SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 34
Baixar para ler offline
IBADEP
Instituto Bíblico da Assembleia de Deus no
Estado do Paraná
MISSÕES: a grande comissão
da Igreja
Lição 1 - Missiologia
Prof. Ms. Natalino das Neves
www.natalinodasneves.blogspot.com.br
INTRODUÇÃO
• Necessidade de entender alguns conceitos
fundamentais.
• Conhecer questões principais e a história da
missiologia.
• A natureza da tarefa missionária é em parte
imutável, em parte mutável. Será apresentado 04
aspectos imutáveis de sua natureza.
I. ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES
MISSIOLOGIA:
Comunicação
transcultural
TEOLOGIA
ANTROPOLOGIAHISTÓRIA
TEORIA DAS
COMUNICAÇÕES
PSICOLOGIA
SOCIOLOGIA
I. ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES
Qual é a força
motriz da
interação entre as
disciplinas
MOTIVAÇÃO DO EVANGELHO
ETNO (CULTURA/RAÇA) +
teologia, história, psicologia,...
I. ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES
• Cultura
• A cultura é o conjunto de comportamento, de valores e
das crenças culturais de uma sociedade.
• Os importantes elementos de uma cultura são os
valores, conhecimento, a crença, arte, moral,
alimentação, língua, leis, costumes e quaisquer hábitos
e habilidades adquiridos pelo homem dentro da
sociedade.
I. ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES
• Etnologia:
• É o estudo comparativo das sociedades humanas em
suas diferentes culturas.
• A ideia da etnoteologia surgiu de estudos que
mostravam a religião como um importante e forte
componente cultural.
• Seu objetivo é o estudo diferencial das culturas dos
diversos grupos étnicos, revelando as variedades
consideráveis dos comportamentos e dos sistemas de
valores.
I. ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES
• Teologia transcultural:
• Como expressar as boas novas do evangelho, de forma
que o povo que as recebe tenha uma total
compreensão, sem prejuízo à mensagem verdadeira?
• Bíblia = teologia?
• A Bíblia é um documento histórico da revelação de
Deus ao homem.
• Teologia é uma explicação sistemática e histórica
das verdades da Bíblia.
I. ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES
• Teologia transcultural:
• A cultura influencia na formulação das teologias.
• As teologias são formadas por seus particulares
histórico e contexto cultural, pela língua que usam e
pelo questionamento que fazem.
• É preciso entender qual é o conceito que determinado
povo tem de Deus, afim de traçar uma teologia bíblica.
I. ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES
• Teologia transcultural:
• Existem pontes culturais comuns entre as diferentes
culturas.
• A mesma Verdade é compartilhada a todos os povos,
línguas, tribos e nações, constituindo uma família
universal de Deus.
• A Verdade de Deus transcende os limites de uma
cultura local.
• A ideia que diferentes culturas tem de Deus, e como
elas respondem à teologia cristã.
II. QUESTÕES PRINCIPAIS
II. QUESTÕES PRINCIPAIS
1. A prática apostólica
2. A estrutura e a Missão da Igreja.
3. O Evangelho e as Religiões.
4. A salvação e os não-cristãos.
5. O cristianismo e a cultura.
II. QUESTÕES PRINCIPAIS
• A Bíblia como o mapa cultural do povo de Deus.
• A Bíblia é Cristocêntrica, e apresenta Jesus como único
caminho para Deus.
• Estas verdades bíblicas fundamentais precisam ser
contextualizadas de acordo com a cosmovisão de um
povo.
II. QUESTÕES PRINCIPAIS
• A contextualização e o estilo de comunicação da
mensagem contextualizada são importantes para o povo
entender, visualizar, aceitar a verdade ora comunicada.
• Conscientização - a verdade bíblica fundamental é
universal.
• Compreender a cosmovisão de um povo = distinguir
perfeitamente o que é uma verdade bíblica absoluta e o
que é um aspecto cultural que pode ser contextualizado.
• Ser humano e a luta de duas culturas interiores: do
mundo e a do reino de Deus (contracultura cristã).
III. HISTÓRIA
III. HISTÓRIA
• A missiologia é uma disciplina jovem.
• Somente, a partir do século XVI surgem teorias mais
abrangentes sobre missiologia: o jesuíta José de
Acosta(1588) e o carmelita Tomás de Jesus (1613).
• Os escritos deles estimularam grandemente uma sucessão
de protestantes holandeses do século XVII: Hadrianus
Saravia, Justus Heurnius, Gisbertus Voetius e Johannes
Hoornbeeck, em especial John Eliot e William Carey,
conhecido como “o pai das missões modernas”.
III. HISTÓRIA
• A primeira cátedra referente a este saber foi criada em
ambiente protestante, na Universidade de Edimburgo, em
1867. Portanto, somente no século XIX.
• luteranos alemães: Karl Graul, diretor da Missão de Leipzig
e o primeiro alemão que se qualificou para o ensino
acadêmico superior nesse campo; Gustav Warneck,
considerado o fundador da ciência missionária
protestante
• No campo católico, o primeiro a abordar este estudo foi
Joseph Schmidlin (1876-1944).Como resultado de seu
trabalho, a Universidade de Münster resolveu a erigir a
cátedra de missiologia em 1911.
III. HISTÓRIA
• Joseph Schmidlin foi influenciado por Warneck.
• Depois da I Guerra Mundial várias universidades
protestantes abriram suas cátedras.
• De 1916 a 1974, a Pontifícia Universidade
Urbaniana de Roma publicou a Bibliotheca
Missionum, uma coleção contendo vários volumes
de estudos sobre missiologia.
III. HISTÓRIA
• Os evangélicos e o debate contemporâneo:
• Os evangélicos desempenharam um papel de destaque na
organização da Sociedade Americana da Missiologia (ASM),
no Scarritt College, em Nashville, estado do Tennessee, em
junho de 1972.
• A ASM veio a ser uma comunidade de estudiosos oriundos
do meio de protestantes do CMI (Conselho Mundial de
Igrejas), de católicos romanos, ortodoxos e evangélicos
não-membros do CMI.
• Ênfase bíblica no centro cristológico: o evangelho tem no
seu âmago a afirmação de que somente Jesus Cristo é
Senhor e de que Ele Se oferece para entrar na vida
daqueles que cheguem a Ele com arrependimento e fé.
III. HISTÓRIA
• Os evangélicos e o debate contemporâneo:
• Objetivo principal e insubstituível da missão cristã:
