LIÇÕES BÍBLICAS - CPAD
3º TRIMESTRE DE 2013
Lição 2
14 de Julho de 2013
ESPERANÇA EM MEIO À ADVERSIDADE
Prof. Ms. Natalino...
ACESSE O VÍDEO COM OS COMENTÁRIOS
REFERENTE A ESTE ARQUIVO EM UM DOS
ENDEREÇOS ABAIXO:
www.redemaoamiga.com.br
www.natalin...
Tema: Alegria de viver por Cristo.
Propósitos: Agradecer aos filipenses por suas ofertas generosas; informar o seu estado ...
LEITURA BÍBLICA – Filipenses 1:12-21
12 - E quero, irmãos, que saibais que as coisas que me aconteceram contribuíram para ...
REFERÊNCIA TEXTO/TEMA
Texto áureo
(Lições bíblicas do professor, p. 9)
"Porque para mim o viver é
Cristo, e o morrer é gan...
OBJETIVOS PROPOSTOS*
Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
1. Explicar as motivações de Paulo para a pregação do
Ev...
INTRODUÇÃO
• A salvação das pessoas era prioridade para o apóstolo
Paulo.
• Embora preso, o apóstolo, mantinha sua paixão ...
I. ADVERSIDADE: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A
PROCLAMAÇÃO DO EVANGELHO
I. ADVERSIDADE: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A
PROCLAMAÇÃO DO EVANGELHO
1. Paulo na prisão.
• Paulo preso: uma boca a menos para ...
I. ADVERSIDADE: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A
PROCLAMAÇÃO DO EVANGELHO
1. Paulo na prisão.
• Guarda pretoriana não era uma corpo...
I. ADVERSIDADE: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A
PROCLAMAÇÃO DO EVANGELHO
2. Uma porta se abre através da adversidade.
• Nos moment...
Sinopse do tópico
“A prisão de Paulo foi uma porta aberta para a
proclamação do Evangelho.”
(L.B.*, p. 11)
* L.B. = Lições...
II. O TESTEMUNHO DE PAULO NA ADVERSIDADE
(1.12,13)
II. O TESTEMUNHO DE PAULO NA ADVERSIDADE (1.12,13)
1. O poder do Evangelho.
• Nenhuma cadeia é capaz de impor limites ao E...
II. O TESTEMUNHO DE PAULO NA ADVERSIDADE (1.12,13)
2. A preocupação dos filipenses com Paulo.
• Na lição 1 foi evidenciado...
II. O TESTEMUNHO DE PAULO NA ADVERSIDADE (1.12,13)
3. Paulo rejeita a autopiedade.
• Paulo tinha consciência de que seu so...
Sinopse do tópico
“O testemunho de Paulo na adversidade pode ser
observado pela sua rejeição a autopiedade e a sua
fé no p...
III. MOTIVAÇÕES PARA A PREGAÇÃO DO EVANGELHO
(1.14-18)
III. MOTIVAÇÕES PARA A PREGAÇÃO DO EVANGELHO
(1.14-18)
1. A motivação positiva.
• O exemplo de Paulo motivou os salvos a p...
III. MOTIVAÇÕES PARA A PREGAÇÃO DO EVANGELHO
(1.14-18)
2. A motivação negativa.
• O apóstolo Paulo não esconde o fato de t...
III. MOTIVAÇÕES PARA A PREGAÇÃO DO EVANGELHO
(1.14-18)
2. A motivação negativa.
• Interessante, que mesmo que Paulo não ap...
Sinopse do tópico
“Infelizmente eram duas as motivações que
predominavam na igreja de Filipos: 1) a positiva
(pregação com...
III. O DILEMA DE PAULO (1.19-22ss.)
III. O DILEMA DE PAULO (1.19-22ss.)
1. Viver para Cristo.
• Alegria de Paulo: “"Nisto me regozijo e me regozijarei
ainda" ...
“Porque eu já estou sendo oferecido por aspersão de
sacrifício, e o tempo da minha partida está próximo.
Combati o bom com...
