2013_3 tri_Lição 1 - Paulo e a igreja de filipos

6.960 visualizações

Publicada em

Aula ministrada pelo Ev. Natalino das Neves - Programa IEADSJP_EBDTV
IEADSJP - Igreja Evangélica Assembleia de Deus de São José dos Pinhais
Pr. Presidente: Ival Teodoro da Silva
Pr. Vice-Presidente: Eurico Deraldo Santana
Co-Pastor da Sede: Josué Barros Abreu
Sup. EBD-Sede: Ev. Ismael Nascimento de Oliveira

Publicada em: Estilo de vida
3 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.960
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
62
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
235
Comentários
3
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2013_3 tri_Lição 1 - Paulo e a igreja de filipos

  1. 1. LIÇÕES BÍBLICAS - CPAD 3º TRIMESTRE DE 2013 Lição 1 07 de Julho de 2013 Paulo e a igreja em Filipos Prof. Ms. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br IEADSJP_EBDTV
  2. 2. REFERÊNCIA TEXTO/TEMA Texto áureo (Lições bíblicas do professor, p. 03) “E peço isto: que o vosso amor aumente mais e mais em ciência e em todo conhecimento" (Fp 1:9). Verdade prática (Lições bíblicas do professor, p. 03) Paulo tinha uma grande afeição pelos irmãos de Filipos; por isso suas orações e ações de graças por essa igreja eram constantes.
  3. 3. OBJETIVOS PROPOSTOS* Após esta aula, o aluno deverá estar apto a: 1. Introduzir a Epístola aos Filipenses destacando a cidade, a data e o local da autoria.* 2. Explicar o propósito, a autoria e os destinatários da epístola.* 3. Compreender os atos de oração e ação de graças do apóstolo Paulo.* 4. Aplicar na sua prática diária o conteúdo aprendido. * Objetivos propostos na revista Lições Bíblicas da CPAD.
  4. 4. ACESSE O VÍDEO COM OS COMENTÁRIOS REFERENTE A ESTE ARQUIVO EM UM DOS ENDEREÇOS ABAIXO: www.redemaoamiga.com.br www.natalinodasneves.blogspot.com.br
  5. 5. INTRODUÇÃO • Palavras-chave: alegria, gratidão, serviço, conflito, sofrimento dos santos. • Declaração de amor e gratidão do apóstolo aos filipenses, pela cooperação e amor demonstrado com ele. • Epístola que nos encoraja a enfrentar as dificuldades com confiança e com a alegria do Espírito.
  6. 6. ESBOÇO DA EPÍSTOLA AOS FILIPENSES Tema: Alegria de viver por Cristo. Propósitos: Agradecer aos filipenses por suas ofertas generosas; informar o seu estado pessoal na prisão; transmitir à congregação a certeza do triunfo do propósito de Deus na sua prisão para levar os membros da igreja de Filipos a se esforçarem em conhecer melhor o Senhor, conservando a unidade, a humildade, a comunhão e a paz. Introdução (1.1-11) • Saudações. • Ação de graças e oração pelos Filipenses. I. As circunstâncias em que Paulo se encontrava (1.12-26) • A prisão de Paulo contribuiu para o avanço do Evangelho. • A proclamação de Cristo de todas as formas. • A disposição de Paulo para viver ou morrer. II. Assuntos de Interesse da Igreja (1.27–4.9) • Exortação de Paulo aos filipenses. • Os mensageiros de Paulo à Igreja. • Advertência de Paulo a respeito de falsos ensinos. • Conselhos finais de Paulo. Conclusão (4.10-23) • Reconhecimento e gratidão pelas ofertas recebidas. • Saudações finais e bênção. Fonte: Lições Bíblicas do Professor, 2013, p. 5 (adaptado)
  7. 7. I. INTRODUÇÃO À EPÍSTOLA
  8. 8. I. INTRODUÇÃO À EPÍSTOLA 1. A cidade de Filipos. • Localizada no norte da Grécia e fundada por Filipe II, rei da Macedônia e pai de Alexandre Magno. • Era uma colônia romana – residência para soldados aposentados como prémio – centro militar (ver sobre conquista por César Augustus, primeiro imperador de Roma e sobrinho de Julius César). • Importante centro comercial, pois estava situada numa estrada muito trafegada, a via Egnatia, que ligava a Itália com a Ásia - cruzamento de rotas comerciais.
