O custo ambiental do progresso

453 visualizações

Publicada em

Resumo do problema

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
453
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
27
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O custo ambiental do progresso

  1. 1. O CUSTO AMBIENTAL DO PROGRESSOCarvão ilegal é responsável por 20% do desmatamentoem Carajás
  2. 2. IMPLANTAÇÃO DE GUSEIRAS NA AMAZÔNIA Guseiras são empresas que transformam o minério em ferro-gusa, matéria prima para a produção de aço. A implantação das guseiras na Amazônia desde 1988, em Carajás, onde foram descobertas jazidas de minério de ferro, tornou- se um perigo ambiental de enormes proporções nos estados do Pará e Maranhão, por onde passa a rodovia de Carajás.
  3. 3. POR QUE O CARVÃO VEGETAL ? Na produção de ferro-gusa pode ser usado tanto carvão mineral, quanto carvão vegetal, mas o carvão vegetal se destaca pela reduzida quantidade de enxofre. Mas isto significa que existe grande pressão sobre a vegetação nativa, já que o reflorestamento existente é insuficiente.
  4. 4. O GRANDE PROBLEMA É QUE PARA OBTER UMATONELADA DE FERRO-GUSA É NECESSÁRIO O QUECONSTA NA TABELA ABAIXO: Minério QuantidadeCarvão vegetal 875 KgCalcário 100 KgManganês 40 KgQuartzito 65 Kg
  5. 5. PARA A OBTENÇÃO DO CARVÃO MINERAL OCORRE NA REGIÃO DESTRUIÇÃO DE NOSSA FLORESTA.  Considerando que a produção de cada tonelada de ferro-gusa exige 875Kg de carvão vegetal, estima- se que só em 2005 a produção do Pólo de Carajá implicou no desmatamento de uma área de 100 mil hectares de floresta. Essa área, que equivale a 100 mil campos de futebol, deve crescer se não ocorrer um reflorestamento. Já foram desmatadas para a produção de carvão 800 mil hectares de floresta ilegalmente.
  6. 6. Em Minas Gerais é utilizado somente madeira de reflorestamento, enquanto em Carajás o fato da Floresta Amazônica estar ao lado, a destruição da vegetação natural é avassaladora. Produção de ferro-gusa no Brasil  Do total de ferro-gusa produzido no Brasil, 63% são produzidos em Minas0,7 63% Gerais, 31% no Pólo de0,6 Carajás, 5% no Espírito0,5 Santo e 1% em outros0,4 estados. Dos 100% da 31%0,3 produção em Carajás, 88%0,2 é exportado para os Estados 5% Unidos.0,1 1% 0 Minas Gerais Pólo Carajás Espírito Santo Outros Estados
  7. 7. PRODUÇÃO DE FERRO GUSA É CONIVENTE COM A DEVASTAÇÃO AMBIENTAL E COM CRIMES TRABALHISTAS
  8. 8. NÃO HÁ RESPONSABILIDADEAMBIENTAL.NÃO HÁ DIREITOS HUMANOSRESPEITADOS.Em 2011, cerca de 40 trabalhadores foram resgatados decarvoarias no Maranhão, em operações do Ministério doTrabalho, feitas a partir de denúncias do Centro de Defesada Vida e dos Direitos Humanos. Num relatório que acaba deser concluído, a ONG afirma que grandes empresasamericanas, entre elas montadoras de automóveis, seabastecem com produtos que deixam rastros de degradaçãoambiental e miséria para comunidades do entorno.
  9. 9. ALTO CUSTO DE VIDA HUMANA E AMBIENTAL A produção em fornos possui uma baixa eficiência e não permite o aproveitament o de subprodutos, além de ser poluente e prejudicial, tan to para os carvoeiros quanto para os moradores da região.
  10. 10. A UTILIZAÇÃO DE MADEIRA DE REFLORESTAMENTO Uma alternativa é o carvão passar a ser produzido com madeira de eucalipto, fornecidas por áreas reflorestadas e seria necessário o reflorestamento de no mínimo 800ha para garantir a produção de carvão necessária à atender as guseiras. Pois as mesmas geram empregos, mas precisa mudar, desta maneira atual tem-se um alto custo – depredação de florestas nativas e o planeta não pode esperar muito tempo.
  11. 11. ALÉM DA RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DESMATADAS, A UTILIZAÇÃO DE MADEIRA DE REFLORESTAMENTO, ENTRE OUTRAS PRÁTICASAMBIENTALMENTE CORRETAS SERIAM NECESSÁRIAS PARA MUDAR O QUADRO DESASTROSO QUE SE APRESENTA ATÉ HOJE.

×