proclamar a Cristo e de convencer todos os povos em todos
os lugares a se tornarem Seus discípulos e membros
responsáveis de Sua Igreja.
• Incentivam a multiplicação de associações voluntárias
(estruturas missionárias) para a realização de grande
variedade de tarefas que Deus tem dado a Seu povo.
• Os evangélicos respondem cada vez mais, diante do debate
contemporâneo e dos clamores de angústia dos oprimidos
(quanto?).
III. HISTÓRIA
• Os evangélicos e o debate contemporâneo:
• A justiça social deve ser promovida, e as questões de
guerra, racismo, pobreza e desequilíbrio econômico devem
tornar-se a preocupação ativa e participativa daqueles que
se declaram seguidores de Jesus Cristo.
• Os missiólogos católico-romanos e ortodoxos ressaltam o
espírito caracteristicamente sacramental, litúrgico e místico
que tem enriquecido a igreja no decurso dos séculos.
III. HISTÓRIA
• Os evangélicos e o debate contemporâneo:
• As questões que mais lhes interessam são: como a igreja
deve cumprir o mandato do Vaticano II. Como garantir que
o Estado, a sociedade, a cultura, e até mesmo a própria
natureza, estejam dentro dos objetos reais da missão.
• Os missiólogos dessas três correntes de compreensão da
obrigação bíblica comprometem-se a escutar com
honestidade uns aos outros. E esse é um bom sinal para a
missiologia como uma “ciência” ainda em
desenvolvimento, uma “disciplina” e um “campo separado
de estudo”.
III. HISTÓRIA
• O que é o Conselho Mundial de Igrejas (CMI):
• O CMI é a principal organização ecumênica em nível
internacional, fundada em 1948, em Amsterdam(Holanda.
• Com sede em Genebra (Suíça), o CMI congregava em 2012,
mais de 345 igrejas e denominações em sua membresia,
que representa mais de 560 milhões de fiéis presentes em
mais de 120 países.
• O atual secretário geral do CMI é Olav Fykse Tveit, luterano
da Noruega, e o Moderador do Comitê Central é Walter
Altmann, luterano do Brasil (Porto Alegre), eleito em
fevereiro de 2006.
III. HISTÓRIA
• O que é o Conselho Mundial de Igrejas (CMI):
• Entre seus membros estão igrejas protestantes e ortodoxas,
também algumas pentecostais e independentes.
• A Igreja Católica não faz parte desta organização, mas tem
com ela um grupo de trabalho permanente e participa
como membro pleno de alguns departamentos, como na
Comissão de Fé e Ordem e na Comissão de Missão e
Evangelismo.
• Tem como objetivo trazer a uma só mesa de diálogo todas
as grandes famílias cristãs: ortodoxa, católica, anglicana e
protestante (incluindo esta última aos pentecostais e
evangélicos).
III. HISTÓRIA
• O que é o Conselho Mundial de Igrejas (CMI):
• Atualmente existem mais de 38 mil tipos de denominações
cristãs diferentes (Revista Enfoque Gospel, Edição 84, jul
2008).
• O CMI considera missão, diálogo teológico e ação social
como partes integrantes da responsabilidade que as igrejas
têm (Revista Enfoque Gospel, Edição 84, jul 2008).
GABARITO – Parte 1
QUESTÃO RESPOSTA
1 A
2 B
3 C
4 D
5 B
6 C
7 C
8 C
IV. A NATUREZA DA TAREFA MISSIONÁRIA
IV. A NATUREZA DA TAREFA MISSIONÁRIA
• A tarefa missionária, em parte é imutável, em
parte é relativa e adaptável.
• Serão apresentados quatro aspectos da natureza
imutável da tarefa missionária.
IV. A NATUREZA DA TAREFA MISSIONÁRIA
• A tarefa missionária é espiritual:
• Comprometida com o Espírito Santo.
• ES – administra e efetiva a salvação, bem como as missões.
• Tanto um conforto (confiança nEle) como um desafio
(comunhão com Ele).
• Tarefa espiritual que somente pode ser realizada com
auxílio do ES.
• Livro de Atos = Atos do Espírito Santo.
IV. A NATUREZA DA TAREFA MISSIONÁRIA
• A tarefa missionária é bíblica:
• Plano universal de Deus para salvação = atividade
missionária.
• Professor de Bíblia = missões.
• Interpretação bíblica adequada x eficácia da atividade
missionária.
• Mensagem missionária = conteúdo da Bíblia.
• Preparação do missionário (conhecimento bíblico/missão).
• Grande Comissão = estrutura básica e elementos
fundamentais do desígnio missionário.
IV. A NATUREZA DA TAREFA MISSIONÁRIA
• A tarefa missionária é feita por fé:
• Cristianismo, uma religião de fé.
• Fé = Bíblia como Palavra de Deus e tarefa missionária como
propósito e vontade de Deus.
• “Sem fé é impossível agradar a Deus”.
• Fé como suporte para aliviar os fardos, frustações e
desapontamentos da tarefa missionária.
• Missionários = homens de fé.
• Fé sendo desenvolvida e cultivada.
IV. A NATUREZA DA TAREFA MISSIONÁRIA
• A tarefa missionária é humana:
• Deus escolheu instrumentos humanos para a realização
missionária.
• Ser humano vive em sociedade, dentro de uma cultura
específica. Deve ser influenciado dentro de sua própria
cultura.
• Adaptação cultural necessária para a identificação, muito
mais do que o idioma.
• Jesus se fez homem para dialogar com o ser humano (Fp
2:5-11). Nascido em Israel, viveu como um judeu.
• Exemplo de Paulo em 1Co 9:16-23)
CONSIDERAÇÕES FINAIS
• Nesta lição aprendemos que:
1. Não temos como desconsiderarmos a
cultura, quando se fala em missões.
2. Missiologia é uma disciplina jovem, pois foi
tratada como tal somente no século XIX.
3. A tarefa missionária é espiritual, bíblica,
feita por fé e humana.
GABARITO – Parte 2
QUESTÃO RESPOSTA
9 B
10 D
11 C
12 A
13 C
14 C
15 E
16 C
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
CONSELHO MUNDIAL DE IGREJAS. Disponível em:
<http://www.oikoumene.org/es/about-us/faq#-cu-l-es-la-finalidad-del-
cmi->. Acesso em 28 mai 2013.
ETNOLOGIA. Disponível em: <http://instituto.antropos.com.br/v3/>.
Acesso em 28 mai 2013.
IBADEP. Missões: a grande comissão da Igreja. Guaíra: IBADEP, 2004.
MISSIOLOGIA. Disponível em: < http://pt.wikipedia.org/wiki/Missiologia
>. Acesso em 28 mai 2013.
PERRIN, Christine Lenemann. Missão e diálogo inter-religioso. São
Leopoldo: Sinodal, CEBI, 2005.
SILVA, Cácio. Fenomenologia da religião: compreendendo as ideias
religiosas a partir das suas manifestações. Goânia: Transcultural Editora
e Livraria, 2009.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Efésios - Lição 01
Efésios - Lição 01Efésios - Lição 01
Efésios - Lição 01Eid Marques
 
