SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
TEXTO DO DIA
"Também não oprimirás o
estrangeiro; porque vós conheceis o
coração do estrangeiro, pois fostes
estrangeiros na terra do Egito."
(Êx 23.9)
SÍNTESE
Numa época em que refugiados
são perseguidos e
marginalizados, a Igreja deve
servir como exemplo de
acolhimento e hospitalidade.
LEITURA BÍBLICA
Mateus 25.31-46
31 E, quando o Filho do Homem vier em sua glória, e
todos os santos anjos, com ele, então, se assentará no
trono da sua glória;
32 e todas as nações serão reunidas diante dele, e
apartará uns dos outros, como o pastor aparta dos bodes
as ovelhas.
33 E porá as ovelhas à sua direita, mas os bodes à
esquerda.
34 Então, dirá o Rei aos que estiverem à sua direita:
Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o Reino
que vos está preparado desde a fundação do mundo;
35 porque tive fome, e destes-me de comer; tive sede, e
destes-me de beber; era estrangeiro, e hospedastes-me;
36 estava nu, e vestistes-me; adoeci, e visitastes-me;
estive na prisão, e fostes ver-me.
37 Então, os justos lhe responderão, dizendo:
Senhor, quando te vimos com fome e te demos de
comer? Ou com sede e te demos de beber?
38 E, quando te vimos estrangeiro e te
hospedamos? Ou nu e te vestimos?
39 E, quando te vimos enfermo ou na prisão e fomos
ver-te?
40 E, respondendo o Rei, lhes dirá: Em verdade vos
digo que, quando o fizestes a um destes meus
pequeninos irmãos, a mim o fizestes.
41 Então, dirá também aos que estiverem à sua
esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo
eterno, preparado para o diabo e seus anjos;
42 porque tive fome, e não me destes de comer; tive
sede, e não me destes de beber;
43 sendo estrangeiro, não me recolhestes; estando
nu, não me vestistes; e estando enfermo e na prisão,
não me visitastes.
44 Então, eles também lhe responderão, dizendo:
Senhor, quando te vimos com fome, ou com sede,
ou estrangeiro, ou nu, ou enfermo, ou na prisão e
não te servimos?
45 Então, lhes responderá, dizendo: Em verdade vos
digo que, quando a um destes pequeninos o não
fizestes, não o fizestes a mim.
46 E irão estes para o tormento eterno, mas os
justos, para a vida eterna.
• As histórias bíblicas de pessoas refugiadas, que
deixam seus países de origem por causa de
algum tipo de perseguição se repetem.
• Essas pessoas enfrentam barreiras geográficas,
físicas, culturais, sociais e linguísticas,
discriminação e preconceito.
• Crise migratória que eclodiu na Europa
• Nesta lição teremos a oportunidade de refletir
sobre a abordagem bíblica e teológica sobre os
refugiados.
INTRODUÇÃO
I - O CONCEITO DE
REFUGIADOS
De acordo com a Agência da ONU para Refugiados
(ACNUR), são refugiadas as pessoas que se
"encontram fora do seu país por causa de fundado
temor de perseguição por motivos de raça, religião,
nacionalidade, opinião política ou participação em
grupos sociais, e que não possa (ou não queira)
voltar para casa".
1. Um breve conceito
• Também são assim considerados aqueles que
foram obrigados a deixar seu país devido a
conflitos armados, violência generalizada e
violação massiva dos direitos humanos.
• Em outras palavras, refugiado significa muito mais
que um estrangeiro, é aquele que está em busca
de proteção e segurança, tentando escapar de
um perigo de sua terra natal.
2. Quem é o refugiado
II - O POVO DE ISRAEL
COMO PEREGRINO EM
TERRA ESTRANGEIRA
• Embora a crise dos refugiados seja um tema
recente, o problema é antigo.
