SlideShare uma empresa Scribd logo

Principios Básicos do Designer

O documento discute os quatro princípios básicos de design: proximidade, alinhamento, repetição e contraste. A proximidade agrupa itens relacionados para mostrar sua conexão. O alinhamento conecta itens visualmente mesmo quando separados. A repetição de elementos promove a consistência visual. E o contraste cria hierarquia diferenciando elementos de forma distinta.

1 de 54
Baixar para ler offline
Princípios  de Design
[object Object],[object Object]
Os 4 princípios básicos ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Proximidade ,[object Object],[object Object],[object Object]
Cartão Exemplo 1
Educomunicador/a EDSON ARANTES Programa Nas Ondas do Rádio http://nasondasdoradio.ning.com/ SME/SP
Educomunicador/a EDSON ARANTES Programa Nas Ondas do Rádio http://nasondasdoradio.ning.com/ São Paulo, SP
Educomunicador/a EDSON ARANTES Programa Nas Ondas do Rádio http://nasondasdoradio.ning.com/ SME/SP
Exemplo 2 Banner
Programa Nas Ondas do Rádio O que você entende por ... PROTAGONISMO JUVENIL? Março  - 2010 SME/SP
Programa Nas Ondas do Rádio O que você entende por... PROTAGONISMO JUVENIL? Março 2010 SME/SP
Exemplo 3 Anúncio, folheto e outros
Cabo coaxial Fibra óptica Par trançado Ar Ethernet FastEthernet 10-Base-T 100-Base-T  LAN WAN Toking-Ring Estrela Pear-to-pear TCP-IP
Tipos de Redes LAN WAN Arquitetura de Rede Toking-Ring Estrela Pear-to-pear Protocolo de Rede TCP-IP Meio Físico Cabo coaxial Fibra óptica Par trançado Ar Padrão de Rede Ethernet FastEternet 10-Base-T 100-Base-T
Exemplo 4 Textos
1º. Encontro: Educomunicação (4h) Objetivo: promover o protagonismo infanto-juvenil por meio da TICs. Linguagem impressa e digital. 2º. Encontro: Mediação de Comunicação (4h) Objetivo: ampliar redes sociais de aprendizagens. Linguagem Digital. 3º. Encontro: Leitura Crítica da Comunicação (4h) Objetivo: promover a cultura da paz. Linguagem Audiovisual. 4º. Encontro: Gestão do Conhecimento (4h) Objetivo: ampliar a base de conhecimento, visando o aumento da efetividade das ações promovidas no ambiente escolar.  Linguagem Audiovisual. 5º. Encontro: Gestão do Conhecimento (4h) Objetivo: ampliar a base de conhecimento, visando o aumento da efetividade das ações promovidas no ambiente escolar.  Linguagem Audiovisual. 6º. Encontro: Gestão de Processos Comunicacionais (4h) Objetivo: possibilitar o desenvolvimento da expressão comunicativa na consolidação do ecossistema educomunicativo.  Linguagem Audiovisual. Informações e Reservas: http://nasondasdoradio.ning.com/ Curso  Aprender e Comunicar  Programa Nas Ondas do Rádio – SME/SP
Curso  Aprender e Comunicar  Programa Nas Ondas do Rádio – SME/SP 1º. Encontro: Educomunicação (4h) Objetivo: promover o protagonismo infanto-juvenil por meio da TICs. Linguagem impressa e digital. 2º. Encontro: Mediação de Comunicação (4h) Objetivo: ampliar redes sociais de aprendizagens. Linguagem Digital. 3º. Encontro: Leitura Crítica da Comunicação (4h) Objetivo: promover a cultura da paz.  Linguagem Audiovisual. 4º. Encontro: Gestão do Conhecimento (4h) Objetivo: ampliar a base de conhecimento, visando o aumento da efetividade das ações promovidas no ambiente escolar.  Linguagem Audiovisual. 5º. Encontro: Gestão do Conhecimento (4h) Objetivo: ampliar a base de conhecimento, visando o aumento da efetividade das ações promovidas no ambiente escolar.  Linguagem Audiovisual. 6º. Encontro: Gestão de Processos Comunicacionais (4h) Objetivo: possibilitar o desenvolvimento da expressão comunicativa na consolidação do ecossistema educomunicativo.  Linguagem Audiovisual. Informações e Reservas: http://nasondasdoradio.ning.com/
FIM Proximidade resumo
Alinhamento ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Cartão Exemplo 1
Educomunicador EDSON ARANTES Programa Nas Ondas do Rádio http://nasondasdoradio.ning.com/ São Paulo, SP
Educomunicador  EDSON ARANTES SME/SP http://nasondasdoradio.ning.com/ Programa Nas Ondas do Rádio
Educomunicador EDSON ARANTES SME/SP http://nasondasdoradio.ning.com/ Programa Nas Ondas do Rádio
Capas de trabalho Exemplo 2
Trabalho de Conclusão Esporte e Protagonismo Juvenil  por NISE DA SILVEIRA 08 de março de 2010
Trabalho de Conclusão Esporte e Protagonismo Juvenil  por NISE DA SILVEIRA 08 de março de 2010
Trabalho de Conclusão Esporte e Protagonismo Juvenil  por NISE DA SILVEIRA 08 de março de 2010
Com imagens Exemplo 3
Protagonismo Juvenil Rede Nas Ondas Do Rádio http://nasondasdoradio.ning.com / A comunicação mediada por recursos tecnológicos pode estar a serviço da educação, promovendo diálogos que gerem uma nova relação entre a escola e a sociedade. O projeto educomunicativo incentiva o protagonismo do jovem.     _______________________________________________________________________________________________ Fonte: Acervo NCE/USP
Protagonismo Juvenil Rede Nas Ondas do Rádio http://nasondasdoradio.ning.com/ A comunicação mediada por recursos tecnológicos pode estar a serviço da educação, promovendo diálogos que gerem uma nova relação entre a escola e a sociedade. O projeto educomunicativo incentiva o protagonismo do jovem.     _____________________________________________________________________________________________________________ Fonte: Acervo NCE/USP
FIM Alinhamento resumo
Repetição ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Repetição Ao olhar para um newsletter (jornal) de oito páginas, é justamente a repetição de alguns elementos –  sua consistência  – que faz com que cada uma dessas oito páginas pareça pertencer ao mesmo newsletter. (...)  a repetição vai além da simples consitência: é um esforço consciente para unificar todos os elementos do design . WILLIAMS, Robin. Design para quem não é designer. São Paulo:Callis, 1995, p. 49
Cartão Exemplo 1
Educomunicadora NISE DA SILVEIRA SME/SP http://nasondasdoradio.ning.com/ Programa Nas Ondas do Rádio
Educomunicadora NISE DA SILVEIRA SME/SP http://nasondasdoradio.ning.com/ Programa Nas Ondas do Rádio
Educomunicadora NISE DA SILVEIRA SME/SP http://nasondasdoradio.ning.com/ Programa Nas Ondas do Rádio
Textos de revistas, jornais, folhetos e documentos. Exemplo 2
Comunicação e Protagonismo Juvenil A dificuldade de comunicação impede a socialização do conhecimento. O verbo comunicar deriva do latim – communicare – e significa fazer saber; tornar comum; participar; estabelecer ligação; unir; ligar.  A falta de diálogo na escola é atribuída a uma série de fatores: falta de tempo ou mesmo de espaço físico para o encontro.  Assim, o principal objetivo de um projeto educomunicativo centrado no rádio deve ser melhorar a relação entre os sujeitos que atuam na escola e desta com a comunidade – promovendo a troca, a união, a comunicação.  A criação de uma rádio na escola deve, portanto, promover a participação crítica dos indivíduos, permitindo que todos os segmentos possam se expressar, discutindo e refletindo sobre seus problemas, suas idéias e inquietações, mediando diálogos que nem sempre são possíveis face a face. Poderemos, desse modo, construir uma rede comunicativa democrática onde as pessoas sejam respeitadas e reconhecidas pelas mais diversas potencialidades e competências. Rádio e Protagonismo Juvenil Se considerarmos as ações que marcam as fases de desenvolvimento da criança – andar, falar, ler e escrever – podemos ver o rádio como uma grande aliada, por exemplo, no processo de alfabetização. Através da emissora escolar, crianças e adolescentes terão a possibilidade de aprender a falar publicamente desde cedo, vencendo a timidez e elevando sua auto-estima. Com isso, terão mais facilidade e criticidade na leitura e na escrita, bem como mais responsabilidade sobre o que falam e escrevem. Desenvolver a expressão oral dos alunos significa, portanto, favorecer o protagonismo juvenil, apostando nas novas gerações e investindo em cidadania. Experiências  Para ilustrar o que estamos falando, sugerimos uma visita ao site da Revista Viração (http://www.revistaviracao.com.br)   que tem por objetivo promover a emancipação dos jovens de forma criativa e responsável, estimulando a versão da linguagem oral em linguagem escrita e incentivando a liberdade de expressão.  Concluindo Ter como objetivo fomentar o protagonismo entre os jovens exige que repensemos nossos próprios valores e, principalmente, nossa postura frente aos mesmos. Só assim conseguiremos criar – e é bem esta a palavra – criar – processos e procedimentos que redimensionem as relações entre a escola e a sociedade.
Comunicação e Protagonismo Juvenil A dificuldade de comunicação impede a socialização do conhecimento. O verbo comunicar deriva do latim – communicare – e significa fazer saber; tornar comum; participar; estabelecer ligação; unir; ligar.  A falta de diálogo na escola é atribuída a uma série de fatores: falta de tempo ou mesmo de espaço físico para o encontro.  Assim, o principal objetivo de um projeto educomunicativo centrado no rádio deve ser melhorar a relação entre os sujeitos que atuam na escola e desta com a comunidade – promovendo a troca, a união, a comunicação.  A criação de uma rádio na escola deve, portanto, promover a participação crítica dos indivíduos, permitindo que todos os segmentos possam se expressar, discutindo e refletindo sobre seus problemas, suas idéias e inquietações, mediando diálogos que nem sempre são possíveis face a face. Poderemos, desse modo, construir uma rede comunicativa democrática onde as pessoas sejam respeitadas e reconhecidas pelas mais diversas potencialidades e competências. Rádio e Protagonismo Juvenil Se considerarmos as ações que marcam as fases de desenvolvimento da criança – andar, falar, ler e escrever – podemos ver o rádio como uma grande aliada, por exemplo, no processo de alfabetização. Através da emissora escolar, crianças e adolescentes terão a possibilidade de aprender a falar publicamente desde cedo, vencendo a timidez e elevando sua auto-estima. Com isso, terão mais facilidade e criticidade na leitura e na escrita, bem como mais responsabilidade sobre o que falam e escrevem. Desenvolver a expressão oral dos alunos significa, portanto, favorecer o protagonismo juvenil, apostando nas novas gerações e investindo em cidadania. Experiências  Para ilustrar o que estamos falando, sugerimos uma visita ao site da Revista Viração (http://www.revistaviracao.com.br)   que tem por objetivo promover a emancipação dos jovens de forma criativa e responsável, estimulando a versão da linguagem oral em linguagem escrita e incentivando a liberdade de expressão.  Concluindo  Ter como objetivo fomentar o protagonismo entre os jovens exige que repensemos nossos próprios valores e, principalmente, nossa postura frente aos mesmos. Só assim conseguiremos criar – e é bem esta a palavra – criar – processos e procedimentos que redimensionem as relações entre a escola e a sociedade.
FIM Repetição resumo
Contraste O  contraste  é uma maneira mais eficaz de acrescentar algum atrativo visual a uma página (algo que realmente faça o leitor olhar para ela) criando  uma hierarquia organizacional entre diferentes elementos .   WILLIAMS, Robin. Design para quem não é designer. São Paulo:Callis, 2009, p. 63