III. O DILEMA DE PAULO (1.19-22ss.)
2. Paulo supera o dilema.
• Dilema do apóstolo: “estar com Cristo" Vs "viver na
carne“...
“Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é
ganho. Mas, se o viver na carne me der fruto da
minha obra, não sei, então...
Sinopse do tópico
“O dilema de Paulo era, imediatamente, "estar com
Cristo" ou "viver na carne" para edificar os filipense...
CONSIDERAÇÕES FINAIS
CONSIDERAÇÕES FINAIS
• Nesta lição aprendemos que:
1. A paixão pelas almas era o grande motivador de Paulo.
2. Por isso, a...
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ARRINGTON, French L.; STRONSTAD, Roger (Eds.). Comentário
Bíblico Pentecostal: Novo Testamento....
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
LIÇÕES BÍBLICAS. Filipenses: a humildade de cristo como
exemplo para a Igreja. 3º trimestre de ...
IEADSJP – Igreja Evangélica Assembleia de
Deus de São José dos Pinhais
www.adsaojosedospinhais.com.br
www.redemaoamiga.com...
ANEXOS:
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

2013 3 tri - lição 2 - esperança em meio à adversidade

6.846 visualizações

Publicada em

Aula ministrada pelo Ev. Natalino das Neves - Programa IEADSJP_EBDTV
IEADSJP - Igreja Evangélica Assembleia de Deus de São José dos Pinhais
Pr. Presidente: Ival Teodoro da Silva
Pr. Vice-Presidente: Eurico Deraldo Santana
Co-Pastor da Sede: Josué Barros Abreu
Sup. EBD-Sede: Ev. Ismael Nascimento de Oliveira

Publicada em: Educação
3 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.846
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
589
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
185
Comentários
3
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2013 3 tri - lição 2 - esperança em meio à adversidade

  1. 1. LIÇÕES BÍBLICAS - CPAD 3º TRIMESTRE DE 2013 Lição 2 14 de Julho de 2013 ESPERANÇA EM MEIO À ADVERSIDADE Prof. Ms. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br
  2. 2. ACESSE O VÍDEO COM OS COMENTÁRIOS REFERENTE A ESTE ARQUIVO EM UM DOS ENDEREÇOS ABAIXO: www.redemaoamiga.com.br www.natalinodasneves.blogspot.com.br SUGESTÃO: 1) Assista o vídeo; 2) Baixe este arquivo; 3) Assista novamente o vídeo acompanhando com este arquivo de slides.
  3. 3. Tema: Alegria de viver por Cristo. Propósitos: Agradecer aos filipenses por suas ofertas generosas; informar o seu estado pessoal na prisão; transmitir à congregação a certeza do triunfo do propósito de Deus na sua prisão para levar os membros da igreja de Filipos a se esforçarem em conhecer melhor o Senhor, conservando a unidade, a humildade, a comunhão e a paz. Introdução (1.1-11) • Saudações. • Ação de graças e oração pelos Filipenses. I. As circunstâncias em que Paulo se encontrava (1.12-26) • A prisão de Paulo contribuiu para o avanço do Evangelho. • A proclamação de Cristo de todas as formas. • A disposição de Paulo para viver ou morrer. II. Assuntos de Interesse da Igreja (1.27–4.9) • Exortação de Paulo aos filipenses. • Os mensageiros de Paulo à Igreja. • Advertência de Paulo a respeito de falsos ensinos. • Conselhos finais de Paulo. Conclusão (4.10-23) • Reconhecimento e gratidão pelas ofertas recebidas. • Saudações finais e bênção. Fonte: Lições Bíblicas do Professor, 2013, p. 5 (adaptado) ESBOÇO DA EPÍSTOLA AOS FILIPENSES
  4. 4. LEITURA BÍBLICA – Filipenses 1:12-21 12 - E quero, irmãos, que saibais que as coisas que me aconteceram contribuíram para maior proveito do evangelho. 13 - De maneira que as minhas prisões em Cristo foram manifestas por toda a guarda pretoriana e por todos os demais lugares; 14 - e muitos dos irmãos no Senhor, tomando ânimo com as minhas prisões, ousam falar a palavra mais confiadamente, sem temor. 15 - Verdade é que também alguns pregam a Cristo por inveja e porfia, mas outros de boa mente; 16 - uns por amor, sabendo que fui posto para defesa do evangelho; 17 - mas outros, na verdade, anunciam a Cristo por contenção, não puramente, julgando acrescentar aflição às minhas prisões. 18 - Mas que importa? Contanto que Cristo seja anunciado de toda a maneira, ou com fingimento, ou em verdade, nisto me regozijo e me regozijarei ainda. 19 - Porque sei que disto me resultará salvação, pela vossa oração e pelo socorro do Espírito de Jesus Cristo, 20 - segundo a minha intensa expectação e esperança, de que em nada serei confundido; antes, com toda a confiança, Cristo será, tanto agora como sempre, engrandecido no meu corpo, seja pela vida, seja pela morte. 21 - Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é ganho.