• Os hebreus, como escravos no Egito eles
trabalharam na edificação de cidades, na
agricultura e em outros serviços forçados (Êx
1.11-14).
• Intenção de "desmoralizá-los, convencê-los de
sua posição de escravos e reduzir ao máximo
qualquer possibilidade de insurreição".
• Porém, quanto mais os egípcios castigavam-nos,
mais eles cresciam.
1. Israel como peregrino no Egito
• A experiência dos israelitas como forasteiros não
se ateve à terra de Faraó. Entre outros lugares
estiveram entre:
• Os assírios - 2 Rs 17.6;
• Os babilônios - 2 Rs 25.21;
• Gregos (Jl 4.4-6);
• Vários territórios do Império Romano.
• Após a diáspora de 70 d.C (destruição do templo),
milhares de judeus foram dispersos pelo mundo,
vivendo exilados, como refugiados (Lc 21.24).
2. Refugiados pelo mundo
• Não é de admirar, portanto, que Deus tenha
ordenado ao povo de Israel a proteção e o
cuidado do estrangeiro:
• Não oprimir (Êx 23.9);
• permitir a colheita remanescente (lei da respiga, Dt
24.19-22); e
• amar o estrangeiro (Lv 19.33,34).
• Existem muitas pessoas descriminadas por
barreiras geográficas, culturais, sociais,
linguísticas, preconceito étnico.
• O cristão deve amar e ter compaixão com as
pessoas em condição de vulnerabilidade.
3. Deus manda proteger o estrangeiro
Pense
Colocar-se no lugar do refugiado é a
melhor maneira de compreender a
sua dor e sofrimento.
Ponto Importante
Refugiado significa muito mais que um
imigrante; é o estrangeiro que está em
busca de proteção e segurança, tentando
escapar de um perigo de sua terra natal.
III - OS REFUGIADOS NA
EUROPA E NO BRASIL
• Devido a conflitos internos, terrorismo, guerras
civis, perseguição religiosa e outras formas de
perseguição, a última década tem testemunhado
a maior crise de refugiados desde a Segunda
Guerra Mundial.
• Estudo realizado pela ACNUR/ONU, em 2015,
apontou um total de 65,3 milhões de pessoas
deslocadas por guerras e conflitos até o final
daquele ano.
• É um verdadeiro caos humanitário!
1. A atual crise de refugiados
• O continente europeu é uma das regiões mais
afetadas pela crise de refugiados.
• Isso se deve ao crescente número de migrantes
(maioria do Oriente Médio e da África) que
chegam às suas fronteiras em busca de abrigo.
• Destaque para o terrorismo do Estado Islâmico.
• Famílias inteiras arriscam suas vidas em viagens
a bordo de embarcações clandestinas.
• Muitos não completam o percurso. Outros tantos
desaparecem.
2. Refugiados na Europa
• O Brasil também recebe refugiados do mundo
todo.
• O número total de solicitações de refúgio
aumentou mais de 2.868% entre 2010 e 2015.
• Entre as principais causas dos pedidos de refúgio
estão:
• a violação de direitos humanos;
• perseguições políticas;
• reencontro de famílias; e
• perseguição religiosa.
• A grande maioria dessas pessoas advém da
África, Ásia (inclusive Oriente Médio) e do Caribe.
3. Refugiados no Brasil
Pense
Mais da metade dos refugiados no
mundo é criança.
Ponto Importante
A última década tem testemunhado
a maior crise de refugiados desde a
Segunda Guerra Mundial.
IV - OS REFUGIADOS E A
IGREJA
• As guerras e os rumores de guerras serão sinais
dos últimos dias (Mc 13.7), ocasionando em
grande medida a crise dos refugiados.
• Mas isso não pode nos anestesiar em face desse
problema humanitário.
• Os eventos escatológicos não afastam a
responsabilidade do povo de Deus de dar mostras
do seu amor e justiça para com o próximo e
necessitado (Sl 72.13; Pv 31.20).