Contraste Cria-se o contraste quando dois elementos são diferentes. Se eles diferirem um pouco mas não muito, não acontecerá o  contraste  e sim um  conflito . Este é o segrado: segundo o princípio do contraste,  se dois itens não forem exatamente os mesmos, diferencie-os completamente .   WILLIAMS, Robin. Design para quem não é designer. São Paulo:Callis, 1995, p. 53
Contraste ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Contraste ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Exemplo 1
Faça seu Currículo S e u  C u r r i c u l u m  V i t a e  A n o  2 010 A apresentação   Prefira uma apresentação discreta. Evite o uso de fontes chamativas. Não utilize efeitos especiais  nem muitas cores ou imagens. Prefira as fontes como Arial, Times  NewRoman ou Garamond. São fontes de fácil leitura e de bom gosto comprovado. Para os títulos do seu currículo use uma fonte alguns pontos maior que o corpo de texto. Trabalhe com os estilos do Word e formate corretamente o documento, pois é comum a apresentação do currículo em formato digital. As partes   O currículo começa com o título geral:  Curriculum Vitae  (do latim) ou  Currículo  (em portuguës).  Não se usa:  Currículo Vitae , ou  Curriculum . Para começar o seu currículo é importante que você faça um levantamento de todos seus dados pessoais, profissionais, educacionais e extra-profissionais, para organizá-los de maneira lógica e objetiva. O seu currículo deve conter: Identificação A sua idenficação básica deve estar no início do currículo. Dados pessoais mais completos e secundários  podem ser colocados ao final. Lá você pode detalhar números de documentos, registro em órgãos profissionais, filiação, etc.. A identificação básica deve conter nome completo, endereço residencial, cidade, estado, CEP, número de telefone residencial com DDD, e-mail, idade, nacionalidade, naturalidade, estado civil e número de filhos. Se possível, deixe um telefone adicional para recados. Objetivo Mencione o cargo ou ocupação pretendida. Você pode mencionar mais de uma opção. Qualificação Esta parte aparece primeiro, mas deve ser elaborada por último.Funciona como um resumo do que você é capaz como profissional. Crie as demais partes do seu curriculum para depois resumir suas qualificações. Relacione seus pontos fortes que condizem com seu objetivo. Faça a descrição desses pontos em formas de ítens, com frases curtas e objetivas. Experiência profissional Apresente nesta parte as informações de sua experiência profissional, como empregos, atividades autônomas, empresariais, etc.. Informe com clareza suas experiências nas empresas onde trabalhou. Especifique em cada cargo ocupado suas atividades de destaque, procurando refletir a sua capacidade de desempenhar a função pretendida. Comece da experiência mais recente para a mais antiga. Mencione os períodos em que trabalhou, citando mês e ano de entrada e saída.
Faça seu Currículo A apresentação   Prefira uma apresentação discreta. Evite o uso de fontes chamativas. Não utilize efeitos especiais  nem muitas cores ou imagens. Prefira as fontes como Arial, Times  NewRoman ou Garamond. São fontes de fácil leitura e de bom gosto comprovado. Para os títulos do seu currículo use uma fonte alguns pontos maior que o corpo de texto. Trabalhe com os estilos do Word e formate corretamente o documento, pois é comum a apresentação do currículo em formato digital. As partes   O currículo começa com o título geral:  Curriculum Vitae  (do latim) ou  Currículo  (em portuguës).  Não se usa:  Currículo Vitae , ou  Curriculum . Para começar o seu currículo é importante que você faça um levantamento de todos seus dados pessoais, profissionais, educacionais e extra-profissionais, para organizá-los de maneira lógica e objetiva. O seu currículo deve conter: Identificação A sua idenficação básica deve estar no início do currículo. Dados pessoais mais completos e secundários  podem ser colocados ao final. Lá você pode detalhar números de documentos, registro em órgãos profissionais, filiação, etc.. A identificação básica deve conter nome completo, endereço residencial, cidade, estado, CEP, número de telefone residencial com DDD, e-mail, idade, nacionalidade, naturalidade, estado civil e número de filhos. Se possível, deixe um telefone adicional para recados. Objetivo Mencione o cargo ou ocupação pretendida. Você pode mencionar mais de uma opção. Qualificação Esta parte aparece primeiro, mas deve ser elaborada por último.Funciona como um resumo do que você é capaz como profissional. Crie as demais partes do seu curriculum para depois resumir suas qualificações. Relacione seus pontos fortes que condizem com seu objetivo. Faça a descrição desses pontos em formas de ítens, com frases curtas e objetivas. Experiência profissional Apresente nesta parte as informações de sua experiência profissional, como empregos, atividades autônomas, empresariais, etc.. Informe com clareza suas experiências nas empresas onde trabalhou. Especifique em cada cargo ocupado suas atividades de destaque, procurando refletir a sua capacidade de desempenhar a função pretendida. Comece da experiência mais recente para a mais antiga. Mencione os períodos em que trabalhou, citando mês e ano de entrada e saída. S e u  C u r r i c u l u m  V i t a e  A n o  2 010
Exemplo 2
ELZA DIAS PACHECO  Rua Prof. Lúcio Martins Rodrigues, 443 ECA/USP – Brasil Fone: 0 xx 11- 30914081 Site:  www.eca.usp.br/nucleos/ lapic /  Habilidades Habilidade em coordenar  equipe; Habilidade em  reconhecer e resolver problemas; Habilidade para raciocínio lógico;  Habilidade para trabalhar com crianças e jovens; Rapidez de raciocínio, espírito de desafio e trabalho em equipe; Formação 1991 - 1992 Pós-Doutorado. Universidad Complutense de Madrid, U.C.M., Espanha. 1989 Livre-docência. Universidade de São Paulo, USP, Brasil. 1976 - 1981 Doutorado em Psicologia (Psicologia Social). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, Brasil. 1971 - 1974 Mestrado em Psicologia (Psicologia Social). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, Brasil. Experiência profissional 1996 – Coordenadora do LAPIC - Laboratório de Pesquisa sobre Infância, Imaginario e Comunicacao – ECA/USP 1996 – Coordenadora do LAPIC - Laboratório de Pesquisa sobre Infância, Imaginario e Comunicacao – ECA/USP 1996 – Membro do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq. 1996 - Consultora  ad doc  em Ciências da Comunicação, MEC. 1970 – Professora Associada e Livre-Docente –  ECA/USP. 1970 – Consultora em Ciências da comunicação, ECA/USP. Experiência   profissional Minha experiência teve início com a  graduação em Fonoaudiologia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1982) , graduação em Pedagogia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1968) , especialização em Educação de Excepcionais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1961) , especialização em Fonoaudiologia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1962) , mestrado em Psicologia (Psicologia Social) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1974) , doutorado em Psicologia (Psicologia Social) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1981) e pos-doutorado pela Universidad Complutense de Madrid (1992) . È Professora Associada e Livre Docente da Universidade de São Paulo, Consultora do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico e Consultora do Ministério da Educação. Tem experiência na área de Comunicação , com ênfase em Teoria da Comunicação. Atuando principalmente nos seguintes temas: ECA - Escola de Comunicações e Artes da USP, Jovens e ensino superior, Escola e trabalho.
Habilidade em coordenar  equipe. Habilidade em  reconhecer e resolver problemas. Habilidade para raciocínio lógico. Habilidade para trabalhar com crianças e jovens. Rapidez de raciocínio, espírito de desafio e trabalho em equipe. Minha trajetória iniciou com a  graduação em Fonoaudiologia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1982) , graduação em Pedagogia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1968) , especialização em Educação de Excepcionais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1961) , especialização em Fonoaudiologia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1962) , mestrado em Psicologia (Psicologia Social) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1974) , doutorado em Psicologia (Psicologia Social) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1981) e pos-doutorado pela Universidad Complutense de Madrid (1992) . È Professora Associada e Livre Docente da Universidade de São Paulo, Consultora do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico e Consultora do Ministério da Educação. Tem experiência na área de Comunicação , com ênfase em Teoria da Comunicação. Atuando principalmente nos seguintes temas: ECA - Escola de Comunicações e Artes da USP, Jovens e ensino superior, Escola e Trabalho. 1996 – Coordenadora do LAPIC - Laboratório de Pesquisa sobre Infância, Imaginario e Comunicacao – ECA/USP 1996 – Coordenadora do LAPIC - Laboratório de Pesquisa sobre Infância, Imaginario e Comunicacao – ECA/USP 1996 – Membro do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq. 1996 - Consultora  ad doc  em Ciências da Comunicação, MEC. 1970 – Professora Associada e Livre-Docente –  ECA/USP. 1970 – Consultora em Ciências da comunicação, ECA/USP 1991 - 1992 Pós-Doutorado. Universidad Complutense de Madrid, U.C.M., Espanha. 1989 Livre-docência. Universidade de São Paulo, USP, Brasil. 1976 - 1981 Doutorado em Psicologia (Psicologia Social). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, Brasil. 1971 - 1974 Mestrado em Psicologia (Psicologia Social). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, Brasil. ELZA DIAS PACHECO Rua Prof. Lúcio Martins Rodrigues, 443 ECA/USP – Brasil Site:  www.eca.usp.br/nucleos/ lapic /  Formação Habilidades Experiência profissional Experiência pessoal
FIM Contraste resumo
Referência resumo Livro e artigo   MACHADO, Eliany & LOURENÇO, Silene.  Comunicação e Protagonismo Juvenil . In: MÍDIAS NA EDUCAÇÃO,  NCE-USP/ UFPE/ MEC. 2007.  WILLIAMS, Robin.  Design para quem não é designer . Noções Básicas de Planejamento Visual. 3ª ed, São Paulo : Callis. 2009.   Sites   Portal Secretaria Municipal de Educação da Cidade São Paulo http://portalsme.prefeitura.sp.gov.br/default .aspx Rede Nas Ondas do Rádio http://nasondasdoradio.ning.com/   Biblioteca digital – Domínio Público http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/PesquisaObraForm.jsp
Créditos resumo Realização  Secretaria Municipal de Educação da Cidade São Paulo Programa Nas Ondas do Rádio – DOT/SME Coordenação do Programa Nas Ondas do Rádio Carlos Alberto Mendes de Lima Equipe de Assessores/as Carlos Eduardo Fernandez Eveline Araujo Izabel Leão Marciel Consani Mauro Cordeiro Michel Sitnik Patricia Horta Salete Soares Edição  Kassandra de Brito Marciel Consani Patricia Horta Ilustração  Susana Narimatsu