  9. 9. I. INTRODUÇÃO À EPÍSTOLA 2. O Evangelho chega à Filipos. • A comunidade cristã de Filipos foi fundada pelo Apóstolo Paulo em sua segunda viagem missionária, auxiliado por Silas e Timóteo (At 15:40; 16:1-40). • “Impedidos” pelo Espírito Santo de ira para a Ásia (atual Turquia), acabam chegando em Filipos (visão em Troade: “passa à Macedônia e ajuda-nos” – 16:9). • Buscando um lugar para oração, a beira do rio Angites, pregam para as mulheres que ali estavam (provavelmente prosélitos da comunidade judaica).
  10. 10. I. INTRODUÇÃO À EPÍSTOLA 2. O Evangelho chega à Filipos. • Paulo inicia sua primeira pregação na Europa e dentre seus frutos, a conversão de Lídia, de Tiatira, comerciante de púrpura (At 16:14). • Igreja formada na casa de Lídia floresce (At 16:15-40). • A libertação da jovem “adivinhadora” e a revolta por interesses financeiros que acaba com açoites e prisão, com os pés atados no tronco (16:16-24).
  11. 11. I. INTRODUÇÃO À EPÍSTOLA 2. O Evangelho chega à Filipos. • Paulo e Silas oravam e cantavam – terremoto e abertura das portas na prisão e o grande milagre da salvação do carcereiro (At 16:25-32). • O carcereiro vira “enfermeiro e servo ” de Paulo e Silas (AT 16:33-34). A despedida (At 16:35-40). • Descobertas arqueológicas de uma carta do imperador Cláudio ao procônsul Gálio, citado em At 18, ajudaram a datar a fundação da igreja em 49 ou 50. • Duas visitas posteriores (1ª - 1 Co 16:5, At 20:14, 2 Co 7:5; 2ª - At 20:6).
  12. 12. I. INTRODUÇÃO À EPÍSTOLA 3. Data e local da autoria. • Carta escrita entre 60 a 63, enquanto Paulo estava preso em Roma (Lições Bíblicas do Professor, 2013, p. 6) – depende da interpretação. • Paulo ficou preso por um período mais prolongado duas vezes: em Cesaréia e em Roma. • Outras prisões além da romana (Rm 16:7; 2 Co 6:5; 11:23). Dificuldades em Éfeso (At 19:21ss; 20:11s). • Roma estava bem distante de Filipos. Uma viagem entre Filipos e Roma levava aprox. 05 semanas.
  13. 13. I. INTRODUÇÃO À EPÍSTOLA 3. Data e local da autoria. • Paulo no final do seu ministério estava mais preocupado em levar o evangelho ao ocidente (Rm 15:22-24). • Várias viagens: Epafrodito, Timóteo e o próprio Paulo. • Cesaréia? Distância? • Éfeso? Viagem em poucos dias, além de muitas comunicações. • Data varia entre 50 a 63.
  14. 14. I. INTRODUÇÃO À EPÍSTOLA 3. Data e local da autoria. • Hipóteses de ser duas cartas (WEINGÄRTNER, 1992, p. 11) ou três cartas (COMBLIN, 1992, P. 9-13), e não uma: • Mudança abrupta de estilo e conteúdo entre 3:1 e 3:2; • Perícope de 4:10-20 – nesta parte não há alusão à prisão – “adversários de Paulo" – um agradecimento fora do lugar” • Citação do bispo Policarpo de Esmirna das “cartas” que o apóstolo teria escrito aos filipenses. • Enquanto estava preso, Paulo recebe a visita de Epafrodito, membro da igreja de Filipos, que se torna portador da mensagem do apóstolo para a igreja.
