SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
Baixar para ler offline
História do Brasil
A escravidão
Africanos no Brasil
• Durante os primeiros anos após a conquista das terras americanas,
a presença portuguesa era muito pequena, limitando-se a alguns
pontos como Salvador e São Vicente, onde realizavam trocas
comerciais vantajosas: facas, machados, anzóis, e peças de
vestuário eram trocadas por pau-brasil, papagaios, macacos e
peles.
• Como já havia acontecido em terras conquistadas por portugueses,
alguns destes eram deixados ou preferiam ficar na costa brasileira,
onde se tornavam intermediários nas trocas entre nativos e
europeus.
• Além dos portugueses, outros povos visitavam a costa e se
envolviam nesse comércio, como os franceses, por exemplo.
• Nessa época, a Coroa e os comerciantes portugueses estavam
mais interessados nas relações com os povos africanos (com os
quais comercializavam ouro e marfim) e com os povos do
Oriente, principalmente da Índia, de onde traziam seda, pedras
preciosas, especiarias, fontes de altos lucros.
• Entretanto, diante da ameaça dos franceses, a Coroa portuguesa
elaborou uma política de ocupação e colonização, conhecida
como Capitanias Hereditárias, aqueles que as recebiam,
conhecidos como donatários, deveriam se dedicar à proteção das
terras e à produção – principalmente do açúcar, seguindo a
experiência bem-sucedida das ilhas atlânticas (Açores, Madeira,
São Tomé).
• A base dessa colonização, que se estendeu por cerca de trezentos
anos, era a exportação de mercadorias produzidas pelo trabalho
escravo.
• O açúcar foi a primeira delas, mantendo-se importante na
economia brasileira do século XVI até o século XIX.
• Quase tudo o que era usado no engenho era feito lá mesmo, por
escravos: primeiros índios e, a seguir, africanos trazidos do outro
lado do Atlântico.
• Com o desenvolvimento da colonização em solo americano,
formava-se uma elite local ligada à exportação do açúcar. Essa
situação mudou com as descobertas de ouro e diamantes nos
sertões que passaram a ser chamados de Minas Gerais e que
deram uma nova dinâmica à economia no século XVIII.
• Apesar dos pesados tributos relacionados ao ouro, a colônia
também prosperou; desenvolveram-se cidades nas regiões das
minas e cresceram os portos por onde ele, o ouro, era
transportado. Também a mineração dependia do trabalho de
escravos.
• A independência política do Brasil (1822) não alterou as relações
nas formas de produção ou nas relações sociais, que continuavam
parecidas com as do período colonial e fundadas no trabalho
escravo.
• No Brasil imperial, o café foi o produto que mais trouxe riquezas
à elite brasileira. Nas fazendas produtoras de café, todas as
etapas do trabalho eram feitas por africanos escravizados. O
trabalho escravo continuava sendo a base da produção dirigida
para a exportação.
• Além da importância econômica (sendo a exploração do trabalho
escravo a principal forma de acumulação de riquezas), foi
montado um sistema de justificação e legitimação da escravização
de seres humanos. No que diz respeito ao cotidiano, a norma na
sociedade brasileira era possuir escravos que fizessem os
trabalhos pesados e desagradáveis e trouxessem dinheiro para o
seu senhor.
Quem eram os africanos trazidos
para o Brasil?
• A partir de meados do século XVI começaram a chegar com
frequência ao Brasil escravos trazidos de algumas regiões da África.
Antes disso, africanos escravizados eram levados à Portugal e
outros países da Europa, comercializados na própria costa africana
e enviados para as minas de prata espanholas no atual Peru, onde
se chegava pelo rio da Prata.
• Com o desenvolvimento das atividades econômicas no Brasil, como
a cana-de-açúcar, com a crescente dificuldade de escravização dos
índios e com a ampliação da presença portuguesa na costa
africana, onde o tráfico de escravos era o negócio mais lucrativo,
aumentou o fluxo de escravos trazidos para o Brasil.
• Entre 1580 e 1690, Luanda foi o porto pelo qual os
portugueses mais comerciaram escravos. Tivemos guerras
africanas que facilitaram a penetração dos portugueses no
continente.
• As guerras faziam muitos prisioneiros, que eram vendidos
como escravos. Guerras travadas onde supostamente
haveria minas de prata, que buscavam capturar o maior
número de pessoas a serem vendidas pelos comerciantes da
costa.
• Entre 1690 e 1850 (fim do tráfico), tanto os portos
angolanos quanto os portos da Costa da Mina forneceram
escravos para o Brasil, havendo uma ligação estreita entre
Salvador e a Costa da Mina, e o Rio de Janeiro e Angola.
Navio Negreiro - Rugendas
• Navio Negreiro: https://www.youtube.com/watch?v=9v1hZE8fbDM
• Navio Negreiro – Castro Alves
Era um sonho dantesco... o tombadilho
Que das luzernas avermelha o brilho.
Em sangue a se banhar.
Tinir de ferros... estalar de açoite...
Legiões de homens negros como a noite,
Horrendos a dançar...
Negras mulheres, suspendendo às tetas
Magras crianças, cujas bocas pretas
Rega o sangue das mães:
Outras moças, mas nuas e espantadas,
No turbilhão de espectros arrastadas,
Em ânsia e mágoa vãs!
E ri-se a orquestra irônica, estridente...
E da ronda fantástica a serpente
Faz doudas espirais ...
Se o velho arqueja, se no chão
resvala,
Ouvem-se gritos... o chicote
estala.
E voam mais e mais...
Presa nos elos de uma só cadeia,
A multidão faminta cambaleia,
E chora e dança ali!
Um de raiva delira, outro
enlouquece,
Outro, que martírios embrutece,
Cantando, geme e ri!
No entanto o capitão manda a
manobra,
E após fitando o céu que se
desdobra,
Tão puro sobre o mar,
Diz do fumo entre os densos
nevoeiros:
"Vibrai rijo o chicote, marinheiros!
Fazei-os mais dançar!..."
E ri-se a orquestra irônica, estridente.
. .
E da ronda fantástica a serpente
Faz doudas espirais...
Qual um sonho dantesco as sombras
voam!...
Gritos, ais, maldições, preces
ressoam!
E ri-se Satanás!...
Mapa do comércio atlântico de
africanos escravizados.
• O continente africano era habitado por uma enorme variedade de
povos, que falavam línguas diferentes, organizavam de maneiras
diversa suas sociedades e tinham religiões, atividades econômicas
e habilidades diferentes. Quando condenadas pelas leis de suas
sociedades, capturadas em aldeias ou nos caminhos que as ligavam a
outras (aldeias), ou então em batalhas, essas pessoas viam seu
mundo se acabar e um horizonte de incertezas se descortinar.
• Além de serem afastadas das aldeias nas quais cresceram e que
eram o centro de seu universo, muito poucas vezes conseguiam se
manter próximas de conhecidos ou familiares, mesmo quando todos
eram capturados juntos.
• Cada etapa da travessia do mundo da liberdade para o da
escravidão, da África para o Brasil, era mais provável a pessoa se
ver sozinha diante do desconhecido, tendo de aprender quase tudo
de novo.
• No entanto, nada disso era capaz de apagar o que ele, o africano agora
escravizado, havia sido até então, mesmo que capturado quando criança.
Ainda que fossem de diversas etnias, achavam entre si semelhanças que faziam
com que se identificassem umas com as outras.
• Os escravos que chegavam ao Brasil eram embarcados em alguns portos
africanos como: Luanda, Benguela e Cabinda, na costa de Angola, Ajudá e
Lagos, na Costa da Mina, e mais tarde no porto de Moçambique.
• No Brasil as diferentes etnias foram reagrupadas com os nomes de angola,
congo, benguela e cabinda, identificando os africanos pelos portos nos quais
haviam sido embarcados ou pela região na qual eles se localizavam. (Também