• Independente da interpretação escatológica, a
igreja deve sempre estar disposta a ajudar as
pessoas carentes e desprotegidas.
1. Um problema dos últimos tempos
• Jesus (criança) e seus pais estiveram foragidos
no Egito, fugindo de Herodes (Mt 2.13).
• Cristo se importa e se compadece daqueles que
se encontram nessa condição, pois conhece o
seu sofrimento e infortúnio (Hb 2.17,18).
• Por esse motivo, aqueles que acolhem o
estrangeiro necessitado são dignos de honra.
2. Amor e compaixão pelo estrangeiro
• Além da oração, é possível promover o
acolhimento e amparo aos refugiados.
• Recomendação bíblica da hospitalidade (Rm
12.13; Hb 13.2; 1 Tm 3.2; 1 Pe 4.9).
• Ao Estado compete a segurança nacional e a
política migratória.
• A igreja serve como uma comunidade de refúgio e
apoio às pessoas e famílias fragilizadas que
sofrem perseguição.
• A hospitalidade faz parte do serviço cristão.
Porém, deve-se tomar precauções de segurança.
3. Oração e hospitalidade
• Devemos lembrar de que muitos refugiados são
cristãos que se encontram afastados de seus
países por diversos motivos.
• Alguns por causa da perseguição religiosa, por
professarem a fé em Cristo.
• Enquanto arauto da justiça, a igreja também pode
agir estrategicamente no enfretamento desse
problema social.
• Inclusive, levantando recursos para a ajuda
humanitária.
4. A igreja e os refugiados
Pense
Seja um instrumento de refúgio para
aqueles que buscam socorro.
Ponto Importante
A comunidade cristã pode promover
o acolhimento e o amparo aos
refugiados, colocando em prática a
recomendação bíblica da
hospitalidade.
1. Os Israelitas e judeus estiveram várias vezes
foragidos em terras estranhas. Na escritura
judaica há orientação para cuidar do estrangeiro
desprotegido.
2. Atualmente, o continente europeu é uma das
regiões mais afetadas pela crise de refugiados,
principalmente devido às perseguições do Estado
Islâmico. Mas no Brasil, também tem aumentado
número de refugiados.
• A igreja também pode auxiliar como comunidade
de refúgio e apoio às pessoas e famílias
fragilizadas que sofrem perseguição.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
AYRES, Antônio Tadeu. 1.ed. Reflexos da Globalização
Sobre a Igreja: Até que ponto as últimas tendências
mundiais afetam o Corpo de Cristo. 1.ed. Rio de Janeiro:
CPAD, 2001.
COLSON, C.; PEARCEY. E Agora, Como Viveremos? 2.ed.,
Rio de Janeiro: CPAD, 2000.
HAMILTON, Victor P. Manual do Pentateuco. 2.ed. Rio de
Janeiro: CPAD, 2007.
LIÇÕES BÍBLICAS JOVENS. Seguidores de Cristo:
testemunhando uma sociedade em ruinas. 4º Trim.,
Edição Professor, Rio de Janeiro, CPAD, 2017.
REFERÊNCIAS
NASCIMENTO, Valmir. Seguidores de Cristo:
testemunhando uma sociedade em ruinas. Rio de Janeiro:
CPAD, 2017.
RICHARDS, Lawrence O. Guia do Leitor da Bíblia: Uma
análise de Gênesis a Apocalipse capítulo por capítulo. 10ª
ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2012.
RICHARDS, Lawrence. Comentário Histórico-Cultural do
Novo Testamento. Rio de Janeiro: CPAD, 2007.
ZUCK, Roy B (ed.). Teologia do Novo Testamento. 1.ed.
Rio de Janeiro: CPAD, 2008
REFERÊNCIAS
Pr. Natalino das Neves
www.natalinodasneves.blogspot.com.br
Facebook: www.facebook.com/natalino.neves
Contatos:
natalino6612@gmail.com
(41) 98409 8094 (TIM)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ri soc v presentacion refugiados 2013 00
Ri soc v presentacion refugiados 2013 00Ri soc v presentacion refugiados 2013 00
Ri soc v presentacion refugiados 2013 00Felix
 
