Lição 5 (jovens) - Relacionamento com pessoas difíceis

2.928 visualizações

Publicada em

Assista ao vídeo referente a este arquivo de slides no meu blog:

http://goo.gl/PPDRnr

Subsídios elaborados pelo Pr. Natalino das Neves
Programa Escola Dominical na WEBTV.
IEADSJP - Igreja Evangélica Assembleia de Deus de São José dos Pinhais
Pr. Presidente: Ival Teodoro da Silva
Pr. Vice Presidente: Elson Pereira

Publicada em: Educação
0 comentários
17 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.928
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
401
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
200
Comentários
0
Gostaram
17
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lição 5 (jovens) - Relacionamento com pessoas difíceis

  1. 1. 4 º T R I M 2 0 1 5
  2. 2. Acompanhe os comentários em vídeo desta e outras lições no blog: www.natalinodasneves.blogspot.com.br
  3. 3. Texto do dia "Se for possível, quando estiver em vós, tende paz com todos os homens." (Rm 12.18)
  4. 4. síntese O dever do cristão é viver em paz com todos, independentemente do credo, etnia e cultura, mesmo que a pessoa seja de difícil convivência.
  5. 5. Agenda de Leitura S E G U N DA - A t 7 . 9 , 1 0 Re l a c i o n a m e n t o d e Jo s é c o m s e u s i r m ã o s T E R Ç A - 2 Tm 4 . 1 4 , 1 5 Re l a c i o n a m e n t o d e P a u l o c o m A l ex a n d r e Q UA R TA - N m 1 6 - 1 8 Re l a c i o n a m e n t o d e M o i s é s e A r ã o c o n t r a o s i n s u r g e n t e s Q U I N TA - A t 1 5 . 3 6 - 3 9 Re l a c i o n a m e n t o d o s a m i g o s P a u l o e B a r n a b é S E X TA - 3 Jo 9 - 1 1 Re l a c i o n a m e n t o d e Jo ã o c o m D i ó t r o f e s S Á B A D O - G n 1 3 . 7 - 1 2 O r e l a c i o n a m e n t o f a m i l i a r d e A b r a ã o e L ó e m c o n f l i t o
  6. 6. Texto bíblico Gênesis 37. 1-8. 1. E Jacó habitou na terra das peregrinações de seu pai, na terra de Canaã. 2. Estas são as gerações de Jacó: Sendo José de dezessete anos, apascentava as ovelhas com seus irmãos; e estava este jovem com os filhos de Bila e com os filhos de Zilpa, mulheres de seu pai; e José trazia uma má fama deles a seu pai. 3. E Israel amava a José mais do que a todos os seus filhos, porque era filho da sua velhice; e fez-lhe uma túnica de várias cores. 4. Vendo, pois, seus irmãos que seu pai o amava mais do que a todos os seus irmãos, aborreceram-no e não podiam falar com ele pacificamente. 5. Sonhou também José um sonho, que contou a seus irmãos; por isso, o aborreciam ainda mais. 6. E disse-lhes: Ouvi, peço-vos, este sonho, que tenho sonhado: 7. Eis que estávamos atando molhos no meio do campo, e eis que o meu molho se levantava e também ficava em pé; e eis que os vossos molhos o rodeavam e se inclinavam ao meu molho. 8. Então, lhe disseram seus irmãos: Tu, pois, deveras reinarás sobre nós? Tu deveras terás domínio sobre nós? Por isso, tanto mais o aborreciam por seus sonhos e por suas palavras.
  7. 7. INTRODUÇÃO
  8. 8. INTRODUÇÃO • As pessoas de difíceis relacionamentos estão na igreja, no trabalho, na escola e até mesmo na família. • Precisamos saber conviver e respeitar as diferenças de ideias, religião e cultura, no entanto, o cristão discerne tudo pela Palavra de Deus. • Conviver e relacionar-se com pessoas é uma arte! • Por isso, o estudo desta lição.