foram utilizados os nomes das feiras (Cassanje, por exemplo).
• Os embarcados no Golfo da Guiné passaram a ser conhecidos como minas:
negro mina, preto mina.
Relações sociais e classificações.
• Depois dos horrores da travessia do Atlântico, amontoados em porões
imundos, comendo e bebendo o mínimo, vendo companheiros de
viagem morrer em razão de doenças e maus-tratos, certos de que não
era um bom destino o que os esperava, os diversos africanos eram
levados a galpões e mercados nos quais eram postos à venda.
Entretanto, antes disso, eram tratadas as suas doenças, eram melhor
alimentados e começavam a se informar com os africanos que haviam
chegado antes.
• Nos navios, descobriam laços entre si e formas de se comunicar,
aprendendo uns a língua dos outros.
• Os senhores chamavam os recém-chegados, que ainda não
entendiam o português, nem conheciam os costumes da terra, de
boçais: ideia de que os africanos pertenciam a culturas inferiores às
europeias, tendo comportamentos animalescos, como andar nus, e
religiões reprováveis, que envolviam práticas que os portugueses
chamavam de feitiçaria.
• Quando os africanos aprendiam os costumes da nova terra e o
português, se mostravam obedientes aos seus senhores e
desempenhavam bem as tarefas, passavam a ser chamados de
ladinos.
• Já os crioulos eram os que haviam nascido no Brasil, tinham o
português como sua primeira língua, quase sempre eram batizados
e, pelo menos na frente dos senhores, se comportavam bem,
tornando-se “brasileiros”.
• Dos mercados, os africanos poderiam ir para: engenhos, minas, ficar
nas cidades, fazer trabalhos domésticos, nas plantações de café,
etc.
• Uma outra variável importante era se o indivíduo era escravo, liberto
ou forro (escravo que havia ganho ou comprado sua liberdade), ou
livre, ou seja um afrodescendente filho de mãe livre e portanto já
nascido com essa condição.
• Africanos ou afrodescendentes, ao se integrarem à sociedade
brasileira que estava sendo formada também com a sua participação,
tinham de lidar com diversidades culturais e sociais entre eles, pois
havia diferenças entre escravos, forros e livres, bem como africanos e
crioulos. Além da construção das comunidades negras, havia a
relação destas com os grupos dominantes representados pelos
senhores rurais e urbanos, pelos administradores e pelos sacerdotes
católicos.
• Escravos que trabalhavam na lavoura, tinham pouco ou nenhum
contato com seus senhores, representados pelos feitores;
geralmente moravam em senzalas, onde conviviam com escravos
domésticos, que conviviam com seus senhores todos os dias (sinhá e
sinhô).
•Mas era nas cidades que os escravos domésticos estavam
presentes em maior número; eram carregadores,
vendedores, combinavam com os seus senhores a quantia
de dinheiro que deveriam entregar ao fim de cada dia –
ou semana. Essa quantia era chamada de jornal e os
escravos que trabalhavam dessa maneira eram chamados
de jornaleiros ou escravos de ganho. Esta era uma forma
típica de exploração urbana do trabalho escravo, que se
tornou comum nas cidades mais movimentadas, como
Salvador e Rio de Janeiro.
•Esta relação exigia muita confiança do senhor, e além
disso existiam os controles sociais limitando a liberdade
escrava: a aparência física.
• A princípio, ser escravo era ser destituído de quaisquer direitos, e
uma das estruturas de controle social foi a própria cor. Entretanto,
assim como existiam os senhores cruéis, existiam os que tratavam
seus escravos com “humanidade”. Mas o que era certo mesmo era
que um obedecia e outro mandava, recorrendo a castigos, que
serviam de punição e exemplo para os demais, evidenciando a
autoridade do senhor.
Resistência
• Nem sempre os escravos aceitaram se integrar à sociedade
escravista brasileira, enquadrando-se em algum tipo de relação com
seus senhores. Foram várias as formas de resistir à escravidão, seja
negando-a pela fuga, seja negociando melhores condições de vida
e trabalho.
• Fugir era o recurso mais radical, iam para lugares de difícil acesso.
Os agrupamentos de escravos fugidos eram chamados de
quilombos. Um dos mais famosos foi o de Palmares (região de
Alagoas), o maior que existiu e o que mais tempo durou.
• Nas aldeias dos quilombos viviam também alguns índios e mesmo
brancos, misturando-se às diversidades africanas.
• Palmares, que se espalhava por terras cheias de palmeiras, era
composto por um conjunto cheio de aldeias subordinadas a uma
delas, onde estava o principal chefe.
• Tal estrutura era comum na África-ocidental, onde confederações
de aldeias formavam províncias, que formavam reinos, para
usarmos as terminologia que primeiro descreveu essas
organizações políticas.
• Ganga Zumba era líder do quilombo dos Palmares, responsável por
um acordo com Aires de Souza e Castro, governador de
Pernambuco: seu povo teria terra para viver e seriam reconhecidos
como súditos livres do rei de Portugal. Esse acordo não foi aceito
por todos os Palmarinos e, liderados por Zumbi, os adversários
envenenaram Ganga Zumba. Em seguida, aqueles que haviam se
mudado para as terras do acordo entre Ganga Zumba e Aires de
Souza e Castro foram reescravizados.
• Zumbi passou a liderar Palmares, que foi destruído pelo bandeirante
Domingos Jorge Velho, paulista com vasta experiência em capturar índios e
escravos fugidos.
• Palmares e Zumbi se tornaram símbolos de resistência contra a escravidão.
• Além das fugas, os escravos também fingiam doenças, demoravam
para fazer algum trabalho, quebravam instrumentos ou se faziam
dóceis, para ganharem um tratamento diferenciado.
• Havia também rebeliões, quase sempre sufocadas antes de
acontecerem, onde os grupos planejavam matar os senhores e
administradores, ocupando seus lugares.
• Apesar de muitas terem sido planejadas na região das minas, as que
chegaram mais longe foram as do Recôncavo Baiano, onde os
rebeldes queimaram casas, engenhos, mataram feitores.
• A mais importante foi a Revolta dos Malês em 1835. Malês era o
nome dado aos escravos muçulmanos.
• Nos últimos anos da existência da escravidão no Brasil, os escravos
se concentravam nas fazendas de café e delas começaram a fugir
aos bandos, sendo que a partir de um determinado momento os
oficiais do Exército se recusaram a persegui-los, dizendo que não
eram capitães do mato.
• Houve um descontrole e os fazendeiros buscavam negociar com os
escravos a liberdade imediatamente após a colheita do café, pois
caso não fosse colhido, a safra seria perdida.
• Tivemos no final do século XIX leis abolicionistas que não
conseguiram dar conta do problema da escravidão, como:
• Eusébio de Queirós,
• Ventre Livre, Sexagenários,
• Lei Áurea (os libertou e entretanto, não deu condições de melhoria
de vida).
Leitura sugerida:
• O Livro de Ouro da História do Brasil – Mary Del Priore e
Renato Pinto Venâncio
• História Concisa do Brasil – Boris Fausto
• Revista de História da Biblioteca Nacional , ano 7, nº 78,
Março de 2012
• Casa Grande e Senzala em quadrinhos – Gilberto Freire,
com adaptação de Estêvão Pinto
• África e Brasil Africano – Marina de Mello e Souza
• Breve história do Brasil – Mary Del Priore e Renato
Venâncio
• Brasil: mito fundador e sociedade autoritária – Marilena
Chauí
Vídeos sugeridos:
• Histórias do Brasil – Colonização (TV Brasil)
• Histórias do Brasil – O Sangrador e o doutor (TV Brasil)
• Quilombo Cangume – TV Cultura
• Dos grilhões aos quilombos – TV Escola – Brasil 500 anos
• Quilombo – Filme de Carlos Diegues

