Lição 13 - O jovem e a lei do amor

26.412 visualizações

Publicada em

Assista ao vídeo referente a este arquivo de slides no meu blog:

http://goo.gl/PPDRnr

Subsídios elaborados pelo Pr. Natalino das Neves
Programa Escola Dominical na WEBTV.
IEADSJP - Igreja Evangélica Assembleia de Deus de São José dos Pinhais
Pr. Presidente: Ival Teodoro da Silva
Pr. Vice Presidente: Elson Pereira

Publicada em: Educação

Lição 13 - O jovem e a lei do amor

  1. 1. Pare! Antes de iniciar a lição, favor se inscrever no meu blog “www.natalinodasneves.blogspot.com.br” e nos canais do Youtube e Slideshare, que podem ser acessados pelo próprio blog. Ao acessar o blog aproveite para assistir o vídeo com comentários referente a este arquivo de slides.
  2. 2. OBJETIVOS
  3. 3. Após esta aula, o aluno deverá estar apto a: 1. Equilibrar seu planejamento econômico- financeiro para evitar a contração de dívidas; 2. Conscientizar-se da necessidade de exercitar o amor incondicional, da mesma forma que é amado por Deus; 3. Explicar o ensino do cumprimento da lei por meio do amor; 4. Aplicar o conteúdo aprendido à sua vida pessoal.
  4. 4. INTERAÇÃO
  5. 5. • A leitura do Sermão do Monte (Mt 5-7) irá contribuir de forma significativa para o entendimento da lição. • O conteúdo deste sermão, provavelmente, era muito popular no meio cristão, ainda que pudesse provocar sentimentos de aversão pela profundidade de seu ensinamento para a vida cristã verdadeira. • Dentro de um contexto em que a lei continuava sendo exigida pelos judeus e influenciava os judeu- cristãos, bem como do conflito que gerava na comunidade cristã formada por judeus e gentios, a mensagem de que toda a lei se resumia em uma frase: "Amarás ao teu próximo como a ti mesmo", devia causar certo incômodo.
  6. 6. ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA
  7. 7. DINÂMICA: "desejar ao próximo o que deseja a si mesmo". • Divida a turma em grupo. • Solicite que cada grupo elabore algum tipo de atividade que gostaria que o outro grupo realizasse. A atividade terá melhor resultado se ela for primeiro escrita em um papel e, depois de solicitado pelo(a) professor(a), ser lida em voz alta para que todos possam ouvir. • A próxima etapa é você dizer para as pessoas o nome da dinâmica, sugerimos a seguinte frase: "Neste momento, antes de vocês executarem a atividade, quero lhes informar qual é o nome desta dinâmica: Desejar ao próximo o que deseja a si mesmo". • Não é necessário executar a atividade sugerida pelos participantes, pois a simples citação é o suficiente para uma reflexão. O resultado desta dinâmica, geralmente, é que se não todos, um dos grupos, irá sugerir uma atividade complexa ou que exponha o outro grupo ou pessoa. Porém, se as pessoas forem coerentes e amorosas, facilitando a atividade para o próximo, o grupo deverá ser parabenizado pela atitude. • Entretanto, independente do resultado está dinâmica proporcionará algumas reflexões para o grupo. Como sugestões, nós destacamos os seguintes questionamentos: • Se você soubesse que o seu próprio grupo fosse executar a atividade, teria sugerido a mesma? • Qual o nosso comportamento como cristãos na nossa rotina diária? • O resultado desta dinâmica foi semelhante ou difere o mandamento de Jesus para amar ao próximo como a ti mesmo?
  8. 8. INTRODUÇÃO