Recomendados

O uso do YouTube e blogs como ferramentas complementares ao livro didático
O uso do YouTube e blogs como ferramentas complementares ao livro didáticoO uso do YouTube e blogs como ferramentas complementares ao livro didático
O uso do YouTube e blogs como ferramentas complementares ao livro didáticoRaquel Rodrigues
 
Projeto Santa Luisa de Marillac
Projeto Santa Luisa de MarillacProjeto Santa Luisa de Marillac
Projeto Santa Luisa de Marillackatiacristinasousa
 
NOVOS ESPAÇOS DE COMUNICAÇÃO E APRENDIZAGEM PARA O PROFESSOR DE INGLÊS NA ERA...
NOVOS ESPAÇOS DE COMUNICAÇÃO E APRENDIZAGEM PARA O PROFESSOR DE INGLÊS NA ERA...NOVOS ESPAÇOS DE COMUNICAÇÃO E APRENDIZAGEM PARA O PROFESSOR DE INGLÊS NA ERA...
NOVOS ESPAÇOS DE COMUNICAÇÃO E APRENDIZAGEM PARA O PROFESSOR DE INGLÊS NA ERA...Joyce Fettermann
 
O uso das TIC's na Educação - Proinfo
O uso das TIC's na Educação - ProinfoO uso das TIC's na Educação - Proinfo
O uso das TIC's na Educação - ProinfoLívia Miranda
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação hipertexto 2015
Apresentação hipertexto 2015Apresentação hipertexto 2015
Apresentação hipertexto 2015Sebastiao Vieira
 
TR35_G02_Ana Flávia Camboim
TR35_G02_Ana Flávia CamboimTR35_G02_Ana Flávia Camboim
TR35_G02_Ana Flávia CamboimAna Flávia Luna
 
Experiência de escrita colaborativa e autoria discente na web
Experiência de escrita colaborativa  e autoria discente na webExperiência de escrita colaborativa  e autoria discente na web
Experiência de escrita colaborativa e autoria discente na webSinara Duarte
 
A LINGUAGEM ESCRITA EM TEMPOS E ESPAÇOS VIRTUAIS
A LINGUAGEM ESCRITA   EM TEMPOS  E  ESPAÇOS  VIRTUAISA LINGUAGEM ESCRITA   EM TEMPOS  E  ESPAÇOS  VIRTUAIS
A LINGUAGEM ESCRITA EM TEMPOS E ESPAÇOS VIRTUAISVanessa Nogueira
 
Tv video como_incentivo_aprend_banner_jucelino
Tv video como_incentivo_aprend_banner_jucelinoTv video como_incentivo_aprend_banner_jucelino
Tv video como_incentivo_aprend_banner_jucelinoMrjdgabrielcacoal
 
A influência da linguagem virtual em redações escolares de alunos do ensino f...
A influência da linguagem virtual em redações escolares de alunos do ensino f...A influência da linguagem virtual em redações escolares de alunos do ensino f...
A influência da linguagem virtual em redações escolares de alunos do ensino f...Letícia J. Storto
 
Slides de leitura em blog verinha 1
Slides de leitura em blog   verinha 1Slides de leitura em blog   verinha 1
Slides de leitura em blog verinha 1Nelson Viana
 

Mais procurados (12)

A linguagem virtual
A linguagem virtualA linguagem virtual
A linguagem virtual
 
Atv ead 220510-2
Atv ead 220510-2Atv ead 220510-2
Atv ead 220510-2
 
Guia ilustrado video criar
Guia ilustrado video criarGuia ilustrado video criar
Guia ilustrado video criar
 
Professor, posso usar o facebook em sala de aula
Professor, posso usar o facebook em sala de aulaProfessor, posso usar o facebook em sala de aula
Professor, posso usar o facebook em sala de aula
 
Apresentação hipertexto 2015
Apresentação hipertexto 2015Apresentação hipertexto 2015
Apresentação hipertexto 2015
 
TR35_G02_Ana Flávia Camboim
TR35_G02_Ana Flávia CamboimTR35_G02_Ana Flávia Camboim
TR35_G02_Ana Flávia Camboim
 
Experiência de escrita colaborativa e autoria discente na web
Experiência de escrita colaborativa  e autoria discente na webExperiência de escrita colaborativa  e autoria discente na web
Experiência de escrita colaborativa e autoria discente na web
 
Trabalho grupo roxo (act 3)
Trabalho grupo roxo (act 3)Trabalho grupo roxo (act 3)
Trabalho grupo roxo (act 3)
 
A LINGUAGEM ESCRITA EM TEMPOS E ESPAÇOS VIRTUAIS
A LINGUAGEM ESCRITA   EM TEMPOS  E  ESPAÇOS  VIRTUAISA LINGUAGEM ESCRITA   EM TEMPOS  E  ESPAÇOS  VIRTUAIS
A LINGUAGEM ESCRITA EM TEMPOS E ESPAÇOS VIRTUAIS
 
Tv video como_incentivo_aprend_banner_jucelino
Tv video como_incentivo_aprend_banner_jucelinoTv video como_incentivo_aprend_banner_jucelino
Tv video como_incentivo_aprend_banner_jucelino
 
A influência da linguagem virtual em redações escolares de alunos do ensino f...
A influência da linguagem virtual em redações escolares de alunos do ensino f...A influência da linguagem virtual em redações escolares de alunos do ensino f...
A influência da linguagem virtual em redações escolares de alunos do ensino f...
 
