RReellaattoo ddee eexxppeerriiêênncciiaa 
BBrruussqquuee//SSCC
Relato de Experiência 
“VAMOS ÀS COMPRAS” 
Grandezas e Medidas: sistema monetário, massa e capacidade 
Professoras Alfabet...
SITUANDO... 
Este trabalho foi realizado com turmas do 
primeiro e segundo ano do ensino fundamental, da 
Escola de Ensino...
1º ANO - MATUTINO
www.educacao.brusque.sc.gov.br 
1º ANO - VESPERTINO
2º ANO- MATUTINO
2º ANO-VESPERTINO
AÇÕES PRÉVIAS 
 Conversas, levando em conta o conhecimento prévio dos 
alunos; 
 Análise e leitura de receitas trazidas ...
Para iniciar o trabalho, os alunos foram 
solicitados a trazer diversos tipos de receitas, 
incluindo doces e salgadas, àq...
Em seguida, houve a roda de conversa, 
que já faz parte da rotina, para que se 
observassem: 
 O título da receita; 
 Os...
Com auxílio da professora e dos colegas, as 
crianças leram o que estava escrito nas receitas e 
perceberam que estes text...
Texto retirado do livro de Letramento e Alfabetização: 
A Escola É Nossa (2° ano), Editora Scipione, 2013.
Foram apresentados e analisados os instrumentos 
de medida descritos em receitas e comparados com 
as medidas convencionai...
DIZERES DOS ALUNOS 
• “Professora, podemos usar um potinho que marca a 
quantidade para sabermos quanto tem no copo.” 
• “...
Com a lista dos produtos já anotados pelas 
crianças, fez-se a pesquisa de preço no 
mercado, onde pode-se pesquisar os va...
DIZERES DOS ALUNOS 
 “Professora, tem muitos produtos iguais, 
mas o preço é diferente, por quê?” 
 “Minha mãe sempre co...
Depois da pesquisa no mercado, fez-se a 
comparação dos preços pesquisados e o levantamento 
de gastos para a execução da ...
“Cuidado com o menino!”, de Tony 
Blundell 
Como leitura deleite, ouviram a 
história e cada um falou sobre sua 
compreens...
Este trabalho resultou em uma aprendizagem realmente 
significativa, por meio do qual puderam perceber as 
características...
Mercado em sala de aula
Elaboração de panfletos
DIZERES DOS ALUNOS 
 “A gente aprendeu a comprar no mercado e 
fazer receitas.” 
 “Dá pra medir a quantidade com muitos ...
http://drifi10.blogspot.com.br
REFERÊNCIA S: 
BRASIL. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Apoio à Gestão 
Educacional Pacto Nacional Pela Alfabet...
OObbrriiggaaddaa!! 
PPrrooffeessssoorraa AAddrriiaannaa ee PPrrooffeessssoorraa LLúúcciiaa
"Vamos às Compras"- Relato de Experiência, Pnaic- Brusque
"Vamos às Compras"- Relato de Experiência, Pnaic- Brusque
"Vamos às Compras"- Relato de Experiência, Pnaic- Brusque
"Vamos às Compras"- Relato de Experiência, Pnaic- Brusque
"Vamos às Compras"- Relato de Experiência, Pnaic- Brusque
"Vamos às Compras"- Relato de Experiência, Pnaic- Brusque
"Vamos às Compras"- Relato de Experiência, Pnaic- Brusque
"Vamos às Compras"- Relato de Experiência, Pnaic- Brusque
"Vamos às Compras"- Relato de Experiência, Pnaic- Brusque
"Vamos às Compras"- Relato de Experiência, Pnaic- Brusque
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

"Vamos às Compras"- Relato de Experiência, Pnaic- Brusque

569 visualizações

Publicada em

Relato de experiência Pnaic Brusque- SC

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
569
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
129
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

