Lição 7 (jovens) - Relacionamento descartáveis

1.915 visualizações

Publicada em

Assista ao vídeo referente a este arquivo de slides no meu blog:

http://goo.gl/PPDRnr

Subsídios elaborados pelo Pr. Natalino das Neves
Programa Escola Dominical na WEBTV.
IEADSJP - Igreja Evangélica Assembleia de Deus de São José dos Pinhais
Pr. Presidente: Ival Teodoro da Silva
Pr. Vice Presidente: Elson Pereira

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.915
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
105
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
105
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lição 7 (jovens) - Relacionamento descartáveis

  1. 1. 4 º T R I M 2 0 1 5
  2. 2. Acompanhe os comentários em vídeo desta e outras lições no blog: www.natalinodasneves.blogspot.com.br
  3. 3. Texto do dia "O meu mandamento é este: Que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos ameis." (Jo 15.12)
  4. 4. síntese Os relacionamentos descartáveis são frutos de uma sociedade que coisifica o outro e o instrumentaliza com propósitos fúteis, materiais e inumanos.
  5. 5. Agenda de Leitura S E G U N DA - G n 3 7 . 1 3 - 2 2 S e n t e n ç a d e m o r t e a o i r m ã o T E R Ç A - 2 S m 1 3 . 1 - 2 2 Pa i x ã o e f ê m e r a l ev a a r e l a c i o n a m e n t o s d e s c a r t á ve i s Q UA R TA - 1 S m 1 8 . 1 7 - 1 9 P l a n o s i m p i e d o s o s a c o m p a n h a m r e l a c i o n a m e n t o s d e s c a r t á ve i s Q U I N TA - R t 1 . 1 - 2 2 Re l a c i o n a m e n t o s m a d u r o s c o n s t r u í d o s e m D e u s S E X TA - 1 S m 1 8 . 1 - 6 Re l a c i o n a m e n t o s m a d u r o s p r o d u z e m a m i z a d e s f i é i s S Á BA D O - Jo 1 6 . 1 - 3 3 Je s u s , f i e l a m i g o
  6. 6. Texto bíblico Gênesis 37.13-20 13. Disse, pois, Israel a José: Não apascentam os teus irmãos junto de Siquém? Vem, e enviar-te-ei a eles. E ele lhe disse: Eis-me aqui. 14. E ele lhe disse: Ora, vai, e vê como estão teus irmãos e como está o rebanho, e traze-me resposta. Assim, o enviou do vale de Hebrom, e José veio a Siquém. 15. E achou-o um varão, porque ele andava errado pelo campo, e perguntou-lhe o varão, dizendo: Que procuras? 16. E ele disse: Procuro meus irmãos; dize-me, peço-te, onde eles apascentam. 17. E disse aquele varão: Foram-se daqui, porque ouvi-lhes dizer: Vamos a Dotã. José, pois, seguiu seus irmãos e achou-os em Dotã. 18. E viram-no de longe e, antes que chegasse a eles, conspiraram contra ele, para o matarem. 19. E disseram uns aos outros: Eis lá vem o sonhador-mor! 20. Vinde, pois, agora, e matemo-lo, e lancemo-lo numa destas covas, e diremos: Uma besta-fera o comeu; e veremos que será dos seus sonhos.
  7. 7. INTRODUÇÃO
  8. 8. INTRODUÇÃO • O uso das redes sociais é uma realidade na sociedade moderna. • Mudanças que esses novos hábitos provocam no indivíduo, na família e na sociedade • A comunicação foi facilitada, mas a qualidade das relações está fragilizada.
  9. 9. I - OS RELACIONAMENTOS NAS REDES SOCIAIS
  10. 10. 1. Da sociedade da informação à de redes (Ec 1.4): • O mundo globalizado passou de uma sociedade da informação para uma sociedade de redes. • Ambas, porém, tem o mesmo ícone: o computador ligado à rede. • Essa radical mudança fez ruir as fronteiras entre os países e trouxe novas formas de relacionamentos e identidades culturais. • Espaço multicultural e plural. • Comunicação mais eficiente, mas relacionamentos frágeis (1 Co 2.14,15). I - OS RELACIONAMENTOS NAS REDES SOCIAIS
  11. 11. 2. Proximidade virtual (Ec 3.14,15): • As novas tecnologias (smartphones, tabletes) e os relacionamentos na net (facebook, chats). • Substituição de um relacionamento sério por um recreativo, concreto por um abstrato, real por um virtual (Pv 14.21). • Deste modo, são mais descartáveis (Pv 18.19; Pv 26.18,19). • A "proximidade" virtual tornou as relações humanas banais e breves, contrário ao que ensina a Bíblia (Pv 25.21,22). I - OS RELACIONAMENTOS NAS REDES SOCIAIS