Slides de leitura em blog verinha 1
Slides de leitura em blog   verinha 1Slides de leitura em blog   verinha 1
Slides de leitura em blog verinha 1
 

Destaque

Conceitos Ecodesign
Conceitos EcodesignConceitos Ecodesign
Conceitos Ecodesignmartha
 
Ergonomia e Usabilidade AULA 4: Erro
Ergonomia e Usabilidade AULA 4: ErroErgonomia e Usabilidade AULA 4: Erro
Ergonomia e Usabilidade AULA 4: ErroDra. Camila Hamdan
 
Principios Design
Principios DesignPrincipios Design
Principios Designrenatamruiz
 
Miguel Dantas - Goodyear - painel 2
Miguel Dantas - Goodyear - painel 2Miguel Dantas - Goodyear - painel 2
Miguel Dantas - Goodyear - painel 2Unomarketing
 
Princípios de Design de Interação
Princípios de Design de InteraçãoPrincípios de Design de Interação
Princípios de Design de InteraçãoUTFPR
 
3PR - Alinhamento e Integração Principios, Processos e Pessoas
3PR - Alinhamento e Integração Principios, Processos e Pessoas3PR - Alinhamento e Integração Principios, Processos e Pessoas
3PR - Alinhamento e Integração Principios, Processos e Pessoas3PR Desenvolvimento em Gestão
 
Modelos mentais animados revisado
Modelos mentais animados revisadoModelos mentais animados revisado
Modelos mentais animados revisadopaulafdc
 
Strategy Execution Summit 2013 - Programa
Strategy Execution Summit 2013 - ProgramaStrategy Execution Summit 2013 - Programa
Strategy Execution Summit 2013 - Programa24x7 COMUNICAÇÃO
 
Inovação - Tendências 2015
Inovação - Tendências 2015Inovação - Tendências 2015
Inovação - Tendências 2015Andre Coutinho
 
Transversalidade dos programas e a nova governança na gestão publica
Transversalidade dos programas e a nova governança na gestão publicaTransversalidade dos programas e a nova governança na gestão publica
Transversalidade dos programas e a nova governança na gestão publicaSymnetics Business Transformation
 
Metodologias de Design de Interação
Metodologias de Design de InteraçãoMetodologias de Design de Interação
Metodologias de Design de InteraçãoUTFPR
 
Princípios de design
Princípios de designPrincípios de design
Princípios de designTersis Zonato
 
Aula 01 sistemas de composição e processos de impressão
Aula 01   sistemas de composição e processos de impressãoAula 01   sistemas de composição e processos de impressão
Aula 01 sistemas de composição e processos de impressãoElizeu Nascimento Silva
 

Destaque (20)

Conceitos e princípios de design
Conceitos e princípios de designConceitos e princípios de design
Conceitos e princípios de design
 
Gestão de Erros
Gestão de ErrosGestão de Erros
Gestão de Erros
 
Conceitos Ecodesign
Conceitos EcodesignConceitos Ecodesign
Conceitos Ecodesign
 
Ergonomia e Usabilidade AULA 4: Erro
Ergonomia e Usabilidade AULA 4: ErroErgonomia e Usabilidade AULA 4: Erro
Ergonomia e Usabilidade AULA 4: Erro
 
Principios Design
Principios DesignPrincipios Design
Principios Design
 
Miguel Dantas - Goodyear - painel 2
Miguel Dantas - Goodyear - painel 2Miguel Dantas - Goodyear - painel 2
Miguel Dantas - Goodyear - painel 2
 
Princípios de Design de Interação
Princípios de Design de InteraçãoPrincípios de Design de Interação
Princípios de Design de Interação
 
Hoshin Kanri
Hoshin KanriHoshin Kanri
Hoshin Kanri
 
3PR - Alinhamento e Integração Principios, Processos e Pessoas
3PR - Alinhamento e Integração Principios, Processos e Pessoas3PR - Alinhamento e Integração Principios, Processos e Pessoas
3PR - Alinhamento e Integração Principios, Processos e Pessoas
 
Modelos mentais animados revisado
Modelos mentais animados revisadoModelos mentais animados revisado
Modelos mentais animados revisado
 
Strategy Execution Summit 2013 - Programa
Strategy Execution Summit 2013 - ProgramaStrategy Execution Summit 2013 - Programa
Strategy Execution Summit 2013 - Programa
 
A crise da filosofia culturalista
A crise da filosofia culturalistaA crise da filosofia culturalista
A crise da filosofia culturalista
 
Inovação - Tendências 2015
Inovação - Tendências 2015Inovação - Tendências 2015
Inovação - Tendências 2015
 
Strategy Execution Summit 2013 Symnetics
Strategy Execution Summit 2013   SymneticsStrategy Execution Summit 2013   Symnetics
Strategy Execution Summit 2013 Symnetics
 
Transversalidade dos programas e a nova governança na gestão publica
Transversalidade dos programas e a nova governança na gestão publicaTransversalidade dos programas e a nova governança na gestão publica
Transversalidade dos programas e a nova governança na gestão publica
 
Metodologias de Design de Interação
Metodologias de Design de InteraçãoMetodologias de Design de Interação
Metodologias de Design de Interação
 
Transversalidade
Transversalidade Transversalidade
Transversalidade
 
Princípios de design
Princípios de designPrincípios de design
Princípios de design
 
TRANSVERSALIDADE E A RENOVAÇÃO NO ENSINO DE HISTÓRIA
TRANSVERSALIDADE E A RENOVAÇÃO NO ENSINO DE HISTÓRIATRANSVERSALIDADE E A RENOVAÇÃO NO ENSINO DE HISTÓRIA
TRANSVERSALIDADE E A RENOVAÇÃO NO ENSINO DE HISTÓRIA
 
Aula 01 sistemas de composição e processos de impressão
Aula 01   sistemas de composição e processos de impressãoAula 01   sistemas de composição e processos de impressão
Aula 01 sistemas de composição e processos de impressão
 

Semelhante a Principios Básicos do Designer

Projeto de ensino - Um pitch de sucesso
Projeto de ensino - Um pitch de sucessoProjeto de ensino - Um pitch de sucesso
Projeto de ensino - Um pitch de sucessoMarcos Felipe Silva
 
Web radio escola_mundo_de_alice
Web radio escola_mundo_de_aliceWeb radio escola_mundo_de_alice
Web radio escola_mundo_de_aliceJesica Hencke
 
Entrevista final 2
Entrevista final 2Entrevista final 2
Entrevista final 2Nuno Maria
 
Radio Escola - Implantaçao e uso pedagógico
Radio Escola - Implantaçao e uso pedagógicoRadio Escola - Implantaçao e uso pedagógico
Radio Escola - Implantaçao e uso pedagógicoDirce Cristiane Camilotti
 
Princípios do Design e Jornal Mural
Princípios do Design e Jornal MuralPrincípios do Design e Jornal Mural
Princípios do Design e Jornal MuralNas Ondas do Rádio
 
Processo da comunicação
Processo da comunicaçãoProcesso da comunicação
Processo da comunicaçãoVanyBarros1
 
Design didático construindo um caminhar desvelando parcerias
Design didático construindo um caminhar desvelando parceriasDesign didático construindo um caminhar desvelando parcerias
Design didático construindo um caminhar desvelando parceriasjuroanny
 
Educação e redes sociais Michely Cristina de Oliveira
Educação e redes sociais Michely Cristina de OliveiraEducação e redes sociais Michely Cristina de Oliveira
Educação e redes sociais Michely Cristina de OliveiraMichely Oliveira
 
O PAPEL DO PEDAGOGO NAS TIC's
O PAPEL DO PEDAGOGO NAS TIC'sO PAPEL DO PEDAGOGO NAS TIC's
O PAPEL DO PEDAGOGO NAS TIC'sSueli Dib
 