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Neolítico revolução agrícola e as primeiras cidades
Neolítico   revolução agrícola e as primeiras cidadesNeolítico   revolução agrícola e as primeiras cidades
Neolítico revolução agrícola e as primeiras cidadesDouglas Barraqui
 
História da ÁFrica
História da ÁFricaHistória da ÁFrica
História da ÁFricaJoice Belini
 
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasilEscravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasilFatima Freitas
 
Diversidade Cultural na África - Prof. Altair Aguilar
Diversidade Cultural na África - Prof. Altair AguilarDiversidade Cultural na África - Prof. Altair Aguilar
Diversidade Cultural na África - Prof. Altair AguilarAltair Moisés Aguilar
 
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º AnoOs Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º AnoNefer19
 
Imperialismo: A Partilha da África
Imperialismo: A Partilha da ÁfricaImperialismo: A Partilha da África
Imperialismo: A Partilha da ÁfricaCarlos Benjoino Bidu
 
História da África e escravidão africana
História da África e escravidão africanaHistória da África e escravidão africana
História da África e escravidão africanaPaulo Alexandre
 
A independência do haiti
A independência do haitiA independência do haiti
A independência do haitihistoriando
 
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUAINDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUAIsabel Aguiar
 
HISTÓRIA DO BRASIL COLONIAL: descobrimento, impactos, conflitos e ciclos econ...
HISTÓRIA DO BRASIL COLONIAL: descobrimento, impactos, conflitos e ciclos econ...HISTÓRIA DO BRASIL COLONIAL: descobrimento, impactos, conflitos e ciclos econ...
HISTÓRIA DO BRASIL COLONIAL: descobrimento, impactos, conflitos e ciclos econ...Sheila Soarte
 
Escravidão no Brasil
Escravidão no BrasilEscravidão no Brasil
Escravidão no Brasilbastianbe
 

Mais procurados (20)

Neolítico revolução agrícola e as primeiras cidades
Neolítico   revolução agrícola e as primeiras cidadesNeolítico   revolução agrícola e as primeiras cidades
Neolítico revolução agrícola e as primeiras cidades
 
