - O poder e os reinos deste mundo
Lição 10 - O poder e os reinos deste mundoÉder Tomé
 
Comentário: 34° Domingo do Tempo Comum - Ano B
Comentário: 34° Domingo do Tempo Comum - Ano BComentário: 34° Domingo do Tempo Comum - Ano B
Comentário: 34° Domingo do Tempo Comum - Ano BJosé Lima
 
O poder de Jesus sobre a natureza e os demnios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demniosO poder de Jesus sobre a natureza e os demnios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demniosJosé Nilson Virgino
 
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demôniosO poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demôniosMoisés Sampaio
 
Comentário: 1° Domingo da Quaresma - Ano A
Comentário: 1° Domingo da Quaresma - Ano AComentário: 1° Domingo da Quaresma - Ano A
Comentário: 1° Domingo da Quaresma - Ano AJosé Lima
 
Lbj lição 11 a igreja e a política
Lbj lição 11    a igreja e a políticaLbj lição 11    a igreja e a política
Lbj lição 11 a igreja e a políticaboasnovassena
 
Livro de Daniel.
Livro de Daniel. Livro de Daniel.
Livro de Daniel. Karla Maria
 
Livro de Daniel.
Livro de Daniel. Livro de Daniel.
Livro de Daniel. Karla Maria
 
2016 3 TRI LIÇÃO 4 - O JUÍZO DE JUDÁ E DE JERUSALÉM
2016 3 TRI LIÇÃO 4 -  O JUÍZO DE JUDÁ E DE JERUSALÉM2016 3 TRI LIÇÃO 4 -  O JUÍZO DE JUDÁ E DE JERUSALÉM
2016 3 TRI LIÇÃO 4 - O JUÍZO DE JUDÁ E DE JERUSALÉMNatalino das Neves Neves
 
5 perseguições e defesa da fé-5ª aula
5  perseguições e defesa da fé-5ª aula5  perseguições e defesa da fé-5ª aula
5 perseguições e defesa da fé-5ª aulaPIB Penha
 
Cap 130828101716-phpapp02
Cap 130828101716-phpapp02Cap 130828101716-phpapp02
Cap 130828101716-phpapp02Karla Maria
 
Teorias da Conspiração (Desvendando alguns segredos)
Teorias da Conspiração (Desvendando alguns segredos)Teorias da Conspiração (Desvendando alguns segredos)
Teorias da Conspiração (Desvendando alguns segredos)Arlei AJ
 
Tessalônica n dias de Paulo_Resumo_Liç_332012
Tessalônica n dias de Paulo_Resumo_Liç_332012Tessalônica n dias de Paulo_Resumo_Liç_332012
Tessalônica n dias de Paulo_Resumo_Liç_332012Gerson G. Ramos
 
Meu Reino não é deste mundo (Palestra Espírita)
Meu Reino não é deste mundo (Palestra Espírita)Meu Reino não é deste mundo (Palestra Espírita)
Meu Reino não é deste mundo (Palestra Espírita)Marcos Antônio Alves
 
O Cristão e as Autoridades Cívis
O Cristão e as Autoridades CívisO Cristão e as Autoridades Cívis
O Cristão e as Autoridades CívisHelder Mequima
 
Comentário: 29° Domingo do Tempo Comum - Ano A
Comentário: 29° Domingo do Tempo Comum - Ano AComentário: 29° Domingo do Tempo Comum - Ano A
Comentário: 29° Domingo do Tempo Comum - Ano AJosé Lima
 
Unidade 14 - O Grande e Terrível Dia do Senhor
Unidade 14 - O Grande e Terrível Dia do SenhorUnidade 14 - O Grande e Terrível Dia do Senhor
Unidade 14 - O Grande e Terrível Dia do SenhorRamón Zazatt
 
Comentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano C
Comentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano CComentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano C
Comentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano CJosé Lima
 

Semelhante a O Poder e os Reinos Deste Mundo_2019 LBJ 2 TRI Lição 10 (20)