Processos Migratórios e a Crise dos Refugiados
Processos Migratórios e a Crise dos RefugiadosProcessos Migratórios e a Crise dos Refugiados
Processos Migratórios e a Crise dos RefugiadosPatrícia Éderson Dias
 
Protegendo Refugiados no Brasil e no Mundo 2014
Protegendo Refugiados no Brasil e no Mundo 2014Protegendo Refugiados no Brasil e no Mundo 2014
Protegendo Refugiados no Brasil e no Mundo 2014Ministério da Justiça
 
Imigração e refúgio em São Paulo: o papel da sociedade civil no processo de r...
Imigração e refúgio em São Paulo: o papel da sociedade civil no processo de r...Imigração e refúgio em São Paulo: o papel da sociedade civil no processo de r...
Imigração e refúgio em São Paulo: o papel da sociedade civil no processo de r...inovaDay .
 
O refúgio em minha vida
O refúgio em minha vidaO refúgio em minha vida
O refúgio em minha vidainovaDay .
 
Derrubar muros, construir pontes
Derrubar muros, construir pontesDerrubar muros, construir pontes
Derrubar muros, construir pontesBiblioteca Esbocage
 
Migrações, Xenofobia e nacionalismo
Migrações, Xenofobia e nacionalismoMigrações, Xenofobia e nacionalismo
Migrações, Xenofobia e nacionalismoAdriana Gomes Messias
 
3º ano e.m (mod. 25) Brasil população
3º ano e.m (mod. 25) Brasil população3º ano e.m (mod. 25) Brasil população
3º ano e.m (mod. 25) Brasil populaçãoAlexandre Alves
 
Israel e Palestina
Israel e PalestinaIsrael e Palestina
Israel e Palestinalidia76
 
Crescimento da população brasileira
Crescimento da população brasileiraCrescimento da população brasileira
Crescimento da população brasileiraCBM
 
Israel Palestina
Israel PalestinaIsrael Palestina
Israel Palestinabarbet
 

Mais procurados (20)

Aula 1 - Refugiados e Guerra
Aula 1 - Refugiados e GuerraAula 1 - Refugiados e Guerra
Aula 1 - Refugiados e Guerra
 
Refugiados.
Refugiados.Refugiados.
Refugiados.
 
Refugiados
RefugiadosRefugiados
Refugiados
 
Refugiados
RefugiadosRefugiados
Refugiados
 
Ri soc v presentacion refugiados 2013 00
Ri soc v presentacion refugiados 2013 00Ri soc v presentacion refugiados 2013 00
Ri soc v presentacion refugiados 2013 00
 
Processos Migratórios e a Crise dos Refugiados
Processos Migratórios e a Crise dos RefugiadosProcessos Migratórios e a Crise dos Refugiados
Processos Migratórios e a Crise dos Refugiados
 
Protegendo Refugiados no Brasil e no Mundo 2014
Protegendo Refugiados no Brasil e no Mundo 2014Protegendo Refugiados no Brasil e no Mundo 2014
Protegendo Refugiados no Brasil e no Mundo 2014
 
Imigração e refúgio em São Paulo: o papel da sociedade civil no processo de r...
Imigração e refúgio em São Paulo: o papel da sociedade civil no processo de r...Imigração e refúgio em São Paulo: o papel da sociedade civil no processo de r...
Imigração e refúgio em São Paulo: o papel da sociedade civil no processo de r...
 
O refúgio em minha vida
O refúgio em minha vidaO refúgio em minha vida
O refúgio em minha vida
 
Imigração e xenofobia
Imigração e xenofobiaImigração e xenofobia
Imigração e xenofobia
 
Derrubar muros, construir pontes
Derrubar muros, construir pontesDerrubar muros, construir pontes
Derrubar muros, construir pontes
 
Migrações
MigraçõesMigrações
Migrações
 
Migrações, Xenofobia e nacionalismo
Migrações, Xenofobia e nacionalismoMigrações, Xenofobia e nacionalismo
Migrações, Xenofobia e nacionalismo
 
3º ano e.m (mod. 25) Brasil população
3º ano e.m (mod. 25) Brasil população3º ano e.m (mod. 25) Brasil população
3º ano e.m (mod. 25) Brasil população
 
Israel e Palestina
Israel e PalestinaIsrael e Palestina
Israel e Palestina
 
Cartilha embaixada
Cartilha embaixadaCartilha embaixada
Cartilha embaixada
 
Aula 7º (cap.3)
Aula 7º (cap.3)Aula 7º (cap.3)
Aula 7º (cap.3)
 
Crescimento da população brasileira
Crescimento da população brasileiraCrescimento da população brasileira
Crescimento da população brasileira
 
Israel Palestina
Israel PalestinaIsrael Palestina
Israel Palestina
 
Israel e Palestina
Israel e PalestinaIsrael e Palestina
Israel e Palestina
 

Semelhante a Acolhendo o estrangeiro

Refugiados: um problema da atualidade? - Seguidores de Cristo
Refugiados: um problema da atualidade? - Seguidores de CristoRefugiados: um problema da atualidade? - Seguidores de Cristo
Refugiados: um problema da atualidade? - Seguidores de CristoFrancelia Carvalho Oliveira
 
Sinais da Segunda Vinda de Jesus
Sinais da Segunda Vinda de JesusSinais da Segunda Vinda de Jesus
Sinais da Segunda Vinda de JesusMárcio Melânia
 
Nota cnjp refugiados 2015
Nota cnjp refugiados 2015Nota cnjp refugiados 2015
Nota cnjp refugiados 2015Cdjp Aveiro
 