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIAIBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIACoop. Fabio Silva
 
Sinais que antecedem a volta de cristo.
Sinais que antecedem a volta de cristo.Sinais que antecedem a volta de cristo.
Sinais que antecedem a volta de cristo.Márcio Martins
 
Aula 01 evangelismo (etcam)
Aula 01 evangelismo (etcam)Aula 01 evangelismo (etcam)
Aula 01 evangelismo (etcam)guest9c2db2e
 
MISSÕES O QUE SIGNIFICA?
MISSÕES O QUE SIGNIFICA?MISSÕES O QUE SIGNIFICA?
MISSÕES O QUE SIGNIFICA?Mazinho Souza
 
Lição 09 - O Legado Missionário da Igreja Primitiva
Lição 09 - O Legado Missionário da Igreja PrimitivaLição 09 - O Legado Missionário da Igreja Primitiva
Lição 09 - O Legado Missionário da Igreja PrimitivaÉder Tomé
 
SEGUNDA VIAGEM MISSIONARIA DE PAULO.pptx
SEGUNDA VIAGEM MISSIONARIA DE PAULO.pptxSEGUNDA VIAGEM MISSIONARIA DE PAULO.pptx
SEGUNDA VIAGEM MISSIONARIA DE PAULO.pptxViniciusFerreira700331
 
Aula de missiologia basico em theologia
Aula de missiologia basico em theologiaAula de missiologia basico em theologia
Aula de missiologia basico em theologiacasa
 
Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1
Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1
Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1Natalino das Neves Neves
 