Blogs educomunicativos no apoio ao docente de Inglês
Blogs educomunicativos no apoio ao docente de InglêsBlogs educomunicativos no apoio ao docente de Inglês
Blogs educomunicativos no apoio ao docente de InglêsDivonilde Pereira
 
Educação e cibercultura
Educação e ciberculturaEducação e cibercultura
Educação e ciberculturaSelma1962
 
Projeto nas ondas da comunicação
Projeto nas ondas da comunicaçãoProjeto nas ondas da comunicação
Projeto nas ondas da comunicaçãoAlline Olivia Além
 
[2014 11] concepção de ambientes colaborativos de aprendizagem design de red...
[2014 11] concepção de ambientes colaborativos de aprendizagem  design de red...[2014 11] concepção de ambientes colaborativos de aprendizagem  design de red...
[2014 11] concepção de ambientes colaborativos de aprendizagem design de red...UFPE
 
Passo a passo para a Conferência de Meio Ambiente na Escola + Educomunicação
Passo a passo para a Conferência de Meio Ambiente na Escola + EducomunicaçãoPasso a passo para a Conferência de Meio Ambiente na Escola + Educomunicação
Passo a passo para a Conferência de Meio Ambiente na Escola + EducomunicaçãoINSTITUTO GENS
 
Ativ1 4-educação e tecnologia
Ativ1 4-educação e tecnologiaAtiv1 4-educação e tecnologia
Ativ1 4-educação e tecnologiaBiaContato
 
Asmdiasnaeducao 090520140932-phpapp01
Asmdiasnaeducao 090520140932-phpapp01Asmdiasnaeducao 090520140932-phpapp01
Asmdiasnaeducao 090520140932-phpapp01kmcoutinho
 

Semelhante a Principios Básicos do Designer (20)

Coisas Boas 2007
Coisas Boas 2007Coisas Boas 2007
Coisas Boas 2007
 
Projeto de ensino - Um pitch de sucesso
Projeto de ensino - Um pitch de sucessoProjeto de ensino - Um pitch de sucesso
Projeto de ensino - Um pitch de sucesso
 
Web radio escola_mundo_de_alice
Web radio escola_mundo_de_aliceWeb radio escola_mundo_de_alice
Web radio escola_mundo_de_alice
 
Entrevista final 2
Entrevista final 2Entrevista final 2
Entrevista final 2
 
Projeto radio escolar
Projeto radio escolar Projeto radio escolar
Projeto radio escolar
 
Radio Escola - Implantaçao e uso pedagógico
Radio Escola - Implantaçao e uso pedagógicoRadio Escola - Implantaçao e uso pedagógico
Radio Escola - Implantaçao e uso pedagógico
 
XXXVI Fórum da Conspiração Mineira pela Educação
XXXVI Fórum da Conspiração Mineira pela EducaçãoXXXVI Fórum da Conspiração Mineira pela Educação
XXXVI Fórum da Conspiração Mineira pela Educação
 
Princípios do Design e Jornal Mural
Princípios do Design e Jornal MuralPrincípios do Design e Jornal Mural
Princípios do Design e Jornal Mural
 
Processo da comunicação
Processo da comunicaçãoProcesso da comunicação
Processo da comunicação
 
Design didático construindo um caminhar desvelando parcerias
Design didático construindo um caminhar desvelando parceriasDesign didático construindo um caminhar desvelando parcerias
Design didático construindo um caminhar desvelando parcerias
 
Educação e redes sociais Michely Cristina de Oliveira
Educação e redes sociais Michely Cristina de OliveiraEducação e redes sociais Michely Cristina de Oliveira
Educação e redes sociais Michely Cristina de Oliveira
 
O PAPEL DO PEDAGOGO NAS TIC's
O PAPEL DO PEDAGOGO NAS TIC'sO PAPEL DO PEDAGOGO NAS TIC's
O PAPEL DO PEDAGOGO NAS TIC's
 
Olhares de São Paulo 2011
Olhares de São Paulo 2011Olhares de São Paulo 2011
Olhares de São Paulo 2011
 
Blogs educomunicativos no apoio ao docente de Inglês
Blogs educomunicativos no apoio ao docente de InglêsBlogs educomunicativos no apoio ao docente de Inglês
Blogs educomunicativos no apoio ao docente de Inglês
 
Educação e cibercultura
Educação e ciberculturaEducação e cibercultura
Educação e cibercultura
 
Projeto nas ondas da comunicação
Projeto nas ondas da comunicaçãoProjeto nas ondas da comunicação
Projeto nas ondas da comunicação
 
[2014 11] concepção de ambientes colaborativos de aprendizagem design de red...
[2014 11] concepção de ambientes colaborativos de aprendizagem  design de red...[2014 11] concepção de ambientes colaborativos de aprendizagem  design de red...
[2014 11] concepção de ambientes colaborativos de aprendizagem design de red...
 
Passo a passo para a Conferência de Meio Ambiente na Escola + Educomunicação
Passo a passo para a Conferência de Meio Ambiente na Escola + EducomunicaçãoPasso a passo para a Conferência de Meio Ambiente na Escola + Educomunicação
Passo a passo para a Conferência de Meio Ambiente na Escola + Educomunicação
 
Ativ1 4-educação e tecnologia
Ativ1 4-educação e tecnologiaAtiv1 4-educação e tecnologia
Ativ1 4-educação e tecnologia
 
Asmdiasnaeducao 090520140932-phpapp01
Asmdiasnaeducao 090520140932-phpapp01Asmdiasnaeducao 090520140932-phpapp01
Asmdiasnaeducao 090520140932-phpapp01
 

Mais de Programa Nas Ondas do Rádio

C:\Documents And Settings\D724836\Meus Documentos\Bienal Radio Tem Gato Na Tuba
C:\Documents And Settings\D724836\Meus Documentos\Bienal Radio Tem Gato Na TubaC:\Documents And Settings\D724836\Meus Documentos\Bienal Radio Tem Gato Na Tuba
C:\Documents And Settings\D724836\Meus Documentos\Bienal Radio Tem Gato Na TubaPrograma Nas Ondas do Rádio
 
C O M O P R E P A R A R O C O M P U T A D O R P A R A U S A R O M I C ...
C O M O  P R E P A R A R  O  C O M P U T A D O R  P A R A  U S A R  O  M I C ...C O M O  P R E P A R A R  O  C O M P U T A D O R  P A R A  U S A R  O  M I C ...
C O M O P R E P A R A R O C O M P U T A D O R P A R A U S A R O M I C ...Programa Nas Ondas do Rádio
 
Curso Nas Ondas do Radio - Rádio - Encontro 3 Part 1
Curso Nas Ondas do Radio - Rádio - Encontro 3 Part 1Curso Nas Ondas do Radio - Rádio - Encontro 3 Part 1
Curso Nas Ondas do Radio - Rádio - Encontro 3 Part 1Programa Nas Ondas do Rádio
 
Oficina de Edição Digital - Audacity - Módulo 1
Oficina de Edição Digital - Audacity - Módulo 1Oficina de Edição Digital - Audacity - Módulo 1
Oficina de Edição Digital - Audacity - Módulo 1Programa Nas Ondas do Rádio
 
COMO TRANFERIR AUDIO DE GRAVADOR PARA O COMPUTADOR
COMO TRANFERIR AUDIO DE GRAVADOR PARA O COMPUTADORCOMO TRANFERIR AUDIO DE GRAVADOR PARA O COMPUTADOR
COMO TRANFERIR AUDIO DE GRAVADOR PARA O COMPUTADORPrograma Nas Ondas do Rádio
 

Mais de Programa Nas Ondas do Rádio (14)

Tutorial Movie Maker Live
Tutorial Movie Maker LiveTutorial Movie Maker Live
Tutorial Movie Maker Live
 
Apresentação workshop twitter
Apresentação workshop twitterApresentação workshop twitter
Apresentação workshop twitter
 
Tutorial basico audacity_1_2_6
Tutorial basico audacity_1_2_6Tutorial basico audacity_1_2_6
Tutorial basico audacity_1_2_6
 
C:\Documents And Settings\D724836\Meus Documentos\Bienal Radio Tem Gato Na Tuba
C:\Documents And Settings\D724836\Meus Documentos\Bienal Radio Tem Gato Na TubaC:\Documents And Settings\D724836\Meus Documentos\Bienal Radio Tem Gato Na Tuba
C:\Documents And Settings\D724836\Meus Documentos\Bienal Radio Tem Gato Na Tuba
 
Projeto como desenvolver
Projeto como desenvolverProjeto como desenvolver
Projeto como desenvolver
 
Como desenvolver projetos
Como desenvolver projetosComo desenvolver projetos
Como desenvolver projetos
 
C O M O P R E P A R A R O C O M P U T A D O R P A R A U S A R O M I C ...
C O M O  P R E P A R A R  O  C O M P U T A D O R  P A R A  U S A R  O  M I C ...C O M O  P R E P A R A R  O  C O M P U T A D O R  P A R A  U S A R  O  M I C ...
C O M O P R E P A R A R O C O M P U T A D O R P A R A U S A R O M I C ...
 