  9. 9. • Jesus demonstrou pelo seu exemplo de vida que a lei somente poderia ser cumprida por meio do amor. • O conteúdo do famoso Sermão do Monte de Jesus (Mt 5-7) demonstra que toda a lei se resume na regra áurea: “amarás a teu próximo como a ti mesmo”. • Nesta lição vamos refletir sobre: a) o problema da dívida e sua relação com a lei do amor; b) a dívida do amor com base no exemplo de jesus; e c) o cumprimento da lei por meio do amor.
  10. 10. I – JOVEM, NÃO DEVA NADA A NINGUÉM (RM 13.8A)!
  11. 11. A dívida no Antigo Testamento (AT). • Economia agrícola. • A lei protegia os judeus endividados (Ex 22.25; Dt 23.19; Lv 25.35) – aos estrangeiros era permitida a cobrança de juros (Dt 15.1-8; 23.20). • Para tomada de empréstimos eram exigidas garantias: a) um objeto pessoal (Dt 24.10; Jó 24.3); b) hipoteca de uma propriedade (Ne 5), c) fiança de um financiador (Pv 6.1-5). • Em não havendo garantia e não sendo pago a dívida, o devedor era vendido com escravo (Ex 22.3; 2 Rs 4.1; Am 2.6; 8.6). • Ano do jubileu (Dt 15.1-15).
  12. 12. A dívida no Novo Testamento (NT) • No AT o empréstimo tinha mais um caráter de filantropia. • Todavia, pouco antes do NT, no período judaístico com Hillel, começaram as mudanças. • Na época do NT, a falta de pagamento passou a ser punida por meio de prisão (Mt 18.23-35; Lc 12.57-59). • Jesus aconselhou atitudes amigáveis e hospitaleiras, o bom senso, para busca de solução dos problemas de dívidas, em vez de coerção legal (Mt 5.25-26). • Relação devedor e credor (dívidas) e a semelhança com a justificação pela fé (Rm 6.18-22; 1 Co 6.20; 7.23; Tt 2.14).
  13. 13. O jovem cristão e a dívida • Paulo recomenda não contrair dívidas (Rm 13.8a). • Apesar da diferença de contextos, nos dias atuais a as consequências são similares: muitas pessoas tem prejudicado sua vida pessoal, conjugal, bem como a vida espiritual pelo descuido nesta área. • O consumismo é incentivado diariamente na mídia e muitas pessoas são influenciadas pelo marketing. • TER vs. SER. • Cartão de crédito Vs. Compras sem avaliação das consequências (efeito bola de neve).
  14. 14. Matthew Henry ao comentar sobre Rm 13.8 argumenta: “Os cristãos devem evitar os gastos inúteis e ter o cuidado de não contrair dívida que não podem pagar. Também devem se afastar de toda a especulação aventureira e dos compromissos precipitados, e de tudo o que possa expô-los ao perigo de não dar a cada um o que é devido. Não devais nada a ninguém. Dai a cada um o que lhe for devido. Não gasteis convosco aquilo que deveis ao próximo. Contudo, muitos dos que são muitos sensíveis aos problemas pensam pouco sobre o pecado de endividar-se” (HENRY, 2002, P. 943).
  15. 15. II – JOVEM, A ÚNICA DÍVIDA RECOMENDADA É O AMOR (RM 13.8B)
  16. 16. Jesus, o maior exemplo da lei do amor • A humanidade tem uma dívida impagável. • Os pessoas justificadas pela fé no sacrifício de Cristo (motivado por amor - Rm 5.8), gratuitamente, é liberta da dívida (Mt 6.12; Rm 4; Rm 6.23). • O ser humano ingrato e pecador teve Jesus como fiador de sua dívida, conforme Hb 7.22 “de tanto melhor concerto Jesus foi feito fiador”. • A lei e a carne exige servidão (Rm 8.12). Quem está livre desta servidão deve ser grato por meio da obediência voluntária (Mt 18.27; Lc 7.41-42). • Jesus é o maior exemplo de obediência voluntária.