História da ÁFrica
História da ÁFricaHistória da ÁFrica
História da ÁFrica
 
Café
CaféCafé
Café
 
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasilEscravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
 
A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
 
Diversidade Cultural na África - Prof. Altair Aguilar
Diversidade Cultural na África - Prof. Altair AguilarDiversidade Cultural na África - Prof. Altair Aguilar
Diversidade Cultural na África - Prof. Altair Aguilar
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
 
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º AnoOs Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
 
Africa antes-dos-europeus
Africa antes-dos-europeusAfrica antes-dos-europeus
Africa antes-dos-europeus
 
ÁFRICA - Apartheid
ÁFRICA - ApartheidÁFRICA - Apartheid
ÁFRICA - Apartheid
 
Imperialismo: A Partilha da África
Imperialismo: A Partilha da ÁfricaImperialismo: A Partilha da África
Imperialismo: A Partilha da África
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
História da África e escravidão africana
História da África e escravidão africanaHistória da África e escravidão africana
História da África e escravidão africana
 
A independência do haiti
A independência do haitiA independência do haiti
A independência do haiti
 
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUAINDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
 
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasilEscravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
 
Brasil índios
Brasil índiosBrasil índios
Brasil índios
 
HISTÓRIA DO BRASIL COLONIAL: descobrimento, impactos, conflitos e ciclos econ...
HISTÓRIA DO BRASIL COLONIAL: descobrimento, impactos, conflitos e ciclos econ...HISTÓRIA DO BRASIL COLONIAL: descobrimento, impactos, conflitos e ciclos econ...
HISTÓRIA DO BRASIL COLONIAL: descobrimento, impactos, conflitos e ciclos econ...
 
Escravidão no Brasil
Escravidão no BrasilEscravidão no Brasil
Escravidão no Brasil
 

Destaque

Trabalho Escravo No Brasil
Trabalho Escravo No BrasilTrabalho Escravo No Brasil
Trabalho Escravo No BrasilFabio Santos
 
01 8º ano história rafa- escravidão
01 8º ano história   rafa- escravidão01 8º ano história   rafa- escravidão
01 8º ano história rafa- escravidãoRafael Noronha
 
A questão escravista no brasil imperial
A questão escravista no brasil imperialA questão escravista no brasil imperial
A questão escravista no brasil imperialLucas Degiovani
 
Trabalho Escravo no Brasil
Trabalho Escravo no BrasilTrabalho Escravo no Brasil
Trabalho Escravo no Brasil-
 
A américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesaA américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesaPatrícia Sanches
 
Navios Negreiros - Castro Alves
Navios Negreiros - Castro AlvesNavios Negreiros - Castro Alves
Navios Negreiros - Castro AlvesIsabella Ruas
 
Formação dos estados nacionais
Formação dos estados nacionaisFormação dos estados nacionais
Formação dos estados nacionaisLeopoldo Galvão
 
Escravidão no brasil
Escravidão no brasilEscravidão no brasil
Escravidão no brasilLaerteCamargo
 
O trabalho escravo
O trabalho escravoO trabalho escravo
O trabalho escravoRebeca Neiva
 
A economia na América portuguesa e o Brasil holandês.
A economia na América portuguesa e o Brasil holandês.A economia na América portuguesa e o Brasil holandês.
A economia na América portuguesa e o Brasil holandês.euricomarkes
 
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...Atividades Diversas Cláudia
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesamartinha10
 
Evolução histórica do conceito de trabalho
Evolução histórica do conceito de trabalhoEvolução histórica do conceito de trabalho
Evolução histórica do conceito de trabalhoTony Abreu
 
Trabalho: Conceito e Evolução no Ocidente
Trabalho: Conceito e Evolução no OcidenteTrabalho: Conceito e Evolução no Ocidente
Trabalho: Conceito e Evolução no OcidenteJorge Barbosa
 
Evolução Histórica do Trabalho
Evolução Histórica  do TrabalhoEvolução Histórica  do Trabalho
Evolução Histórica do TrabalhoLuisa Lamas
 

Destaque (20)

Trabalho Escravo No Brasil
Trabalho Escravo No BrasilTrabalho Escravo No Brasil
Trabalho Escravo No Brasil
 
01 8º ano história rafa- escravidão
01 8º ano história   rafa- escravidão01 8º ano história   rafa- escravidão
01 8º ano história rafa- escravidão
 
A questão escravista no brasil imperial
A questão escravista no brasil imperialA questão escravista no brasil imperial
A questão escravista no brasil imperial
 
Trabalho Escravo no Brasil
Trabalho Escravo no BrasilTrabalho Escravo no Brasil
Trabalho Escravo no Brasil
 
A américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesaA américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesa
 
Mineração
MineraçãoMineração
Mineração
 
Navios Negreiros - Castro Alves
Navios Negreiros - Castro AlvesNavios Negreiros - Castro Alves
Navios Negreiros - Castro Alves
 
Trabalho Escravo Contemporâneo no Brasil
Trabalho Escravo Contemporâneo no BrasilTrabalho Escravo Contemporâneo no Brasil
Trabalho Escravo Contemporâneo no Brasil
 
Formação dos estados nacionais
Formação dos estados nacionaisFormação dos estados nacionais
Formação dos estados nacionais
 
História em quadrinhos - Sepé Tiaraju
História em quadrinhos - Sepé TiarajuHistória em quadrinhos - Sepé Tiaraju
História em quadrinhos - Sepé Tiaraju
 
Escravidão no brasil
Escravidão no brasilEscravidão no brasil
Escravidão no brasil
 
Escravatura
EscravaturaEscravatura
Escravatura
 
O trabalho escravo
O trabalho escravoO trabalho escravo
O trabalho escravo
 
A economia na América portuguesa e o Brasil holandês.
A economia na América portuguesa e o Brasil holandês.A economia na América portuguesa e o Brasil holandês.
A economia na América portuguesa e o Brasil holandês.
 