  9. 9. I - O QUE SÃO PESSOAS DIFÍCEIS?
  10. 10. 1. Das metáforas ao conceito (Pv 15.18; 16.18,27): • A metáfora "porco-espinho" ajuda esclarecer o sentido de "pessoas difíceis". • Um animal dócil, mas sob ataque, pressão ou cutucado, torna-se uma criatura perigosa. • “Fio desencapado" e "pavio curto". • Trata-se de pessoas cujo relacionamento sempre é delicado e tenso por um lado, e distorcido e conflituoso por outro. • A Bíblia recomenda cuidado no trato com os tais (Pv 22.24,25). I - O QUE SÃO PESSOAS DIFÍCEIS?
  11. 11. 2. Halitose de personalidade. : • A "pessoa difícil" de conviver traz um grande custo a si mesma e àqueles que estão em seu entorno. • Ela sofre de um mal em sua personalidade que afasta as pessoas - "halitose de personalidade". • A halitose é responsável pelo mau hálito e, aplicada ao contexto, indica a pessoa que afasta as outras de si por causa de seu comportamento irritante. • Falta-lhe aquele "bom cheiro de Cristo" (2 Co 2.14-16). • Geralmente, são pessoas que necessitam de aconselhamento especializado (Cf. Pv 12.20; 13.10; 8.14-16; Cl 3.16). I - O QUE SÃO PESSOAS DIFÍCEIS?
  12. 12. 3. O que diz a Bíblia: • A Bíblia não trata sistematicamente a respeito da convivência com pessoas difíceis, mas traz algumas recomendações: • José e seus irmãos (Gn 37) – os irmãos, movidos pelo ódio e inveja chegam a querer a morte de José (vv. 4-18). Deus fez com que o mal fosse transformado em bênção, mas o processo foi doloroso (At 7.9; Rm 8.28). • Davi e Saul (1 Sm 18.6-30) –Saul invejava o apreço que todos tinham por Davi, e a inveja tornou-se em ódio de morte. Existem vários salmos onde Davi pede livramento à Deus, a exemplo do Sl 17.8-12. • Existem vários exemplos de personagens bíblicos com comportamento semelhante, como na vida real. I - O QUE SÃO PESSOAS DIFÍCEIS?
  13. 13. Pense Os relacionamentos tor nam-se insupor táveis quando a inveja é sua maior medida. Ponto importante A inveja assinala sua presença quando a pessoa não se alegra com o sucesso do outro.
  14. 14. II - CARACTERÍSTICAS DAS PESSOAS DIFÍCEIS
  15. 15. 1. Invejosa e ciumenta (Pv 28.22; At 7.9; Tg 3.15; Rm 13.13): • A inveja é um sentimento destrutivo provocado pela insatisfação pessoal a respeito da felicidade e sucesso alheio (Pv 14.30). • Enquanto a pessoa ciumenta é aquela que tem ciúme do que é seu (Gn 30.1; Rm 13.13; Gl 5.21). • O ciumento quer primazia e exclusividade (Nm 11.27- 29; Rm 11.11), já o invejoso tende a destruir ou ignorar o que alguém conquistou e a influenciar negativamente as outras pessoas (Gn 4.5; 37.11). • A inveja e o ciúme são pecados (Gl 5.20, 21). II - CARACTERÍSTICAS DAS PESSOAS DIFÍCEIS
  16. 16. 1. Invejosa e ciumenta (Pv 28.22; At 7.9; Tg 3.15; Rm 13.13): • Exemplos bíblicos: • Caim (Gn 4.5); • Os patriarcas (At 7.9); • Saul (1 Sm 18.8); e • Os principais sacerdotes (Mc 15.10), pessoas tóxicas, capazes de oprimir, injuriar, planejar o mal e até cometer assassinatos (Mt 27.18). • O justo é advertido a não ter inveja dos ímpios (Sl 37.1; Pv 3.31; 23.17). II - CARACTERÍSTICAS DAS PESSOAS DIFÍCEIS