  5. 5. REFERÊNCIA TEXTO/TEMA Texto áureo (Lições bíblicas do professor, p. 9) "Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é ganho" (Fp 1.21). Verdade prática (Lições bíblicas do professor, p. 9) Nenhuma adversidade poderá reter a graça e o poder do Evangelho
  6. 6. OBJETIVOS PROPOSTOS* Após esta aula, o aluno deverá estar apto a: 1. Explicar as motivações de Paulo para a pregação do Evangelho.* 2. Compreender que o significado da vida consiste em vivermos para o Evangelho.* 3. Aplicar na sua prática diária o conteúdo aprendido. * Objetivos propostos na revista Lições Bíblicas da CPAD.
  7. 7. INTRODUÇÃO • A salvação das pessoas era prioridade para o apóstolo Paulo. • Embora preso, o apóstolo, mantinha sua paixão pelo evangelho e a motivação pela sua disseminação. • Demonstra como o mal que planejaram contra ele, Deus tornava em bênçãos para o progresso de seu reino (Deus).
  8. 8. I. ADVERSIDADE: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A PROCLAMAÇÃO DO EVANGELHO
  9. 9. I. ADVERSIDADE: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A PROCLAMAÇÃO DO EVANGELHO 1. Paulo na prisão. • Paulo preso: uma boca a menos para anunciar o evangelho e comunidades cristãs silenciadas pelo medo? • Encarcerado em uma prisão, entretanto não estava desanimado. Pelo contrário, visualizava oportunidades de propagar o evangelho. • Notícias de Paulo se espalhava “por toda a guarda pretoriana” ou palaciana (1:13), encarregada de proteger os representantes do Império Romano.
  10. 10. I. ADVERSIDADE: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A PROCLAMAÇÃO DO EVANGELHO 1. Paulo na prisão. • Guarda pretoriana não era uma corporação específica de Roma. Existiam também nos lugares onde residia um governador (Mt 27:27), como em cada capital de província, inclusive em Éfeso. • A guarda pretoriana foi impactada ao saber que Paulo estava preso por amor a Jesus. • Como alguém poderia colocar sua vida em jogo por uma causa, se não tivesse tanta certeza de sua verdade. AP: Não desanime! O mal que tramaram contra ti, Deus pode transformar em bênçãos?
  11. 11. I. ADVERSIDADE: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A PROCLAMAÇÃO DO EVANGELHO 2. Uma porta se abre através da adversidade. • Nos momentos de adversidades temos a tendência de perder a autoestima e desanimar. • Deus, em Paulo, inverteu as perspectivas humanas e abriu portas para propagação do evangelho. “E eu, quando for levantado da terra, atrairei todos a mim mesmo” (Jo 12:32) • Não há portas, humanas ou sobrenaturais, que possam impedir o poder de Deus na vida de quem serve a Ele. AP: Confie em Deus, Ele pode abrir as portas para você, mesmo na adversidade?
  12. 12. Sinopse do tópico “A prisão de Paulo foi uma porta aberta para a proclamação do Evangelho.” (L.B.*, p. 11) * L.B. = Lições Bíblicas, edição do professor.