Fundhist mod02 08_colonia_busca_paraiso
Fundhist mod02 08_colonia_busca_paraisoFundhist mod02 08_colonia_busca_paraiso
Fundhist mod02 08_colonia_busca_paraisoSUPORTE EDUCACIONAL
 
Módulo 3 contexto histórico regular
Módulo 3   contexto histórico regularMódulo 3   contexto histórico regular
Módulo 3 contexto histórico regularCarla Freitas
 
Encontros culturais
Encontros culturaisEncontros culturais
Encontros culturaiscattonia
 
A Glória da Diversidade e Diásporas (João Mordomo; Palestra de Plenária, VII ...
A Glória da Diversidade e Diásporas (João Mordomo; Palestra de Plenária, VII ...A Glória da Diversidade e Diásporas (João Mordomo; Palestra de Plenária, VII ...
A Glória da Diversidade e Diásporas (João Mordomo; Palestra de Plenária, VII ...Joao Mordomo
 
Brasil coração do mundo pátria de evangelho
Brasil coração do mundo pátria de evangelhoBrasil coração do mundo pátria de evangelho
Brasil coração do mundo pátria de evangelhoAlfredo Lopes
 
O rigem judaica brasileira
O rigem judaica brasileiraO rigem judaica brasileira
O rigem judaica brasileiraSilas Mariano
 
O que a bíblia diz sobre escravidão
O que a bíblia diz sobre escravidãoO que a bíblia diz sobre escravidão
O que a bíblia diz sobre escravidãoPés Descalços
 
Lição 2 - A provisão de deus em tempos difíceis
Lição 2 - A provisão de deus em tempos difíceisLição 2 - A provisão de deus em tempos difíceis
Lição 2 - A provisão de deus em tempos difíceisNatalino das Neves Neves
 
Conflito árabe-israelense
Conflito árabe-israelenseConflito árabe-israelense
Conflito árabe-israelensePolli Fontoura
 
CLC Urbanismo e Mobilidade DR 4 Migrações
CLC Urbanismo e Mobilidade DR 4 MigraçõesCLC Urbanismo e Mobilidade DR 4 Migrações
CLC Urbanismo e Mobilidade DR 4 MigraçõesFernando de Sá
 
LBJ LIÇÃO 3 - O problema da fome no mundo contemporâneo
LBJ LIÇÃO 3 - O problema da fome no mundo contemporâneoLBJ LIÇÃO 3 - O problema da fome no mundo contemporâneo
LBJ LIÇÃO 3 - O problema da fome no mundo contemporâneoNatalino das Neves Neves
 

Semelhante a Acolhendo o estrangeiro (20)

Refugiados: um problema da atualidade? - Seguidores de Cristo
Refugiados: um problema da atualidade? - Seguidores de CristoRefugiados: um problema da atualidade? - Seguidores de Cristo
Refugiados: um problema da atualidade? - Seguidores de Cristo
 
Sinais da Segunda Vinda de Jesus
Sinais da Segunda Vinda de JesusSinais da Segunda Vinda de Jesus
Sinais da Segunda Vinda de Jesus
 
Nota cnjp refugiados 2015
Nota cnjp refugiados 2015Nota cnjp refugiados 2015
Nota cnjp refugiados 2015
 
Judeus Heitor
Judeus HeitorJudeus Heitor
Judeus Heitor
 
Fundhist mod02 08_colonia_busca_paraiso
Fundhist mod02 08_colonia_busca_paraisoFundhist mod02 08_colonia_busca_paraiso
Fundhist mod02 08_colonia_busca_paraiso
 
Ult+327
Ult+327Ult+327
Ult+327
 
Módulo 3 contexto histórico regular
Módulo 3   contexto histórico regularMódulo 3   contexto histórico regular
Módulo 3 contexto histórico regular
 
Encontros culturais
Encontros culturaisEncontros culturais
Encontros culturais
 
A Glória da Diversidade e Diásporas (João Mordomo; Palestra de Plenária, VII ...
A Glória da Diversidade e Diásporas (João Mordomo; Palestra de Plenária, VII ...A Glória da Diversidade e Diásporas (João Mordomo; Palestra de Plenária, VII ...
A Glória da Diversidade e Diásporas (João Mordomo; Palestra de Plenária, VII ...
 