  17. 17. 2. Opressora e agressiva (Êx 23.9; Lv 19.33; Pv 14.31): • O opressor converte a legítima autoridade em opressão e a submissão em pena (Gn 16.6; Êx 1.11; 1 Tm 1.13). • Humilha e aflige o oprimido, às vezes com tarefa difícil de realizar, podendo se estender ao castigo físico (1 Tm 1.13; At 26.9-11). • O opressor é autoritário e se favorece de sua função superior para impor sua vontade sobre pessoas indefesas (Sl 10.18; 34.18). • O salmista pedia ao Senhor para que o livrasse de gente dessa laia (Sl 72.4; 119.121). II - CARACTERÍSTICAS DAS PESSOAS DIFÍCEIS
  18. 18. 3. Murmuradora e mexiriqueira (Nm 17.5; Dt 1.27; 1 Co 10.10): • Um dos termos hebraicos para murmuração (hāgâ) descreve o arrulhar da pomba e o rugir do leão após a captura da presa (Is 38.14; 31.4). • A murmuração pode se manifestar sutil e docilmente como o arrulhar da inofensiva pomba, como também manifesta-se perigosa e ameaçadora como o rugir do leão. • Em ambas situações ela é perigosa e repreensiva. • Tais metáforas descrevem o caráter sutil e ameaçador do murmurador e do mexiriqueiro, o "fofoqueiro". II - CARACTERÍSTICAS DAS PESSOAS DIFÍCEIS
  19. 19. 3. Murmuradora e mexiriqueira (Nm 17.5; Dt 1.27; 1 Co 10.10): • Ambas usam as palavras para provocarem intrigas, rebeliões e para falarem mal do próximo (Êx 15.24; 16.2; Nm 14.2; 16.41; Lv 19.16; Pv 11.13). • Espalham veneno pela língua mentirosa (Pv 6.17), e, como flecha, procuram ferir outros disseminando desconfiança (Jr 9.8). • A mexeriqueira é intriguista e bisbilhoteira. Uma de suas características é revelar os segredos que lhe são confidenciados (Pv 11.13). II - CARACTERÍSTICAS DAS PESSOAS DIFÍCEIS
  20. 20. 3. Murmuradora e mexiriqueira (Nm 17.5; Dt 1.27; 1 Co 10.10): • Ela gosta de insinuar maliciosamente dúvidas a respeito do cárater, das palavras e atos das pessoas. • "Não andarás como mexeriqueiro entre o teu povo" (Lv 19.16; 2 Co 12.20). • Paulo também repreende as mulheres mexeriqueiras na igreja (1 Tm 5.11-13). • "Aquele que difama o seu próximo às escondidas, eu o destruirei“ (Sl 101.5). • É muito difícil se relacionar com tais pessoas (2 Tm 2.17). II - CARACTERÍSTICAS DAS PESSOAS DIFÍCEIS
  21. 21. Pense É necessário a paciência de Jó e a perseverança de Jeremias para supor tar pessoas tóxicas. Ponto importante Prudência, sabedoria e tolerância são antídotos contra as pessoas difíceis
  22. 22. III - COMO SE RELACIONAR COM PESSOAS DIFÍCEIS
  23. 23. 1. Ninguém é perfeito (2 Cr 6.36; Rm 3.23): • Todos, de igual modo, são imperfeitos (Gl 5.19-21). • Nós dependemos da graça de Jesus Cristo para sermos pessoas realmente transformadas (Gl 5.22-25). • Todavia, somos responsáveis por buscar a melhoria de caráter, controle das emoções e qualidade nos relacionamentos interpessoais (Gl 5.26; Ef 4.1-3, 23- 32). • Existem pessoas que não fazem esforço para se relacionar bem, simplesmente “deletam” as pessoas de seus relacionamentos. III - COMO SE RELACIONAR COM PESSOAS DIFÍCEIS
  24. 24. 2. Não tente transformá-las (Pv 16.2; 18.1; 29.1): • Uma pessoa de difícil convivência geralmente é alguém que não sabe dominar a si própria e possui uma visão distorcida de Deus, de si e dos outros (Pv 16.17-21; 14.31). • Ela se apega, mesmo sem o saber, a fatores psicológicos de sofrimento e dessassocego: • ciúmes (por sentir ameaçado seu objeto de apego, Rm 13.13); • rivalidade e competição (por considerar que outros disputam o mesmo objetivo, Pv 17.14); • orgulho e vaidade (por considerar-se superior, Pv 16.18). III - COMO SE RELACIONAR COM PESSOAS DIFÍCEIS