"Vamos às Compras"- Relato de Experiência, Pnaic- Brusque

  1. 1. RReellaattoo ddee eexxppeerriiêênncciiaa BBrruussqquuee//SSCC
  2. 2. Relato de Experiência “VAMOS ÀS COMPRAS” Grandezas e Medidas: sistema monetário, massa e capacidade Professoras Alfabetizadoras: Adriana Fischer Ribeiro Carmem Lúcia Coelho da Silva Orientadora de Estudo: Ana Carolina Conceição Marléte Tólio Comassetto
  3. 3. SITUANDO... Este trabalho foi realizado com turmas do primeiro e segundo ano do ensino fundamental, da Escola de Ensino Fundamental Professora Georgina de Carvalho Ramos da Luz, da rede municipal de educação de Brusque- Santa Catarina, com crianças entre seis a oito anos respectivamente, somando um total de 33 e 41 alunos respectivamente, durante o ano letivo de 2014.
  4. 4. 1º ANO - MATUTINO
  5. 5. www.educacao.brusque.sc.gov.br 1º ANO - VESPERTINO
  6. 6. 2º ANO- MATUTINO
  7. 7. 2º ANO-VESPERTINO
  8. 8. AÇÕES PRÉVIAS  Conversas, levando em conta o conhecimento prévio dos alunos;  Análise e leitura de receitas trazidas pelos alunos;  Estudo das medidas não convencionais (xícara, copo, colher) e medidas convencionais (quilo, litro, mililitro e grama). Com isso, foi possível fazer com que os alunos adquirissem conhecimentos mais aprofundados sobre o assunto em questão, incluindo a função social do gênero do discurso, receita.
  9. 9. Para iniciar o trabalho, os alunos foram solicitados a trazer diversos tipos de receitas, incluindo doces e salgadas, àquelas do seu cotidiano.
  10. 10. Em seguida, houve a roda de conversa, que já faz parte da rotina, para que se observassem:  O título da receita;  Os ingredientes utilizados para pesquisa de preço;  Quantidades e os instrumentos de medidas descritos na receita;  Escolha da receita a ser executada na escola por meio de eleição.
  11. 11. Com auxílio da professora e dos colegas, as crianças leram o que estava escrito nas receitas e perceberam que estes textos informam sobre como fazer (passo a passo), percebendo assim a sua função social. Em seguida, elegeram a receita para execução e escreveram no caderno, registrando principalmente os ingredientes para pesquisa de preço e levantamento dos gastos.
  12. 12. Texto retirado do livro de Letramento e Alfabetização: A Escola É Nossa (2° ano), Editora Scipione, 2013.
  13. 13. Foram apresentados e analisados os instrumentos de medida descritos em receitas e comparados com as medidas convencionais. Os alunos mediram a capacidade dos objetos comuns e transformaram em conhecimento fmedidas cientifico, registrando a medida padrão. Foi possível perceber a empolgação das crianças ao comparar estas medidas, bem como elaborar hipóteses, vivenciadas anteriormente por eles.
  14. 14. DIZERES DOS ALUNOS • “Professora, podemos usar um potinho que marca a quantidade para sabermos quanto tem no copo.” • “Se todos ganharem um copo igual podemos dividir a mesma quantidade para cada um.” • “Minha mãe não mede certinho, ela faz a receita e diz que é mais ou menos uma xícara de água. Ela faz muitas vezes arroz lá em casa, é por isso que sabe fazer sem ler, né professora?”
  15. 15. Com a lista dos produtos já anotados pelas crianças, fez-se a pesquisa de preço no mercado, onde pode-se pesquisar os valores e registrar a marca, para depois realizar o comparativo. Os alunos puderam fazer compras e adquirir produtos do seu interesse e do valor que possuíam, proporcionando uma relação prática com o sistema monetário.
  16. 16. DIZERES DOS ALUNOS  “Professora, tem muitos produtos iguais, mas o preço é diferente, por quê?”  “Minha mãe sempre compra deste, ela disse que é mais barato e a gente tem sempre que comprar o mais barato.”  “ Prô, por que tem alguns produtos que o preço está marcado em papel maior e de outra cor?(àqueles promocionais).”
  17. 17. Depois da pesquisa no mercado, fez-se a comparação dos preços pesquisados e o levantamento de gastos para a execução da receita escolhida. Vários questionamentos foram elencados pelos alunos:  “A receita terá o mesmo sabor se for feita com o produto mais barato?” “É possível fazer mais de uma receita com esta quantidade?” “Uma receita irá dar para todos nós?” “Quantas porções dará uma receita?” Neste momento de comparar, classificar, contar e registrar, a partir do desejo das crianças, foi feita a receita escolhida podendo assim, solucionar as dúvidas que surgiram entre os alunos.
  18. 18. “Cuidado com o menino!”, de Tony Blundell Como leitura deleite, ouviram a história e cada um falou sobre sua compreensão e as conexões do texto com fatos que haviam vivenciado.
  19. 19. Este trabalho resultou em uma aprendizagem realmente significativa, por meio do qual puderam perceber as características matemáticas presentes nas receitas e os objetos de medida convencional do cotidiano. Perceberam a função social da receita e do sistema monetário. Foi possível perceber também, a construção da linguagem matemática a partir das expressões como “cheio, vazio, menor, maior, metade, meio...” O trabalho com materiais manipuláveis e cotidianos, o desafio, o questionamento e o espírito investigativo garantiram o envolvimento ativo das crianças com as práticas de letramento.
  20. 20. Mercado em sala de aula
  21. 21. Elaboração de panfletos
  22. 22. DIZERES DOS ALUNOS  “A gente aprendeu a comprar no mercado e fazer receitas.”  “Dá pra medir a quantidade com muitos objetos, mas precisamos saber quanto cabe dentro deles, se não a receita fica errada e estraga tudo.”  “A minha mãe nunca erra a receita da “nega maluca” porque ela mede a quantidade de todos os ingredientes toda vez que faz. Fica sempre uma delícia.”  “ Prô, a gente tem que medir o tempo que vai assar né? Porque pode ficar cru ou queimado.”
  23. 23. http://drifi10.blogspot.com.br
  24. 24. REFERÊNCIA S: BRASIL. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Apoio à Gestão Educacional Pacto Nacional Pela Alfabetização na Idade Certa: Grandezas e Medidas. Ministério da Educação. Brasília: MEC, SEB, 2014. BRUSQUE/SC. Prefeitura de Brusque. Secretaria Municipal de Educação. Diretrizes Curriculares Municipais. Brusque, 2012. BLUNDELL, Tony. Cuidado com o menino! Salamandra. CAVÉQUIA, Márcia Paganini. A Escola é Nossa: alfabetização e letramento, 2° ano. São Paulo, Scipione, 2013.
  25. 25. OObbrriiggaaddaa!! PPrrooffeessssoorraa AAddrriiaannaa ee PPrrooffeessssoorraa LLúúcciiaa

×