  15. 15. II. AUTORIA E DESTINATÁRIOS
  16. 16. II. AUTORIA E DESTINATÁRIOS 1. Paulo e Timóteo. • O versículo 1 identifica Paulo e Timóteo (costume tanto do mundo grego como no mundo romano). Há controvérsias... • O fato de Timóteo ser citado não significa, necessariamente, que ele seja o coautor da epístola. Exemplos: • Escrita na 1ª pessoa; • Costume de Paulo receber auxilio no seus escritos (Rm 16:22; 1 Co 1:1; Cl 1:1), entre outros. • Não se autodenomina de “apóstolo” (não precisava do título), mas ambos de “Servos de Jesus Cristo” = comunidade amada e bom relacionamento.
  17. 17. II. AUTORIA E DESTINATÁRIOS 2. Os destinatários da carta: "todos os santos". • Os cristãos de Filipos são chamados de “santos” pelo autor (v. 1). Tratamento comum do apóstolo (Rm 1:7; 1 Co 1:2) • “Em Cristo Jesus” – relação de comunhão com Cristo. • “Em Cristo, todos os membros são santos, porque a justiça e a santidade dele lhes vai sendo atribuída” (WEINGÄRTNER, 1992, p. 14). • “No Novo Testamento todos os crentes em Cristo Jesus são chamados de santos” (WEINGÄRTNER, 1992, p. 15). Não há ênfase para um “santo” exclusivo e intercessor.
  18. 18. II. AUTORIA E DESTINATÁRIOS 3. Alguns destinatários distintos: "bispos e diáconos". • Bispos e diáconos – preocupação com a liderança espiritual da igreja. • Entretanto, primeiro o autor menciona os “santos em Cristo Jesus” antes dos seus líderes = função dos líderes a partir do povo de Cristo, não o contrário. Veja exemplo de nossos dias! • “Epíscopo”: o que olha por algo. Líderes olhando pelos membros e ajudando-os a servir a Cristo. AP: Você que é lider é um servidor ou um opressor?
  19. 19. III. AÇÃO DE GRAÇAS E PETIÇÃO PELA IGREJA DE FILIPOS (1.3-11)
  20. 20. III. AÇÃO DE GRAÇAS E PETIÇÃO PELA IGREJA DE FILIPOS (1.3-11) 1. As razões pela ação de graças. • O evangelho criou um relacionamento de amor fraterno entre o apóstolo e a comunidade filipense, um dar e receber contínuo. • Compaixão dos filipenses quando da sua prisão, defesa e confirmação do Evangelho (1:7). • O autor se sentia confortado com a atitude dos filipenses.
  21. 21. III. AÇÃO DE GRAÇAS E PETIÇÃO PELA IGREJA DE FILIPOS (1.3-11) 1. As razões pela ação de graças. • Agradece a Deus por tudo o que aconteceu em Filipos, tanto as coisas desagradáveis como agradáveis – confiança na soberania de Deus. • “Todos vocês” = unidade – citado 03 vezes pelo autor. • INTERESSANTE E IMPORTANTE: ele agradece a Deus pelo que havia feito por meio de seus filhos.
  22. 22. III. AÇÃO DE GRAÇAS E PETIÇÃO PELA IGREJA DE FILIPOS (1.3-11) 1. As razões pela ação de graças. • Quem quer cooperar com o que Deus quer, deve cooperar com os demais irmãos e irmãs, também cooperadores de Deus. Não baseados na simpatia humana, mas nos propósitos eternos de Deus. • A manifestação da graça de Deus mesmo na “desgraça”, no sofrimento, não é exclusividade do apóstolo Paulo. AP: Você tem agradecido a Deus pelo conforto recebido?