Brasil coração do mundo pátria de evangelho
Brasil coração do mundo pátria de evangelhoBrasil coração do mundo pátria de evangelho
Brasil coração do mundo pátria de evangelho
 
O rigem judaica brasileira
O rigem judaica brasileiraO rigem judaica brasileira
O rigem judaica brasileira
 
As cruzadas set final
As cruzadas set finalAs cruzadas set final
As cruzadas set final
 
O que a bíblia diz sobre escravidão
O que a bíblia diz sobre escravidãoO que a bíblia diz sobre escravidão
O que a bíblia diz sobre escravidão
 
EAD - História de missões 3 aula
EAD - História de missões   3 aulaEAD - História de missões   3 aula
EAD - História de missões 3 aula
 
Lição 2 - A provisão de deus em tempos difíceis
Lição 2 - A provisão de deus em tempos difíceisLição 2 - A provisão de deus em tempos difíceis
Lição 2 - A provisão de deus em tempos difíceis
 
Judaísmo
JudaísmoJudaísmo
Judaísmo
 
Conflito árabe-israelense
Conflito árabe-israelenseConflito árabe-israelense
Conflito árabe-israelense
 
CLC Urbanismo e Mobilidade DR 4 Migrações
CLC Urbanismo e Mobilidade DR 4 MigraçõesCLC Urbanismo e Mobilidade DR 4 Migrações
CLC Urbanismo e Mobilidade DR 4 Migrações
 
Missoes
MissoesMissoes
Missoes
 
LBJ LIÇÃO 3 - O problema da fome no mundo contemporâneo
LBJ LIÇÃO 3 - O problema da fome no mundo contemporâneoLBJ LIÇÃO 3 - O problema da fome no mundo contemporâneo
LBJ LIÇÃO 3 - O problema da fome no mundo contemporâneo
 

Mais de Natalino das Neves Neves

LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTOLIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTONatalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOSLIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOSNatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTONatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTONatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTONatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTONatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSNatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSNatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULONatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULONatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINANatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINANatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na IgrejaPROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na IgrejaNatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na IgrejaPRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na IgrejaNatalino das Neves Neves
 
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoPreleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoNatalino das Neves Neves
 
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoProjeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoNatalino das Neves Neves
 

Mais de Natalino das Neves Neves (20)

LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
 
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
 
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
 
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTOLIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
 
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOSLIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na IgrejaPROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
 
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na IgrejaPRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
 
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoPreleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
 
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoProjeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
 
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
 

Último

A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesMary Alvarenga
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 

Último (20)