Lição 10 - O poder e os reinos deste mundo
Lição 10 - O poder e os reinos deste mundoLição 10 - O poder e os reinos deste mundo
Lição 10 - O poder e os reinos deste mundo
 
Comentário: 34° Domingo do Tempo Comum - Ano B
Comentário: 34° Domingo do Tempo Comum - Ano BComentário: 34° Domingo do Tempo Comum - Ano B
Comentário: 34° Domingo do Tempo Comum - Ano B
 
O poder de Jesus sobre a natureza e os demnios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demniosO poder de Jesus sobre a natureza e os demnios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demnios
 
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demôniosO poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
 
Comentário: 1° Domingo da Quaresma - Ano A
Comentário: 1° Domingo da Quaresma - Ano AComentário: 1° Domingo da Quaresma - Ano A
Comentário: 1° Domingo da Quaresma - Ano A
 
Lbj lição 11 a igreja e a política
Lbj lição 11    a igreja e a políticaLbj lição 11    a igreja e a política
Lbj lição 11 a igreja e a política
 
Livro de Daniel.
Livro de Daniel. Livro de Daniel.
Livro de Daniel.
 
Livro de Daniel.
Livro de Daniel. Livro de Daniel.
Livro de Daniel.
 
2016 3 TRI LIÇÃO 4 - O JUÍZO DE JUDÁ E DE JERUSALÉM
2016 3 TRI LIÇÃO 4 -  O JUÍZO DE JUDÁ E DE JERUSALÉM2016 3 TRI LIÇÃO 4 -  O JUÍZO DE JUDÁ E DE JERUSALÉM
2016 3 TRI LIÇÃO 4 - O JUÍZO DE JUDÁ E DE JERUSALÉM
 
5 perseguições e defesa da fé-5ª aula
5  perseguições e defesa da fé-5ª aula5  perseguições e defesa da fé-5ª aula
5 perseguições e defesa da fé-5ª aula
 
Cap 130828101716-phpapp02
Cap 130828101716-phpapp02Cap 130828101716-phpapp02
Cap 130828101716-phpapp02
 
Teorias da Conspiração (Desvendando alguns segredos)
Teorias da Conspiração (Desvendando alguns segredos)Teorias da Conspiração (Desvendando alguns segredos)
Teorias da Conspiração (Desvendando alguns segredos)
 
Tessalônica n dias de Paulo_Resumo_Liç_332012
Tessalônica n dias de Paulo_Resumo_Liç_332012Tessalônica n dias de Paulo_Resumo_Liç_332012
Tessalônica n dias de Paulo_Resumo_Liç_332012
 
Meu Reino não é deste mundo (Palestra Espírita)
Meu Reino não é deste mundo (Palestra Espírita)Meu Reino não é deste mundo (Palestra Espírita)
Meu Reino não é deste mundo (Palestra Espírita)
 
O Cristão e as Autoridades Cívis
O Cristão e as Autoridades CívisO Cristão e as Autoridades Cívis
O Cristão e as Autoridades Cívis
 
Eis o homem t.g.bunch
Eis o homem t.g.bunchEis o homem t.g.bunch
Eis o homem t.g.bunch
 
Comentário: 29° Domingo do Tempo Comum - Ano A
Comentário: 29° Domingo do Tempo Comum - Ano AComentário: 29° Domingo do Tempo Comum - Ano A
Comentário: 29° Domingo do Tempo Comum - Ano A
 
Unidade 14 - O Grande e Terrível Dia do Senhor
Unidade 14 - O Grande e Terrível Dia do SenhorUnidade 14 - O Grande e Terrível Dia do Senhor
Unidade 14 - O Grande e Terrível Dia do Senhor
 
Comentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano C
Comentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano CComentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano C
Comentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano C
 
Uma profecia esquecida
Uma profecia esquecida Uma profecia esquecida
Uma profecia esquecida
 