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIAINTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIAFrancelia Carvalho Oliveira
 
Panorama do NT - Apocalipse
Panorama do NT - ApocalipsePanorama do NT - Apocalipse
Panorama do NT - ApocalipseRespirando Deus
 
Aula #001 Dons do Espírito Santo[2011]
Aula #001 Dons do Espírito Santo[2011]Aula #001 Dons do Espírito Santo[2011]
Aula #001 Dons do Espírito Santo[2011]TH
 

Mais procurados (20)

Efésios - Lição 01
Efésios - Lição 01Efésios - Lição 01
Efésios - Lição 01
 
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIAIBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
 
Sinais que antecedem a volta de cristo.
Sinais que antecedem a volta de cristo.Sinais que antecedem a volta de cristo.
Sinais que antecedem a volta de cristo.
 
Apostila missiologia
Apostila missiologiaApostila missiologia
Apostila missiologia
 
O diaconato
O diaconatoO diaconato
O diaconato
 
7. arrebatamento
7. arrebatamento7. arrebatamento
7. arrebatamento
 
4. O Evangelho Segundo Marcos
4. O Evangelho Segundo Marcos4. O Evangelho Segundo Marcos
4. O Evangelho Segundo Marcos
 
Aula 01 evangelismo (etcam)
Aula 01 evangelismo (etcam)Aula 01 evangelismo (etcam)
Aula 01 evangelismo (etcam)
 
MISSÕES O QUE SIGNIFICA?
MISSÕES O QUE SIGNIFICA?MISSÕES O QUE SIGNIFICA?
MISSÕES O QUE SIGNIFICA?
 
Lição 09 - O Legado Missionário da Igreja Primitiva
Lição 09 - O Legado Missionário da Igreja PrimitivaLição 09 - O Legado Missionário da Igreja Primitiva
Lição 09 - O Legado Missionário da Igreja Primitiva
 
Evangelismo pessoal
Evangelismo pessoalEvangelismo pessoal
Evangelismo pessoal
 
SEGUNDA VIAGEM MISSIONARIA DE PAULO.pptx
SEGUNDA VIAGEM MISSIONARIA DE PAULO.pptxSEGUNDA VIAGEM MISSIONARIA DE PAULO.pptx
SEGUNDA VIAGEM MISSIONARIA DE PAULO.pptx
 
Aula de missiologia basico em theologia
Aula de missiologia basico em theologiaAula de missiologia basico em theologia
Aula de missiologia basico em theologia
 
Cristologia aula01
Cristologia aula01Cristologia aula01
Cristologia aula01
 
1 introdução à missiologia
1 introdução à missiologia1 introdução à missiologia
1 introdução à missiologia
 
Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1
Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1
Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1
 
Culto e Liturgia
Culto e LiturgiaCulto e Liturgia
Culto e Liturgia
 
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIAINTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
 
Panorama do NT - Apocalipse
Panorama do NT - ApocalipsePanorama do NT - Apocalipse
Panorama do NT - Apocalipse
 
Aula #001 Dons do Espírito Santo[2011]
Aula #001 Dons do Espírito Santo[2011]Aula #001 Dons do Espírito Santo[2011]
Aula #001 Dons do Espírito Santo[2011]
 

Semelhante a Missiologia e a natureza da tarefa missionária

IBADEP MÉDIO - MISSIOLOGIA AULA 1
IBADEP MÉDIO - MISSIOLOGIA AULA 1IBADEP MÉDIO - MISSIOLOGIA AULA 1
IBADEP MÉDIO - MISSIOLOGIA AULA 1Rubens Sohn
 
Dgae da igreja no brasil, dom eduardo 2
Dgae da igreja no brasil, dom eduardo 2Dgae da igreja no brasil, dom eduardo 2
Dgae da igreja no brasil, dom eduardo 2domeduardo
 
Apostila missiologia
Apostila missiologiaApostila missiologia
Apostila missiologiaBispoAlberto
 
Aula 1 - A Igreja em Missão.pptx
Aula 1 - A Igreja em Missão.pptxAula 1 - A Igreja em Missão.pptx
Aula 1 - A Igreja em Missão.pptxssuser54efaa
 
Quinta aula do stnb - A Igreja em Missão
Quinta aula do stnb  - A Igreja em MissãoQuinta aula do stnb  - A Igreja em Missão
Quinta aula do stnb - A Igreja em Missãossuser54efaa
 
A secularizacao da igreja
A secularizacao da igrejaA secularizacao da igreja
A secularizacao da igrejaIPB706Sul
 
Primeira aula de a Igreja em Missão do STNB
Primeira aula de a Igreja em Missão do STNBPrimeira aula de a Igreja em Missão do STNB
Primeira aula de a Igreja em Missão do STNBssuser54efaa
 
Igreja centrada
Igreja  centradaIgreja  centrada
Igreja centradaEli Vieira
 
Libertação da teologia frente à secularização em Juan Luis Segundo
Libertação da teologia frente à secularização em Juan Luis SegundoLibertação da teologia frente à secularização em Juan Luis Segundo
Libertação da teologia frente à secularização em Juan Luis SegundoAfonso Murad (FAJE)
 
