Estilistica fônica presente nas composições de sandy leah

910 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
910
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Estilistica fônica presente nas composições de sandy leah

  1. 1. FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DE GOIATUBA – FAFICH FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIATUBA – FESG DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CURSO GRADUAÇÃO EM LETRAS FERNANDO GONÇALVES VIERA ESTILISTICA FÔNICA PRESENTE NAS COMPOSIÇÕES DE SANDY LEAH GOIATUBA JUNHO – 2012
  2. 2. FERNANDO GONÇALVES VIEIRA nandogoncalves5@gmail.comESTILISTICA FONICA PRESENTE NAS COMPOSIÇÕES DE SANDY LEAH Trabalho apresentado à faculdade de Filosofia e Ciências Humanas de Goiatuba, como pré- requisito para obtenção de nota na disciplina Estilística. Orientadora: Profª Ms. Jaciane Martins Ferreira GOIATUBA
  3. 3. JUNHO – 20121. Introdução Com o objetivo de evidenciar os estudos estilísticos realizados no sétimo períododo Curso de Letras, o presente trabalho traz uma análise de dois textos, duas composições dacantora e compositora Sandy Leah, que em seu primeiro álbum solo praticamente de suaprópria autoria, contando apenas com algumas parcerias como a de músicos como Lucas Anexo D. Modelo de Folha de RostoLima e Junior Lima. As composições Ela/Ele e Dedilhada compostas por Sandy serviu aanalise a partir da estilística do som. Antes da analise este ensaio aborda algumas definiçõessobre a estilística e sua relação com a literatura e a língua escrita.
  4. 4. 2. Pressupostos teóricos A Estilística é uma disciplina ligada a linguística que desde o século XX estuda os“fenômenos da linguagem tendo por objeto o estilo” (MARTINS, 1989, p.1), mas o que éestilo? Muitos estudiosos como Erik Enkvist (Linguística e Estilo), aplicam diversasclassificações dividindo em grupos que as difundiu de acordo com a escolha de expressões, deaspectos individuais, assuntos relacionados a norma, características de época, etc. Em seuestudo, Martins (1989, p,1)afirma que a palavra estilo, que hoje se aplica a tudo que possa apresentar características particulares das coisas mais banais e concretas as mais altas criações artísticas, tem uma origem modesta. Designava em latim – stilus – um instrumento pontiagudo usado pelos antigos para escrever sobre tabuinhas enceradas e daí passou a designar a própria escrita e o modo de escrever. O objeto desta disciplina segundo vários autores tem inúmeras definições eexplicações, que apresentam uma correlação. Muitos julgam que se trata do autor, da obra, doleitor, do modo de pensar, agir e apresentar suas idéias usando a língua em suas diversasmaneiras (MARTINS, 1989). O termo estilística que vem sendo usado desde o século XIX, tomando lugar deixado pela Retórica ... graças sobretudo a dois mestres que lideram duas correntes de grande importância: Charles Bally (1865 -1947) doutrinador da Estilística da língua, e Leo Spitzer (1887-1960), figura exponencial da Estilística literária. (MARTINS, 1989, p.3) A Estilística da língua de acordo com estudos de Bally possui duas faces variantes– a intelectiva ou lógica e a afetiva; abordando a afetividade no uso da língua: “Bally inicia assim, A Estilística da língua ou da expressão linguística, que se ocupa da descrição do equipamento expressivo da língua como um todo, opondo a sua Estilística ao estudo dos estudos individuais e afastando-se, portanto da literatura.” (MARTINS, 1989, p.4) No que se refere à Estilística literária fundamentada por Leo Spitzer, trata dosdesvios da linguagem em relação ao uso comum onde fica evidente, que a intenção do autor éalgo especifico e encontrável em sua obra. De acordo com estudos apresentados por Martins“uma marca dos trabalhos de Spitzer foi o pensamento de que a intenção do autor é algoespecífico, definido e, em princípio, encontrável”. (MARTINS, 1989, p.7). A Estilística possui uma ligação com a Retórica, que se ocupou da linguagem parafins persuasivos e artísticos. Aristóteles deixa claro em sua obra A Retórica, que ela é uma
  5. 5. arte voltada para a argumentação, ou seja, o orador/escritor ao produzir seu texto deve estaratento a questões linguísticas a fim de apresentar uma organização para haver sentido. Dentro da Estilística podemos encontrar a estilística mórfica, sintática, léxica,fônica ou do som, dentre outras. A fonoestilística ou estilística fônica assume o papel deestudar os efeitos sonoros que as palavras dão ao texto e de salienta que “o modo como olocutor profere as palavras da língua pode também denunciar estados de espírito ou traços dapersonalidade” (MARTINS, 1989, p.26). Não só poetas, mas também aqueles que fazem usoda arte da escrita ao repetir fonemas tem o objetivo de realçar determinadas palavras, reforçaruma conexão entre vários termos; com a finalidade de o tornar agradável aos ouvidos dequem escuta.