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
 
Evolução histórica do conceito de trabalho
Evolução histórica do conceito de trabalhoEvolução histórica do conceito de trabalho
Evolução histórica do conceito de trabalho
 
Trabalho: Conceito e Evolução no Ocidente
Trabalho: Conceito e Evolução no OcidenteTrabalho: Conceito e Evolução no Ocidente
Trabalho: Conceito e Evolução no Ocidente
 
Atividades números
Atividades   númerosAtividades   números
Atividades números
 
Evolução Histórica do Trabalho
Evolução Histórica  do TrabalhoEvolução Histórica  do Trabalho
Evolução Histórica do Trabalho
 

Semelhante a Escravidão no brasil

Escravos
EscravosEscravos
EscravosLane94
 
ATIVIDADE 7º ANO 10-11.pdf
ATIVIDADE 7º ANO 10-11.pdfATIVIDADE 7º ANO 10-11.pdf
ATIVIDADE 7º ANO 10-11.pdfLívia De Paula
 
África nos tempos de tráfico atlântico
África nos tempos de tráfico atlânticoÁfrica nos tempos de tráfico atlântico
África nos tempos de tráfico atlânticoPortal do Vestibulando
 
Expansão e ocupação territorial
Expansão e ocupação territorialExpansão e ocupação territorial
Expansão e ocupação territorialPatrícia Sanches
 
Brasil síntese histórica
Brasil síntese históricaBrasil síntese histórica
Brasil síntese históricaAEDFL
 
Brasil Colônia - ciclo do ouro.pptx
Brasil Colônia - ciclo do ouro.pptxBrasil Colônia - ciclo do ouro.pptx
Brasil Colônia - ciclo do ouro.pptxMairaDeOliveiraPotri
 
Escravidão: Outras Histórias
Escravidão: Outras HistóriasEscravidão: Outras Histórias
Escravidão: Outras HistóriasCarlos Glufke
 
América portuguesa
América portuguesaAmérica portuguesa
América portuguesaSimone Gomes
 
Expansão territorial e t. de limites tmp
Expansão territorial e t. de limites tmpExpansão territorial e t. de limites tmp
Expansão territorial e t. de limites tmpPéricles Penuel
 
Escravidão Africana no brasil escravidão brasil colonia
Escravidão Africana no brasil escravidão brasil coloniaEscravidão Africana no brasil escravidão brasil colonia
Escravidão Africana no brasil escravidão brasil coloniaGabrielDominguesRoch
 
De onde são os africanos escravizados que vieram para o brasil
De onde são os africanos escravizados que vieram para o brasilDe onde são os africanos escravizados que vieram para o brasil
De onde são os africanos escravizados que vieram para o brasilMo Maie
 
Brasil 140302114545-phpapp02
Brasil 140302114545-phpapp02Brasil 140302114545-phpapp02
Brasil 140302114545-phpapp02Gisah Silveira
 
2 conquista america espanhola
2 conquista america espanhola2 conquista america espanhola
2 conquista america espanholaPaulo Alexandre
 
Os povos africanos e a origem do mundo
Os povos africanos e a origem do mundoOs povos africanos e a origem do mundo
Os povos africanos e a origem do mundoPROFºWILTONREIS
 

Semelhante a Escravidão no brasil (20)

Escravos
EscravosEscravos
Escravos
 
ATIVIDADE 7º ANO 10-11.pdf
ATIVIDADE 7º ANO 10-11.pdfATIVIDADE 7º ANO 10-11.pdf
ATIVIDADE 7º ANO 10-11.pdf
 
África nos tempos de tráfico atlântico
África nos tempos de tráfico atlânticoÁfrica nos tempos de tráfico atlântico
África nos tempos de tráfico atlântico
 
Expansão e ocupação territorial
Expansão e ocupação territorialExpansão e ocupação territorial
Expansão e ocupação territorial
 
Brasil síntese histórica
Brasil síntese históricaBrasil síntese histórica
Brasil síntese histórica
 
América Portuguesa
América PortuguesaAmérica Portuguesa
América Portuguesa
 
Brasil Colônia - ciclo do ouro.pptx
Brasil Colônia - ciclo do ouro.pptxBrasil Colônia - ciclo do ouro.pptx
Brasil Colônia - ciclo do ouro.pptx
 
Escravidão: Outras Histórias
Escravidão: Outras HistóriasEscravidão: Outras Histórias
Escravidão: Outras Histórias
 
América portuguesa
América portuguesaAmérica portuguesa
América portuguesa
 
Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.
Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.
Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.
 
Ancestrais
AncestraisAncestrais
Ancestrais
 
Expansão territorial e t. de limites tmp
Expansão territorial e t. de limites tmpExpansão territorial e t. de limites tmp
Expansão territorial e t. de limites tmp
 
Escravidão Africana no brasil escravidão brasil colonia
Escravidão Africana no brasil escravidão brasil coloniaEscravidão Africana no brasil escravidão brasil colonia
Escravidão Africana no brasil escravidão brasil colonia
 
Econômia Açucareira.ppt
Econômia Açucareira.pptEconômia Açucareira.ppt
Econômia Açucareira.ppt
 
Capitulo 7
Capitulo 7Capitulo 7
Capitulo 7
 
De onde são os africanos escravizados que vieram para o brasil
De onde são os africanos escravizados que vieram para o brasilDe onde são os africanos escravizados que vieram para o brasil
De onde são os africanos escravizados que vieram para o brasil
 
Brasil 140302114545-phpapp02
Brasil 140302114545-phpapp02Brasil 140302114545-phpapp02
Brasil 140302114545-phpapp02
 
2 conquista america espanhola
2 conquista america espanhola2 conquista america espanhola
2 conquista america espanhola
 
Brasil
BrasilBrasil
Brasil
 
Os povos africanos e a origem do mundo
Os povos africanos e a origem do mundoOs povos africanos e a origem do mundo
Os povos africanos e a origem do mundo
 