Proclamando boas novas timóteo carriker
Proclamando boas novas   timóteo carrikerProclamando boas novas   timóteo carriker
Proclamando boas novas timóteo carrikerJean Francesco
 
A missão Cristã no mundo moderno.
A missão Cristã no mundo moderno.A missão Cristã no mundo moderno.
A missão Cristã no mundo moderno.Manoel Prestes
 
Elementos de um paradígma missionário bosch, david. missão transformadora
Elementos de um paradígma missionário   bosch, david. missão transformadoraElementos de um paradígma missionário   bosch, david. missão transformadora
Elementos de um paradígma missionário bosch, david. missão transformadoraHaroldo Xavier Silva
 
DEIM - conhecendo as Diretrizes para Educação na Igreja Metodista (ED na CMP)
DEIM -    conhecendo as Diretrizes para Educação na Igreja Metodista (ED na CMP)DEIM -    conhecendo as Diretrizes para Educação na Igreja Metodista (ED na CMP)
DEIM - conhecendo as Diretrizes para Educação na Igreja Metodista (ED na CMP)Paulo Dias Nogueira
 
Um Pouco De HistóRia Das Ce Bs No Brasil
Um Pouco De HistóRia Das Ce Bs No BrasilUm Pouco De HistóRia Das Ce Bs No Brasil
Um Pouco De HistóRia Das Ce Bs No BrasilPastoral da Juventude
 
As crencas fundamentais dos metodistas
As crencas fundamentais dos metodistasAs crencas fundamentais dos metodistas
As crencas fundamentais dos metodistasPaulo Dias Nogueira
 
DEIM - conhecendo o documento (Escola Dominical da Catedral Metodista de Pira...
DEIM - conhecendo o documento (Escola Dominical da Catedral Metodista de Pira...DEIM - conhecendo o documento (Escola Dominical da Catedral Metodista de Pira...
DEIM - conhecendo o documento (Escola Dominical da Catedral Metodista de Pira...Paulo Dias Nogueira
 
Texto 1 introducao-a_teologia_da_missao
Texto 1 introducao-a_teologia_da_missaoTexto 1 introducao-a_teologia_da_missao
Texto 1 introducao-a_teologia_da_missaoVinicio Pacifico
 

Semelhante a Missiologia e a natureza da tarefa missionária (20)

IBADEP MÉDIO - MISSIOLOGIA AULA 1
IBADEP MÉDIO - MISSIOLOGIA AULA 1IBADEP MÉDIO - MISSIOLOGIA AULA 1
IBADEP MÉDIO - MISSIOLOGIA AULA 1
 
Dgae da igreja no brasil, dom eduardo 2
Dgae da igreja no brasil, dom eduardo 2Dgae da igreja no brasil, dom eduardo 2
Dgae da igreja no brasil, dom eduardo 2
 
Missiologia
MissiologiaMissiologia
Missiologia
 
Apostila missiologia
Apostila missiologiaApostila missiologia
Apostila missiologia
 
(10) teologia da libertação
(10) teologia da libertação(10) teologia da libertação
(10) teologia da libertação
 
Aula 1 - A Igreja em Missão.pptx
Aula 1 - A Igreja em Missão.pptxAula 1 - A Igreja em Missão.pptx
Aula 1 - A Igreja em Missão.pptx
 
Quinta aula do stnb - A Igreja em Missão
Quinta aula do stnb  - A Igreja em MissãoQuinta aula do stnb  - A Igreja em Missão
Quinta aula do stnb - A Igreja em Missão
 
A secularizacao da igreja
A secularizacao da igrejaA secularizacao da igreja
A secularizacao da igreja
 
Ce bs
Ce bsCe bs
Ce bs
 
Primeira aula de a Igreja em Missão do STNB
Primeira aula de a Igreja em Missão do STNBPrimeira aula de a Igreja em Missão do STNB
Primeira aula de a Igreja em Missão do STNB
 
Igreja centrada
Igreja  centradaIgreja  centrada
Igreja centrada
 
Libertação da teologia frente à secularização em Juan Luis Segundo
Libertação da teologia frente à secularização em Juan Luis SegundoLibertação da teologia frente à secularização em Juan Luis Segundo
Libertação da teologia frente à secularização em Juan Luis Segundo
 
Proclamando boas novas timóteo carriker
Proclamando boas novas   timóteo carrikerProclamando boas novas   timóteo carriker
Proclamando boas novas timóteo carriker
 
A missão Cristã no mundo moderno.
A missão Cristã no mundo moderno.A missão Cristã no mundo moderno.
A missão Cristã no mundo moderno.
 