  12. 12. 3. Coisificação do sujeito (2 Tm 3.1-4): • Coisificação da pessoa humana - o equivocado conceito de que a pessoa é um objeto como qualquer outro. • Priorização do espetáculo e a instrumentalização do homem, o sujeito é desumanizado e transformado em simples mercadoria (v.3). • Conceito novo ou antigo? • O valor da pessoa é tido pela sua utilidade e, por isso, "deletada" ou descartada quando não é mais útil à instrumentalização do outro (1 Tm 4.1,2). I - OS RELACIONAMENTOS NAS REDES SOCIAIS
  13. 13. Pense Relacionamentos saudáveis são duradouros! Ponto importanteRelacionamentos podem nascer vir tualmente; se maduros, levarão à amizade sincera.
  14. 14. II - RELACIONAMENTOS DURADOUROS X RELACIONAMENTOS DESCARTÁVEIS
  15. 15. 1. Relacionamentos de consumo (Ec 3.16): • Afetividade e as interações humanas como mais uma mercadoria de consumo. • A mercadoria deve ser descartada ao se tonar obsoleta ou trocada quando outra melhor surge no mercado. • Esse mesmo desvio é aplicado aos relacionamentos (Pv 27.10; Pv 28.21). • Os relacionamentos são frágeis porque a moral, a virtude e os princípios divinos estão se tornando obsoletos para o homem moderno (Lv 19.11-18; Pv 30.5,6). II - RELACIONAMENTOS DURADOUROS X RELACIONAMENTOS DESCARTÁVEIS,
  16. 16. 2. Relacionamentos sólidos (Ec 11.9-10): • Cada vez mais raro, mas não completamente desaparecido, estão as interações humanas construídas com base no respeito, na confiança e no valor intrínseco da pessoa e de seu caráter. • Um relacionamento sólido nega-se a coisificar o outro, mas valoriza-o pelo que ele é, não pelo que tem (Pv 17.17; Ct 1.3). • Há reciprocidade e satisfação pela realização do outro. • Todavia, a rede social pode facilitar a queda da qualidade dos relacionamentos, mas não é a causa principal! II - RELACIONAMENTOS DURADOUROS X RELACIONAMENTOS DESCARTÁVEIS,
  17. 17. 3. Padrões morais constroem relacionamentos sólidos: • A base dos relacionamentos descartáveis é a moralidade relativa e pecaminosa da geração pós- moderna. • Frouxidão moral resulta em interações humanas descartáveis (Mt 5-7). • Sem padrão moral nas interações pessoais favorece a desumanização. • Todavia, as interações humanas fundamentadas na virtude, ética e moral das Sagradas Escrituras, dignificam o ser humano(Ef 4.22-24; 2 Co 3.18) II - RELACIONAMENTOS DURADOUROS X RELACIONAMENTOS DESCARTÁVEIS,
  18. 18. Pense Não se constrói um sólido e verdadeiro relacionamento com as mentiras e falsidades do mundo vir tual. Ponto importanteA coisificação da pessoa humana é responsável pela prostituição vir tual e fragilidade dos relacionamentos
  19. 19. III - ESTABELECENDO RELACIONAMENTOS DURADOUROS
  20. 20. 1. Uma vida, muitos amigos (Ec 3.1-22): • A vida humana é constituída de ciclos: infância, adolescência, juventude e velhice (Ec 1.4). • Em cada ciclo são construídos relacionamentos por laços consanguíneos (Gn 21.1-7), por finidades (Rt 1.16; Dt 34.9) e alguns apenas circunstanciais (Gn 40). • Relacionamentos são construídos, desfeitos e fortalecidos. • Alguns sobrevivem ao tempo, distância e as circunstâncias, enquanto outros são breves e frágeis. • Que valor você tem dado às amizades? III - ESTABELECENDO RELACIONAMENTOS DURADOUROS
  21. 21. 2. Relacionamentos duradores (Ec 4.9- 12): • Esses tipos de relacionamentos não surgem por acaso (personalidade, psique, afinidades entre outras características). • Bases das interações humanas duradouras: • respeito - tratar com apreço e polidez (1 Tm 2.2; 3.8,11; Rm 13.7); • confiança - certeza íntima do procedimento correto de outrem (2 Ts 3.4; 1 Sm 23.16; Sl 56.4); • reciprocidade - responder positivamente a uma outra ação positiva (1 Sm 20.12-17; 2 Sm 19.26-28); • afinidade - sintonia com o outro (2 Sm 23.14-17). III - ESTABELECENDO RELACIONAMENTOS DURADOUROS