Mais de Professora Natália de Oliveira

Ataques e invasões francesas e holandesas brasil colonial
Ataques e invasões francesas e holandesas   brasil colonialAtaques e invasões francesas e holandesas   brasil colonial
Ataques e invasões francesas e holandesas brasil colonialProfessora Natália de Oliveira
 

Mais de Professora Natália de Oliveira (18)

Formação e independência das treze colônias
Formação e independência das treze colôniasFormação e independência das treze colônias
Formação e independência das treze colônias
 
Ataques e invasões francesas e holandesas brasil colonial
Ataques e invasões francesas e holandesas   brasil colonialAtaques e invasões francesas e holandesas   brasil colonial
Ataques e invasões francesas e holandesas brasil colonial
 
Economia açucareira na América Portuguesa.
Economia açucareira na América Portuguesa.Economia açucareira na América Portuguesa.
Economia açucareira na América Portuguesa.
 
Expansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesaExpansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesa
 
América portuguesa - Colonização
América portuguesa - ColonizaçãoAmérica portuguesa - Colonização
América portuguesa - Colonização
 
América espanhola
América espanholaAmérica espanhola
América espanhola
 
Reforma e contrarreforma
Reforma e contrarreformaReforma e contrarreforma
Reforma e contrarreforma
 
Formação de portugal
Formação de portugalFormação de portugal
Formação de portugal
 
Povos pré colombianos e pré-cabralinos
Povos pré colombianos e pré-cabralinosPovos pré colombianos e pré-cabralinos
Povos pré colombianos e pré-cabralinos
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
 
Roma: Monarquia/ República/ Império
Roma: Monarquia/ República/ ImpérioRoma: Monarquia/ República/ Império
Roma: Monarquia/ República/ Império
 
Revolução de 1930
Revolução de 1930Revolução de 1930
Revolução de 1930
 
Totalitarismo
TotalitarismoTotalitarismo
Totalitarismo
 
Crise de 1929 new deal
Crise de 1929 new dealCrise de 1929 new deal
Crise de 1929 new deal
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República Oligárquica
 
Teoria das formas de governo e de estado
Teoria das formas de governo e de estadoTeoria das formas de governo e de estado
Teoria das formas de governo e de estado
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 