Elementos de um paradígma missionário bosch, david. missão transformadora
Elementos de um paradígma missionário   bosch, david. missão transformadoraElementos de um paradígma missionário   bosch, david. missão transformadora
Elementos de um paradígma missionário bosch, david. missão transformadora
 
DEIM - conhecendo as Diretrizes para Educação na Igreja Metodista (ED na CMP)
DEIM -    conhecendo as Diretrizes para Educação na Igreja Metodista (ED na CMP)DEIM -    conhecendo as Diretrizes para Educação na Igreja Metodista (ED na CMP)
DEIM - conhecendo as Diretrizes para Educação na Igreja Metodista (ED na CMP)
 
Um Pouco De HistóRia Das Ce Bs No Brasil
Um Pouco De HistóRia Das Ce Bs No BrasilUm Pouco De HistóRia Das Ce Bs No Brasil
Um Pouco De HistóRia Das Ce Bs No Brasil
 
As crencas fundamentais dos metodistas
As crencas fundamentais dos metodistasAs crencas fundamentais dos metodistas
As crencas fundamentais dos metodistas
 
DEIM - conhecendo o documento (Escola Dominical da Catedral Metodista de Pira...
DEIM - conhecendo o documento (Escola Dominical da Catedral Metodista de Pira...DEIM - conhecendo o documento (Escola Dominical da Catedral Metodista de Pira...
DEIM - conhecendo o documento (Escola Dominical da Catedral Metodista de Pira...
 
Texto 1 introducao-a_teologia_da_missao
Texto 1 introducao-a_teologia_da_missaoTexto 1 introducao-a_teologia_da_missao
Texto 1 introducao-a_teologia_da_missao
 

Mais de Natalino das Neves Neves

LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTOLIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTONatalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOSLIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOSNatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTONatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTONatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTONatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTONatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSNatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSNatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULONatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULONatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINANatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINANatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na IgrejaPROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na IgrejaNatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na IgrejaPRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na IgrejaNatalino das Neves Neves
 
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoPreleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoNatalino das Neves Neves
 
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoProjeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoNatalino das Neves Neves
 

Mais de Natalino das Neves Neves (20)

LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
 
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
 
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
 
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTOLIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
 
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOSLIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na IgrejaPROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
 
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na IgrejaPRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
 
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoPreleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
 
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoProjeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
 
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
 

Último

v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...DominiqueFaria2
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 

Último (20)