Como Preparar O Computador Para Usar O Microfone
Como Preparar O Computador Para Usar O MicrofoneComo Preparar O Computador Para Usar O Microfone
Como Preparar O Computador Para Usar O Microfone
 
Curso Nas Ondas do Radio - Rádio - Encontro 3 Part 1
Curso Nas Ondas do Radio - Rádio - Encontro 3 Part 1Curso Nas Ondas do Radio - Rádio - Encontro 3 Part 1
Curso Nas Ondas do Radio - Rádio - Encontro 3 Part 1
 
Apresentação Jornal Mural
Apresentação  Jornal MuralApresentação  Jornal Mural
Apresentação Jornal Mural
 
Oficina De EdiçãO Digital Audacity MóDulo 2
Oficina De EdiçãO Digital Audacity   MóDulo 2Oficina De EdiçãO Digital Audacity   MóDulo 2
Oficina De EdiçãO Digital Audacity MóDulo 2
 
Como criar site na plataforma Multiply
Como criar site na plataforma MultiplyComo criar site na plataforma Multiply
Como criar site na plataforma Multiply
 
Oficina de Edição Digital - Audacity - Módulo 1
Oficina de Edição Digital - Audacity - Módulo 1Oficina de Edição Digital - Audacity - Módulo 1
Oficina de Edição Digital - Audacity - Módulo 1
 
COMO TRANFERIR AUDIO DE GRAVADOR PARA O COMPUTADOR
COMO TRANFERIR AUDIO DE GRAVADOR PARA O COMPUTADORCOMO TRANFERIR AUDIO DE GRAVADOR PARA O COMPUTADOR
COMO TRANFERIR AUDIO DE GRAVADOR PARA O COMPUTADOR
 

Último

Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...excellenceeducaciona
 
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...azulassessoriaacadem3
 
Elabore um texto dissertativo e comente por meio de uma análise crítica sobre...
Elabore um texto dissertativo e comente por meio de uma análise crítica sobre...Elabore um texto dissertativo e comente por meio de uma análise crítica sobre...
Elabore um texto dissertativo e comente por meio de uma análise crítica sobre...Prime Assessoria
 
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.Prime Assessoria
 
08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da MulherMary Alvarenga
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...apoioacademicoead
 
2. De que forma a realidade retratada no curta metragem se relaciona com a at...
2. De que forma a realidade retratada no curta metragem se relaciona com a at...2. De que forma a realidade retratada no curta metragem se relaciona com a at...
2. De que forma a realidade retratada no curta metragem se relaciona com a at...azulassessoriaacadem3
 
Agora observe a imagem a seguir, onde foi realizada uma lâmina histológica co...
Agora observe a imagem a seguir, onde foi realizada uma lâmina histológica co...Agora observe a imagem a seguir, onde foi realizada uma lâmina histológica co...
Agora observe a imagem a seguir, onde foi realizada uma lâmina histológica co...Prime Assessoria
 
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...Prime Assessoria
 
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIACONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIAHenrique Pontes
 
1. Qual é a principal política pública que está sendo negada às Marias no víd...
1. Qual é a principal política pública que está sendo negada às Marias no víd...1. Qual é a principal política pública que está sendo negada às Marias no víd...
1. Qual é a principal política pública que está sendo negada às Marias no víd...azulassessoriaacadem3
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...excellenceeducaciona
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...excellenceeducaciona
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...azulassessoriaacadem3
 
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...apoioacademicoead
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...excellenceeducaciona
 
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...apoioacademicoead
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...excellenceeducaciona
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...azulassessoriaacadem3
 

Último (20)

Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
 
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
 
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO _
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO         _SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO         _
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO _
 
Elabore um texto dissertativo e comente por meio de uma análise crítica sobre...
Elabore um texto dissertativo e comente por meio de uma análise crítica sobre...Elabore um texto dissertativo e comente por meio de uma análise crítica sobre...
Elabore um texto dissertativo e comente por meio de uma análise crítica sobre...
 
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
 
08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
2. De que forma a realidade retratada no curta metragem se relaciona com a at...
2. De que forma a realidade retratada no curta metragem se relaciona com a at...2. De que forma a realidade retratada no curta metragem se relaciona com a at...
2. De que forma a realidade retratada no curta metragem se relaciona com a at...
 
Agora observe a imagem a seguir, onde foi realizada uma lâmina histológica co...
Agora observe a imagem a seguir, onde foi realizada uma lâmina histológica co...Agora observe a imagem a seguir, onde foi realizada uma lâmina histológica co...
Agora observe a imagem a seguir, onde foi realizada uma lâmina histológica co...
 
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
 
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIACONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
 
1. Qual é a principal política pública que está sendo negada às Marias no víd...
1. Qual é a principal política pública que está sendo negada às Marias no víd...1. Qual é a principal política pública que está sendo negada às Marias no víd...
1. Qual é a principal política pública que está sendo negada às Marias no víd...
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
 