A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 

Acolhendo o estrangeiro

  • 1.
  • 2.
  • 3. TEXTO DO DIA "Também não oprimirás o estrangeiro; porque vós conheceis o coração do estrangeiro, pois fostes estrangeiros na terra do Egito." (Êx 23.9)
  • 4. SÍNTESE Numa época em que refugiados são perseguidos e marginalizados, a Igreja deve servir como exemplo de acolhimento e hospitalidade.
  • 6. 31 E, quando o Filho do Homem vier em sua glória, e todos os santos anjos, com ele, então, se assentará no trono da sua glória; 32 e todas as nações serão reunidas diante dele, e apartará uns dos outros, como o pastor aparta dos bodes as ovelhas. 33 E porá as ovelhas à sua direita, mas os bodes à esquerda. 34 Então, dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o Reino que vos está preparado desde a fundação do mundo; 35 porque tive fome, e destes-me de comer; tive sede, e destes-me de beber; era estrangeiro, e hospedastes-me; 36 estava nu, e vestistes-me; adoeci, e visitastes-me; estive na prisão, e fostes ver-me.
  • 7. 37 Então, os justos lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome e te demos de comer? Ou com sede e te demos de beber? 38 E, quando te vimos estrangeiro e te hospedamos? Ou nu e te vestimos? 39 E, quando te vimos enfermo ou na prisão e fomos ver-te? 40 E, respondendo o Rei, lhes dirá: Em verdade vos digo que, quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes. 41 Então, dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos;
  • 8. 42 porque tive fome, e não me destes de comer; tive sede, e não me destes de beber; 43 sendo estrangeiro, não me recolhestes; estando nu, não me vestistes; e estando enfermo e na prisão, não me visitastes. 44 Então, eles também lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, ou com sede, ou estrangeiro, ou nu, ou enfermo, ou na prisão e não te servimos? 45 Então, lhes responderá, dizendo: Em verdade vos digo que, quando a um destes pequeninos o não fizestes, não o fizestes a mim. 46 E irão estes para o tormento eterno, mas os justos, para a vida eterna.
  • 9. • As histórias bíblicas de pessoas refugiadas, que deixam seus países de origem por causa de algum tipo de perseguição se repetem. • Essas pessoas enfrentam barreiras geográficas, físicas, culturais, sociais e linguísticas, discriminação e preconceito. • Crise migratória que eclodiu na Europa • Nesta lição teremos a oportunidade de refletir sobre a abordagem bíblica e teológica sobre os refugiados. INTRODUÇÃO
  • 10. I - O CONCEITO DE REFUGIADOS
  • 11. De acordo com a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), são refugiadas as pessoas que se "encontram fora do seu país por causa de fundado temor de perseguição por motivos de raça, religião, nacionalidade, opinião política ou participação em grupos sociais, e que não possa (ou não queira) voltar para casa". 1. Um breve conceito
  • 12. • Também são assim considerados aqueles que foram obrigados a deixar seu país devido a conflitos armados, violência generalizada e violação massiva dos direitos humanos. • Em outras palavras, refugiado significa muito mais que um estrangeiro, é aquele que está em busca de proteção e segurança, tentando escapar de um perigo de sua terra natal. 2. Quem é o refugiado
  • 13. II - O POVO DE ISRAEL COMO PEREGRINO EM TERRA ESTRANGEIRA
  • 14. • Embora a crise dos refugiados seja um tema recente, o problema é antigo. • Os hebreus, como escravos no Egito eles trabalharam na edificação de cidades, na agricultura e em outros serviços forçados (Êx 1.11-14). • Intenção de "desmoralizá-los, convencê-los de sua posição de escravos e reduzir ao máximo qualquer possibilidade de insurreição". • Porém, quanto mais os egípcios castigavam-nos, mais eles cresciam. 1. Israel como peregrino no Egito
  • 15. • A experiência dos israelitas como forasteiros não se ateve à terra de Faraó. Entre outros lugares estiveram entre: • Os assírios - 2 Rs 17.6; • Os babilônios - 2 Rs 25.21; • Gregos (Jl 4.4-6); • Vários territórios do Império Romano. • Após a diáspora de 70 d.C (destruição do templo), milhares de judeus foram dispersos pelo mundo, vivendo exilados, como refugiados (Lc 21.24). 2. Refugiados pelo mundo
  • 16. • Não é de admirar, portanto, que Deus tenha ordenado ao povo de Israel a proteção e o cuidado do estrangeiro: • Não oprimir (Êx 23.9); • permitir a colheita remanescente (lei da respiga, Dt 24.19-22); e • amar o estrangeiro (Lv 19.33,34). • Existem muitas pessoas descriminadas por barreiras geográficas, culturais, sociais, linguísticas, preconceito étnico. • O cristão deve amar e ter compaixão com as pessoas em condição de vulnerabilidade. 3. Deus manda proteger o estrangeiro
  • 17. Pense Colocar-se no lugar do refugiado é a melhor maneira de compreender a sua dor e sofrimento.
  • 18. Ponto Importante Refugiado significa muito mais que um imigrante; é o estrangeiro que está em busca de proteção e segurança, tentando escapar de um perigo de sua terra natal.
  • 19. III - OS REFUGIADOS NA EUROPA E NO BRASIL