v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 

Missiologia e a natureza da tarefa missionária

  • 1. IBADEP Instituto Bíblico da Assembleia de Deus no Estado do Paraná MISSÕES: a grande comissão da Igreja Lição 1 - Missiologia Prof. Ms. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br
  • 2. INTRODUÇÃO • Necessidade de entender alguns conceitos fundamentais. • Conhecer questões principais e a história da missiologia. • A natureza da tarefa missionária é em parte imutável, em parte mutável. Será apresentado 04 aspectos imutáveis de sua natureza.
  • 3. I. ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES
  • 4. MISSIOLOGIA: Comunicação transcultural TEOLOGIA ANTROPOLOGIAHISTÓRIA TEORIA DAS COMUNICAÇÕES PSICOLOGIA SOCIOLOGIA I. ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES Qual é a força motriz da interação entre as disciplinas MOTIVAÇÃO DO EVANGELHO ETNO (CULTURA/RAÇA) + teologia, história, psicologia,...
  • 5. I. ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES • Cultura • A cultura é o conjunto de comportamento, de valores e das crenças culturais de uma sociedade. • Os importantes elementos de uma cultura são os valores, conhecimento, a crença, arte, moral, alimentação, língua, leis, costumes e quaisquer hábitos e habilidades adquiridos pelo homem dentro da sociedade.
  • 6. I. ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES • Etnologia: • É o estudo comparativo das sociedades humanas em suas diferentes culturas. • A ideia da etnoteologia surgiu de estudos que mostravam a religião como um importante e forte componente cultural. • Seu objetivo é o estudo diferencial das culturas dos diversos grupos étnicos, revelando as variedades consideráveis dos comportamentos e dos sistemas de valores.
  • 7. I. ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES • Teologia transcultural: • Como expressar as boas novas do evangelho, de forma que o povo que as recebe tenha uma total compreensão, sem prejuízo à mensagem verdadeira? • Bíblia = teologia? • A Bíblia é um documento histórico da revelação de Deus ao homem. • Teologia é uma explicação sistemática e histórica das verdades da Bíblia.
  • 8. I. ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES • Teologia transcultural: • A cultura influencia na formulação das teologias. • As teologias são formadas por seus particulares histórico e contexto cultural, pela língua que usam e pelo questionamento que fazem. • É preciso entender qual é o conceito que determinado povo tem de Deus, afim de traçar uma teologia bíblica.
  • 9. I. ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES • Teologia transcultural: • Existem pontes culturais comuns entre as diferentes culturas. • A mesma Verdade é compartilhada a todos os povos, línguas, tribos e nações, constituindo uma família universal de Deus. • A Verdade de Deus transcende os limites de uma cultura local. • A ideia que diferentes culturas tem de Deus, e como elas respondem à teologia cristã.
  • 11. II. QUESTÕES PRINCIPAIS 1. A prática apostólica 2. A estrutura e a Missão da Igreja. 3. O Evangelho e as Religiões. 4. A salvação e os não-cristãos. 5. O cristianismo e a cultura.
  • 12. II. QUESTÕES PRINCIPAIS • A Bíblia como o mapa cultural do povo de Deus. • A Bíblia é Cristocêntrica, e apresenta Jesus como único caminho para Deus. • Estas verdades bíblicas fundamentais precisam ser contextualizadas de acordo com a cosmovisão de um povo.
  • 13. II. QUESTÕES PRINCIPAIS • A contextualização e o estilo de comunicação da mensagem contextualizada são importantes para o povo entender, visualizar, aceitar a verdade ora comunicada. • Conscientização - a verdade bíblica fundamental é universal. • Compreender a cosmovisão de um povo = distinguir perfeitamente o que é uma verdade bíblica absoluta e o que é um aspecto cultural que pode ser contextualizado. • Ser humano e a luta de duas culturas interiores: do mundo e a do reino de Deus (contracultura cristã).
  • 15. III. HISTÓRIA • A missiologia é uma disciplina jovem. • Somente, a partir do século XVI surgem teorias mais abrangentes sobre missiologia: o jesuíta José de Acosta(1588) e o carmelita Tomás de Jesus (1613). • Os escritos deles estimularam grandemente uma sucessão de protestantes holandeses do século XVII: Hadrianus Saravia, Justus Heurnius, Gisbertus Voetius e Johannes Hoornbeeck, em especial John Eliot e William Carey, conhecido como “o pai das missões modernas”.
  • 16. III. HISTÓRIA • A primeira cátedra referente a este saber foi criada em ambiente protestante, na Universidade de Edimburgo, em 1867. Portanto, somente no século XIX. • luteranos alemães: Karl Graul, diretor da Missão de Leipzig e o primeiro alemão que se qualificou para o ensino acadêmico superior nesse campo; Gustav Warneck, considerado o fundador da ciência missionária protestante • No campo católico, o primeiro a abordar este estudo foi Joseph Schmidlin (1876-1944).Como resultado de seu trabalho, a Universidade de Münster resolveu a erigir a cátedra de missiologia em 1911.
  • 17. III. HISTÓRIA • Joseph Schmidlin foi influenciado por Warneck. • Depois da I Guerra Mundial várias universidades protestantes abriram suas cátedras. • De 1916 a 1974, a Pontifícia Universidade Urbaniana de Roma publicou a Bibliotheca Missionum, uma coleção contendo vários volumes de estudos sobre missiologia.
  • 18. III. HISTÓRIA • Os evangélicos e o debate contemporâneo: • Os evangélicos desempenharam um papel de destaque na organização da Sociedade Americana da Missiologia (ASM), no Scarritt College, em Nashville, estado do Tennessee, em junho de 1972. • A ASM veio a ser uma comunidade de estudiosos oriundos do meio de protestantes do CMI (Conselho Mundial de Igrejas), de católicos romanos, ortodoxos e evangélicos não-membros do CMI. • Ênfase bíblica no centro cristológico: o evangelho tem no seu âmago a afirmação de que somente Jesus Cristo é Senhor e de que Ele Se oferece para entrar na vida daqueles que cheguem a Ele com arrependimento e fé.