Mais de Natalino das Neves Neves

LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTOLIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTONatalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOSLIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOSNatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTONatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTONatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTONatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTONatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSNatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSNatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULONatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULONatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINANatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINANatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na IgrejaPROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na IgrejaNatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na IgrejaPRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na IgrejaNatalino das Neves Neves
 
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoPreleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoNatalino das Neves Neves
 
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoProjeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoNatalino das Neves Neves
 

Mais de Natalino das Neves Neves (20)

LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
 
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
 
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
 
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTOLIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
 
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOSLIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na IgrejaPROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
 
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na IgrejaPRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
 
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoPreleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
 
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoProjeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
 
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
 

Último

A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...DominiqueFaria2
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceRonisHolanda
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 

Último (20)

A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 

O Poder e os Reinos Deste Mundo_2019 LBJ 2 TRI Lição 10

  • 1.
  • 2.
  • 3. “Respondeu Jesus: Nenhum poder terias contra mim, se de cima te não fosse dado” (Jo 19.11a). T E X T O D O D I A
  • 4. O poder que opera no mundo aparentemente está estabilizado, mas terá que se dobrar diante de quem tem todo o poder sobre tudo e todos, o Deus Todo Poderoso. S Í N T E S E
  • 5. João 19.1-6 1 - Pilatos, pois, tomou, então, a Jesus e o açoitou. 2 - E os soldados, tecendo uma coroa de espinhos, lha puseram sobre a cabeça e lhe vestiram uma veste de púrpura. 3 - E diziam: Salve, rei dos judeus! E davam-lhe bofetadas. 4 - Então, Pilatos saiu outra vez fora e disse-lhes: Eis aqui vo-lo trago fora, para que saibais que não acho nele crime algum. 5 - Saiu, pois, Jesus, levando a coroa de espinhos e a veste de púrpura. E disse-lhes Pilatos: Eis aqui o homem. 6 - Vendo-o, pois, os principais dos sacerdotes e os servos, gritaram, dizendo: Crucifica-o! Crucifica-o! Disse-lhes Pilatos: Tomai-o vós e crucificai-o, porque eu nenhum crime acho nele. Leitura bíblica
  • 6. João 19.7-11 7 - Responderam-lhe os judeus: Nós temos uma lei, e, segundo a nossa lei, deve morrer, porque se fez Filho de Deus. 8 - E Pilatos, quando ouviu essa palavra, mais atemorizado ficou. 9 - E entrou outra vez na audiência e disse a Jesus: De onde és tu? Mas Jesus não lhe deu resposta. 10 - Disse-lhe, pois, Pilatos: Não me falas a mim? Não sabes tu que tenho poder para te crucificar e tenho poder para te soltar? 11 - Respondeu Jesus: Nenhum poder terias contra mim, se de cima te não fosse dado; mas aquele que me entregou a ti maior pecado tem. Leitura bíblica