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
 

Principios Básicos do Designer

  • 1. Princípios de Design
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 6. Educomunicador/a EDSON ARANTES Programa Nas Ondas do Rádio http://nasondasdoradio.ning.com/ SME/SP
  • 7. Educomunicador/a EDSON ARANTES Programa Nas Ondas do Rádio http://nasondasdoradio.ning.com/ São Paulo, SP
  • 8. Educomunicador/a EDSON ARANTES Programa Nas Ondas do Rádio http://nasondasdoradio.ning.com/ SME/SP
  • 10. Programa Nas Ondas do Rádio O que você entende por ... PROTAGONISMO JUVENIL? Março - 2010 SME/SP
  • 11. Programa Nas Ondas do Rádio O que você entende por... PROTAGONISMO JUVENIL? Março 2010 SME/SP
  • 12. Exemplo 3 Anúncio, folheto e outros
  • 13. Cabo coaxial Fibra óptica Par trançado Ar Ethernet FastEthernet 10-Base-T 100-Base-T LAN WAN Toking-Ring Estrela Pear-to-pear TCP-IP
  • 14. Tipos de Redes LAN WAN Arquitetura de Rede Toking-Ring Estrela Pear-to-pear Protocolo de Rede TCP-IP Meio Físico Cabo coaxial Fibra óptica Par trançado Ar Padrão de Rede Ethernet FastEternet 10-Base-T 100-Base-T
  • 16. 1º. Encontro: Educomunicação (4h) Objetivo: promover o protagonismo infanto-juvenil por meio da TICs. Linguagem impressa e digital. 2º. Encontro: Mediação de Comunicação (4h) Objetivo: ampliar redes sociais de aprendizagens. Linguagem Digital. 3º. Encontro: Leitura Crítica da Comunicação (4h) Objetivo: promover a cultura da paz. Linguagem Audiovisual. 4º. Encontro: Gestão do Conhecimento (4h) Objetivo: ampliar a base de conhecimento, visando o aumento da efetividade das ações promovidas no ambiente escolar. Linguagem Audiovisual. 5º. Encontro: Gestão do Conhecimento (4h) Objetivo: ampliar a base de conhecimento, visando o aumento da efetividade das ações promovidas no ambiente escolar. Linguagem Audiovisual. 6º. Encontro: Gestão de Processos Comunicacionais (4h) Objetivo: possibilitar o desenvolvimento da expressão comunicativa na consolidação do ecossistema educomunicativo. Linguagem Audiovisual. Informações e Reservas: http://nasondasdoradio.ning.com/ Curso Aprender e Comunicar Programa Nas Ondas do Rádio – SME/SP
  • 17. Curso Aprender e Comunicar Programa Nas Ondas do Rádio – SME/SP 1º. Encontro: Educomunicação (4h) Objetivo: promover o protagonismo infanto-juvenil por meio da TICs. Linguagem impressa e digital. 2º. Encontro: Mediação de Comunicação (4h) Objetivo: ampliar redes sociais de aprendizagens. Linguagem Digital. 3º. Encontro: Leitura Crítica da Comunicação (4h) Objetivo: promover a cultura da paz. Linguagem Audiovisual. 4º. Encontro: Gestão do Conhecimento (4h) Objetivo: ampliar a base de conhecimento, visando o aumento da efetividade das ações promovidas no ambiente escolar. Linguagem Audiovisual. 5º. Encontro: Gestão do Conhecimento (4h) Objetivo: ampliar a base de conhecimento, visando o aumento da efetividade das ações promovidas no ambiente escolar. Linguagem Audiovisual. 6º. Encontro: Gestão de Processos Comunicacionais (4h) Objetivo: possibilitar o desenvolvimento da expressão comunicativa na consolidação do ecossistema educomunicativo. Linguagem Audiovisual. Informações e Reservas: http://nasondasdoradio.ning.com/
  • 19.
  • 21. Educomunicador EDSON ARANTES Programa Nas Ondas do Rádio http://nasondasdoradio.ning.com/ São Paulo, SP
  • 22. Educomunicador EDSON ARANTES SME/SP http://nasondasdoradio.ning.com/ Programa Nas Ondas do Rádio
  • 23. Educomunicador EDSON ARANTES SME/SP http://nasondasdoradio.ning.com/ Programa Nas Ondas do Rádio
  • 24. Capas de trabalho Exemplo 2
  • 25. Trabalho de Conclusão Esporte e Protagonismo Juvenil por NISE DA SILVEIRA 08 de março de 2010
  • 26. Trabalho de Conclusão Esporte e Protagonismo Juvenil por NISE DA SILVEIRA 08 de março de 2010
  • 27. Trabalho de Conclusão Esporte e Protagonismo Juvenil por NISE DA SILVEIRA 08 de março de 2010
  • 29. Protagonismo Juvenil Rede Nas Ondas Do Rádio http://nasondasdoradio.ning.com / A comunicação mediada por recursos tecnológicos pode estar a serviço da educação, promovendo diálogos que gerem uma nova relação entre a escola e a sociedade. O projeto educomunicativo incentiva o protagonismo do jovem.   _______________________________________________________________________________________________ Fonte: Acervo NCE/USP
  • 30. Protagonismo Juvenil Rede Nas Ondas do Rádio http://nasondasdoradio.ning.com/ A comunicação mediada por recursos tecnológicos pode estar a serviço da educação, promovendo diálogos que gerem uma nova relação entre a escola e a sociedade. O projeto educomunicativo incentiva o protagonismo do jovem.   _____________________________________________________________________________________________________________ Fonte: Acervo NCE/USP
  • 32.
  • 33. Repetição Ao olhar para um newsletter (jornal) de oito páginas, é justamente a repetição de alguns elementos – sua consistência – que faz com que cada uma dessas oito páginas pareça pertencer ao mesmo newsletter. (...) a repetição vai além da simples consitência: é um esforço consciente para unificar todos os elementos do design . WILLIAMS, Robin. Design para quem não é designer. São Paulo:Callis, 1995, p. 49
  • 35. Educomunicadora NISE DA SILVEIRA SME/SP http://nasondasdoradio.ning.com/ Programa Nas Ondas do Rádio
  • 36. Educomunicadora NISE DA SILVEIRA SME/SP http://nasondasdoradio.ning.com/ Programa Nas Ondas do Rádio
  • 37. Educomunicadora NISE DA SILVEIRA SME/SP http://nasondasdoradio.ning.com/ Programa Nas Ondas do Rádio
  • 38. Textos de revistas, jornais, folhetos e documentos. Exemplo 2
  • 39. Comunicação e Protagonismo Juvenil A dificuldade de comunicação impede a socialização do conhecimento. O verbo comunicar deriva do latim – communicare – e significa fazer saber; tornar comum; participar; estabelecer ligação; unir; ligar. A falta de diálogo na escola é atribuída a uma série de fatores: falta de tempo ou mesmo de espaço físico para o encontro. Assim, o principal objetivo de um projeto educomunicativo centrado no rádio deve ser melhorar a relação entre os sujeitos que atuam na escola e desta com a comunidade – promovendo a troca, a união, a comunicação. A criação de uma rádio na escola deve, portanto, promover a participação crítica dos indivíduos, permitindo que todos os segmentos possam se expressar, discutindo e refletindo sobre seus problemas, suas idéias e inquietações, mediando diálogos que nem sempre são possíveis face a face. Poderemos, desse modo, construir uma rede comunicativa democrática onde as pessoas sejam respeitadas e reconhecidas pelas mais diversas potencialidades e competências. Rádio e Protagonismo Juvenil Se considerarmos as ações que marcam as fases de desenvolvimento da criança – andar, falar, ler e escrever – podemos ver o rádio como uma grande aliada, por exemplo, no processo de alfabetização. Através da emissora escolar, crianças e adolescentes terão a possibilidade de aprender a falar publicamente desde cedo, vencendo a timidez e elevando sua auto-estima. Com isso, terão mais facilidade e criticidade na leitura e na escrita, bem como mais responsabilidade sobre o que falam e escrevem. Desenvolver a expressão oral dos alunos significa, portanto, favorecer o protagonismo juvenil, apostando nas novas gerações e investindo em cidadania. Experiências Para ilustrar o que estamos falando, sugerimos uma visita ao site da Revista Viração (http://www.revistaviracao.com.br) que tem por objetivo promover a emancipação dos jovens de forma criativa e responsável, estimulando a versão da linguagem oral em linguagem escrita e incentivando a liberdade de expressão. Concluindo Ter como objetivo fomentar o protagonismo entre os jovens exige que repensemos nossos próprios valores e, principalmente, nossa postura frente aos mesmos. Só assim conseguiremos criar – e é bem esta a palavra – criar – processos e procedimentos que redimensionem as relações entre a escola e a sociedade.
  • 40. Comunicação e Protagonismo Juvenil A dificuldade de comunicação impede a socialização do conhecimento. O verbo comunicar deriva do latim – communicare – e significa fazer saber; tornar comum; participar; estabelecer ligação; unir; ligar. A falta de diálogo na escola é atribuída a uma série de fatores: falta de tempo ou mesmo de espaço físico para o encontro. Assim, o principal objetivo de um projeto educomunicativo centrado no rádio deve ser melhorar a relação entre os sujeitos que atuam na escola e desta com a comunidade – promovendo a troca, a união, a comunicação. A criação de uma rádio na escola deve, portanto, promover a participação crítica dos indivíduos, permitindo que todos os segmentos possam se expressar, discutindo e refletindo sobre seus problemas, suas idéias e inquietações, mediando diálogos que nem sempre são possíveis face a face. Poderemos, desse modo, construir uma rede comunicativa democrática onde as pessoas sejam respeitadas e reconhecidas pelas mais diversas potencialidades e competências. Rádio e Protagonismo Juvenil Se considerarmos as ações que marcam as fases de desenvolvimento da criança – andar, falar, ler e escrever – podemos ver o rádio como uma grande aliada, por exemplo, no processo de alfabetização. Através da emissora escolar, crianças e adolescentes terão a possibilidade de aprender a falar publicamente desde cedo, vencendo a timidez e elevando sua auto-estima. Com isso, terão mais facilidade e criticidade na leitura e na escrita, bem como mais responsabilidade sobre o que falam e escrevem. Desenvolver a expressão oral dos alunos significa, portanto, favorecer o protagonismo juvenil, apostando nas novas gerações e investindo em cidadania. Experiências Para ilustrar o que estamos falando, sugerimos uma visita ao site da Revista Viração (http://www.revistaviracao.com.br) que tem por objetivo promover a emancipação dos jovens de forma criativa e responsável, estimulando a versão da linguagem oral em linguagem escrita e incentivando a liberdade de expressão. Concluindo Ter como objetivo fomentar o protagonismo entre os jovens exige que repensemos nossos próprios valores e, principalmente, nossa postura frente aos mesmos. Só assim conseguiremos criar – e é bem esta a palavra – criar – processos e procedimentos que redimensionem as relações entre a escola e a sociedade.
  • 42. Contraste O contraste é uma maneira mais eficaz de acrescentar algum atrativo visual a uma página (algo que realmente faça o leitor olhar para ela) criando uma hierarquia organizacional entre diferentes elementos . WILLIAMS, Robin. Design para quem não é designer. São Paulo:Callis, 2009, p. 63