  • 19. III. HISTÓRIA • Os evangélicos e o debate contemporâneo: • Objetivo principal e insubstituível da missão cristã: proclamar a Cristo e de convencer todos os povos em todos os lugares a se tornarem Seus discípulos e membros responsáveis de Sua Igreja. • Incentivam a multiplicação de associações voluntárias (estruturas missionárias) para a realização de grande variedade de tarefas que Deus tem dado a Seu povo. • Os evangélicos respondem cada vez mais, diante do debate contemporâneo e dos clamores de angústia dos oprimidos (quanto?).
  • 20. III. HISTÓRIA • Os evangélicos e o debate contemporâneo: • A justiça social deve ser promovida, e as questões de guerra, racismo, pobreza e desequilíbrio econômico devem tornar-se a preocupação ativa e participativa daqueles que se declaram seguidores de Jesus Cristo. • Os missiólogos católico-romanos e ortodoxos ressaltam o espírito caracteristicamente sacramental, litúrgico e místico que tem enriquecido a igreja no decurso dos séculos.
  • 21. III. HISTÓRIA • Os evangélicos e o debate contemporâneo: • As questões que mais lhes interessam são: como a igreja deve cumprir o mandato do Vaticano II. Como garantir que o Estado, a sociedade, a cultura, e até mesmo a própria natureza, estejam dentro dos objetos reais da missão. • Os missiólogos dessas três correntes de compreensão da obrigação bíblica comprometem-se a escutar com honestidade uns aos outros. E esse é um bom sinal para a missiologia como uma “ciência” ainda em desenvolvimento, uma “disciplina” e um “campo separado de estudo”.
  • 22. III. HISTÓRIA • O que é o Conselho Mundial de Igrejas (CMI): • O CMI é a principal organização ecumênica em nível internacional, fundada em 1948, em Amsterdam(Holanda. • Com sede em Genebra (Suíça), o CMI congregava em 2012, mais de 345 igrejas e denominações em sua membresia, que representa mais de 560 milhões de fiéis presentes em mais de 120 países. • O atual secretário geral do CMI é Olav Fykse Tveit, luterano da Noruega, e o Moderador do Comitê Central é Walter Altmann, luterano do Brasil (Porto Alegre), eleito em fevereiro de 2006.
  • 23. III. HISTÓRIA • O que é o Conselho Mundial de Igrejas (CMI): • Entre seus membros estão igrejas protestantes e ortodoxas, também algumas pentecostais e independentes. • A Igreja Católica não faz parte desta organização, mas tem com ela um grupo de trabalho permanente e participa como membro pleno de alguns departamentos, como na Comissão de Fé e Ordem e na Comissão de Missão e Evangelismo. • Tem como objetivo trazer a uma só mesa de diálogo todas as grandes famílias cristãs: ortodoxa, católica, anglicana e protestante (incluindo esta última aos pentecostais e evangélicos).
  • 24. III. HISTÓRIA • O que é o Conselho Mundial de Igrejas (CMI): • Atualmente existem mais de 38 mil tipos de denominações cristãs diferentes (Revista Enfoque Gospel, Edição 84, jul 2008). • O CMI considera missão, diálogo teológico e ação social como partes integrantes da responsabilidade que as igrejas têm (Revista Enfoque Gospel, Edição 84, jul 2008).
  • 25. GABARITO – Parte 1 QUESTÃO RESPOSTA 1 A 2 B 3 C 4 D 5 B 6 C 7 C 8 C
  • 26. IV. A NATUREZA DA TAREFA MISSIONÁRIA
  • 27. IV. A NATUREZA DA TAREFA MISSIONÁRIA • A tarefa missionária, em parte é imutável, em parte é relativa e adaptável. • Serão apresentados quatro aspectos da natureza imutável da tarefa missionária.
  • 28. IV. A NATUREZA DA TAREFA MISSIONÁRIA • A tarefa missionária é espiritual: • Comprometida com o Espírito Santo. • ES – administra e efetiva a salvação, bem como as missões. • Tanto um conforto (confiança nEle) como um desafio (comunhão com Ele). • Tarefa espiritual que somente pode ser realizada com auxílio do ES. • Livro de Atos = Atos do Espírito Santo.
  • 29. IV. A NATUREZA DA TAREFA MISSIONÁRIA • A tarefa missionária é bíblica: • Plano universal de Deus para salvação = atividade missionária. • Professor de Bíblia = missões. • Interpretação bíblica adequada x eficácia da atividade missionária. • Mensagem missionária = conteúdo da Bíblia. • Preparação do missionário (conhecimento bíblico/missão). • Grande Comissão = estrutura básica e elementos fundamentais do desígnio missionário.
  • 30. IV. A NATUREZA DA TAREFA MISSIONÁRIA • A tarefa missionária é feita por fé: • Cristianismo, uma religião de fé. • Fé = Bíblia como Palavra de Deus e tarefa missionária como propósito e vontade de Deus. • “Sem fé é impossível agradar a Deus”. • Fé como suporte para aliviar os fardos, frustações e desapontamentos da tarefa missionária. • Missionários = homens de fé. • Fé sendo desenvolvida e cultivada.
  • 31. IV. A NATUREZA DA TAREFA MISSIONÁRIA • A tarefa missionária é humana: • Deus escolheu instrumentos humanos para a realização missionária. • Ser humano vive em sociedade, dentro de uma cultura específica. Deve ser influenciado dentro de sua própria cultura. • Adaptação cultural necessária para a identificação, muito mais do que o idioma. • Jesus se fez homem para dialogar com o ser humano (Fp 2:5-11). Nascido em Israel, viveu como um judeu. • Exemplo de Paulo em 1Co 9:16-23)
  • 32. CONSIDERAÇÕES FINAIS • Nesta lição aprendemos que: 1. Não temos como desconsiderarmos a cultura, quando se fala em missões. 2. Missiologia é uma disciplina jovem, pois foi tratada como tal somente no século XIX. 3. A tarefa missionária é espiritual, bíblica, feita por fé e humana.
  • 33. GABARITO – Parte 2 QUESTÃO RESPOSTA 9 B 10 D 11 C 12 A 13 C 14 C 15 E 16 C
  • 34. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CONSELHO MUNDIAL DE IGREJAS. Disponível em: <http://www.oikoumene.org/es/about-us/faq#-cu-l-es-la-finalidad-del- cmi->. Acesso em 28 mai 2013. ETNOLOGIA. Disponível em: <http://instituto.antropos.com.br/v3/>. Acesso em 28 mai 2013. IBADEP. Missões: a grande comissão da Igreja. Guaíra: IBADEP, 2004. MISSIOLOGIA. Disponível em: < http://pt.wikipedia.org/wiki/Missiologia >. Acesso em 28 mai 2013. PERRIN, Christine Lenemann. Missão e diálogo inter-religioso. São Leopoldo: Sinodal, CEBI, 2005. SILVA, Cácio. Fenomenologia da religião: compreendendo as ideias religiosas a partir das suas manifestações. Goânia: Transcultural Editora e Livraria, 2009.