Último

Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 

Escravidão no brasil

  • 1. História do Brasil A escravidão
  • 2. Africanos no Brasil • Durante os primeiros anos após a conquista das terras americanas, a presença portuguesa era muito pequena, limitando-se a alguns pontos como Salvador e São Vicente, onde realizavam trocas comerciais vantajosas: facas, machados, anzóis, e peças de vestuário eram trocadas por pau-brasil, papagaios, macacos e peles. • Como já havia acontecido em terras conquistadas por portugueses, alguns destes eram deixados ou preferiam ficar na costa brasileira, onde se tornavam intermediários nas trocas entre nativos e europeus. • Além dos portugueses, outros povos visitavam a costa e se envolviam nesse comércio, como os franceses, por exemplo.
  • 3. • Nessa época, a Coroa e os comerciantes portugueses estavam mais interessados nas relações com os povos africanos (com os quais comercializavam ouro e marfim) e com os povos do Oriente, principalmente da Índia, de onde traziam seda, pedras preciosas, especiarias, fontes de altos lucros. • Entretanto, diante da ameaça dos franceses, a Coroa portuguesa elaborou uma política de ocupação e colonização, conhecida como Capitanias Hereditárias, aqueles que as recebiam, conhecidos como donatários, deveriam se dedicar à proteção das terras e à produção – principalmente do açúcar, seguindo a experiência bem-sucedida das ilhas atlânticas (Açores, Madeira, São Tomé). • A base dessa colonização, que se estendeu por cerca de trezentos anos, era a exportação de mercadorias produzidas pelo trabalho escravo.
  • 4. • O açúcar foi a primeira delas, mantendo-se importante na economia brasileira do século XVI até o século XIX. • Quase tudo o que era usado no engenho era feito lá mesmo, por escravos: primeiros índios e, a seguir, africanos trazidos do outro lado do Atlântico. • Com o desenvolvimento da colonização em solo americano, formava-se uma elite local ligada à exportação do açúcar. Essa situação mudou com as descobertas de ouro e diamantes nos sertões que passaram a ser chamados de Minas Gerais e que deram uma nova dinâmica à economia no século XVIII. • Apesar dos pesados tributos relacionados ao ouro, a colônia também prosperou; desenvolveram-se cidades nas regiões das minas e cresceram os portos por onde ele, o ouro, era transportado. Também a mineração dependia do trabalho de escravos.
  • 5. • A independência política do Brasil (1822) não alterou as relações nas formas de produção ou nas relações sociais, que continuavam parecidas com as do período colonial e fundadas no trabalho escravo. • No Brasil imperial, o café foi o produto que mais trouxe riquezas à elite brasileira. Nas fazendas produtoras de café, todas as etapas do trabalho eram feitas por africanos escravizados. O trabalho escravo continuava sendo a base da produção dirigida para a exportação. • Além da importância econômica (sendo a exploração do trabalho escravo a principal forma de acumulação de riquezas), foi montado um sistema de justificação e legitimação da escravização de seres humanos. No que diz respeito ao cotidiano, a norma na sociedade brasileira era possuir escravos que fizessem os trabalhos pesados e desagradáveis e trouxessem dinheiro para o seu senhor.
  • 6. Quem eram os africanos trazidos para o Brasil? • A partir de meados do século XVI começaram a chegar com frequência ao Brasil escravos trazidos de algumas regiões da África. Antes disso, africanos escravizados eram levados à Portugal e outros países da Europa, comercializados na própria costa africana e enviados para as minas de prata espanholas no atual Peru, onde se chegava pelo rio da Prata. • Com o desenvolvimento das atividades econômicas no Brasil, como a cana-de-açúcar, com a crescente dificuldade de escravização dos índios e com a ampliação da presença portuguesa na costa africana, onde o tráfico de escravos era o negócio mais lucrativo, aumentou o fluxo de escravos trazidos para o Brasil.
  • 7. • Entre 1580 e 1690, Luanda foi o porto pelo qual os portugueses mais comerciaram escravos. Tivemos guerras africanas que facilitaram a penetração dos portugueses no continente. • As guerras faziam muitos prisioneiros, que eram vendidos como escravos. Guerras travadas onde supostamente haveria minas de prata, que buscavam capturar o maior número de pessoas a serem vendidas pelos comerciantes da costa. • Entre 1690 e 1850 (fim do tráfico), tanto os portos angolanos quanto os portos da Costa da Mina forneceram escravos para o Brasil, havendo uma ligação estreita entre Salvador e a Costa da Mina, e o Rio de Janeiro e Angola.
  • 8.
  • 9.
  • 10. Navio Negreiro - Rugendas
  • 11. • Navio Negreiro: https://www.youtube.com/watch?v=9v1hZE8fbDM • Navio Negreiro – Castro Alves Era um sonho dantesco... o tombadilho Que das luzernas avermelha o brilho. Em sangue a se banhar. Tinir de ferros... estalar de açoite... Legiões de homens negros como a noite, Horrendos a dançar... Negras mulheres, suspendendo às tetas Magras crianças, cujas bocas pretas Rega o sangue das mães: Outras moças, mas nuas e espantadas, No turbilhão de espectros arrastadas, Em ânsia e mágoa vãs!
  • 12. E ri-se a orquestra irônica, estridente... E da ronda fantástica a serpente Faz doudas espirais ... Se o velho arqueja, se no chão resvala, Ouvem-se gritos... o chicote estala. E voam mais e mais... Presa nos elos de uma só cadeia, A multidão faminta cambaleia, E chora e dança ali! Um de raiva delira, outro enlouquece, Outro, que martírios embrutece, Cantando, geme e ri! No entanto o capitão manda a manobra, E após fitando o céu que se desdobra, Tão puro sobre o mar, Diz do fumo entre os densos nevoeiros: "Vibrai rijo o chicote, marinheiros! Fazei-os mais dançar!..." E ri-se a orquestra irônica, estridente. . . E da ronda fantástica a serpente Faz doudas espirais... Qual um sonho dantesco as sombras voam!... Gritos, ais, maldições, preces ressoam! E ri-se Satanás!...
  • 13. Mapa do comércio atlântico de africanos escravizados.
  • 14. • O continente africano era habitado por uma enorme variedade de povos, que falavam línguas diferentes, organizavam de maneiras diversa suas sociedades e tinham religiões, atividades econômicas e habilidades diferentes. Quando condenadas pelas leis de suas sociedades, capturadas em aldeias ou nos caminhos que as ligavam a outras (aldeias), ou então em batalhas, essas pessoas viam seu mundo se acabar e um horizonte de incertezas se descortinar. • Além de serem afastadas das aldeias nas quais cresceram e que eram o centro de seu universo, muito poucas vezes conseguiam se manter próximas de conhecidos ou familiares, mesmo quando todos eram capturados juntos. • Cada etapa da travessia do mundo da liberdade para o da escravidão, da África para o Brasil, era mais provável a pessoa se ver sozinha diante do desconhecido, tendo de aprender quase tudo de novo.
  • 15. • No entanto, nada disso era capaz de apagar o que ele, o africano agora escravizado, havia sido até então, mesmo que capturado quando criança. Ainda que fossem de diversas etnias, achavam entre si semelhanças que faziam com que se identificassem umas com as outras. • Os escravos que chegavam ao Brasil eram embarcados em alguns portos africanos como: Luanda, Benguela e Cabinda, na costa de Angola, Ajudá e Lagos, na Costa da Mina, e mais tarde no porto de Moçambique. • No Brasil as diferentes etnias foram reagrupadas com os nomes de angola, congo, benguela e cabinda, identificando os africanos pelos portos nos quais haviam sido embarcados ou pela região na qual eles se localizavam. (Também foram utilizados os nomes das feiras (Cassanje, por exemplo). • Os embarcados no Golfo da Guiné passaram a ser conhecidos como minas: negro mina, preto mina.