  23. 23. III. AÇÃO DE GRAÇAS E PETIÇÃO PELA IGREJA DE FILIPOS (1.3-11) 2. Uma oração de gratidão (vv.3-8). • Reconhecimento pela cooperação no evangelho, bem como no auxílio em sua dificuldades. • Lembrança do sofrimento na primeira visita a Filipos, juntamente com Silas (presos, açoitados e tendo os pés atados no tronco (At 16:19-24; 1 Ts 2:2). • Gratidão pelo livramento de Deus (At 16:27-33).
  24. 24. III. AÇÃO DE GRAÇAS E PETIÇÃO PELA IGREJA DE FILIPOS (1.3-11) 2. Uma oração de gratidão (vv.3-8). • Afeição do apóstolo pelos filipenses, que tanto lhe ajudaram nas suas necessidades (1:8; 4:15-18), embora o breve período de convívio com a comunidade (qualidade x tempo). • Amor com a profunda afeição de Cristo Jesus – não mais o antigo “EU”. • Filipenses = exemplo de uma comunidade missionária. AP: Você tem reconhecido as coisas boas que outras pessoas tem feito por você?
  25. 25. III. AÇÃO DE GRAÇAS E PETIÇÃO PELA IGREJA DE FILIPOS (1.3-11) 3. Uma oração de petição (vv.9-11). • Intercede que o amor dos filipenses crescesse ainda mais para que conhecessem e se aproximassem mais ainda de Cristo (1:9). • Um amor que cresce com o conhecimento! Um conhecimento que não pode ser separado do amor (1 Co 13:1). • Para que estivessem preparados para a Vinda de Jesus (1:9).
  26. 26. III. AÇÃO DE GRAÇAS E PETIÇÃO PELA IGREJA DE FILIPOS (1.3-11) 3. Uma oração de petição (vv.9-11). • Que fossem cheios de fruto de justiça (1:11) – um grande diferencial dos salvos. • A garantia de um final feliz é o amor e fidelidade de Deus, que prometeu a volta de seu filho em glória para colher os frutos de sua obra salvadora. AP: O amor a Cristo tem produzido frutos de justiça em sua vida? O conhecimento adquirido tem aumentado seu amor ao próximo? Você está preparado para a Vinda de Jesus?
  27. 27. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  28. 28. CONSIDERAÇÕES FINAIS • Nesta lição aprendemos que: 1. O amor refletido pela ajuda e cooperação eleva o conhecimento de Cristo pelos verdadeiros cristãos. 2. Ações de justiça confortam o coração de quem recebem. 3. Devemos priorizar nossa salvação para estarmos preparado para a Vinda de Jesus.
  29. 29. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARRINGTON, French L.; STRONSTAD, Roger (Eds.). Comentário Bíblico Pentecostal: Novo Testamento. 4ª edição. Vol. 2. Rio de Janeiro: CPAD, 2009. BOIYD, Frank M. Comentário Bíblico: Gálatas, Filipenses, 1 e 2 Tessalonicenses e Hebreus. Rio de Janeiro: CPAD, 1996. CALVINO, João. Gálatas, Efésios, Filipenses e Colossenses. São José dos Campos – SP: Editora Fiel, 2010. COMBLIN, José. Epístola aos Filipenses. 2ª edição. Petrópolis – RJ, VOZES/SINODAL, 1992. WEINGÄRTNER, Lindolfo. A Carta de Paulo aos Filipenses. Curitiba e Belo Horizonte: Editora Encontrão e Missão Editora, 1992.
  30. 30. IEADSJP – Igreja Evangélica Assembleia de Deus de São José dos Pinhais www.adsaojosedospinhais.com.br www.redemaoamiga.com.br Pr. Presidente: Ival Teodoro da Silva Pr. Vice-Presidente: Eurico Deraldo Santana Co-pastor da sede: Josué Barros Abreu Sup. da EBD: Ev. Ismael Nascimento Oliveira Comentários: Ev. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br natalino6612@gmail.com (41) 8409 8094 / 3076 3589
  31. 31. BAIXE ESTE ARQUIVO, CLICANDO NO ÍCONE SUPERIOR: “SAVE” ou “DOWNLOAD”

×