2014 4 tri lição 3 - O Deus que intervém na história

2.610 visualizações

Publicada em

2014 4 TRIM lição 3 - O Deus que intervém na história

Para assistir os vídeos explicativos sobre os slides acesse: http://goo.gl/PPDRnr

Publicada em: Educação
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.610
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
110
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2014 4 tri lição 3 - O Deus que intervém na história

  1. 1. Prof. Ms. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br LIÇÃO 3 O DEUS QUE INTERVÉM NA HISTÓRIA
  2. 2. Pr. Moisés Sampaio de Paula 2
  3. 3. •O capítulo 2 de Daniel revela que por mais que pareça que os grandes estadistas, senhores dos grandes impérios, têm o poder sobre a história, há um grande engano. •Pois, revela quem realmente está no controle da história da humanidade: Deus, soberano sobre todo império e poder. •O texto também, com base nas atitudes de Daniel, nos ensina sobre viver na dependência de Deus e como a humildade precede a vitória. INTRODUÇÃO
  4. 4. I. O SONHO SOBRE OS IMPÉRIOS MUNDIAIS
  5. 5. I. O SONHO SOBRE OS IMPÉRIOS MUNDIAIS •Formas de comunicação profética: Palavra e Visão. •Nabucodonozor, preocupado com seu reinado, à noite tem um sonho. •O costume era as revelações privilegiar os reis (1 Rs 3.5-14; Gn 20.3) •Os sábios caldeus (babilônicos) não podiam dar a revelação do sonho (Dn 2.2-13).
  6. 6. I. O SONHO SOBRE OS IMPÉRIOS MUNDIAIS •O sonho foi dado por Deus e somente os espirituais é que poderiam interpretar (1 Co 2.12- 14). •Resultado: decreto do rei determinando a morte de todos os sábios do seu reino pela incapacidade de revelar e interpretar o sonho. •Deus fala por meio de sonhos, mas excepcionalmente. Muitos se dizem “reveladores de sonhos”. Cuidado! •Melhor orientação para o salvo é a Bíblia.
  7. 7. II. A ATITUDE DE DANIEL E A INTERVENÇÃO DIVINA
  8. 8. II. A ATITUDE DE DANIEL E A INTERVENÇÃO DIVINA •Daniel sabia ONDE/QUEM poderia revelar o sonho. Ele foi ousado e corajoso ao pedir tempo ao rei. •Daniel também sabia COMO: oração, o caminho mais eficaz de se alcançar a resposta de Deus (Dn 2.17-18) •Daniel repartiu sua angústia com seus amigos (Hananias, Misael e Azarias), convidando-os a orar a Deus e solicitar a direção.
  9. 9. II. A ATITUDE DE DANIEL E A INTERVENÇÃO DIVINA •Há momentos que precisamos compartilhar nossas angústias e orar juntos com irmãos/irmãs de confiança. •Você tem colocado diante de Deus suas dificuldades? Ele tem o controle sobre tudo e todos!
  10. 10. II. A ATITUDE DE DANIEL E A INTERVENÇÃO DIVINA •Daniel recebe a revelação, mas não sai apressadamente para contar ao rei e ganhar os privilégios. •Antes, se humilha novamente diante de Deus para adorá-lo e agradecer pela revelação (Dn 2.19-21). •O desafio da dúvida: “podes tu [...]” (Dn 2.26). “Há um Deus no céu, o qual revela mistérios” (Dn 2.27).
  11. 11. II. A ATITUDE DE DANIEL E A INTERVENÇÃO DIVINA •Diante do rei, não desfaz dos demais sábios, mas com uma atitude de humidade afirma não ser melhor do que eles, mas um instrumento da revelação da bondade de Deus (Dn 2.29-30). •Se fosse você, o que faria? Agiria com a mesma humildade?
  12. 12. III. DANIEL CONTA O SONHO E INTERPRETA-O
  13. 13. III. DANIEL CONTA O SONHO E INTERPRETA-O
  14. 14. III. DANIEL CONTA O SONHO E INTERPRETA-O •“Pedra cortada, sem ajuda de mãos” (Dn 2.45) demonstra o controle de Deus sobre os impérios mundiais. •Para os Judeus: o reino messiânico. •Para o cristianismo, simboliza Cristo, que tem o poder sobre os impérios mundiais, inclusive, do vindouro reino do antiCristo.
  15. 15. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  16. 16. •Deus está atento para a história da humanidade. •Daniel nos ensina a sermos dependentes de Deus e humildes, reconhecendo a ação de Deus na história e na nossa vida. •Por maior que seja nossa dificuldade/opressão sofrida, devemos confiar no Deus que está no controle de tudo e de todos. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  17. 17. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CABRAL, Elienai. Integridade moral e espiritual: o legado do livro de Daniel para a Igreja hoje. Rio de Janeiro: CPAD, 2014. CAZELLES, H. História Política de Israel, desde as origens até Alexandre Magno. São Paulo: Paulus, 1986. COMENTÁRIO BÍBLICO BEACON. Vol. 4. 1ª Edição. Rio de Janeiro: CPAD, 2005. DONNER, H. História de Israel e dos Povos Vizinhos. vol. 2, 4ª Edição. São Paulo: Sinodal e EST, 2006. LIÇÕES BÍBLICAS. Integridade moral e espiritual: o legado do livro de Daniel para a Igreja hoje. 4º Trimestre de 2014. Rio de janeiro: CPAD, 2014.
  18. 18. MERRIL, Eugene H. História de Israel no Antigo Testamento: o reino de sacerdotes que Deus colocou entre as nações. 6ª Edição. Rio de Janeiro: CPAD, 2007. NOTH, Martin. História de Israel. Barcelona: Ediciones Garriga, 1966. GILBERTO, Antonio. Daniel & Apocalipse. Rio de Janeiro: CPAD, 2006. PFEIFFER, Charles F.; VOS, Howard, f. Dicionário Bíblico Wycliffe. Rio de Janeiro: CPAD, 2009. RÖMER, T. A chamada História Deuteronomista. Petrópolis: Vozes, 2008. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
  19. 19. VON RAD, G. Teologia do Antigo Testamento. vol. 1-2, São Paulo: ASTE, 1974. ZUCK, Roy B (Ed). Teologia do Antigo Testamento. 1ª Edição. Rio de Janeiro: CPAD, 2009. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
  20. 20. ESCOLA DOMINICAL NA WEBTV Comentários: Ev. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br natalino6612@gmail.com (41) 8409 8094 / 3076 3589 IEADSJP Igreja Evangélica Assembleia de Deus de São José dos Pinhais Pr. Presidente: Ival Teodoro da Silva Pr. Vice Presidente: Elson Pereira

×