Lição 1 - Conhecendo a Epístola aos Romanos

53.209 visualizações

Publicada em

Assista ao vídeo referente a este arquivo de slides no meu blog:

http://goo.gl/PPDRnr

Subsídios elaborados pelo Pr. Natalino das Neves
Programa Escola Dominical na WEBTV.
IEADSJP - Igreja Evangélica Assembleia de Deus de São José dos Pinhais
Pr. Presidente: Ival Teodoro da Silva
Pr. Vice Presidente: Elson Pereira

Publicada em: Educação
5 comentários
20 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
53.209
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
21.679
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
495
Comentários
5
Gostaram
20
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lição 1 - Conhecendo a Epístola aos Romanos

  1. 1. OBJETIVOS Após esta aula, o aluno deverá estar apto a: 1. Conhecer as questões introdutórias e básicas da Carta/Epístola aos Romanos; 2. Entender o motivo que o apóstolo escreveu a epístola para os romanos; 3. Reconhecer o poder do Evangelho para salvação de todo que crê; 4. Aplicar o conteúdo aprendido à sua vida pessoal.
  2. 2. OBJETIVOS
  3. 3. Após esta aula, o aluno deverá estar apto a: 1. Conhecer as questões introdutórias e básicas da Epístola aos Romanos; 2. Entender o motivo que o apóstolo escreveu a epístola para os romanos; 3. Reconhecer o poder do Evangelho para salvação de todo que crê; 4. Aplicar o conteúdo aprendido à sua vida pessoal.
  4. 4. INTERAÇÃO
  5. 5. • Um dos escritos com maior profundidade teológica e, ao mesmo tempo, com o cuidado pastoral do apóstolo. • Perceber a paixão do apóstolo pela pregação do Evangelho, nunca satisfeito com os resultados, sabendo que podia oferecer sempre mais pelo Reino de Deus. • Durante a caminhada deste trimestre, convido você a se colocar no lugar do autor e vivenciar cada momento ao estudar os textos bíblicos. • Que este não seja simplesmente mais um trimestre, mas que faça a diferença em sua vida cristã e na de seus alunos. • Aproveite cada aula, cada momento para se aproximar mais de Deus, reconhecer sua justiça e seu amor para com o ser humano. • Caminharemos juntos por 13 lições, por isso, esperamos que seja agradável e produtivo para você.
  6. 6. ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA
  7. 7. ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA • Professor(a), sugerimos que você faça a leitura de toda a epístola aos Romanos e todas as lições desta revista. • Na sequência estude a lição específica que vai lecionar, destacando os principais pontos. S • e possível, consulte literaturas que falem sobre o assunto e prepare um esboço sobre a lição, destacando os pontos principais de cada tópico em forma de frases. • Durante a aula, não leia a revista com os(as) alunos(as), mas apresente os principais pontos e incentive a participação de todos. • Estimule os(as) alunos(as) a estudarem previamente a lição em suas casas.
  8. 8. I – QUESTÕES INTRODUTÓRIAS
  9. 9. A AUTORIA, DATA E LOCAL DA ESCRITA • Autor: Apóstolo Paulo (apesar de não ser o fundador da igreja em Roma) • Durante os três meses que o apóstolo esteve em Corinto, hospedado na casa de Gaio (Rm 16.23, 1Co 1,14-15), em sua terceira viagem missionária (At 20.2). • Aproximadamente no final do ano de 56 e início de 57 d. C. • O apóstolo não escreveu com suas próprias mãos, mas ditou a carta para o copista Tércio.
  10. 10. A CIDADE DE ROMA • Para Roma afluíam pessoas de toda espécie e de todas as partes do império romano por meio de um moderno sistema de estradas. • Portanto, na cidade de Roma, devido a essa miscigenação, havia as mais diversas religiões e filosofias da época. • A cidade era caracterizada por seus grandes empreendimentos e suas desigualdades sociais. • A cultura helenística era predominante (língua e forma de vida grega).