  • 43. Contraste Cria-se o contraste quando dois elementos são diferentes. Se eles diferirem um pouco mas não muito, não acontecerá o contraste e sim um conflito . Este é o segrado: segundo o princípio do contraste, se dois itens não forem exatamente os mesmos, diferencie-os completamente . WILLIAMS, Robin. Design para quem não é designer. São Paulo:Callis, 1995, p. 53
  • 44.
  • 45.
  • 47. Faça seu Currículo S e u C u r r i c u l u m V i t a e A n o 2 010 A apresentação Prefira uma apresentação discreta. Evite o uso de fontes chamativas. Não utilize efeitos especiais  nem muitas cores ou imagens. Prefira as fontes como Arial, Times  NewRoman ou Garamond. São fontes de fácil leitura e de bom gosto comprovado. Para os títulos do seu currículo use uma fonte alguns pontos maior que o corpo de texto. Trabalhe com os estilos do Word e formate corretamente o documento, pois é comum a apresentação do currículo em formato digital. As partes O currículo começa com o título geral: Curriculum Vitae (do latim) ou Currículo (em portuguës).  Não se usa: Currículo Vitae , ou Curriculum . Para começar o seu currículo é importante que você faça um levantamento de todos seus dados pessoais, profissionais, educacionais e extra-profissionais, para organizá-los de maneira lógica e objetiva. O seu currículo deve conter: Identificação A sua idenficação básica deve estar no início do currículo. Dados pessoais mais completos e secundários  podem ser colocados ao final. Lá você pode detalhar números de documentos, registro em órgãos profissionais, filiação, etc.. A identificação básica deve conter nome completo, endereço residencial, cidade, estado, CEP, número de telefone residencial com DDD, e-mail, idade, nacionalidade, naturalidade, estado civil e número de filhos. Se possível, deixe um telefone adicional para recados. Objetivo Mencione o cargo ou ocupação pretendida. Você pode mencionar mais de uma opção. Qualificação Esta parte aparece primeiro, mas deve ser elaborada por último.Funciona como um resumo do que você é capaz como profissional. Crie as demais partes do seu curriculum para depois resumir suas qualificações. Relacione seus pontos fortes que condizem com seu objetivo. Faça a descrição desses pontos em formas de ítens, com frases curtas e objetivas. Experiência profissional Apresente nesta parte as informações de sua experiência profissional, como empregos, atividades autônomas, empresariais, etc.. Informe com clareza suas experiências nas empresas onde trabalhou. Especifique em cada cargo ocupado suas atividades de destaque, procurando refletir a sua capacidade de desempenhar a função pretendida. Comece da experiência mais recente para a mais antiga. Mencione os períodos em que trabalhou, citando mês e ano de entrada e saída.
  • 48. Faça seu Currículo A apresentação Prefira uma apresentação discreta. Evite o uso de fontes chamativas. Não utilize efeitos especiais  nem muitas cores ou imagens. Prefira as fontes como Arial, Times  NewRoman ou Garamond. São fontes de fácil leitura e de bom gosto comprovado. Para os títulos do seu currículo use uma fonte alguns pontos maior que o corpo de texto. Trabalhe com os estilos do Word e formate corretamente o documento, pois é comum a apresentação do currículo em formato digital. As partes O currículo começa com o título geral: Curriculum Vitae (do latim) ou Currículo (em portuguës).  Não se usa: Currículo Vitae , ou Curriculum . Para começar o seu currículo é importante que você faça um levantamento de todos seus dados pessoais, profissionais, educacionais e extra-profissionais, para organizá-los de maneira lógica e objetiva. O seu currículo deve conter: Identificação A sua idenficação básica deve estar no início do currículo. Dados pessoais mais completos e secundários  podem ser colocados ao final. Lá você pode detalhar números de documentos, registro em órgãos profissionais, filiação, etc.. A identificação básica deve conter nome completo, endereço residencial, cidade, estado, CEP, número de telefone residencial com DDD, e-mail, idade, nacionalidade, naturalidade, estado civil e número de filhos. Se possível, deixe um telefone adicional para recados. Objetivo Mencione o cargo ou ocupação pretendida. Você pode mencionar mais de uma opção. Qualificação Esta parte aparece primeiro, mas deve ser elaborada por último.Funciona como um resumo do que você é capaz como profissional. Crie as demais partes do seu curriculum para depois resumir suas qualificações. Relacione seus pontos fortes que condizem com seu objetivo. Faça a descrição desses pontos em formas de ítens, com frases curtas e objetivas. Experiência profissional Apresente nesta parte as informações de sua experiência profissional, como empregos, atividades autônomas, empresariais, etc.. Informe com clareza suas experiências nas empresas onde trabalhou. Especifique em cada cargo ocupado suas atividades de destaque, procurando refletir a sua capacidade de desempenhar a função pretendida. Comece da experiência mais recente para a mais antiga. Mencione os períodos em que trabalhou, citando mês e ano de entrada e saída. S e u C u r r i c u l u m V i t a e A n o 2 010
  • 50. ELZA DIAS PACHECO Rua Prof. Lúcio Martins Rodrigues, 443 ECA/USP – Brasil Fone: 0 xx 11- 30914081 Site: www.eca.usp.br/nucleos/ lapic / Habilidades Habilidade em coordenar equipe; Habilidade em reconhecer e resolver problemas; Habilidade para raciocínio lógico; Habilidade para trabalhar com crianças e jovens; Rapidez de raciocínio, espírito de desafio e trabalho em equipe; Formação 1991 - 1992 Pós-Doutorado. Universidad Complutense de Madrid, U.C.M., Espanha. 1989 Livre-docência. Universidade de São Paulo, USP, Brasil. 1976 - 1981 Doutorado em Psicologia (Psicologia Social). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, Brasil. 1971 - 1974 Mestrado em Psicologia (Psicologia Social). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, Brasil. Experiência profissional 1996 – Coordenadora do LAPIC - Laboratório de Pesquisa sobre Infância, Imaginario e Comunicacao – ECA/USP 1996 – Coordenadora do LAPIC - Laboratório de Pesquisa sobre Infância, Imaginario e Comunicacao – ECA/USP 1996 – Membro do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq. 1996 - Consultora ad doc em Ciências da Comunicação, MEC. 1970 – Professora Associada e Livre-Docente – ECA/USP. 1970 – Consultora em Ciências da comunicação, ECA/USP. Experiência profissional Minha experiência teve início com a graduação em Fonoaudiologia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1982) , graduação em Pedagogia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1968) , especialização em Educação de Excepcionais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1961) , especialização em Fonoaudiologia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1962) , mestrado em Psicologia (Psicologia Social) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1974) , doutorado em Psicologia (Psicologia Social) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1981) e pos-doutorado pela Universidad Complutense de Madrid (1992) . È Professora Associada e Livre Docente da Universidade de São Paulo, Consultora do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico e Consultora do Ministério da Educação. Tem experiência na área de Comunicação , com ênfase em Teoria da Comunicação. Atuando principalmente nos seguintes temas: ECA - Escola de Comunicações e Artes da USP, Jovens e ensino superior, Escola e trabalho.
  • 51. Habilidade em coordenar equipe. Habilidade em reconhecer e resolver problemas. Habilidade para raciocínio lógico. Habilidade para trabalhar com crianças e jovens. Rapidez de raciocínio, espírito de desafio e trabalho em equipe. Minha trajetória iniciou com a graduação em Fonoaudiologia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1982) , graduação em Pedagogia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1968) , especialização em Educação de Excepcionais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1961) , especialização em Fonoaudiologia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1962) , mestrado em Psicologia (Psicologia Social) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1974) , doutorado em Psicologia (Psicologia Social) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1981) e pos-doutorado pela Universidad Complutense de Madrid (1992) . È Professora Associada e Livre Docente da Universidade de São Paulo, Consultora do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico e Consultora do Ministério da Educação. Tem experiência na área de Comunicação , com ênfase em Teoria da Comunicação. Atuando principalmente nos seguintes temas: ECA - Escola de Comunicações e Artes da USP, Jovens e ensino superior, Escola e Trabalho. 1996 – Coordenadora do LAPIC - Laboratório de Pesquisa sobre Infância, Imaginario e Comunicacao – ECA/USP 1996 – Coordenadora do LAPIC - Laboratório de Pesquisa sobre Infância, Imaginario e Comunicacao – ECA/USP 1996 – Membro do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq. 1996 - Consultora ad doc em Ciências da Comunicação, MEC. 1970 – Professora Associada e Livre-Docente – ECA/USP. 1970 – Consultora em Ciências da comunicação, ECA/USP 1991 - 1992 Pós-Doutorado. Universidad Complutense de Madrid, U.C.M., Espanha. 1989 Livre-docência. Universidade de São Paulo, USP, Brasil. 1976 - 1981 Doutorado em Psicologia (Psicologia Social). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, Brasil. 1971 - 1974 Mestrado em Psicologia (Psicologia Social). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, Brasil. ELZA DIAS PACHECO Rua Prof. Lúcio Martins Rodrigues, 443 ECA/USP – Brasil Site: www.eca.usp.br/nucleos/ lapic / Formação Habilidades Experiência profissional Experiência pessoal
  • 53. Referência resumo Livro e artigo MACHADO, Eliany & LOURENÇO, Silene. Comunicação e Protagonismo Juvenil . In: MÍDIAS NA EDUCAÇÃO, NCE-USP/ UFPE/ MEC. 2007. WILLIAMS, Robin. Design para quem não é designer . Noções Básicas de Planejamento Visual. 3ª ed, São Paulo : Callis. 2009. Sites Portal Secretaria Municipal de Educação da Cidade São Paulo http://portalsme.prefeitura.sp.gov.br/default .aspx Rede Nas Ondas do Rádio http://nasondasdoradio.ning.com/ Biblioteca digital – Domínio Público http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/PesquisaObraForm.jsp
  • 54. Créditos resumo Realização Secretaria Municipal de Educação da Cidade São Paulo Programa Nas Ondas do Rádio – DOT/SME Coordenação do Programa Nas Ondas do Rádio Carlos Alberto Mendes de Lima Equipe de Assessores/as Carlos Eduardo Fernandez Eveline Araujo Izabel Leão Marciel Consani Mauro Cordeiro Michel Sitnik Patricia Horta Salete Soares Edição Kassandra de Brito Marciel Consani Patricia Horta Ilustração Susana Narimatsu