  13. 13. II. O TESTEMUNHO DE PAULO NA ADVERSIDADE (1.12,13)
  14. 14. II. O TESTEMUNHO DE PAULO NA ADVERSIDADE (1.12,13) 1. O poder do Evangelho. • Nenhuma cadeia é capaz de impor limites ao Evangelho de Cristo. Não é possível aprisionar o evangelho. • A própria fundação da comunidade cristã em Filipos está relacionada à prisão de Paulo. Eles tinham experiência (veja o vídeo da lição 1 – Paulo e a igreja em Filipos). • O Evangelho é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê (Rm 1:16). AP: Você tem crido no poder do evangelho?
  15. 15. II. O TESTEMUNHO DE PAULO NA ADVERSIDADE (1.12,13) 2. A preocupação dos filipenses com Paulo. • Na lição 1 foi evidenciado o amor e afeição entre os filipenses e o apóstolo Paulo. Provavelmente estavam sofrendo e preocupados com a prisão do apóstolo. • Paulo poderia “se fazer de vítima”, ganhar mais ainda a atenção, mas prefere encorajar seus destinatários, demonstrando que Deus estava no controle de tudo. AP: Não se faça de vítima, mas anime-se e encoraje os demais irmãos e irmãs!
  16. 16. II. O TESTEMUNHO DE PAULO NA ADVERSIDADE (1.12,13) 3. Paulo rejeita a autopiedade. • Paulo tinha consciência de que seu sofrimento era circunstancial e estava sob os cuidados de Deus (v.19). • “[...] todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados por seu decreto" (Rm 8.28). AP: Você tem se achado o mais sofredor do mundo ou tem enfrentado as adversidades?
  17. 17. Sinopse do tópico “O testemunho de Paulo na adversidade pode ser observado pela sua rejeição a autopiedade e a sua fé no poder do Evangelho.” (L.B.*, p. 12) * L.B. = Lições Bíblicas, edição do professor.
  18. 18. III. MOTIVAÇÕES PARA A PREGAÇÃO DO EVANGELHO (1.14-18)
  19. 19. III. MOTIVAÇÕES PARA A PREGAÇÃO DO EVANGELHO (1.14-18) 1. A motivação positiva. • O exemplo de Paulo motivou os salvos a proclamarem o evangelho sem medo – líder que “motiva”. • Os cristãos filipenses foram estimulados par fazer o mesmo. Pregar o evangelho de "boa mente" e "por amor". • O evangelho é um precioso tesouro guardado e transportado em vaso de Barro (2 Co 4:7). AP: Você está motivado a pregar o evangelho que mudou sua vida?
  20. 20. III. MOTIVAÇÕES PARA A PREGAÇÃO DO EVANGELHO (1.14-18) 2. A motivação negativa. • O apóstolo Paulo não esconde o fato de ter adversários, bem como a constatação que continuavam pregando a Cristo. • Entretanto, afirma que pregavam o evangelho buscando benefício próprio. • “Dominados pela inveja e pela teimosia, agiam por motivos errados” (LIÇÕES BÍBLICAS, 2013, p. 12). • Evidencia que rivalidades e divergências já existiam nos tempos apostólicos.
  21. 21. III. MOTIVAÇÕES PARA A PREGAÇÃO DO EVANGELHO (1.14-18) 2. A motivação negativa. • Interessante, que mesmo que Paulo não aprovava tal atitude, ficava feliz ao ver que o Cristo estava sendo anunciado. “[...] pensando que podem me causar sofrimento enquanto estou preso” (1:17). • Paulo não os critica pela sua doutrina, mas espírito de rivalidade e inveja. • Observação: vários manuscritos apresentam os versículos 16 e 17 em ordem inversa. • Todas pessoas darão conta de seus atos (Mt 7:21-23). AP: Qual tem sido sua motivação?
  22. 22. Sinopse do tópico “Infelizmente eram duas as motivações que predominavam na igreja de Filipos: 1) a positiva (pregação com destemor e coragem) e 2) a negativa (pregação pelo interesse pessoal).” (L.B.*, p. 12) – Falha na revista digital! * L.B. = Lições Bíblicas, edição do professor.