  17. 17. Jovem, quem é servido deve amor a quem serve • Paulo foi servido pelos judeu-cristãos de Jerusalém, a quem ele era grato e retorna com donativos para socorrê-los (Rm 15.26-27). • O apóstolo não se sentia devedor a todas as pessoas, conhecidas ou desconhecidas, independente da origem: “Eu sou devedor tanto a gregos como a bárbaros, tanto a sábios como a ignorantes” (Rm 1.14). • Exemplo a ser seguido: retribuir a Deus por meio do serviço ao próximo para que alcancem os mesmos privilégios, a salvação e a vida eterna com Deus.
  18. 18. Jovem, o perdão de Deus é uma dívida de amor ao próximo • O uso metafórico do pecado como dívida era uma prática comum tanto no AT como no NT, inclusive de Jesus, com intuito de: a) enfatizar a grandiosidade da graça de Deus (Lc 7.41-42), b) bem como o dever de quem foi perdoado por Deus (verticalmente) também perdoar quem o ofendeu (horizontal). • O perdão ao próximo (na horizontal), após a justificação, é colocado como uma condicional para o perdão das dívidas na vertical (Mt 6.12; Mt 18.21-27). • Infelizmente, algumas pessoas estão despercebidas com a responsabilidade do Pai Nosso: “Perdoais nossas ofensas assim como...” (Mt 6.12).
  19. 19. III – JOVEM, O CUMPRIMENTO DA LEI É O AMOR (RM 13.8C-10)
  20. 20. Quem ama como Jesus amou cumpri a lei (v. 8c) • A mensagem amor incondicional de Jesus é reforçada pelo apóstolo Paulo. • Do amor dependem toda a lei e os profetas (Mt 22.40, Gl 5.14). • Jesus ensinou qual abrangência do amor ao próximo com a parábola do bom samaritano (Lc 10.27-37). • O conceito que os judeus tinha de “próximo” (Lv 19.18,34; Mt 5.43) os conduziam na busca do atendimento do aspecto externo e jurídico da lei. • Quem ama o próximo cumpri a lei em sua plenitude (Rm 13.8c-10).
  21. 21. O resumo dos mandamentos é “amarás ao teu próximo como a ti mesmo” (v. 9) • Questionado sobre qual seria o maior ou principal dos mandamentos, Jesus apresenta dois: • o primeiro relacionado ao amor à Deus; e • o segundo ao próximo (Mt 7.36-40; Mc 12.28-34). • Jesus usa a mesma fonte para harmonizar o AT (Lv 19.18) e o NT (Mt 5.17-48). • Paulo, em Rm 13.9, demonstra que teve acesso ao conteúdo do Sermão do Monte (quem ama não tira o que é do outro ou o prejudica de alguma forma). • Judeus (lei acima do amor) Vs Jesus (o amor está acima das tradições, lei e costumes).
  22. 22. Quem ama não deseja o mal a outra pessoa (v. 10) • Os cristãos em Roma receberam a esperança de uma nova realidade permeada pelo amor divino impregnado nas pessoas, diferente da antiga fé imprecatória que buscava a morte dos inimigos. • Matthew Henry (2002, p. 943) afirma que: “não somente devemos evitar o dano às pessoas, aos relacionamentos, à propriedade e ao caráter dos seres humanos, mas também não devemos fazer nenhuma classe nem grau de mal a ninguém, e devemos nos ocupar em ser úteis em cada situação da vida”.
  23. 23. Quem ama não deseja o mal a outra pessoa (v. 10) • A dívida contraída pelo amor é uma dívida que nunca poderá ser liquidada, portanto a ação de amar e fazer o bem para as pessoas nunca poderá cessar. • A prática do amor uni as pessoas na mesma esperança de construir um mundo mais justo, cada vez melhor para se viver. • Esta é a verdadeira religião (o que religa com Deus) defendida por Cristo, a do amor, que não deseja o mal para o próximo.
  24. 24. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  25. 25. Nesta lição nos aprendemos que: 1) o jovem cristão deve ter um cuidado especial com sua vida econômica e financeira, evitando contrair dívidas. 2) A única dívida recomendada por Paulo é a dívida do amor, contraída por todas as pessoas que foram justificadas mediante a fé em Cristo, pois o amor de Deus nos constrange a amar o próximo. 3) O verdadeiro cristão deve retribuir o perdão recebido de Deus, amando o próximo como a si mesmo, assim cumprirá toda a lei, pela lei do amor.