  • 16. Relações sociais e classificações.
  • 17. • Depois dos horrores da travessia do Atlântico, amontoados em porões imundos, comendo e bebendo o mínimo, vendo companheiros de viagem morrer em razão de doenças e maus-tratos, certos de que não era um bom destino o que os esperava, os diversos africanos eram levados a galpões e mercados nos quais eram postos à venda. Entretanto, antes disso, eram tratadas as suas doenças, eram melhor alimentados e começavam a se informar com os africanos que haviam chegado antes. • Nos navios, descobriam laços entre si e formas de se comunicar, aprendendo uns a língua dos outros. • Os senhores chamavam os recém-chegados, que ainda não entendiam o português, nem conheciam os costumes da terra, de boçais: ideia de que os africanos pertenciam a culturas inferiores às europeias, tendo comportamentos animalescos, como andar nus, e religiões reprováveis, que envolviam práticas que os portugueses chamavam de feitiçaria.
  • 18.
  • 19. • Quando os africanos aprendiam os costumes da nova terra e o português, se mostravam obedientes aos seus senhores e desempenhavam bem as tarefas, passavam a ser chamados de ladinos. • Já os crioulos eram os que haviam nascido no Brasil, tinham o português como sua primeira língua, quase sempre eram batizados e, pelo menos na frente dos senhores, se comportavam bem, tornando-se “brasileiros”. • Dos mercados, os africanos poderiam ir para: engenhos, minas, ficar nas cidades, fazer trabalhos domésticos, nas plantações de café, etc. • Uma outra variável importante era se o indivíduo era escravo, liberto ou forro (escravo que havia ganho ou comprado sua liberdade), ou livre, ou seja um afrodescendente filho de mãe livre e portanto já nascido com essa condição.
  • 20. • Africanos ou afrodescendentes, ao se integrarem à sociedade brasileira que estava sendo formada também com a sua participação, tinham de lidar com diversidades culturais e sociais entre eles, pois havia diferenças entre escravos, forros e livres, bem como africanos e crioulos. Além da construção das comunidades negras, havia a relação destas com os grupos dominantes representados pelos senhores rurais e urbanos, pelos administradores e pelos sacerdotes católicos. • Escravos que trabalhavam na lavoura, tinham pouco ou nenhum contato com seus senhores, representados pelos feitores; geralmente moravam em senzalas, onde conviviam com escravos domésticos, que conviviam com seus senhores todos os dias (sinhá e sinhô).
  • 21. •Mas era nas cidades que os escravos domésticos estavam presentes em maior número; eram carregadores, vendedores, combinavam com os seus senhores a quantia de dinheiro que deveriam entregar ao fim de cada dia – ou semana. Essa quantia era chamada de jornal e os escravos que trabalhavam dessa maneira eram chamados de jornaleiros ou escravos de ganho. Esta era uma forma típica de exploração urbana do trabalho escravo, que se tornou comum nas cidades mais movimentadas, como Salvador e Rio de Janeiro. •Esta relação exigia muita confiança do senhor, e além disso existiam os controles sociais limitando a liberdade escrava: a aparência física.
  • 22. • A princípio, ser escravo era ser destituído de quaisquer direitos, e uma das estruturas de controle social foi a própria cor. Entretanto, assim como existiam os senhores cruéis, existiam os que tratavam seus escravos com “humanidade”. Mas o que era certo mesmo era que um obedecia e outro mandava, recorrendo a castigos, que serviam de punição e exemplo para os demais, evidenciando a autoridade do senhor.
  • 24. • Nem sempre os escravos aceitaram se integrar à sociedade escravista brasileira, enquadrando-se em algum tipo de relação com seus senhores. Foram várias as formas de resistir à escravidão, seja negando-a pela fuga, seja negociando melhores condições de vida e trabalho. • Fugir era o recurso mais radical, iam para lugares de difícil acesso. Os agrupamentos de escravos fugidos eram chamados de quilombos. Um dos mais famosos foi o de Palmares (região de Alagoas), o maior que existiu e o que mais tempo durou. • Nas aldeias dos quilombos viviam também alguns índios e mesmo brancos, misturando-se às diversidades africanas.
  • 25. • Palmares, que se espalhava por terras cheias de palmeiras, era composto por um conjunto cheio de aldeias subordinadas a uma delas, onde estava o principal chefe. • Tal estrutura era comum na África-ocidental, onde confederações de aldeias formavam províncias, que formavam reinos, para usarmos as terminologia que primeiro descreveu essas organizações políticas. • Ganga Zumba era líder do quilombo dos Palmares, responsável por um acordo com Aires de Souza e Castro, governador de Pernambuco: seu povo teria terra para viver e seriam reconhecidos como súditos livres do rei de Portugal. Esse acordo não foi aceito por todos os Palmarinos e, liderados por Zumbi, os adversários envenenaram Ganga Zumba. Em seguida, aqueles que haviam se mudado para as terras do acordo entre Ganga Zumba e Aires de Souza e Castro foram reescravizados.
  • 26. • Zumbi passou a liderar Palmares, que foi destruído pelo bandeirante Domingos Jorge Velho, paulista com vasta experiência em capturar índios e escravos fugidos. • Palmares e Zumbi se tornaram símbolos de resistência contra a escravidão.
  • 27.
  • 28.
  • 29. • Além das fugas, os escravos também fingiam doenças, demoravam para fazer algum trabalho, quebravam instrumentos ou se faziam dóceis, para ganharem um tratamento diferenciado. • Havia também rebeliões, quase sempre sufocadas antes de acontecerem, onde os grupos planejavam matar os senhores e administradores, ocupando seus lugares. • Apesar de muitas terem sido planejadas na região das minas, as que chegaram mais longe foram as do Recôncavo Baiano, onde os rebeldes queimaram casas, engenhos, mataram feitores. • A mais importante foi a Revolta dos Malês em 1835. Malês era o nome dado aos escravos muçulmanos.
  • 30. • Nos últimos anos da existência da escravidão no Brasil, os escravos se concentravam nas fazendas de café e delas começaram a fugir aos bandos, sendo que a partir de um determinado momento os oficiais do Exército se recusaram a persegui-los, dizendo que não eram capitães do mato. • Houve um descontrole e os fazendeiros buscavam negociar com os escravos a liberdade imediatamente após a colheita do café, pois caso não fosse colhido, a safra seria perdida. • Tivemos no final do século XIX leis abolicionistas que não conseguiram dar conta do problema da escravidão, como: • Eusébio de Queirós, • Ventre Livre, Sexagenários, • Lei Áurea (os libertou e entretanto, não deu condições de melhoria de vida).
  • 31. Leitura sugerida: • O Livro de Ouro da História do Brasil – Mary Del Priore e Renato Pinto Venâncio • História Concisa do Brasil – Boris Fausto • Revista de História da Biblioteca Nacional , ano 7, nº 78, Março de 2012 • Casa Grande e Senzala em quadrinhos – Gilberto Freire, com adaptação de Estêvão Pinto • África e Brasil Africano – Marina de Mello e Souza • Breve história do Brasil – Mary Del Priore e Renato Venâncio • Brasil: mito fundador e sociedade autoritária – Marilena Chauí
  • 32. Vídeos sugeridos: • Histórias do Brasil – Colonização (TV Brasil) • Histórias do Brasil – O Sangrador e o doutor (TV Brasil) • Quilombo Cangume – TV Cultura • Dos grilhões aos quilombos – TV Escola – Brasil 500 anos • Quilombo – Filme de Carlos Diegues