  23. 23. III. O DILEMA DE PAULO (1.19-22ss.)
  24. 24. III. O DILEMA DE PAULO (1.19-22ss.) 1. Viver para Cristo. • Alegria de Paulo: “"Nisto me regozijo e me regozijarei ainda" (v.18).” • Paulo entendia que deveria viver enquanto estivesse dando fruto para o evangelho (1:21-22; Gl 2:20). • A morte não assustava o apóstolo (1:21; 2 Tm 4:6-8). AP: Qual tem sido o sentido de sua vida? A morte assusta você?
  25. 25. “Porque eu já estou sendo oferecido por aspersão de sacrifício, e o tempo da minha partida está próximo. Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé. Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele Dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda.” (2 Tm 4:6-8)
  26. 26. III. O DILEMA DE PAULO (1.19-22ss.) 2. Paulo supera o dilema. • Dilema do apóstolo: “estar com Cristo" Vs "viver na carne“ (1:23-24). • O amor pelas almas prendia Paulo fisicamente na terra (1:24-26). • Entretanto, sua vontade era estar definitivamente com Cristo (1:23). • As experiências de Paulo com Deus o colocava em outro estágio! AP: Você tem pensado na vida eterna? O que você tem desejado?
  27. 27. “Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é ganho. Mas, se o viver na carne me der fruto da minha obra, não sei, então, o que deva escolher. Mas de ambos os lados estou em aperto, tendo desejo de partir e estar com Cristo, porque isto é ainda muito melhor. Mas julgo mais necessário, por amor de vós, ficar na carne. E, tendo esta confiança, sei que ficarei e permanecerei com todos vós para proveito vosso e gozo da fé, para que a vossa glória aumente por mim em Cristo Jesus.” (Fp 1:23-26)
  28. 28. Sinopse do tópico “O dilema de Paulo era, imediatamente, "estar com Cristo" ou "viver na carne" para edificar os filipenses.” (L.B.*, p. 13) * L.B. = Lições Bíblicas, edição do professor.
  29. 29. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  30. 30. CONSIDERAÇÕES FINAIS • Nesta lição aprendemos que: 1. A paixão pelas almas era o grande motivador de Paulo. 2. Por isso, a prisão não tirava seu ânimo, mas pelo contrário aproveitava as oportunidades para pregar o evangelho 3. Paulo usava seu exemplo para motivar os demais. 4. Paulo não temia a morte. A experiência que tinha com Deus condizia sua vontade para estar com ele, o quanto antes.
  31. 31. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARRINGTON, French L.; STRONSTAD, Roger (Eds.). Comentário Bíblico Pentecostal: Novo Testamento. 4ª edição. Vol. 2. Rio de Janeiro: CPAD, 2009. CABRAL, Elienai. FILIPENSES: a humildade de cristo como exemplo para a Igreja. Rio de Janeiro: CPAD, 2013. CALVINO, João. Gálatas, Efésios, Filipenses e Colossenses. São José dos Campos – SP: Editora Fiel, 2010. COMBLIN, José. Epístola aos Filipenses. 2ª edição. Petrópolis – RJ, VOZES/SINODAL, 1992.
  32. 32. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS LIÇÕES BÍBLICAS. Filipenses: a humildade de cristo como exemplo para a Igreja. 3º trimestre de 2013. Edição do professor. Rio de Janeiro: CPAD, 2013. WEINGÄRTNER, Lindolfo. A Carta de Paulo aos Filipenses. Curitiba e Belo Horizonte: Editora Encontrão e Missão Editora, 1992.
  33. 33. IEADSJP – Igreja Evangélica Assembleia de Deus de São José dos Pinhais www.adsaojosedospinhais.com.br www.redemaoamiga.com.br Pr. Presidente: Ival Teodoro da Silva Pr. Vice-Presidente: Eurico Deraldo Santana Co-pastor da sede: Josué Barros Abreu Sup. da EBD: Ev. Ismael Nascimento Oliveira Comentários: Ev. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br natalino6612@gmail.com (41) 8409 8094 / 3076 3589
  34. 34. ANEXOS:

×