  • 20. • Devido a conflitos internos, terrorismo, guerras civis, perseguição religiosa e outras formas de perseguição, a última década tem testemunhado a maior crise de refugiados desde a Segunda Guerra Mundial. • Estudo realizado pela ACNUR/ONU, em 2015, apontou um total de 65,3 milhões de pessoas deslocadas por guerras e conflitos até o final daquele ano. • É um verdadeiro caos humanitário! 1. A atual crise de refugiados
  • 21. • O continente europeu é uma das regiões mais afetadas pela crise de refugiados. • Isso se deve ao crescente número de migrantes (maioria do Oriente Médio e da África) que chegam às suas fronteiras em busca de abrigo. • Destaque para o terrorismo do Estado Islâmico. • Famílias inteiras arriscam suas vidas em viagens a bordo de embarcações clandestinas. • Muitos não completam o percurso. Outros tantos desaparecem. 2. Refugiados na Europa
  • 22. • O Brasil também recebe refugiados do mundo todo. • O número total de solicitações de refúgio aumentou mais de 2.868% entre 2010 e 2015. • Entre as principais causas dos pedidos de refúgio estão: • a violação de direitos humanos; • perseguições políticas; • reencontro de famílias; e • perseguição religiosa. • A grande maioria dessas pessoas advém da África, Ásia (inclusive Oriente Médio) e do Caribe. 3. Refugiados no Brasil
  • 23. Pense Mais da metade dos refugiados no mundo é criança.
  • 24. Ponto Importante A última década tem testemunhado a maior crise de refugiados desde a Segunda Guerra Mundial.
  • 25. IV - OS REFUGIADOS E A IGREJA
  • 26. • As guerras e os rumores de guerras serão sinais dos últimos dias (Mc 13.7), ocasionando em grande medida a crise dos refugiados. • Mas isso não pode nos anestesiar em face desse problema humanitário. • Os eventos escatológicos não afastam a responsabilidade do povo de Deus de dar mostras do seu amor e justiça para com o próximo e necessitado (Sl 72.13; Pv 31.20). • Independente da interpretação escatológica, a igreja deve sempre estar disposta a ajudar as pessoas carentes e desprotegidas. 1. Um problema dos últimos tempos
  • 27. • Jesus (criança) e seus pais estiveram foragidos no Egito, fugindo de Herodes (Mt 2.13). • Cristo se importa e se compadece daqueles que se encontram nessa condição, pois conhece o seu sofrimento e infortúnio (Hb 2.17,18). • Por esse motivo, aqueles que acolhem o estrangeiro necessitado são dignos de honra. 2. Amor e compaixão pelo estrangeiro
  • 28. • Além da oração, é possível promover o acolhimento e amparo aos refugiados. • Recomendação bíblica da hospitalidade (Rm 12.13; Hb 13.2; 1 Tm 3.2; 1 Pe 4.9). • Ao Estado compete a segurança nacional e a política migratória. • A igreja serve como uma comunidade de refúgio e apoio às pessoas e famílias fragilizadas que sofrem perseguição. • A hospitalidade faz parte do serviço cristão. Porém, deve-se tomar precauções de segurança. 3. Oração e hospitalidade
  • 29. • Devemos lembrar de que muitos refugiados são cristãos que se encontram afastados de seus países por diversos motivos. • Alguns por causa da perseguição religiosa, por professarem a fé em Cristo. • Enquanto arauto da justiça, a igreja também pode agir estrategicamente no enfretamento desse problema social. • Inclusive, levantando recursos para a ajuda humanitária. 4. A igreja e os refugiados
  • 30. Pense Seja um instrumento de refúgio para aqueles que buscam socorro.
  • 31. Ponto Importante A comunidade cristã pode promover o acolhimento e o amparo aos refugiados, colocando em prática a recomendação bíblica da hospitalidade.
  • 32. 1. Os Israelitas e judeus estiveram várias vezes foragidos em terras estranhas. Na escritura judaica há orientação para cuidar do estrangeiro desprotegido. 2. Atualmente, o continente europeu é uma das regiões mais afetadas pela crise de refugiados, principalmente devido às perseguições do Estado Islâmico. Mas no Brasil, também tem aumentado número de refugiados. • A igreja também pode auxiliar como comunidade de refúgio e apoio às pessoas e famílias fragilizadas que sofrem perseguição. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  • 33. AYRES, Antônio Tadeu. 1.ed. Reflexos da Globalização Sobre a Igreja: Até que ponto as últimas tendências mundiais afetam o Corpo de Cristo. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2001. COLSON, C.; PEARCEY. E Agora, Como Viveremos? 2.ed., Rio de Janeiro: CPAD, 2000. HAMILTON, Victor P. Manual do Pentateuco. 2.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2007. LIÇÕES BÍBLICAS JOVENS. Seguidores de Cristo: testemunhando uma sociedade em ruinas. 4º Trim., Edição Professor, Rio de Janeiro, CPAD, 2017. REFERÊNCIAS
  • 34. NASCIMENTO, Valmir. Seguidores de Cristo: testemunhando uma sociedade em ruinas. Rio de Janeiro: CPAD, 2017. RICHARDS, Lawrence O. Guia do Leitor da Bíblia: Uma análise de Gênesis a Apocalipse capítulo por capítulo. 10ª ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2012. RICHARDS, Lawrence. Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento. Rio de Janeiro: CPAD, 2007. ZUCK, Roy B (ed.). Teologia do Novo Testamento. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2008 REFERÊNCIAS
  • 35. Pr. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br Facebook: www.facebook.com/natalino.neves Contatos: natalino6612@gmail.com (41) 98409 8094 (TIM)