  6. 6. 3. Analise do corpusEla/Ele DedilhadaEla via o mundo Ou o céu ou o chãoEle via o mundo Nunca vejo o meioViam sob a mesma luz Qual a razãoIsso é tudo De ser o meio termoE era tudo Na minha mãoQue haviaEntre os dois em comum Guardo o meu destinoSe conheceram Eu abro e vouNo inverno de 2002 Eu só sei que não quero viverNo vento um prelúdio Uma vida dedilhadaDo que viria depois Cansei de pensar demaisO frio desculpa se fez E os erros meusPra ele estender seu casaco Não são iguais aos errosNos ombros delaO inverno então se desfez Que deixei pra trásQuando ela em troca E aqueles velhos medosLhe deu com o olhar um abraço Não assustam maisEle era um aspirante a poeta Meus passos vãoEla era inspiração Firmes no caminhoE pra ele qualquer coisa nela Em direção ao que não foi escritoDespertava uma canção Intuição sopra em meu ouvidoEla que sempre buscavaEm tudo um porque Escuto e vouCom ele bastava Eu só sei que não quero viverEstar, sentir e viver Uma vida dedilhadaO tempo voava pros dois Cansei de pensar demaisE nem todo o tempo do mundo E os erros meusSeria o bastante Não são iguais aos errosOs diasVividos a dois Que deixei pra trásProvavam que a eternidade E aqueles velhos medosÉ só um instante Não assustam maisEla já quis ser de tudo Uh, uh, uh, uh...E até sonhou Eu só sei que não quero viverEm ser piloto de avião Uma vida dedilhadaFinalmente alcançou o céu Cansei de pensar demaisNo instante em que ele lhe pediu a mãoTrês letras E os erros meusEla respondeu Não são iguais aos errosE a mais linda música Que deixei pra trásSe transformou sua voz E aqueles velhos medosEnfim não haveria mais Não assustam maisQualquer fragmento de vidaVivido a sós Uh, uh, uh, uh...
  7. 7. O texto da canção Ela/Ele em seu inicio traz uma anáfora combinada com umhomeoteleuto respectivamente nas seguintes linhas, “Ela via o mundo; Ele via o mundo; Viamsob a mesma luz”, trazendo a ideia de que as personagens pertenciam à mesma realidade eque estavam destinados um ao outro. O termo “tudo” aparece duas vezes evidenciando essepensamento. As palavras “aspirante” e “inspiração” formam uma paranomásia reforçando aligação entre os dois apaixonados. Os vocábulos “despertava”, “buscava”, “bastava”;associados com estes outros; “estar”, “sentir” e “viver” formando outra espécie dehomeoteleuto por se tratar de acoplamentos soltos nas linhas trazem a sensação decontinuidade em meio aos protagonistas dessa espécie de narração lírica. Em toda canção opredomínio de alguns fonemas sibilantes e chiantes torna o seu texto elegante através de suasonorização, proporcionando um conjunto sonoro agradável. Não deixando de citar a presençade aliterações e assonâncias Na letra da composição Dedilhada na primeira linha também se encontra umaanáfora, “Ou o céu ou o chão” mostrando um jogo de escolha que percorre durante todo otexto. O mais interessante encontramos no refrão onde inicialmente repetição do “qu”, naassonância das vogais “a”, “e”, “i” “o” e “u”, da aliteração das consoantes “d”, “s”, “v” eoutras lembram a dedilhada de um instrumento de corda, onde a consoantes “s” diminui oritmo dos acordes. A assonância do “u” nos linhas, “Eu abro e vou” e “Escuto e vou” passama ideia de movimentação.
  8. 8. 4. Conclusão De acordo com o que foi exposto na analise das composições de Sandy Leahnotamos como a fonoestilística permitiu o estudo de algumas particularidades de seu estilopela expressividade e jogos sonoros marcando o sentido no ouvinte ao escutar a suas canções.Expressividade adquirida com o passar dos anos de sua carreira como cantora e deve-sesalientar que sua formação acadêmica no curso de Letras também foi de grande valia para aprodução de suas letras.
  9. 9. 5. ReferênciasMARTINS,Nilce Sant’anna. A conceituação de estilística. In: Introdução à estilística.SãoPaulo:T.A. Queiroz Ltda, 1989.http://pt.wikipedia.org/wiki/Sandy_Leah. Consultado em 06/06/2012http://www.vagalume.com.br/sandy-leah/dedilhada.html. Consultado em 06/06/2012http://www.vagalume.com.br/sandy-leah/elaele.html. Consultado em 06/06/2012
  10. 10. SUMÁRIO1. INTRODUÇÃO......................................................................................................................42. PRESSUPOSTOS TEÓRICOS..............................................................................................53. ANALISE DO CORPUS........................................................................................................74. CONCLUSÃO........................................................................................................................95. REFERÊNCIAS................................................................................................................... 10

×