  25. 25. 2. Não tente transformá-las (Pv 16.2; 18.1; 29.1): • Esses sentimentos são convertidos em atos de ira, agressão, indiferença, manipulação e opressão. • É melhor afastar-se (Rm 16.17; Is 2.22; Pv 14.16). III - COMO SE RELACIONAR COM PESSOAS DIFÍCEIS
  26. 26. 3. Cuide de si, mas não se esqueça do outro (Lv 19.18; Mt 19.19; 22.39): • O jovem deve discernir todas suas ações por meio das Escrituras (Sl 119.9, 105), espelho (Tg 1.22-25) e norma de fé e prática para a vida cristã (2 Tm 3.16,17). • Deste modo, cuide de si, mas não se esqueça do outro (2 Tm 2.1, 22-26; 3.14; 4.5). • Desejar o melhor para si mesmo, no entanto, não significa desejar o pior para o próximo. • ética cristã ensina: "E como vós quereis que os homens vos façam, da mesma maneira fazei-lhes vós também (Lc 6.31). III - COMO SE RELACIONAR COM PESSOAS DIFÍCEIS
  27. 27. Pense A obra do Espírito Santo transfor ma pessoas difíceis em pessoas dóceis. Ponto importante Qualquer pessoa pode ter seu momento de "pessoa tóxica", por tanto, vigie.
  28. 28. "Cuidar de si é uma condição indispensável para cuidar do outro. Desejar o melhor para si mesmo, no entanto, não significa desejar o pior para o próximo.“ (LB – Jovens).
  29. 29. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  30. 30. CONSIDERAÇÕES FINAIS 1. Pessoas difíceis trazem prejuízo para sua vida e para as pessoas que se relacionam com elas. 2. Suas principais características: invejosa, ciumenta, opressora, agressiva, murmuradora e mixiriqueira. 3. Deve-se buscar o relacionamento saudável, mesmo com pessoas difíceis. No entanto, se necessário, devem ser evitadas.
  31. 31. REFERÊNCIAS AR C H ER J R . G le a so n. M e re c e co nf i an ç a o An ti g o Testamento? São Paulo: Vida Nova, 1991. BENT HO , Es dr as C . A F am íli a n o An t i go Test a m ent o . 1.ed. Rio de Janeiro : CPAD, 2006. Blom b er g, G ra ig L. Q u e stõ e s c ru c ia i s n o Nov o Testamento . Rio de Jenrio: CPAD, 2009. CO L SO N , C. E , Ag o r a co mo Viv e r em o s? 1.ed. Rio de Janeiro : CPAD, 2000. H E N RY, M at t he w. C om en tá r io Bí bl i co M atthew H e nr y. Rio de Janeiro: CPAD, 2002. HO L LO M A N, H e nr y. O p od e r da s a ntif ic a ç ão . R io d e Janeiro: CPAD, 2003. K A I S E R J R, W alt er C. P r eg a nd o e e n si na nd o a p a rti r do Anti go Testamento . Rio de Janeiro: CPAD, 2009.
  32. 32. REFERÊNCIAS PAL M ER , M . D. Pa no r am a do Pe ns a me nt o C r is tã o . 1.ed. Rio de Janeiro : CPAD, 2001, p. 305. PAR ROT T, L es . L id an do co m Pe s s o as D ifí c ei s . R io d e Janeiro: CPAD, 2014. RI C H A R D S , L a wre n ce O . Gu ia d o L e ito r d a B íb li a: Um a a n á lis e d e G ê n es is a A p oc a lips e c a pít u lo p or capítulo. 10. ed. Rio de Janeiro : CPAD, 2012. SO AR ES, Es e qu ia s . C a s am en to , Div ó r ci o & Se xo à Luz da Bíblia. 1.ed. Rio de Janeiro : CPAD, 2011. VI N E, W.E. D ic io n á ri o VI N E . R io d e Ja n e ir o : C PAD, 2003. ZU C K, R o y B . Te ol o gi a do An t ig o Test am e nto . R io de Janeiro: CPAD, 2009.

×