  26. 26. REFERÊNCIAS
  27. 27. BALL, Charles Fergunson. A vida e os tempos do apóstolo Paulo. Rio de Janeiro: CPAD, 1998. BARTH, Karl. Carta aos Romanos: Tradução e comentários Lindolfo K. Anders. São Paulo: Novo Século, 2003. BRUCE, F.F. Romanos: introdução e comentário. São Paulo: Editora Vida Nova, 2004. CABRAL, Elienai. Mordomia Cristã: aprenda como servir melhor a Deus. Rio de Janeiro: CPAD, 2003. CABRAL, Elienai. Romanos: o evangelho da justiça de Deus. 7a edição. Rio de Janeiro: CPAD, 2003. CALVINO, João. Romanos. 2a Edição. São Paulo: Edições Parakletos, 2001. GABY, Wagner Tadeu dos Santos. As doenças do Século. Rio de Janeiro: CPAD, 2008. GILBERTO, Antônio. O fruto do Espírito: a plenitude de Cristo na vida do crente. Rio de Janeiro: CPAD, 2004.
  28. 28. HENRY, Matthew. Comentário Bíblico de Matthew Henry. Tradução: Degmar Ribas Júnior. Rio de Janeiro: CPAD, 2002 JEREMIAS, Joaquim. A mensagem central do Novo Testamento. São Paulo: Editora Academia Cristã, 2005 KASEMANN, Ernest. Perspectivas paulinas. 2a edição. São Paulo: Teológica, 2003. KÜMMEL, Werner Georg. Sintese teológica do Novo Testamento. São Paulo: Teológica, 2003. LOHSE, E. Contexto e Ambiente do Novo Testamento. 2ª ed. São Paulo: Paulinas, 2004. LUTERO, Martin. Comentarios de Martin Lutero: Romanos. Volumen I. Traducción de Erich Sexauer. Barcelona: Editorial Clie, 1998. MACARTHUR JR., John et all. Justificação pela fé somente: a marca da vitalidade espiritual da igreja. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2005. MOODY. Comentário bíblico Moody: Romanos à Apocalipse. V. 5. São Paulo: Editora Batista Regular, 2001.
  29. 29. • MURRAY, John. Romanos: comentário bíblico fiel. São Paulo: Editora Fiel, 2003. • POHL, Adolf. Carta aos romanos. Curitiba: Editora Evangélica Esperança, 1999. • REGA, Lourenço Stelio e BERGMANN, Johannes. Noções do Grego Bíblico: gramática fundamental. São Paulo: Editora Vida Nova, 2004. • RICHARDS, Lawrence O. Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento. Tradução de Degmar Ribas Júnior. Rio de Janeiro: CPAD, 2014. • RICHARDS, Lawrence O. Guia do leitor da Bíblia: uma análise de Gênesis a Apocalipse capítulo por capítulo. Rio de Janeiro: CPAD, 2012. • RIDDERBOS, Herman. A teologia do apóstolo Paulo: a obra definitiva sobre o pensamento do apóstolo dos gentios. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2004. • RONIS, Osvaldo. Geografia bíblica. 3a Edição. Rio de Janeiro: SEGRAFE, 1978.
  30. 30. • SANDERS, E. P. Paulo, a lei e o povo judeu. São Paulo: Edições Paulinas, 1990. • SCHNELLE, Udo. A evolução do pensamento paulino. São Paulo: Edições Loyola, 1999. • STOTT, John. Romanos. São Paulo: ABU editora, 2000. • SCHRAGE, Wolfgang. Ética do Novo Testamento. São Leopoldo: Sinodal/IEPG, 1994. • STUHLMACHER, Peter. Lei e graça em Paulo: uma reafirmação da doutrina da justificação. São Paulo: Vida Nova, 2002. • TRASK, Thomas E.; GOODALL, Waide I. Um retorno à Vida Santificada. In: De volta para a Palavra: um chamado à autoridade da Bíblia. Rio de Janeiro: CPAD, 2001, P. 187-205. • ZUCK, Roy B. Teologia do Novo Testamento. Rio de Janeiro: CPAD, 2008.
  31. 31. Pr. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br Contatos: natalino6612@gmail.com (41) 8409 8094

×