  • 7. • Poder, um bem a ser preservado para a justiça, um mal necessário e inevitável ou um mal por natureza a ser eliminado? • Não há como viver sem se relacionar com o poder. Mal ou bem, depende da motivação de quem o detém. • Nesta lição iremos analisar o texto joanino do julgamento de Jesus. • Veremos como Jesus lidou com o poder dominante de sua época e o que podemos aprender com o episódio. INTRODUÇÃO
  • 8. I – O PODER QUE IMPERA NO MUNDO Pr. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br (41) 98409 8094
  • 9. • O modo de dominação imposto pelo império romano afetou profundamente o modo de vida dos judeus (legiões e impostos). • A comercialização romana era bem mais invasiva do que dos impérios que oprimiram os judeus antes. • Os romanos apropriavam não somente dos excedentes agrícolas dos camponeses, como também de suas terras pelas dívidas contraídas devido aos tributos excessivos. 1. O poder do Império Romano no primeiro século
  • 10. • Eles tiravam a própria dignidade do campesinos, uma grave ameaça a própria existência. • Toda a situação de injustiça sistêmica e opressão institucionalizada era “legitimada” pela firme crença de ser esse império universal, desejado e protegido pelos deuses. • Uma dominação sustentada por um exército considerado invencível e sob o pretexto de uma paz garantida, a Pax Romana. 1. O poder do Império Romano no primeiro século
  • 11. • A terceira e última tentação de Jesus narrada por Mateus (Mt 4.8-11) tem muito a nos ensinar a respeito do poder e sua utilização. • O risco de dar lugar ao impulso de desfrutar das glórias do mundo, em detrimento da adoração ao Deus verdadeiro. • O lugar da tentação é um monte muito alto com visão de todos os reinos do mundo. A grande altura e reinos dão a sensação do poder. • Todos querem o poder, a diferença é que alguns têm equilíbrio, enquanto outros não se importam com os meios para conquistá-lo. 2. O poder dos reinos do mundo e a glória deles na tentação de Jesus (Mt 4.8-11)
  • 12. • O texto dá a entender que o Adversário do Reino dos céus domina os reinos do mundo. “fulano(a) fez um pacto com o Diabo”. • O poder ocorre quando a liberdade é centralizada na mão de uma pessoa ou de um grupo de pessoas. • Esse é o modelo dos impérios mundiais, que é a combinação do poder militar, econômico, político e ideológico. • O oposto ao projeto solidário de Jesus. 2. O poder dos reinos do mundo e a glória deles na tentação de Jesus (Mt 4.8-11)
  • 13. • Pessoas boas e bem intencionadas podem ser influenciadas ou manipuladas por quem detém o poder. • Talvez uma das mais perigosas tentações é quando se pensa estar fazendo o bem e na realidade está sendo usado para fazer o mal. • Muitas pessoas já perderam o alvo de sua missão dessa forma. Por isso, a importância de estar sincronizado com a vontade de Deus. • Infelizmente, muitas pessoas, em nome de Deus, usa o poder para oprimir. 3. A força manipuladora do poder
  • 14. • Jesus chegou à glorificação porque passou pela cruz. Jesus não priorizou o imediato, mas a eternidade. • A vida é feita de escolhas, elas devem ser pautadas pelos princípios da Palavra de Deus: cruz de Cristo e glória de Deus. • O poder que opera no mundo continua sendo opressor e manipulador e o modelo vencedor de Jesus continua atual para sua igreja. 3. A força manipuladora do poder
  • 15. Jovem, para obter poder você já humilhou ou prejudicou alguém? Enquanto o referencial do Império Romano era a dominação e exploração, Jesus tinha por base o caminho da cruz. APLICAÇÃO PRÁTICA
  • 16. II – DEUS ESTÁ ACIMA DE TODOS E QUALQUER PODER Pr. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br (41) 98409 8094
  • 17. • Pilatos era um procurador nomeado pelo imperador Tibério (14 a 37 d. C.), um tipo de governador da Judéia. • Conhecido pelos judeus como sanguinário e autoritário. • Certa vez, ele tentou introduzir uma imagem do imperador no templo e se apropriou dos tesouros ali depositados para construir um aqueduto na capital. • A relação entre eles pode ser percebida em Lc 13.1. 1. O poder de Pôncio Pilatos, a quem Jesus foi entregue para ser julgado