  22. 22. 2. Relacionamentos duradores (Ec 4.9- 12): • Se apenas uma dessas quatro colunas ruírem, o relacionamento entrará em crise (Pv 18.19; Ec 10.4). • Sem essas bases, o relacionamento não subsiste às intempéries e desafios da vida. • Relacionamentos maduros e sólidos são construídos em conjunto. III - ESTABELECENDO RELACIONAMENTOS DURADOUROS
  23. 23. 3. Anjos do amor: idolatria e falsa espiritualidade (Ap 19.9,10; Hb 1.14): • O misticismo e adoração a anjos não resolve problemas de relacionamentos (Cl 2.8-23), mas sim o comprometimento das pessoas envolvidas. • A falsa espiritualidade grassa não apenas fora da igreja mas também dentro dela. • Recursos espiritualistas seculares (jogo de búzios, tarologia, quiromancia, astrologia e energização de cristais, entre outros) não resolvem os problemas de relacionamentos. III - ESTABELECENDO RELACIONAMENTOS DURADOUROS
  24. 24. 3. Anjos do amor: idolatria e falsa espiritualidade (Ap 19.9,10; Hb 1.14): • Na igreja, algumas pessoas em vez de se comprometer com os relacionamentos, oram pedindo para Deus agir e resolver os problemas que eles criaram. • Cada pessoa é responsável pelo seus relacionamentos. • Recomendações bíblicas(Lv 19.26, 31; Dt 18.9-12; 2 Rs 21.6; Is 47.13; Jr 27.9; Ap 22.15). III - ESTABELECENDO RELACIONAMENTOS DURADOUROS
  25. 25. Pense Os anjos não devem ser adorados, reverenciados ou cultuados. Ponto importanteO respeito, a confiança, a reciprocidade e a afinidade são os pilares dos relacionamentos maduros.
  26. 26. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  27. 27. CONSIDERAÇÕE S FINAIS1. O crescimento do uso das redes sociais é uma realidade que preocupa devido ao impacto nos relacionamentos interpessoais. 2. O relacionamento nas redes sociais são influenciados pelo consumismo, que favorece a desumanização (coisificação). 3. Existem algumas bases para o relacionamento ser mais duradouro: respeito, confiança, reciprocidade e afinidade.
  28. 28. REFERÊNCIAS A R C H E R J R . G l e a s o n . M e r e c e c o n f i a n ç a o A n t i g o Te s t a m e n t o ? S ã o P a u l o : Vi d a N o v a , 1 9 9 1 . B E N T H O , E s d r a s C . A F a m í l i a n o A n t i g o Te s t a m e n t o . 1 . e d . R i o d e J a n e i r o : C PA D , 2 0 0 6 . B l o m b e r g , G r a i g L . Q u e s t õ e s c r u c i a i s n o N o vo Te s t a m e n t o . R i o d e J e n r i o : C PA D , 2 0 0 9 . C O L S O N , C . E , A g o r a c o m o Vi ve r e m o s ? 1 . e d . R i o d e J a n e i r o : C PA D , 2 0 0 0 . G E O R G E , J i m . U m J o ve m S e g u n d o o C o r a ç ã o d e D e u s . R i o d e J a n e i r o : C PA D , 2 0 0 9 . H E N RY, M a t t h e w. C o m e n t á r i o B í b l i c o M a t t h e w H e n r y . R i o d e J a n e i r o : C PA D , 2 0 0 2 . H O L L O M A N , H e n r y. O p o d e r d a s a n t i f i c a ç ã o . R i o d e J a n e i r o : C PA D , 2 0 0 3 .
  29. 29. REFERÊNCIAS K A I S E R J R , Wa l t e r C . P r e g a n d o e e n s i n a n d o a p a r t i r d o A n t i g o Te s t a m e n t o . R i o d e J a n e i r o : C PA D , 2 0 0 9 . PA L M E R , M . D . P a n o r a m a d o P e n s a m e n t o C r i s t ã o . 1 . e d . R i o d e J a n e i r o : C PA D , 2 0 0 1 , p . 3 0 5 . R I C H A R D S , L a w r e n c e O . G u i a d o L e i t o r d a B í b l i a : U m a a n á l i s e d e G ê n e s i s a A p o c a l i p s e c a p í t u l o p o r c a p í t u l o . 1 0 . e d . R i o d e J a n e i r o : C PA D , 2 0 1 2 . R O S S , M i c h a e l . C r e s c i e A g o r a ? R i o d e J a n e i r o : C PA D , 2 0 1 3 . S O A R E S , E s e q u i a s . C a s a m e n t o , D i vó r c i o & S e x o à L u z d a B í b l i a . 1 . e d . R i o d e J a n e i r o : C PA D , 2 0 11 . V I N E , W. E . D i c i o n á r i o V I N E . R i o d e J a n e i r o : C PA D , 2 0 0 3 . Z U C K , R o y B . Te o l o g i a d o A n t i g o Te s t a m e n t o . R i o d e J a n e i r o : C PA D , 2 0 0 9 .

×