  11. 11. A CIDADE DE ROMA • Na área religiosa, era famosa pelo seu politeísmo e superstições:  o culto ao Imperador;  os movimentos filosóficos;  as Religiões de Mistério; e  os variados movimentos religiosos e cultos orientais, como Cíbele, Átis, Osíris e a influência do pensamento apocalíptico • Os deuses do panteão grego foram adotados pelos romanos, todavia os nomes originais foram trocados. • Quando o apóstolo Paulo chegou a Roma, cerca de 60 d. C., encontrou uma população diversificada e cosmopolita (cerca de um milhão de habitantes).
  12. 12. A COMUNIDADE JUDAICA EM ROMA • Dentro da comunidade judaica a sua maioria era contrária ao império (fariseus e zelote), porém, havia também simpatizantes (herodianos e saduceus). • A maioria chegou em Roma no ano 61 a. C. trazidos por Pompeu, depois de ter conquistado a Judeia. • Judeus de todas as classes sociais viviam em Roma ou a visitava (arqueologia – nomes latinos). • A comunidade judaica era bem representada na capital do império, a ponto de no primeiro século constituir o maior centro judaico do mundo antigo.
  13. 13. II – OS DESTINATÁRIOS E O PROPÓSITO DA CARTA
  14. 14. ENDEREÇO E SAUDAÇÃO (RM 1.1-7) • A carta de Paulo tinha um endereço certo, a comunidade cristã em Roma. • Como ele não conhecia a comunidade cristã em Roma ele acentua suas credenciais de servo, apóstolo e escolhido de Deus (Rm 1.1-7), se igualando aos profetas do AT (Am3.7; Jr 25.4; Jr 1.5). • Ele enfatiza que recebeu o seu apostolado diretamente de Jesus, isso era importante para a igreja primitiva que tinha como verdadeiros apóstolos aqueles que andaram com Jesus e aprenderam diretamente dele.
  15. 15. A COMUNIDADE CRISTÃ EM ROMA • Provavelmente o início se deu com os novos convertidos que retornaram da festa de Pentecostes. • O crescimento inicial da igreja se deu como fruto da obra missionária entre os judeus (sinagogas). • A igreja era constituída tanto por judeus como gentios, estes foram se tornando a maioria (Rm 1.5s, 13s; 11.13s). Diferença foi acentuada depois do decreto do Imp. Cláudio, que baniu os judeus de Roma (49 d.C) – detalhes no livro. • Paulo chega em Roma 05 anos depois da escrita.
  16. 16. O PROPÓSITO DA EPÍSTOLA • Aparentemente, Paulo não tinha um único propósito ao escrever a carta. Pelo menos quatro podem ser identificados:  missionário – O trabalho missionário na Ásia e na Grécia já estava completo (Rm 15.19-20) e Paulo tencionava ir para região europeia;  doutrinário - exposição de forma didática e compreensiva as verdades centrais do evangelho, provável deficiência devido a ausência de um líder apostólico;  apologético - argumentação sobre a justificação pela fé não parecem ser simplesmente informativo, mas uma oposição aos legalistas judaicos;  didático - principalmente na seção de prática geral, sobre a moral e a conduta cristã (Rm 12-15).
  17. 17. III – A GRATIDÃO DE PAULO E A JUSTIÇA DE DEUS (Rm 1.8-17)
  18. 18. PAULO AGRADECE A DEUS PELA COMUNIDADE CRISTÃ EM ROMA (1.8-15) • O fato de Paulo não ser o fundador da igreja não o impediu de orar e reconhecer a fé e o trabalho de seus membros (testemunho do próprio Deus). • Vontade de visitar a igreja de Roma. Provavelmente, foi impedido de ir a Roma devido as diversas perseguições que sofreu. • Paulo era grato à Deus por todas as pessoas da comunidade, independente de nacionalidade ou classe social. • Infelizmente, muitos líderes têm dificuldade de aprender esta lição com Paulo.
  19. 19. PAULO ERA TESTEMUNHA DA JUSTIÇA DE DEUS REVELADA PELO PODER DO EVANGELHO (1.16-17) • O apóstolo reconhecia a situação em que estava diante de Deus antes de conhecer a Jesus. • Convicto de sua justificação pela fé e não pelas obras, ele testifica o seu amor ao evangelho, a ponto de afirmar: “Porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê” (Rm 1.16). • Algumas pessoas que se identificam como cristãos evangélicos para tirar vantagem. • Por outro lado, há cristãos com vergonha de se identificarem como tal.
  20. 20. A JUSTIÇA DE DEUS REVELADA EM RM 1.17 E A REFORMA PROTESTANTE • No século XVI, o principal protagonista da Reforma Protestante, Martin Lutero, foi profundamente influenciado por Rm 1.17. • A doutrina da justificação pela fé foi a força propulsora para a reforma protestante. • Concílio de Trento com objetivo de rebater a doutrina da justificação pela fé. • Paulo afirma que a justificação provém de Deus, mediante sua graça justificadora, que extravasa largamente à esfera jurídica (Rm 4.2, 5.1 e 5.9).
  21. 21. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  22. 22. CONSIDERAÇÕES FINAIS Nesta lição nos aprendemos que: 1) a epístola foi escrita por Paulo, cerca de 57 a.C., na cidade de Corinto, durante a terceira viagem missionária de Paulo. 2) a comunidade cristã de Roma não foi fundada por Paulo, mas ele se ocupou em reforçar para a comunidade a revelação da justiça de Deus por meio da fé, tema central da epístola e fundamento para o desencadeamento da Reforma Protestante do Século; 3) Paulo deu exemplo de gratidão pela justiça de Deus e seus efeitos.
  23. 23. REFERÊNCIAS
  24. 24. BALL, Charles Fergunson. A vida e os tempos do apóstolo Paulo. Rio de Janeiro: CPAD, 1998. BARTH, Karl. Carta aos Romanos: Tradução e comentários Lindolfo K. Anders. São Paulo: Novo Século, 2003. BRUCE, F.F. Romanos: introdução e comentário. São Paulo: Editora Vida Nova, 2004. CABRAL, Elienai. Mordomia Cristã: aprenda como servir melhor a Deus. Rio de Janeiro: CPAD, 2003. CABRAL, Elienai. Romanos: o evangelho da justiça de Deus. 7a edição. Rio de Janeiro: CPAD, 2003. CALVINO, João. Romanos. 2a Edição. São Paulo: Edições Parakletos, 2001. GABY, Wagner Tadeu dos Santos. As doenças do Século. Rio de Janeiro: CPAD, 2008. GILBERTO, Antônio. O fruto do Espírito: a plenitude de Cristo na vida do crente. Rio de Janeiro: CPAD, 2004.
  25. 25. HENRY, Matthew. Comentário Bíblico de Matthew Henry. Tradução: Degmar Ribas Júnior. Rio de Janeiro: CPAD, 2002 JEREMIAS, Joaquim. A mensagem central do Novo Testamento. São Paulo: Editora Academia Cristã, 2005 KASEMANN, Ernest. Perspectivas paulinas. 2a edição. São Paulo: Teológica, 2003. KÜMMEL, Werner Georg. Sintese teológica do Novo Testamento. São Paulo: Teológica, 2003. LOHSE, E. Contexto e Ambiente do Novo Testamento. 2ª ed. São Paulo: Paulinas, 2004. LUTERO, Martin. Comentarios de Martin Lutero: Romanos. Volumen I. Traducción de Erich Sexauer. Barcelona: Editorial Clie, 1998. MACARTHUR JR., John et all. Justificação pela fé somente: a marca da vitalidade esperitual da igreja. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2005.
  26. 26. MOODY. Comentário bíblico Moody: Romanos à Apocalipse. V. 5. São Paulo: Editora Batista Regular, 2001. MURRAY, John. Romanos: comentário bíblico fiel. São Paulo: Editora Fiel, 2003. POHL, Adolf. Carta aos romanos. Curitiba: Editora Evangélica Esperança, 1999. REGA, Lourenço Stelio; BERGMANN, Johannes. Noções do Grego Bíblico: gramática fundamental. São Paulo: Ed. Vida Nova, 2004. RICHARDS, Lawrence O. Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento. Tradução de Degmar Ribas Júnior. Rio de Janeiro: CPAD, 2014. RICHARDS, Lawrence O. Guia do leitor da Bíblia: uma análise de Gênesis a Apocalipse capítulo por capítulo. Rio de Janeiro: CPAD, 2012. RIDDERBOS, Herman. A teologia do apóstolo Paulo: a obra definitiva sobre o pensamento do apóstolo dos gentios. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2004.
  27. 27. RONIS, Osvaldo. Geografia bíblica. 3a Edição. Rio de Janeiro: SEGRAFE, 1978. SANDERS, E. P. Paulo, a lei e o povo judeu. São Paulo: Edições Paulinas, 1990. SCHNELLE, Udo. A evolução do pensamento paulino. São Paulo: Edições Loyola, 1999. STOTT, John. Romanos. São Paulo: ABU editora, 2000. SCHRAGE, Wolfgang. Ética do Novo Testamento. São Leopoldo: Sinodal/IEPG, 1994. STUHLMACHER, Peter. Lei e graça em Paulo: uma reafirmação da doutrina da justificação. São Paulo: Vida Nova, 2002. TRASK, Thomas E.; GOODALL, Waide I. Um retorno à Vida Santificada. In: De volta para a Palavra: um chamado à autoridade da Bíblia. Rio de Janeiro: CPAD, 2001, P. 187-205. ZUCK, Roy B. Teologia do Novo Testamento. Rio de Janeiro: CPAD, 2008.
  28. 28. Pr. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br Contatos: natalino6612@gmail.com (41) 8409 8094

×