  • 18. • O sinédrio antes do domínio romano tinha o poder de infligir sentença de morte, mas na época de Jesus essa sentença tinha que ser sancionada pelos romanos. • Assim, a crucificação de Jesus foi resultado de um mix de julgamento religioso e civil. • Em Jo 19.11, Jesus aponta Caifás como responsável pela sua condenação, mas “poder” para tomar a decisão sobre a vida e morte de Jesus estava nas mãos de Pilatos. 1. O poder de Pôncio Pilatos, a quem Jesus foi entregue para ser julgado
  • 19. • João utiliza o termo os judeus de forma diferenciada dos demais evangelistas. • Opositores de Jesus: autoridades político- religiosas, que exerciam o poder político por intermédio do Sinédrio e religioso por meio do Templo e culto oficial (Jo 1.19; 2.18; 5.10; 5.15; 7.13; 8.22; 8.59; 9.40-41). • João evidencia que mesmo entre os fariseus existiam pessoas que havia crido em Jesus, mas não o seguiam para não serem expulsos da sinagoga (Jo 2.23; 8.31; 12.10-11; 12.42). 2. O poder político-religioso opositor a Jesus
  • 20. • Entre as principais causas da oposição desse grupo à Jesus estavam: sua messianidade, sua origem, suas pretensões de reino, sua posição em relação ao sábado e a divindade (Jo 8.52; 10.30,31). • A influência e popularidade de Jesus com o povo levou-os a planejar a morte de Jesus. 2. O poder político-religioso opositor a Jesus
  • 21. • João desenvolve o evangelho de Jesus destacando o contraste entre a realeza de Jesus e o modus operandi do poder imperial. • Os representantes do poder imperial vão sendo gradativamente desmascarados. • No julgamento de Jesus (Jo 19.1-15), Pilatos até aparenta estar impressionado com a postura de Jesus, mas demonstra sua leviandade. • Primeiro ele manda açoitar e humilhar Jesus (vv. 1-3), sendo que tinha a intenção de soltá-lo (v. 4) e até o reconhece como rei (vv. 14,15). 3. O contraste entre a realeza de Jesus e o poder imperial
  • 22. • Além disso, fica entrando e saindo do pretório para conversar com os judeus e Jesus. • Os judeus, em busca da morte de Jesus, traem a própria tradição e aliança com Deus: afirmam que o único rei deles é César (v. 15). • Eles não entram no pretório para se manterem “puros” e participar da páscoa, mas não se preocupam em induzir à morte um justo. • Jesus e a multidão assistem a desmoralização desse poder arrogante e degradante. 3. O contraste entre a realeza de Jesus e o poder imperial
  • 23. • No 1º século o Império Romano empunhava sobre os liderados a chamada teologia “augustana”, centrada na divindade do Imperador. • Os títulos atribuídos a César Augusto: Divino, Filho de Deus, Deus, Deus de Deus, Senhor, Redentor, Libertador, Salvador do Mundo. • Pilatos, quando ele se depara com a informação dos judeus de que Jesus teria se afirmado filho de Deus, o evangelista assevera que ele “mais atemorizado ficou” (v. 8). 4. Pilatos fica inseguro diante da afirmação da divindade de Jesus
  • 24. • A ansiedade o faz voltar novamente para dentro do pretório para dialogar com Jesus. Ele quer saber a origem de Jesus (v. 9), mas dessa vez Jesus se “impõe” por meio do silêncio. • Pilatos, o “poderoso”, se apequena diante de Jesus, aparentemente indefeso. • Pilatos tenta fazer uso de seu “poder e a autoridade”, mas Jesus afirma que acima do “todo poderoso Império Romano” há um poder maior, que é o Deus que tem o poder sobre tudo e todos. 4. Pilatos fica inseguro diante da afirmação da divindade de Jesus
  • 25. Jovem, que exemplo pode ser extraído do jogo de poder presente na cena do julgamento de Jesus por Pilatos e os líderes judaicos? Pilatos e os líderes judeus pensavam estar no controle de tudo no julgamento de Jesus. Jesus demonstra que ele é o verdadeiro juiz que conduziu tudo segundo a vontade de Deus. APLICAÇÃO PRÁTICA
  • 26. 1. O poder exercido pelo Império Romano de opressão e desumanização do ser humano continua sendo o modelo genérico que opera no mundo; 2. Todo poder emana de Deus, ele está acima de tudo e todos. Confiar nesse poder foi motivo da vitória de Jesus sobre os representantes do poder de sua época e continua sendo o caminho da vitória para o cristão. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  • 28. Pr. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br natalino6612@gmail.com Natalino.neves@ig.com.br (41) 98409 8094 (WhatsApp/TIM) Contatos: