A Indisciplina e o Processo Educativo.

2.606 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.606
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
27
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A Indisciplina e o Processo Educativo.

  1. 1. A INDISCIPLINA E O PROCESSO EDUCATIVO: UMA ANÁLISE NA PERSPECTIVA VYGOTSKIANA
  2. 2. Tereza Cristina Rego Possui graduação em Pedagogia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1988), mestrado em História e Filosofia da Educação, doutorado em Psicologia da Educação e PósDoutorado pela Universidad de Madrid (2007-2008). É docente da graduação e da pós-graduação da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Psicologia da Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: abordagem Vygotskiana, relações entre ensino e aprendizagem, processos de constituição de subjetividades, memórias, narrativas, impactos da escolarização e as contribuições da psicologia para o campo educacional. (Texto informado pelo autor) Currículo do Sistema de currículos Lattes.
  3. 3. Principais Idéias da Autora Reflexão inspirada nas teses elaboradas pelo psicólogo Vygotsky sobre a questão da indisciplina no processo educativo,lembrando que Vygotsky é um autor interessado em compreender a gênese do psiquismo humano no contexto histórico cultural, porém não é possível segundo a autora Teresa Cristina Rego, encontrar na sua obra referências explícitas à questão da indisciplina. Sendo assim, o texto enfatiza os fatores que levam a indisciplina na sala de aula e as várias causas que podem desencadear o comportamento, como: a educação familiar e cultural, a frustração, o tipo de prática pedagógica utilizada pela escola, entre outros...
  4. 4. Relação com a Teoria de Vigotsky Vigotsky construiu sua teoria tendo por base o desenvolvimento do indivíduo como resultado de um processo sócio-histórico, enfatizando o papel da linguagem e da aprendizagem nesse desenvolvimento, sendo essa teoria considerada histórico-social. Sua questão central é a aquisição de conhecimentos pela interação do sujeito com o meio. Vigotsky menciona que o indivíduo, a sociedade e a cultura são sistemas dinâmicos em constante transformação. Assim sendo, devemos considerar que o desenvolvimento humano se dá através de seu contexto cultural. Isso nos ajuda a pensar que comportamentos indisciplinados ou não são causados pela interação do indivíduo com o meio.
  5. 5. Conclusões da Autora A escola assim como a sociedade, precisa de regras para seu funcionamento. O educador pode ter em suas mãos os parâmetros para impor os limites, sendo assim é preciso que a escola e seus educadores atentem que não tem como função ensinar aquilo que o aluno pode aprender por si só, mas sim potencializar o processo de aprendizagem ao estudante. É importante ressaltar que segundo a autora o papel do educador é ser mediador para a aprendizagem do aluno.
  6. 6. Texto Complementar 1: Livro: Psicologia escolar: em busca de novos rumos Professora desesperada procura psicóloga para classe indisciplinada
  7. 7. Autora: Beatriz de Paula Souza Possui graduação pela Universidade de São Paulo (1979) . Atualmente é pessoal de apoio ao ensino e à pesquisa da Universidade de São Paulo. Atua principalmente na área de Psicologia do Ensino e da Aprendizagem. (Texto gerado automaticamente pela aplicação CV Lattes)
  8. 8. Relação com o texto base Neste texto é relatado a experiência de uma psicóloga, e de duas professoras sendo, uma queixosa pela turma indisciplinada e outra não queixosa . Sendo assim há uma comparação através dos alunos destas professoras identificando as diferentes estratégicas pedagógicas que cada uma “usa”.
  9. 9. Textos Complementar 2: Livro: Psicologia escolar: em busca de novos rumos Crianças Portadoras de Queixa Escolar: Reflexões sobre o atendimento psicológico
  10. 10. Autora: Cintia Copit Freller Possui doutorado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela Universidade de São Paulo (2000) . Atualmente é técnica de apoio em ensino e pesquisa da Universidade de São Paulo. Atua principalmente nos seguintes temas: escola, indisciplina, psicanálise. (Texto informado pelo autor) Currículo do Sistema de currículos Lattes.
  11. 11. Relação com o texto base O texto tem como objetivo repensar o atendimento psicológico clínico usualmente dirigido as crianças portadoras de queixa escolar. A autora faz uma crítica ao atendimento dos psicólogos que atendem os alunos com a demanda de fracasso escolar.
  12. 12. Conclusão Nos três textos é enfatizado a indisciplina como sendo o problema geral na maioria das classes escolares. A indisciplina é freqüentemente referida como distúrbio, desvio como se o natural fosse à disciplina, ora a transgressão e a agressividade são inerentes ao ser humano e fundamentais para o desenvolvimento seja do individuo, seja da sociedade. Sendo assim devemos oportunizar um intercâmbio entre os educadores, tornando a escola um ambiente socializador do conhecimento, em que é possível a troca de experiências na vivência profissional e que a aprendizagem seja efetiva e significativa para o aluno. É necessário ter mudanças no plano de aula, dinâmicas, brincadeiras pois estas são fundamentais para o aprendizado da criança.
  13. 13. Referência Bibliográfica REGO, Teresa Cristina: A indisciplina o processo educativo: uma análise na perspectiva Vygotskiana. In: AQUINO, Júlio Groppa. Indisciplina na escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus, 1996. p. 83 – 101. FRELLER, C.C. Crianças portadoras de queixa escolar: reflexões sobre o atendimento psicológico. In: MACHADO, A.M ; Souza, M.P. (Org.). Psicologia Escolar: em busca de novos rumos. São Paulo: Casa do Psicólogo 1997. SOUZA,B.P. Professora desesperada procura psicóloga para classe indisciplinada. In: MACHADO, A.M ; Souza, M.P. (Org.). Psicologia Escolar: em busca de novos rumos. São Paulo: Casa do Psicólogo 1997.

×